Guerra Fria (1962–1979)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa mundial das alianças em 1980.
Coldwar.png

Parte da série sobre a
História da Guerra Fria

Origens da Guerra Fria
Segunda Guerra Mundial
Conferências de Guerra
Bloco Oriental
Cortina de Ferro
Guerra Fria (1947–1953)
Guerra Fria (1953–1962)
Guerra Fria (1962–1979)
Guerra Fria (1979–1985)
Guerra Fria (1985–1991)
Cronologia  · Historiografia

A Guerra Fria entre 1962 e 1979 refere-se a uma fase dentro do período da Guerra Fria que durou entre o rescaldo da Crise dos Mísseis Cubanos no final de outubro de 1962, através do período da Détente com o início em 1969, até o seu fim em 1979.

Os Estados Unidos mantiveram o seu compromisso com a Guerra Fria com a União Soviética durante o período, apesar de preocupações internas com o assassinato de John F. Kennedy, o Movimento pelos Direitos Civis e o movimento anti-guerra da Guerra do Vietnã.

Em 1968, o membro do Bloco Oriental, a Tchecoslováquia tentou reformas e posteriormente foi invadida pela União Soviética e os membros do Pacto de Varsóvia, esmagando as reformas. Em 1973, os EUA haviam se retirado da Guerra do Vietnã. Enquanto os comunistas ganharam o poder em alguns países do Sudeste Asiático, mas foram divididos pela Ruptura sino-soviética, com a China se aproximando ao campo ocidental, seguindo a visita do ex-presidente dos EUA, Richard Nixon à China. Na década de 1960 e 1970, o Terceiro Mundo era cada vez mais dividido entre os governos apoiados pelos soviéticos (como Líbia e Síria), os governos apoiados pelo Ocidente (como Arábia Saudita), e um campo crescente de nações não-alinhadas.

Os soviéticos e outras economias do Bloco Oriental continuaram estagnadas. A inflação mundial ocorreu após a Crise do petróleo em 1973.

Terceiro Mundo e o não-alinhamento nas décadas de 1960 e 1970[editar | editar código-fonte]

Descolonização[editar | editar código-fonte]

As necessidades econômicas dos Estados do Terceiro Mundo os tornava vulneráveis a influências estrangeiras e pressões. Os recursos tão necessários para o desenvolvimento econômico vieram através de laços econômicos e comerciais com as potências ocidentais e da União Soviética, que competiam entre si para captar apoio político dos países recém-independentes. Apoiando os projetos de desenvolvimento, os governos procuraram empréstimos e assistência técnica das grandes potências, muitas das quais eram seus antigos senhores coloniais. Enquanto procuravam estes laços, os países emergentes procuraram se liberar do domínio das principais nações industrializadas.

As alianças do Terceiro Mundo[editar | editar código-fonte]

Alguns Estados subdesenvolvidos elaboraram um estratégia que transformou a Guerra Fria em que eles chamavam de "confrontação criativa", jogando fora os participantes do período, em proveito próprio, mantendo seu status não-alinhado. A política diplomática de não-alinhamento considerava a Guerra Fria como uma faceta trágica e frustrante dos assuntos internacionais. O não-alinhamento declarava que a coexistência pacífica com as nações do Primeiro e Segundo Mundo era tão preferível quanto possível. Jawaharlal Nehru viu o neutralismo como um meio de forjar uma "terceira força" entre as nações não-alinhadas, tanto quanto Charles de Gaulle tentou fazer com a Europa na década de 1960. O líder egípcio Gamal Abdel Nasser manobrou habilmente entre os Estados Unidos, Canadá, Itália, Portugal, Espanha, Japão, China e países do Leste em busca de seus objetivos.

O primeiro esforço como tal ocorreu na Conferência de Relações Asiáticas, realizada em Nova Délhi em 1947, que havia prometido apoio para todos os movimentos nacionais contra a dominação colonial e explorou os problemas básicos dos povos asiáticos. Talvez o conclave mais famoso do mundo foi a Terceira Conferência de Bandung de nações africanas e asiáticas em 1955 para discutir interesses mútuos e estratégia, que levaram a criação do Movimento dos Países Não-Alinhados em 1961. A conferência contou com 29 países que representam mais da metade da população do mundo. Em Nova Délhi, o anti-imperialismo, desenvolvimento econômico, cultural e de cooperação foram os temas principais.

Houve um forte impulso no Terceiro Mundo para garantir uma voz nos conselhos das nações, especialmente na Organização das Nações Unidas, e receberem o reconhecimento de seu novo status soberano. Em todas as nações do Terceiro Mundo, os padrões de vida eram extremamente baixos. E enquanto alguns, como a Índia, Nigéria e Indonésia se tornavam grandes potências, outros eram tão pequenos e miseráveis, que a promessa de uma viabilidade econômica potencial era quase nula.

Inicialmente a Assembleia Geral da ONU possuía uma lista de 51 membros, em 1970, este número havia aumentado para 126. A dominância de membros ocidentais caiu para 40% dos membros, com os Estados afro-asiàticos mantendo o equilíbrio de poder. As fileiras da Assembleía Geral incharam rapidamente com as ex-colônias que haviam conquistado a independência, formando assim um bloco eleitoral substancial com os membros da América Latina. O sentimento anti-imperialista reforçado pelo Oriente, eram muitas vezes traduzidas como posições antiocidentais, mas a agenda principal entre os países não-alinhados era garantir a aprovação de medidas de assistência social e econômica. Se uma das duas superpotências se recusava a financiar tais programas, muitas vezes eram prejudicadas pela eficácia da coalizão não-alinhada.

A Revolução Cubana e a Crise dos Mísseis Cubanos[editar | editar código-fonte]

Os anos entre a Revolução Cubana em 1959 e os tratados de controle de armas da década de 1970 marcaram os esforços crescentes dos Estados Unidos e União Soviética para manter o controle sobre suas esferas de influência. O ex-presidente dos EUA, Lyndon B. Johnson desembarcou 22.000 soldados na República Dominicana em 1965, alegando que era para evitar o surgimento de outra Revolução Cubana. Embora o período de 1962 até a Détente não houvesse nenhum incidente tão perigoso quanto a Crise dos Mísseis Cubanos, houve uma crescente perda de legitimidade e de boa vontade em todo o mundo, até mesmo para os principais participantes da Guerra Fria.

Invasão da Tchecoslováquia em 1968[editar | editar código-fonte]

Mapa do Bloco Oriental, e dos países alinhados ocidentais durante a Guerra Fria.

Um período de liberalização política ocorreu em 1968 em um país do Bloco Oriental, a Tchecoslováquia, chamado de Primavera de Praga. O evento foi estimulado por vários outros eventos, incluindo reformas econômicas para sair de uma recessão no início da década de 1960.[1] [2] Em abril, do mesmo ano o líder checoslovaco, Alexander Dubček lançou um programa de liberalizações chamado "Programa de Ação", que incluia uma crescente liberdade de imprensa, liberdade de expressão e liberdade de movimento, juntamente com uma ênfase econômica em bens de consumo, a possibilidade de um governo multipartidário e a limitação do poder da polícia secreta.[3] [4] A reação inicial dentro do Bloco Oriental foi mista, com a Hungria de János Kádár manifestando o seu apoio, enquanto o líder soviético Leonid Brezhnev e outros ficaram preocupados sobre as reformas de Dubcek, que temiam que poderia enfraquecer a posição do Bloco de Leste durante a Guerra Fria.[5] [6] Em 3 de agosto, os representantes da URSS, Alemanha Oriental, Polônia, Hungria, Bulgária e Tchecoslováquia reuniram-se em Bratislava e assinaram a Declaração de Bratislava, que afirmava a fidelidade inabalável ao marxismo-leninismo e ao proletarianismo internacional, e declararam uma luta implacável contra a ideologia "burguesa" e todas as forças anti-socialistas.[7]

Na noite de 20-21 de agosto de 1968, os exércitos do Bloco Oriental de quatro países do Pacto de Varsóvia - a União Soviética, Bulgária, Polônia e Hungria - invadiram a Tchecoslováquia.[8] [9] A invasão foi seguido por uma onda de emigração, incluindo uma estimativa de 70 mil tchecos inicialmente em fuga, com o total eventualmente atingindo 300.000.[10] Em abril de 1969, Dubček foi substituído como primeiro-secretário por Gustáv Husák, e um período de "normalização", começou.[11] Husák reverteu todas as reformas de Dubček, eliminando do partido os membros liberais, demitindo oponentes de cargos público, restabelecendo o poder autoritário das autoridades policiais, tentando recentralizar a economia e reinstalando a censura política na mídia e a remoção de pessoas não consideradas de "total confiança política".[12] [13] A imagem da União Soviética sofreu consideravelmente, especialmente entre os movimentos estudantis ocidentais inspirados na "Nova Esquerda" e nos Estados não-alinhados. Mao Zedong da República Popular da China, condenou ambos os soviéticos e estadunidenses como imperialistas.

Guerra do Vietnã[editar | editar código-fonte]

O ex-presidente dos EUA, Lyndon B. Johnson desembarcou 42.000 soldados na República Dominicana em 1965 para evitar o surgimento de "um outro Fidel Castro". Mais notável ainda em 1965, no entanto, foi a intervenção dos EUA no Sudeste Asiático. Em 1965 Johnson estacionou 22.000 soldados no Vietnã do Sul para apoiar o regime anticomunista vacilante. O governo sul-vietnamita havia sido aliado dos Estados Unidos. O norte-vietnamitas em Ho Chi Minh foram apoiados pela União Soviética e China. Vietnã do Norte, por sua vez, apoiou a Frente de Libertação Nacional, que chamou as suas fileiras da classe trabalhadora e do campesinato do Vietnã do Sul. Buscando conter a expansão comunista, Johnson aumentou o número de tropas para 575.000 em 1968.

O premiê soviético Alexei Kossygin (à esquerda), com o ex-presidente dos EUA Lyndon B. Johnson, em 1967 na Conferência de Glassboro.

Apesar de nem a União Soviética nem China interviessem diretamente no conflito, eles fizeram fornecer grandes quantidades de ajuda e material para o Norte e os apoiou diplomaticamente.

Enquanto os primeiros anos da guerra tiveram baixas significativas dos EUA, o governo garantiu ao público que a guerra era vencível e faria no resultado futuro próximo em uma vitória dos EUA. A fé do público dos EUA em ver "a luz no fim do túnel" foi destruída em 30 de janeiro de 1968, quando a FLN montou a Ofensiva do Tet no Vietnã do Sul. Embora nenhuma dessas ofensivas realizadas tenham quaisquer objetivos militares, a capacidade surpreendente de um inimigo até mesmo de lançar tal ofensiva convenceu muitos nos EUA que a vitória era impossível.

Um movimento crescente pela paz vocal centrada nas universidades se tornou uma característica proeminente como a contra-cultura da década de 1960, que adotou uma posição antiguerra vocal. Especialmente porque foi um projeto impopular, que ameaçou enviar jovens para lutar nas selvas do Sudeste da Ásia.

Eleito em 1968, o presidente dos EUA, Richard M. Nixon começou uma política de retirada lenta da guerra. O objetivo era construir gradualmente o exército sul-vietnamita para que pudesse lutar contra a guerra por conta própria. Esta política se tornou a pedra angular da chamada "Doutrina Nixon". Quando aplicado ao Vietnã, a doutrina foi chamado de "vietnamização". O objetivo da vietnamização era permitir que o exército do Vietnã do Sul cada vez mais se preparasse para realizar a sua própria ofensiva contra a FNL e o exército norte-vietnamita.

Da esquerda para a direita: Llewellyn Thompson, o Ministro do Exterior Soviético Andrei Gromiko e Dean Rusk.

Em 10 de outubro de 1969, Nixon ordenou que uma esquadra de 18 B-52 carregados com armas nucleares para a fronteira do espaço aéreo soviético, a fim de convencer a União Soviética que ele era capaz de tudo para acabar com a Guerra do Vietnã.

A moral dos EUA na condução da guerra continuou a ser um problema, sob a presidência de Nixon. Em 1969, veio à tona que o tenente William Calley, um líder de pelotão no Vietnã, liderou um massacre de civis vietnamitas um ano antes. Em 1970, Nixon ordenou incursões militares secretas no Camboja para destruir os santuários da NLF que faziam fronteira com o Vietnã do Sul.

Os EUA retiraram suas tropas do Vietnã em 1973, e o ​​conflito terminou em 1975, quando os norte-vietnamitas tomaram Saigon, agora chamada de Cidade de Ho Chi Minh. Milhões de vietnamitas morreram em consequência da Guerra do Vietnã. As estimativas mais baixas de acidentes, com base nas demonstrações agora renunciados pelos norte-vietnamitas, são cerca de 1,5 milhões de vietnamitas mortos. O Vietnã divulgou os números em 3 de abril de 1995, que um total de um milhão de combatentes vietnamitas e quatro milhões de civis foram mortos na guerra. A precisão desses números não tem sido contestada. A estimativa oficial para os EUA no número de mortos é de cerca de 58.000, com alguns mortos e desaparecidos presumidos. Milhões de vietnamitas fugiram após o fim da guerra. Depois da guerra, milhares de vietnamitas foram arrebanhados e levados à acampamentos de "reeducação". Desde meados dos anos 1980, o Vietnã tem seguido um caminho de liberalização econômica similar à do modelo chinês, e embora ainda pobre, durante a última década do Vietnã tem sido uma das economias que mais crescem no mundo.

A Doutrina Nixon[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos da administração Nixon, tornou-se claro que era o Terceiro Mundo que permanecia a fonte mais volátil e perigosa de instabilidade mundial. A política central de Nixon-Kissinger para o Terceiro Mundo era o esforço para manter um status quo estável, sem envolver os Estados Unidos muito profundamente em disputas locais. Em 1969 e 1970, em resposta à altura da Guerra do Vietnã, o presidente expôs os elementos de que se tornaram conhecidos como a Doutrina Nixon, pela qual os Estados Unidos iriam "participar na defesa e desenvolvimento de aliados e amigos", mas que deixariam a "responsabilidade básica" para o futuro desses "amigos" para a amizade dos próprios povos. A Doutrina Nixon significou um crescente desprezo pelo governo dos EUA para as Nações Unidas, onde as nações subdesenvolvidas foram ganhando influência através de seus números, e aumentando o apoio aos regimes autoritários que tentaram resistir a desafios populares a partir de dentro.

Na década de 1970, por exemplo, a CIA despejou fundos substanciais para o Chile para ajudar a apoiar e estabelecer um governo contra o desafio marxista. Quando o candidato marxista para presidente, Salvador Allende, chegou ao poder através de eleições livres, os Estados Unidos começaram a canalizar mais dinheiro para as forças da oposição para ajudar a "desestabilizar" o novo governo. Em 1973, uma junta militar apoiada pelos EUA tomaram o poder de Allende. O novo e repressivo regime do general Augusto Pinochet recebeu a aprovação quente e maior assistência econômica e militar dos Estados Unidos como um aliado anticomunista. A democracia foi finalmente restabelecida no Chile em 1989.

Ruptura sino-soviética[editar | editar código-fonte]

O Grande Salto Adiante da República Popular da China e outras políticas baseadas na agricultura, em vez da indústria pesada desafiaram o socialismo de tipo soviético e os sinais de influência da URSS sobre os países socialistas. Como a "desestalinização" foi para a frente, na União Soviética, o fundador revolucionário da China, Mao Zedong, condenou os soviéticos de "revisionismo". Os chineses também foram ficando cada vez mais irritados por estarem constantemente no papel de número dois no mundo comunista. Na década de 1960, uma divisão aberta começou a se desenvolver entre os dois poderes, a tensão levaria a uma série de escaramuças de fronteira ao longo da fronteira sino-soviética.

A ruptura sino-soviética teve ramificações importantes no Sudeste Asiático. Apesar de terem recebido uma ajuda substancial da China durante as suas longas guerras, os comunistas vietnamitas vinham se alinhado com a União Soviética contra a China. O Khmer Vermelho tomou o controle do Camboja em 1975 e se tornou um dos regimes mais brutais da história mundial. O recém-unificado Vietnã e o regime Khmer tiveram más relações desde o início, como o Khmer Vermelho começou a massacrar a etnia vietnamita no Camboja, e em seguida, lançou incursões no Vietnã. O Khmer Vermelho se aliou com a China, mas isso não foi suficiente para evitar os vietnamitas de invadir-los e destruir o regime em 1979. Embora incapaz de salvar seus aliados do Camboja, a China reagiu aos vietnamitas invadindo o norte do Vietnã em uma expedição punitiva mais tarde nesse ano. Depois de alguns meses de intensos combates e baixas em ambos os lados, os chineses anunciaram que a operação foi concluída e se retiraram, encerrando a luta.

Os Estados Unidos desempenharam um papel menor nesses eventos, não querendo envolver-se na região após a sua derrota no Vietnã. A desintegração extremamente visível do bloco comunista desempenhou um papel importante no abrandamento das tensões sino-americanas e no progresso em direção a Détente do Leste-Oeste.

Détente e mudança de aliança[editar | editar código-fonte]

Brejnev e Nixon enquanto estavam na varanda da Casa Branca durante a visita de Brejnev, em 1973 à Washington, uma marca d'àgua na distenção entre EUA e URSS.

No decorrer da década de 1960 e 1970, os participantes da Guerra Fria lutam para se ajustar a um padrão novo e mais complicado das relações internacionais em que o mundo já não era dividido em dois blocos claramente opostos. A União Soviética conseguiu uma paridade nuclear àspera com os Estados Unidos. Desde o início do período pós-guerra, a Europa Ocidental e o Japão se recuperaram rapidamente da destruição da Segunda Guerra Mundial e sustentavam um crescimento econômico forte até os anos 1950 e 1960, com o PIB per capita se aproximando ao dos Estados Unidos, enquanto as economias do Bloco Oriental estagnaram-se.[14] China, Japão e Europa Ocidental, o nacionalismo crescente do Terceiro Mundo, e a desunião crescente dentro da aliança comunista, tudo isso augurou uma estrutura multipolar e uma nova ordem internacional. Além disso, o choque do petróleo mundial 1973 criou uma mudança dramática nas fortunas econômicas das superpotências. O rápido aumento do preço do petróleo devastou a economia dos EUA levando a "estagflação" e crescimento lento.

A Détente teve benefícios tanto econômicos e estratégicos para ambos os lados da Guerra Fria, impulsionada pelo interesse comum na tentativa de verificar a disseminação e proliferação de armas nucleares. O ex-presidente dos EUA, Richard Nixon e o líder soviético Leonid Brejnev assinaram o SALT I, tratado para limitar o desenvolvimento de armas estratégicas. O controle de armas permitiu a ambas as superpotências retardar os aumentos crescentes em seus orçamentos de defesa inchados. Ao mesmo tempo, a Europa dividida começou a perseguir relações mais estreitas. A Ostpolitik do chanceler alemão Willy Brandt levaria ao reconhecimento da Alemanha Oriental.

A cooperação sobre os Acordos de Helsínquia levaram a vários acordos sobre política, economia e direitos humanos. Uma série de acordos de controle de armas como SALT I e do Tratado de Mísseis Anti-Balísticos foram criados para limitar o desenvolvimento de armas estratégicas e desacelerar a corrida armamentista. Houve também uma reaproximação entre a China e os Estados Unidos. A República Popular da China aderiu à Organização das Nações Unidas, e os laços comerciais e culturais foram iniciados, notadamente com uma viagem pioneira de Nixon à China em 1972.

Entretanto, a União Soviética concluiu tratados de amizade e cooperação com vários Estados do mundo não-comunista, especialmente entre os do Terceiro Mundo e os Estados não-alinhados.

Mao Zedong encontra Richard Nixon em 1972.

Durante a Détente, a competição continuou, especialmente no Oriente Médio e África Austral e Oriental. As duas nações continuaram a competir uns com os outros por influência no mundo e pelos recursos do Terceiro Mundo. Houve também críticas cada vez maiores de apoio dos EUA para a o regime de Suharto na Indonésia, o regime de Augusto Pinochet no Chile, e o regime de Mobuto Sese Seko no Zaire.

A guerra no Vietnã e a crise do Watergate destruiram a confiança na presidência. Frustrações internacionais, incluindo a queda do Vietnã do Sul em 1975, a crise dos reféns no Irã, em 1979, a invasão soviética do Afeganistão, o crescimento do terrorismo internacional, e da aceleração da corrida armamentista levantaram temores sobre a política externa do país. A crise de energia, desemprego e inflação, ridicularizados como "estagflação", levantaram questões fundamentais sobre o futuro da prosperidade estadunidense.

Ao mesmo tempo, a URSS, rica em petróleo beneficiou-se imensamente, e o influxo da riqueza do petróleo ajudou a disfarçar as muitas falhas sistêmicas na economia soviética. Ao mesmo tempo, todo o Bloco de Leste continuou a sofrer estagnação maciça,[14] [15] [16] [17] [18] de bens de consumo transformando-os em economias de escassez, levando a estagnação do desenvolvimento e a uma grande quantidade de racionamento e deficiências de qualidade.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Photius.com, (info from CIA world Factbook) (em inglês) Photius Coutsoukis. Visitado em 16 de fevereiro de 2012.
  2. Williams
  3. Ello (ed.), Paul (abril 1968). Control Committee of the Communist Party of Czechoslovakia, "Action Plan of the Communist Party of Czechoslovakia (Prague, abril 1968)" in Dubcek’s Blueprint for Freedom: His original documents leading to the invasion of Czechoslovakia. William Kimber & Co. 1968, pp 32, 54
  4. Von Geldern, James; Lewis. The Soviet-led Intervention in Czechoslovakia (em inglês) Soviethistory.org. Visitado em 16 de fevereiro de 2012.
  5. Document #81: Transcript of Leonid Brezhnev's Telephone Conversation with Alexander Dubček, 13 de agosto de 1968 (em inglês) The Prague Spring '68 The Prague Spring Foundation (1998). Visitado em 16 de fevereiro de 2012.
  6. Navrátil 2006, pp. 36 & 172–181
  7. Navrátil 2006, pp. 326–329
  8. Ouimet, Matthew. The Rise and Fall of the Brezhnev Doctrine in Soviet Foreign Policy. [S.l.]: University of North Carolina Press, Chapel Hill and London, 2003. 34–35 pp.
  9. Soviet Invasion of Czechoslovakia (em inglês) Military GlobalSecurity.org (2005-04-27). Visitado em 16 de fevereiro de 2012.
  10. Čulík, Jan. Den, kdy tanky zlikvidovaly české sny Pražského jara Britské Listy. Visitado em 16 de fevereiro de 2012.
  11. Williams 1997, p. xi
  12. Goertz 1995, pp. 154–157
  13. Williams 1997, p. 164
  14. a b Hardt & Kaufman 1995, p. 16
  15. Madison 2006, p. 185
  16. Dale 2005, p. 85
  17. Bideleux & Jeffries 2007, p. 474
  18. Frucht 2003, p. 382

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Ball, S. J. The Cold War: An International History, 1947-1991 (1998). British perspective
  • Beschloss, Michael, and Strobe Talbott. At the Highest Levels:The Inside Story of the End of the Cold War (1993)
  • Bialer, Seweryn and Michael Mandelbaum, eds. Gorbachev's Russia and American Foreign Policy (1988).
  • Dale, Gareth. Popular Protest in East Germany, 1945-1989: Judgements on the Street. [S.l.]: Routledge, 2005. ISBN 071465408.
  • Bideleux, Robert; Ian. A History of Eastern Europe: Crisis and Change. [S.l.]: Routledge, 2007. ISBN 0415366267.
  • Brzezinski, Zbigniew. Power and Principle: Memoirs of the National Security Adviser, 1977-1981 (1983);
  • Edmonds, Robin. Soviet Foreign Policy: The Brezhnev Years (1983)
  • Gaddis, John Lewis. The Cold War: A New History (2005)
  • Long Peace: Inquiries into the History of the Cold War (1987)]
  • Frucht, Richard C.. Encyclopedia of Eastern Europe: From the Congress of Vienna to the Fall of Communism. [S.l.]: Taylor & Francis Group, 2003. ISBN 0203801091.
  • Gaddis, John Lewis. * LaFeber, Walter. America, Russia, and the Cold War, 1945-1992 7th ed. (1993)
  • Gaddis, John Lewis. The United States and the End of the Cold War: Implications, Reconsiderations, Provocations (1992)
  • Garthoff, Raymond. The Great Transition:American-Soviet Relations and the End of the Cold War (1994)
  • Grenville, John Ashley Soames. A History of the World from the 20ª to the 21st Century. [S.l.]: Routledge, 2005. ISBN 0415289548.
  • Hardt, John Pearce; Richard F.. East-Central European Economies in Transition. [S.l.]: M.E. Sharpe, 1995. ISBN 1563246120.
  • Hogan, Michael ed. The End of the Cold War. Its Meaning and Implications (1992) articles from Diplomatic History online at JSTOR
  • Kyvig, David ed. Reagan and the World (1990)
  • Maddison, Angus. The world economy. [S.l.]: OECD Publishing, 2006. ISBN 9264022619.
  • Mower, A. Glenn Jr. Human Rights and American Foreign Policy: The Carter and Reagan Experiences (1987),
  • Navrátil, Jaromír. The Prague Spring 1968: A National Security Archive Document Reader (National Security Archive Cold War Readers). [S.l.]: Central European University Press, 2006. ISBN 9637326677.
  • Matlock, Jack F. Autopsy of an Empire (1995) by US ambassador to Moscow
  • Powaski, Ronald E. The Cold War: The United States and the Soviet Union, 1917-1991 (1998)
  • Shultz, George P. Turmoil and Triumph: My Years as Secretary of State (1993).
  • Sivachev, Nikolai and Nikolai Yakolev, Russia and the United States (1979), by Soviet historians
  • Sillince, John. Housing policies in Eastern Europe and the Soviet Union. [S.l.]: Routledge, 1990. ISBN 0415021340.
  • Smith, Gaddis. Morality, Reason and Power:American Diplomacy in the Carter Years (1986).
  • Williams, Kieran. The Prague Spring and its Aftermath: Czechoslovak Politics, 1968–1970. [S.l.]: Cambridge University Press, 1997. ISBN 0521588030.

Ver também[editar | editar código-fonte]