Dumbo (1941)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dumbo
Pôster original do filme.
 Estados Unidos
1941 •  cor •  64 min 
Direção Ben Sharpsteen
Produção Walt Disney
Roteiro Joe Grant
Dick Huemer
Baseado em Dumbo
(de Helen Aberson e Harold Pearl)
Elenco Herman Bing
Edward S. Brophy
Cliff Edwards
Verna Felton
Sterling Holloway
Billy Sheets
Gênero filme infantil
filme de animação
Música Frank Churchill
Oliver Wallace
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Productions
Distribuição RKO Pictures
Lançamento Estados Unidos 17 de novembro de 1941
Brasil 17 de novembro de 1941
Portugal 30 de novembro de 1942
Idioma língua inglesa
Orçamento $950 mil dólares[1]
Receita $1,6 milhões de dólares
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Dumbo é um filme estadunidense do gênero animação produzido pela Disney e estreado a 23 de outubro de 1941.

É o quarto longa-metragem de animação dos estúdios Disney, fazendo parte da lista de clássicos da Disney. Foi baseado em Dumbo, da escritora Helen Aberson e do ilustrador Harold Pearl. O personagem principal é Jumbo Jr., um elefante antropomórfico que é cruelmente apelidado de Dumbo (próximo do inglês dumb, "estúpido"). Ele é ridicularizado por suas orelhas muito grandes, mas descobre que pode voar utilizando-as como asas. Seu único amigo é um rato chamado Timóteo — esse fato parodia um alegado medo de elefantes a ratos.

Dumbo foi feito para recuperar as perdas financeiras de Fantasia. Tem 64 minutos, sendo um dos filmes mais curtos produzidos pela Disney. O longa-metragem foi dirigido por Ben Sharpsteen, produzido por Walt Disney e escrito por Otto Englander, Joe Grant e Dick Huemer.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Certa noite, um grupo de cegonhas entrega filhotes aos animais de um circo itinerante, mas a Sra. Jumbo, uma elefanta, fica desapontada por não receber o seu. No dia seguinte, o circo está sendo transportado em um trem e, finalmente, uma das aves entrega o bebê da Sra. Jumbo. Feliz com seu filho, ela o chama de Jumbo Jr. Entretanto, suas colegas elefantas riem maliciosamente das grandes orelhas do bebê e o chamam de Dumbo.[2]

O circo chega a uma nova cidade e lá a mãe protege o filho de um garoto humano perverso, que começa a puxar as orelhas de Dumbo. Ela afugenta o menino e tenta lutar contra o mestre do picadeiro e seus funcionários, os quais levam Dumbo para longe dela e a aprisionam em uma carroça. Abusado e ridicularizado por todos, Dumbo faz amizade com um pequeno rato chamado Timóteo.[2]

Para ajudar o amigo, Timóteo sussurra ao diretor do circo, enquanto este dorme, que Dumbo deveria ser o ponto alto de uma pirâmide de elefantes. Mais tarde, o mestre do circo apresenta tal número para uma animada plateia, mas Dumbo tropeça nas próprias orelhas e estraga o espetáculo. Como punição, o elefantinho é obrigado a se juntar ao número dos palhaços, que o forçam a saltar de uma alta fachada em chamas e cair numa banheira com gesso. O ratinho leva Dumbo até a Sra. Jumbo, ainda confinada. Após o encontro agridoce, Dumbo e Timóteo acidentalmente se embriagam com o champanhe dos palhaços e começam a ter alucinações de elefantes cor-de-rosa desfilando.[2]

Na manhã seguinte, os dois são acordados por um grupo de corvos brincalhões e descobrem que passaram a noite no galho de uma árvore. Timóteo, então, conclui que Dumbo é capaz de voar e tenta convencê-lo disso. O ratinho e os corvos entregam-lhe uma pena, a qual o fazem acreditar que é mágica. Isso faz Dumbo criar coragem e saltar de um penhasco, conseguindo alçar voo. De volta ao circo, ele vai novamente realizar o número dos palhaços, mas perde sua pena mágica. Timóteo o convence que ele pode voar de qualquer maneira. Com a autoconfiança restaurada, Dumbo voa sobre seus atormentadores e atira amendoim neles. Declarado um "elefante milagroso", Dumbo fica famoso em todo o mundo e, finalmente, reencontra sua querida mãe.[2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Dumbo é baseado em uma história infantil escrita por Helen Aberson e ilustrado por Harold Pearl. Dumbo foi levado ao conhecimento do Walt Disney no final de 1939 pelo chefe da Disney de licenciamento de mercadoria Kay Kamen. Disney imediatamente comprou os direitos da história.[3]

Originalmente, era para ser um curta-metragem, no entanto, a Disney logo descobriu que a única maneira de fazer justiça ao livro era tornando o um longa-metragem.[4] Na época, o estúdio Disney estava em sérias dificuldades financeiras devido à guerra na Europa, o que causou o fracasso de bilheterias de Pinóquio e Fantasia, com o resultado que Dumbo foi destinado a ser um projeto de baixo orçamento vocacionado para trazer receitas para o estúdio.[5] Storymen Dick Huemer e Joe Grant foram os principais envolvidos no desenvolvimento do enredo. Eles escreveram o roteiro em capítulos, muito parecido com um livro, uma maneira incomum de escrever um roteiro de filme. Independentemente disto, muito pouco foi mudado do projeto original.[6]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Nenhum dos dubladores de Dumbo recebeu crédito na tela, assim como em Branca de Neve e os Sete Anões e Pinóquio. Timothy foi dublado por Edward Brophy, um ator conhecido por retratar gângsters. Ele não chegou a fazer dublagem em outra animação conhecida. A Matriarca dos elefantes foi dublada por Verna Felton, que também dublou a Fada Madrinha de Cinderela, a Rainha de Copas em Alice no País das Maravilhas e Flora, uma das três fadas boas em A Bela Adormecida. Entre os outros dubladores estão Sterling Holloway como Mr. Stork, Cliff Edwards, conhecido pela dublagem do Grilo Falante, interpretou o corvo Jim, líder dos corvos, e John McLeish, sendo o narrador do filme.

No Brasil foram feitas três dublagens para o filme. A primeira foi realizada em 1941, a segunda em 1973, e a terceira em 1998. Um fato interessante a respeito da primeira dublagem brasileira, é que Verna Felton, a dubladora original da senhora Jumbo, fez uma ponta na versão tupiniquim, reinterpretando "Baby Mine" em português.

Animação[editar | editar código-fonte]

Quando o filme começou a ser produzido no início de 1941, o diretor supervisor Ben Sharpsteen recebeu ordens para manter o filme simples e barato. Como resultado, em Dumbo falta o detalhe pródigo das três animações da Disney anteriores (Fantasia, Pinóquio e Branca de Neve e os Sete Anões): o design das personagens é mais simples e os fundos são menos detalhados. Ainda assim, eram levados elefantes e outros animais ao estúdio para que os animadores pudessem estudar seus movimentos.[4]

Pintura de aquarela foi usado para processar os fundos. Dumbo e Branca de Neve são os dois filmes clássicos da Disney que usaram a técnica, que foi regularmente empregada para outros desenhos animados da Disney. Em outros filmes da Disney eram usados ​​tinta a óleo e guache. O filme Lilo & Stitch (2002) foi bastante influenciado por Dumbo, fazendo uso de fundos com aquarela.[7][8]

A simplicidade libertou os animadores de serem excessivamente preocupados com os detalhes e permitiu-lhes focarem-se no elemento mais importante de animação dos personagens: a atuação.

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Dumbo
Lançamento de 1997
Trilha sonora de Vários Artistas
Lançamento 9 de setembro de 1997
Gênero(s) Trilha sonora
Gravadora(s) Walt Disney Records

Uma trilha sonora completa do filme foi lançada em 9 de setembro de 1997 nos Estados Unidos pela Walt Disney Records, contendo canções e instrumentais apresentadas no filme. Essa mesma versão inclui uma demo por Oliver Wallace.

Lista de faixas[9]
N.º TítuloInterpretada por Duração
1. "Main Title" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 1:46
2. "Look Out for Mister Stork"  Coro 2:16
3. "Loading the Train / Casey Junior / Stork On a Cloud / Straight from Heaven / Mother and Baby / Arrival At Night"  Coro 4:58
4. "Song of the Roustabouts"  Coro 2:38
5. "Circus Parade" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 1:28
6. "Bathtime / Hide and Seek" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 1:32
7. "Ain't That the Funniest Thing / Berserk / Dumbo Shunned / A Mouse! / Dumbo and Timothy / Dumbo the Great" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 3:23
8. "The Pyramid of Pachyderms" (Instrumental)Oliver Wallace & Frank Churchill 1:59
9. "No Longer an Elephant / Dumbo's Sadness / A Visit In the Night / Baby Mine"  Betty Noyes 3:35
10. "Clown Song"  Coro 1:00
11. "Hiccups / Firewater / Bubbles / Did You See That? / Pink Elephants On Parade"  Coro 6:07
12. "Up A Tree / The Fall / Timothy's Theory" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 1:32
13. "When I See an Elephant Fly"  Jim Carmichael, Cliff Edwards & Hall Johnson Choir 1:47
14. "You Oughta Be Ashamed" (Instrumental)Frank Churchill & Oliver Wallace 1:10
15. "The Flight Test / When I See an Elephant Fly (Reprise)"  Jim Carmichael, Hall Johnson Choir & Cliff Edwards 0:56
16. "Save My Child / The Threshold of Success"  Cliff Edwards, Jim Carmichael & Hall Johnson Choir 1:02
17. "Dumbo's Triumph / Making History / Finale (When I See an Elephant Fly)"  Cliff Edwards, Jim Carmichael & Hall Johnson Choir 2:17
18. "Spread Your Wings" (Demo Recording)Oliver Wallace 1:08

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Apesar do advento da Segunda Guerra Mundial, Dumbo tornou-se o mais bem sucedido financeiramente filme da Disney da década de 1940. Após o seu lançamento em 23 de outubro, a película provou ser um milagre financeiro em comparação com outros filmes da Disney. Contou com um orçamento de apenas 950 000 dólares,[10] metade do custo de produção de Branca de Neve, menos de um terço do custo de Pinóquio, e certamente bem menor do que o caro Fantasia. Dumbo, eventualmente, arrecadou 1,6 milhões dólares americanos durante o seu lançamento original.[11] O filme foi relançado nos cinemas em 1949, 1959, 1972 e 1976. No Brasil foi lançado em 17 de novembro de 1941 e em Portugal estreou em 30 de novembro de 1942.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Os comentários sobre o filme em sua versão inicial foram bastante positivos. Variety disse que Dumbo era "uma pequena história agradável, cheio de pathos misturado com grandes doses de humor, novas personagens animais, muita música boa, e a habilidade da Disney habitual na técnica".[12] Cecilia Ager, redatora do jornal PM, referiu-se ao filme como "o mais bonito e o mais amável da Disney até agora",[12] e Bosley Crowther, crítico de cinema do The New York Times, disse que o filme era "o mais genial, o mais simpático, o mais completamente precioso filme dos desenhos animados de sempre a emergir dos pincéis mágicas de milagrosos artistas da Walt Disney".[12] TIME respondeu à recepção do filme com planos para nomear a personagem como o seu "Animal do Ano" (uma brincadeira com seu relatório anual "Homem/Pessoa do Ano"), com uma aparição na capa da revista de 29 de dezembro de 1941.[12] No entanto, o ataque a Pearl Harbor em 7 de dezembro do mesmo ano mudou o ciclo de notícias para longe de Dumbo, embora o ensaio previamente planejado sobre o filme, com uma introdução mais adequada, apareceu na seção "Cinema" da edição de 29 de dezembro.[12]

Hoje, o filme mantém uma classificação de 97% de aprovação por críticos no Rotten Tomatoes.[13] O crítico de cinema Leonard Maltin descreveu-o como "um dos mais charmosos filmes de animação da Walt Disney".[14] Em 2011, a TIME nomeou-o um dos "Os 25 Melhores Filmes de Animação de Todos os Tempos".[15]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Este foi um dos primeiros dos desenhos animados da Disney a ser transmitido pela televisão, embora severamente editado, na televisão, como parte da série da Walt Disney Anthology Television Series. No Brasil foi transmitido pela Rede Globo em 1991, e em seguida, pelo SBT em 1998.

Mídia doméstica[editar | editar código-fonte]

Dumbo, junto de Alice no País das Maravilhas, foi o primeiro filme de animação da Disney a ser lançado em home-vídeo. O filme foi lançado originalmente em 26 de junho de 1981 em VHS e Betamax, seguido por um lançamento Laserdisc em junho de 1982 e, em seguida, mais uma vez em VHS e Betamax como parte do lançamento Walt Disney Video Collection Classics em 3 de dezembro de 1985.

No Brasil, Abril Vídeo lançou a primeira dublagem em VHS em 1990 e a segunda dublagem em 1998.

O filme foi, em seguida, remasterizado em 1986 e 1989 e lançado em VHS e Laserdisc como um "50th Anniversary Edition" de Dumbo em 12 de julho de 1991. Foi novamente relançado em VHS e Laserdisc em 28 de outubro de 1994 como uma parte da coleção "Walt Disney Masterpiece". Em 2001, foi lançado em VHS e pela primeira vez em DVD como parte da "60th Anniversary Special Edition" (Edição de 60º Aniversário no Brasil). Em 2006, uma nova edição chamada de Big Top Edition do filme foi lançada em DVD, seguido por um lançamento "UK Special Edition" na Inglaterra em maio de 2007.

A "70th Anniversary Edition" (Edição de 70º Aniversário no Brasil e Edição Especial 70º Aniversário em Portugal) do filme foi lançado nos Estados Unidos em 20 de setembro de 2011. A "70th Anniversary Edition" foi produzida em dois pacotes diferentes: uma incluindo o Blu-ray com DVD e um DVD de um disco. O filme também foi lançado em formato de download digital. Todas as versões do "70th Anniversary Edition" contêm cenas deletadas e vários bônus.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Cerimônia Categoria Resultado
1941 Oscar Oscar de melhor trilha sonora Venceu
Oscar de melhor canção original
(Pela canção "Baby Mine")
Indicado
Festival de Cannes Melhor design de animação Venceu

Legado[editar | editar código-fonte]

Listas[editar | editar código-fonte]

Listas da American Film Institute

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em seu livro The Disney Version (1968), o escritor Richard Schickel denunciou os corvos do filme como estereótipos afro-americanos. Para fins de roteiro, o líder dos corvos, interpretado por Cliff Edwards, foi chamado originalmente de "Jim Crow", uma referência a um personagem blackface do século 19 que, mais tarde, tornou-se o nome das leis de segregação racial promulgadas após a era da Reconstrução dos Estados Unidos.[20] Os demais corvos, por sua vez, foram dublados por atores afro-americanos, integrantes do Hall Johnson Choir, um coro formado apenas por músicos negros, popular na época. Além de Schickel, outros escritores criticaram tal representação como racista ao longo do tempo.[21]. Em relançamentos recentes, a Disney tem evitado o uso desses personagens em suas estratégias de publicidade relacionadas ao filme.[20]

Entretanto, alguns autores rejeitaram as alegações de preconceito racial.[22] Eles observam que as aves estão entre os poucos personagens do filme que demonstram empatia com Dumbo, além de serem personagens de espírito livre que não se curvam a ninguém, inteligentes e conscientes do poder da autoconfiança, ao contrário do estereótipo de Stepin Fetchit, comum na década anterior. Além disso, a canção dos corvos, "When I See an Elephant Fly", que usa intricados jogos de palavras na letra, é mais voltada para zombar do rato Timóteo do que das orelhas grandes de Dumbo. Em julho de 2017, após ser nomeada uma Disney Legend, Whoopi Goldberg expressou o desejo de que a Disney passasse a usar os personagens nos produtos de merchandise da empresa, "porque aqueles corvos cantam a música em Dumbo que todos se lembram". [23]

Versão em live-action[editar | editar código-fonte]

Em 8 de julho de 2014, foi anunciado que uma nova versão de Dumbo em live-action estava em desenvolvimento. Ehren Kruger foi confirmado como o roteirista e Justin Springer serviu como produtor junto com Kruger.[24] Em 10 de março de 2015, Tim Burton foi anunciado como o diretor.[25]

Referências

  1. http://www.boxofficemojo.com/movies/?id=dumbo.htm
  2. a b c d «Dumbo (1941) - Full Synopsis». Turner Classic Movies (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 9 de maio de 2019 
  3. «The Mysterious Dumbo Roll-A-Book». MichaelBarrier.com. Consultado em 12 de abril de 2015 
  4. a b Comentário de John Canemaker no DVD de Dumbo lançado em 2007.
  5. «TCM's Leading Ladies, 'Dumbo' at the El Capitan». boxofficemojo.com. Consultado em 12 de abril de 2015 
  6. Taking Flight: The Making of Dumbo-Dumbo, DVD lançado em 2011.
  7. Barrier, Michael (8 de abril de 1999). Hollywood Cartoons: American Animation in Its Golden Age. [S.l.: s.n.] ISBN 9780198020790. Consultado em 13 de abril de 2014 
  8. «A Look Inside the Creation of Lilo and Stitch». Movies.ign.com. 19 de junho de 2002. Consultado em 13 de abril de 2014 
  9. «Dumbo (Soundtrack from the Motion Picture) by Various Artists». iTunes Store. Consultado em 13 de abril de 2014 
  10. «Dumbo (1941) - Box Office Mojo». Box Office Mojo. Consultado em 12 de abril de 2015 
  11. Barrier, 318
  12. a b c d e «The Timely "Dumbo": Almost a Cover Boy». The Walt Disney Family Museum. Consultado em 12 de abril de 2015. Arquivado do original em 12 de abril de 2013 
  13. «Awards 1947: Competition». Festival-Cannes. Consultado em 12 de abril de 2015 
  14. Maltin, Leonard. (2008). "Leonard Maltin's 2009 Movie Guide", p390. Plume.
  15. «The 25 All-TIME Best Animated Films - Dumbo». TIME. Consultado em 12 de abril de 2015 
  16. «AFI's 100 Years...100 Songs Nominees» (PDF). Consultado em 12 de abril de 2015 
  17. «AFI's Greatest Movie Musicals Nominees» (PDF). Consultado em 12 de abril de 2015 
  18. «AFI's 100 Years...100 Cheers Nominees» (PDF). Consultado em 12 de abril de 2015 
  19. «AFI's 10 Top 10 Ballot» (PDF). Afi.com. American Film Institute. Consultado em 12 de abril de 2015 
  20. a b «'Song of the South,' 'Dumbo's' Jim Crow Scene Will Not Be on Disney+». HollywoodReporter.com. The Hollywood Reporter (em inglês). 22 de abril de 2019. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  21. Schickel, Richard (1968). The Disney Version: The Life, Times, Art and Commerce of Walt Disney (em inglês). Nova Iorque: Simon and Schuster. ISBN 0681217421 
  22. Grant, John. Encyclopedia of Walt Disney's Animated Characters (em inglês). Nova Iorque: Harper & Row. p. 175. ISBN 0060157771 
  23. Amidi, Amid (15 de julho de 2017). «In Her First Act As A Disney Legend, Whoopi Goldberg Tells Disney To Stop Hiding Its History». Cartoon Brew (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2017 
  24. Kits, Borys (8 de julho de 2014). «Live-Action 'Dumbo' in the Works From 'Transformers' Writer». The Hollywood Reporter. Consultado em 9 de julho de 2014 
  25. «Tim Burton será o diretor de nova versão de Dumbo». Correio Braziliense. Consultado em 12 de abril de 2015 
Precedido por
Fantasia
Lista de filmes de animação da Disney
1940
Sucedido por
Bambi