Geografia da Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O estado da Bahia em destaque no mapa do Brasil.
Mapa da Bahia com suas divisões (mesorregiões, microrregiões e municípios).

A Geografia da Bahia é um campo de estudo da geografia com foco no estado brasileiro da Bahia, e é também um ramo da geografia da Região Nordeste do Brasil, que por sua vez é da geografia do Brasil. A Bahia está, no que se pode dizer, no ponto sub-colateral leste-nordeste em relação à cidade de Brasília e, ainda, no litoral do país sul-americano chamado Brasil.

Dentre os aspectos geográficos dessa disciplina, é possível destacar que a Bahia é o quinto estado do país em extensão territorial e equivale a 36,3% da área total do Nordeste brasileiro e 6,64% do território nacional. Na sua área de área de 564.733,177 km², cerca de 70% encontram-se na região do semi-árido, sendo o maior litoral do Brasil, medindo 1.183 km, abrigando uma grande variedade de ecossistemas e favorecendo a atividade turística por sua rara beleza.

Bahia
Ficha técnica
Área 564.733 km²
Relevo planície, planalto, chapadão, depressões.
Ponto mais elevado Pico do Barbado, entre os municípios de Rio do Pires e Abaíra (2.033 m).
Rios principais São Francisco, Jequitinhonha, Paraguaçu, de Contas, Capivari, Itapicuru.
Vegetação caatinga, campos cerrados, floresta tropical.
Clima tropical (de savana e superúmido), semi-árido, árido.
Municípios mais populosos Salvador (2.883.682), Feira de Santana (606.139), Vitória da Conquista (336.987), Camaçari (275.575), Itabuna (218.124), Juazeiro (214.748), Ilhéus (184.616), Lauro de Freitas (184.383), Jequié (161.391), Teixeira de Freitas (153.385)
Hora local GMT -3
Gentílico baiano

Relevo[editar | editar código-fonte]

Vista da Chapada Diamantina.

Com 561.026 km² situados na fachada atlântica do Brasil, o relevo é caracterizado pela presença de planícies, planaltos, e depressões. Marcado pelas altitudes não muito altas, o ponto mais alto da Bahia é representado pelo Pico do Barbado, situado na Serra do Guarda Mor, próximo a Catolés, com cerca de 2.040 metros.

Os planaltos ocupam quase todo o estado, apresentando uma série de patamares, por onde cruzam rios vindos da serra do Espinhaço, que nasce no centro de Minas Gerais indo até o norte do estado, e da própria Chapada Diamantina, de formato tabular, marcando seus limites a norte e a leste. O planalto semiárido, localizado no sertão brasileiro, caracterizado por baixas altitudes.

As planícies estão situadas na região litorânea, onde a altitude não ultrapassa os 200 metros. Ali, surgem praias, dunas, restingas e até pântanos. Quanto mais se anda rumo ao interior, mais surgem terrenos com solos relativamente férteis, onde aparecem colinas que se estendem até o oceano.

Um único recorte no litoral baiano, determina o surgimento do Recôncavo baiano, cuja superfície apresenta solo variado, sendo muito pouco fértil em algumas áreas, enquanto em outras a fertilidade é favorecida pela presença do solo massapê, formado por terras de origem argilosa.

No interior, a Bahia é caracterizada por uma região acidentada próxima ao litoral, que vai se tornando mais plana à medida que se aproxima dos cerrados da região central do Brasil. Na área acidentada, destaca-se a existência de grandes chapadões|chapadas e chapadões, a mais conhecida das quais a Chapada Diamantina. Essa chapada foi modelada pela contínua erosão dos picos da Serra do Espinhaço, uma cadeia de montanhas que se estende, com diferentes nomes, de Minas Gerais (Serra da Mantiqueira) até Pernambuco (Serra da Borborema).

Os chapadões, as chapadas e tabuleiros presentes no relevo mostram que a erosão trabalhou em busca de formas tabulares. Um conjunto de chapadões situados a oeste recebe, na altura do estado, o nome de Espigão Mestre.

As planícies aluviais se formam a partir dos rios Paraguaçu, Jequitinhonha, Itapicuru, de Contas, e Mucuri, que descem da região de planalto, enquanto o rio São Francisco atua na formação do vale do São Francisco, onde o solo apresenta formação calcária.

Altitude[editar | editar código-fonte]

A cachoeira da Fumaça, na Chapada Diamantina.

O território do Estado da Bahia se caracteriza por planaltos, tendo em vista que 90% do relevo situa-se acima dos 200 metros. Diversas áreas do estado apresentam altitudes acima dos 900 metros, as quais se concentram na região central e centro-leste do estado. A Chapada Diamantina e os planaltos de Conquista e Jaguaquara são os principais representantes das "áreas altas" do estado. Na Chapada Diamantina, em especial, ocorrem áreas montanhosas (setor Oeste e Sudoeste) e chapadões (setores Leste e Sul) onde as altitudes ultrapassam os 1400 metros, sendo que nas primerias situam-se as maiores elevações do Estado e da Região Nordeste, que são o Pico do Barbado, com 2080 metros, e o Pico das Almas, com 1850 metros.

Já o Vale do São Francisco apresenta altitudes médias de 400m, em função do avançado estágio de erosão fluvial. Esta área rebaixada é ladeada, a Oeste, pelas Chapadas da Serra Geral de Goiás e pelos plantaltos relacionados, com altitudes entre 700 e 900 metros em média. A região relativamente baixa, ainda relacionada ao vale do São Francisco, se prolonga pelo norte do estado, junto a divisa com o estado de Pernambuco.

Pontos extremos[editar | editar código-fonte]

Pontos culminantes[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Sertão.

Devido à sua latitude, o clima tropical predomina em toda a Bahia, apresentando temperaturas elevadas, em que as médias de temperatura anuais, em geral ultrapassam os 27 °C, entretanto na serra do Espinhaço as temperaturas são mais amenas e agradáveis, podendo chegar aos 5 °C no inverno. Contudo, no sertão, o clima é o semi-árido e Clima árido. O clima árido só é encontrado no Raso da Catarina, região mais quente do Brasil, em que os índices pluviométricos são bastantes baixos, sendo comum os longos períodos de seca, onde se chega aos 43 °C, situado no nordeste da Bahia. O recorde de temperatura do Brasil foi de 50,4 °C no raso da catarina.

Há distinções apenas quanto aos índices de precipitação em cada uma das diferentes regiões. Enquanto que no litoral e na região de Ilhéus, a umidade é maior, e os índices de chuvas podem ultrapassar os 1.500 mm anuais, no sertão pode não chegar aos 300 mm anuais.

A estação das chuvas é irregular, consequentemente podendo falhar totalmente em certos anos, desencadeando a seca, que é mais marcante no interior, com exceção para região do vale do rio São Francisco.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Vegetação da Chapada Diamantina.

Possui três tipos variados de vegetação, sendo a caatinga predominante sobre a floresta tropical úmida e o cerrado.

A caatinga se localiza em toda a região norte, na área da depressão do São Francisco, e na serra do Espinhaço, deixando para o cerrado apenas a parte ocidental, e para a floresta tropical úmida, o sudeste.

No interior as estações de seca são mais marcantes, com exceção para região do vale do rio São Francisco.

Na serra do Espinhaço as temperaturas são mais amenas e agradáveis.

Os índices pluviométricos no sertão são bastantes baixos, podendo não chegar aos 300 mm anuais. Ali ocorrem comumente longos períodos de seca.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Buracão em Ibicoara.

O principal rio é o São Francisco, que corta o estado na direção sul-norte. É navegável desde a divisa com Minas Gerais até as proximidades de Pernambuco, sendo um importante fonte de renda por ele banhados graças a várias opções para a pesca.[1] Com importância sinônima, os rios Paraguaçu e o de Contas que somam-se os rios Jequitinhonha, Itapicuru, Capivari, entre outros.

Litoral[editar | editar código-fonte]

É o estado brasileiro com o maior litoral. Nessa extensão litorânea pode-se encontrar praias tropicais, falésias multicoloridas, manguezais, ilhas e diversos pontos de encontro entre rios e o mar. É um dos melhores locais do mundo para observação de baleias (especialmente na região conhecida como Costa das Baleias)[2] e ainda mergulhos em águas onde a visibilidade submarina é superior a 20 metros.[1] Além das atratividades naturais, o litoral baiano também é perfeito para a prática de esportes náuticos: regatas, surfe e mergulho são alguns dos exemplos.

A Baía de Todos os Santos é a maior baía tropical do Atlântico, formando o principal destino para o turismo náutico no estado. São mais de 1.000 km de espelho d'água, banhando 17 municípios e 56 ilhas.[3] [4]

A partir dessa baía, estabelece-se três grandes setores litorâneos: Litoral Norte, Salvador/Baía de Todos os Santos e Litoral Sul. Estes subdividem-se, ao todo, em seis subsetores. Em sentido norte-sul, o primeiro é Litoral Norte I, cujos 150 quilômetros de extensão espalhados por 10 municípios (Jandaíra, Esplanada, Conde, Entre Rios, Cardeal da Silva, Itanagra, Mata de São João, Araças, Catu e Pojuca) iniciam em Mangue Seco, na divisa com Sergipe, e termina na foz do Rio Pojuca, que é a divisa entre Jandaíra e Mata de São João. Em continuidade, estão os 50 quilômetros do Litoral Norte II, no qual estão localizados os municípios de Dias d'Ávila, Camaçari e Lauro de Freitas. Após Lauro de Freitas, está o subsetor cidade de Salvador e Baía de Todos os Santos, que se estende por 230 quilômetros e 18 municípios (Salvador, Simões Filho, Candeias, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Santo Amaro, Madre de Deus, Cachoeira, São Félix, Saubara, Salinas da Margarida, Itaparica, Vera Cruz, Maragogipe, Aratuípe, Nazaré, Jaguaripe e São Felipe). O Litoral Baixo Sul inicia-se no município de Valença (foz do rio Jiriquiçá) até Maraú (foz do Rio de Contas), estendendo-se por 246 quilômetros e oito municípios (Valença, Cairu, Taperoá, Nilo Peçanha, Ituberá, Igrapiúna, Maraú e Camamu). Após, está a Zona Cacaueira que cobre nove municípios (Itacaré, Uruçuca, Ilhéus, Una, Santa Luzia, Canavieiras, Belmonte, Itabuna e Buerarema) por 180 quilômetros até a foz do rio Jequitinhonha. Por último, estão os 325 quilômetros do Extremo Sul até a divisa com o Estado do Espírito Santo, cobrindo sete municípios (Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro, Prado, Alcobaça, Caravelas, Nova Viçosa e Mucuri).[5]

Ilhéus é o município com a maior costa do estado.[6] Porto Seguro (85 quilômetros),[7] Prado (84 quilômetros),[8] Salvador (50 quilômetros),[9] [10] Conde (44 quilômetros)[11] Camaçari (42 quilômetros)[12] e Vera Cruz (40 quilômetros)[13] estão entre municípios de maior extensão costeira.

Preservação ambiental[editar | editar código-fonte]

Foram criadas 36 Áreas de Proteção Ambiental (APAs), totalizando 128 Unidades de Conservação cadastradas no estado, instituídas por decretos e portarias federais, estaduais e municipais. A incidência das APAs se deve a sua adequação e orientação às atividades humanas sendo mais flexíveis. Considerando os diferentes biomas, cerrado, caatinga e floresta (Mata Atlântica), constata-se que com maior percentual de Unidades de Conservação encontra-se em áreas de florestas devido à sua fragmentação e estado de degradação. As Reservas Particulares surgem como opção de preservação totalizando 46 unidades[14] .

Na Região Metropolitana de Salvador, estão situadas algumas áreas verdes e parques que guardam grandes espaços de vegetação. São eles: o Parque Metropolitano de Pituaçu, o Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté, o Parque Zoobotânico Getúlio Vargas (ou Jardim Zoológico de Salvador), o Jardim Botânico de Salvador, o Parque da Cidade Joventino Silva (ou Parque da Cidade).

Unidades de conservação[editar | editar código-fonte]

Como em todo o Brasil, na Bahia também existem áreas de preservação e conservação, que são geridas pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, protegidas por lei e têm sua função determinada pelas categorias de Proteção Integral e Uso Sustentável, definidas pela Lei no 9.985/00, Sistemas de Unidades de Conservação (SNUC), e uma delas é a educação ambiental. Abaixo estão listados as áreas de conservação e preservação localizadas na Bahia[14] .

Além das UCs existentes, há projetos de criação outras áreas para proteger os vestígios de mata atlântica que ainda sobrevivem no sul e extremo sul da Bahia, como Monumento Natural de Pancada Grande na divisa entre os municípios de Ituberá e Igrapiúna com uma área de 613 hectares[15] , Refúgio de Vida Silvestre e Parque Nacional de Boa Nova abrangendo os municípios de Boa Nova, Manoel Vitorino e Dário Meira[16] , Área de Proteção Ambiental e Parques Nacional e Estadual do Alto Cariri no limite de Minas Gerais e Bahia[17] e Parque Nacional das Serras das Lontras, Javi e Quati nos municípios de Una e Arataca em 16.520 hectares[18] .

Parques nacionais[editar | editar código-fonte]

Ilha Redonda, Arquipélago de Abrolhos.

Através de decretos e portarias federais foram instituídos sete parques nacionais no estado da Bahia[14] . São eles:

Parque estaduais[editar | editar código-fonte]

Através de decretos e portarias estaduais foram instituídos três parques estaduais da Bahia[14] . São eles:

Monumentos naturais[editar | editar código-fonte]

Os monumentos naturais são unidades de conservação de proteção integral, pretende preservar sítios naturais raros, singulares ou de grande beleza cênica e a Bahia possui dois[14] , que são:

Estações ecológicas[editar | editar código-fonte]

Praia em Trancoso.

As estações ecológicas são unidades de conservação que dão preferência ao desenvolvimento de pesquisas científicas[14] . No Estado da Bahia há três.

Áreas de relevante interesse ecológico[editar | editar código-fonte]

As áreas de relevante interesse ecológico (ARIE) geralmente possuem uma pequena área, mas com espécies únicas e/ou muitto raras. No Estado da Bahia estão localizados três dessas[14] .

Reservas particulares do patrimônio natural[editar | editar código-fonte]

As reservas particulares do patrimônio natural (RPPN) são áreas privadas, gravadas com perpetuidade, com o objetivo de conservar a diversidade biológica. De acordo com dados do IBAMA de janeiro de 2008, as RPPNs federais que existem na Bahia estão listadas abaixo[20] .

Áreas de proteção ambiental[editar | editar código-fonte]

Coqueiral na Linha Verde.
Camamu.

As áreas de proteção ambiental (APA) geralmente possuem uma grande área com ocupação humana, e que visa o desenvolvimento sustentável e conciliar o ser humano com o meio ambiente. Na Bahia há 32 APAs[14] .

Reservas extrativistas[editar | editar código-fonte]

Como a Bahia não está dentro da Amazônia, as reservas extrativistas (RESEX) foram inicialmente somente do tipo marinha. No estado estão localizadas duas RESEX marinhas já criadas, listadas abaixo, e outras duas em fase de estudo para criação (Litoral Norte da Bahia e Itacaré).[21] Além dessas duas, há outras duas terrestres.

Outras unidades[editar | editar código-fonte]

Na Bahia, além das anteriores, há outras unidades de conservação[14] , como:

Referências

  1. a b Visão Cidade. Turismo Náutico: A Bahia possui maior baía tropical do Atlântico. Página visitada em 7 de setembro de 2014.
  2. Bahia.com.br. Destinos » Costa das Baleias
  3. Destinos » Cidades da Baía de Todos-os-Santos
  4. brasil-turismo.com. Baía de Todos os Santos e Ilha de Itaparica, Bahia e Cidades
  5. Ministério do Meio Ambiente. 3.4 Bahia. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  6. Ponto Tur. Ilhéus. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  7. Eurico de Arruda Neto. Título não preenchido, favor adicionar. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  8. Bahia!. Prado. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  9. Guia do Litoral. SALVADOR. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  10. Bahia!. Salvador. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  11. EcoViagem. Conde UOL. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  12. Carolina Motta (27/03/2013). Projeto de gestão costeira em Arembepe Prefeitura Municipal de Camaçari. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  13. Bahia!. Vera Cruz. Página visitada em 12 de Setembro de 2014.
  14. a b c d e f g h i SEMA - Secretaria do Meio Ambiente - Governo do Estado da Bahia. Unidades de Conservação - Definição: Unidades de Conservação do Estado. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  15. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Proposta de Criação de Unidade de Conservação Monumento Natural de Pancada Grande. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  16. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Proposta de Criação de Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre e Parque Nacional de Boa Nova. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  17. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Proposta de Criação de Unidade de Conservação Área de Proteção Ambiental e Parques Nacional e Estadual do Alto Cariri. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  18. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Proposta de Criação de Unidade de Conservação Parque Nacional das Serras das Lontras, Javi e Quati. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  19. Superintendência do IBAMA na Bahia. Serra Geral do Tocantins. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  20. IBAMA. Lista de RPPNs. Página visitada em 6/07/2008.
  21. IBAMA. Reservas Extrativistas (em português). Página visitada em 15 de abril de 2010.
  22. ICMBio. DECRETO DE 5 DE JUNHO DE 2009. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  23. ICMBio. DECRETO DE 5 DE JUNHO DE 2006. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  24. Superintendência do IBAMA na Bahia. Veredas do Oeste Baiano. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  25. Superintendência do IBAMA na Bahia. Contendas do Sincorá. Página visitada em 6 de julho de 2008.
  26. Superintendência do IBAMA na Bahia. Una. Página visitada em 6 de julho de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Geografia da Bahia