Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, conhecida como OSESP, é uma das maiores e mais conhecidas orquestras da América do Sul. Realiza anualmente quase 200 concertos entre apresentações sinfônicas, corais e de câmara em sua sede, a Sala São Paulo, em turnês e em projetos por todo o Estado de São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

Desde o primeiro concerto em 1954, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp – trilhou uma história de conquistas, que culminou em uma instituição hoje reconhecida nacional e internacionalmente pela qualidade e excelência. A Osesp é agora parte indissociável da cultura paulista, agente de transformações e criadora de um novo paradigma na música de concerto e na gestão cultural em nosso país.

Nos primeiros anos, a Osesp foi dirigida pelo maestro Souza Lima e pelo italiano Bruno Roccella, mais tarde sucedidos por Eleazar de Carvalho, que por 24 anos permanece à frente da Orquestra e desenvolveu intensa atividade, com temporadas regulares no Teatro Cultura Artística, transmissões pela TV Cultura, turnês nacionais e a realização dos concursos Jovens Solistas da Osesp e dos Concertos para a Juventude. Nos últimos anos sob seu comando, o grupo passou por um período de privações. Porém, antes de seu falecimento, Eleazar deixa um projeto de reformulação da Osesp. Com o apoio do secretário de Cultura e o empenho do governador Mário Covas, é realizada a escolha do maestro que conduziria essa nova fase na história da Orquestra.

Em 1997, o maestro John Neschling assume a direção artística da Osesp e, com o maestro Roberto Minczuk como diretor artístico adjunto, redefine e amplia as propostas deixadas por Eleazar. Em pouco tempo, a Osesp abre testes para os músicos, no Brasil e no exterior, eleva os salários e melhora as condições de trabalho.

A Sala São Paulo é inaugurada em 1999 e, nos anos seguintes, são criados os coros Sinfônico, de Câmara, Juvenil e Infantil; o Centro de Documentação Musical Maestro Eleazar de Carvalho; o Serviço de Assinaturas; o Serviço de Voluntários; os Programas Educacionais; a editora de partituras Criadores do Brasil; e a Academia de Música da Osesp. As temporadas se destacam pela diversificação de repertório e uma parceria com o selo sueco BIS e com a gravadora carioca Biscoito Fino garante a difusão internacional e nacional da música brasileira de concerto.

A criação da Fundação Osesp, em 2005, representa um marco na história da Orquestra. Com o presidente Fernando Henrique Cardoso à frente do Conselho de Administração, a Fundação coloca em prática novos padrões de gestão, que passam a ser referência no meio cultural brasileiro.

Após as turnês pela América Latina (2000, 2005, 2007), Estados Unidos da América (2002, 2006, 2009), Europa (2003, 2007, 2010) e Brasil (2004, 2008), o grupo realiza em 2008 a primeira edição da Osesp Itinerante, pelo interior do estado de São Paulo, com concertos, oficinas e cursos de apreciação musical que atingem mais de 70 mil pessoas – projeto desde então integrado ao cronograma regular da Orquestra.

Em 31 de dezembro de 2008 é realizado um concerto de Ano-Novo para a emissora franco-alemã ARTE, regido pelo maestro Neschling e transmitido ao vivo para França, Alemanha, Bélgica, Suíça, Espanha, Áustria, Polônia, Finlândia, Portugal, Dinamarca, Hungria, Suécia, Itália, Holanda e Brasil.

Indicada pela revista inglesa Gramophone como uma das três orquestras emergentes no mundo às quais se deve prestar atenção, a Osesp inicia a temporada 2010 com o diretor artístico Arthur Nestrovski e o maestro francês Yan Pascal Tortelier como regente titular, dando continuidade ao projeto de ampliação constante da cultura musical brasileira.1

Neste mesmo ano realizou mais uma turnê pela Europa, tocando em cidades como Viena, Salzburgo, Frankfurt e Madrid.2

Em fevereiro de 2011, o Conselho da Fundação Osesp anuncia a norte-americana Marin Alsop como nova regente titular da Orquestra por um período inicial de cinco anos, a partir de 2012. Yan Pascal Tortelier continua a trabalhar com a Osesp como regente convidado de honra. Também a partir de 2012, Celso Antunes assume o posto de regente associado da Orquestra.

Neste ano, a Orquestra se apresenta pela primeira vez no Festival BBC Proms, de Londres, e no Concertgebouw de Amsterdã. Lança também seus primeiros discos pelo selo Naxos, com o projeto de gravação da integral das Sinfonias de Prokofiev, regidas por Marin Alsop, e da integral das Sinfonias de Villa-Lobos, regidas por Isaac Karabtchevsky.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências