Radial Leste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Placa radial leste.png
Subprefeitura: Mooca, Penha, Itaquera e Guaianases
Bairro: Parque Dom Pedro II, Belém, Tatuapé, Vila Matilde, Artur Alvim, Itaquera, e Guaianases
Início*: Rua da Figueira
Término*: Estação Guaianases da CPTM
Abertura: c. 1957
(*):O início e o término do logradouro geralmente é indicativo, apontando as vias principais.
Radialleste.jpg
Radial Leste na altura do distrito de Tatuapé

A Radial Leste é uma importante via axial da cidade de São Paulo que cruza todo o eixo leste da cidade até o centro, servindo às subprefeituras da Mooca, Penha, Itaquera e Guaianases. No sentido centro-bairro a Radial Leste tem seu início na região do Parque Dom Pedro II, na rua da Figueira, embora seu fluxo de veículos mais importante provenha do elevado do Glicério, que a conecta com a Ligação Leste-Oeste e a Avenida do Estado.

História[editar | editar código-fonte]

O projeto da Radial Leste foi apresentado em meados de 1945 pelo prefeito Prestes Maia[1] , porém suas obras só foram iniciadas em 1957. Naquela época, as avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia encontravam-se congestionadas e a Radial Leste surgia como via necessária para aliviar o trânsito nas mesmas.[2] Boa parte das áreas utilizadas para a construção da avenida faziam parte da faixa patrimonial da Estrada de Ferro Central do Brasil, o que facilitou sua construção.

O primeiro trecho, entre o parque D. Pedro II e a região do Brás ficou pronto em agosto de 1957, quando foi inaugurado o viaduto sobre os trilhos da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí.[3] A implantação da nova via estimulou a especulação imobiliária e serviu como estímulo para a ocupação da região leste de São Paulo, que algumas décadas mais tarde se torna a mais populosa da cidade. Após mais de uma década paralisado, o prolongamento da Radial Leste do Tatuapé até a Vila Matilde foi retomado em 1966 na gestão Faria Lima, quando foi inaugurado em 17 de maio de 1967 mais um trecho, de 800 m de extensão, entre a praça Presidente Kennedy (na altura da rua dos Trilhos) e a rua Bresser e o viaduto Alcântara Machado, de 1150 m de extensão.[4]

Inicialmente, grande parte da radial contava com cruzamentos com a linha da Central, necessitando de passagens de nível. O volume de tráfego na nova avenida forçava uma utilização maciça dessas passagens, de forma que muitos acidentes entre trens e veículos não tardaram a ocorrer. No início dos anos 1970, forma inaugurados os viadutos Bresser, Guadalajara e Conselheiro Carrão eliminando assim as passagens nível das ruas Bresser e Belarmino Matos.[5] Nessa época, a avenida alcançava regiões cada vez mais distantes do centro como Carrão, Vila Matilde, Artur Alvim e Itaquera, porém esse trecho final era modesto se comparado com o início da avenida, com passagens de nível, e poucas faixas de pedestres. Essa combinação causava uma série de atropelamentos e acidentes, torando na Radial Leste a via mais perigosa da cidade na década de 1970.[2]

Os acidentes chegaram ao auge em 1977, quando um ônibus avançou a cancela da passagem de nível da estação Artur Alvim e foi colhido por um trem de subúrbios, matando 22 passageiros.[6] Nessa época, as obras da Linha Leste Oeste do metrô haviam sido iniciadas e a prefeitura utilizou a expansão do metrô para reurbanizar parte das regiões lindeiras e construiu diversos viadutos, passarelas para pedestres, taludes, entre outras obras. Em outubro de 1978 foi inaugurado um novo trecho de 700 metros na região da Vila Matilde[7] , enquanto que os demais trechos até Itaquera seguiram em obras paralelas a da expansão do metrô.

Nomes oficiais[editar | editar código-fonte]

Radial Leste é um termo não-oficial; a avenida recebe diversos nomes ao longo de sua extensão:

Ligações com a Marginal Tietê[editar | editar código-fonte]

A ligação entre a Radial Leste e a Marginal Tietê pode ser feita pelas seguintes avenidas:

Ícone de esboço Este artigo sobre urbanismo, planejamento e estudos urbanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. Rose Saconi (28 de junho de 2013). Como era São Paulo sem a Radial Leste Estadão. Visitado em 4 de maio de 2014.
  2. a b Elvis Pereira (4 de maio de 2014). Histórias e curiosidades da Radial Leste, via que ganha o mundo na Copa Folha de S. Paulo. Visitado em 4 de maio de 2014.
  3. Será entregue ao público o viaduto da Radial Leste Folha da Noite, Ano XXXV, edição 10907, página 1 (23 de agosto de 1957). Visitado em 4 de maio de 2014.
  4. Prefeitura de São Paulo (17 de maio de 1967). Prefeitura do Município de São Paulo- Convite de inauguração Folha de S. Paulo, Ano XLVII, edição 13849, página 5. Visitado em 4 de maio de 2014.
  5. Alterações e opções a partir de hoje no Viaduto Guadalajara Folha de São Paulo, Ano LI,edição 15357, pagina 4 (3 de julho de 1971). Visitado em 4 de maio de 2014.
  6. Choque de trem com ônibus que avançou sinal mata 22 e fere 17 em São Paulo Jornal do Brasil, Ano LXXXVII,edição 138 pagina 16 (24 de agosto de 1977). Visitado em 4 de maio de 2014.
  7. Prolongamento da Radial Leste abre amanhã Folha de São Paulo, Ano 57 ,edição 18057, página 13 (20 de outubro de 1978). Visitado em 4 de maio de 2014.