Schisandraceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSchisandraceae
(incl. ex-Illiciaceae)
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Clado: angiospérmicas
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Austrobaileyales
Família: Schisandraceae
Blume, 1830[1]
Géneros
Sinónimos[2]

Schisandraceae é uma família de plantas com flor da ordem Austrobaileyales[3][4] que agrupa cerca de 92 espécies repartidas por 3 géneros, com distribuição natural principalmente pelo sueste da Ásia, oeste da Sibéria e Japão, mas com algumas espécies no sueste dos Estados Unidos, leste do México, Cuba, Haiti e República Dominicana. Na circunscrição taxonómica que lhe foi dada pelo sistema APG IV, de 2016, a família inclui as antigas Illiciaceae, família que continha apenas o género Illicium.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Morfologia

Os membros da família Schisandraceae são pequenas árvores e arbustos (mesofanerófitos e microfanerófitos), lianas e trepadeiras sarmentosas, aromáticas, glabras, com até 25 m de altura. Os caules apresentam nodos unilacunares, com cilindro vascular, elementos do esclerênquima fibrosos, com ou sem ramificações.

As folhas são simples, ovadas a ovado-oblongas, alternas, espiraladas (raras vezes dísticas), por vezes agrupadas apicalmente, pecioladas, sem estípulas, coriáceas a cartáceas, com margeens denticuladas a sinuadas, por vezes inteiras.

São plantas monoicas ou dioicas, com flores unissexuais ou hermafroditas, actinomorfas, agrupadas em inflorescências axilares, supra-axilares ou subterminais, embora por vezes com flores solitárias, pareadas ou, raramente, em glomérulo.

As flores são pequenas, brancas, verdosas, amarelo-creme, alaranjadas, por vezes rosadas ou vermelhas, com receptáculo cónico, curto, por vezes muito modificado, tépalas 5-30(-33), em (1-)2-3 verticilos, elípticas a obovadas, as mais externas e internas frequentemente reduzidos em tamanho e de textura diferente, estames 4-50(-80), de desenvolvimento centrípeto, filamentos curtos, soldados na base ou livres, anteras tetra-esporangiadas, basifixas, ovado-oblongas a lanceolado-oblongas, antrorsas a latrorsas, tecas lateralmente deiscentes, conectivo de ligeiramente inchado a muito ampliado, por vezes sobressaindo apicalmente. O gineceu é súpero, com (5-)7-100(-300) carpelos ovoides a obovoides, em espiral sobre o receptáculo, formando uma massa elipsoidal a subglobosa, ou num verticilo, estilete subulado a cónico, estigma subpeltado, com um par de cristas ventrais, 1-5(-11) óvulos por carpelo, anátropos, crasinucelados, bitégmicos, pêndulos ou unidos ventralmente. O pólen é globular a oblato, hexacolpado, por vezes tricolpado, com três colpos convergentes (sincolpado) no pólo distal. A exina é semitectada-reticulada, com muros altos, e endexina contínua.

O fruto é uma baga ou folículo múltiplo, cada baga subglobosa a elipsoide, com pericarpo suculento, vermelho ou púrpura escuro. As sementes são 1-5(-11) por fruto, subglobosas a ovoides ou reniformes, aplanadas, com a testa dura ou quebradiça, lisa, rugosa ou tuberculada, com endosperma abundante, oleoso, e embrião pequeno.

O número cromossómico é n = 14, 2n = 28; n = 13 (em Schisandra coccinea ou Illicium floridanum); x = 7 provavelmente.

Fitoquímica

As espécies desta família são ricas em alcaloides, mono- e sesquiterpenos (particularmente do tipo da anisatina em Illicium), neolignanos do tipo do dibenzociclooctano e alilfenois. Embora em menores concentrações, apresentam flavonoides, lignanos e neolignanos do tipo do dibenzilbutano e do diariltetrahidrofurano. As flavonas estão ausentes.

Apresentam também secotriterpenoides de interesse quimiotaxonómico do tipo arisanlactonas, entre as quais a arisanlactona A.[6]

Ecologia

As espécies que integram a família ocorrem principlamnete nas florestas perene de regiões quentes e subtropicais da Ásia e da América, com algumas espécies a colonizar florestas decíduas e aciculifólias de regiões temperadas do nordeste da Ásia ou as selvas de altitudes elevadas (1000-2400 m) em Java e na Malásia.

Os membros das Schisandaceae são polinizadas predominantemente por insectos galhadores nocturnos da família Cecidomyiidae que põem os seus ovos nas flores masculinas e femininas (em espécies de Schisandraceae com flores unissexuais) ou nas flores de estágio masculino e feminino (em espécies com flores bissexuais). As larvas desses mosquitos desenvolvem-se no tecido floral assim que caem ao solo, alimentando-se de exsudatos florais (não de óvulos ou pólen).

Contudo, as flores de Illicium floridanum são vistosas, vermelhas ou roxas, com cheiro a peixe, sendo polinizados por vários insectos, principalmente Diptera. Outras espécies possuem flores menos atraentes e seus agentes polinizadores são desconhecidos, embora se presuma que sejam insectos.

As sementes de Illicium são expelidas dos folículos, apresentando hidrocoria ou possivelmente zoocoria.

Usos

A única espécie com interesse económico é o Illicium verum (a badiana), cujos frutos são conhecidos como anis-estrelado, uma espécie nativa da Ásia oriental, cujos frutos com sabor a erva-doce são usados ​​como condimento e em infusão. Contudo, algumas espécies do género Illicium exibem acentuada toxicidade. De duas outras espécies, Kadsura heteroclita e Schisandra chinensis são recolhidos frutos usadas na medicina tradicional asiática. Algumas espécies são usadas como ornamentais.

Filogenia e sitemática[editar | editar código-fonte]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Dentro da ordem Austrobaileyales, a relação filogenética entre as famílias é a seguinte:[7]

Austrobaileyales

Austrobaileyaceae

Schisandraceae

Trimeniaceae

Sistemática[editar | editar código-fonte]

Os sistemas clássicos de base morfológica tiveram dificuldade em enquadrar as espécies que constituem o agrupamento taxonómico que agora está integrado na família Schisandraceae, repartindo os respectivos géneros pelas famílias Magnoliaceae e Illiciaceae.

O sistema de Cronquist, de 1981, considerava as plantas desta família (no seu sentido lato) como duas famílias (Illiciaceae e Kadsuraceae) que juntas constituíam:

a ordem Illiciales,
na subclasse Magnoliidae,
na classe Magnoliopsida [=dicotiledóneas],
na divisão Magnoliophyta [=angiospérmicas].

O primeiro sistema de base essencialmente filogenética, o sistema APG de 1998, reconhecia as famílias Schisandraceae sensu stricto e Illiciaceae, não atribuídas a uma ordem. Considerava ambas as famílias como sendo das mais basais dentro do clado das angiospérmicas.

O sistema APG II, de 2003, também reconhecia esta família e colocava-a na ordem Austrobaileyales, que por sua vez era considerada uma das linhagens mais ancestrais do clado das angiospérmicas. Na acepção do sistema APG II esta família consistia num grupo de espécies de plantas lenhosas contendo óleos essenciais repartidas por 3 géneros.

No entanto, o sistema APG II permitia a opção de segregar o género Illicium como constituindo a família Illiciaceae. ESta opção deixava apenas dois géneros nesta família Schisandraceae sensu stricto, os géneros Schisandra e Kadsura, totalizando várias dezenas de espécies das regiões tropicais e temperadas do sudeste e leste da Ásia e da América do Norte e das Caraíbas.[8][9][10]

O sistema APG IV, de 2016, tam como o seu antecessor APG III reconhece esta família e coloca-a na ordem Austrobaileyales, dadando-lhe a sua presente circunscrição.[3][4]

Géneros[editar | editar código-fonte]

O nome botânico do género tipo da família, Schisandra, é derivado das palavras gregas: schizein, "divisão", e andros, "homem", uma referência ao órgão masculino que em muitas das espécies do género apresenta estames fendidos. São sinónimos taxonómicos para Schisandraceae Blume os nomes Illiciaceae Berchtold & Presl e Kadsuraceae Radogizky.

Na sua presente circunscrição, a família Schisandraceae inclui 3 géneros com cerca de 92 espécies.

Imagem Géneros Espécies extantes
Kadsura japonica (fruits).JPG Kadsura Kaempf. ex Juss., 1810
Illicium henryi in Hackfalls Arboretum (4).jpg Illicium L., 1759
Schisandra rubriflora.jpg Schisandra Michx., 1803

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Angiosperm Phylogeny Group (2009). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III». Botanical Journal of the Linnean Society. 161 (2): 105–121. doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.xAcessível livremente 
  2. PlantBio.
  3. a b Angiosperm Phylogeny Group (2016). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV». Botanical Journal of the Linnean Society. 181 (1): 1–20. ISSN 0024-4074. doi:10.1111/boj.12385Acessível livremente 
  4. a b Angiosperm Phylogeny Group (2009). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III». Botanical Journal of the Linnean Society. 161 (2): 105–121. ISSN 0024-4074. doi:10.1111/j.1095-8339.2009.00996.xAcessível livremente 
  5. «Illiciaceae» (em inglês). ITIS (www.itis.gov) 
  6. Cheng, Y.-B. et al., J. Nat. Prod., 2010, 73, 1228- 1233
  7. Stevens, P.F. «Austrobaileyales». Angiosperm Phylogeny Website 
  8. «Kadsura, Schisandra Distribution Pages». Plants of the World Online. Kew Science. Consultado em 4 November 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. Saunders, Richard M. K. (March 20, 2000). «Systematic Botany Monographs». The American Society of Plant Taxonomists. 58 (Monograph of Schisandra (Schisandraceae))  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Saunders, Richard M. K. (June 22, 1998). «Systematic Botany Monographs». The American Society of Plant Taxonomists. 54 (Monograph of Kadsura (Schisandraceae))  Verifique data em: |data= (ajuda)
  11. Govaerts & al. {{{3}}}. Schisandraceae em World Checklist of Selected Plant Families.
    The Board of Trustees of the Royal Botanic Gardens, Kew. Publicado na internet. Accesso: Schisandraceae de {{{2}}} de {{{3}}}.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Die Familie der Schisandraceae bei der APWebsite. (Abschnitte Systematik und Beschreibung)
  • Kurzbeschreibung vom Botanischen Garten Tübingen. (deutsch)
  • R. M. K. Saunders: Schisandraceae in Species plantarum: Flora of the World., Part 4, Canberra, Australian Biological Resources Study., 2001, 62 Seiten.
  • T. Denk, I.-C. Oh: Phylogeny of Schisandraceae based on morphological data: evidence from modern plants and the fossil record. In: Plant Systematics and Evolution, Volume 256, S. 113–145, Springer-Verlag, 2005.
  • Luo, S-X., L-J. Zhang, S. Yuan, Z-H. Ma, D-X. Zhang, and S. S. Renner. 2018. The largest early-diverging angiosperm family is mostly pollinated by ovipositing insects and so are most surviving lineages of early angiosperms. Proc. Roy. Soc. B 285: 20172365; DOI: 10.1098/rspb.2017.2365
  • Die Familie bei DELTA. Dort nur mit zwei Gattungen. (Abschnitt Beschreibung)
  • Yuhu Liu, Nianhe Xia, Liu Yuhu, Richard M. K. Saunders: Schisandraceae. ohne Illicium, S. 39 - textgleich online wie gedrucktes Werk, In: Wu Zheng-yi, Peter H. Raven, Deyuan Hong (Hrsg.): Flora of China. Volume 7: Menispermaceae through Capparaceae, Science Press und Missouri Botanical Garden Press, Beijing und St. Louis, 2008. ISBN 978-1-930723-81-8 (Abschnitte Beschreibung und Verbreitung)
  • Michael A. Vincent: Schisandraceae. mit nur zwei Gattungen - textgleich online wie gedrucktes Werk, In: Flora of North America Editorial Committee (Hrsg.): Flora of North America North of Mexico. Volume 3: Magnoliidae and Hamamelidae, Oxford University Press, New York und Oxford, 1997. ISBN 0-19-511246-6 (Abschnitte Beschreibung und Verbreitung)
  • Keng, H. 1993. Illiciaceae. En: Kubitzki, K., Rohwer, J.G. & Bittrich, V. (Editores). The Families and Genera of Vascular Plants. II. Flowering Plants - Dicotyledons. Springer-Verlag.
  • Keng, H. 1993. Schisandraceae. En: Kubitzki, K., Rohwer, J.G. & Bittrich, V. (Editores). The Families and Genera of Vascular Plants. II. Flowering Plants - Dicotyledons. Springer-Verlag.
  • Saunders, R.M.K. 2001. Schisandraceae. Species plantarum: Flora of the World. Part 4. Canberra, Australian Biological Resources Study. v + 62 págs.
  • Watson, L., and Dallwitz, M.J. 1992 onwards. The families of flowering plants: descriptions, illustrations, identification, and information retrieval. Version: 29th July 2006. http://delta-intkey.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]