Parque Zoológico de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Parque Zoológico de São Paulo
Entrada do Zoológico
Localização Zona Sul, São Paulo, Brasil
Tipo Público
Área 824.529 m²
Inauguração 1959
Administração Fundação Parque Zoológico de São Paulo

O Parque Zoológico de São Paulo é o maior zoológico do Brasil. Fica localizado em uma área de 824.529 m² de Mata Atlântica original, com 4 quilômetros de alamedas. Aloja as nascentes do histórico riacho do Ipiranga, ao sul da cidade de São Paulo.

Exibe mais de 3.200 animais, sendo 102 espécies de mamíferos, 216 espécies de aves, 95 espécies de répteis, 15 espécies de anfíbios e 16 espécies de invertebrados, em recintos que reproduzem os habitats naturais desses animais. A fazenda do Zôo, de 572 ha, produz hortaliças usadas na fabricação de rações variadas para os animais, além de material para os recintos onde ficam os animais. Nela ficam animais que precisam de maior área para acasalamento.

O Zôo tem creche para filhotes rejeitados pelas mães, chocadeiras elétricas e sala de incubação para ovos de aves e répteis. A função educativa é enfatizada no Parque. Sua biblioteca de mais de quatro mil volumes é aberta ao público.

Suas parcerias com outras instituições estaduais, federais e estrangeiras incluem pesquisas que facilitem a preservação de espécies ameaçadas. Atualmente o zoológico é o quarto maior do mundo.

História[editar | editar código-fonte]

O Zôo de São Paulo, como também é chamado, foi criado em junho de 1957, a partir de uma instrução do então governador Jânio Quadros ao Diretor do Departamento de Caça e Pesca da Secretaria da Agricultura, Emílio Varoli.

Os primeiros animais de origem exótica, como os leões, camelos, ursos e elefantes, foram adquiridos de circo particular e os animais da fauna silvestre brasileira, como onças e galos da serra, foram adquiridos em Manaus.

A inauguração do Zôologico, inicialmente prevista para janeiro de 1958, foi adiada devido as fortes chuvas daquele ano e no dia 16 de março foi inaugurado oficialmente o Zoológico de São Paulo apresentando 482 animais, dentre eles:

Em seu primeiro ano de funcionamento, a entrada era gratuita e, a partir da criação da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, em 1959, ingressos passaram a ser cobrados.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

O Zôo de São Paulo tornou-se a primeira instituição brasileira a propor e participar em diversos programas de recuperação de espécies brasileiras seriamente ameaçadas de extinção, tais como os micos-leão, os pequenos felídeos neotropicais, arara-azul-de-lear e ararinhas-azuis, bisão europeu, cachorro do mato vinagre, condor, o unico leopardo das neves do Brasil, urso de óculos.

Desde 1994 o Zoológico de São Paulo é reconhecido pelo Guinness Book como o maior zoológico do Brasil. Nesse mesmo ano, a Fundação Parque Zoológico de São Paulo foi classificada na categoria "E", a mais alta, junto ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) para entidades de manejo ambiental e preservação de espécies.

Em maio de 2001, a área anexa ao zoológico e que era ocupada pela empresa "Simba Safari" foi reincorporada à Fundação Parque Zoológico de São Paulo, sendo reaberta ao público como "Zôo Safári" em 5 de junho desse mesmo ano, proporcionando passeios por entre trilhas, onde se pode ver os animais na mata, ou de carro por entre animais soltos

Infra-estrutura física[editar | editar código-fonte]

Partes do riacho Ipiranga

Ocupando uma área de 824.529 m², em sua maior parte coberta por Mata Atlântica, o parque abriga as nascentes do histórico riacho Ipiranga cujas águas formam vários lagos que acolhem exemplares de aves de várias espécies exóticas, nativas, além de aves migratórias.

Possui em exibição mais de 3.200 animais, de 102 espécies de mamíferos, 216 espécies de aves, 95 espécies de répteis, 15 espécies de anfíbios e 16 espécies de invertebrados, em recintos de exposição e terrários semelhantes ao habitat natural. São encontrados exemplares de espécies bastante raras, como: rinoceronte-branco, ararinha-azul, arara-azul-de-lear, mico-leão e outros.

O zoológico de São Paulo promove ao público uma possibilidade de conscientização sobre a variedade e diversidade das formas de vida sobre a Terra.

O Zôo conta com vários serviços de infra-estrutura e atendimento aos visitantes, tais como:

  • 3 lanchonetes
  • Estacionamento para 2.000 veículos
  • Loja de fotos
  • Fraldário
  • Loja de Lembranças
  • Passeios em Jardineiras dos anos 1930 originais e restauradas
  • 4 conjuntos Sanitários separados por sexo
  • Sistema próprio de segurança
  • Espaço D. Pedro, para realização de eventos

Fazenda[editar | editar código-fonte]

Desde 1982, a Fundação mantém uma fazenda destinada tanto à produção de alimentos para seus animais, como à criação de algumas espécies em regime semi-extensivo.

Essa fazenda é localizada entre os municípios de Sorocaba, Araçoiaba da Serra e Salto de Pirapora, tendo uma área de 574 hectares. A produção anual da fazenda é de cerca de 1.200 toneladas de alimentos, que são destinadas aos mais de 3.500 animais do parque, incluindo a produção de feno e silagem para os meses de estiagem.

Desde meados da década de 1990, a fazenda começou a receber animais silvestres em recintos de grande dimensão e abundantes forragens foram fatores determinantes para que fosse levada para ela a criação de espécies como Zebra Damara, Grande Kudu, Oryx e Waterbuck. Como o Zôo se localiza num parque sem condições de expandir sua área, a fazenda é a principal alternativa para a reprodução dessas espécies.

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

O Zôo de São Paulo tem presença marcada no cenário científico, em especial em temas referentes a problemas da fauna brasileira. Para Realiza contatos técnico-científicos com outros centros de pesquisa, entre os quais o Instituto Butantan, o Instituto Biológico de São Paulo e o Instituto Adolfo Lutz, assim como através de convênios já firmados com a Universidade de São Paulo, Universidade Estadual "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP, Universidade Federal de Campina Grande (PB), Universidade Estadual de Londrina (PR) e a Universidade Federal de Santa Maria (RS).

O Zôo possui um programa de qualificação profissional de estudantes e pesquisadores das áreas de biologia, veterinária e zootecnia e realiza programas de pesquisa científica e conscientização ambiental da população através dos visitantes.

Também é referência mundial na área de alimentação e nutrição de animais silvestres cativos, garantindo com isso um bom nível de saúde dos animais ou o pleno exercício de seu comportamento natural e atividade reprodutiva.

Visitação[editar | editar código-fonte]

Com uma visitação anual em torno de 1.600.000 pessoas, o Zôo oferece ao público visitas monitoradas, cursos para professores, passeios noturnos, apresentações didáticas sobre os animais, dentre outros aspectos de preservação do meio ambiente. Nos seus quase 50 anos de existência o Zôo já recebeu mais de setenta milhões de visitantes.

A fundação[editar | editar código-fonte]

A Fundação Parque Zoológico de São Paulo obteve, em 1959, personalidade jurídica e autonomia administrativa, financeira e científica e é responsável pela administração do parque através dos seguintes órgãos:

  • Conselho Superior;
  • Conselho Orientador;
  • Conselho Fiscal;
  • Diretoria.

Neste mesmo ano, foram definidos os objetivos da Fundação Parque Zoológico de São Paulo:

  • Manter uma população de animais vivos de todas as faunas, para educação e recreação do público, bem como para pesquisas biológicas;
  • Instalar em sua área de abrangência uma Estação Biológica, para investigações de fauna da região e pesquisas correlatas;
  • Proporcionar facilidades para o trabalho de pesquisadores nacionais e estrangeiros no domínio da Zoologia, no seu sentido mais amplo, por meio de acordos, contratos ou bolsas de estudo.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]