Amy Winehouse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amy Winehouse
Amy Winehouse em um festival na Alemanha.
Informação geral
Nome completo Amy Jade Winehouse
Também conhecido(a) como Diva do Soul.[1]
Diva do Jazz - Soul.[2]
Nova Rainha do Soul.[3]
Nascimento 14 de setembro de 1983
Local de nascimento Londres, Inglaterra
 Reino Unido
Data de morte 23 de julho de 2011 (27 anos)
Local de morte Londres, Inglaterra
 Reino Unido
Gênero(s) R&B, jazz, soul, ska e reggae.
Ocupação(ões) Cantora, compositora
Instrumento(s) Vocais, guitarra, violão
Extensão vocal Contralto
Período em atividade 1999 - 2011 (cantora)
1998 - 2011 (compositora)
Gravadora(s) Island, Lioness, Universal
Afiliação(ões) Alex Clare, Bryan Adams, Dionne Bromfield, Josh Bowman, Kelly Osbourne, Mark Ronson, Tyler James e Nas.
Influência(s) Billie Holiday, Dinah Washington, Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Ray Charles, Rosemary Clooney, Salt-n-Pepa, Sarah Vaughan, The Ronettes, The Shangri-Las, The Specials e TLC.
Influenciado(s) Adele, Ariana Grande, Bruno Mars, Caro Emerald, Corinne Bailey, Dionne Bromfield, Duffy, Eliza Doolittle, Florence Welch, Gabriella Cilmi, Jessie J, Jesuton, Karise Eden, Lady Gaga, Lily Allen, Matt Cardle, Nina Zilli, Paloma Faith, Rebecca Ferguson e Rumer.
Página oficial AmyWinehouse.co.uk

Amy Jade Winehouse (Londres, 14 de setembro de 1983 — Londres, 23 de julho de 2011) foi uma cantora e compositora britânica conhecida por seu poderoso e profundo contralto vocal e sua mistura eclética de gêneros musicais, incluindo soul, jazz e R&B.[4] [5] Ingressou na carreira musical ainda na adolescência, apresentando-se em pequenos clubes de jazz em Londres.[6] No fim de 1999, assinou o seu primeiro contrato com uma editora discográfica, a EMI Music, mas, após ter sido descoberta por Darcus Breeze, em 2001, assinou contrato com a Island Records.[7]

A sua primeira aparição no cenário musical britânico foi em 2003, com o seu álbum de estreia, Frank.[8] O disco foi bem recebido pela crítica especialista, mas, inicialmente, não obteve sucesso comercial apesar de ter produzido quatro singles, todos sem êxito.[9] Foi em 2006, com o lançamento do seu segundo álbum de estúdio, Back to Black, que Amy Winehouse ganhou proeminência como uma artista. Esse obteve sucesso crítico e comercial e alcançou as posições mais elevadas no ranking internacional, tendo atingido o número um em 23 países, incluindo Reino Unido, Áustria, Alemanha, Dinamarca e Irlanda, enquanto nos Estados Unidos chegou à sua posição máxima como número dois.[10]

Desse trabalho, foram retirados seis singles, sendo "Rehab" o mais bem-sucedido.[11] Back to Black vendeu seis milhões de cópias e foi o disco mais vendido de 2007.[12] No ano seguinte, o álbum foi indicado em seis categorias à 50.ª edição dos Grammy Awards, das quais venceu cinco, o que fez de Winehouse a artista feminina britânica que mais foi premiada em apenas uma edição.[13]

Considerada a desencadeadora da nova Invasão Britânica, Amy Winehouse é referida como a revolucionária da música soul pela crítica especialista.[14] [15] Ela é citada como influência musical por vários cantores, incluindo Adele, Duffy, Bruno Mars e Lady Gaga,[16] e foi a intérprete que mais vendeu em nível digital no Reino Unido, em 2007,[17] sendo posicionada no número dez na Lista dos Ricos do jornal inglês Sunday Times, com uma renda total de dez milhões de libras.[18] Foi, ainda, eleita a "heroína suprema" dos britânicos pelo canal de televisão Sky News, com base em uma pesquisa realizada entre pessoas com menos de 25 anos de idade, em 2008,[19] e na lista elaborada pela revista Veja, em 2009, das cantoras internacionais que mais venderam em solo brasileiro no ano anterior, ficou na primeira posição com mais de 500 mil álbuns vendidos, o que fez dela uma das recordistas de vendas no país.[20] [21] Ao longo de sua carreira, Winehouse vendeu um número estimado de trinta milhões de CDs e DVDs em todo o mundo, tornando-se uma das artistas que mais venderam em nível global.[22] As suas conquistas incluem três prêmios Ivor Novello Awards e um total de seis Grammy Awards.

No entanto, apesar de bem-sucedida, a sua carreira foi muitas vezes ofuscada por seus problemas pessoais, principalmente pelo seu casamento conturbado com o ex-assistente de vídeo Blake Fielder-Civil, uma vez que as brigas do casal foram diariamente comentadas pela imprensa.[23] Além disso, o seu envolvimento com álcool e drogas e a sua luta para superá-lo também prejudicou a sua imagem pública.[24]

Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa em Londres, em 23 de julho de 2011. A causa da morte foi intoxicação por álcool.[25] Após o falecimento da cantora, Back to Black tornou-se o disco mais vendido do século XXI no Reino Unido.[26] Posteriormente, foi lançada a compilação póstuma Lioness: Hidden Treasures, que recebeu análises positivas da mídia especializada e teve um desempenho comercial favorável.[27] Nesse mesmo ano, o periódico sueco Metro International concedeu à cantora o título de Celebridade do Ano,[28] enquanto o canal VH1 colocou-a na 26.ª posição em sua lista das 100 Grandes Mulheres na Música, em 2012.[29]

Biografia[editar | editar código-fonte]

1983 — 2001: Infância e adolescência[editar | editar código-fonte]

Visão panorâmica de Londres, cidade onde Amy Winehouse nasceu e foi criada.

Amy Winehouse nasceu em Southgate, ao norte de Londres, em 14 de setembro de 1983.[30] O seu pai, Mitchell Winehouse, era motorista de táxi e cantor amador e a sua mãe, Janis, farmacêutica.[31] Descendente de judeus, ela tinha um irmão mais velho, Alex Winehouse, nascido em 1979.[32] [33] Educou-se na escola Osidge Primary School, onde se matriculou em aulas de balé.[34] Quando criança, costumava ouvir músicos de jazz, como Frank Sinatra, Dinah Washington e Ella Fitzgerald, que exerceram fortes influências em suas primeiras composições.[6]

Winehouse passou boa parte de sua infância e adolescência presenciando a infidelidade conjugal do seu pai.[35] Em entrevista a uma rede de televisão inglesa, o pai da cantora revelou que, em 1983, iniciou um caso amoroso com uma colega de trabalho, que se tornou sua esposa em 1996. Ele disse: "Amy e o seu irmão sabiam disso e presenciavam o sofrimento da mãe. Eles chamavam-na de a mulher do papai no trabalho".[35] Os seus pais se divorciaram em 1992, depois disso Winehouse e o seu irmão ficaram sob a custódia da mãe e cresceram em Southgate.[36]

Aos nove anos de idade, ela foi incentivada pela sua avó Cynthia a se matricular em uma escola de artes particular para promover a sua educação vocal.[37] Ela foi então matriculada na escola Susi Earnshaw Theatre School.[38] Aos dez anos de idade, fundou uma banda de rap amadora chamada Sweet 'n' Sour.[39] Em 1996, conseguiu uma bolsa de estudos e começou a frequentar o colégio Sylvia Young Theatre School, mas foi expulsa após um ano por indisciplina.[40] Aos catorze anos, ela foi matriculada na escola Brit Performing Arts and Technology School.[32] Na mesma idade, começou a usar drogas.[41] Aos quinze anos de idade, compôs as suas primeiras canções e começou a se apresentar em pequenos clubes de jazz em Londres.[42]

Em 1999, ela ingressou como vocalista de uma pequena banda local, chamada National Youth Jazz Orchestra,[43] e gravou uma fita demo com o cantor Tyler James, que a enviou aos gerentes da agência A&R.[44] Em seguida, a cantora assinou um contrato com a editora discográfica EMI Music, mas foi mantida em segredo da indústria fonográfica.[45] Darcus Breeze ouviu um dos demos da cantora quando um dos seus gerentes foi lhe mostrar algumas das canções em que estava trabalhando e, acidentalmente, tocou uma das canções de Winehouse.[46] Quando Breeze perguntou quem estava cantando, o gerente disse que não estava autorizado a responder. Após ter decidido que queria contratá-la, Breeze levou cerca de seis meses para conseguir encontrar a cantora.[46] Apenas em 2001 ela foi convidada a fazer um teste vocacional para a Island Records e, posteriormente, assinou contrato com a gravadora, passando a produzir o seu álbum de estreia.[34]

2003 — 2005: Frank[editar | editar código-fonte]

Amy Winehouse em 2004.

Em 2002, Amy Winehouse mudou-se para Camden Town, para finalizar o seu trabalho de estreia.[43] Salaam Remi, Gordon Williams, Jimmy Hogarth e Matt Rowe participaram da elaboração do material como produtores e todas as composições foram creditadas à cantora.[47] A sua primeira canção lançada como single, "Stronger Than Me", saiu em 6 de outubro de 2003 e debutou na 71.ª posição da tabela musical UK Singles Chart.[48] Pouco tempo depois, em 20 de outubro, o seu álbum de estreia, intitulado Frank, foi lançado, sendo distribuído pela Island Records.[49]

Frank debutou na 60.ª posição da parada musical UK Albums Chart.[50] Em seguida, subiu para a 47.ª e mais tarde chegou à sua posição mais elevada, o número treze.[51] [52] Três meses depois, Winehouse liberou o seu segundo single, "Take the Box", que obteve a 57.ª posição da parada nacional.[53] Mais tarde, o álbum acabou por ser certificado com disco de ouro pela Indústria Fonográfica Britânica, por ter vendido cem mil cópias no Reino Unido.[54] O seu terceiro single, o duplo "In My Bed"/"You Sent Me Flying", foi lançado em abril de 2004 e alcançou o número 60 na tabela musical,[55] enquanto a sua última música lançada como single, "Pumps"/"Help Yourself", debutou na 65.ª posição.[56] Nos Estados Unidos, o álbum foi lançado apenas em 20 de novembro de 2007 através da editora discográfica Universal Music Group.[57] A obra vendeu 307 mil cópias e alcançou a 61.ª posição da parada de álbuns do país, a Billboard 200.[58]

O disco recebeu comentários favoráveis da crítica contemporânea, conseguindo 78 pontos numa escala de 100 com a agregação de críticos do portal Metacritic,[9] mas não obteve destaque comercial e vendeu apenas trezentas mil cópias no Reino Unido em 2004.[3] Porém, foi certificado com dois discos de platina em 2007, por vendas superiores a seiscentas mil cópias, e com mais três em dezembro do ano seguinte, totalizando novecentas mil cópias distribuídas em solo britânico.[54] Vendeu ainda dois milhões de unidades na Europa, ganhando duas certificações de platina da Federação Internacional da Indústria Fonográfica,[59] e mais de três milhões em todo o mundo.[60]

No ano de 2004, a cantora recebeu duas indicações ao prêmio BRIT Awards nas categorias Artista Solo Feminina Britânica e Ato Urbano.[61] Além disso, venceu um prêmio Ivor Novello Awards com a canção "Stronger Than Me", enquanto Frank foi incluído no livro de referência musical 1001 Albums You Must Hear Before You Die (2005) e recebeu uma indicação ao Mercury Prize Awards de Álbum do Ano.[62] [63] Após finalizar os seus projetos com o álbum, ela desapareceu da atenção da imprensa e ficou cerca de dezoito meses sem realizar nenhum empreendimento musical.[64]

2006 — 2008: Back to Black[editar | editar código-fonte]

A artista em um festival na França.

Amy Winehouse voltou à atenção da imprensa britânica em 2006, devido à sua drástica perda de peso e ao seu consumo excessivo de álcool e drogas.[65] [24] Nesse período, ela também chamou atenção para a sua imagem, que ficou caracterizada pela sua maquiagem e por um penteado inspirado pela moda das décadas de 1950 e 1960.[66] Além disso, o seu relacionamento conturbado com o então assistente de vídeo Blake Fielder-Civil foi muitas vezes comentado nos tabloides.[23] Resultante dessa relação, Back to Black foi lançado como o segundo álbum de estúdio da cantora.[67] As canções incluídas nesse trabalho foram fortemente influenciadas pela música soul da década de 1960, pelo R&B contemporâneo e o ska.[68] Ademais, descreviam a sua vida pessoal.[69] Mark Ronson e Salaam Remi são citados nas notas da obra como produtores, enquanto as composições ficaram a cargo de Amy Winehouse, Paul O'Duffy, Richard e Robert Poindexter, Nick Ashford e Valerie Simpson.[70]

A divulgação da obra começou no site oficial da cantora em setembro de 2006, com o anúncio do lançamento de seu novo álbum e do single de avanço "Rehab".[71] Liberada em 23 de outubro, a canção foi bem elogiada pelos críticos de música contemporânea, que deram ênfase ao seu etilo Motown e à sua letra autobiográfica.[72] O single fez a sua estreia na 19.ª colocação da UK Singles Chart, chegando à sua posição mais elevada como número sete, atingindo o primeiro lugar na Hungria e Noruega.[11] Passada uma semana, Back to Black também foi liberado, recebendo análises positivas dos críticos musicais. Comercialmente, o disco também foi bem recebido, tendo vendido 43 mil cópias na sua primeira semana de distribuição, o que resultou na sua entrada na terceira posição da parada de álbuns do Reino Unido, a UK Albums Chart, na edição de 5 de novembro,[73] alcançando a primeira posição após onze semanas na tabela.[10] Dando continuidade à divulgação do disco, a cantora lançou o seu segundo single, "You Know I'm No Good", que obteve a 18.ª posição da tabela nacional e a primeira nas rádios da Polônia.[74]

Em 13 de março de 2007, Back to Black foi lançado nos Estados Unidos através da editora discográfica Universal Music Group. Estreou na sétima posição da parada oficial do país, a Billboard 200, com mais de 51 mil cópias vendidas na sua primeira semana,[75] estabelecendo o recorde de maior estreia alcançada por uma artista feminina britânica na época,[76] e chegou à sua posição máxima como número dois,[77] recebendo, dois meses depois, o certificado de ouro da Associação da Indústria de Gravação da América, que lhe atribuiu mais tarde dois discos de platina.[78]

Winehouse no festival Eurockéennes.

Após a sua chegada no Estados Unidos, Winehouse deu início à divulgação dos seus singles nas rádios norte-americanas e, ainda em março, fez a sua primeira aparição em uma rede de televisão estadunidense no programa Late Show, da CBS,[79] fazendo a sua estreia nos palcos no festival Joe's Pub, em Nova York.[80] Além disso, foi convidada musical na cerimônia MTV Movie Awards de 2007, na Califórnia, cuja performance obteve críticas positivas por parte dos analistas e do público.[81]

Aproximadamente um mês depois, ela liberou como terceiro single a faixa homônima, que teve como melhor posição o número 25 na tabela britânica, ficando no pódio das paradas da Grécia e Polônia.[82] Nas paradas dos Estados Unidos, "Rehab" chegou à 9.ª posição na Billboard Hot 100, à 13.ª na Pop Songs, à 14.ª na Adult Pop Songs e à 7.ª posição na Radio Songs, sendo certificada com platina por ter vendido mais de 1.700 milhões de downloads.[83] Além de "Rehab", a sua única canção que conseguiu entrar na tabela musical do país foi "You Know I'm No Good", posicionada no número 77 no Hot 100 da Billboard.[58] Como quarta faixa do álbum, a intérprete lançou a canção "Tears Dry on Their Own", atingindo o número dezesseis no Reino Unido.[84]

Back to Black chegou à liderança nos mercados musicais de 23 países, incluindo Áustria, Espanha, Portugal e França.[85] Alcançou ainda os dez primeiros lugares das paradas musicais de outros doze países.[10] No Brasil, o disco chegou à segunda colocação e recebeu o certificado de diamante da Associação Brasileira dos Produtores de Discos por mais de 250 mil unidades vendidas.[86]

A cantora nos Estados Unidos.

Em função de promover o disco, a cantora embarcou em sua primeira digressão musical pela Europa e América, com a banda The Dap-Kings, apresentando-se em festivais como Eurockéennes, Glastonbury, V Festival, Lollapalooza e Coachella, mas muitos dos seus concertos foram prejudicados pelo seu envolvimento com álcool e drogas, sendo parte da turnê pela América do Norte cancelada devido aos seus problemas de saúde.[87]

Em 5 de novembro de 2007, ela lançou Back to Black: Deluxe Edition, reedição que apresenta o disco de estúdio original, oito faixas novas e gravações demos. Simultaneamente com a versão deluxe, a artista lançou o seu primeiro DVD, I Told You I Was Trouble: Live in London, que atingiu a primeira posição nos Países Baixos.[88] A sua primeira canção lançada como single da versão especial foi "Valerie", que conseguiu alcançar a segunda posição da UK Singles Chart,[89] recebendo mais tarde uma indicação ao BRIT Awards na categoria Melhor single Britânico.[90] A segunda, "Cupid", chegou à 49.ª posição na Suíça.[91] Como o seu último lançamento do ano da versão-padrão, Amy Winehouse liberou "Love is a Losing Game", que chegou à 46.ª posição na tabela musical.[92]

No final de 2007, Back to Black foi condecorado com seis discos de platina no Reino Unido por um total de dois milhões de cópias distribuídas em território britânico, tornando-se o disco mais vendido do ano.[6] [93] Também ficou entre os dez discos mais comercializados do ano na Finlândia, Bélgica, Irlanda, Dinamarca e França.[94] Nos Estados Unidos, foi o 24.º álbum mais vendido do país com mais de 1.500 milhões de unidades vendidas.[95] [96]

No ano de 2008, Amy Winehouse participou da 50.ª edição dos Grammy Awards, onde venceu cinco das seis categorias em que estava concorrendo: Canção do Ano, Gravação do Ano, Melhor Performance Vocal Pop Feminina, Artista Revelação e Melhor Álbum Vocal Pop.[97] Por esse feito, a cantora entrou para o livro The Guinness Book of World Records como a artista feminina britânica que mais foi premiada em apenas uma edição dos Grammy Awards.[98]

Back to Black obteve um bom desempenho comercial. Foi o álbum mais vendido do mundo em 2007, com um total de seis milhões de cópias comercializadas, e o segundo mais vendido de 2008, com outras 5.100 milhões.[99] No Reino Unido, foi o disco mais vendido de 2007, o terceiro mais vendido da década de 2000 e atualmente encontra-se na 11.ª posição na lista dos álbuns mais vendidos da história do país.[100] Em agosto de 2011, Back to Black tornou-se o disco mais vendido do século XXI, com mais de mais de 3.300 milhões de cópias distribuídas, passando a ocupar em dezembro o segundo lugar, atrás apenas de 21 da inglesa Adele.[101] Na Europa, as suas vendas ultrapassam a marca de oito milhões de unidades,[59] enquanto nos Estados Unidos chegam a mais de 2.700 milhões, segundo o sistema de informação Nielsen SoundScan.[66] Mundialmente, a obra havia vendido mais de vinte milhões de cópias até 2012, o que o fez entrar para a lista dos álbuns mais vendidos do mundo.[102]

2008 — 2011: Últimas atividades musicais[editar | editar código-fonte]

Em 2008, Amy Winehouse continuou a divulgar Back to Black com o lançamento do single "Just Friends".[103] No mesmo ano, a cantora continuou a promover o disco realizando vários concertos em festivais de música, mas as suas apresentações foram prejudicadas pelo seu consumo excessivo de álcool.[8] [104] Nessa mesma época, ela começou a trabalhar no seu terceiro álbum de estúdio, mas as gravações não foram concluídas e a produção foi abandonada.[105]

Amy Winehouse e a sua banda em 2009.

No final do ano, ela cancelou a sua digressão musical e viajou a Santa Lúcia para dar continuidade à gravação de um novo material,[105] porém o lançamento do seu terceiro álbum foi adiado várias vezes.[106] Retornou a Londres apenas em julho de 2009,[107] quando lançou a sua própria gravadora, chamada Lioness Records, sendo a primeira artista a receber um contrato de gestão Dionne Bromfield, sobrinha da cantora.[108]

Após um longo período sem realizar nenhum empreendimento musical, Winehouse retornou aos palcos, mas as suas aparições nesse período foram esporádicas. Em agosto de 2009, apresentou-se no festival de música anual V Festival com a banda The Specials.[109] Em julho de 2010, interpretou com Mark Ronson o single "Valerie" na estreia de Psychosis, um filme de terror britânico.[110] Além disso, juntou-se a Ronson para regravar a canção "It's My Party", uma colaboração para o álbum Q: Soul Bossa Nostra, do produtor musical Quincy Jones.[111] No final do ano, ela foi convidada para se apresentar numa festa de um magnata russo em Moscou, num recital de quarenta minutos remunerado com um milhão de libras esterlinas.[112]

No começo de 2011, a intérprete deu início a uma digressão com cinco shows no Brasil, apresentando-se em Recife, São Paulo, Florianópolis e Rio de Janeiro, onde as suas apresentações foram bem-sucedidas.[113] No entanto, em um concerto realizado em Dubai, a imprensa publicou a ocorrência de que Winehouse havia subido ao palco embriagada, não concluindo, portanto, a apresentação.[114] No dia 23 de março, ela regravou a canção "Body & Soul" com o cantor de jazz Tony Bennett, para o seu álbum Duets II.[115] No segundo trimestre do ano, ela iniciou uma digressão europeia com o primeiro concerto realizado em Belgrado, onde a mídia da Sérvia classificou-a no mesmo estado da apresentação nos Emirados Árabes.[116] Aqueles que foram ao concerto afirmaram que a cantora estava embriagada e demonstrava dificuldades em interpretar as canções.[117] Após ser vaiada, ela tentou deixar o local, mas os seus guarda-costas não a permitiram.[118] Em seguida, Winehouse cancelou duas apresentações que faria em Istambul e Atenas e, pouco depois, cancelou toda a turnê afirmando que voltaria ao tratamento.[119]

A sua última aparição pública foi em 20 de julho de 2011, quando ela subiu ao palco para apoiar a sua sobrinha, Dionne Bromfield, que realizava um show em Camden Town, com o grupo The Wanted.[120] Três dias depois, Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa por causas até então desconhecidas.[121]

Morte[editar | editar código-fonte]

Amy Winehouse Home 23-July-2011.jpg
Homenagens fora da casa de Amy Winehouse em Camden, Londres, em 23 de julho de 2011.
Amy-Winehouse-Tribute-Concert-Bucharest.jpg
Concerto em memória de Amy Winehouse realizado em Bucareste, Romênia, realizado por Eminem, Nico, Rona Hartner e Maria Radu.

Por volta das 15h54min de 23 de julho de 2011 (horário de verão britânico, UTC+1), duas ambulâncias foram chamadas para a casa de Winehouse em Camden, Londres, devido a um telefonema à polícia britânica para atender uma mulher desfalecida.[122]

Pouco tempo depois, as autoridades metropolitanas haviam confirmado a morte da cantora.[123] Posteriormente, foi aberta uma investigação a fim de determinar a causa da morte de Amy Winehouse, porém os primeiros resultados não foram conclusivos[124] e uma análise toxicológica foi necessária.[125] Apenas em 26 de outubro do mesmo ano, os relatórios finais puderam indicar que a causa da morte decorreu de um consumo abusivo de álcool após um período de abstinência, que mantivera até o dia 22 do mesmo mês.[126] Suzanne Greenaway, médica legista, disse que a quantidade de álcool encontrado no sangue da artista era de 4,16 g/L, cinco vezes maior que o suportável.[127]

No dia da morte, a editora discográfica Universal Music Group emitiu um comunicado expressando seu pesar pela morte inesperada da cantora.[128] Além disso, artistas como U2, Lady Gaga, Nicki Minaj, Bruno Mars, Rihanna, George Michael, Adele, Kelly Clarkson e Courtney Love fizeram tributos a Amy Winehouse.[129] [130] Diversos fãs também prestaram homenagens a ela, deixando garrafas de bebidas alcoólicas, taças, cigarros e diversas fotos da cantora em frente à sua casa em Camden Town.[131] A sua morte também trouxe de volta os seus materiais discográficos aos rankings ao redor do mundo.[132]

A cerimônia fúnebre ocorreu no dia 26 de julho de 2011, terça-feira, no cemitério Edgwarebury, em Londres.[133] A família e os amigos mais íntimos de Winehouse, além de algumas celebridades, como Mark Ronson, Kelly Osbourne e Bryan Adams, participaram da cerimônia, que seguiu os preceitos da religião judaica.[134] O corpo da artista foi cremado e suas cinzas foram misturadas com as de sua avó, Cynthia.[135] Com a conclusão do funeral, os seus pais declararam sua intenção de criar uma fundação para ajudar jovens viciados em drogas.[136]

Em 17 de dezembro de 2012, as autoridades britânicas decidiram reabrir o inquérito para confirmar a causa da morte de Amy Winehouse e, apenas em 8 de janeiro de 2013, os relatórios confirmaram que a cantora morreu devido a uma intoxicação alcoólica.[137]

Características musicais[editar | editar código-fonte]

Influências[editar | editar código-fonte]

Ella Fitzgerald foi uma das artistas que influenciaram Winehouse.

As principais influências musicais de Amy Winehouse eram cantores de soul e jazz das décadas de 1940 e 1960, como Ella Fitzgerald e Sarah Vaughan.[138] Porém, alguns artistas de música gospel, como Mahalia Jackson e Aretha Franklin, também exerceram certa influência na artista.[139] Durante a sua infância, a inglesa costumava ouvir músicos como Dinah Washington, Billie Holiday e Frank Sinatra,[140] que exerceram fortes influências nas composições e estilo musical do seu álbum de estreia, Frank, incorporando em suas canções elementos de jazz e R&B.[141]

No entanto, durante o desenvolvimento do seu segundo álbum de estúdio, Back to Black, Winehouse citou como principais influências os grupos femininos dos anos 1950 e 1960, comentando: "Andara escutando um monte de grupos femininos dos anos 1950 e 1960. Gostava da simplicidade deles. Vão direto ao assunto. Então comecei a pensar em escrever canções daquela maneira". A principal dessas bandas foi The Shangri-Las, a qual ela citou como sua inspiração.[34] Numa entrevista dada pela cantora à emissora de televisão BBC Music, gravada no festival Other Voices, na Irlanda, ela revelou que a sua canção preferida das garotas era "I Can Never Go Home Anymore". "Quando eu e o meu namorado terminamos, eu passei a ouvir aquela canção repetidamente enquanto estava sentada no chão da minha cozinha com uma garrafa de Jack Daniels", disse ela.[142] Outro grupo que exerceu influência notável na artista foi The Ronettes, já que o penteado usado por ela nesse período, chamado beehive, foi inspirado no mesmo que as garotas usavam na época.[66]

Além desses artistas, ela também teve como influência os seguintes cantores e bandas: Marvin Gaye, The Specials, Ray Charles, Donny Hathaway, The Shirelles, The Zutons, Salt-n-Pepa, TLC e Sam Cooke.[139] [143] [144] [145]

Ao longo da sua carreira, Amy Winehouse também influenciou alguns artistas. A cantora galesa Duffy citou-a como uma de suas influências musicais[146] e foi comparada a ela devido à semelhança do estilo musical das duas cantoras.[147] O mesmo ocorreu com a britânica Adele que, além de ser denominada pela imprensa como A Nova Amy Winehouse, revelou que Winehouse é a sua inspiração.[148] [149] A também britânica Paloma Faith e a australiana Gabriella Cilmi também são comparadas à cantora por terem voz, visual e estilo musical influenciados por ela, porém esta última revelou não gostar dessas comparações devido à diferença das duas intérpretes.[150] [151] Ela também influenciou a cantora norte-americana Lady Gaga, que comentou: "Amy mudou a música pop para sempre. Terei para sempre um amor muito profundo por ela".[152]

Outros artistas influenciados pela cantora são: Lily Allen, Florence Welch, Dionne Bromfield, Caro Emerald, Jesuton, Nina Zilli e Rebecca Ferguson.[146] [153] [154] [155] [156] [157]

Em 2010, o rapper Jay-Z disse em entrevista à rádio BBC que Amy Winehouse revigorou o cenário musical britânico, afirmando: "Há uma forte pressão vinda de Londres neste momento, o que é ótimo. Ela existe desde a época da Amy Winehouse, acho. Quer dizer, desde sempre mas eu acho que este novo ímpeto teria sido provocado por ela".[158] Charles Aaron, editor da revista norte-americana Spin, comentando a influência exercida pela cantora sobre Adele, Corinne Bailey Rae, Eliza Doolittle, dentre outras artistas femininas britânicas, escreveu: "Amy Winehouse foi o momento Nirvana para toda estas mulheres. Todas fazem referência a ela [a Amy Winehouse] em termos de atitude, estilo musical ou moda".[159] Jim Faber, numa matéria publicada pelo jornal americano New York Daily News, disse que Winehouse foi a desencadeadora da nova invasão britânica.[159] Em 2011, Adrian Thrills, do jornal britânico Daily Mail, disse: "Sem a Amy não haveria Adele, Duffy e nem Lady Gaga", completando: "Mesmo agora, numa época em que o pop feminino domina as tabelas musicais, como Adele, Beyoncé, Katy Perry e Gaga, nada se aproxima da força emocional de Back to Black".[160]

Voz e estilo musical[editar | editar código-fonte]

A cantora em um show na Alemanha.

A extensão vocal de Amy Winehouse era considerada contralto, com um registro de três oitavas (D3-E♭6).[161] Desde a sua estreia com o álbum Frank, a sua voz recebeu comparação frequente às de Sarah Vaughan, Dinah Washington, Norah Jones, dentre outras.[162] [163] John Bush, editor da base de dados Allmusic, comparou a sua voz com a de Macy Gray, referindo-se a ela como um híbrido de Billie Holiday e Lauryn Hill.[141] Alexander Billet, crítico do website Dissident Voice, disse que a voz da cantora tinha um poder incomum e uma força inegável.[164]

Outros críticos elogiaram a sua voz após o lançamento do seu segundo álbum de estúdio Back to Black.[165] Numa revisão publicada pelo jornal britânico The Daily Telegraph, Helen Brown escreveu: "A voz dela desliza do som melífluo-sinuoso de uma mulher que consegue dois amantes em torno de seu dedinho ao arranhado gutural apaixonado de alguém que foi abandonado e chora no chão da cozinha. Passando com convicção inexperiente pela experiência emocional de cada canção de Back to Black, Amy Winehouse mostra ser uma verdadeira diva urbana".[34] Teresa Wiltz, do jornal norte-americano The Washington Post, fez a seguinte afirmação: "A sua voz é um misto de arrependimento e de dor pulsante".[166] Joshua Klein, numa matéria feita para a publicação estadunidense Pitchfork Media, escreveu: "Winehouse foi abençoada com uma voz metálica que pode transformar qualquer sentimento mundano em declarações poderosas".[167] O cantor Tony Bennett disse em entrevista ao periódico The Guardian: "De todos os artistas contemporâneos que eu conheço, ela tem a voz de jazz mais natural".[45]

O estilo musical interpretado por Amy Winehouse combinava uma ampla gama de elementos de vários gêneros, como soul, jazz, rhythm and blues (R&B), neo soul, blues, ska e reggae, embora este último não tenha sido muito abordado.[168] [144] Desde a sua estreia com o álbum Frank, Winehouse foi avaliada em função da sinceridade, originalidade e sarcasmo de suas letras,[49] e os seus textos foram reconhecidos como autobiográficos.[169] Numa crítica feita para o seu trabalho de estreia, Beccy Lindon, do jornal britânico The Guardian, escreveu: "Situado algures entre Nina Simone e Erykah Badu, o som de Winehouse é, simultaneamente, inocente e delicado".[170] Chris Willman, crítico da revista norte-americana Entertainment Weekly, disse que o estilo da cantora estava parecido com o da banda britânica Sade.[171] Greg Boraman, escritor da emissora de rádio e televisão BBC Music, disse: "As influências [musicais] de Amy (Vaughan e Dinah Washington) são óbvias mas menos marcantes, contudo, Winehouse tem a atitude, talento e ousadias suficientes para fazer com que qualquer comparação seja fugaz e sem sentido".[172]

Com o lançamento de seu segundo álbum de estúdio, Back to Black, John Bush editor da Allmusic, comentou: "Apesar de Back to Black mostrar ela desertando o jazz e totalmente abraçando o R&B contemporâneo, todas as melhores partes de seu caráter musical saíram intactos".[168] Editores da revista Mojo disseram: "Winehouse continua sendo uma das vozes mais originais da música moderna e agora está a emergir indiscutivelmente como a melhor cantora de soul de sua geração".[173] Jake Henneman, da revista Crawdaddy!, elogiou as músicas do disco descrevendo-as como: "Um sensual neo soul e R&B".[174] Jude Rogers, da publicação britânica New Statesman, chamou-o de: "Um impressionante álbum de soul, absorvendo os sons de Motown e dos grupos femininos da década de 1960 e cuspindo-os de volta com brio, glamour e um toque contemporâneo".[175]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

O envolvimento de Amy Winehouse com álcool e drogas e a sua luta para superá-lo foi objeto de atenção da mídia.[176] Devido ao assédio dos paparazzi, ela obteve uma ordem jurídica que os impedia de segui-la, fotografá-la em sua casa, na casa de parentes ou amigos e aproximar-se mais de cem metros da sua residência.[177] Em diversas entrevistas, ela admitiu ter problemas com automutilação, transtorno bipolar, distúrbios alimentares e anorexia.[178] [179] Além disso, ela foi diagnosticada com enfisema pulmonar em 2008 e foi presa por posse de drogas na Noruega.[180] [181]

Em 2005, Amy Winehouse iniciou um relacionamento com o então assistente de vídeo Blake Fielder-Civil, após conhecê-lo em um bar em Londres, mas o relacionamento chegou ao fim pouco tempo depois.[182] Após o rompimento, ela passou por um período de abuso de bebida alcoólica, uso de drogas pesadas, depressão e, consequentemente, perda de peso.[183] Iniciou então um romance com o cantor Alex Clare, porém reatou com Blake em abril de 2007.[184] [185] Winehouse e Fielder-Civil casaram-se em 18 de maio de 2007, numa cerimônia privada em Miami, na Flórida, ela aos 23 anos e ele aos 25 anos de idade.[186] No entanto, esse foi um casamento conturbado e negativamente comentado pela imprensa, o que muitas vezes prejudicou a carreira da cantora.[187] [188] Além disso, os familiares do casal relataram publicamente o seu temor de que os dois pudessem cometer suicídio.[189]

No entanto, Fielder-Civil foi preso em 2008 sob acusação de ter agredido James King, proprietário de um bar em Londres.[190] Ele foi condenado a 27 meses de prisão, enquanto ela viajou para Santa Lúcia, no Caribe, onde conheceu e começou a namorar o ator Joshua Bowman.[191] Blake abriu um pedido de divórcio após ver fotos da cantora com o ator, com o seu advogado afirmando que abriria o processo em razão do adultério cometido.[192] A separação foi concretizada em 16 de junho de 2009, pelo juiz Michael Segal.[193]

No ano seguinte, em 2010, Winehouse conheceu o diretor de cinema Reg Traviss, que namorou por cerca de um ano, até a sua morte.[194]

Ações filantrópicas[editar | editar código-fonte]

No decorrer de sua carreira, Amy Winehouse participou de diversas campanhas de instituições de caridade no Reino Unido e em outros países, sendo nomeada pelo canal de televisão Pop World como Ato Mais Caridoso. Winehouse ajudava principalmente as instituições de caridade relacionadas a crianças. No entanto, esse lado de sua personalidade nunca foi conhecido pelo público em geral.[195]

Entre as instituições que apoiava, estão: Adopt-A-Minefield, Anti-Slavery International, Breast Cancer Campaign, CARE, Children of the Andes, Children's Medical Research Institute, Christian Children's Fund, City at Peace, Comic Relief, Great Ormond Street Hospital, Greenpeace, Healthlink Worldwide, Hear the World, Heifer International, Holy Apostles Soup Kitchen, Red Cross, LIFEbeat, Lifeline and Rape Crisis PMB, Opportunity International, Oxfam, Rights and Humanity, S.A.F.E., Save the Children, Save the Music Foundation, St. Jude Children's Research Hospital, Teenage Cancer Trust, Christina Noble Children's Foundation, Little Dreams Foundation, Lotus Outreach, Nelson Mandela Children's Fund, UNHCR, UNICEF, V-Day, WaterAid, World Neighbors. [195]

Em 2006, ela se apresentou na campanha anual britânica Children in Need, que visa a juntar recursos para ajudar uma instituição de caridade.[196] Em 2008, apareceu numa edição da revista Easy Living apoiando a campanha para a sensibilização contra o câncer de mama.[197] Em 2009, ela colaborou com o CD chamado Rhythms del Mundo, Classics, ao lado de bandas como The Rolling Stones, The Killers e outros artistas, apoiando uma campanha de sensibilização contra as mudanças climáticas.[198]

No mesmo ano, ela pagou o tratamento médico de um homem chamado Julian Jean DeBaptiste, em Santa Lúcia, que disse: "A cirurgia foi em 1 de julho de 2009. Três dias depois, eu contei à Amy sobre o meu problema. Custou uma fortuna e a Amy pagou tudo. Tentei agradecer-lhe depois mas ela apenas abraçou-me e disse para não dizer nada".[199] Em 2010, ela reverteu parte de seu lucro obtido com a canção "Back to Black" à organização financeira internacional Global Fund's.[200] Em março de 2011, Amy Winehouse doou mais de vinte mil libras esterlinas em roupas para uma loja de caridade local em Londres.[201]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Ano Detalhes Singles
2003 Frank
  1. "Stronger Than Me"
  2. "Take the Box"
  3. "In My Bed"/"You Sent Me Flying"
  4. "Pumps"/"Help Yourself"
2006 Back to Black
  • Lançamento: 30 de outubro de 2006.
  • Gravadora(s): Island, Universal.
  • Formato(s): CD, download digital, LP.
  1. "Rehab"
  2. "You Know I'm No Good"
  3. "Back to Black"
  4. "Tears Dry on Their Own"
  5. "Love is a Losing Game"
  6. "Just Friends"
2011 Lioness: Hidden Treasures
  • Lançamento: 2 de dezembro de 2011.
  • Gravadora(s): Island, Universal.
  • Formato(s): CD, download digital, LP.
  1. "Body and Soul"
  2. "Our Day Will Come"

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Desde o início da sua carreira, Amy Winehouse venceu 28 categorias das 48 em que foi indicada. A sua primeira nomeação foi para o prêmio Ivor Novello Awards, tendo vencido na categoria Melhor Música Contemporânea com o seu primeiro single "Stronger Than Me" em 2004. Nesse mesmo ano, ela recebeu indicações ao BRIT Awards e ao Mercury Prize Awards com o seu álbum de estreia Frank.

Em 2007, após o lançamento do seu segundo álbum de estúdio, Back to Black, ela venceu na categoria Melhor Pop, na premiação South Bank Awards. Venceu também dois BRIT Awards e um Elle Style Awards, enquanto Back to Black obteve o prêmio de Álbum do Ano no Mercury Prize Awards e Melhor Álbum no Q Awards. No ano seguinte, o disco recebeu seis indicações à 50.ª edição dos Grammy Awards, vencendo em cinco categorias, o que fez com que Amy igualasse o recorde de cantoras como Lauryn Hill , Alicia Keys, Beyoncé Knowles, Norah Jones e Alison Krauss para artista feminina com mais prêmios Grammys vencidos em uma única edição da premiação.[202] Além disso, tornou-se a primeira artista feminina britânica a vencer cinco troféus numa mesma noite.

O seu primeiro prêmio póstumo foi um Grammy Award conquistado na 54.ª cerimônia da premiação, com o single "Body & Soul", que a cantora gravou com o cantor Tony Bennett, na categoria Melhor Performance Pop Dueto/Banda/Grupo em 2012. Em 2013, ela recebeu outras duas indicações póstumas: ao BRIT Awards e à 55.ª edição dos Grammy Awards com a canção "Cherry Wine", todas sem vitória.

Segue-se abaixo a lista de prêmios e indicações recebidos por Amy Winehouse:

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado
2004 BRIT Awards[61] British Female Solo Artist Ela mesma Nomeado
Urban Act Nomeado
Ivor Novello Awards[203] Best Contemporary Song "Stronger Than Me" Venceu
Mercury Prize Awards[204] Album of the Year Frank Nomeado
2007 BRIT Awards[205] British Album Back to Black Venceu
British Female Solo Artist Ela mesma Venceu
Elle Style Awards[206] Best British Music Act Venceu
Greatest Britons Awards[207] [208] Musical Revelation Venceu
Ivor Novello Awards[209] Best Contemporary Song "Rehab" Venceu
Mercury Prize Awards[31] Album of the Year Back to Black Venceu
MOJO Awards[210] Song of the Year "Rehab" Venceu
MOBO Awards[211] Best Song Nomeado
Best UK Female Ela mesma Venceu
Best R&B Nomeado
MTV Europe Music Awards[212] Most Addictive Track "Rehab" Nomeado
Album of the Year Back to Black Nomeado
Artist's Choice Ela mesma Venceu
MTV Video Music Awards[213] Female Artist of the Year Nomeado
Best New Artist Nomeado
Video of the Year "Rehab" Nomeado
Pazz & Jop Village Voice's[214] Song of the Year Venceu
Popjustice £20 Music Prize[215] [216] Best British Pop Single of the Year Venceu
Q Awards[217] Best Album Back to Black Venceu
South Bank Awards[218] Best Pop Ela mesma Venceu
Vibe Awards[219] Breakthrough Artist of the Year Nomeado
Vodafone Live Music Awards[220] Best Female Venceu
World Music Awards[221] World's Best-Selling New Artist Nomeado
World's Best-Selling Pop/Rock Female Artist Nomeado
2008 BRIT Awards[222] British Single "Valerie" (com Mark Ronson) Nomeado
ECHO Awards[223] Best International Female Artist – Rock/Pop Ela mesma Nomeado
Grammy Awards[224] Best New Artist Venceu
Record of the Year "Rehab" Venceu
Song of the Year Venceu
Best Female Pop Vocal Performance Venceu
Album of the Year Back to Black Nomeado
Best Pop Vocal Album Venceu
Ivor Novello Awards[225] Best Song Musically & Lyrically "Love Is A Losing Game" Venceu
"You Know I'm No Good" Nomeado
Best Selling Song "Rehab" Nomeado
Meteor Music Awards[226] Best International Female Ela mesma Venceu
Urban Music Awards[227] Best Neo-Soul Act Venceu
World Music Awards[228] Best Selling Pop/Rock Female Venceu
2009 ECHO Awards[229] Best International Female Artist – Rock/Pop Venceu
Album of the Year Back to Black Venceu
Guinness World Records Awards[230] British Female Act Ela mesma Venceu
2012 Grammy Awards[231] Best Pop Duo/Group Performance "Body & Soul" (com Tony Bennett) Venceu
2013 BRIT Awards[232] British Female Solo Artist Ela mesma Nomeado
Grammy Awards[233] Best Rap/Sung Collaboration "Cherry Wine" (com Nas) Nomeado

Referências[editar | editar código-fonte]

Biobliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Newkey-Burden, Chas. Amy Winehouse Biografia (em português). BrasilEditora Globo, 2008. ISBN 978-85-250-4580-5

Notas de rodapé

  1. Steve Knopper (27 de julho de 2011). On the Charts: Amy Winehouse's Sad Return (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 9 de janeiro de 2013.
  2. Associated Press (23 de julho de 2011). Singer Amy Winehouse Found Dead (em inglês) Fox News. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  3. a b Steve Kandell (27 de junho de 2007). Amy Winehouse: The Dangerous New Queen of Soul (em inglês) Spin. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  4. Gillian Reagan (14 de dezembro de 2007). Amy Winehouse: The Next Tragic Talent? (em inglês) The New York Observer. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  5. The Guardian. Amy Winehouse sang of a deeply feminine suffering (em inglês). Página visitada em 6 de abril de 2013.
  6. a b c Fiona Sturges (25 de julho de 2011). Amy Winehouse: Singer who won the hearts of millions but was unable to overcome her dependency on drink and drugs (em inglês) The Independent. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  7. Jenny Eliscu (24 de julho de 2011). Amy Winehouse Death A Troubled Star Gone Too Soon (Page 2 of 2) (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  8. a b BBC News (23 de julho de 2011). Obituary: Amy Winehouse (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  9. a b Metacritic (20 de novembro de 2007). Critic Reviews: Frank - Amy Winehouse (em inglês). Página visitada em 1 de janeiro de 2013.
  10. a b c αCharts.us. Amy Winehouse - Back To Black - Music Charts (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  11. a b αCharts.us. Amy Winehouse - Rehab - Music Charts (em inglês). Página visitada em 5 de janeiro de 2013.
  12. British Phonographic Industry. UK Music in the International Market (em inglês). Página visitada em 1 de maio de 2013.
  13. Jeff Leeds (11 de fevereiro de 2008). Amy Winehouse Wins Big at Grammy Awards (em inglês) The New York Times. Página visitada em 20 de outubro de 2012.
  14. Nathan Hale Williams (30 de abril de 2008). The New British Invasion: Soul Divas 2008 (em inglês) The Daily Voice. Página visitada em 1 de julho de 2013.
  15. Lusa (24 de agosto de 2011). Último disco de Winehouse é o mais vendido do século (em português) Diário de Notícias. Página visitada em 27 de julho de 2013.
  16. Jim Farber (23 de julho de 2011). When sober, Amy Winehouse showed a talent that changed pop music (em inglês) New York Daily News. Página visitada em 1 de julho de 2013.
  17. Contactmusic (12 de dezembro de 2007). Winehouse Reigns As Queen Of U.k. Download Charts (em inglês). Página visitada em 7 de julho de 2013.
  18. BBC News (24 de abril de 2008). Amy Winehouse joins 'rich list' (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 1 de janeiro de 2013.
  19. Jason Gregory (23 de abril de 2008). Amy Winehouse Is The Uk's 'Ultimate Heroine': Amongst under 25s... (em inglês) Gigwise. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  20. Editora Abril (25 de novembro de 2009). Alma do negócio: O número de cópias vendidas no Brasil por grandes nomes do Soul (em português) Revista Veja. Página visitada em 6 de abril de 2013.
  21. Sérgio Martins (25 de novembro de 2009). O soul deu samba (em português brasileiro) Revista Veja. Página visitada em 1 de agosto de 2013.
  22. Cinthya Oliveira (23 de julho de 2012). Amy Winehouse: um ano sem a diva do soul (em português brasileiro) Hoje em Dia (R7). Página visitada em 1 de agosto de 2013.
  23. a b Daily Mail (19 de outubro de 2006). Amy Winehouse punches fan then boyfriend in drunken rage (em inglês) New York Daily News. Página visitada em 1 de janeiro de 2013.
  24. a b Deena Bustillo (23 de julho de 2011). Amy Winehouse's Drug and Alcohol Addiction: Timeline (em inglês) Zimbio.com.. Página visitada em 1 de janeiro de 2013.
  25. Alexandra Topping (8 de janeiro de 2013). Amy Winehouse died of alcohol poisoning, second inquest confirms (em inglês) The Guardian. Página visitada em 13 de janeiro de 2013.
  26. Paul Sexton (25 de agosto de 2011). Amy Winehouse's 'Back to Black' Is Now U.K.'s Best Selling Album of the Century (em inglês) Billboard. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  27. John Bush (5 de dezembro de 2011). Amy Winehouse - Lioness: Hidden Treasures (em inglês) Allmusic. Página visitada em 22 de junho de 2013.
  28. Andrei Harmsworth (18 de dezembro de 2011). Amy Winehouse’s dad Mitch thanks fans for crowning singer Metro celebrity of the year (em inglês) Metro International. Página visitada em 11 de janeiro de 2013.
  29. Mark Graham (13 de fevereiro de 2012). VH1′s 100 Greatest Women In Music (em inglês) VH1. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  30. Alison Boshoff (25 de julho de 2011). So talented, so tortured, she craved oblivion (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  31. a b Gordon Smart (25 de julho de 2011). Amy Winehouse: 1983-2011 (em inglês) The Sun. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  32. a b The Telegraph (23 de julho de 2011). Amy Winehouse: 1983–2011 (em inglês). Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  33. Celebrit Daily. Photos: Alex Winehouse Is Amy Winehouse Brother (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  34. a b c d Newkey-Burden, Chas. Amy Winehouse Biografia (em português). BrasilEditora Globo, 2008. ISBN 978-85-250-4580-5
  35. a b R7. Amy Winehouse Biografia (em português) Central Record de Comunicação. Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  36. Paul Bentley (25 de julho de 2011). A death foretold: The rapid rise and tragic fall of Amy Winehouse, the deeply flawed soul prodigy (em inglês) Daily Mail.. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  37. Global Grind (23 de julho de 2011). Amy Winehouse And Her Incredible Tattoo Ink (Photos) (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  38. Entertainment STV (23 de julho de 2011). Obituary: Amy Winehouse (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  39. James Browning (27 de julho de 2011). Amy Winehouse timeline: 1983-2011 (em inglês) The Guardian. Página visitada em 8 de janeiro de 2013.
  40. Laura Mitran (23 de julho de 2011). Biografie: Amy Winehouse - o voce remarcabilă într-o persoană cu tulburări autodestructive (em romeno) MediaFax.. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  41. Kudica.ro (19 de fevereiro de 2008). Amy Winehouse, talentul umilit de droguri (em romeno). Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  42. Jenny Eliscu (23 de julho de 2011). The Diva and Her Demons: Rolling Stone's 2007 Amy Winehouse Cover Story (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  43. a b The Telegraph (23 de julho de 2011). Amy Winehouse (em inglês). Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  44. Garry Mulholland (1 de fevereiro de 2004). Charmed and Dangerous (em inglês) The Guardian. Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  45. a b Tracy McVeigh (23 de julho de 2011). Amy Winehouse: 'She was a sweet, tiny thing with this huge great voice' (em inglês) The Guardian. Página visitada em 9 de janeiro de 2013.
  46. a b Kimbel Bouwman (23 de fevereiro de 2004). Interview with Darcus Beese (em inglês) HitQuarters. Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  47. Discogs. Amy Winehouse - Frank (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  48. αCharts.us. Amy Winehouse - Stronger Than Me (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  49. a b John Murphy (20 de outubro de 2003). Amy Winehouse – Frank (em inglês) MusicOMH.com. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  50. αCharts.us. UK Albums Top 75 - Sunday October 26, 2003 (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  51. αCharts.us. UK Albums Top 75 - Sunday January 18, 2004 (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  52. αCharts.us. UK Albums Top 75 - Sunday February 1, 2004 (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  53. αCharts.us. Amy Winehouse - Take The Box - Music Chart (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  54. a b British Phonographic Industry. Certified Awards: Amy Winehouse - Frank (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  55. αCharts.us. Amy Winehouse - In My Bed / You Sent Me Flying - Music Chart (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  56. αCharts.us. Amy Winehouse - Pumps/Help Yourself - Music Chart (em inglês). Página visitada em 2 de fevereiro de 2013.
  57. Discogs. Amy Winehouse ‎– Frank (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  58. a b Gary Trust (23 de julho de 2011). Amy Winehouse's Billboard Us Chart History (em inglês) Billboard. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  59. a b International Federation of the Phonographic Industry. IFPI Platinum Europe Awards - 2011 (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  60. Victoria Bessell (24 de novembro de 2010). Amy Winehouse: Relembre os momentos mais marcantes da vida e carreira da cantora (em português brasileiro) Revista Quem. Página visitada em 1 de agosto de 2013.
  61. a b BBC News (17 de fevereiro de 2004). Brits 2004: The winners (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  62. Bill Lamb. Biography of Amy Winehouse (em inglês) Top 40 About.com. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  63. Robert Dimery. 1001 Albums You Must Hear Before You Die (2000s) (em inglês) Revista Rolling Stone - Rock List Music.. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  64. Jacqui Swift (3 de agosto de 2007). Wine, woman and song (em inglês) The Sun. Página visitada em 3 de fevereiro de 2013.
  65. Clemmie Moodie (27 de julho de 2006). Amy, The Artist Formerly Knoe as Buxom (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  66. a b c Ben Sisario (23 de julho de 2011). Amy Winehouse, British Soul Singer With a Troubled Life, Dies at 27 (em inglês) The New York Times. Página visitada em 8 de janeiro de 2013.
  67. João Moço e Alexandre Elias (30 de julho de 2011). O adeus de uma voz maior (em português) Diário de Notícias (DN). Página visitada em 2 de agosto de 2011.
  68. Laura Leebove (17 de novembro de 2010). Six Degrees of Amy Winehouse’s Back to Black (em inglês) eMusic. Página visitada em 9 de outubro de 2012.
  69. CD Universe. Amy Winehouse - Back To Black CD (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  70. Allmusic (19 de dezembro de 2006). Amy Winehouse - Back to Black: Credits (em inglês). Página visitada em 27 de julho de 2013.
  71. AmyWinehouse.com (3 de setembro de 2006). Amy Winehouse - New album 'Back to Black' out 30 October (em inglês). Página visitada em 16 de janeiro de 2013.
  72. Christian Hoard (6 de fevereiro de 2007). Amy Winehouse - Back to Black (Republic Records) (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 20 de março de 2013.
  73. Intent Media (5 de novembro de 2006). Girls Aloud topple Robbie from album summit (em inglês) Music Week. Official Charts Company. Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  74. αCharts.us. Amy Winehouse and Ghostface Killah - You Know I'm No Good - Music Chart (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
    Polish Music Charts. Amy Winehouse - Utwory na liście (em inglês). Página visitada em 17 de setembro de 2013.
  75. Katie Hasty (21 de março de 2007). Musiq, Lloyd Usher Six Big Debuts Onto Album Chart (em inglês) Billboard. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  76. Time Warner. Amy Winehouse - Biography: Taking the States by Storm (em inglês) Revista People. Página visitada em 18 de maio de 2013.
  77. Ann Donahue (12 de fevereiro de 2008). Byte-Sized Gains: Digital Sales Add To Awards Show Haul (em inglês) Billboard.. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  78. Recording Industry Association of America. RIAA - Gold & Platinum Program: Amy Winehouse - Back to Black (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  79. BBC News (22 de março de 2007). Winehouse cracks US album chart (em inglês). Página visitada em 19 de setembro de 2013.
  80. Chris Richards (23 de julho de 2011). Amy Winehouse, dead at 27 — Profiles and reviews from the Post archives (em inglês) The Washington Post. Página visitada em 17 de setembro de 2013.
  81. Eric Ditzian (27 de maio de 2007). Amy Winehouse Barely Made It To 2007 MTV Movie Awards Performance (em inglês) MTV News. Página visitada em 17 de setembro de 2013.
  82. The Official Charts Company. UK Singles Top 75 - Sunday May 6, 2007 (em inglês) αCharts.us. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
    Association of Greek Producers of Phonograms. Top 50 Singles (em inglês). Página visitada em 1 de maio de 2013.
    Polish Music Charts. Amy Winehouse - Utwory na liście (em inglês). Página visitada em 17 de setembro de 2013.
  83. Recording Industry Association of America. RIAA - Gold & Platinum Program: Amy Winehouse - Rehab (em inglês). Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  84. The Official Charts Company. UK Singles Top 75 - Sunday August 19, 2007 (em inglês) αCharts.us. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  85. Caroline Sullivan (23 de julho de 2011). Amy Winehouse Obituary (em inglês) The Guardian. Página visitada em 7 de janeiro de 2013.
  86. (26 de Julho de 2008) "Billboard On The Charts". Billboard 120, N.º 30: 67. Nielsen Business Media, Inc. ISSN 0006-2510.
    Associação Brasileira de Produtores de Discos. Certificados: Amy Winehouse (em português). Página visitada em 8 de dezembro de 2012.
  87. Gil Kaufman (17 de agosto de 2007). Amy Winehouse Cancels More Shows Due To 'Health Issues,' Denies Serious Drug Problems (em inglês) MTV News. Página visitada em 19 de setembro de 2013.
  88. MegaCharts. DVD Music Top 30 (em neerlandês). Página visitada em 9 de janeiro de 2013.
  89. αCharts.us. Mark Ronson and Amy Winehouse - Valerie - Music Charts (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  90. Nick Levine (20 de fevereiro de 2008). In full: Brit Awards 2008 winners (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  91. Schweizer Hitparade. Swiss Single Chart Top 75 - Sunday August 17, 2008 (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
  92. The Official Charts Company. UK Singles Top 75 - Sunday December 16, 2007 (em inglês) αCharts.us. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  93. The Official Charts Company. The Official UK Albums Chart 2007 (em inglês) ChartsPlus. Página visitada em 22 de junho de 2013.
  94. International Federation of the Phonographic Industry. Myydyimmät levyt - Vuosi 2007 (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
    Ultratop. Jaaroverzichten 2007 (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
    Irish Recorded Music Association. Best of 2007 - Top 20 Albums (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
    Hitlisten. Chart of the Year 2007 (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
    Syndicat National de l'Édition Phonographique. Classement Albums - année 2007 (em inglês). Página visitada em 7 de maio de 2013.
  95. Mortimer Zuckerman (4 de dezembro de 2007). Will Grammys chase Amy Winehouse? (em inglês) New York Daily News. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  96. Prometheus Global Media. 2007 Year End Charts – Top Billboard 200. (em inglês) Billboard. Página visitada em 5 de março de 2013.
  97. The New York Times (9 de fevereiro de 2008). 2008 Grammy Award Winners and Nominees (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  98. The Daily Telegraph (15 de setembro de 2008). 2009 Guiness World Records: Brangelina, Britney Spears, Amy Winehouse (em inglês). Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  99. Mark Sweney (6 de junho de 2013). One Direction and Adele lead UK to record share of global album sales (em inglês) The Guardian. Página visitada em 25 de julho de 2013.
    CBS Interactive. Biografia de Amy Winehouse (em português) Last.FM (PT). Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
    Simon Cable (7 de janeiro de 2009). British acts including Coldplay, Amy Winehouse and Duffy are behind the world's biggest selling albums of last year (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 1 de novembro de 2013.
  100. Tom Ayres (23 de julho de 2011). Amy Winehouse 1983-2011: Obituary (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 13 de janeiro de 2013.
    Dan Lane (10 de abril de 2012). The Official Top 40 biggest selling albums of all-time (em inglês) Official Charts Company. Página visitada em 10 de maio de 2013.
  101. Alex Pielak (5 de dezembro de 2011). Adele’s 21 tops Amy Winehouse for biggest selling album of 21st century (em inglês) Metro. Página visitada em 13 de junho de 2013.
  102. David Bauder (19 de Junho de 2012). Amy Winehouse: Singer’s father details cycle of addiction (em inglês) The Washington Times. Página visitada em 2 de Dezembro de 2012.
  103. Guilherme Bryan (24 de julho de 2011). Os videoclipes de Amy Winehouse (em português) Yahoo! Brasil. Página visitada em 25 de janeiro de 2013.
  104. Alison Roberts (31 de maio de 2008). Winehouse performs gig in Lisbon (em inglês) BBC News. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  105. a b Jason Gregory (6 de abril de 2009). Amy Winehouse returns to St. Lucia to record third album (em inglês) Gigwise. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  106. MTV News (31 de maio de 2010). Amy Winehouse amazing but delayed: Winehouse delays new LP again but record bosses think it's amazing (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  107. Daily Mail (13 de julho de 2009). Emotional Amy Winehouse bursts into tears as she returns home from St Lucia (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  108. Jane Gordon (12 de fevereiro de 2010). 'Auntie Amy is like a proper housewife': Singer Dionne Bromfield on her godmother and mentor Amy Winehouse (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  109. BBC News (23 de agosto de 2009). Amy Winehouse sings at V festival (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  110. Sean Michaels (16 de julho de 2010). Amy Winehouse promises new album for January 2011 (em inglês) The Guardian. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  111. Mawuse Ziegbe (8 de setembro de 2010). Amy Winehouse To Appear On Quincy Jones Tribute Album. Singer has teamed up with Mark Ronson to re-record the 1963 hit 'It's My Party' for Q: Soul Bossa Nostra (em inglês) MTV News. Página visitada em 23 de janeiro de 2013.
  112. Andrew Osborn. Amy Winehouse plays oligarch's gig in Moscow (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  113. Monica Herrera (17 de novembro de 2010). Amy Winehouse Announces Tour Dates in Brazil (em inglês) Billboard. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  114. MTV News (13 de fevereiro de 2011). Amy Winehouse Booed Off Stage (em inglês). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  115. BBC News (5 de agosto de 2011). Amy Winehouse and Tony Bennett duet to benefit charity (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 30 de março de 2013.
  116. Tom Eames (19 de junho de 2011). 'Drunk' Amy Winehouse booed at Belgrade concert (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  117. NME News (19 de junho de 2011). Amy Winehouse 'too drunk to sing' at shambolic Serbia gig - video (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  118. Vecernji.hr (23 de junho de 2011). Amy Winehouse zaštitari su natjerali da izađe na pozornicu (em em croata). Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  119. Stephen M. Silverman (21 de junho de 2011). Amy Winehouse Cancels Entire Tour (em inglês) People Magazine. Página visitada em 16 de abril de 2013.
  120. NME News (21 de julho de 2011). Amy Winehouse makes surprise appearance at London's iTunes Festival (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  121. Christine Jennings e Beci Wood (23 de julho de 2011). Amy Winehouse found dead (em inglês) The Sun News. Página visitada em 23 de janeiro de 2013.
  122. Randall Roberts (23 de julho de 2011). Soul singer Amy Winehouse found dead in her London home (em inglês) Los Angeles Times. Página visitada em 24 de julho de 2011.
  123. Sarah Bull (26 de julho de 2011). Amy Winehouse, 27, found dead at her London flat after suspected 'drug overdose' (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 12 de janeiro de 2012.
  124. Alexandra Topping (27 de julho de 2011). Amy Winehouse: The last days of the good-time girl who did not want fame (em inglês) The Guardian. Página visitada em 24 de julho de 2011.
  125. BBC News (25 de julho de 2011). Amy Winehouse post-mortem takes place (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  126. Erin McLaughlin e Laura Smith-Spark (27 de outubro de 2011). Inquest: Singer Amy Winehouse died of alcohol poisoning (em inglês) Cable News Network. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  127. Caroline Davies (26 de outubro de 2011). Amy Winehouse inquest records verdict of misadventure (em inglês) The Guardian. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  128. MTV News (23 de julho de 2011). Amy Winehouse Found Dead. The troubled star’s body was found in her Camden home… (em inglês). Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  129. Gil Kaufman (26 de julho de 2011). Amy Winehouse Funeral Held In London. Kelly Osbourne and Mark Ronson were among the friends and family in attendance (em inglês) MTV News. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  130. Steve Baltin (23 de julho de 2011). Courtney Love on Amy Winehouse: 'I'm Gutted' (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  131. Jessica Satherley (24 de julho de 2011). Left bereft by their loss: Family's tribute to Amy Winehouse as fans create a shrine outside her flat (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  132. Sarah Bull (25 de julho de 2011). Amy Winehouse's Back To Black re-enters the album charts after her tragic death (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  133. Alexandra Topping (26 de julho de 2011). Amy Winehouse: private funeral held (em inglês) The Guardian. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  134. Mayer Nissim (26 de julho de 2011). Amy Winehouse family and friends attend private funeral (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  135. Glen Levy (26 de julho de 2011). ‘Good Night, My Angel’: Friends and Family Gather for Amy Winehouse’s Funeral Time News Feed. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  136. BBC News (27 de julho de 2011). Amy Winehouse foundation for addiction planned (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  137. BBC News (8 de janeiro de 2013). Amy Winehouse inquest: Singer drank herself to death (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 9 de janeiro de 2013.
  138. The Guardian. Amy Winehouse - Biography (em inglês). Página visitada em 12 de março de 2013.
  139. a b The Guardian (22 de julho de 2012). Amy Winehouse: in her own words (em inglês). Página visitada em 12 de março de 2013.
  140. iTunes. Amy Winehouse - Biography (em inglês). Página visitada em 12 de março de 2013.
  141. a b John Bush. Amy Winehouse - Frank (em inglês) Allmusic. Página visitada em 6 de março de 2013.
  142. Joshua Ostroff (23 de julho de 2012). Amy Winehouse: The Songs She Loved, From Carole King to the Zutons (em inglês) Spinner.com. Página visitada em 12 de março de 2013.
  143. Camilo Rocha (14 de setembro de 2010). Amy Winehouse completa 27 anos: conheça suas influências musicais (em português) Virgula.UOL. Página visitada em 12 de março de 2013.
  144. a b Ligia Nogueira (16 de janeiro de 2007). Amy Winehouse tem sofisticação para agradar fãs do rock ao soul (em português) Globo.com. Página visitada em 12 de março de 2013.
  145. Claire Suddath (25 de julho de 2011). Music Monday: The Musical Influences of Amy Winehouse (em inglês) Time NewsFeed. Página visitada em 12 de março de 2013.
  146. a b CBS News (23 de julho de 2011). "Rehab" singer Amy Winehouse had wide influence with thin output (em inglês) Columbia Broadcasting System. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  147. Google (13 de março de 2009). The revival of soul, 50 years after Motown (em inglês). Página visitada em 12 de março de 2013.
  148. Amar Singh (10 de dezembro de 2007). Meet the jazzy new Amy Winehouse but she's not quite as 'rock and roll' (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  149. BBC News (25 de julho de 2011). Adele pays tribute to 'inspiration' Amy Winehouse (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  150. Ken Tucker (30 de janeiro de 2013). Paloma Faith's 'Fall To Grace' Is A Keeper (em inglês) National Public Radio. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  151. Jon Wilde (3 de abril de 2010). 'Joan of Arc is my heroine. I can see the romance in being burned alive for what I believe in,' says Gabriella Cilmi (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  152. Daniel Sperling (24 de julho de 2011). Lady GaGa pays tribute to Amy Winehouse: 'She changed pop music forever' (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  153. BBC Music. Rebecca Ferguson - Biography (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  154. Adrian Thrills (19 de abril de 2013). Amy Winehouse was a diamond, says Caro Emerald (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  155. Abbey Goodman (25 de julho de 2011). Amy Winehouse paved the way for current crop of British soul sisters (em inglês) CNN News. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  156. Cruccu Matteo (22 de janeiro de 2010). Nina Zilli: «Amo reggae, soul e Amy Winehouse» (em italiano) Archivio Storico. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  157. Time Out. Jesuton: interview (em inglês) Time Out Company. Página visitada em 6 de maio de 2013.
  158. Natalie Jamieson (18 de fevereiro de 2010). Jay-Z: 'Music labels must streamline to survive' (em inglês) BBC Radio. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  159. a b Jim Farber (29 de março de 2011). British music invasion triggered by Amy Winehouse now includes Eliza Doolittle, Adele, Rumer (em inglês) New York Daily News. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  160. Adrian Thrills (24 de julho de 2011). Amy Winehouse: A British great, and a life cut down in its prime (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  161. Pornpimol Kanchanalak (29 de julho de 2011). Amy Winehouse: When tears dried on their own (em inglês) The Nation Multimedia Group. Página visitada em 15 de setembro de 2013.
  162. Cyril Cordor. Amy Winehouse: Overview - Biography (em inglês) Allmusic. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  163. Mike Joseph (20 de novembro de 2007). Amy Winehouse: Frank (em inglês) PopMatters. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  164. Alexander Billet (9 de agosto de 2007). Amy Winehouse: Got Soul? Hell Yeah, Sister! (em inglês) Dissident Voice.. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  165. Metacritic (13 de março de 2007). Critic Reviews: Back to Black - Amy Winehouse (em inglês). Página visitada em 16 de maio de 2013.
  166. Teresa Wiltz (7 de fevereiro de 2007). 100-Proof Voice (em inglês) The Washington Post. Página visitada em 16 de maio de 2013.
  167. Joshua Klein (28 de março de 2007). Amy Winehouse - Back to Black (em inglês) Pitchfork Media. Página visitada em 16 de maio de 2013.
  168. a b John Bush (19 de dezembro de 2006). Amy Winehouse - Back To Black (em inglês) Allmusic. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  169. Lara Gould (31 de julho de 2011). Breaking up with Blake: Amy Winehouse to release album from beyond the grave charting turbulent split from husband (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 20 de março de 2013.
  170. Beccy Lindon (17 de outubro de 2013). Amy Winehouse, Frank (Island Records) (em inglês) The Guardian. Página visitada em 20 de março de 2013.
  171. Chris Willman (10 de novembro de 2007). Music Review: Frank (2007) Amy Winehouse (em inglês) Entertainment Weekly. Página visitada em 20 de março de 2013.
  172. Greg Boraman (27 de novembro de 2003). Amy Winehouse Frank Review (em inglês) BBC Music. Página visitada em 20 de março de 2013.
  173. Mojo (13 de março de 2007). Back To Black - Amy Winehouse - Critic Reviews (em inglês) Metacritic. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  174. Jake Henneman. Ex Post Facto: Amy Winehouse, Back To Black (em inglês) Crawdaddy!. Página visitada em 20 de março de 2013.
  175. Jude Rogers (11 de dezembro de 2006). Year of the woman. At the beginning of 2006, the prospects looked bleak for strong, idiosyncratic female pop acts (em inglês) New Statesman. Página visitada em 20 de março de 2013.
  176. Paul MacInnes (24 de janeiro de 2008). Amy Winehouse goes to rehab (em inglês) The Guardian. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  177. Ben Dowell e James Robinson (1 de maio de 2009). Amy Winehouse wins court ban on paparazzi at her home (em inglês) The Guardian. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  178. BBC News (29 de julho de 2008). Profile: Amy Winehouse (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 28 de outubro de 2012.
  179. Edna Gundersen (30 de janeiro de 2008). Amy Winehouse's sobering transformation could hurt her musical credibility (em inglês) USA Today. Página visitada em 9 de junho de 2013.
  180. Gil Kaufman (23 de junho de 2008). Amy Winehouse's Father Clarifies Diagnosis, Sort Of: 'She Has A Small Amount Of Emphysema': 'If she stopped smoking, her decline in lung function would be at the rate of normal people,' American Lung Association physician says. (em inglês) MTV News. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  181. Paul MacInnes (17 de outubro de 2007). Amy Winehouse arrested for drug possession in Norway (em inglês) The Guardian. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  182. Caspar Llewellyn Smith (22 de julho de 2007). Diva driven by her demons (em inglês) The Guardian. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  183. Joann Scheffler (17 de dezembro de 2012). Amy Winehouse's cause of death re-investigated (em inglês) Examiner. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  184. Holly Frith (25 de março de 2011). Amy Winehouse's Ex-Boyfriend To Reveal All About Relationship In Album? (em inglês) Gigwise. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  185. Courtney Rubin (21 de abril de 2007). Singer Amy Winehouse Engaged (em inglês) People. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  186. Brian Orloff e Debi Springer (18 de maio de 2007). Amy Winehouse Weds in Miami (em inglês) People. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  187. Lola Ogunnaike (1 de julho de 2008). Commentary: Whither Winehouse? (em inglês) Cable News Network. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  188. Bonnie Malkin (24 de agosto de 2007). Amy Winehouse 'bruised and bloodied' (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  189. BBC News (28 de agosto de 2007). Fans urged to boycott Winehouse (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  190. Esther Addley (10 de junho de 2008). Crime: Amy Winehouse's husband pleads guilty to GBH and cover-up (em inglês) The Guardian. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  191. Richard Simpson (6 de janeiro de 2009). Amy Winehouse swaps bad boy Blake for Danny Cipriani's hunky clean cut friend as she holidays in Caribbea (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  192. Alan Duke (12 de janeiro de 2009). Amy Winehouse's husband seeks divorce (em inglês) Cable News Network. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  193. BBC News (16 de junho de 2009). Winehouse divorces Fielder-Civil (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  194. Lara Gould, Sarah Touro e Jessica Satherley (25 de julho de 2011). Sordid final hours of a troubled star: Amy Winehouse had 'bought ecstasy, cocaine and ketamine' on the night before tragic death (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  195. a b Wiki Nut Celebrities (17 de abril de 2012). Encouraging The Induction of Amy Jade Winehouse Into The Hollywood Walkway of Fame (em inglês). Página visitada em 21 de outubro de 2012.
  196. BBC One (17 de novembro de 2006). Children in Need 2006 (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 31 de maio de 2013.
  197. Zimbio.com (23 de março de 2008). Amy Winehouse poses naked in Easy Living Magazine (em inglês) Livingly Media. Página visitada em 31 de maio de 2013.
  198. The Guardian (12 de julho de 2009). World review: Rhythms del Mundo, Classics (em inglês) The Observer. Página visitada em 31 de maio de 2013.
  199. Daily Mirror (13 de agosto de 2011). Amy Winehouse secretly paid for coconut seller's lifesaving op (em inglês). Página visitada em 31 de maio de 2013.
  200. Tim Saunders (24 de julho de 2011). Amy Winehouse's Charity Legacy (em inglês) Look to the Stars. Página visitada em 31 de maio de 2013.
  201. Bang Showbiz (8 de março de 2011). Amy Winehouse donates clothes to charity shop (em inglês) The Independent. Página visitada em 31 de maio de 2013.
  202. Kevin Wicks (11 de fevereiro de 2008). Yes, America, Amy Winehouse Is a Star (em inglês) BBC America. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  203. BBC News (27 de maio de 2004). Ivor Novellos 2004: The winners (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  204. BBC News (8 de novembro de 2004). Ferdinand win Mercury Music Prize (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 31 de agosto de 2008.
  205. BBC News (13 de fevereiro de 2007). Brit Awards 2007: List of winners (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  206. Hilary Alexander (13 de fevereiro de 2007). The Elle Style Awards: Fashionistas and starlets gallore were out in force for the Elle Style Awards (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  207. Greatest Britons. Greatest Britons 2007 (em inglês) Reuters. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  208. Laura Clout (22 de maio de 2007). The Queen is voted Greatest Living Briton (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 9 de junho de 2013.
  209. BBC News (24 de maio de 2007). Ivor Novello winners 2007 (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  210. BBC Radio Music (18 de junho de 2007). Mojo Awards 2007: Amy Winehouse, Alice Cooper, Ozzy Osbourne and The Good, The Bad and The Queen, all celebrated as they headed up the 2007 MOJO Honours List (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  211. BBC News (19 de setembro de 2007). Mobo Awards 2007: Winners in full (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  212. Iain Gray (2 de novembro de 2007). Amy Winehouse wins at the MTV Europe Music Awards (em inglês) The Telegraph. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  213. Rolling Stone (7 de agosto de 2007). 2007 MTV Video Music Awards Nominations Are In... (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  214. The Village Voice. Village Voice's Pazz & Jop Winner: Singles (em inglês) Village Voice's Pazz & Jop. Página visitada em 22 de junho de 2013.
  215. PopJustice (5 de setembro de 2007). Twenty Quid Music Prize: Congratulations to Amy Winehouse... (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  216. Discogs. Popjustice 20 Quid Music Prize (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  217. Kelly Nestruck (8 de outubro de 2007). Kylie, Amy, Macca, the Arctics and Damon all triumph at Q awards (em inglês) The Guardian. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  218. BBC News (23 de janeiro de 2007). South Bank awards honour The Who (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 2 de outubro de 2012.
  219. Vibe Awards (19 de novambro de 2007). 2007 VH1 Soul VIBE Awards - R&B and Soul Music: Breakthrough Artist of the Year (em inglês) VH1. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  220. Music Week (20 de setembro de 2007). Vodafone Live Music Awards: pictures and winners list (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  221. Now Daily News (5 de novembro de 2007). See Pics Mika and Akon are big winners at the World Music Awards 2007 (em inglês) Now Magazine. Página visitada em 30 de maio de 2013.
  222. BBC News (20 de fevereiro de 2008). Brit Awards 2008: The winners (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  223. Paul Williams (16 de janeiro de 2009). British talent nominated at German industry awards (em inglês) Music Week. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  224. Entertainment Weekly (11 de fevereiro de 2008). Grammy Awards 2008: The 2008 Grammy Winners Are... (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  225. Owen Gibson (22 de abril de 2008). Novello first for Winehouse (em inglês) The Guardian. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  226. Meteor Music Awards. Meteor Ireland Music Awards Past Winners - 2008 Meteor Ireland Music Awards (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  227. Urban Music Awards (16 de novembro de 2008). Winners for the Sixth Annual Urban Music Awards Announced (em inglês). Página visitada em 23 de maio de 2013.
  228. Daniel Kreps (10 de novembro de 2008). Coldplay, Leona Lewis, Ringo Starr Win Big At World Music Awards (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  229. ECHO Awards. Echo 2009: Gewinner (em alemão) Echo Deutscher Musikpreis. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  230. Guinness World Records Awards (17 de setembro de 2008). Guinness World Records Launches 2009 Edition (em inglês) Guinness Book World Records. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  231. Laura Schreffler (13 de fevereiro de 2012). Gramy Awards 2012: 'Our darling daughter should be here': Amy Winehouse's parents accept posthumous Grammy on her behalf from Tony Bennett (em inglês) Daily Mail. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  232. BBC News (20 de fevereiro de 2013). Brit Awards 2013: The winners (em inglês) British Broadcasting Corporation. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  233. Kate Goodacre e Amy Bell (11 de fevereiro de 2013). Grammy Awards 2013: All the major winners at 55th annual ceremony (em inglês) Digital Spy. Página visitada em 23 de maio de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Amy Winehouse