Cultura de Porto Velho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casa da Cultura Ivan Marrocos onde são realizadas exposições de artistas locais.

A Cultura Popular de Porto Velho é marcada pela forte influência nordestina, como o Boi-bumbá, as quadrilhas juninas, a Pastorinha e pela influência do centro-sul brasileiro. A interpretação de lendas indígenas, como as da Iara, do Boto e do Mapinguari, indicam o folclore local, influenciado pelos migrantes. Quanto ao artesanato, existem várias exposições de trabalhos indígenas, utilitários e de adorno, utilizando-se como matéria prima argila, cipó, bambu, borracha. A Casa do Artesão funciona como ponto de apoio às iniciativas do gênero.

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

O Palácio Tancredo Neves, sede da Prefeitura Municipal, e a Biblioteca Municipal Francisco Meirelles no Centro da capital rondoniense.

O acervo municipal de Porto Velho conta com Biblioteca Municipal ao lado da Prefeitura. O espaço conta com dois andares com ar-refrigerado no Centro da cidade.Também conta com a Biblioteca da Integração da Amazônia e a Biblioteca Pública Estadual Doutor José Pontes Pinto.

Carnaval[editar | editar código-fonte]

O Carnaval acontece todos os anos, atraindo um grande número de pessoas de outros municípios de Rondônia e de estados vizinhos. Durante o período carnavalesco, ocorrem os desfiles dos blocos carnavalescos e de escolas de samba, as quais pode-se citar, entre as mais conhecidas, Os Diplomatas, Asfaltão, entre outras.

No mês de julho acontece o Carnaval Fora de Época, com características do carnaval da Bahia, com trios elétricos e grupos de Axé.

Teatros[editar | editar código-fonte]

  • Teatro Estadual Palácio das Artes Rondônia (Avenida Presidente Dutra, bairro Olaria)
  • Teatro Guaporé (Rua Tabajara, bairro Olaria)
  • Teatro Banzeiros (Rua Renato Medeiro, Centro)
  • Teatro Uirassu Rodrigues (Rua José Bonifácio)
  • Teatro do SESC
  • Teatro do SEST-SENAT

Museus[editar | editar código-fonte]

No complexo ferroviário, está localizado o Museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, no centro da cidade está situado o Museu Estadual, com farto material sobre arqueologia, minerologia e etnologia.

Museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré[editar | editar código-fonte]

No Museu, instalado em um armazém de carga e descarga quase centenário, pode-se ver centenas de materiais preservados da ferrovia. O Museu reúne várias peças da época de sua construção e funcionamento. Além da primeira locomotiva trazida para a Amazônia, a Coronel Churchill, pode-se apreciar também uma Cegonha e um Velocípede, usados no transporte de feitores que fiscalizavam a linha, tornos, máquinas, móveis, fotografias de operários, livros, documentos e muito mais. O museu fica na Avenida 7 de setembro - Praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Fora do Museu, à beira-rio, pode-se fazer um passeio em um dos "batelões" à Cachoeira de Teotônio.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

As Três Caixas d'Água[editar | editar código-fonte]

As Três Caixas d'Água, marco histórico.

Também conhecidas como As Três Marias, as caixas d'água ficam no centro da cidade, na praça de mesmo nome. A primeira foi erguida em 1910 e as outras duas em 1912. Foram projetadas e construídas pela Chicago Bridge & Iron Works, de Chicago conforme informações contidas em placa de ferro fundido, cravadas nas pilastras de cada uma delas. São três tanques de forma cilíndrica, cobertos com chapas de metal de forma cônica, e a base em formato côncavo. Cada tanque está elevado do chão por quatro colunas de ferro feitas em treliça sobre fundação de concreto. Estão circundados à altura do bojo, por uma passarela com parapeito metálico de treliça por onde se chega através de uma escada. Cada reservatório possui capacidade para 200.000 litros e serviram para abastecer a cidade de Porto Velho até o ano de 1957, funcionando por ação da gravidade.

A Catedral do Sagrado Coração de Jesus[editar | editar código-fonte]

A Catedral teve sua construção iniciada em 1917, mas só foi concretizada dez anos depois devido às dificuldades enfrentadas no transporte de material. As pinturas originais de cunho religioso no interior da Catedral, foram executadas pelo padre Ângelo Cerri e por Afonso Ligório. Os vitrais que a circundam, com temas da Via Sacra, foram todos doados pela comunidade de Porto Velho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]