Johan Cruijff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Johan Cruyff)
Ir para: navegação, pesquisa
Johan Cruijff
Johan Cruijff golfer cropped.jpg
Informações pessoais
Nome completo Hendrik Johannes Cruijff
Data de nasc. 25 de abril de 1947 (67 anos)
Local de nasc. Amsterdã,  Países Baixos
Nacionalidade Países Baixos Neerlandesa
Altura 1,80 m[1]
Destro
Apelido Jopie, El Salvador, Nummer 14[2] , El Flaco [3]
Informações profissionais
Posição Meia-Atacante
Clubes de juventude
1959–1964 Países Baixos Ajax
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1964–1973
1973–1978
1979–1979
1980–1981
1981
1981–1983
1983–1984
Total
Países Baixos Ajax
Flag of Spain (1977 - 1981).svg Barcelona
Estados Unidos Los Angeles Aztecs
Estados Unidos Washington Diplomats
Espanha Levante
Países Baixos Ajax
Países Baixos Feyenoord
229 000(190)
143 000(48)
27 0000(14)
32 0000(12)
10 0000(2)
36 0000(14)
33 0000(11)
510 000 (275)
Seleção nacional
1966–1977 [6]
1976 [4] [5]
Países Baixos Países Baixos
Flag of Catalonia.svg Catalunha [4] [5]
48 0000(33) [6]
1 00000(0) [4] [5]
Times que treinou
1986–1988
1988–1996
2009–2013
Países Baixos Ajax
Espanha Barcelona
Flag of Catalonia.svg Catalunha

Hendrik Johannes "Johan" Cruijff (Amsterdã, 25 de abril de 1947) é um treinador e ex-futebolista dos Países Baixos, apontado como o melhor futebolista neerlandês de todos os tempos.[7]

Considerado um jogador revolucionário, tático, ofensivo, coletivo, vistoso e eficiente, inspirou muitos jogadores e treinadores a partir de suas extraordinárias atuações no Ajax e, principalmente, na Seleção dos Países Baixos, durante a Copa do Mundo de 1974. As suas atuações no mundial foram suas únicas referências para grande parte das pessoas que o conhecem;[8] antes da cobertura ao vivo dos campeonatos estrangeiros pela TV, apenas as Copas eram vistas mundialmente de maneira especial.[9] Cruijff encantou na Copa, mesmo com exibições consideradas abaixo das que tinha nos campeonatos europeus.[8]

Se, atualmente, há no futebol jogadores polivalentes que podem atuar sem posição fixa no campo, sem prejuízo de suas atuações individuais, muito se deve a este genial craque e não menos a seu treinador no Ajax, Barcelona e na Seleção Neerlandesa, Rinus Michels. E ainda que transcorridos praticamente quarenta anos após a Copa do Mundo de 1974, os Países Baixos, Michels e Cruijff sintetizam a última revolução tática na história do futebol e serão para sempre lembrados como sinônimos do chamado futebol total, o qual os jogadores de linha se sentiam-se à vontade ao desempenhar todas as posições.

Visto como um pensador do futebol, costumava enfatizar a rapidez de pensamento tanto quanto a rapidez do corpo: sua característica velocidade era descrita pelo próprio como uma questão de saber a hora certa de começar a correr.[8] Cruijff foi escolhido pelo IFFHS o maior jogador europeu do século XX, e o segundo maior do mundo, atrás somente de Pelé.[10] Seu sobrenome é originalmente grafado, na língua neerlandesa, como "Cruijff", sendo mais popularmente escrito como "Cruyff" no exterior.[2] [8]

Habilidades[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 1960, já demonstrava suas ideias revolucionárias. Deixou a todos no Ajax loucos não só ao impor as suas noções de táticas, como também a tomar a iniciativa de negociar seus termos salariais. As ideias ousadas de Cruijff combinaram-se com a igualmente ousada ambição de um professor de ginásticas para crianças surdas, Rinus Michels, quando eles se encontraram em 1965 no Ajax, onde Michels chegara para ser técnico. Michels planejava transformar o clube, uma equipe semiprofissional que fazia jogos pelo leste de Amsterdã, em um time internacional de ponta - o que ele e Cruijff conseguiriam em seis anos.[8]

Sua ficha publicada em edição especial da Placar sobre os cem melhores jogadores do século XX, dos quais ele foi eleito pela revista o terceiro, atrás só do vencedor Pelé e de Diego Maradona, era bem sincera no campo "posição", onde estava escrito "todas, menos o gol".[7] Diferentemente do brasileiro e do argentino, Cruijff não era tão malabarista, se assemelhando mais ao estilo de um de seus ídolos, Alfredo Di Stéfano;[11] seus trunfos concentravam-se na velocidade, intuição, inteligência e objetividade em campo,[11] ditando um jogo de toques rápidos em que os jogadores não possuíam posições fixas, trocando-as constantemente, com exceção óbvia ao goleiro - que nem por isso deixava de ter a sua contribuição no "sistema", cabendo a ele a função de iniciar os ataques.[8] O chamado "futebol total" surgiu em volta de Cruijff, um jogador com fome de jogo, que, com fome de bola, ia atrás no campo para marcar o adversário e tirá-la dele, com todas as condições para isso: tinha um fôlego privilegiado, era magro, sendo exímio no controle de velocidade [7] e já mentalizando que jogadas poderia fazer antes mesmo de receber a bola.[11]

Não hesitava em orientar os companheiros:[7] mesmo com a posse de bola, não parava de falar e ordenar o posicionamento dos colegas, controlando o ritmo e tática de sua equipe; tal como um maestro, conduzindo uma orquestra com constantes improvisações conforme a situação da partida; embora jogasse mais como um meia, parecia estar em todos os lugares, correndo pela ponta esquerda, caindo pelo meio, ordenando regulares trocas de posições. Frank Rijkaard, um de seus discípulos, afirmaria que Diego Maradona poderia ganhar um jogo sozinho, mas não tinha o talento de Cruijff para mudar a tática do time para vencer a partida. Individualmente, ele também inovava com seus chutes, dando impressões de que tinha quatro pernas; até então, poucos chutavam com o lado de fora do pé. Era capaz de dar "piques nos piques", acelerando jogadas já bem aceleradas, deixando os adversários para trás.[8] Capaz de giros em pequenos espaços, chutes longos certeiros, dribles fáceis, de ser bom cabeceador e artilheiro.[7]

Por outro lado, sua personalidade quente e que não aceitava ordens,[7] um possível resquício da perda prematura do pai, faria Michels contratar dois terapeutas para atender o garoto.[8] Dentro de campo, entretanto, a parceria seria um sucesso.[7]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Ajax[editar | editar código-fonte]

Cruijff foi praticamente criado no Ajax: seu pai, Manus, dono de uma mercearia, fornecia frutas ao clube.[8] Os vínculos continuaram por parte de mãe, que foi trabalhar como faxineira do clube após tornar-se viúva[7] (quando o garoto Cruijff, que frequentava os vestiários já com quatro anos, possuía doze[8] ). Por ideia dela, o filho entrou nas categorias de base do Ajax; ela acreditava que assim ele poderia superar a deficiência que tinha nos pés, cuja má formação o obrigava a utilizar aparelhos ortopédicos: ironicamente, só assim ele, cuja uma das caracterísitcas futuras seria suas corridas fulminantes, conseguia caminhar. Sua sugestão provar-se-ia como divisora de águas não só do clube, mas do futebol nacional e internacional.[7]

O garoto estreou em 1964, em derrota de 1 x 3.[8] Com a chegada um ano depois de Michels, que aceitou o jogo ditado por Cruijff, os títulos viriam em série: o Ajax seria na primeira temporada com ambos trabalhando juntos, a de 1965/66, campeão neerlandês, o que se repetiria consecutivamente outras duas vezes.[12] Outros três títulos no campeonato nacional viriam em espaço de cinco anos.[12] Cinco Copas dos Países Baixos também seriam levantadas no período.[13]

Na Copa dos Campeões da UEFA, após uma eliminação nas quartas (contra o Dukla Praga)[14] e outra nas oitavas (contra um futuro rival de Cruijff, o Real Madrid) o Ajax chegou à final em 1969. No caminho, eliminou o vice-campeão anterior,[15] o forte Benfica de Eusébio, mas perdeu a decisão para Milan.[16] Para piorar, o arquirrival Feijenoord trouxe a mais importante taça europeia de clubes pela primeira vez para os Países Baixos, em 1970. Cruijff, Michels e o Ajax responderam logo na edição seguinte, igualando o rival e superando-o em seguida: foram três títulos consecutivos, nas edições de 1971, 1972 (ano em que ele foi pela segunda vez artilheiro do campeonato, e em que o time ganhou todos os torneios importantes que disputou) e 1973,[17] respectivamente contra o Panathinaikos (time então treinado pelo lendário Ferenc Puskás),[18] Internazionale [19] e Juventus (tendo passado no caminho também pelo posterior igualmente tricampeão seguido Bayern Munique e pelo Real Madrid).[20] Pelos títulos de 1971 e 1973, seria premiado com a Bola de Ouro da France Football, sendo o primeiro neerlandês a recebê-la.[21]

Os dois últimos títulos europeus foram já sem Michels, que saíra para o Barcelona após a primeira conquista continental.[22] O Ajax também venceu a Copa Intercontinental de 1972, sobre o Independiente, derrotando os argentinos por 3 x 0 em Amsterdã após sair de Avellaneda com um empate de 1 x 1, com um gol dele.[23] O clube não venceu outras Intercontinentais pois declinou em participar: a anterior, de 1971, foi o Panathinaikos quem enfrentou os uruguaios do Nacional;[24] em 1973, quando a disputa seria outra vez contra o Independiente, o Ajax voltou a ceder a vaga para o vice-campeão europeu, desta vez a Juventus.[25]

Cruijff então estava liderando sozinho um time de bairro que, dono de um estádio pequeno até para as segundas divisões da Itália ou Espanha e cujos jogadores não ganhavam mais do que um bom lojista, vinha reinventando o futebol. Após o título de 1973, entretanto, decidiu sair do clube, vítima do próprio poder que ajudara a deixar nas mãos dos jogadores: seus colegas decidiram que o novo capitão do clube seria Piet Keizer. Cruijff iria então para onde estava Michels, o homem que o compreendera: o Barcelona.[8]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Chegou ao Barça na negociação mais cara do futebol até então,[7] por cinco milhões de florins, preço tão alto que o governo espanhol não aprovou a transferência. Só conseguiu ser levado porque foi registrado oficialmente como uma peça de máquina de agricultura.[8] Cruijff justificou o alto investimento: marcou duas vezes na estreia e reconduziu o Barça a um título espanhol que não vinha havia 14 anos, quando ainda jogavam pelo clube Luis Suárez, László Kubala, Zoltán Czibor, Sándor Kocsis e Evaristo.[26]

Eleito o melhor jogador do campeonato, receberia sua terceira Bola de Ouro pelo feito.[21] A temporada fora em estado de graça também por ele ter conseguido, paralelamente, classificar a Seleção Neerlandesa à Copa do Mundo de 1974 - os Países Baixos não disputavam o torneio desde a sua segunda participação, na edição de 1938. Se a primeira temporada foi mágica, as seguintes lhe seriam estressantes,[8] apesar da companhia de seu ex-colega de Ajax e Seleção Johan Neeskens, trazido ao clube após o mundial de 1974. Em 1975, 1976 e 1978, o campeão foi o Real Madrid, sempre com pelo menos cinco pontos de vantagem. Na única temporada em que os merengues estiveram mal, quando terminaram em nono, o Barça perdeu a taça por um ponto para o outro time da capital, o Atlético de Madrid.[27]

Fora o título espanhol de 1974, a outra única conquista de Cruijff com o Barcelona viria em 1978, quando levantou a Copa do Rei,[28] para logo depois aposentar-se - sequer iria à Copa do Mundo de 1978 -, cansado da violência dos gramados espanhóis, onde chegou a ter uma perna quebrada.[7] "Se você não se diverte, não aguenta a pressão", justificou.[8]

Volta aos gramados[editar | editar código-fonte]

Cruijff perto da aposentadoria definitiva, em 1982

Fizera sua despedida em outubro de 1978, com a camisa do Ajax, em amistoso contra o clube que havia sido o sucessor imediato da equipe na hegemonia da Copa dos Campeões: o Bayern Munique, que conquistaria o troféu também três vezes seguidas após o último do Ajax.[17] Os alemães venceriam por 8 x 0. Este acabaria, entretanto, sendo um final provisório: em virtude de investimentos desastrosos em criações de porcos, que o fariam perder milhões, Cruijff se viu forçado a voltar a jogar.[8]

Escolheu o futebol dos Estados Unidos, onde poderia viver tranquilo, no anonimato. Passaria dois anos nos EUA, onde defendeu primeiramente o Los Angeles Aztecs, onde foi novamente treinado por Michels; e depois o Washington Diplomats. Vestiria também a camisa do New York Cosmos em amistoso de exibição. Mesmo no futebol mais calmo da liga estadunidense, foi mal humorado, enlouquecendo colegas e outros técnicos; certa vez, após seu técnico no Diplomats ter feito a preleção, Cruijff simplesmente levantou-se, limpou o quadro-negro e disse: "é claro que faremos tudo diferente disso". Um dos jogadores do Dips teria dito que o clube, ao contratar o neerlandês, deveria ter pago também por um estoque de algodão para que todos ali tivessem algo mais para tapar os ouvidos.[8]

Voltou a se apaixonar pelo esporte, mas cansou-se dos EUA, onde, excluído do grupo no Diplomats, anunciara que se limitaria apenas a fazer gols (e os fez). Regressou brevemente à Espanha, onde vestiu novamente um manto azul e grená, mas não o do Barcelona e sim o do pequeno Levante, de Valência,[7] que estava na segunda divisão. Contudo, não teve sucesso: a equipe teve dívidas aumentadas e caiu de produção. Cruijff ainda participou de um jogo pelo Milan em torneio amistoso organizado por Silvio Berlusconi, mas saiu vaiado após atuação apagada por conta, segundo ele, de lesão comunicada previamente aos dirigentes milanistas, mas consentidas por estes.[29] Sem se fincar no Milan, retornou aos Países Baixos e ao Ajax. Enfrentou ceticismo não só por nunca ter sido uma unanimidade em casa (onde era acusado de "desbocado" e "dinheirista" - houve relatos de que ele cobrava para dar autógrafos [11] ), mas também pela idade de 34 anos e seu físico já alquebrado.[8]

A resposta veio em sua reestreia, em que passou por dois zagueiros e encobriu o goleiro do Haarlem. O público lotava os estádios para o ver, acreditando que estava perto da aposentadoria, e as câmeras de TV muitas vezes não conseguiam seguir suas jogadas fulminantes.[8] Em suas duas temporadas no retorno ao Ajax, seria campeão neerlandês [12] (e na segunda, também campeão da Copa nacional),[13] convivendo com os jovens Marco van Basten e Frank Rijkaard. A primeira vez em que Van Basten entrou em campo profissionalmente foi inclusive substituindo Cruijff na partida.[30]

Também causou furor ao inventar a cobrança em dois lances de um pênalti: em outra partida, ao cobrar a penalidade, apenas tocou a bola para a frente, deslocando o goleiro enquanto um companheiro corria atrás da bola para repassar-lhe para que concluísse sem obstáculos para as redes. Outro lance foi de calcanhar: Cruijff certa vez avançou em direção ao gol e o goleiro adiantava-se para tentar bloquear-lhe; Cruijff então virou-se e passou a correr em direção ao próprio campo, sendo seguido pelo goleiro até perto do meio-de-campo, quando este então percebera que em algum momento Cruijff chutara para as redes sem interromper seu passo.[8]

Feyenoord[editar | editar código-fonte]

Depois de duas temporadas, porém, Cruijff foi despedido do clube depois do segundo título seguido no campeonato por se recusarem a lhe pagar o que queria,[8] pois já o consideravam velho demais. Aos 36 anos, preparou sua vingança,[31] firmando contrato com o rival Feyenoord. No time de Roterdã, jogando sua última temporada profissional, ele, convivendo agora com um jovem Ruud Gullit, ganharia pela terceira vez seguida a Eredivisie, quebrando um jejum de dez anos do novo clube no campeonato nacional,[12] e venceria também a Copa dos Países Baixos.[13] Seriam os únicos troféus oficiais do Feyenoord na década de 1980 - a equipe só voltaria a faturar a Copa em 1991, e o campeonato, em 1993.[12] [13]

Desde 1996, doze anos após sua aposentadoria, um troféu que leva seu nome seria criado pela Real Associação de Futebol dos Países Baixos, sendo entregue ao vencedor da partida entre os campeões do campeonato e da Copa nacionais.[32]

Seleção[editar | editar código-fonte]

Estreou pelos Países Baixos em 1966, aos dezenove anos, em jogo contra a ainda respeitada Hungria, em partida válida pelas eliminatórias para a Eurocopa 1968, logo marcando um gol.[6] Cruijff transfomaria a Seleção Neerlandesa, então modesta, em uma potência mundial.[7] Mas isso ainda demoraria a ocorrer: o país não se classificaria para as fases finais da própria Euro 1968 [33] e também da de 1972,[34] e o mesmo para a da Copa do Mundo de 1970 - cujas eliminatórias deram-se em um período em que ele ainda não havia se firmado na Oranje, que, para o mundial do México, perdeu a vaga para a Bulgária.[35]

Com a base titular da Seleção formada pelos jogadores dos continentalmente vitoriosos Feyenoord (Wim Jansen, Willem van Hanegem e Wim Rijsbergen) e Ajax (Arie Haan, Ruud Krol, Johan Neeskens, Johnny Rep e Wim Suurbier, além do próprio Cruijff, já barcelonista no mundial), que no período entre 1970 e 1974 deixaram a taça da Copa dos Campeões da UEFA nos Países Baixos,[17] o conjunto, ainda que desunido - os jogadores de um time não costumavam conversar com os do rival,[36] e Cruijff não esconderia isso no livro Futebol Total, que ele publicaria ainda naquele ano [37] - finalmente obteve a classificação para a Copa do Mundo de 1974. Cruijff, já treinado por Rinus Michels no Barcelona, o seria também na Oranje na competição. O treinador não hesitou em transportar para a Seleção o rodízio que funcionara bem no Ajax de ambos. O chamado "futebol total" do Ajax transfomar-se-ia para os olhos do mundo no "Carrossel Holandês" no torneio:[7] um grupo de grande talento que trouxe inovações para a época como a valorização da troca de passes e posse de bola, a linha defensiva de impedimento e marcação firme,[38] tentando roubar a bola ainda na intermediária adversária.[39]

Cruijff era um jogador à parte no elenco laranja (cuja equipe-base era formada também pelo goleiro Jan Jongbloed e pelo atacante Rob Rensenbrink, de outros clubes), o que se traduzia inclusive no uniforme: enquanto a numeração do restante do elenco foi escolhida conforme a ordem alfabética neerlandesa dos sobrenomes, fazendo o goleiro titular Jongbloed jogar com o número 8, Cruijff pôde utilizar o seu número favorito, o 14. E, mais visivelmente, enquanto os demais jogadores exibiam as três listras laterais da Adidas (saída encontrada pela empresa para a sua divulgação, uma vez que logomarcas ainda eram proibidas de serem estampadas nas camisas), as roupas dele continham apenas duas, imposição de sua patrocinadora particular (uma então novidade), a rival Puma.[40]

Lance do jogo Países Baixos x Alemanha Oriental, na segunda fase da Copa do Mundo de 1974. Cruijff, com seu número 14 e a braçadeira de capitão, é o quarto jogador neerlandês da esquerda para a direita. Todos os colegas exibiam as três listras laterais da Adidas, ao contrário dele

O espírito um tanto "mercenário" não foi uma exclusividade sua na Copa, contagiando todo o elenco, que passava mais tempo discutindo termos, condições e prêmios do que debatendo sobre táticas.[36] Mesmo um dos únicos que não reclamaram do já alto prêmio de 25 mil florins dado aos jogadores pela classificação à final, Neeskens, declararia que seu objetivo no mundial era melhorar a própria cotação "no mercado futebolístico internacional".[7] Um dos motivos para que Jan van Beveren, goleiro do PSV Eindhoven na época e tido como o melhor neerlandês da história na posição, ficasse de fora da Copa, mesmo tendo sido o titular nas eliminatórias, foi justamente as suas críticas a esse comportamento de seus colegas, sendo ainda grande desafeto de Cruijff.[41]

No mundial, o país lideraria seu grupo na primeira fase após vencer Uruguai (2 x 0) e Bulgária (4 x 1, uma vingança contra a seleção que havia tirado a vaga nos neerlandeses no mundial anterior) e empatado em 0 x 0 com a Suécia - em que ele passou a bola por trás de suas pernas após ameaçar cruzar, deixando o zagueiro sueco que tentara impedir o suposto cruzamento, Jan Olsson, chutar o ar.[8] O sistema tático também assombrava: enquanto os demais times ainda utilizavam posições fixas, era possível ver o ponta-esquerdo Rep atuando defensivamente na marcação do lado direito, o lateral Krol avançando ao ataque ou o meia ofensivo Haan jogando na zaga, o que desnorteava os marcadores adversários. Neeskens, teoricamente o jogador com mais tarefas defensivas no time, além de fechar espaços aos oponentes, também mostrava habilidade para iniciar ataques.[38]

A segunda fase (também disputada em grupos de quatro países, e não em mata-matas) seria mais avassaladora. Cruijff marcaria pela primeira vez, fazendo dois gols na primeira partida, contra a Argentina, que levou de 0 x 4. Os neerlandeses depois venceriam a Alemanha Oriental por 2 x 0, chegando à última rodada com a vantagem do empate contra o detentor do título, o Brasil (que tinha menor saldo de gols, tendo vencido os mesmos adversários por 2 x 1 e 1 x 0, respectivamente). Em uma verdadeira batalha campal,[36] a "Laranja Mecânica" aniquilaria os campeões por 2 x 0, com Cruijff dando assistência para o primeiro gol (de Johan Neeskens) e marcando o segundo,[7] e a Seleção Neerlandesa tornava-se a primeira a vencer em uma Copa as três potências sul-americanas.[8] A final seria contra os anfitriões, outros alemães, os da Alemanha Ocidental.[7]

A Seleção Neerlandesa enfileirada antes do início da final da Copa de 1974. Cruijff é o último jogador, da esquerda para a direita. Os demais jogadores foram numerados por ordem alfabética - ao seu lado, pode-se ver o goleiro Jan Jongbloed com o número 8.

Mal dado o início da partida, Cruijff correu com a bola, após um minuto em que ela esteve de posse ininterrupta dos visitantes, até ser derrubado por Uli Hoeneß na entrada da área alemã, cavando pênalti inexistente que seria convertido por Neeskens. Os neerlandeses mantiveram uma pressão inicial, buscando pegar a bola já na defesa alemã, deixando inclusive Franz Beckenbauer sem alternativas a partir do meio de campo em certos momentos.[39] No restante do jogo, porém, Cruijff deixar-se-ia anular facilmente por Berti Vogts e os alemães conseguiriam virar a partida e ficar com a taça. A explicação para a sua atuação aquém do esperado estava na bastante mal-dormida noite anterior: Cruijff, que prezava a família segura que perdera aos doze anos, passara a véspera da partida procurando convencer sua esposa, Danny, de que era falsa a notícia divulgada pelo jornal alemão Bild-Zeitung de que ele teria feito festa no hotel regada a champagne e garotas de programa. A derrota não abalou sua característica rebeldia e petulância: chegou a pedir para a rainha Juliana dos Países Baixos, ao encontrá-la na recepção real aos vice-campeões mundiais, que reduzisse os impostos.[8]

No livro Futebol Total, ainda em 1974, Cruijff antecipou que não iria para a Copa do Mundo de 1978. Porém, continuou a atuar pelos Países Baixos até meses antes do torneio, o que incluiu participação na Eurocopa 1976 (onde ficou em terceiro) e nas eliminatórias para o que teria sido seu segundo mundial.[6] Mas, de fato, acabou não indo à Argentina, o que foi por muito tempo interpretado como um protesto à ditadura militar naquele país;[42] trinta anos depois, foi revelado o real motivo: ele afirmou que, já em 1978, sofrera uma tentativa de sequestro e, temendo novos ataques, contratou seguranças particulares por um ano e meio.[42] A confusão conjugal que tivera pouco antes da final de 1974 também teria-lhe motivado a não ir para a Copa de 1978; um dos livros escritos sobre a Seleção Neerlandesa de 1974 defende que o incidente reportado pelo Bild teria sido decisivo para a perda daquela Copa e também da de 1978, por Cruijff não ter ido a esta.[8]

Jogos[editar | editar código-fonte]

A tabela abaixo resume as aparições de Johan Cruijff pela Seleção Neerlandesa.[6]

# Data Competição Local Adversário Placar Gols(s)
1 7 de setembro de 1966 Eliminatórias da
Eurocopa 1968
Roterdã Flag of Hungary.svg Hungria Symbol neutral vote.svg 2-2 1
2 6 de novembro de 1966 Amistoso Amsterdã Flag of Czechoslovakia.svg Tchecoslováquia Symbol oppose vote.svg 1-2 0
3 13 de setembro de 1967 Eliminatórias da
Eurocopa 1968
Amsterdã Flag of East Germany.svg Alemanha Oriental Symbol support vote.svg 1-0 1
4 4 de outubro de 1967 Eliminatórias da
Eurocopa 1968
Copenhague Flag of Denmark.svg Dinamarca Symbol oppose vote.svg 2-3 0
5 1 de novembro de 1967 Amistoso Roterdã Flag of SFR Yugoslavia.svg Iugoslávia Symbol oppose vote.svg 1-2 0
6 1 de maio de 1968 Amistoso Varsóvia Flag of Poland.svg Polônia Symbol neutral vote.svg 0-0 0
7 26 de março de 1969 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1970
Roterdã Flag of Luxembourg.svg Luxemburgo Symbol support vote.svg 4-0 1
8 7 de setembro de 1969 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1970
Roterdã Flag of Poland.svg Polônia Symbol oppose vote.svg 1-2 0
9 5 de novembro de 1969 Amistoso Amsterdã Flag of England.svg Inglaterra Symbol oppose vote.svg 0-1 0
10 14 de janeiro de 1970 Amistoso Londres Flag of England.svg Inglaterra Symbol neutral vote.svg 0-0 0
11 2 de dezembro de 1970 Amistoso Amsterdã Flag of Romania (1965-1989).svg Romênia Symbol support vote.svg 2-0 2
12 24 de fevereiro de 1971 Eliminatórias da
Eurocopa 1972
Roterdã Flag of Luxembourg.svg Luxemburgo Symbol support vote.svg 6-0 2
13 10 de outubro de 1971 Eliminatórias da
Eurocopa 1972
Roterdã Flag of East Germany.svg Alemanha Oriental Symbol support vote.svg 3-2 0
14 17 de novembro de 1971 Eliminatórias da
Eurocopa 1972
Eindhoven Flag of Luxembourg.svg Luxemburgo Symbol support vote.svg 8-0 3
15 1 de dezembro de 1971 Amistoso Amsterdã Flag of Scotland.svg Escócia Symbol support vote.svg 2-1 1
16 16 de fevereiro de 1972 Amistoso Atenas Flag of Greece.svg Grécia Symbol support vote.svg 5-0 2
17 3 de maio de 1972 Amistoso Roterdã Flag of Peru.svg Peru Symbol support vote.svg 3-0 0
18 30 de agosto de 1972 Amistoso Praga Flag of Czechoslovakia.svg Tchecoslováquia Symbol support vote.svg 2-1 1
19 1 de novembro de 1972 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Roterdã Flag of Norway.svg Noruega Symbol support vote.svg 9-0 2
20 19 de novembro de 1972 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Antuérpia Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol neutral vote.svg 0-0 0
21 2 de fevereiro de 1973 Amistoso Amsterdã Flag of Spain (1945 - 1977).svg Espanha Symbol support vote.svg 3-2 1
22 22 de agosto de 1973 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Amsterdã Flag of Iceland.svg Islândia Symbol support vote.svg 5-0 2
23 29 de agosto de 1973 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Deventer Flag of Iceland.svg Islândia Symbol support vote.svg 8-1 2
24 12 de setembro de 1973 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Oslo Flag of Norway.svg Noruega Symbol support vote.svg 2-1 1
25 10 de outubro de 1973 Amistoso Roterdã Flag of Poland.svg Polônia Symbol neutral vote.svg 1-1 0
26 18 de novembro de 1973 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1974
Amsterdã Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol neutral vote.svg 0-0 0
27 27 de março de 1974 Amistoso Roterdã Flag of Austria.svg Áustria Symbol neutral vote.svg 1-1 0
28 26 de maio de 1974 Amistoso Amsterdã Flag of Argentina.svg Argentina Symbol support vote.svg 4-1 0
29 15 de junho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Hanôver Flag of Uruguay.svg Uruguai Symbol support vote.svg 2-0 0
30 19 de junho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Dortmund Flag of Sweden.svg Suécia Symbol neutral vote.svg 0-0 0
31 23 de junho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Dortmund Flag of Bulgaria (1971-1990).svg Bulgária Symbol support vote.svg 4-1 0
32 26 de junho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Gelsenkirchen Flag of Argentina.svg Argentina Symbol support vote.svg 4-0 2
33 30 de junho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Gelsenkirchen Flag of East Germany.svg Alemanha Oriental Symbol support vote.svg 2-0 0
34 3 de julho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Dortmund Flag of Brazil (1968-1992).svg Brasil Symbol support vote.svg 2-0 1
35 7 de julho de 1974 Copa do Mundo de 1974 Munique Flag of Germany.svg Alemanha Ocidental Symbol oppose vote.svg 1-2 0
36 4 de setembro de 1974 Amistoso Estocolmo Flag of Sweden.svg Suécia Symbol support vote.svg 5-1 1
37 25 de setembro de 1974 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Helsinque Flag of Finland.svg Finlândia Symbol support vote.svg 3-1 2
38 20 de novembro de 1974 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Roterdã Flag of Italy.svg Itália Symbol support vote.svg 3-1 2
39 10 de setembro de 1975 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Chorzów Flag of Poland.svg Polônia Symbol oppose vote.svg 1-4 0
40 15 de outubro de 1975 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Amsterdã Flag of Poland.svg Polônia Symbol support vote.svg 3-0 0
41 25 de abril de 1976 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Roterdã Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol support vote.svg 5-0 0
42 22 de maio de 1976 Eliminatórias da
Eurocopa 1976
Bruxelas Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol support vote.svg 2-1 1
43 16 de junho de 1976 Eurocopa 1976 Zagreb Flag of Czechoslovakia.svg Tchecoslováquia Symbol oppose vote.svg 1-3 0
44 13 de outubro de 1976 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1978
Roterdã Ulster banner.svg Irlanda do Norte Symbol neutral vote.svg 2-2 1
45 9 de fevereiro de 1977 Amistoso Londres Flag of England.svg Inglaterra Symbol support vote.svg 2-0 0
46 26 de março de 1977 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1978
Antuérpia Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol support vote.svg 2-0 1
47 12 de outubro de 1977 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1978
Belfast Ulster banner.svg Irlanda do Norte Symbol support vote.svg 1-0 0
48 26 de outubro de 1977 Eliminatórias da
Copa do Mundo de 1978
Amsterdã Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Symbol support vote.svg 1-0 0
Total 33

Pela Catalunha[editar | editar código-fonte]

Cruijff chegou a realizar uma partida pela Seleção Catalã, da qual posteriormente tornaria-se treinador. O jogo realizou-se em 9 de junho de 1976; embora Francisco Franco tenha morrido no ano anterior, a Catalunha só voltaria a realizar uma partida em 1993.[5] A partida foi contra outra seleção não-oficial, a da República Socialista Soviética da Rússia, encerrando-se em um empate em 1 x 1 no Camp Nou.[4] [5] Cruijff atuou ao lado de pelo menos dois outros não-catalães, sequer espanhóis: o compatriota e colega de Barcelona Johan Neeskens (autor do gol da Catalunha) e o chileno Carlos Caszely, do Español.[4] O filho de Cruijff, Jordi, acabaria tornando-se figura bastante presente nesta seleção.[5]

# Data Competição Local Adversário Placar Gols(s)
1 9 de junho de 1976 Amistoso Barcelona Flag of Russian SFSR.svg Rússia Symbol neutral vote.svg 1-1 0

Como técnico[editar | editar código-fonte]

Imagem atual de Cruijff, em 2009.

Na nova função, obteve sucesso. Dois anos após parar de jogar, pelo Feyenoord, voltou ao Ajax para comandar seu ex-clube à beira do gramado. Ficaria por duas temporadas, mas não conquistaria o campeonato neerlandês no período, em que o clube hegemônico nele foi o PSV Eindhoven.[12] Tentou reintroduzir o estilo do "futebol total", mas só confundiu os jogadores, já desabituados com o sistema. Não escondia que priorizava desenvolver novamente o futebol do clube, desde as divisões de base, a ganhar logo títulos.[8] Ainda assim, comandou Van Basten, Rijkaard e o jovem Dennis Bergkamp na conquista da Recopa Europeia de 1987,[43] faturando também as Copas nacionais do mesmo ano e do anterior. Van Basten marcou o gol do título europeu após ouvir dizeres nada sutis do técnico: "se você não vencer, eu destruo você".[44]

No ano seguinte, os Países Baixos finalmente conquistariam um torneio, a Eurocopa 1988, sob o comando de Rinus Michels, o método conjunto de ambos e jogadores que haviam jogado com Cruijff, dentre eles o trio Gullit-Van Basten-Rijkaard. Talvez por isso tenha sido contratado em 1988 por seu outro ex-clube, o Barcelona. Planejou nos blaugranas o mesmo trabalho desde as divisões de base que fizera no Ajax, priorizando a aprendizagem dos jogadores em vez da obtenção de resultados imediatos.[8] Sua maior crise no período em que ficaria no Barça não seria resultados dos gramados e sim um infarto que quase o matou, em 1991, muito provavelmente consequência dos cigarros que inveteradamente fumava; o ataque o obrigou a implantar pontes de safena.[7]

No Barcelona, ficaria oito anos, quebrando o recorde de permanência no cargo.[7] Os frutos no Espanhol vieram a partir da terceira temporada. Decadente no torneio nos anos 1980, em que o conquistara apenas uma vez (em 1985), com Cruijff o Barça levaria a liga quatro vezes seguidas, a partir de 1991.[26] Antes disso, a equipe já havia levado a Copa do Rei de 1990 e,[28] no ano anterior, a Recopa Europeia.[45] Em 1992, o clube seria pela primeira vez campeão da Copa dos Campeões da UEFA, batendo na final a Sampdoria, o mesmo adversário vencido três anos antes na Recopa.[45] O único gol foi marcado por um compatriota trazido por ele, Ronald Koeman.[46]

Dois anos depois, com outro reforço trazido por ele do futebol neerlandês (ninguém menos que Romário, que jogava no PSV), o clube teve a oportunidade do bi contra outros italianos, os do Milan, que levara a melhor na Supercopa Europeia de 1989. Favorito, o time de Cruijff acabaria goleado por 0 x 4.[47] O Barcelona não voltaria mais a ganhar títulos por um tempo [8] e ele acabaria saindo em 1996, não sem antes afastar do clube o próprio Romário e o búlgaro Hristo Stoichkov, cujas personalidades também fortes foram de encontro com a dele.[7] Outras estrelas mundiais que saíram, por não se adequarem ao posicionamento que Cruijff escolhia para elas, foram o inglês Gary Lineker (em 1989)[48] e o romeno Gheorghe Hagi (em 1996).[49] O dinamarquês Michael Laudrup foi outro a se aborrecer com o técnico, por ter sido o estrangeiro escolhido para não ser escalado na final da Liga dos Campeões de 1994 (devido ao limite de três estrangeiros existente na época, Cruijff teve de usar apenas Romário, Stoichkov e Koeman [47] ), aceitando logo depois proposta do Real Madrid.[50]

Em meio ao seu período de glórias como técnico do Barcelona, Cruijff chegou a ser chamado para treinar os Países Baixos na Copa do Mundo de 1994, mas achou a oferta pouco atrativa e recusou. Sua saída do cargo de técnico do Barcelona foi turbulenta: quando soube que seria substituído, jogou uma cadeira na porta do escritório do cúpula barcelonista e vociferou que "Deus o punirá por esta ação, da mesma forma que o puniu antes!", em referência a um neto recém-falecido do presidente. A despeito da saída conturbada, sua influência é mais forte no ali do que na terra de origem, o que inclui seu poder nos bastidores: o clube contratou Frank Rijkaard em 2003 por indicação dele.[8] Mesmo sem o mesmo reconhecimento nos Países Baixos, sua bênção também foi aceita na Seleção Neerlandesa, que contratou outro pupilo seu, Van Basten, como técnico em 2004.[51]

Em novembro de 2009, acertou sua volta à função, agora como técnico da Catalunha,[52] cuja seleção não é reconhecida pela FIFA e costuma fazer partidas apenas anuais. Em seu primeiro jogo, o treinador obteve um ótimo resultado, vendo a Seleção Catalã vencer a Argentina por 4 x 2.[53] Deixou o comando da equipe em janeiro de 2013, sua despedida foi em amistoso contra a Nigéria no Estádio Cornellà-El Prat, em Barcelona.[54]

Legado[editar | editar código-fonte]

Países Baixos[editar | editar código-fonte]

No futebol dos Países Baixos, há o antes e o depois de Cruijff. Graças à geração simbolizada por ele, a Seleção Neerlandesa tornou-se uma das mais respeitadas do mundo. Atualmente, entretanto, não é nas ideias dele que o jogo da Oranje se baseia. Arthur van den Boogard, cronista esportivo do país, chamou isso de "pós-Cruijff".[51] O revolucionário, que já não era uma unanimidade, teve sua imagem sendo abalada conforme seus pensamentos não vinham mais se adequando à realidade do futebol atual, como a falta de necessidade de alas. Também perdeu popularidade como comentarista esportivo nos programas televisivos do país, função que desempenhara com sucesso na década de 1990.[7] [8]

Sua obsessão pelo bem-estar do futebol nacional fez Cruijff chegar ao extremo de fazer declarações de repúdio à então ministra da imigração do país, Rita Verdonk. Conhecida por sua política restrita na concessão da cidadania neerlandesa, a ministra não a concedeu a Salomon Kalou. Às vésperas da Copa do Mundo de 2006, o jogador vinha recusando as convocações de seu país natal, a Costa do Marfim - classificada para o mundial e que contava com seu irmão, Bonaventure - pois desejava atuar pelos Países Baixos, mas para isso necessitava de um processo acelerado para poder naturalizar-se. Apesar dos apelos do técnico Marco van Basten, que via nele uma boa alternativa a Arjen Robben e Robin van Persie, a ministra declinou, Kalou ficou de fora da Copa e posteriormente decidiu aceitar a Seleção Marfinense. Cruijff culparia Verdonk quando os neerlandeses foram eliminados: "Quero dizer que um ministro está a serviço do interesse do país, e está claro que ela (Verdonk) não fez isso".[55] [56]

Sua reputação ainda piorou após uma breve passagem na direção do Ajax, em fevereiro de 2008, um ano após ter sido homenageado no clube com a aposentadoria da camisa 14, que ele utilizava.[2] Cruijff apareceu proclamando-se o salvador do time, gerando uma onda de comoção. Toda a direção do clube renunciaria no dia seguinte, deixando o Ajax nas mãos do ex-craque. Com a ideia de novamente reorganizar o clube desde as categorias de base do time, pediu a demissão de todos os responsáveis pela queda de prestígio delas. Ao fazer isso, acabou desentendendo-se com o pupilo Marco van Basten, chamado por ele para ser o técnico do elenco principal. Cruijff então concluiu, dezessete dias após sua manifestação, que não tinha mais nada a fazer no clube.[51]

A preocupação dele em relação aos rumos das categorias inferiores tinha fundamento: o Ajax havia parado de revelar talentos na quantidade e qualidade que havia no início da década de 1990, quando colheu os frutos da organização profunda feita por Cruijff; boa parte do time que conquistou a Liga dos Campeões da UEFA de 1995 (o quarto e último título do clube no torneio, que ganhou o novo nome em 1993) era formada por jovens que estavam nas divisões de base que ele tanto priorizou quando técnico. Quem sobrevivia às loucuras de Cruijff - ele, por exemplo, chegou a usar atacantes natos como Dennis Bergkamp na zaga para fazê-los aprender como o adversário pensa, e também trouxe um tenor para ensinar uma melhor respiração aos jogadores [8] - parecia destinado a ter destaque futuro: do time campeão europeu naquele ano, haviam sido formados no clube no período dele na comissão técnica Michael Reiziger, os irmãos Frank e Ronald de Boer, Clarence Seedorf, Edgar Davids e Patrick Kluivert (que revelou ter passado pela mesma situação de Bergkamp[57] ). Outra joia da casa era Frank Rijkaard, de volta após não ter aguentado na época os pensamentos do técnico.[8]

Seu desprezo pelo futebol sem espetáculo faria com que ele, desgostoso com o rumo tomado pelo futebol neerlandês, declarasse que iria torcer contra o próprio país na final da Copa do Mundo de 2010.[58] O adversário foi a Espanha, repleta de jogadores do Barcelona e aproveitando-se da filosofia deste clube - ambos promovidos por Cruijff anos antes.[59]

No final de março de 2011, o que ele provocara três anos antes no Ajax voltou a acontecer: toda a diretoria, incluindo o presidente do clube, entregou seus cargos por discussões com Cruijff. Ele clamava por uma radical reestruturação no organograma da instituição, com decisiva participação de ex-jogadores do time. Desta vez, obteve apoio deles - Frank de Boer, Dennis Bergkamp, Wim Jonk (que cuidariam em conjunto da reformulação técnica da equipe), Danny Blind (técnico que seria realocado), Aron Winter, Barry Hulshoff, Keje Molenaar e Peter Boeve (que já haviam sido eleitos para o conselho deliberativo por pressão de Cruijff).[60]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Cruijff nas tribunas do Camp Nou, em 2009.

Se o Ajax deixara os projetos iniciados por Cruijff de lado, no Barcelona, onde ele procurou realizar a mesma obra, foi diferente: atualmente, a academia barcelonista conta com doze equipes, cada uma com até 24 jogadores. A maioria dos técnicos são licenciados pela UEFA para dirigir as categorias inferiores do Barça, consideradas as maiores produtoras de jogadores de alto nível, chegando a levar até 15 anos para formar um atleta. "Talvez o maior legado de Cruijff seja a metodologia que ele trouxe para o clube", disse José Ramón Alexanko, membro do chamado Dream Team campeão europeu sob o comando dele em 1992.[59] Segundo o próprio Cruijff, a filosofia a ser seguida era a de que, como há sempre uma pessoa por trás do jogador, ela "precisa ser educada na técnica do jogo, no caráter e na inteligência".[61]

De acordo com Alexanko, o Barcelona continua a procurar jogadores "pela excelência técnica, força mental, ritmo e rapidez de raciocínio em campo. A maioria dos jogadores que cabe nessa categoria já está jogando como atacante e nós depois os transformamos em zagueiros, geralmente quando eles têm 16 anos (…). Um jogador também deve amar o distintivo do clube, as cores da camiseta".[59] Jorge Valdano, diretor de esportes do arquirrival Real Madrid, declarou que "Cruijff deixou no Barcelona um testamento ideológico, trabalhado sobre o gosto futebolístico do espectador, a quem ele educou. (...) A ponto de que hoje é impossível triunfar no Barcelona sem jogar bem o futebol. Em Barcelona, ele é como o oráculo."[3]

Josep Guardiola, um dos garotos levados diretamente por Cruijff ao time principal e também integrante do mesmo elenco campeão, sintetizou a metodologia do ex-técnico:

Cquote1.svg "os jogadores têm de pensar rápido e jogar com inteligência, sempre sabendo qual será o próximo passe (…). É assim que aprendemos a jogar e que o público espera que joguemos: de forma atraente, mas sem perder a eficiência (…). Cruijff (…) nos ensinou a jogar movimentando a bola rapidamente. Ele só usava jogadores de grande técnica. Quando procuramos por jogadores, ainda queremos essas qualidades".[59] Cquote2.svg

Dentre outros levados diretamente por Cruijff (que inauguraria também a boa relação do clube com futebolistas e técnicos neerlandeses) ao time principal, os mais famosos são Albert Ferrer, Carles Busquets, Thomas Christiansen e Sergi Barjuan, além de seu filho Jordi Cruijff. Com o progresso das canteiras do clube iniciado por ele, o Barcelona lançaria após a sua saída também Carles Puyol, Pepe Reina, Thiago Motta, Albert Luque, Xavi Hernández, Andrés Iniesta, Víctor Valdés, Oleguer Presas, Lionel Messi, Cesc Fàbregas, Gerard López, Mikel Arteta, Luis García, Giovani dos Santos, Bojan Krkić, Gerard Piqué, Fran Mérida, Sergio Busquets, Pedro, dentre outros.[59] Guardiola tornaria-se técnico de grande sucesso comandando alguns destes jovens, promovendo um jogo ofensivo e de toques de bola independentemente da força do adversário e do local da partida, no que ele atribui aos ensinamentos que teve do neerlandês: "Ele foi a bandeira. Agora que essa ideia está instaurada, o difícil é mantê-la, mas a culpa de tudo isso é do Cruijff".[62]

A Seleção Espanhola de Futebol seria campeã da Copa do Mundo de 2010 utilizando como base os jogadores e a filosofia da posse de bola do Barcelona (Puyol, Xavi, Iniesta, Piqué, Valdés, Busquets, Pedro, Fàbregas e Reina estiveram no elenco campeão;[63] os quatro primeiros foram titulares, e Puyol - na semifinal - e Iniesta - na final - marcaram os gols decisivos [64] ), promovidos por ele, a ponto de dizer-se que tal estilo de jogo, do Barcelona e da Espanha, seriam uma versão latina da Laranja Mecânica de 1974.[61]

Também em 2010, a cúpula do Barcelona, em reconhecimento aos serviços prestados por Cruijff tanto como jogador quanto como técnico e consultor, nomeou-lhe presidente de honra da instituição.[65] Todavia, a honraria lhe foi retirada meses depois, pelo recém-eleito presidente do clube, Sandro Rosell. Rosell justificou-se que a decisão do mandatário anterior, Joan Laporta, fora antidemocrática, sem consulta aos sócios.[66]

Além dos gramados[editar | editar código-fonte]

Cruijff batizou um planetóide, o de número 14282.[67] Em 8 de julho de 1974, semanas após o vice-campeonato na Copa do Mundo de 1974, Cruijff foi condecorado com a classe de cavaleiro da Ordem da Casa de Orange.[2] Ele também é membro honorário da Real Associação de Futebol dos Países Baixos e do Ajax.[2] Foi eleito em 2004 o sexto maior neerlandês da história, estando à frente de nomes como Anne Frank, Rembrandt e Vincent van Gogh.[68]

Além do futebol, aprecia também jogar golfe.[2] Na década de 1970, ele chegou a gravar uma música de relativo sucesso nas paradas neerlandesas, "Oei Oei Oei (Dat Was Me Weer een Loei)" - em português, "Oi Oi Oi (Que belo chute)", que foi relançada após sua transferência para a Espanha, onde foi ainda mais popular.[8] Seus maiores ídolos musicais são Nat King Cole, The Beatles e Richard Clayderman. Ele é casado com Danny Coster desde antes da fama internacional, em 1968, e a considera a pessoa mais importante da vida: "Sem ela eu teria cometido tantos erros... ela me mantém no caminho certo".[2] O casal escandalizava a conservadora sociedade espanhola nos tempos franquistas, em que agiam como jovens europeus modernos, fumando e usando cabelos compridos (no caso de Cruijff) e minissaia (no caso da mulher).[3] Teve três filhos com ela: Chantal, Susila e Jordi.[2]

Também era rebelde nos campos espanhóis, desafiando árbitros e policiais. Identificou-se tanto com a cultura catalã que batizou o filho caçula com a versão local do nome de São Jorge, o santo padroeiro da região, além de viver até hoje na cidade. Fala espanhol com sotaque catalão, exagerando no som do l.[3] Ele também fala, além do neerlandês materno, inglês (que aprendeu como autodidata com os técnicos britânicos que passaram pelo Ajax na década de 1950 [8] ) e compreende catalão e alemão. "Sou um cara do mundo. (...) Por que tenho de me fechar? Eu quero abrir ao invés de fechar. É preciso ter mais visão", declarou ao ser questionado porque ainda usa mais o espanhol ao catalão em entrevistas.[3] "Não tive uma educação muito longa; tudo que aprendi foi na prática, inclusive o inglês", afirmou.[8]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Ajax[editar | editar código-fonte]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Feyenoord[editar | editar código-fonte]

Como técnico[editar | editar código-fonte]

Ajax[editar | editar código-fonte]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Títulos individuais[editar | editar código-fonte]

Citações[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Johan Cruijff

Durante a sua carreira, Cruijff também se tornou um fenômeno nacional por causa dos seus comentários, alguns dos quais se destacam pelo brilho e pura lógica. A sua forma de discurso foi chamada de "Cruijffiaans", o que pode ser traduzido como "Cruijfismos", nos Países Baixos.[8] Alguns exemplos:

  • "A Alemanha não ganhou a Copa do Mundo. Nós a perdemos".[36]
  • "Futebol é um jogo de erros. Aquele que fizer o menor erro, vence"[8] ("Voetbal is een spel van fouten. Wie de minste fouten maakt wint.")
  • "É preciso chutar para poder marcar".[8] ("Je moet schieten, anders kun je niet scoren.")
  • "Futebol é simples, mas o mais difícil é jogar futebol simples"[8] ("Voetballen is heel simpel, maar het moeilijkste wat er is, is simpel voetballen")
  • "É melhor perder usando seus próprios pontos de vista do que os dos outros"[8] ("Je kunt beter ten onder gaan met je eigen visie dan met de visie van een ander.")
  • "Se a bola está com a gente, eles não conseguem marcar gols"[8] ("Als wij de bal hebben kunnen hun niet scoren.")
  • "Se você tem de ser atropelado, é melhor que seja por uma Ferrari"[8] ("Als je moet geraakt worden, het beter een Ferrari.")
  • "Os italianos não podem vencer-nos, mas nós certamente podemos perder para eles"[8] ("Italianen kunnen niet van ons winnen, maar we kunnen wel van ze verliezen.")
  • "Toda desvantagem tem a sua vantagem"[8] ("Elk nadeel heb z'n voordeel."
  • "Para ganhar, você tem de marcar um gol a mais do que o adversário"[8] ("Om te winnen moet je 1 goal meer scoren dan je tegenstander")
  • "Eu não sou religioso. Na Espanha, todos os 22 jogadores fazem o sinal da cruz antes de entrar no campo. Se funcionasse, seria sempre empate." [8] ("Ik geloof niet. In Spanje slaan alle 22 spelers een kruisje voordat ze het veld opkomen, als het werkt, zal het dus altijd een gelijkspel worden.")
  • "o acaso é lógico" [8] ("Toeval is logisch.")

Sobre Cruijff[editar | editar código-fonte]

  • "Cruijff construiu o edifício e os técnicos do Barça que o sucederam apenas trataram de restaurá-lo e reformá-lo"[51] Josep Guardiola
  • "A escola neerlandesa de Johan Cruijff foi a melhor que eu já vi. Sempre dominando, sempre com base na própria força e nunca se adaptando ao adversário. Adoro a cultura do futebol neerlandês, (…) mas aquilo acabou (…). A beleza desapareceu" ("Die holländische Schule von Johan Cruyff war das Beste, was ich je im Fußball gesehen habe. Immer dominieren, immer auf die eigene Stärke vertrauen, sich nie dem Spiel des Gegners anpassen (…) aber sie ist verschwunden. (…) Aber die Schönheit ist verblichen.")[51] Günter Netzer
  • "Minha primeira recordação real no futebol foi no mundial de 1974, o gol de Johan Cruijff sobre o Brasil. É algo que sempre levo em mente. Cruijff me ensinou muitíssimo. Coincidi com ele em sua última temporada como jogador, no Feyenoord, no início dos anos 80. Era inteligentíssimo. Taticamente estava acima do resto.(...) Eu o olhava e pensava: 'Tem 38 anos e é muito bom. O que deve ter sido jogar com este homem quando tinha 24?' E a verdade é que nunca tive noção da resposta" Ruud Gullit[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Johan Cruyff UOL Copa do Mundo de 2010 (2010). Visitado em 3 de agosto de 2011.
  2. a b c d e f g h Johan Cruijff Soccer Legends (2005-2008). Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  3. a b c d e SETTI, Daniel (janeiro de 2011). Quem trai seu estilo nunca pode obter sucesso. ESPN n. 15. Editora Spring, pp. 44-47
  4. a b c d e FARRERAS (10/06/1976). 1-1: Gran primer tiempo en el Selección Catalana - Selección Rusa El Mundo Deportivo. Visitado em 14/06/2011.
  5. a b c d e f TABEIRA, Martín (02/08/2006). Catalonia Autonomous Team Matches 1912-2004 RSSSF. Visitado em 14/06/2011.
  6. a b c d e STOKKERMANS, Karel (6 de fevereiro de 2008). Johan Cruijff - Goals in International Matches RSSSF. Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u O agente laranja dos gramados (novembro de 1999). Placar - Especial "Os Craques do Século". Editora Abril, pp. 9-10
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au KUPER, Simon (setembro de 2009). Cruyff. FourFourTwo n. 9. Editora Cádiz, pp. 42-53
  9. Os grandes solos (novembro de 2008). FourFourTwo n. 1. Editora Cádiz, p. 39
  10. STOKKERMANS, Karel (30 de janeiro de 2000). IFFHS' Century Elections RSSSF. Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  11. a b c d Cruijff - o maestro do carrossel (2001). Heróis do Futebol. Nova Sampa Diretriz Editora, pp. 34-35
  12. a b c d e f KÁRPÁTI, Tamás; STOKKERMANS, Karel (7 de maio de 2010). Netherlands - Champions RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  13. a b c d STOKKERMANS, Karel (7 de maio de 2010). Netherlands Cup Finals RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  14. ROSS, James M. (9 de janeiro de 2008). European Competitions 1966-67 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  15. ROSS, James M. (9 de janeiro de 2008). European Competitions 1967-68 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  16. ROSS, James M. (6 de fevereiro de 2008). European Competitions 1968-69 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  17. a b c STOKKERMANS, Karel (2 de junho de 2010). European Champions' Cup RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  18. ROSS, James M. (9 de janeiro de 2008). European Competitions 1970-71 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  19. ROSS, James M. (9 de janeiro de 2008). European Competitions 1971-72 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  20. ROSS, James M. (31 de julho de 2008). European Competitions 1971-72 RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  21. a b MOORE, Rob; STOKKERMANS, Karel (21 de janeiro de 2011). European Footballer of the Year ("Ballon d'Or") RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  22. Marinus Michels (1971-75,1976-78) FCBarcelona. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  23. GORGAZZI, Osvaldo José (16 de julho de 2000). Intercontinental Club Cup 1972 RSSSF. Visitado em 11 de fevereiro de 2011.
  24. GORGAZZI, Osvaldo José (14 de abril de 1999). Intercontinental Club Cup 1971 RSSSF. Visitado em 11 de fevereiro de 2011.
  25. GORGAZZI, Osvaldo José (16 de julho de 2000). Intercontinental Club Cup 1973 RSSSF. Visitado em 11 de fevereiro de 2011.
  26. a b CARNICERO, José Vicente Tejedor (24 de setembro de 2010). Spain - List of Champions RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  27. CARNICERO, José Vicente Tejedor (28 de setembro de 2000). Spain, Final Tables 1969-1979 RSSSF. Visitado em 11 de fevereiro de 2011.
  28. a b CARNICERO, José Vicente Tejedor (24 de setembro de 2010). Spain - List of Cup Finals RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  29. OLIVEIRA, Nelson (16/05/2013). O dia em que Cruyff jogou pelo Milan Quattro Tratti. Visitado em 24/05/2013.
  30. KUPER, Simon (dezembro de 2008). Ícone - Marco van Basten. FourFourTwo n. 2. Editora Cádiz, pp. 67-71
  31. "Invasão holandesa", Marcel Rözer, Placar número 1328, março de 2009, Editora Abril, págs. 90-91
  32. STOKKERMANS, Karel (28 de outubro de 2010). Netherlands - List of Super Cup Finals RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  33. STOKKERMANS, Karel; TABEIRA, Martín (7 de fevereiro de 2007). European Championship 1968 RSSSF. Visitado em 7 de fevereiro de 2011.
  34. STOKKERMANS, Karel (31 de janeiro de 2007). European Championship 1972 RSSSF. Visitado em 7 de fevereiro de 2011.
  35. GEHRINGER, Max (dezembro de 2005). Nos cinco continentes. Placar: A Saga da Jules Rimet, fascículo 9 - 1970 México. Editora Abril, pp. 10-15
  36. a b c d YALLOP, David A. Como eles roubaram o jogo - segredos dos subterrâneos da FIFA. São Paulo: Record, 1998, pp. 135-140. ISBN 85-01-05448-8
  37. LEAL, Ubiratan (4 de janeiro de 2010). Futebol Total Balípodo.com.br. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  38. a b GOBBET, Cassiano Ricardo (agosto de 2008). Dinâmica por vocação. Trivela n. 30. Trivela Comunicações, pp. 16-17
  39. a b GOBBET, Cassiano Ricardo; MARQUES, Dassler; BERTOZZI, Leonardo (abril de 2008). O dilema da camisa 10. Trivela n. 26. Trivela Comunicações, pp. 36-41
  40. As Copas, a História e as histórias das Copas (junho de 2006). Superinteressante n. 226-A. Editora Abril, pp. 55-59
  41. SOUZA, Felipe dos Santos (28 de junho de 2011). Forçados a sair do palco Trivela. Visitado em 7 de julho de 2011.
  42. a b ESPINA, Ricardo (maio de 2008). Curiosidades da bola. Trivela n. 27. Trivela Comunicações, p. 10
  43. ROSS, James M. (17 de janeiro de 2008). European Competitions 1986-87 RSSSF. Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  44. GOBBET, Cassiano Ricardo (10 de maio de 2003). Ajax Barcelona Cruyff Trivela. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  45. a b STOKKERMANS, Karel (26 de janeiro de 2000). European Cup Winners' Cup RSSSF. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  46. ROSS, James M. (17 de janeiro de 2008). European Competitions 1991-92 RSSSF. Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  47. a b ROSS, James M. (13 de novembro de 2006). European Competitions 1993-94 RSSSF. Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  48. SOUZA, Felipe dos Santos (26 de junho de 2009). Os desbravadores Trivela. Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  49. WILSON, Jonathan (dezembro de 2009). Ícone - Gheorghe Hagi. FourFourTwo n. 12. Editora Cádiz, pp. 70-73
  50. TALBOT, Simon (abril de 2010). As incríveis aventuras do facão e do animal. FourFourTwo n. 14. Editora Cádiz, pp. 52-56
  51. a b c d e O Futebol Total descansa em paz? (novembro de 2008). FourFourTwo n. 1. Editora Cádiz, pp. 50-55
  52. Johan Cruyff assume seleção da Catalunha Trivela (2 de novembro de 2009). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  53. Catalunha vence a Argentina em amistoso Trivela (22 de dezembro de 2009). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  54. Na despedida de Cruyff, seleção da Catalunha empata com a Nigéria globoesporte.com (2 de janeiro de 2013). Visitado em 17 de janeiro de 2013.
  55. Cruyff critica ministra por eliminação da Holanda na Copa UOL Copa do Mundo 2006 (27 de junho de 2006). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  56. Cruyff culpa ministra da Imigração por eliminação GloboEsporte.com (27 de junho de 2006). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  57. SCHIPPERS, Daan; LYTTLETON, Ben (outubro de 2009). P&R - Kluivert. FourFourTwo n. 10. Editora Cádiz, pp. 62-65
  58. RIBEIRO, Arnaldo. O duelo entre criador e criatura (11/07/2010). Jornal Placar, ed. 188. Editora Abril, p. 11
  59. a b c d e Nou Kids on the Block (novembro de 2008). FourFourTwo n. 1. Editora Cádiz, pp. 16-19
  60. SOUZA, Felipe dos Santos (1 de abril de 2011). Virando a mesa Trivela. Visitado em 2 de abril de 2011.
  61. a b LEAL, Ubiratan (junho de 2011). O mundo é deles. ESPN n. 20. Editora Spring, pp. 35-37
  62. SASSI, Bruno (junho de 2011). O Guardião. Placar n. 1355. Editora Abril, pp. 74-80
  63. Spain's World Cup squad 2010 Planet World Cup. Visitado em 7 de fevereiro de 2011.
  64. MORRISON, Neil (21 de dezembro de 2010). World Cup 2010 - Match Details RSSSF. Visitado em 7 de fevereiro de 2011.
  65. Cruyff é nomeado presidente de honra do Barcelona Trivela (26 de março de 2010). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  66. Cruyff perde título de presidente de honra do Barcelona Trivela (5 de julho de 2010). Visitado em 2 de fevereiro de 2011.
  67. Overzicht van de ‘Nederlandse’ planetoïden ‘Nederlandse’ planetoïden (14 de janeiro de 2011). Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  68. Tv-kijkers: Pim Fortuyn Grootste Nederlander Elsevier.nl (16 de novembro de 2004). Visitado em 3 de fevereiro de 2011.
  69. MAZUR, Martín (abril de 2010). Confieso que he aprendido. El Gráfico n. 4397, pp. 80-83

Ligações externas[editar | editar código-fonte]