Cotia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cotia (São Paulo))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cotia (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Cutia.
Município de Cotia
"Cidade das Rosas"
Centro de Cotia.jpg

Bandeira de Cotia
Brasão de Cotia
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 2 de abril de 1856 (163 anos)
Gentílico cotiano[1]
Prefeito(a) Rogério Franco (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Cotia
Localização de Cotia em São Paulo
Cotia está localizado em: Brasil
Cotia
Localização de Cotia no Brasil
23° 36' 14" S 46° 55' 08" O23° 36' 14" S 46° 55' 08" O
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária

São Paulo IBGE/2017 [2]

Região imediata

São Paulo IBGE/2017

Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Oeste: Ibiúna
Noroeste: São Roque e Vargem Grande Paulista
Norte: Itapevi, Jandira e Carapicuíba
Nordeste: Osasco
Leste: São Paulo (Minimamente)
Sudeste: Itapecerica da Serra, Embu das Artes e Taboão da Serra
Sul: São Lourenço da Serra
Distância até a capital 34 km[3]
Características geográficas
Área 323,891 km² [4]
População 237 750 hab. IBGE/2017[5]
Densidade 734,04 hab./km²
Altitude 853 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,780 (SP: 44°) – alto PNUD/2010[6]
PIB R$ 10 991 457,80 mil (BR: 81º) – IBGE/2016[7]
PIB per capita R$ 47 033,14 IBGE/2016[7]
Página oficial
Prefeitura www.cotia.sp.gov.br/

Cotia é um município brasileiro do Estado de São Paulo, Microrregião de Itapecerica da Serra, na Zona Sudoeste da Região Metropolitana de São Paulo, em conformidade com a lei estadual nº 1.139, de 16 de junho de 2011[8] e, consequentemente, com o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (PDUI).[9] A população estimada em 2018 é de 244.694 habitantes[10][11] e sua área é de 323,89 km², o que resulta em densidade demográfica de 620,6 hab/km². Localiza-se às margens do rio Cotia, afluente do Rio Tietê. O município está constituído pela sede e pelo distrito de Caucaia do Alto, tendo sido seus antigos distritos de Jandira, Itapevi e Vargem Grande Paulista (originalmente denominado Raposo Tavares) desmembrados para a constituição de novos municípios.[12][13]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Região do centro histórico de Cotia

O nome da cidade é derivado da palavra “koty”, que no idioma m’byã (guarani) significa “ponto de encontro”, e que resultou nas antigas versões Coty, Cuty, Cutia, Acutia, Acotia (usadas em várias localidades brasileiras no período colonial) e na atual designação Cotia, referida com a letra "o" somente após sua elevação a município, em 1906.[14][15]

Cotia chegou a ser conhecida como "Cidade das Rosas", em virtude da Fazenda Roselândia (fundada em 1933), uma antiga fazenda de cultivo e comercialização de rosas e outras espécies de flores, que atualmente encontra-se em fase de loteamento para a construção de um condomínio horizontal,[16] o que acarretou a perda do significado dessa designação.

Cotia é hoje um dos municípios mais ricos e desenvolvidos da região à qual pertence, apesar da desigualdade sócio-econômica que o caracteriza. Tem recebido a expansão dos bairros residenciais da Região Metropolitana de São Paulo na direção oeste e, apesar da predominância de bairros constituídos por moradores de baixa renda, possui muitos condomínios, entre eles alguns luxuosos, principalmente na região nobre da Granja Viana.

História[editar | editar código-fonte]

Fontes bibliográficas[editar | editar código-fonte]

As fontes bibliográficas sobre a história de Cotia ainda são escassas e de caráter mais literário que científico. Destaca-se o livro A história do município de Cotia de Ricardo Bezerra de Souza (s.d.),[17] sendo também importantes os livros Cotia: da odisseia brasileira de São Paulo nas referencias do povoado carijó (1993), de João Barcellos[18] e Feijó & Cepellos: cidadãos brasileiros de Cotia; a história de Cotia Contada através de seus mais ilustres cidadãos (que possui um "Resumo histórico de Cotia") do mesmo João Barcellos (2008).[19] Os autores desses livros, que ocuparam cargos públicos em Cotia, produziram uma espécie de história "oficial" do município, que celebra a "bravura" dos bandeirantes, o domínio da terra e a conquista espiritual dos indígenas, mas deixando de abordar aspectos relacionados à população, aos meios de vida, aos mecanismos políticos e aos problemas locais.[20] Artigos, dissertações e teses sobre assuntos específicos produzidos nas duas últimas décadas, no entanto, vêm revelando aspectos e informações importantes para história humana e "não oficial" de Cotia, mas a história do município ainda é muito pouco pesquisada, conhecida e estudada.

O Caminho de Pinheiros e o Caminho da Cutia[editar | editar código-fonte]

Caminho das Tropas na "Carta corográfica dos limites do Estado de Minas Gerais com o de São Paulo" (1766) (Arquivo Público Mineiro).

O povoado que deu origem à então conhecida como Freguesia da Cutia foi originalmente instalado na confluência do Rio Cotia com o Caminho do Peabiru (pré-cabralino), rebatizado pelos jesuítas de Caminho de São Tomé (século XVI), e depois conhecido como Caminho das Tropas (colonial), inicialmente como aldeamento indígena, mas também como ponto de parada entre a Vila de São Paulo de Piratininga e o oeste da Capitania de São Vicente. A antiguidade do Caminho do Peabiru e sua utilização no período colonial é atestada por referências históricas e pela quantidade de casas e fazendas que foram estabelecidas ao longo desse trajeto já na primeira metade do século XVII, algumas delas remanescentes e tombadas pelo IPHAN, como a Casa do Butantã, o Sítio do Mandu, o Sítio do Padre Inácio, o Sítio Santo Antônio[21] e outras depois de São Roque.

Caminho das Tropas no "Guia de Caminhantes", de Anastácio Santana (1817) (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

O trecho do antigo Caminho do Peabiru que passou a ser usado pelos novos habitantes da Vila de São Paulo em direção ao oeste foi primeiramente denominado, em português, de Caminho de Pinheiros ou Caminho dos Pinheiros: vindo do litoral, passava pela parte baixa da atual Praça da Sé (o Largo da Sé, nos séculos XVIII e XIX), prosseguia pelas atuais Rua Direita, Largo da Misericórdia, Rua José Bonifácio, Largo da Memória, Rua Quirino de Andrade, Rua da Consolação, Avenida Rebouças e Rua dos Pinheiros, Praça João Nassar, Rua Paes Leme e Rua Butantã.[22][23] O Peabiru incluía a travessia de barco em um vau do Rio Grande (atual Rio Pinheiros), na altura da atual Ponte Bernardo Goldfarb, e prosseguia rumo às regiões das atuais Cotia, São Roque, Sorocaba e Itapetininga, passando em local próximo à Casa do Butantã, sede de uma fazenda do século XVII. Esse caminho pré-cabralino foi posteriormente apropriado e explorado pelos bandeirantes (século XVII) e pelos tropeiros (séculos XVIII e XIX), passando a ser conhecido com o nome de Caminho do Sertão, Caminho das Tropas, Caminho de Cotia, Caminho de Sorocaba e outras designações, dependendo de cada trecho. O trecho São Paulo-Itapetininga do Caminho das Tropas foi posteriormente retificado e convertido na Estrada São Paulo-Paraná (a partir de 1922) e na atual Rodovia Raposo Tavares (a partir de 1954).

Caminho das Tropas em detalhe do mapa "Brazil" (1844), de John Arrowsmith.

Mapas da segunda metade do século XVIII já indicam o Caminho das Tropas, ainda que com pouca precisão, como a Carta corográfica dos limites do Estado de Minas Gerais com o de São Paulo (1766). Um dos mais antigos mapas que representam com maior precisão as estradas e caminhos entre os atuais estados de São Paulo e Paraná é o Guia de Caminhantes, de Anastácio Santana (1817),[24] porém dezenas de mapas, ao longo do século XIX, enfatizaram os troncos principais do Caminho das Tropas, que iam de São Paulo a Castro (passando por Cotia, São Roque e Sorocaba) e daí a Lapa, rumo a Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Uma carta de 23 de fevereiro de 1880 (ver manuscrito na ALESP), assinada na Freguesia da Consolação por Francisco Antônio de Paula Cepelos e mais 69 agricultores e lavradores da cidade de São Paulo e da Vila da Cutia, solicitou à Assembleia Legislativa Provincial de São Paulo o reparo da Estrada Geral de São Paulo ao Paraná, especialmente no trecho até a Vila da Cutia. Os detalhes dessa carta ajudam a compreender a configuração dessa estrada, na qual as tropas eram obrigadas a pagar um pedágio (na época denominado “taxa de barreira”) em pontos específicos com porteiras, sendo essa a origem do nome do bairro cotiano do Portão:

"Ilustríssimos Excelentíssimos membros da Assembleia Provincial.

Os abaixo assinados, lavradores e agricultores deste município e do da Cutia, vêm respeitosamente pedir a Vossas Excelentíssimas a decretação de uma quota, no próximo orçamento, para os reparos, ou antes, reconstrução da estrada que da capital leva ao sul da província e ao norte do Paraná, especialmente na parte compreendida entre a freguesia da Consolação e a Vila da Cutia. Como não ignora esta respeitável Assembleia, é por essa estrada que transitam as tropas que vem da feira de Sorocaba com direção a diversas províncias, deixando não pequena renda para os cofres provinciais.

Por aí passa também, tendo pago a taxa de barreira no lugar próprio, todo o gado que vem para o consumo da capital, Santos, etc.

É essa, ainda, a via de comunicação por onde são transportados os gêneros alimentícios consumidos nesta grande cidade.

Uma estrada de tão grande tráfego acha-se em estado lamentável, em consequência das grandes chuvas, achando-se caídas ou em estado de iminente ruína quase todas as pontes.

Urge tomar providências em ordem a remover o embaraço com que lutam o comércio e a pequena lavoura, proporcionando-lhes fáceis e cômodos meios de transporte.

Estas considerações e outras que não escaparam à perspicácia dos ilustres deputados, fazem esperar do seu reconhecido patriotismo a satisfação de uma necessidade tão urgente, qual é o concerto da estrada da capital a Cutia, votando fundos, que não excederão de quatrocentos réis, para fim tão importante."[25]

O Caminho de Cotia foi desativado com o início da construção da Estrada São Paulo-Paraná em 1922, porém seu traçado foi integrado aos bairros entre São Paulo e Cotia, sendo assinalado nos mapas antigos e reconhecível nos mapas atuais.

A Aldeia de Koty[editar | editar código-fonte]

A administração portuguesa da região oeste da Capitania de São Vicente foi iniciada em 12 de outubro de 1580, com a concessão nessa data, pelo capitão-mor Jerônimo Leitão, de sesmaria, no sítio de Carapicuíba, aos índios da Aldeia de Pinheiros (fundada em 1560). Pouco depois, foram doadas aos jesuítas a fazenda de Carapicuíba em 1615 e a sesmaria M’boy (Embu) em 1624, que fizeram parte dos 12 aldeamentos indígenas da Capitania (depois Província) de São Paulo: Pinheiros, Carapicuíba (desativada em 1698), Barueri, São Miguel, M'Boy, Itariri (fundado em 1837), São João Batista (fundado em 1843), Piraju (fundado em 1860),Queluz, Itaquaquecetuba, Escada e Tijuco Preto (fundado em 1865).[26]

A partir de 1603 iniciaram-se as bandeiras de apresamento dos índígenas e, consequentemente, a guerra entre jesuítas e bandeirantes (escravizadores de indígenas), e em 1628, a bandeira de Manuel Preto, com cem paulistas e 2 mil indígenas auxiliares (na qual engajou-se o português Raposo Tavares) percorreu o braço principal do antigo caminho indígena do Peabiru (que ligava a região da Vila de São Vicente aos atuais Paraná e Paraguai), rumo às reduções jesuíticas do Guayrá, com a finalidade de captura de índios, tipo de ação que os historiadores do século XIX passaram a denominar "desbravamento".[27] Ao longo desse caminho foram estabelecidas várias aldeias e povoados indígenas ou mestiços, já na primeira metade do século XVII, que nos períodos seguintes deram origem a freguesias, vilas e cidades do oeste paulista, como Cotia, São Roque, Sorocaba, Itapetininga, Castro e outras.

Desde a primeira metade do século XVII já existiam fazendas e residências rurais no oeste paulista (como a Casa do Butantã, o Sítio do Padre Inácio, o Sítio do Mandu e o Sítio Santo Antônio, este último pelo bandeirante Fernão Paes de Barros em cerca de 1640) e as primeiras vilas da região foram instituídas em 1657 (São Roque) e 1661 (Sorocaba). A Aldeia de Koty (posteriormente também chamada de Coty, Cuty, Cutia, Acutia e Acotia) foi estabelecida em meados do século XVII, não como aldeamento jesuítico, tal como havia ocorrido com as aldeias de Pinheiros, Carapicuíba e M’boy (Embu), mas como núcleo indígena (carijó) "protegido" por um fazendeiro (o coronel Antonio Vieira Tavares), que explorava o trabalho dos aldeões. Sua criação parece ter alguma relação com o fim da guerra entre Pires e Camargos (1640-1680),[18] que até então havia dificultado os projetos de aldeamento na região.

A Aldeia de Koty foi instalada em alguma das várias colinas que existem na confluência entre o Rio Cotia e o Caminho do Peabiru (provavelmente a ponte da atual Rua Ladislau Retti sobre o Rio Cotia), que já havia se tornado rota bandeirante no século XVII (futuro Caminho das Tropas nos séculos XVIII e XIX), nas proximidades da atual Estrada Fernando Nobre (região dos atuais km 28,0 a 29,5 da Rodovia Raposo Tavares). O bairro do Caiapiá tem sido apontado como o local da Aldeia de Koty,[20] porém o cruzamento do Caminho das Tropas (em sua última configuração conhecida, ao redor de 1900) com o Rio Cotia ocorre no bairro ao lado do Caiapiá, o Jardim do Rio Cotia.

Ainda que não haja informações históricas suficientes sobre a fazenda na qual foi construída a casa do Sítio do Mandu, é possível supor que esta teve alguma relação com a Aldeia de Koty e mesmo que esta aldeia tenha sido originalmente fixada nas dependências dessa fazenda (e que seu proprietário, à época, tenha sido Antonio Vieira Tavares), à semelhança do que ocorreu em outras vilas do oeste paulista, como São Roque. De acordo com John Monteiro, nesse local já existia cultura de trigo desde a década de 1620,[20] e era conhecido com esse nome desde a primeira metade do século XVII, pois em vereança de 18 de junho de 1633, a Câmara de São Paulo referiu-se a incidentes entre lavradores e padres da Companhia de Jesus, nas terras de "Cuty" e "Caraquapucuiba".[17][18]

Em 8 de setembro de 1662 foi instalada, na Aldeia de Koty, e sob a proteção do coronel Antonio Vieira Tavares, segundo o sistema de povoamento e "proteção" de indígenas então vigente, uma capela curada dedicada a Nossa Senhora do Monte Serrate, cujos vestígios arqueológicos infelizmente nunca foram encontrados e talvez tenham sido definitivamente perdidos com a urbanização e construção de fábricas nessa região.[20] Manuel Eufrásio de Azevedo Marques informa, nos Apontamentos históricos, geográficos, biográficos, estatísticos e noticiosos da província de São Paulo (1879), que o local em que havia sido instalada a capela de Nossa Senhora do Monte Serrate, correspondia, em 1876, ao sítio de Antônio Manoel Vieira,[17] mas ainda não se sabe ao certo a localização desse sítio.

Cotia já era paróquia em 1684, quando foi visitada pelo Bispo do Rio de Janeiro, Dom José de Barros Alarcão e, em 1686, possuía 405 habitantes, ainda nas proximidades do Rio Cotia.[19] Em função do mau estado da capela, Dom José de Barros Alarcão ordenou, em sua visita, que a mesma fosse derrubada e que seus pertences fossem transferidos para a Itu (vila desde 1657).[17]

A instalação da Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate na Aldeia de Koty reforça a conexão com a Aldeia e depois Vila dos Pinheiros, na qual também foi erigida uma Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate, e que mantém essa devoção até o presente: em função do trânsito de bandeirantes e tropeiros no Caminho das Tropas e depois nas estradas sobre o mesmo estabelecidas, Cotia e Pinheiros mantiveram estreita relação desde o século XVII (e que existe até o presente, em função de sua ligação pela Rodovia Raposo Tavares).[28][29][30][31][32][33][34]

A Freguesia da Cutia[editar | editar código-fonte]

Arraial de Cotia em detalhe do "Mappa da capitania de S. Paulo" de Francesco Tosi Colombina (meados do século XVIII) (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

No início do século XVIII, o coronel Estevão Lopes de Camargo doou terras para a construção de uma nova capela no alto da colina na qual atualmente se encontra a matriz (em configuração semelhante à de outras vilas portuguesas instaladas sobre colinas, como a própria Vila de São Paulo), alguns quilômetros adiante no Caminho das Tropas (na região dos atuais km 33 a 34,5 da Rodovia Raposo Tavares), que posteriormente iriam sediar o novo povoado da Cutia.


Por decisão do coronel Estevão Lopes de Camargo e do padre Mateus de Lara Leão, com apoio dos bandeirantes Fernão Dias Paes Leme e Gaspar de Godoi Moreira, a nova Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate foi inaugurada em 8 de setembro de 1713, com a entrada solene da padroeira no altar mor (que até então estava na Vila de Itu).[14][35] O assento da posse do Padre Mateus de Lara (ou Laya) Leão, no mais antigo livro de Tombo de Cotia (Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo), datado de 1713 (uma corrosão no documento indica a possibilidade de a data ser 1703, adotada por alguns autores), é a principal fonte sobre o translado de Cotia para o sítio atual, informando que o "protetor" do novo povoado, de acordo com o sistema vigente, era o coronel Estevão Lopes de Camargo (e que o protetor da antiga Aldeia de Koty havia sido Antonio Vieira Tavares):

Freguesia da Cutia, em detalhe do mapa de 1750, intitulado "Costa do Brasil desde a ponta de Itapetininga, São Paulo, até o rio Imbou ao sul da Ilha de Santa Catarina" (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

Matheus de Lara Leão, capelão curado pelo ilustríssimo Sr. D. Francisco de São Hieronimo, tomei posse desta Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate, mudada para este lugar de parte deserta por conveniência dos moradores, e fregueses da dita capela, que sempre foram, e nela me fez entrega um dos protetores mais devoto e zeloso, Estevão Lopes de Camargo, toda a fábrica nova da dita Igreja, excepto a antiga, que a levou o protetor antigo Antonio Vieira Tavares para a Vila de Itu, por ordem do Reverendo Visitador Manoel da Costa Cordeiro (como constava in scriptos) e só ficou a imagem com sua casa despida; e como tal, me entregou o dito protector tudo novo de sua custa, e de algumas esmolas dos devotos, que assim o pediram com ânimo de sustentarem capelão com seu ordenado, para bem de suas almas, por estarem em parte remota, e de toda a dita fábrica faço aqui assento neste presente livro para que conste assim destas causas, que tenho recebido, como das mais que à dita Igreja competem, que aqui se farão assento delas; do que o Ilustríssimo Senhor Bispo ordenará o que for servido. Cutia, na mesma capela ut supra, aos nove de setembro. Ano de mil sete centos e tre[ze]. Mateus de Lara Leão."[36][17]

A Matriz de Cotia, ao longo dos séculos XVIII e XIX, teve três irmandades (Rosário, Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora da Conceição), que realizavam sepultamentos no interior dessa igreja, no seu cemitérios e em outras capelas da freguesia (prática encerrada quando da construção do primeiro cemitério municipal de Cotia, iniciado em 1856).[17] O novo povoado da Cutia, nessa época, passou a reunir uma pequena quantidade de casas, em torno da atual praça da matriz, dando origem à Freguesia da Cutia em 1723, que passou a recebeber visitadores eclesiásticos, inicialmente da Diocese do Rio de Janeiro e, a partir de 1745, da Diocese de São Paulo. O primeiro visitador da Diocese de São Paulo que visitou a freguesia da Cutia em 21 de dezembro de 1759, Miguel Dias Ferreira, determinou "assoalhar ou ladrilhar o corpo da igreja, pois se acha indecente, com muita poeira e muitos buracos, de sorte que mais parece uma estrebaria de brutos que a Casa de Deus".[37] Na visita realizada em 1º de janeiro de 1768 (documento localizado e transcrito pelo pesquisador Paulo Castagna), o visitador Antônio José de Abreu registrou os mais antigos costumes culturais dos habitantes dessa freguesia:

Freguesia da Cutia em detalhe do "Mapa de parte de São Paulo, Paraná e Santa Catarina" de cerca de 1800 (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

"É detestável o caso dos batuques e danças desonestas de homens com mulheres e umas indecentes festas que se costumam fazer em casas particulares a São Gonçalo, Santa Rita e outros santos, que mais servem de fomento da luxúria que de louvor aos mesmos santos, que festejam com senhores danças e excessos no comer e beber, de que reza-lhes gravíssimas ofensas a Deus, pela demasia da gula e outras desenvolturas que à modéstia cala e ninguém ignora. E porque se não podem permitir semelhantes abusos próprios da gentilidade e injuriosos à religião católica que professamos, por isso recomendo muito ao Reverendo Pároco que nesta matéria lhe encarrego gravemente a consciência, que procure lançar fora dos limites desta freguesia esta desenvoltura, e constam ela, o que deve indagar exatamente que em alguma casa, se fazem semelhantes festas ou danças de homens com mulheres, ainda que seja nas ocasiões dos pochirões, condenará ao dono da dita casa em três mil réis e a cada um dos que assistir ou entrar em semelhantes folguedos em seiscentos e quarenta réis, que tudo aplico para a Fábrica desta Igreja e, além disto, lhes advertirá que incorrem em excomunhão maior ipso facto, imposta na Pastoral [de 03/11/1727] do Excelentíssimo Senhor Bispo defunto Dom Frei Antônio de Guadalupe."[38]

Freguesia da Cutia em detalhe do "Mappa chorographico da provincia de San Paulo" de Daniel Pedro Müller (1841) (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

A Freguesia da Cutia passou a figurar em mapas da região a partir da segunda metade do século XVIII, como no mapa de 1750 intitulado "Costa do Brasil desde a ponta de Itapetininga, São Paulo, até o rio Imbou ao sul da Ilha de Santa Catarina", no "Mappa da capitania de S. Paulo" de Francesco Tosi Colombina (meados do século XVIII), no "Mapa de parte de São Paulo, Paraná e Santa Catarina" do início do século XIX e no "Mappa chorographico da provincia de San Paulo" de Daniel Pedro Müller (1841), todos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.[39]

Os dados populacionais da Freguesia da Cutia antes do século XIX são raros, imprecisos e ainda pouco estudados. De acordo com as informações atualmente disponíveis, a freguesia possuía 912 habitantes em 1736, 1.735 habitantes em 1766 e 1.825 habitantes em 1786. O Almanaque Histórico-Literário do Estado de São Paulo para 1897, na interessante tabela “População de São Paulo em 1794” indica, para a “Companhia da Ordenança da Cutia” (uma das 28 unidades administrativas da então Capitania de São Paulo), um total de 323 pessoas (sendo 145 homens e 178 mulheres; 206 livres e 117 escravos), dados que provavelmente refletem a população urbana da Freguesia da Cutia em 1794.[40] O “Quadro estatístico da Província de São Paulo”, sob ordens do Marechal de Campo Daniel Pedro Muller, por indicação da Assembléia Legislativa, de 1836, registra, em Cotia, 3.770 habitantes, constituídos de 17% de escravos e 83% de cidadãos livres, o que dá uma dimensão do seu restrito desenvolvimento populacional e econômico até essa fase.

Da Vila da Cutia ao município de Cotia[editar | editar código-fonte]

A Freguesia de Cutia foi elevada, pela Lei Provincial n.º 7, de 2 de abril de 1856, à Vila da Cutia (com essa mesma ortografia).[41] Em ofício de 3 de janeiro de 1857, a Câmara Municipal de São Paulo comunicou a instalação da nova Câmara da Vila da Cutia em 3 de janeiro desse ano, dando posse ao seu primeiro presidente, o vereador eleito José de Araújo Novaes.[42]

O Almanaque Paulistano de 1856 (para 1857) indica, na recém instalada Vila da Cutia, que contava com 4.125 habitantes, a existência de 1 agência do correio, 1 vigário colado, 1 professor de primeiras letras e 7 eleitores.[43] Já o Almanaque da Província de São Paulo de 1873 (para 1873) registra, em meio aos 5.024 habitantes da Vila da Cutia, o nome do presidente da câmara municipal e dos 6 vereadores, 1 vigário, 1 sacristão, 1 subdelegado, 3 suplentes de subdelegado, 2 escrivães, 4 juízes de paz, 8 eleitores, 8 suplentes de eleitores, 1 capitão, 1 tenente e 1 alferes da 3ª Companhia Avulsa da Guarda Nacional (com 140 praças), 1 capitão, 1 capitão adido e 2 tenentes adidos da Reserva (com 120 praças), 1 agente da agência do correio, 1 inspetor da instrução primária, com 4 professores públicos (1 em Cotia, 1 em "Itaqui", 1 em “Carapucuíba” e 1 em “Várzea Grande”), 1 professora pública e 1 professor público aposentado, 6 fazendeiros (que se dedicavam ao gado vacum e cavalar, cultura de milho e feijão), 2 comerciantes de lojas de fazendas, 8 negociantes de secos e molhados, 2 alfaiates, 1 carpinteiro, 1 ferreiro, 1 mestre de música, 1 padeiro e 2 pedreiros, registrando ainda, mas sem indicação dos nomes, a existência de 5 guardas da polícia local, 504 escravos matriculados na Província de São Paulo (conforme a Lei nº 2.040, de 28 de setembro de 1871).[44]

O Primeiro Código de Posturas da Vila da Cutia foi redigido em sua Câmara Municipal em 25 de fevereiro de 1858, em função da criação da vila em 1856 (com 57 artigos). Pela Resolução nº 57, de 28 de abril de 1874, a Assembleia Legislativa Provincial de São Paulo mandou publicar e executar executar o Segundo Código de Posturas da Câmara Municipal de Vila da Cutia (com 118 Artigos) (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP),[45] ampliados pela Resolução nº 136, de 8 de junho de 1886 da Assembleia Provincial, que mandou publicar e executar o Terceiro Código de Posturas da Câmara Municipal da Vila da Cutia (com 167 Artigos) (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP),[46] modificado e ampliado no Quarto Código de Posturas da Câmara Municipal da Vila da Cutia (com 252 Artigos), publicado pela Resolução nº 167, de 21 de maio de 1889 da Assembleia Provincial de São Paulo (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP),[47] alterado pela Resolução nº 78, de 28 de agosto de 1890.[48]

Após a proclamação da República, em lugar da Câmara foi nomeada uma Intendência, a 20 de fevereiro de 1890. Em 19 de dezembro de 1906, por meio da Lei Estadual nº 1.030, foi elevada à categoria de município, com o atual nome de Cotia. Embora já existente como aldeia em meados do século XVII (com a primeira Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate inaugurada em 8 de setembro de 1662), foi adotada, como data de "fundação" da cidade, o dia de elevação da freguesia a vila (2 de abril de 1856), em função da constituição de sua primeira Câmara Municipal.[28][29][30][31][32][33][34][49][50]

Arruamento e urbanização de Cotia[editar | editar código-fonte]

O arruamento de Cotia, no século XVIII, foi iniciado entre o Caminho das Tropas (que deu origem às ruas Batista Cepelos/Senador Feijó) e o entroncamento com o caminho para a Aldeia de Barueri (atual Rua Nelson Ranieri), que deu origem às atuais Rua Dois de Abril, Rua Dez de Janeiro e Estrada Velha de Itapevi II (que eram unidas entre si antes da construção da alça norte da Rodovia Raposo Tavares). No entroncamento entre o Caminho das Tropas e o Caminho de Barueri foi instalada a Capela do Monte Serrate, formando a atual Praça da Matriz. As ruas posteriormente abertas no arraial, talvez já no século XIX, foram provavelmente as ruas Presciliana de Castro Pedroso, Benedita Barreiro Vítor e o prolongamento da Dez de Janeiro/Lopes Camargo até a Travessa Joaquim Horário Pedroso.

O setor urbano de Cotia, no século XIX, não deve ter ultrapassado o limite dessas ruas, construídas ao redor do Largo da Matriz. Em 1858 a recém inaugurada Câmara Municipal da Cutia solicitou à Assembleia Provincial Legislativa de São Paulo a designação de uma quota para a construção de uma murada destinada a evitar o desmoronamento do morro do Largo da Matriz (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP), murada essa que deve ter sido removida quando da construção da atual murada que sustenta esse morro.

A entrada principal de Cotia, antes do século XX, era a Avenida Nossa Senhora de Fátima, que no centro histórico deriva-se na Rua Senador Feijó, e que remonta ao período de formação da Freguesia da Cutia, pois trata-se da continuação da Estrada Velha de Cotia e da Estrada do M'Boi, caminhos bem mais antigos que a Estrada São Paulo-Paraná (1922), posteriormente convertida na Rodovia Raposo Tavares. A Estrada São Paulo-Paraná criou uma nova entrada de Cotia, posteriormente convertida na Avenida Professor José Barreto, cuja ligação com a estrada foi interrompida quando da construção da nova alça de acesso ao centro de Cotia da na Rodovia Raposo Tavares na década de 1980 (por essa razão a parte final da Avenida Professor José Barreto termina em um barranco sobre a nova alça de acesso a Cotia).

O primeiro cemitério municipal de Cotia (hoje denominado Cemitério Municipal Central Velho), cujos grandes limites são a Avenida Nossa Senhora de Fátima e a Rua Ovídio Antônio Passos, foi construído justamente no Caminho de Cotia ou Caminho das Tropas (hoje Avenida Nossa Senhora de Fátima), após as sucessivas proibições, ao longo do século XIX, de sepultamentos em igrejas e capelas. Em ofício de 4 de fevereiro de 1856 ao Reverendo Anacleto José Ribeiro Coutinho, Vigário Geral do Bispado de São Paulo (pouco antes da elevação a Vila da Cutia), a Câmara Municipal de São Paulo determinou que este ordenasse à Paróquia da Cutia a construção do Cemitério Público da Freguesia, à custa da fábrica da paróquia.[51] O cemitério foi sendo construído nas décadas seguintes e passou a contar com novas fontes de financiamento, incluindo a Câmara Municipal da Cutia e a Província de São Paulo. Pela Resolução nº 35, de 13/04/1886, a Província de São Paulo criou o lugar de zelador do cemitério da Vila da Cutia e fixou os seus vencimentos, bem como os do secretário da câmara, procurador e porteiro (ver Projeto nº 47/48 manuscrito na ALESP),[52] enquanto o primeiro Código de Posturas da Câmara Municipal da Vila da Cutia, publicado pela Resolução nº 136, de 8 de junho de 1886 da Assembleia Provincial, estabeleceu o primeiro conjunto de normas municipais sobre os sepultamentos e uso do cemitério público.[46] Em 1890, o governador do Estado de São Paulo, Prudente José de Moraes Barros, informou em seu relatório ao presidente da República, Deodoro da Fonseca, que o cemitério municipal da Cutia era obra antiga e já liquidada.[53] A atual capela do Cemitério Municipal Central Velho foi concluída em 1916 (conforme data na fachada) e deve ter substituído menor capela menor e mais antiga, construída ainda no século XIX.

O "Mapa da Região de Itapevi a Cotia", do Instituto Geográfico e Geológico (1963),[54] um dos mais antigos mapas conhecidos da cidade, já indica dois novos focos de urbanização além do centro histórico: o primeiro desses novos bairros, situado aproximadamente entre os atuais Cemitério Municipal Central Velho, Terminal Metropolitano e o Ginásio de Esportes, estava circunscrito entre a antiga Estrada São Paulo-Paraná (atual Rodovia Raposo Tavares) e as atuais Avenida Professor Manuel José Pedroso, Rua Monsenhor Ladeira e Rua José Augusto Pedroso, correspondendo à atual Vila São Francisco de Assis. O segundo desses novos bairros estava circunscrito entre a antiga Estrada São Paulo-Paraná e as atuais ruas Professor Manuel José Pedroso/Jorge Caixe/Rua dos Bandeirantes e Primo Batistoni, correspondendo à atual Vila Santo Antônio do Portão.

Os demais bairros do distrito-sede de Cotia (portanto a grande maioria dos atuais bairros cotianos) foram construídos a partir da década de 1960 e estão associados à fase industrial do município e o consequente aumento de sua população e de sua densidade demográfica nesse período. A legislação municipal de Cotia referente à denominação de vias públicas ajuda a compreender a cronologia de instalação dos novos bairros, como o Decreto Municipal nº 850, de 20 de junho de 1975, que dá denominação de vias públicas no Jardim Nomura (bairro que urbanizou a área entre a Vila São Francisco de Assis e a Vila Santo Antônio do Portão), o Decreto Municipal nº 953, de 18 de fevereiro de 1976, que dá denominação de vias públicas no Jardim São Joaquim, e o Decreto Municipal nº 1329, de 14 de março de 1979, que dá denominação de vias públicas de diversos bairros de Cotia. A partir de 1981 a legislação cotiana é abundante na denominação de novas ruas e de novos bairros, refletindo o grande aumento populacional e de residências no município, como consequência direta de sua fase industrial a partir da década de 1960, e consequência indireta de sua fase agrícola da primeira metade do século XX.

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate (no centro de Cotia), REFORMADA em 1910-1911.

Divisões territoriais e administrativas do município de Cotia[editar | editar código-fonte]

Em divisão administrativa do ano de 1911, o município de Cotia estava constituído como distrito-sede e, pela Lei nº 1.471, de 19/10/1920, foi criado o distrito de Itapevi, anexado ao município de Cotia.[55] Em divisão referente ao ano de 1933, o município estava constituído de dois distritos, Cotia e Itapevi, assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31/12/1936 e 31/12/1937. Em 1931, havia sido inaugurada a Estação Caucaia da Estrada de Ferro Sorocabana (entre os trechos Mairinque-Santos) e, por ser a estação mais alta do ramal ferroviário (com 936 metros de altitude), foi designada como “Caucaia do Alto”, o que favoreceu a criação, pelo Decreto-lei Estadual nº 14.334, de 30/11/1944, do distrito de Caucaia do Alto, anexado ao município de Cotia.

Pela Lei Estadual nº 233, de 24/12/1948, foi criado o distrito de Jandira, com terras desmembradas do distrito de Itapevi, e anexado ao município de Cotia. Em divisão territorial datada de 01/07/1950, o município estava constituído de quatro distritos, Cotia, Caucaia do Alto, Itapevi e Jandira, assim permanecendo em divisão territorial datada de 01/07/1955. Pela Lei Estadual nº 5.285, de 18/02/1959, foi desmembrado do município de Cotia o distrito de Itapevi, assim elevado à categoria de município. Em divisão territorial datada de 01/07/1960, o município estava constituído de três distritos: Cotia, Caucaia do Alto e Jandira. Pela Lei Estadual nº 8.092, de 28/02/1964, foi desmembrado do município de Cotia o distrito de Jandira, assim elevado à categoria de município. Sob a mesma Lei Estadual, foi criado no antigo bairro da Várzea Grande o distrito de Raposo Tavares e incorporado ao município de Cotia.

Em divisão territorial datada de 31/12/1968, o município de Cotia estava constituído de três distritos: Cotia, Caucaia do Alto e Raposo Tavares. Pela Lei Estadual n.º 3.198, de 23/12/1981, foi desmembrado, do município de Cotia, o distrito de Raposo Tavares, para constituir o novo município de Vargem Grande Paulista. Em divisão territorial datada de 01/06/1995, o município de Cotia estava constituído de dois distritos, Cotia e Caucaia do Alto, assim permanecendo na divisão territorial de 2009.[50][56]

História econômica do município de Cotia[editar | editar código-fonte]

As maiores fontes sobre o a história econômica de Cotia, ainda que escassas e referentes quase somente à primeira metade do século XX, são a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, do Conselho Nacional de Geografia e Conselho Nacional de Estatística (v.28, 1957, p.267-269)[57] e a a pequena monografia Cotia, de Fernando Pereira Cardim (da Diretoria de Documentação e Divulgação do CNE), publicada pelo IBGE em 1964.[50] Para o século XIX os dados são bastante escassos, sendo encontrados principalmente nos Almanaques da Província de São Paulo e nos jornais paulistas do período. No Almanaque da Província de São Paulo de 1873 (para 1873) é mencionada a criação do gado vacum e cavalar, e a cultura de milho e feijão.[44] A partir das informações conhecidas, é possível saber que a economia de Cotia, nos séculos XVIII e XIX era principalmente de subsistência, mas com algum excedente destinado ao comércio, principalmente para a capital e as freguesias e vilas do oeste paulista.

Passagem por Cotia (no distrito de Itapevi) da Estrada de Ferro Sorocabana, inaugurada em 1875.

Paralelamente, Cotia foi usada como centro de abastecimento de agua da capital desde o final do século XIX: três anos após a inauguração da caixa de abastecimento de água no Alto da Consolação em 1878, a cargo Companhia Cantareira (em frente à atual rua Piauí), começavam a chegar águas da Serra da Cantareira, do Cabuçu, e do Rio Cotia.[20] Em 1902, o engenheiro Teodoro Sampaio indicou os mananciais hídricos de Cotia como estratégicos para o abastecimento de água na capital paulista,[19] sinalizando a possibilidade do aprofundamento da adução do Rio Cotia, que seria iniciada na década seguinte e continua a ser importante para a capital na atualidade.[58]

Na entrada do século XX, Cotia era um povoado com cerca de 5 mil habitantes e ainda mantinha economia e espaço urbano restritos e com poucas mudanças ao longo do século XIX. Apesar da instalação, junto à antiga Estrada Cotia-Barueri (uma parte da qual é hoje a Estrada da Roselândia), da Estação Cotia (hoje município de Itapevi) da Estrada de Ferro Sorocabana (fundada em 1870 e inaugurada em 1875), que aumentou o trânsito de moradores entre as cidades pelas quais passava a ferrovia, Cotia perdeu muitos habitantes para outras regiões, no período de 1874 a 1920, em função da exaustão da terra, decorrente da falta de tecnologia agrícola eficiente.[17] A ferrovia acarretou o início da decadência do ciclo dos muares, gerando uma crise econômica em Cotia que somente seria superada pelas novas tecnologias agrícolas e de distribuição trazidas pelos imigrantes japoneses no século XX. Estevam de Almeida Prado deixou em 1926 o seguinte testemunho da pobreza dessa fase de subsistência, que somente seria alterada com a fase agrícola relacionada à imigração japonesa:

Produção de batatas em Cotia, indicada no Mapa Agrícola do Estado de São Paulo (1908), pela Sociedade Nacional de Agricultura (Brasil).

"Cotia, sede do município de igual nome e portanto expoente máximo de sua civilização, é uma cidade atrasadíssima, nada se adiantando de 200 anos para cá. Seus prédios são na maioria de taipas e nos mostram em seu estilo e aspecto a sua remota construção. Na época em que foram feitos, podia ser que higienicamente eram bons (para o adiantamento higiênico da época), mas atualmente nada valem sob este ponto de vista. Com o atraso da educação sanitária do seu povo, como temos visto, e com a falta de higiene local, deduzimos que o campo era bastante apto para que a varíola ali florescesse e produzisse seus amargos frutos, se isso não aconteceu foi somente devido à presteza e energia com que o serviço sanitário tomou as necessárias providências"[17]

De acordo com Fernando Pereira Cardim (1964)[50] e com Ricardo Bezerra de Souza (s.d.),[17] o primeiro acentuado crescimento econômico de Cotia deve-se à produção e distribuição, nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, da “batata de Cotia” (batata inglesa), introduzida na região por agricultores japoneses em 1913, porém o cultivo da batata em Cotia já era assinalado no Mapa Agrícola do Estado de São Paulo, da Sociedade Nacional de Agricultura, em 1908.[59] De acordo com com Ricardo Bezerra de Souza, o ano de 1913 marca não exatamente o início do cultivo de batatas pelos imigrantes japoneses em Cotia, mas o afluxo de agricultores japoneses dissidentes do violento regime de trabalho nas fazendas de café do Vale do Paraíba.[17]

Mapa de São Paulo em 1910, destinado à captação de imigrantes para o trabalho agrícola no Estado.

O Almanaque d’O Estado de S. Paulo para 1916 indica a produção em Cotia, nesse ano, de milho, arroz, fumo, cana e batatas.[60] Em 1929, o Presidente do Estado de São Paulo, Júlio Prestes de Albuquerque, em relatório ao Presidente da República, Washington Luís, declarou:

"Não havendo nenhum campo de cooperação para cultura da batata, tem o governo providenciado para a isenção dos direitos aduaneiros e desenvolvido a fiscalização do emprego das batatas importadas para sementes. Essa cultura está extraordinariamente desenvolvida nos arredores de S. Paulo. No município de Cotia atingiu as 200.000 sacas em 1928 e vai se desenvolvendo em todos os municípios vizinhos. É uma cultura útil e remuneradora. Um agricultor japonês, em Cotia, auxiliado pelo governo apenas na isenção dos direitos aduaneiros, para a importação e transporte das sementes, numa área de cerca de 8 alqueires, correspondentes a 20 hectares, obteve uma colheita no valor de 100.000$000."[61]

Esse desenvolvimento (facilitado pela construção da Estrada de Ferro Sorocabana) foi responsável pela ampliação das atividades agrícolas na região e resultou na criação da Cooperativa Agrícola de Cotia em 1927 (ativa até 1987), um dos maiores empreendimentos agrícolas do Brasil no século XX, cujas primeiras instalações comerciais no município foram no bairro do Moinho Velho, e externas ao município foram construídas no Largo da Batata (bairro de Pinheiros, São Paulo), que herdou esse nome justamente pela comercialização do principal produto cultivado em Cotia,[62] seguidas pelos 90 outros depósitos regionais, como os galpões da Avenida Kenkiti Shimomoto, no bairro do Jaguaré, em São Paulo.[63] Na década de 1950 os principais produtos agrícolas de Cotia eram tomate, batata, cebola e uva.[57]

Instalações da Cooperativa Agrícola de Cotia no Largo da Batata (bairro de Pinheiros, São Paulo), onde os agricultores de Cotia comercializavam batatas e outros produtos.

O desenvolvimento agrícola do município provocou seu primeiro aumento populacional acentuado, em meados do século XX: enquanto o Censo de 1950 indica que 83% dos habitantes de Cotia ainda viviam na zona rural, Fernando Pereira Cardim indica que a variação populacional, de 1950 para 1960, foi de 238% (920 para 3.113 habitantes) no distrito-sede de Cotia, de 59% negativos (351 para 145 habitantes) no distrito de Caucaia do Alto e de 76% (630 para 1.110 habitantes) no distrito de Jandira. O censo de 1960 registrou, em Cotia, 17.906 pessoas em 3.469 domicílios, sendo 13.125 pessoas em 2.522 domicílios no distrito-sede (76% na zona rural), 2.734 pessoas em 536 domicílios no distrito de Caucaia do Alto (95% na zona rural) e 2.047 pessoas em 411 domicílios no distrito de Jandira (46% na zona rural).[50]

O segundo grande aumento populacional de Cotia, na segunda metade do século XX (ainda em continuidade no presente), bem mais acentuado que o anterior e com forte incremento da densidade demográfica, foi o resultado de vários fatores, mas principalmente da mudança do perfil predominante de trabalho na região, de agrícola para industrial: o município já contava com 81 estabelecimentos industriais empregando 1.497 operários em 1956, segundo a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros,[57] e com 25 fábricas, 37 unidades escolares e 131 estabelecimentos comerciais em 1961, segundo Fernando Pereira Cardim.[50] O encerramento das atividades da Cooperativa Agrícola de Cotia em 1987 e a drástica diminuição do cultivo da uva em São Roque no final do século XX,[64] aliados ao aumento do número de fábricas de pequeno, médio e grande porte em Cotia (e, posteriormente em Vargem Grande Paulista), são indícios dessa mudança na região. Cotia saltou do 121º município brasileiro mais populoso no Censo de 1950 (com estimativa para o 173º município em 1946) para o 38º município brasileiro mais populoso no Censo de 2010 (com estimativa para o 33º município em 2018).

Outros fatores, no entanto, participaram do aumento populacional de Cotia na segunda metade do século XX, como o crescimento da oferta de empregos na capital, aliada ao desenvolvimento do transporte terrestre na Região Metropolitana de São Paulo, a imigração de pessoas procedentes de diversas regiões brasileiras e a criação dos primeiros condomínios horizontais da região, destinados inicialmente a residências de campo, e posteriormente à população excedente da capital, que manteve trabalho em São Paulo e transferiu seu domicílio para Cotia, fenômeno que ocorreu também nos municípios vizinhos, como Osasco, Barueri, Itapevi, Vargem Grande Paulista, Itapecerica da Serra e outros.[65] A população registrada, no último censo (2010), foi de 201.150 pessoas, com densidade demográfica de 620,81 hab/km², enquanto a população estimada em 2017 foi de 237.750 pessoas, para uma área territorial de 323,994 km² e densidade demográfica de 733,81 hab/km², números que exibem o forte crescimento populacional e, sobretudo, da densidade demográfica nos últimos anos.[66][67]

O IBGE possui dados estatísticos completos para o município de Cotia somente a partir do censo de 2010, que não permitem uma análise mais detalhada da fase anterior, mas que auxiliam a compreender parte das características do período industrial do município que caracterizam suas características predominantes na atualidade.[67]

Rodovia Raposo Tavares[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Rodovia Raposo Tavares
Início da "Estrada para Cotia", no atual bairro do Butantã, em 1913

Desde a fase de predominância agrícola, o município de Cotia passou a ter estreita relação com a situação da Rodovia Raposo Tavares (SP-270), construída sobre a Estrada São Paulo-Paraná (BR-2) inaugurada em 1922, inicialmente no trecho São Paulo-Cotia-São Roque (justamente a principal região agrícola nas imediações da capital), estabelecida sobre a Estrada de Cotia ou Caminho das Tropas (início do século XVIII a cerca de 1930), anteriormente rota bandeirante (século XVII), por sua vez estabelecida sobre o antigo Caminho do Peabirú (pré-cabralino).

A conexão da Vila de Pinheiros com a primitiva Estrada de Cotia era feita, nos séculos XVII a XIX, pelas atuais Praça Jorge de Lima (Praça da Paineira) e Rua Reação, mas com a urbanização dos antigos bairros do Botequim, Barreira e Pirajussara (posteriormente anexados ao bairro do Butantã), surgiram outras conexões: a Planta do Distrito do Butantã em 1913, por exemplo, indica a entrada da Estrada de Cotia pela atual Avenida Professor Francisco Morato (antiga Estrada do Botequim), virando 90 graus à direita pela atual Rua Sapetuba e prosseguindo na atual Rodovia Raposo Tavares.

Em 1954, o trecho São Paulo-Itapetininga da antiga Estrada São Paulo-Paraná (BR-2) recebeu o nome de Rodovia Raposo Tavares e começou a ser asfaltado, possibilitando o tráfego rodoviário decorrente do ciclo industrial que se iniciava nesse período, em função da parcial desativação da rede ferroviária brasileira ao longo do século XX.[68] Até a década de 1960, a Rodovia Raposo Tavares passava por um trecho urbano complementar asfaltado no centro da cidade,[50] porém na duplicação de 1978 foi construído um desvios da rodovia ao norte do centro, em região na época rural, entre os atuais km 31 e 36,[19] tendo sido instalados nesse trecho, na primeira década do século XXI, a Casa do Usuário e, posteriormente, o Posto Policial de Cotia.

A duplicação do trecho de Cotia e Vargem Grande da Rodovia Raposo Tavares em 2002-2004, que coincidiu com a conclusão do trecho oeste do Rodoanel, pouco depois da inauguração da Avenida Escola Politécnica (em 2001), refletem o acréscimo, aos fatores precedentes, da expansão imobiliária na região, que absorveu e segue absorvendo parte significativa da população que trabalha em São Paulo:[69] estudo do geógrafo Danilo Volochko em 2002 concluiu que “48% dos moradores do Residencial Valle Verde Cotia vinham de bairros como Capão Redondo, Pirituba e Brasilândia; a outra metade vinha de cidades da região metropolitana, principalmente Osasco, Cotia e Carapicuíba”.[65] Paralelamente, a ampliação da Rodovia Raposo Tavares dividiu a cidade de Cotia ao meio.[20]

Rodovia Raposo Tavares, na região da Granja Viana, em Cotia

Desde as últimas décadas do século XX, muitos residentes em Cotia trabalham em São Paulo, o que gera um intenso tráfego de veículos e congestionamentos constantes na Rodovia Raposo Tavares. Parte desses condomínios foram criados como bolsões residenciais, e algumas ruas antes públicas foram convertidas em particulares. Geralmente, com exceção do serviço de coleta de lixo, todo o trabalho de manutenção de ruas (segurança, recapeamento, etc.), em tais condomínios, é feito por empresas privadas. O modelo recebe críticas por supostamente infringir o direito de ir e vir, por privatizar espaços públicos e por impor o pagamento de mensalidades aos moradores; por outro lado, é utilizado por proporcionar maior segurança às ruas internas dos condomínios.[70] A partir da década de 2010, a tendência em Cotia foi a criação de condomínios horizontais, com casas de metragens relativamente pequenas e voltadas para o público de padrão médio, geralmente oriundo das Zonas Sul e Leste da cidade de São Paulo.[71]

Imigração japonesa[editar | editar código-fonte]

Em 1906, a Companhia Imperial de Emigração Nipônica enviou ao Brasil os técnicos Ryu Myzuno e Teijiro Suzuki para verificarem as áreas rurais paulistas disponíveis à recepção de agricultores. Em 1907 o Estado de São Paulo assinou um acordo para receber, até 1910, o número de 3 mil imigrantes japoneses, incluindo a cidade de Cotia como um dos municípios contemplados. O primeiro navio com imigrantes japoneses (o Kasato Maru) aportou em Santos em 18 de junho de 1908 com 781 passageiros, entre os quais estavam os primeiros imigrantes japoneses que passaram a residir em Cotia e que iniciaram a fase agrícola do município, com o plantio da batata.[72]

A partir do aumento do afluxo dos imigrantes japoneses em Cotia, em 1913, é fundada em 1916, no bairro do Moinho Velho, a Associação da Comunidade Japonesa, que lá estabelece a primeira escola agrícola do Brasil.[19][73] A escola do Moinho Velho formou centenas de alunos, tendo a língua e a cultura nipônicas como base do aprendizado, além das matérias do ensino brasileiro.[74] O impacto da imigração japonesa em Cotia, além das transformações sociais e culturais, proporcionou o primeiro grande incremento econômico do município, com reflexos em outras regiões brasileiras. De acordo com a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, do Conselho Nacional de Geografia e Conselho Nacional de Estatística (v.28, 1957):

"A própria natureza das correntes emigratórias produziu influência profunda na expansão do seu progresso. Cotia, embora tão próxima de São Paulo, esteve estagnada durante tantos anos em razão de se considerar seu solo sem qualidades para uma agricultura lucrativa. A colônia japonesa desmentiu esse conceito, realizando um trabalho notável. Hoje Cotia é uma cooperativa de grande produção a se espraiar até ao Vale do Paraíba, com um extenso cultivo de verduras e legumes."[57]

Kasato Maru, o navio que desembarcou 781 imigrantes japoneses no Porto de Santos em 1908.

Várias ações oficiais do município celebraram a imigração japonesa em Cotia. No mandato do Prefeito Ivo Mário Isaac Pires (1964-1968), foi assinado um Tratado de Geminação (amizade) entre a cidade japonesa de Ino (Província de Kochi) e Cotia, ratificado pela Lei nº 32, de 5 de Maio de 1966.[75][76] A maior homenagem, no entanto, foi a Praça Japonesa de Cotia (também conhecida como Jardim Japonês ou Praça da Amizade), projetada pelo arquiteto Motoi Tsuboshi e inaugurada em 1988 para celebrar os 80 anos da imigração japonesa no Brasil, foi originalmente denominada Praça da Amizade Ino-Cotia, em referência ao Tratado de Geminação Ino-Cotia de 1966.[77]

Construída entre a Rua da Glória e a Rodovia Raposo Tavares, a Praça Japonesa de Cotia foi abandonada após as obras de duplicação da Rodovia Raposo Tavares entre 2002-2004 e acabou sendo parcialmente destruída entre 2016-2017 para a construção do prolongamento da Marginal da Rodovia Raposo Tavares.[78] Marcos semelhantes existem nas proximidades de Cotia: em 1967 a Cooperativa Agrícola de Cotia doou ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo um jardim japonês (restaurado em 2018), destinado a celebrar a imigração japonesa no oeste paulista[79][80]

Pela Lei nº 1.383, de 11 de setembro de 2006, a Prefeitura de Cotia instituiu a Semana da Cultura Japonesa, integrada ao Calendário de Eventos do Município.

A imigração japonesa em Cotia é tema de inúmeros trabalhos acadêmicos, a começar pelo artigo "Propriedades de japoneses na região de Cotia" (Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 9, p.38-59, 1951) de Emilia da Costa Nogueira e Francisca M. Nunes,[73] contando atualmente com várias dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre o assunto.

Praça Japonesa de Cotia.

Cooperativa Agrícola de Cotia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cooperativa Agrícola de Cotia

Os imigrantes japoneses receberam pequenos lotes de terra e sua sobrevivência dependia de sua produção. Logo perceberam que o maior problema não era a produção em si, porém sua comercialização. Por essa razão foi criada, em 1927, a Cooperativa Agrícola de Cotia (na época com o nome Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Limitada de Produtores de Batata em Cotia S/A,), uma das maiores experiências brasileiras do gênero no século XX. Inicialmente, a Cooperativa Agrícola de Cotia (CAC) comercializava apenas batatas, porém com o tempo foram sendo introduzidos dezenas de outros itens agrícolas, especialmente frutas, ovos, grãos, aves, hortaliças, chá, algodão e legumes. De acordo com o pesquisador Gustavo Takeshy Taniguti, ao encerrar suas atividades, em 1987, a CAC atuava em 15 estados, possuía 15 mil associados, além de dez cooperativas ligadas à central e 90 depósitos regionais, totalizando o faturamento anual de 760 milhões de dólares.[81][82]

Patrimônio histórico, artístico, cultural e ambiental[editar | editar código-fonte]

Legislação fundamental[editar | editar código-fonte]

A legislação municipal de Cotia contempla as diversas formas de patrimônio público, principalmente em sua Lei Orgânica de Cotia (16 de dezembro de 2011), no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, Econômico e Social do Município de Cotia (Lei Complementar nº 72, de 2 de janeiro de 2007) no Plano Municipal de Cultura de Cotia (Lei Ordinária nº 1698, de 14 de dezembro de 2011), no Plano Diretor Municipal de Turismo (Lei Ordinária nº 2.035, de 4 de setembro de 2018), no Plano de Zoneamento e normas para Usos, Parcelamento e Ocupação do Solo do Município de Cotia (Lei Complementar nº 95, de 24 de junho de 2008), no Plano Municipal de Saneamento (Lei Complementar nº 117, de 12 de maio de 2010) e no estabelecimento do Conselho Municipal de Cultura (Lei Ordinária nº 1525, de 20 de agosto de 2009), do Conselho Municipal Ambiental - COMAM (Lei Ordinária nº 1771, de 27 de junho de 2013), do Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental e Rural - COMDAR (Lei Ordinária nº 1507, de 5 de junho de 2009), do Conselho Municipal do Meio Ambiente (Lei Ordinária nº 1153, de 28 de dezembro de 2001) e da Política Municipal de Educação Ambiental (Lei Ordinária nº 1780, de 25 de setembro de 2013).

A Lei Orgânica de Cotia (16 de dezembro de 2011) estabelece, no Art. 4º, inciso e-XXII, que cabe ao município de Cotia, entre outros, “promover a proteção do patrimônio histórico cultural local, observada a legislação e ação fiscalizadora federal e estadual” e, no Art. 191, que “O Poder Público pesquisará, identificará, protegerá e valorizará o patrimônio cultural municipal, através do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Município na forma que a lei estabelecer.” O Art. 193 determina que “A lei estimulará, mediante mecanismos específicos, os empreendimentos privados que se voltem à preservação e à restauração do patrimônio cultural, bem como incentivará os proprietários de bens culturais tombados, que atendam às recomendações de preservação do patrimônio cultural.” O Art. 190, por sua vez, especifica que “Constituem patrimônio cultural municipal, os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referências à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade nos quais se incluem: I - as formas de expressão; II - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; III - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; IV - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.”

Em relação ao patrimônio ambiental, o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, Econômico e Social do Município de Cotia (Lei Complementar nº 72, de 2 de janeiro de 2007) estabelece que a política urbana de Cotia tem por objetivo, entre outros (Art. 7º, inciso IV) "preservar, recuperar e aproveitar adequadamente:  a) o meio ambiente natural e construído; b) o patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico e turístico; c) as áreas de relevado interesse ambiental, áreas de proteção aos mananciais, áreas de preservação permanente, Reserva Florestal do Morro Grande, Parque Tizo, Parque das Nascentes, bem como a área localizada dentro do Município de Cotia da A.P.A. de Itupararanga." O mesmo Plano Diretor, no Art. 4º, determina que "A propriedade, para que cumpra sua função social, deve inciso XI “preservar os patrimônios ambiental, cultural, histórico, paisagístico e turístico”, enquanto o Art. 17 estatui que "No macro-zoneamento, as ações têm como objetivos inciso III “a preservação do patrimônio natural, histórico, arqueológico, paisagístico e turístico”.

Em relação ao patrimônio histórico, artístico, cultural, o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, Econômico e Social do Município de Cotia (Lei Complementar nº 72, de 2 de janeiro de 2007) estabelece, no Art. 111, que são diretrizes de proteção da memória e do patrimônio cultural, entre outros (inciso VI) “proteger o patrimônio cultural, por meio de pesquisas, inventários, registros, vigilância, tombamento, desapropriação, outras formas de acautelamento e o incentivo à cultura dos imigrantes de nossa cidade e preservação definidas em lei” e, no Art. 114, que “O Poder Público Municipal garantirá a preservação, atualização, ampliação e divulgação da documentação e dos acervos que constituem a memória e o patrimônio cultural da Cidade, bem como das paisagens naturais, construções notáveis e sítios arqueológicos.” O Art. 110 estatui que a Política Municipal de Cultura visa, entre outros (inciso V) “garantir a preservação do patrimônio histórico do município e desenvolver política de gestão de informação histórico-cultural do Município” e inciso IX “promover e apoiar iniciativas destinadas a suprir o mercado de trabalho dos recursos humanos necessários à preservação e à difusão do patrimônio cultural” e o Art. 81, inciso VIII, determina que são objetivos da política do turismo, entre outros, “Contribuir para a construção e difusão da memória e identidade da comunidade, por meio de proteção ao patrimônio ambiental, histórico, urbanístico e paisagístico, utilizando-o como meio de desenvolvimento sustentável”.

De acordo com o Plano Diretor Municipal de Turismo (Lei Ordinária nº 2.035, de 4 de setembro de 2018), Art. 5º, "Constituem diretrizes do Plano Diretor Municipal de Turismo: I - abordagem sistemática e interinstitucional do planejamento e gestão do turismo; II - participação da sociedade civil e da iniciativa privada para o desenvolvimento do turismo; III - reconhecimento, resgate e valorização da história, cultura e identidade local para o desenvolvimento do turismo; IV - sustentabilidade, proteção e promoção do patrimônio histórico, artístico e ambiental para o turismo."

O Plano de Zoneamento e normas para Usos, Parcelamento e Ocupação do Solo do Município de Cotia (Lei Complementar nº 95, de 24 de junho de 2008), em consonância com o Plano diretor de 2007, estabelece entre outros, como objetivos do zoneamento, de acordo com o Art. 10, inciso XII, "valorizar e proteger o patrimônio cultural". No Art. 2º, inciso III, o Plano de Zoneamento estatui que o Município deve assegurar, entre outros, “a preservação, proteção e recuperação do meio ambiente urbano e cultural”, e no Art. 2º, inciso IV, deve assegurar "a criação e manutenção de áreas de especial interesse histórico urbanístico ambiental, turístico e de utilização pública", enquanto no Art. 6º, inciso II determinam que o macrozoneamento e o zoneamento devem “designar as unidades de conservação ambiental, paisagística e cultural e outras áreas protegidas por lei, distinguindo as de preservação permanentes das temporárias e suas condições de uso”. No Art. 7º, inciso III, o Plano estabelece que os objetivos do macro zoneamento devem assegurar, entre outros, "a preservação do patrimônio natural, histórico, arqueológico, paisagístico e turístico". O Plano de Zoneamento também divide as zonas do município por características predominantes, estabelecendo, no Art. 12, inciso IX, a "Zona de Interesse Histórico e Cultural - ZIHC" e definindo, no Art. 22, que “A Zona de Interesse Histórico e Cultural - ZIHC abrange áreas com potencial turístico a ser dinamizado, permitindo uso não residencial de comércio e serviços, com níveis de baixa incomodidade, como recurso de viabilização à preservação dos elementos de interesse histórico, cultural, arqueológico e/ou arquitetônico.”

Região do centro histórico de Cotia: Rua Batista Cepelos, vendo-se, ao fundo, a Praça da Matriz.

A criação dos Conselhos Municipais Ambiental (COMAM), de Desenvolvimento Ambiental e Rural (COMDAR) e do Meio Ambiente, além do estabelecimento de uma Política Municipal de Educação Ambiental (Lei Ordinária nº 1780, de 25 de setembro de 2013) são ações legislativas progressistas do município em relação a esse assunto. Outras leis do município de Cotia são importantes para a preservação, pesquisa e difusão do patrimônio histórico, artístico, cultural e ambiental, como a Lei Ordinária nº 574, de 22 de abril de 1993, que dispõe sobre incentivo fiscal para realização de projetos Culturais, no âmbito do Município de Cotia. O avanço legislativo de Cotia tem propiciado um pequeno ressurgimento cultural no município, estando os maiores desafios na realização prática dos objetivos e metas estabelecidas.

Casas bandeiristas[editar | editar código-fonte]

O município abriga duas importantes casas bandeiristas do século XVII, o Sítio do Mandu e o Sítio do Padre Inácio (ambas tombadas pelo IPHAN e pelo CONDEPHAAT), a primeira delas provavelmente relacionadas à fundação da Aldeia de Cotia no século XVII e a segunda ao novo povoado de Cotia em 1713.

Centro histórico e casario antigo[editar | editar código-fonte]

Na transição do período agrícola para o período industrial, o centro histórico de Cotia ainda possuía uma configuração muito próxima à do século XIX, com casario antigo, principalmente nas ruas Batista Cepelos/Senador Feijó e Dez de Janeiro/Lopes Camargo/José Barreto, como se observa em fotografias das décadas de 1950 e 1960 divulgadas pelo IBGE.[49] A casa nº 108 da Rua Batista Cepelos possui na fachada o ano de 1915. Várias dessas casas ainda existem, infelizmente sem proteção por órgão público patrimonial e algumas em avançado estado de degradação.

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate[editar | editar código-fonte]

Nave, altar-mór, altares colaterais e púlpitos da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate de Cotia, construídos pelo entalhador português Bartholomeu Teixeira Guimarães ou algum de seus discípulos, em fins do século XVIII.

Embora a Igreja Matriz de Cotia tenha sido inaugurada em 1713, somente em 1749 o visitador da diocese de São Paulo, Miguel Dias Ferreira, que “reclamava das mulheres de Cotia, que comiam e falavam muito alto dentro da Matriz da vila, além de deixarem canas e cascas de frutas sujando o chão da igreja”, mandou “assoalhar ou ladrilhar o piso da igreja, então de terra batida”.[83][37] O arquiteto Mateus Rosada, após ampla pesquisa sobre as igrejas paulistas dos períodos colonial e imperial, atribuiu o retábulo-mor e colaterais da Matriz de Cotia ao entalhador português (radicado na Capitania de São Paulo) Bartholomeu Teixeira Guimarães (Lugar do Passal, c.1738 – Itu, 1806) ou a algum de seus discípulos, em fins do século XVIII. Esse mesmo pesquisador localizou “obras com características próximas às de Bartholomeu Teixeira Guimarães” em dezenove altares de dez igrejas em sete localidades: São Paulo, Sorocaba, Cotia, Santos, Aparecida, Itu (todas no Estado de São Paulo) e Viamão (RS).[83]

A Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate, cujo primeiro edifício foi concluído em 1713,[84] passou por várias reformas ao longo dos séculos XVIII e XIX. A Assembleia Legislativa Provincial de São Paulo recebeu solicitações de verba para reparos, manutenção da igreja e provimentos religiosos em 1839 (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP), “para promover a reedificação que o estado ruinoso da igreja muito reclamava, por causa de um raio que destruiu a torre e frontispício completamente”, e em 1889 (ver documento manuscrito no arquivo histórico da ALESP), para “retelhamento da igreja matriz da paróquia, com a reforma indispensável no respectivo madeiramento, a fim de completar-se o serviço preciso à conservação de outros, feitos no mesmo templo, que necessariamente sofrerão com a falta de retelhamento ou conserto do referido telhado, como reclama o respectivo pároco”.

Medalhão do teto da nave da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate.

Uma das reformas mais significativas da Matriz de Cotia foi realizada sob a supervisão de Antonio Paoni e Marcolino Pinto de Queiroz, a partir de um contrato firmado em 25/02/1910 com o pároco Aurélio Fraissat, por 650 mil réis, passando por nova reforma em 1911, dirigida por Antonio Paoni.[36][85][86][87] As intervenções de 1910-1911 mantiveram boa parte das paredes originais de taipa, além do altar, nichos laterais e púlpitos que existiam no século XIX (substituindo a estrutura de madeira dos nichos laterais por alvenaria), mas não foi preservada a pintura do teto da nave, tendo sido pintado, no novo teto, o medalhão de Nossa Senhora do Monte Serrate e o Menino Jesus. A torre, cujos materiais e estilo destoam do corpo principal da igreja, foi acrescida na reforma de 1833 ou de 1910.

A última grande reforma foi supervisionada em 1979 por José Torrezani e executada por Domingos Sochiarelli.[36] A matriz anda possui algumas imagens antigas, apesar da maioria ser de meados do século XX. Uma Nossa Senhora da Penha e uma Santana Mestra, ambas antigas e de pedra sabão, foram furtadas na década de 1990 e nunca recuperadas. Foi para esta igreja que o então mestre de capela da Catedral de São Paulo, André da Silva Gomes (1752-1844), escreveu em 1823 a Missa concertada com violinos, quatro vozes e acompanhamento"[88] Na página de rosto do manuscrito autógrafo do autógrafo do Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo), o compositor indicou: "para cantar-se pela primeira vez na noite de Natal na Igreja da Freguesia da Cutia".

Convento, paróquias e capelas[editar | editar código-fonte]

Somam-se ao patrimônio histórico e artístico de Cotia algumas construções notáveis do século XX, como o Carmelo do Imaculado Coração de Maria e Santa Terezinha do Menino Jesus (fundado em 13 de fevereiro de 1947 na Chácara São João e Graça e transladado para a Avenida Joaquim Barreto, 162, em 24 de novembro de 1949),[17][89][90][91] a Paróquia de Santo Antônio da Granja Viana (tanto a antiga, de 1949, quanto a recente, de 2004),[92] a Paróquia de Santo Antônio e Nossa Senhora do Carmo do Portão,[87] a Capela dos Pires, a Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Caucaia do Alto,[93] o Pequeno Cotolengo de Dom Orione (ou Orionópolis Paulista, fundado em 1961),[17] a Sociedade Beneficente São Camilo (que ocupa terreno cedido pela prefeitura de Cotia em comodato pelo espaço de 90 anos, por meio da Lei Ordinária nº 43, de 4 de julho de 1966), o Templo Zu Lai (maior templo budista da América Latina), o Templo budista tibetano Odsal Ling e a Igreja Nossa Senhora do Rosário de Fátima dos Arautos do Evangelho.

Festas religiosas e música sacra[editar | editar código-fonte]

Desde os séculos XVIII e XIX, praticavam-se, na freguesia e vila de Cotia, as principais festas católicas anuais, com destaque para a festa da padroeira Nossa Senhora do Monte Serrate, que continua a ser celebrada até o presente.[94][50] Entre os mais antigos testemunhos artísticos cotianos relacionados ao catolicismo estão os entalhes da igreja matriz (final do século XVIII) e a "Missa concertada com violinos, quatro vozes e acompanhamento"[88] de André da Silva Gomes (1752-1844), escrita em 1823 "para cantar-se pela primeira vez na noite de Natal na Igreja da Freguesia da Cutia" (manuscrito autógrafo do Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo), possivelmente associado ao centenário da elevação de Cotia a freguesia.[95] De acordo com a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, na década de 1950 ainda eram praticados na cidade as congadas, caiapós, trança-fita e dança de São Gonçalo (a maioria extintas), além da festa da padroeira em setembro e do Divino em maio. Ainda são celebradas em Cotia a Festa do Divino (Pentecostes),[96] a Congada de São Benedito.[97] Também é conhecida a Romaria de Caucaia do Alto até Pirapora do Bom Jesus, realizada na região em abril, desde 1940.[98] Pela Lei nº 1.383, de 11 de setembro de 2006, a Prefeitura de Cotia instituiu a Semana da Cultura Japonesa, integrada ao Calendário de Eventos do Município.

Bandas de música[editar | editar código-fonte]

As antigas bandas de sopros que existiram em Cotia nos séculos XIX e XX já foram extintas. Uma das mais conhecidas foi a Corporação Musical Imaculada Conceição, do bairro da Cachoeira, em Caucaia do Alto, fundada no final da década de 1920 e extinta na década de 1970.[99][100]

Patrimônio cultural imaterial protegido[editar | editar código-fonte]

Cotia declarou Patrimônio Cultural Imaterial do Município a Congada de São Benedito (Lei Ordinária nº 1.823, de 2014)[101] e a Romaria de Caucaia do Alto a Pirapora do Bom Jesus (Lei Ordinária nº 1.824, de 2014).[102] Por meio da Lei Ordinária nº 1.576, de 2010, foi incluído no calendário oficial de eventos e de programações do município a festa de Corpus Christi,[103] em data já considerada feridado municipal (juntamente com a Sexta-feira Santa) pela Lei Ordinária nº 5, de 1967.[104]

Patrimônio arquitetônico perdido[editar | editar código-fonte]

Uma parte considerável do patrimônio arquitetônico de Cotia já foi perdido (especialmente o casario dos séculos XVIII e XIX ao redor da Praça da Matriz e as primeiras capelas) e várias construções antigas seguem ameaçadas pela expansão imobiliária. A antiga Roselândia, criada em 1933 pelos alemães de Erfurt (e irmãos) Kurt e Hans Boettcher (que promoveram a Festa das Rosas desde 1958), está sendo transformada em condomínio horizontal.[16] Em 2018 foi demolida a antiga capela e outras construções históricas do Sítio do Padre Miguel, para a instalação do condomínio horizontal Terra Nobre Granja Viana, no km 37 da Rodovia Raposo Tavares[105] e uma das últimas instalações da antiga Cooperativa Agrícola de Cotia, na altura do km 27 da Rodovia Raposo Tavares (bairro do Moinho Velho), será demolido para a construção de mais um galpão de uma grande empresa.[106] Outras construções históricas rurais e urbanas de Cotia poderão ter o mesmo destino.

Patrimônio ambiental[editar | editar código-fonte]

Pássaro Pœcilotriccus plumbeiceps, na Reserva do Morro Grande.

O município de Cotia possui uma situação contraditória em relação ao patrimônio ambiental, pois ao mesmo tempo que conta com várias áreas de mananciais e de relevado interesse ambiental, como a Reserva Florestal do Morro Grande, o Parque Tizo, o Parque das Nascentes e a área cotiana da A.P.A. de Itupararanga, apresenta níveis intensos de crescimento populacional, exploração imobiliária e ampliação do parque industrial, ao lado de uma cultura predatória e de pequeno desenvolvimento em projetos e em educação ambiental. A devastação de áreas verdes com pequenos níveis de preservação tem sido intensa e constante no município, acarretando uma degradação ambiental que tem se acentuado nas últimas décadas, em função da expansão populacional, imobiliária e industrial do município.[107][108][109][110][111][112][113][114]

Apesar do avanço da legislação ambiental cotiana a partir de 2007 e da instituição do Conselho Municipal Ambiental (COMAM), do Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental e Rural (COMDAR) e do Conselho Municipal do Meio Ambiente, o desmatamento autorizado de baixo nível de preservação tem sido muito frequente, gerando constantes reportagens, protestos e contestações por parte da população.[115][116] Além da falta de uma cultura de preservação ambiental, os fatores acima têm acarretado a transformação de muitas antigas áreas agrícolas em condomínios horizontais com pouco ou sem qualquer espaço para vegetação, além da poluição da maior parte dos rios do município (incluindo a área nobre da Granja Viana) e de um baixo nível de arborização urbana, que extinguiram a pesca na região vêm comprometendo sensivelmente as condições ambientais do município.[114][117][20]

Projetos de Lei, como o de nº 21/2018, de autoria do vereador Paulinho Lenha (PSB), que obriga estabelecimentos comerciais a não mais fornecerem canudos plásticos, aprovado na Câmara de Cotia (a proibição passa a valer a partir de 1º de janeiro de 2019)[118] e o de nº 62/2018, de autoria do vereador Edson Silva (PRB), que proíbe a soltura de fogos de artifícios na cidade (e segue em tramitação no Legislativo de Cotia)[119][120] são avanços importantes do município, mas que dependem do monitoramento e fiscalização, e de inúmeras e contínuas ações práticas para proporcionarem resultado significativo.

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Busto de Manuel Batista Cepelos (Cotia, 1872 — Rio de Janeiro, 1915).
  • André da Silva Gomes (Lisboa, 1752 - São Paulo, 1844). Compositor e mestre de capela da Catedral de São Paulo, autor da "Missa concertada com violinos, quatro vozes e acompanhamento", escrita em 1823 "para cantar-se pela primeira vez na noite de Natal na Igreja da Freguesia da Cotia" (ACMSP).[88]
  • Antonio Vieira Tavares. Primeiro "protetor" da Aldeia de Koty, no século XVII
  • Bartholomeu Teixeira Guimarães (Lugar do Passal, c.1738 - Itu, 1806). Entalhador, provável autor ou supervisor dos altares da Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate em fins do século XVIII.[83]
  • Antonio Paoni. Arquiteto e um dos supervisores da reforma da Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate em 1910-1911.
  • Aurélio Fraissat. Sacerdote, determinou a reforma da Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate em 1910-1911.
  • Diogo Antônio Feijó (São Paulo, 1784-1843). Sacerdote (católico) e estadista.
  • Estevão Lopes de Camargo. Segundo "protetor" do povoado da Cutia, estabelecido em 1713.
  • João Barcellos. Político e historiador, autor dos livros Cotia: da odisseia brasileira de São Paulo nas referencias do povoado carijó (1993) e Feijó & Cepellos: cidadãos brasileiros de Cotia (2008).
  • João Clímaco de Camargo Pires (Várzea Grande, na época distrito de Cotia, 1863Sorocaba, 1947). Político e militar brasileiro.
  • Joaquim Aranha Barreto de Camargo (Cotia, 1769 - Santos, 1844). Tenente-coronel do exército brasileiro.
  • Manuel Batista Cepelos (Cotia, 1872 - Rio de Janeiro, 1915). Poeta, tradutor, romancista, e teatrólogo.
  • Mateus de Lara (ou Laya) Leão. Sacerdote, fundador da nova Capela de Nossa Senhora do Monte Serrate da Cutia, em 1713.
  • Marcolino Pinto de Queiroz. Mestre de música, professor público e um dos supervisores da reforma da Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate em 1910.
  • Ricardo Bezerra de Souza. Político e historiador, autor do livro A história do município de Cotia (s.d.).

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia da cidade é bem variada, tendo como destaque os setores industrial e agrícola.

No setor industrial localizado ao longo da Rodovia Raposo Tavares e seus arredores, os produtos mais importantes são de materiais elétricos, químicos, cerâmicos, brinquedos, têxteis, explosivos, alimentos, vinho, aguardente e máquinas agrícolas.

Na agricultura merecem destaque a batata, tomate, milho, feijão, alho e frutas diversas, sendo a maioria proveniente de Caucaia do Alto. A avicultura também é desenvolvida no município.

Em 2014, o município dispunha de 1.200 empresas licenciadas (micro, pequenas, médias e prestadores de serviços) e, até o 1º trimestre de 2015, tinha 6.186 microempreendedores individuais.[121]

 Parque CEMUCAM (Cotia).
Parque CEMUCAM (Cotia).

Turismo[editar | editar código-fonte]

Casa do Sítio do Mandu (século XVII).
Casa do Sítio do Padre Inácio (século XVII).
Templo Zu Lai (inaugurado em 2003), o maior templo budista da América Latina.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Topografia[editar | editar código-fonte]

O terreno é acidentado e possui predominância de vales e montanhas. A altitude máxima do município é de 1.074 m acima do nível do mar, registrada na Serra de Itatuba.[124]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município, como em toda a Região Metropolitana de São Paulo, é o subtropical. A temperatura média anual é de 17,8 °C (cerca de 1 °C abaixo da temperatura média de São Paulo), sendo julho o mês mais frio (média de 14,3 °C) e menos chuvoso (média de 45 mm), janeiro o mês mais chuvoso (250 mm) e fevereiro o mês mais quente (média de 22,9 °C). O índice pluviométrico anual é de 1.540 mm.

Dados climatológicos para Cotia
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 25,5 25,5 24,8 23,1 21,1 20,2 19,9 20,9 21,9 22,6 23,8 24,6 22,82
Temperatura média (°C) 20,7 20,9 20,1 18,2 16,1 14,9 14,3 15,4 16,6 17,7 19 19,8 17,80
Temperatura mínima média (°C) 16 16,3 15,5 13,4 11,1 9,6 8,8 9,9 11,3 12,8 14,2 15,1 12,83
Precipitação (mm) 250 231 176 84 71 58 45 49 83 141 147 205 1 540
Fonte: Climate-Data.org[125]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Cotia que corta o Município
  • Rio Sorocamirim que divide o Município com Ibiúna
  • Rio das Graças
  • Ribeirão da Ressaca que divide o Município com Itapecerica da Serra.
  • Ribeirão da Vargem Grande, que dá origem à Vargem Grande ("várzea grande") e nome do município de Vargem Grande Paulista
  • Córrego Moinho Velho que nasce no Município de Embu e atravessa o bairro do mesmo nome e deságua no Rio Cotia.
  • Córrego Vermelho
  • Córrego Pununduva
  • Represa Pedro Beicht localizada na Reserva do Morro Grande e é responsável pelo abastecimento de água de Cotia e municípios vizinhos.
  • Represa da Graça localizada na Reserva do Morro Grande e também abastece a região de Cotia.
  • Cachoeira Furquim
  • Cachoeira Rincão
  • Ribeirão das Pedras - Contribuinte do rio Cotia, o ribeirão das Pedras tem origem nas nascentes da Granja Carolina, recebe contribuição de córregos advindos de nascentes do Morro dos Macacos, e corre paralelo à Rodovia Raposo Tavares, entre os quilômetros 29,0 a 31,5 da SP-270, sentido São Paulo-interior. Manancial histórico do município de Cotia, ali foi feita uma das primeiras captações de água do município com bomba movida a vapor, que abastecia um chafariz central.

Distritos e bairros[editar | editar código-fonte]

Distrito-sede[editar | editar código-fonte]

  • Granja Viana
  • Parque Rincão
  • Bairro do Portão
  • Jardim Rio Cotia
  • Jardim Sabiá
  • Centro
  • Atalaia
  • Jardim São Miguel
  • Morro Grande
  • Caputera
  • Parque Miguel Mirizola
  • Jardim Petrópolis
  • Jardim Sandra

Distrito de Caucaia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo 2010[126][127]

População total: 201.150

  • Urbana: 148.987
  • Rural: 50.000
    • Homens: 98.455
    • Mulheres: 102.695

Densidade demográfica (hab./km²): 554,8

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 15,00

Expectativa de vida (anos): 71,69

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,13

Taxa de alfabetização: 86,95%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,826

  • IDH-M Renda: 0,786
  • IDH-M Longevidade: 0,778
  • IDH-M Educação: 0,813

Censos, contagens e estimativas da População[editar | editar código-fonte]

População de Cotia
Ano Categoria Método Total da categoria Posição no Brasil Distrito-sede de Cotia Distrito de Caucaia do Alto Distrito de Itapevi Distrito de Jandira Distrito de Raposo Tavares
1686 Aldeia Contagem 405
1736 Freguesia Contagem 912
1766 Freguesia Contagem 1.735
1786 Freguesia Contagem 1.825
1822 Freguesia Censo[128] 1.101
1827 Freguesia Censo[128] 1.123
1836 Freguesia Contagem 3.770
1856 Vila Contagem 4.125
1872 Vila Censo 5.024 73º
1886 Vila Estimativa 7.517 65º
1890 Vila Censo 6.346 91º
1900 Vila Censo 4.982 142º
1910 Município Estimativa 9.500 121º
1916 Município Estimativa 7.418 159º
1920 Município Censo 9.340 139º
1925 Município Estimativa 10.847 146º
1929 Município Estimativa 13.781 161º
1934 Município Censo Paulista 11.547 161º 350
1937 Município Estimativa 12.345 171º
1940 Município Censo 11.387 188º 2.793
1946 Município Estimativa 14.694 173º 8.793 1.593 4.308
1950 Município Censo 18.487 121º 10.250 1.968 4.794 1.475
1958 Município Estimativa 24.659 88º
1960 Município Censo 17.906 150º 13.125 2.734 2.047
1966 Município Estimativa 17.936 156º
1970 Município Censo 30.924 84º 21.278 4.564 5.082
1978 Município Estimativa 46.029 66º
1980 Município Censo 62.952 55º 47.505 5.670 9.777
1985 Município Estimativa 77.827 52º
1991 Município Censo 107.453 44º 91.018 16.435
1996 Município Contagem 126.956 42º 10.6914 20.042
2000 Município Censo 148.987 42º 121.888 27.099
2007 Município Contagem 172.823 43º
2010 Município Censo 201.150 38º 170.513 30.637
2018 Município Estimativa 244.694 33º

Eleitorado[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Durante o governo imperial, vigorou no Brasil o sistema eleitoral censitário não-secreto (instituído pela Constituição de 1824 e modificado principalmente pelas Instruções de 4 de maio de 1842, pelo Decreto nº 157, de 4 de maio de 1842, pela Lei nº 387, de 19 de agosto de 1846, pelo Decreto nº 842, de 19 de setembro de 1855 e pelo Decreto nº 2.675, de 20 de outubro de 1875, que instituiu o título de eleitor), no qual os eleitores paroquiais deveriam alistar-se, comprovando, entre outros requisitos, bens ou a renda mínima estipulada, para votar nos juízes de paz e vereadores das câmaras municipais e dos deputados das assembleias provinciais e, de forma indireta, na eleição imperial de 1º grau, destinada a escolher os candidatos a eleitores provinciais, os quais deveriam comprovar bens ou a renda mínima ainda maior que a anterior, para votar na eleição de 2º grau, finalmente destinada a escolher os candidatos ao Senado e à Câmara dos Deputados do Império.[129] O Almanaque Paulistano de 1856 (para 1857) indica, para a recém elevada Vila de Nossa Senhora do Monte Serrate da Cutia, a existência de 7 eleitores, dentre os seus 4.125 habitantes (o Almanaque informa apenas a população urbana, de cerca de 2.400 habitantes).[43] Já o Almanaque da Província de São Paulo de 1873 (para 1873) registra, em meio aos 5.024 habitantes da Vila da Cutia, a quantidade de 8 eleitores.[26] Após a reforma eleitoral pelo Decreto nº 3.029, de 9 de janeiro de 1881, que instituiu o voto direto, o Decreto nº 6 do Governo Provisório, de 19 de novembro de 1889, outorgou o direito de voto a “todos os cidadãos brasileiros, no gozo dos seus direitos civis e políticos, que souberem ler e escrever”, regulamentado pelo Decreto nº 511, de 23 de junho de 1890.[129] De acordo com esse novo sistema, Cotia passou a ter em 1890, em meio aos seus 6.346 habitantes, um total de 248 eleitores alistados. Para o sistema eleitoral instituído pela Constituição de 1891 e regulamentado pela Lei n. 35, de 26 de janeiro de 1892, a Vila da Cutia possuía, em 1898, um total de 278 eleitores,[128] para uma população que, em 1900, chegaria a 4.982.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Os dados das eleições de 1945 ao presente estão sendo progressivamente disponibilizados no Repositório de Dados Eleitorais do TSE, segundo o qual, Cotia passou de 120.813 eleitores em 2012, para 149.207 eleitores em 2014, e para 168.031 eleitores em 2018.[130][131][132]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Estradas rurais e vicinais[editar | editar código-fonte]

Transporte Público[editar | editar código-fonte]

Terminal Rodoviário

Empresas responsáveis

  • A Viação Raposo Tavares (Danúbio Azul anteriormente) é oficialmente a empresa operadora do transporte Municipal. A mesma empresa é responsável pela maior quantidade de linhas do transporte intermunicipal da cidade, Juntamente com o consórcio Intervias. Todas as linhas que ligam Cotia a São Paulo são operadas por essa empresa.
  • A Anhanguera Viação Osasco é responsável pelas linhas que vão de Cotia até Osasco, Barueri, Carapicuíba, Jandira e Itapevi.
  • A Benfica BBTT de Barueri opera a linha 468, do Terminal Cotia até o Residencial Burle Marx em Santana de Parnaíba, passando por Itapevi e pelo bairro de Alphaville, em Barueri e a linha 489, que parte de Itapevi para Embu, passando pelo Terminal Cotia.[133]
  • A Anhanguera Empresa de Transportes e Turismo Carapicuíba opera a linha 260 que liga Cotia a partir do km 30 da Rodovia Raposo Tavares até o bairro de Alphaville, em Barueri, passando por Carapicuíba, sendo a principal ligação dos bairros próximos a rodovia (entre os km 19 e 30) até Alphaville e Carapicuíba.
  • A Intervias Miracatiba opera na linha 239 que liga Cotia a Itapecerica da Serra, passando por Embu.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP),[134] que construiu a centrais telefônicas utilizadas até os dias atuais. Em 1998 essa empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica,[135] sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[136] para suas operações de telefonia fixa.

Periódicos e informativos[editar | editar código-fonte]

Cotia publicou periódicos físicos até o início do século XXI, como o jornal nipônico Nippak (desde 1916), a Gazeta de Cotia (desde 1975), o Jornal D'Aqui (desde 1979), o Jornal da Cidade e A Bazuca.[17] Na era digital, a maior parte dos informativos cotianos passou a ser divulgados online, como:

Cidade-irmã[editar | editar código-fonte]

Legislação de Cotia[editar | editar código-fonte]

Mapas históricos e analíticos de Cotia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Imagens do município de Cotia
{{{caption}}}
Centro de Cotia 
{{{caption}}}
Vista geral de Cotia 
{{{caption}}}
Vista geral de Cotia 
{{{caption}}}
Sitio Moinho velho em Cotia 
{{{caption}}}
Galpões da Cooperativa Agrícola de Cotia no bairro do Jaguaré (São Paulo) 
{{{caption}}}
Centro de Formação de Atletas Laudo Natel pertencente ao São Paulo Futebol Clube 
{{{caption}}}
Prefeitura de Cotia 
{{{caption}}}
Câmara Municipal de Cotia 
{{{caption}}}
Vista de Cotia 
{{{caption}}}
Rodovia Raposo Tavares vista da Praça da Matriz 
{{{caption}}}
Fauna de Cotia 
{{{caption}}}
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Monte Serrate de Cotia 

Referências

  1. «IBGE Cidades». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  2. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  3. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  5. «Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 1º de julho de 2017». Estimativa populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2017. Consultado em 31 de dezembro de 2017 
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2016». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 1 de julho de 2018. Consultado em 5 de março de 2019 
  8. «Lei Complementar nº 1.139, de 16 de junho de 2011». Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  9. «Região Metropolitana de São Paulo». Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2017 
  10. INFOCIDADE. População Recenseada - Região Metropolitana de São Paulo e Municípios: 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010.
  11. «Cotia chega a quase 238 mil habitantes, aponta IBGE em nova estimativa – jornalcotiaagora.com.br». www.jornalcotiaagora.com.br. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  12. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  13. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  14. a b IBGE. Cotia - São Paulo - SP: histórico. Biblioteca IBGE.
  15. Dutoit, Yann Picand, Dominique. «Cotia (São Paulo) : definição de Cotia (São Paulo) e sinónimos de Cotia (São Paulo) (português)». dicionario.sensagent.com. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  16. a b «Roselândia em Cotia - SP - Encontra Cotia». www.encontracotia.com.br. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  17. a b c d e f g h i j k l m SOUZA, Ricardo Bezerra de. A história do município de Cotia. Cotia: Ingraco, s.d. 75p.
  18. a b c BARCELLOS, João. Cotia: da odisseia brasileira de São Paulo nas referencias do povoado carijó. Cotia: Cultural, 1993. 61p.
  19. a b c d e BARCELLOS, João. Feijó & Cepellos: cidadãos brasileiros de Cotia; a história de Cotia Contada através de seus mais ilustres cidadãos. São Paulo: EDICON, 2008. 71p.
  20. a b c d e f g «Koty, Acutia, Cutia, Cotia: para além dos bandeirantes» (PDF). www.encontro2018.sp.anpuh.org. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  21. «Casas Bandeiristas». www.casasbandeiristas.com.br. Consultado em 24 de setembro de 2018 
  22. CAMPOS, Eudes. A vila de São Paulo do Campo e seus caminhos. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, n.204, p.11-34, 2006.
  23. «A Planta da cidade de São Paulo de 1897: uma cartografia da cidade existente ou da cidade futura? - PDF». docplayer.com.br. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  24. «Guia de caminhantes». objdigital.bn.br. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  25. Solicitação de verba para conserto da estrada da Capital a Cotia. São Paulo e Cotia, 23 de fevereiro de 1880. Assembleia Legislativa de São Paulo (Documentação / Acervo Histórico / Império).
  26. a b ALMANAK da Provincia de São Paulo para 1873 organisado e publicado por Antonio José Baptista de Luné e Paulo Delfino da Fonseca. São Paulo: Typographia Americana, Ano 1, 1873. p.68-70.
  27. VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil: antes de sua separação e independência de Portugal; revisão e notas J. Capistrano de Abreu, Rodolfo Garcia. 10ª ed. integral, Belo Horizonte, Ed. Itatiaia; São Paulo, EDUSP, 1981. 3 v. (Coleção reconquista do Brasil, nova série, edição especial)
  28. a b «Cotia completa 160 anos. Veja curiosidades de nossa cidade – jornalcotiaagora.com.br». www.jornalcotiaagora.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  29. a b «História de Cotia». www.cotianet.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  30. a b «Cotia cidade de Cotia Informações município Cotia História da cidade Cotia Fotos». www.mfrural.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  31. a b «Cotia (São Paulo-SP): Histórico.» (PDF). IBGE. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  32. a b «Sítio do Padre Inácio: um pedacinho da história em Cotia» 
  33. a b «Cotia - São Paulo - EcoViagem». ecoviagem.uol.com.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  34. a b «A História de Cotia – Prefeitura de Cotia». novo.cotia.sp.gov.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  35. «CotiaNet». www.cotianet.com.br. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  36. a b c «A Festa da Padroeira de Cotia, N.Sra. de Monte Serrate». Portal Viva Cotia 
  37. a b SILVA, Duarte Leopoldo e (Dom). Notas de Historia Ecclesiástica. São Paulo: Empreza Graphica da Revista dos Tribunaes, 1937. p.49-50.
  38. MANZATTI, Marcelo Simon. Samba Paulista, do centro cafeeiro à periferia do centro: estudo sobre o Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista. Dissertação apresentada ao Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Ciências Sociais, sob a orientação da Profa. Dra. Teresinha Bernardo. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica De São Paulo, 2005. p. 84.
  39. «BNDigital». BNDigital. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  40. ALMANAK Histórico-Litterario do Estado de S. Paulo organisado e publicado por Oscar Monteiro para o anno de 1897. São Paulo: Oscar Monteiro, 1897. Ano 2. 364p., 89 XXIVp.
  41. Brasil, TCI, ABBYY. «Lei nº 7, de 02 de abril de 1856». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  42. AO JUIZ DE PAZ em exercício da Va. da Cutia em 3 de janeiro de 1857. Registo Geral da Câmara da Cidade de S. Paulo 1857-1863; publicação da sub-divisão de documentação histórica, São Paulo, v.38, p.5-6, 1946.
  43. a b ALMANAK Administrativo, Mercantil, e Industrial da Provincia de S. Paulo para o anno de 1857. organisado e redigido por Marques e Irmão. São Paulo: Typographia Imparcial de J. R. De Azevedo Marques, 1856. 1º Ano. 208, 24p.
  44. a b ALMANAK da Provincia de São Paulo para 1873 organisado e publicado por Antonio José Baptista de Luné e Paulo Delfino da Fonseca. São Paulo: Typographia Americana, 1873. Ano 1. 566p. – PDF + ANEXOS ao Almanak da Provincia de São Paulo para 1873. 186p. + SUPPLEMENTO ao Almanak da Provincia de São Paulo para 1873. 180p., 18p. inum.
  45. Brasil, TCI, ABBYY. «Resolução nº 57, de 28 de abril de 1874». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  46. a b «Resolução nº 136, de 8 de junho de 1886 (Código de Posturas da Câmara Municipal da Vila da Cutia)». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  47. Brasil, TCI, ABBYY. «Resolução nº 167, de 21 de maio de 1889 ( Código de Posturas da Câmara Municipal da Vila da Cutia)». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  48. «Resolução nº 78, de 28 de agosto de 1890». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  49. a b «Brasil - São Paulo - Cotia: história & fotos.». cidades.ibge.gov.br. IBGE. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  50. a b c d e f g h CARDIM, Fernando Pereira. Cotia. Coleção de Monografias - Stérie B, N.50, da Diretoria de Documentação e Divulgação do CNE. Desenho de Q. Campofiorito.
  51. AO VIGARIO GERAL em 4 de fevereiro de 1856. Registo Geral da Câmara da Cidade de S. Paulo 1854-1855-1856; publicação da sub-divisão de documentação histórica, São Paulo, v.37, p.135, 1946.
  52. «Resolução nº 35, de 13 de abril de 1886». www.al.sp.gov.br. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  53. EXPOSIÇÃO apresentada ao Dr. Jorge Tibiriçá pelo Dr. Prudente J. de Moraes Barros, 1º Governador do Estado de São Paulo ao passar-lhe a administração no dia 16 de outubro de 1890. São Paulo: Typ. Vanorden, 1890. 257p.
  54. «:: Arquivo Público do Estado de São Paulo :: Acervo :: Repositório Digital :: Mapas ::». www.arquivoestado.sp.gov.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  55. Brasil, TCI, ABBYY. «Lei n.º 1.471, de 19/10/1920». www.al.sp.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  56. «Brasil - São Paulo - Cotia: histórico». cidades.ibge.gov.br. IBGE. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  57. a b c d ENCICLOPÉDIA dos Municípios Brasileiros, planejada e orientada por Jurandyr Pires Ferreira; coordenação administrativa de Virgilio Corrêa Filho e Luiz de Abreu Moreira; supervisão geográfica de Speridião Faissol; supervisão dos verbetes de Wlademir Pereira; supervisor da edição Dyrno Pires Ferreira. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Geografia e Conselho Nacional de Estatística, 1957. v.28, p.267-269.
  58. «DOSSIÊ – Sistemas Alto Cotia e Baixo Cotia» (PDF). memoriasabesp.sabesp.com.br. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  59. «Estado de Sao Paulo : Mappa agricola - David Rumsey Historical Map Collection». www.davidrumsey.com. Consultado em 13 de setembro de 2018 
  60. ALMANACH para 1916. São Paulo: O Estado de S. Paulo, ano 42, n.13.525, 4 jan. 1916. 349p., 137p. inum.
  61. MENSAGEM apresentada ao Congresso Legislativo, na 2ª Sessão da 14ª Legislatura, em 14 de julho de 1929, pelo doutor Julio Prestes de Albuquerque, Presidente do Estado de São Paulo. [São Paulo: Assembleia Legislativa, 1929]. 260p.
  62. «Pinheiros, o largo da Batata | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  63. «Antiga Cooperativa Agrícola de Cotia (CAC) - Av. Kenkiti Shimomoto, Jaguaré, São Paulo, SP, Brasil.». br.geoview.info (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2018 
  64. «Quem Somos | Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque – SINDUSVINHO». www.fiesp.com.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  65. a b «Expansão imobiliária constrói periferia desigual, revela pesquisa da FFLCH | USP - Universidade de São Paulo». www5.usp.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  66. «Brasil - São Paulo - Cotia: panorama». cidades.ibge.gov.br. IBGE. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  67. a b Guedes, Manoel Vitor de Oliveira. «Cotia | Por Cidade e Estado | IBGE :: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  68. «Rodovia Raposo Tavares [ SP-270 ] - RRT». www.rodoviaraposotavares.com.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  69. «CCR RodoAnel | Mapa RodoAnel Mário Covas». www.rodoaneloeste.com.br. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  70. Izidoro, Alencar (23 de julho de 2000). «Condomínios invadem área pública em SP». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 16 de agosto de 2015 
  71. Cabrera, Paula (26 de julho de 2015). «Cotia abriga nova geração de condomínios horizontais». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 16 de agosto de 2015 
  72. «.:Noética:.». www.noetica.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  73. a b Nunes, Francisca M.; Nogueira, Emilia Da Costa (22 de novembro de 2017). «Propriedades de japoneses na região de Cotia». Boletim Paulista de Geografia. 0 (9): 38–59. ISSN 2447-0945 
  74. «.:Noética:.». www.noetica.com.br. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  75. «A Propósito Dos 143 Anos». Cotianet. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  76. «CotiaNet». www.cotianet.com.br. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  77. «Cotia (SP) - BrasilChannel.com.br». brasilchannel.com.br. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  78. «Praça Japonesa de Cotia é demolida e obra de marginal iniciada – jornalcotiaagora.com.br». www.jornalcotiaagora.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  79. «Jardim Japonês da USP é reinaugurado». São Paulo Shimbun. 27 de junho de 2018 
  80. Redação. «Jardim Japonês doado à USP será reinaugurado no dia 29». Portal Viva Cotia 
  81. «Descubra Nikkei». www.discovernikkei.org (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2018 
  82. Taniguti, Gustavo Takeshy (18 de março de 2015). «Cotia: imigração, política e cultura». doi:10.11606/T.8.2015.tde-16072015-122819 
  83. a b c ROSADA, Mateus. Igrejas Paulistas da Colônia e do Império: Arquitetura e Ornamentação. Tese (Doutorado) – São Carlos: IAU-USP, 2016. 452p.
  84. «Paroquia de Nossa Senhora do Monte Serrate». Paroquia de Nossa Senhora do Monte Serrate de Cotia. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  85. Redação. «Cotidiano: Dia 8 de setembro é feriado no município de Cotia | Revista Circuito». www.revistacircuito.com. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  86. Rosada, Mateus (25 de fevereiro de 2016). «Igrejas Paulistas da Colônia e do Império: Arquitetura e Ornamentação». doi:10.11606/T.102.2016.tde-30062016-112001 
  87. a b «Cotia Archives - Diocese de Osasco». Diocese de Osasco. Consultado em 15 de outubro de 2018 
  88. a b c GOMES, André da Silva (1752-1844). Missa Concertada para a Noite de Natal (1823).
  89. Redação. «Cotia: Carmelo do Imaculado Coração de Maria e Santa Terezinha do Menino Jesus completa 70 anos». Portal Viva Cotia 
  90. «Carmelo do Imaculado Coração de Maria e Santa Teresinha em Cotia - SP - Encontra Cotia». www.encontracotia.com.br. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  91. «Religiosas Descalças da Ordem da Gloriosíssima Bem Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo». Consultado em 12 de novembro de 2018 
  92. «Paróquia Santo Antônio na Granja - São Paulo». www.encontragranjaviana.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  93. «Paróquia N. Sra Imaculada Conceição - Diocese de Osasco». Diocese de Osasco 
  94. «Festa em homenagem a Padroeira de Cotia anima cidade». jeonline.com.br. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  95. CASTAGNA, Paulo. André da Silva Gomes (1752-1844): memória, esquecimento e restauração. Revista Digital de Música Sacra Brasileira, São Paulo, n.2, p.7-159, fev./abr. 2018. ISSN: 2595-6493.
  96. «Programação de Pentecostes e Festa do Divino começa neste fim de semana em Cotia – jornalcotiaagora.com.br». www.jornalcotiaagora.com.br. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  97. Redação. «Cotia: Tradicional Congada de São Benedito acontece neste final de semana». Portal Viva Cotia 
  98. «Vem aí a 78ª Romaria de Caucaia do Alto até Pirapora do Bom Jesus   – Prefeitura de Cotia». novo.cotia.sp.gov.br. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  99. «História de Caucaia - Corpo Musical». www.cotianet.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  100. «Raízes de Cotia: A Banda Musical Municipal, uma história em Caucaia». Portal Viva Cotia 
  101. «Leis Municipais». leismunicipais.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  102. «Leis Municipais». leismunicipais.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  103. «Leis Municipais». leismunicipais.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  104. «Leis Municipais». leismunicipais.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  105. «Mais uma parte da história de Cotia destruída pela especulação imobiliária - Blog da Sonia Marques». Blog da Sonia Marques. 28 de maio de 2017 
  106. «CAC-Cooperativa Agrícola de Cotia - Nikkeypedia». www.nikkeypedia.org.br. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  107. Redação. «Natureza em extinção em Cotia | Revista Circuito». Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  108. «De olho no meu bairro». Portal Viva Cotia. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  109. «GO VERDE DENUNCIA :DESMATAMENTO ENORME EM COTIA – SP». Defenda Seus Direitos!. 24 de janeiro de 2011. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  110. «Moradores denunciam mais desmatamento em Cotia.». Portal Viva Cotia. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  111. «Desmatamento X Qualidade de Vida – Jornal d'aqui». Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  112. «desmatamento cotia – jornalcotiaagora.com.br». Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  113. admin. «Moradores denunciam possível desmatamento em Cotia». O Fique Por Dentro. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  114. a b «Granjeiros fazem petição contra exploração imobiliária no bairro – jornalcotiaagora.com.br». Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  115. «Desmatamento autorizado continua na Granja Viana. População pergunta: que legislação é esta?». Portal Viva Cotia. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  116. admin. «Mais um desmatamento na Granja Viana e com aval da Prefeitura | SPNOTICIAS». Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  117. «Flagrante no Condomínio Colibri». Portal Viva Cotia. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  118. Sousa, Marcia (13 de dezembro de 2018). «Cotia (SP) proíbe canudinhos plásticos». CicloVivo. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  119. Cabral, Silvio (11 de dezembro de 2018). «Câmara de Cotia apresenta projeto que proíbe fogos de artifício barulhentos». Folha de Cotia. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  120. «Projeto de Lei Nº 62/2018 - Câmara Municipal de Cotia». 2018. Consultado em 25 de março de 2019 
  121. «Da índústria ao comércio». Negócios para Negócios (revista) (60): 13. 2015 
  122. «Casas Bandeiristas». www.casasbandeiristas.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2018 
  123. «Parque Cemucam em Cotia». Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  124. «CityBrazil - Dados Gerais de Cotia - São Paulo - Relevo». www.citybrazil.com.br. Consultado em 29 de outubro de 2015. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  125. «Clima: Cotia». Climate-Data.org. Consultado em 13 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2018 
  126. «Cidades IBGE: Brasil - São Paulo - Cotia». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  127. «População de Cotia - SP | População das Cidades». populacao.net.br. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  128. a b c PIZA, Antonio de Toledo (1900). Relatório do ano de 1898 (PDF). São Paulo: Repartição de Estatística e Archivo do Estado de S. Paulo. pp. 588–601. Consultado em 7 de julho de 2019 
  129. a b FERREIRA, Manoel Rodrigues. A evolução do sistema eleitoral brasileiro. 2. ed., rev. e alt. Brasília: TSE/SDI, 2005. 367p.
  130. Redação. «Eleitorado de Cotia aumentou 12,6% em quatro anos | Revista Circuito». www.revistacircuito.com. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  131. «COTIA SP - Últimas Informações e Estatísticas - Quantos eleitores/habitantes tem COTIA SP atualmente? Eleições & Política – Informações sobre vereadores, prefeitos, deputados, governadores e senadores». www.eleicoesepolitica.net. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  132. «Repositório de dados eleitorais». www.tse.jus.br. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  133. «Itinerários das linhas intermunicipais da Benfica BBTT». www.benficabbtt.com.br. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 19 de agosto de 2010 
  134. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  135. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  136. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  137. «The Twin City». Consultado em 20 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2013  em inglês