Povo do santo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Povo do Santo, povo de santo, ou simplesmente do santo é como se definem as pessoas devotadas ao culto dos orixás, voduns e inquices, as entidades africanas, no Brasil. Estas divindidades vieram para o Brasil junto com os negros na Diáspora africana, durante o período do tráfico negreiro do Oceano Atlântico.

A famosa música "O Que é que a Baiana Tem", composta por Dorival Caymmi e imortalizada por Carmen Miranda, apresenta o estereótipo da baiana de santo, e por extensão o estereótipo de todo um grupo social, com seus trajes, comidas, penteados e danças típicas. Porém, muito além do clichê, encontra-se uma cultura bastante complexa e interessante. Jorge Amado e Carybé foram outros artistas que retrataram muito bem os modos do povo do santo em suas obras.

Dividido em vários grupos étnicos e culturais distintos, por sua sua ancestralidade Yoruba, Ewe, Fon, Jeje, Nagô ou Bantu, o culto muda de "nação" para "nação" (ver acepção de "nação" no verbete Candomblé), como são chamados os agrupamentos de crenças, modos e costumes de culto. Assim como não se pode falar em África como um só bloco religioso, econômico e cultural, também não se pode falar em Candomblé como um sistema devocional único.

O Candomblé empresta a seus devotos maneiras de pensar e modos de vida cotidianos: o vestir, o comer, o falar, tudo é influenciado pela religião. Há algumas iniciativas contemporâneas de preservação, afirmação e revitalização dessas culturas, seja a obra de estudiosos como Pierre Verger, Edison Carneiro, Roger Bastide, Nina Rodrigues, Deoscóredes Maximiliano dos Santos, o Mestre Didi, Juana Elbein dos Santos, Mãe Stella de Oxóssi, José Flávio Pessoa de Barros, Reginaldo Prandi, Raul Lody.

Ser "do santo" é uma atitude de afirmação individual, dentro do culto, mas também dentro da sociedade brasileira. Poucas figuras de destaque tomaram tal posição publicamente, como foi o caso de Agenor Miranda, Gilberto Gil e Antonio Olinto, Edvaldo Brito figuras públicas que têm cargos no santo. Por outro lado, grandes zeladores do santo, os chamados pais de santo e mães de santo, tornaram-se célebres por seu trabalho sério dentro da religião do Candomblé, como foi o caso de Mãe Aninha, Mãe Senhora, Menininha do Gantois, Mãe Stella,Mae Edelzuita de Osagian, dentre outros.

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]