Bento Ribeiro (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bento Ribeiro
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg
Bento Ribeiro.svg
Área 303,78 ha (em 2003)
Fundação 7 de novembro de 1914
IDH 0,851 (em 2000)
Habitantes 43 707 (em 2010)
Domicílios 16 500 (em 2010)
Limites Marechal Hermes, Honório Gurgel,
Rocha Miranda, Oswaldo Cruz
e Vila Valqueire
Distrito Madureira
Subprefeitura Zona Norte
Região Administrativa Madureira

Bento Ribeiro é um bairro da Zona Norte do município do Rio de Janeiro. Pertence à região administrativa de Madureira.

Localiza-se às margens da Estrada de Ferro Central do Brasil, entre Marechal Hermes e Oswaldo Cruz. No total, faz limites com cinco bairros: Marechal Hermes, Honório Gurgel, Rocha Miranda, Oswaldo Cruz e Vila Valqueire.

Bento Ribeiro não possui favelas nem movimentação excessiva de transeuntes, além de contar com estação de trem e estar bem próximo do Polo Comercial de Madureira. É um bairro que quase não sofreu alterações ao longo dos anos, assim como seus vizinhos Oswaldo Cruz e Marechal Hermes.[carece de fontes?]

O bairro leva o nome do ex-prefeito do município, Bento Manuel Ribeiro Carneiro Monteiro.

Seu IDH, no ano 2000, era de 0,851, o 53.º melhor do município do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Mapa de Bento Ribeiro em 1937

O bairro, de características fortemente residenciais, formou-se em torno das ruas João Vicente e Carolina Machado, e como diversos outros do subúrbio carioca, tem sua história atrelada à estação ferroviária, inaugurada em 1914.

Em 23 de julho de 1881, a região foi oficialmente transformada em bairro através de decreto, após longa negociação entre as três famílias mais influentes do local a época com o então governo.

Bento Ribeiro

No início no século XX, a região já era notadamente povoada., O local era habitado por pessoas vindas da Região Central após a reforma urbana de Pereira Passos, e também por imigrantes italianos e portugueses.

A influência dos imigrantes para o bairro foi traduzida em forma de religiosidade. Em Bento Ribeiro, há duas igrejas sob influência das tradições europeias: a Paróquia de São Sebastião e a Igreja de Santa Izabel Rainha de Portugal.

Famosos[editar | editar código-fonte]

O bairro tem uma forte ligação com a Cultura Popular Brasileira, onde nasceram e/ou viveram figuras de destaque social, como a apresentadora Xuxa Meneghel,[1] que morou em Bento Ribeiro dos 7 aos 17 anos de idade, o jogador Ronaldo Nazário,[2] que nasceu e foi criado no bairro, onde morou até o início da década de 90 quando começou sua carreira como futebolista profissional, e também o jogador Souza.

A cantora Marvvila, a aposta da Warner para a representar o pagode feminino, nasceu em Bento Ribeiro. Ela participou da 5.ª temporada do The Voice Brasil e fez um dueto com a cantora Ludmilla no álbum "Numanice".[3]

No bairro também nasceram as cantoras Marion Duarte e Miracy de Barros, vozes femininas que marcaram a história e fizeram sucesso na Era de Ouro do Rádio, entre as décadas de 1950 e 1960.[4]

Outro morador ilustre do bairro foi o poeta paraibano Raimundo Luiz do Nascimento (Raimundo Santa Helena), que se destacou na Literatura de cordel e é considerado um dos fundadores culturais da Feira de São Cristóvão.[4][5]

Grandes nomes como Pixinguinha, Cartola, Paulo da Portela e Heitor dos Prazeres frequentaram e/ou viveram no local.[4]

Samba e carnaval[editar | editar código-fonte]

Bento Ribeiro foi sede duas escolas de samba, além de algumas agremiações e blocos carnavalescos. A Lira do Amor, que disputou o carnaval entre as mais tradicionais, sendo extinta no ano de 1949 e a Paz e Amor, que teve Heitor dos Prazeres como um dos mais importantes membros.

A gafieira chamada Linda Luz Parque Dancing — sediada no Edifício/Clube Cedofeita — foi um destaque na Música Brasileira, funcionando entre as décadas de 1930 e 1960. O prédio era frequentado por grandes nomes do samba, como Zé Keti, Cartola, e recebeu apresentações de Pixinguinha.[4]

Estação Prefeito Bento Ribeiro, no bairro de Bento Ribeiro

Futebol[editar | editar código-fonte]

O bairro contou com a agremiação esportiva Bento Ribeiro Futebol Clube, e também, na década de 1940, com o time de futebol feminino, Independente de Bento Ribeiro.

Cinemas[editar | editar código-fonte]

Na Era de Ouro dos cinemas de rua (os tradicionais "poeirinhas"), Bento Ribeiro contava com o Cine Caiçara e o Cine Bento Ribeiro. Ambos fizeram parte do importante circuito de cinemas do subúrbio carioca.

O Cine Bento Ribeiro foi inaugurado em 30 de janeiro de 1925 e funcionou até 1 de janeiro de 1967. No auge do cinema mudo. Na época, um pianista ficava perto da tela, onde tocava a trilha do filme. O cinema tinha capacidade para 392 pessoas e as sessões eram recheadas de filmes românticos.

Já o Cine Caiçara, com 847 lugares sentados, funcionou de 19 de março de 1957 a 13 de junho de 1982. O cinema era conhecido por suas sessões dupla de filmes de faroeste e de kung-fu.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Michel Alecrimm, Tamara Menezes (25 de maio de 2012). «O passado de Xuxa». Isto É. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  2. Rodrigo Cardoso (18 de fevereiro de 2011). «Ronaldo: o atleta, a dor e o fim - Parte 1». Isto ÉRevista Isto É. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  3. Extra (3 de setembro de 2020). «Pagodeira de Bento Ribeiro, Marvvila conta que música com Ludmilla fez sua carreira bombar». extra.globo.com. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  4. a b c d Fernanda Fernandes (6 de novembro de 2020). «Bento Ribeiro: história do bairro, curiosidades e cultura popular». multirio.rj.gov.br. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  5. Simone Mendes. «Biografia». casaruibarbosa.gov.br. Consultado em 28 de dezembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bento Ribeiro (bairro do Rio de Janeiro)