Guerras romano-persas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerras Romano-Persas)
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Renato de carvalho ferreira (D C) 2 dias atrás. (Recarregar)

Guerras romano-persas
RomanEmpire 117-pt.svg
O Império Romano e os seus vizinhos no século II.
Data 92 a.C.628 d.C.
Local Mesopotâmia, Transcaucásia, Atropatene, Ásia Menor, Síria, Bálcãs, Palestina, Egito
Desfecho Status quo ante bellum
Combatentes
Spqrstone.jpg República Romana
Vexilloid of the Roman Empire.svg Império Romano
Império Bizantino
Parthia 001ad-pt.svg Império Parta
Derafsh Kaviani.png Império Sassânida
Principais líderes
Luculo
Pompeu
Crasso
Marco António
Ventídio
Córdubo
Trajano
Avídio
Estácio
Septímio Severo
Caracala
Macrino
Alexandre Severo
Timesiteu
Gordiano III
Valeriano
Balista
Macriano
Odenato
Caro
Galério
Galério II
Juliano, o Apóstata
Dagalaifo
Nevita
Joviano
Ardabúrio
Hipácio
Patrício
Areobindo
Celere
Vitaliano
Belisário
Buzes
Cutzes
Hermógenes
Faras
Sitas
Gabalas IV
Flávio Aretas
João Troglita
Degisteu
Bessas
Marciano
Justiniano
Alamundaros III
Maurício I
João Mistacão
Filípico
Comentiolo
Narses
Germano
Domenciolo
Prisco
Heráclio
Teodoro
Fraates
Surena
Pácoro I da Pártia
Quinto Labieno
Artabano II
Vologases I
Vologases IV
Artaxes I
Sapor I
Narses
Sapor II
Narses
Vararanes V
Narses
Izdegerdes II
Cavades I
Miran
Mermeroes
Aspebedes
Adergudunbades
Azaretes
Cosroes I
Alamundaros IV
Corianes
Tamcosroes
Adarmanes
Varaz Vzur
Mabodes
Cardarigan
Vararanes V
Zatsparam
Cosroes II
Sharbaraz
Cardarigan
Sain
Sarablangas
Razates

As guerras romano-persas foram uma série de conflitos militares entre o Estado romano e os sucessivos impérios iranianos: a Pártia e a Sassânia. A Pérsia, como um grande desenvolvimento cultural e militar, tornou-se um inimigo de Roma e manteve-se como tal por vários séculos. Os romanos viram nos persas uma potência semelhante a si, e os grandes reis de Ctesifonte viam-os da mesma forma. Os persas já há muito tempo denominam seus soberanos como "grande rei", o que lhes atribui uma grandeza similar à de augusto no Império Romano.[1]

As hostilidades entre estas potências iniciaram-se em 92 a.C. e prolongaram-se por séculos até serem concluídas com as invasões árabes muçulmanas, que atingiram os impérios Sassânida e Bizantino com efeito devastados logo após o fim do último conflito entre eles. Embora a guerra entre os romanos e partas/sassânidas tenha durado sete séculos, a fronteira permaneceu aproximadamente estável. Um jogo de cabo de guerra se seguiu: cidades, fortificações e províncias foram continuamente saqueadas, capturadas, destruídas e trocadas. Nenhum dos lados tinha força logística ou mão de obra para manter longas campanhas longe de suas fronteiras e, portando, nem poderiam avançar muito longe sem arriscar esticá-las muito tenuemente. Ambos os lados fizeram conquistas além da fronteira, mas com o tempo o equilíbrio foi quase sempre restaurado. A linha do impasse deslocou-se no século II: originalmente percorrendo a norte do Eufrates, neste período foi deslocada para leste e mais tarde para nordeste através da Mesopotâmia para o norte do Tigre. Houve também várias mudanças substanciais mais a norte, na Armênia e Cáucaso.

A despesa de recursos durante as guerras romano-persas provaram-se catastróficas para ambos os impérios. A prolongada e ascendente guerra dos séculos VI e VII deixou-os exaustos e vulneráveis à súbita emergência e expansão do Califado Rashidun, cujas forças invadiram ambos os impérios poucos anos após o fim da última guerra romano-persa. Beneficiados pela condição enfraquecida deles, os exércitos árabes muçulmanos rapidamente conquistaram o Império Sassânida e privaram o Império Bizantino de seus territórios no Levante, Cáucaso, Egito e Magrebe. Ao longo dos séculos seguintes, a maior parte do antigo território do Império Bizantino permaneceu sob domínio muçulmano.

Antecedentes históricos[editar | editar código-fonte]

De acordo com James Howard-Johnston "do século III a.C. ao começo do século VII d.C., os competidores rivais [no Oriente] foram estados com pretensões imperiais, que eram capazes de estabelecer e assegurar territórios estáveis que transcendem divisões regionais".[2] Os romanos e os partas vieram a ter contado através de suas respectivas conquistas de partes do Império Selêucida. Durante o século III a.C. os partas migraram das estepes da Ásia Central para o nordeste do Irã. Embora subjugados por um tempo pelos selêucidas, no século II se libertaram e estabeleceram um Estado independente que constantemente expandiu-se as custas de seus antigos governantes, conquistando a Pérsia e Mesopotâmia. Governados pela dinastia arsácida, os partas rechaçaram diversas tentativas selêucidas de reaver seus territórios perdidos e estenderam seu domínio fundo dentro da Índia (ver Reino Indo-Parta). Enquanto isso os romanos expulsaram os selêucidas de seus territórios na Anatólia no começo do século II a.C., após derrotarem Antíoco III Magno em Termópilas e Magnésia. Finalmente, em 64 a.C. Pompeu conquistou o restante dos territórios selêucidas na Síria, extinguindo seu Estado e avançando a fronteira oriental romana para o Eufrates, onde encontrou o território dos partas.[3] [4]

Guerras romano-partas[editar | editar código-fonte]

República Romana contra o Império Parta[editar | editar código-fonte]

República Romana, Império Selêucida e Pártia em 200 a.C. Logo tanto os romanos como os partas invadiriam os territórios selêucidas e tornariam-se os estados mais fortes da Ásia ocidental.
Pártia e seus sub-reinos em 1 d.C.

O empreendimento parta no Ocidente começou no tempo de Mitrídates I (r. 171-138 a.C.) e foi revivido por Mitrídates II (r. 123-88 a.C.), que negociou sem sucesso com Lúcio Cornélio Sula para uma aliança romano-parta (c. 105 a.C.).[5] [6] [7] Quando Lúcio Licínio Lúculo invadiu o sul da Armênia e liderou um ataque contra Tigranes, o Grande (r. 95-55 a.C.) em 69 a.C., ele correspondeu-se com Fraates III (r. 70-57 a.C.) para convencê-lo a intervir. Embora os partas tenham permanecido neutros, Lúculo considerou a possibilidade de atacá-los.[8] [9] Em 66-65 a.C., Pompeu chegou a um acordo com Fraates, e tropas romano-partas invadiram a Armênia, mas uma disputa logo surgiu sobre a fronteira do Eufrates. Finalmente, Fraates afirmou seu controle sobre a Mesopotâmia, exceto pelo distrito ocidental do Reino de Osroena, que tornou-se uma dependência romana.[10] O general romano Marco Licínio Crasso liderou uma invasão na Mesopotâmia em 53 a.C. com resultados catastróficos; ele e seu filho Públio foram mortos na batalha de Carras pelos partos sob o general Surena; esta foi a pior derrota romana desde a batalha de Canas.[11] [12] Os partas realizaram um raide à província romana da Síria no ano seguinte, e montaram uma grande invasão em 51 a.C., mas o exército deles caiu em uma emboscada romana próxima de Antigônia, e foi rechaçado.[13]

Os partas mantiveram-se em grande parte neutros durante Guerra Civil Cesariana, travada entre as forças apoiantes de Júlio César e as de Pompeu, estas com apoio da facção tradicional do senado romano. Contudo, eles mantiveram relações com Pompeu, e após sua derrota e morte, uma força sob Pácoro I ajudou o general pompeano Quinto Cecílio Basso, que foi sitiado no vale de Apameia pelas forças cesarianas. Com o fim da guerra civil, Júlio César preparou uma campanha contra a Pártia, mas seu assassinato evitou a guerra. Os partas apoiaram Bruto e Cássio durante a Guerra Civil dos Liberadores enviando um contingente para lutar ao lado deles na batalha de Filipos em 42 a.C..[14] [15] Após a derrota dos liberadores, os partas invadiram o território romano em 40 a.C. em conjunção com o romano Quinto Labieno, um antigo apoiante de Bruto e Cássio. Eles rapidamente invadiram a província romana da Síria e avançaram para a Judeia, derrubando o cliente romano Hircano II e instalaram seu sobrinho Antígono. Por um momento, o Oriente romano inteiro parecia perdido para os partas ou prestes a cair em suas mãos. Contudo, a conclusão da segunda guerra civil logo reviveu a força romana na Ásia.[16] Marco António tinha enviado Ventídio para se opor a Labieno, que havia invadido a Anatólia. Logo Labieno foi rechaçado para a Síria pelas forças romanas e, embora reforçado pelos partas, foi derrotado, tomado como prisioneiro e morto. Após sofrerem outra derrota próximo dos Portões Sírios, os partas se retiraram para a Síria. Eles retornaram em 38 a.C. mas foram decisivamente derrotados por Ventídio, e Pácoro foi morto. Na Judeia, Antígono foi deposto com ajuda de Herodes, o Grande (r. 37-4 a.C.) em 37 a.C.[15] [17] [18] Com a restauração do controle romano na Síria e Judeia, Marco António liderou um enorme exército no reino de Atropatene, mas seu comboio e escolta foram isolados e eliminados, enquanto seus aliados armênios desertaram. Falhando em fazer progresso contra as posições partas, os romanos se retiraram com pesadas baixas. Antônio foi novamente para a Armênia em 33 a.C. para juntar-se com o rei medo contra Otaviano e os partas. Outras precauções obrigaram-o a se retirar, e a região inteira caiu sob controle parta.[19] [20]

Império Romano contra Império Parta[editar | editar código-fonte]

Como as tensões entre as duas potências ameaçavam renovar a guerra, Caio César e Fraates V (r. 2 a.C.-4 d.C.) prepararam um compromisso em 1 d.C.. De acordo com o pacto, a Pártia comprometeu-se a retirar suas forças da Armênia e reconhecer de facto um protetorado romano lá. No entanto, a rivalidade romano-persa pelo controle e influência na Armênia continuou inabalável nas décadas seguintes.[21] A decisão do rei parta Artabano II (r. 10-35; 36-38 d.C.) de colocar seu filho no trono armênio vago desencadeou uma guerra com Roma em 36 d.C., que terminou quando Artabano II abandonou a reivindicação de uma esfera de influência na Armênia.[22] A guerra eclodiu em 58 d.C. após o rei parta Vologases I (r. 51-78 d.C.) forçosamente instalar seu irmão Tirídates I no trono armênio.[23] [24] As forças romanas derrubaram Tirídates e o substituíram com um príncipe capadócio, desencadeando uma guerra inconclusiva. Isto chegou ao fim em 63 d.C. após os romanos concordarem em permitir Tirídates e seus descendentes de governarem a Armênia na condição de que eles fossem investidos no trono pelo imperador romano.[25] [26]

Guerra romano-parta de 58-63
Roman-Parthian War 58-60.pt.svg
Roman-Parthian War 61-63.pt.svg

Uma nova série de conflitos começou no século II, durante os quais os romanos consistentemente mantiveram vantagem sobre os partas. O imperador Trajano (r. 98–117) invadiu a Armênia e Mesopotâmia durante 114 e 115 e anexou-as como províncias romanas. Ele capturou a capital parta, Ctesifonte, antes de velejar rio abaixo em direção ao golfo Pérsico.[27] Contudo, revoltas eclodiram em 115 nos territórios ocupados, enquanto uma grande revolta judia estourou em território romano, severamente espalhando os seus recursos militares. As forças partas atacaram as posições chave romanas, e as guarnições em Selêucia, Nísibis (atual Nusaybin) e Edessa (atual Şanlıurfa) foram expulsas pelos habitantes locais. Trajano subjugou os rebeldes na Mesopotâmia, mas tendo instalado no trono, como cliente, o príncipe parta Partamaspates, ele retirou seus exércitos e retornou para a Síria.

Trajano morreu em 117, antes de ser capaz de reorganizar e consolidar o controle romano sobre as províncias partas.[28] A guerra parta de Trajano inicialmente uma "mudança de ênfase na grande estratégia do Império Romano", mas seu sucessor, Adriano, decidiu que era de interesse de Roma restabelecer o Eufrates como limite de controle direto. Adriano retornou o status quo ante bellum, e entregou os territórios da Armênia, Mesopotâmia e Adiabena para seus governantes e reis-clientes anteriores.[29] [30]

A guerra sobre a Armênia eclodiu novamente em 161, quando Vologases IV (r. 147-191) derrotou os romanos lá, capturou Edessa e devastou a Síria. Em 163, um contra-ataque romano sob Estácio Prisco derrotou os partas na Armênia e instalou um candidato pró-romano no trono armênio. Nos anos seguintes, Avídio Cássio invadiu a Mesopotâmia, vencendo batalhas em Dura Europos e Selêucia e saqueando Ctesifonte em 165. Uma epidemia que estava varrendo a Pártia naquele tempo, possivelmente de varíola, espalhou-se no exército romano e forçou-o a se retirar;[31] esta foi a origem da Praga Antonina que durou uma geração em todo o Império Romano. Em 195-197, uma ofensiva romana sob o imperador Septímio Severo (r. 193-211) levou à aquisição de áreas ao norte da Mesopotâmia tão distantes como as vizinhanças de Nísibis e Singara bem como o segundo saque de Ctesifonte.[32] Uma guerra final contra os partas foi lançada pelo imperador Caracala (r.211-217), que saqueou Arbela em 216. Após seu assassinato, seu sucessor, Macrino (r. 217-218), foi derrotado pelos partas perto de Nísibis. Em troca de paz, foi obrigado a pagar pelo dano causado por Caracala.[33] [34]

Guerras romano-sassânidas[editar | editar código-fonte]

Conflitos iniciais entre romanos e sassânidas[editar | editar código-fonte]

Baixo-relevo em Naqsh-i-Rustam representando a investidura de Artaxes I.

Os conflitos foram retomados pouco depois da derrubada do rei parta Artabano IV (r. 208-224) e a fundação do Império Sassânida por Artaxes I (r. 226-240/242). Sua primeira manobra contra os romanos foi uma invasão à Mesopotâmia e à Síria em 230. Segundo fontes clássicas ocidentais, ele justificou seu ato em seu desejo de recuperar os antigos territórios pertencentes ao Império Aquemênida,[35] [36] [37] todavia, devido à discrepância dessas fontes com aquelas provenientes do Oriente, ainda há discordância entre os historiadores modernos quanto à interpretação correta.[38] [39] Alexandre Severo (r. 222-235), após negociações infrutíferas, levantou-se contra ele em 232. De acordo com Herodiano, os exércitos romanos sofreram uma série de reveses e derrotas,[40] enquanto de acordo com a História Augusta[41] bem como o registro enviado ao senado romano pelo próprio Alexandre, ele teve grandes vitórias.[42] Fazendo de Antioquia (atual Antakya) sua base, marchou com suas tropas para Ctesifonte mas logrou apenas resultados parciais: uma das três colunas do exército romano foi aniquilada pelos persas[43] e as demais bateram em retirada pela Armênia.[44] Embora os sassânidas tenham sido repelidos neste momento,[45] [46] a conduta do exército romano mostrou uma extraordinária falta de disciplina.[47]

Em 238-240, no final de seu reinado, Artaxes atacou novamente, tomando várias cidades na Síria e Mesopotâmia, incluindo Carras (atual Harã), Nisibis (atual Nusaybin) e Hatra.[48] [49] A luta foi retomada e intensificada sob o sucessor de Artaxes, Sapor I (r. 340/342-372). Sapor I dirigiu três campanhas contra o Império Romano, cuja cronologia precisa é desconhecida devido às contradições contidas nas fontes. Uma fonte de interesse é a conhecida inscrição trilíngue (em persa médio, parto e grego) de Naqsh-i-Rustam, denominada res gestae divi Saporis, uma crônica de Sapor I sobre sua vitória. De modo diferente são consideradas as fontes ocidentais, como a História Augusta, que apenas oferecem informação fidedigna sobre o desenvolvimento das campanhas.[a]

Sapor I[editar | editar código-fonte]

Baixo-relevo em Naqsh-i-Rustam representando Sapor I (no cavalo) com Filipe, o Árabe e Valeriano.
Camafeu representando Sapor I humilhando Valeriano.

A primeira campanha de Sapor I desenvolveu-se entre 242-244. Segundo a "Vida dos três Gordianos", incluída na História Augusta, o imperador Gordiano III (r. 238-244) marchou pela Síria em direção a Antioquia que havia sido tomada pelos persas e, após uma decisiva vitória nas imediações de Resaina (atual Râs-el‑Ain), logrou retomar a cidade bem como Nísibis e Carras.[50] Ainda segundo esta, foi pouco depois que o prefeito do pretório Filipe, o Árabe tramou uma conjura contra Gordiano que custou sua vida.[51] Esta versão, porém, é contestada com base nas informações contidas nos anais dos sassânidas que afirmam que o imperador teria morrido como consequência de sua derrota na batalha ocorrida nas proximidades de Misiche (ca. 40 km da atual Bagdá).[52] [53] [54] [55] [56] [57] Com a morte de Gordiano III, Filipe, o Árabe (r. 244-249) assumiu o trono imperial e apressadamente negociou a paz.[58] Embora acusado de abandonar o território, os termos da paz não foram tão humilhantes como poderiam ter sido. Filipe aparentemente reteve os territórios de Osroena e Mesopotâmia que Timesiteu havia reconquistado, mas concordou que a Armênia ficasse sob a esfera de influência da Pérsia [59] . A Armênia recusou o reconhecimento da autoridade persa, o que causou novos atritos em 245.[60] Ele também teve que pagar uma enorme indenização aos persas de 500.000 denários de ouro;[61] Filipe imediatamente cunhou moedas proclamando que tinha feito paz com os persas (pax fundata cum Persis).[62]

Embora Filipe tenha sido honrado ao retornar para Roma com apelidos triunfais como Parthicus Adiabenicus, Persicus Maximus e Parthicus Maximus,[63] parece que os romanos sofreram uma dolorosa derrota. Sapor imortalizou o seu triunfo em vários relevos, e em 252 reiniciou as suas operações militares contra Roma.[64] Provavelmente devido à disputa com os romanos pelo controle da Armênia,[65] [66] Sapor invadiu o Império Romano e internou-se na Síria onde conseguiu uma decisiva vitória contra um exército romano de 60.000 homens na batalha de Barbalissos. Sem qualquer resistência,[67] [68] o exército persa conquistou Hierápolis e dividiu-se em dois grupos que conquistaram Beroia (atual Alepo), Cálcis, Apameia, Rafânia, Zeugma e Urima. Partindo em direção a Gindaros e Larmenaza, os persas atacaram Selêucia Piéria[69] e então conquistaram Antioquia, Cirro, Alexandreta (atual İskenderun) e Nicópolis. Em seguida, uma nova expedição comandada pelo filho de Sapor, Orzimid, partiu da Armênia em direção à Capadócia onde várias cidades foram tomadas: Larissa, Hamate (atual Hama), Aretusa (atual Al-Rastan), Doliche (atual Gaziantep), Dura-Europos,[b] Circésio (atual Al-Busayrah), Batna (atual Suruç), Germanícia (atual Kahramanmaraş) e Chanar.[70]

Tais sucessos persas deveram-se, principalmente, à ineficiência romana em defender suas fronteiras devido a uma crise interna que assolava o império. Os imperadores Treboniano Galo (r. 251-253) e seu filho Volusiano (r. 251-253), em 253, foram ameaçados por uma revolta do general Emiliano (r. 253). Emiliano, na tentativa de usurpar o trono, marchou com suas tropas para a Itália onde uma grande batalha aconteceu e o imperador e seu filho foram derrotados e mortos por deserção de suas tropas que optaram por aclamar o general Valeriano; as tropas de Emiliano também desertaram e o mataram. Valeriano (r. 253-260), ratificado como imperador pelo senado juntamente com seu filho Galiano (r. 253-268), começou a agir. Em 257, marchou para o Oriente onde temporariamente recuperou Antioquia do jugo persa, todavia, seu sucesso foi temporário devido às invasões dos godos na Ásia Menor que impossibilitaram a progressão da campanha. Em 259/260, partiu para Edessa com seu exército para defendê-la de uma investida de Sapor I.[71] Neste ponto há divergência quanto à informação contida nas fontes. Segundo algumas, em uma tentativa de negociação o imperador foi vítima de uma traição e foi capturado.[72] [73] Segundo outras, sua captura se deveu à derrota na batalha de Edessa, o que está de acordo com as informações do res gestae divi Saporis:[74] [75]

Na terceira campanha, quando nós atacamos Carras e Urhai [Edessa] e fomos cercar Carras e Urhai o césar Valeriano marchou contra nós. Ele tinha com ele uma força de 70.000 [...] E além de Carras e Edessa nós tivemos uma grande batalha contra o césar Valeriano. Nós fizemos prisioneiros com nossas próprias mãos o césar Valeriano e os outros, chefes daquele exército, o prefeito pretoriano, senadores; nós fizemos todos prisioneiros e os deportamos para "Persis".[76]

Seja como for, a derrota romana significou um revés duradouro, já que um terço do efetivo de ca. 150.000 homens do império havia perecido.[77] Sem um exército para defender a região, Sapor I pode, segundo o res gestae divi Saporis, saquear 36 cidades da Cilícia, Capadócia e Síria. De modo a impedir o avanço inimigo, o imperador Galiano enviou os oficiais Balista, Macriano e Odenato que satisfatoriamente expulsaram os persas;[78] nos anos seguintes, Odenato prosseguiu com novas campanhas contra o Império Sassânida, recapturando Antioquia, Armênia[79] [80] [81] [82] e Nísibis, e alcançando até mesmo Ctesifonte.[83] Sapor I, compelido a intervir militarmente na fronteira oriental persa devido ao Império Kushana, atuou na defensiva com relação aos romanos até o fim de seu reinado.[84]

A campanha persa de Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Arco de Galério, em Salônica, erigido por Galério para celebrar a sua vitória sobre os sassânidas.
Detalhe do Arco de Galério representando seu ataque contra Narses.

Após a morte de Sapor I ca. 272, as hostilidades entre estes estados tornou-se branda por alguns anos, não havendo nenhum conflito direto até o reinado do imperador Marco Aurélio Caro (r. 282-283), embora Aureliano (r. 270-275), em 275, tenha planejado uma investida contra os persas.[85] Em 283, após derrotar os quados e sármatas no Danúbio,[86] e aproveitando-se da ausência do imperador Vararanes II (r. 276-293) que estava em campanha no Oriente, Caro invadiu o Império Sassânida pela Armênia,[87] anexou a Mesopotâmia, ocupou Selêucia e Ctesifonte e marchou com suas tropas pelo Tigre.[88] Estas vitórias, no entanto, foram temporárias, pois após a repentina morte do imperador os romanos retrocederam e seus ganhos foram perdidos.[89] [90] [91] [92] [93]

Em 287, os sassânidas renunciaram sua reivindicação sobre a Armênia e reconheceram a autoridade romana nas porções oeste e sul do rio Tigre. A porção ocidental da Armênia tinha sido incorporada ao Império Romano e havia se tornado uma província. Tirídates III, pretendente arsácida ao trono armênio e cliente romano, havia sido deserdado e foi forçado a refugiar-se no território romano após a conquista persa em 252-253. Em 287, retornou para reivindicar a porção oriental de seu antigo domínio e não encontrou nenhuma oposição.[94] [95] Os presentes de Vararanes II foram amplamente reconhecidos como um símbolo de uma vitória no conflito com a Pérsia, e Diocleciano (r. 284-305) foi saudado como o "fundador da paz eterna". Os eventos podem representar um fim formal da campanha de Caro, que provavelmente terminou sem uma paz reconhecida.[96] Na conclusão de discussões com os persas, Diocleciano reorganizou a fronteira mesopotâmica e fortificou a cidade de Circésio (atual Al-Busayrah).[97] [98] [99] Além disso, o imperador engajou-se em fomentar alianças entre os romanos e as tribos árabes do deserto, o que levou a atritos com os sassânidas dado que alguns dos príncipes destas tribos eram clientes deles.[100]

Narses (r. 293-302), tentando identificar-se com os beligerantes Artaxes e Sapor I, iniciou uma nova guerra contra Roma. Em 295 ou 296, invadiu a Armênia ocidental e capturou as terras entregues a Tirídates na paz de 287[101] [102] [103] e no ano seguinte moveu-se para sul em direção à Mesopotâmia romana onde infringiu uma derrota severa em Galério na região entre Carras (atual Harã) e Calínico (atual Raqqa).[104] Diocleciano, que estava no Egito debelando uma rebelião, marchou apressadamente para a Síria onde, para castigar Galério, obrigou-o a correr uma milha diante de sua carruagem enquanto trajava o manto púrpura.[105] [106] [107] [108] Reforçado por contingentes provenientes do Danúbio,[109] em 298 Galério realizou um ataque no norte da Mesopotâmia via Armênia;[c] é incerto de Diocleciano participou da campanha, havendo a possibilidade dele ter retornado para o Egito ou Síria.[d] Narses recuou para a Armênia para lutar contra as forças romanas o que criou uma desvantagem para o lado persa: o terreno armênio era favorável à infantaria romana, mas não à cavalaria sassânida. Em duas batalhas, os romanos conseguiram duas grandes vitórias sobre os persas. Durante o segundo encontro, as forças romanas capturaram o acampamento de Narses, seu tesouro, harém e esposa.[110] O exército romano continuou descendo pelo Tigre e tomou a capital persa Ctesifonte antes de retornar para território romano pelo Eufrates.[111] [112]

Mapa do Cáucaso em 300.

Narses enviou um embaixador para Galério para pleitear o retorno de suas esposas e filhos no curso da guerra, mas o oficial romano o dispensou. Várias negociações de paz começaram na primavera de 299. O magister memoriae (secretário) de Diocleciano e Galério, Sicório Probo, foi enviado à Pérsia para apresentar termos.[111] As condições da resultante paz de Nísibis foram pesadas: a Armênia retornaria para domínio romano, com o forte de Ziata como fronteira; a Ibéria pagaria fidelidade a Roma sob um nomeado romano; Nísibis, agora sob controle romano, se tornaria o único canal de comércio entre a Pérsia e o Império Romano; Roma exerceria controle sobre as cinco satrapias entre o Tigre e a Armênia: Ingilena, Sofena, Arzanena, Corduena e Zabdicena (próximo da moderna Hakkâri). Estas regiões incluíam a passagem do Tigre através do Antitauro, o acesso ao planalto Tur Abdin e a passagem Bitlis, a rota sul mais rápida em Persarmênia.[110] [113]

A faixa de terra contendo as fortalezas de Amida (atual Diyarbakır) e Bezabde ficaram sob firme ocupação militar romana. Com estes territórios, Roma teria uma estação militar ao norte de Ctesifonte, e seria capaz de retardar qualquer avanço futuro das forças persas através da região. Muitas cidades a leste do Tigre mantiveram-se sob controle romano, incluindo Tigranocerta, Siirt, Martirópolis (atual Silvan), Balalesa (atual Bitlis), Moxos (atual Bakhchysarai), Daudia (atual Dohuk) e Arzan - embora seja incerto sob qual estado.[112] Na conclusão da paz, Tirídates recuperou seu trono e a totalidade de seu território ancestral.[111] Roma assegurou uma ampla zona de influência cultural, que levou a uma ampla difusão do cristianismo siríaco com o centro em Nísibis nas décadas seguintes, e a uma posterior cristianização da Armênia.[110]

A reviravolta de Constantino[editar | editar código-fonte]

Guerras civis da Tetrarquia. Este mapa não contempla os territórios adquiridos na Paz de Nísibis.
Império Romano em 337 d.C., com as conquistas de Constantino na Dácia através do Danúbio inferior (roxo pontilhado) e outras dependências romanas (roxo claro).

Em 305, voluntariamente, Diocleciano abdicou ao trono.[114] [115] A Tetrarquia, criada por ele, ruiu à sua morte. Com a aclamação de Constantino (r. 306-337), em 306, como césar da Gália, uma série de distúrbios eclodiram entre os imperadores romanos, o que levou à guerras civis que terminariam, em 324, com Constantino se tornando imperador único.[116] Seu governo foi caracterizado por numerosas reformas, inclusive sobre a situação dos cristãos, o que gerou a expressão reviravolta de Constantino. Em fevereiro de 313, reuniu-se com Licínio em Milão, onde desenvolveu o chamado Édito de Milão que estabelecia que os cristãos seriam livres para seguir sua fé sem opressão.[117] Isto removeu penalidades por professar o cristianismo, religião anteriormente perseguida pelo império, e retornou as propriedades confiscadas da igreja. O édito protegeu da perseguição religiosa não apenas os cristãos mas todas as religiões, permitindo a qualquer um adorar qualquer deidade de sua escolha. Um édito similar tinha sido emitido em 311 por Galério, enquanto imperador sênior da Tetrarquia; o Édito de Galério garantiu aos cristãos direito de praticar sua religião mas não restaurava qualquer propriedade deles.[118]

Tais mudanças de postura do Império Romano em relação aos cristãos foram motivo de preocupação entre os sassânidas. Até então eles estavam certos da lealdade de seus súditos desta religião, pois no território romano os cristãos eram perseguidos, mas agora temiam que colaborassem com o imperador de Roma, que era considerado um benfeitor dos cristãos e fundara a sua autoridade imperial nas ideias do cristianismo. Em uma carta escrita para o imperador persa Sapor II (r. 309-379), Constantino afirmou seu patrocínio aos cristãos da Pérsia e pediu que Sapor os tratasse bem.[119] [120] [121] Além disso, com a conversão em 301 de Tirídates III (r. 287-330) da Armênia e Miriam III (r. 284-361) da Ibéria em 334, estes Estados (em 301 e 337 respectivamente) oficializaram o cristianismo o que deteriorou ainda mais a posição persa no Oriente.[122] [123]

Sapor II, em resposta a tais eventos, iniciou uma série de raides em solo romano o que fez Constantino responder, em 335, enviando seu filho Constâncio para proteger a fronteira oriental. Em 336, o príncipe Narses invadiu a Armênia, instalando um cliente persa no trono, e capturou a fortaleza romana de Amida (atual Diyarbakır). Constâncio prontamente atacou Narses e, após sofrer contratempos menores, o derrotou e matou na batalha de Narasara.[124] [125] Constâncio capturou Amida e iniciou um grande trabalho de refortificação da cidade, melhorando o circuito de muros e construindo grandes torres. Ele também construiu uma nova fortaleza nas proximidades que foi nomeada Antinópolis.[126]

Constantino então resolveu fazer campanha contra a Pérsia.[127] [128] Ele tratou a guerra como uma cruzada cristã, chamando os bispos para acompanhar o exército e a colocação de uma tenda na forma de uma igreja para segui-lo em todos os lugares. Diplomatas persas vieram a Constantinopla durante o inverno de 336-337 buscando paz, mas ele os mandou de volta. Na ocasião da campanha, Hanibaliano, o sobrinho do imperador, foi feito Rex Regum et Ponticarum Gentium ("rei dos reis e do povo pôntico");[129] [130] a ele foi atribuído a cidade de Cesareia Mázaca (atual Kayseri), a província do Ponto, a Capadócia e parte da Armênia.[131] Em 337, ano que se iniciaria as operações militares, Constantino adoeceu e a empreitada foi cancelada.[132] [133] [134]

Constâncio II[editar | editar código-fonte]

Efígies de Constâncio II e Sapor II respectivamente.
Constantius II - solidus - antioch RIC viii 025.jpg
Shapurii.jpg

Após a morte de Constantino, supostamente Constâncio, coroado como Constâncio II (r. 337-361), ordenou o massacre de seus parentes descendentes do segundo casamento de seu avô paterno Constâncio Cloro, embora os detalhes sejam incertos.[135] [136] [137] [138] O massacre matou dois dos tios de Constâncio II e seis de seus primos,[139] incluindo Hanibaliano e Dalmácio, governadores das províncias do Ponto e Mésia, respectivamente.[131] [140] Após estas turbulências, Constâncio partiu para Antioquia para prosseguir a guerra contra a Pérsia. Enquanto estava fora da fronteira oriental no começo de 337, Sapor II reuniu um grande exército, incluindo elefantes de guerra, e lançou um ataque em território romano, devastando a Mesopotâmia[141] e colocando Nísibis sob cerco.[142] Apesar do sucesso inicial, Sapor deixou seu cerco após seu exército perder a oportunidade de explorar um muro colapsado;[143] posteriormente a cidade seria sitiada novamente em 346 e 350.[144]

Sapor II, embora tenha sido vitorioso em muitos confrontos com os romanos, falhou em fazer qualquer ganho significativo.[145] [146] Repetidamente Constâncio II eficazmente defendeu a fronteira oriental das invasões persas. Estes conflitos foram principalmente limitados aos cercos sassânidas às grandes fortalezas da Mesopotâmia (Nísibis (atual Nusaybin), Singara, Amida (atual Diyarbakır)), embora tenham ocorrido grandes batalhas como aquela nas proximidades de Singara em 348, onde ambos os lados tiveram pesadas baixas e um príncipe sassânida pereceu.[147] [148] Aparentemente, Constâncio tentou evitar confrontos em campo aberto. Isto principalmente porque ele não tinha controle de todo o efetivo militar do império, pois este estava dividido entre ele e seus irmãos Constantino II (r. 337-361) e Constante I (r. 337-350), e também devido à grande vantagem que as fortalezas romanas proporcionavam. O sistema de fortificações romanas baseava-se na posse de importantes cidades estratégicas, que abasteciam de víveres as fortificações circundantes.[149] Nísibis era uma peça chave deste sistema, o que explica os repetidos (e infrutíferos) esforços de Sapor II para conquistá-la.[150]

Em 350, após retroceder de Nísibis devido a pesadas baixas, Sapor II e os romanos firmaram uma trégua para que ele pudesse cuidar de incursões de povos nômades no Império Sassânida.[151] [152] No entanto, a paz não seria definitiva. Em 351, necessitando partir para ocidente para enfrentar o usurpador Magnêncio (r. 350-353), Constâncio II deixou seu primo Constâncio Galo como césar do Oriente para que pudesse intervir militarmente contra os sassânidas.[153] No inverno de 357-358, Constâncio recebeu embaixadores de Sapor II que exigiam que Roma restaurasse os territórios abandonados por Narses;[154] [155] Amiano Marcelino nos dá uma crônica do evento:

Eu, Rei de Reis, Sapor, Companheiro das Estrelas, Irmão do Sol e da Lua, desejo a Constâncio César, o meu irmão, tudo bem.[156]
Eu, vencedor por água e por terra, Constâncio, sempre divino Augusto, desejo para meu irmão, o rei Sapor, tudo bem.[156]

Apesar de rejeitar os termos,[157] [158] Constâncio tentou evitar guerra com o Império Sassânida enviando dois embaixadores (Luciniano e Procópio).[159] [160] [161] [162] Sapor II, no entanto, lançou outra invasão na Mesopotâmia romana.[163] Em 360, quando a notícia de que os persas haviam destruído Singara,[164] e tomado Cifas (atual Hasankeyf), Amida,[165] e Ad Tigre (atual Cizre),[166] Constâncio decidiu viajar para Oriente para enfrentar a ameaça. Primeiro tentou retomar Ad Tigre,[167] e após uma investida insatisfatória, voltou para Antioquia onde reuniu um grande exército para lançar novos ataques.[168] Esta campanha causou pesadas baixas aos persas e permitiu que, por um curto período, Constâncio II pudesse se preocupar com seu primo Juliano, que havia se rebelado na Gália.[169]

Juliano, o Apóstata[editar | editar código-fonte]

Soldo de Juliano (c. 361). No reverso representam-se as forças militares do Império Romano.

Com a morte repentina de Constâncio II em 3 de novembro de 361, Juliano assumiu o trono imperial. Um plano audacioso foi formulado cujo objetivo era sitiar a Ctesifonte e definitivamente proteger a fronteira oriental. No entanto, a motivação total desta ambiciosa operação, é, na melhor das hipóteses, incerta. Não havia necessidade de uma invasão, dado que os sassânidas enviaram emissários na esperança de firmar as questões pacificamente. Juliano rejeitou esta oferta.[170] Amiano Marcelino afirma que ele ansiava por vingança dos persas e que um certo desejo por combate e glória também desempenharam um papel na decisão de ir para guerra;[171] segundo Amiano Marcelino, ele pretendia emular Alexandre, o Grande.[172] [173] No entanto, Juliano enfrentou problemas internos com seu exército. Muitos soldados dirigentes da Gália, como Dagalaifo e Nevita, eram pagãos, enquanto a maioria daqueles do Oriente professava o cristianismo. Além disso, os oficiais orientais, devido a sua experiência de combate com os persas, eram céticos quanto a uma ofensiva desta proporção, sendo esta a possível explicação para o emprego do decimatio de corpos completos do exército durante o posterior desenvolvimento de sua campanha.[174]

Em 5 de março de 363, apesar de uma série de presságios contra a campanha, Juliano partiu de Antioquia (atual Antakya) com ca. 65.000-83.000[e][175] ou 80.000-90.000 homens,[176] e se dirigiu em direção ao norte do Eufrates.[177] [178] No caminho, foi encontrado por embaixadores de vários poderes pequenos oferecendo assistência, nenhum dos quais aceitou. Ele ordenou que o rei armênio Ársaces II reunisse um exército e aguardasse instruções.[179] Ele cruzou o Eufrates próximo de Hierápolis (próximo da atual Denizli) e moveu-se para leste de Carras (atual Harã) dando a impressão que a rota escolhida dentro do território persa fosse descendo o Tigre;[180] segundo Amiano, pressentimentos rondavam o imperador enquanto estiveram nas proximidades de Carras, lugar da famosa derrota de Crasso em 53 a.C.[181] Por esta razão, parece que enviou uma força de 30.000 soldados sob Procópio e Sebastiano ainda mais para leste para devastar a Média em conjunto com as forças armênias. Este era o lugar onde antes as campanhas romanas tinham se concentrado e onde as principais forças persas foram logo direcionadas. A estratégia de Juliano estava em outro lugar, contudo. Ele tinha uma frota de mais de 1000 navios em Samósata (atual Samsat) a fim de fornecer suprimentos para seu exército para uma marcha pelo Eufrates e 50 navios de pontão para facilitar a travessia do rio. Procópio e os armênios marchariam pelo Tigre para encontrar Juliano próximo de Ctesifonte.[182] O objetivo final de Juliano parece ter sido "mudança de regime", substituindo Sapor II por seu irmão Ormisdas.[183] [184]

Relíquia sassânida representando a investidura de Artaxes II (r. 379-383). Na cena estão representados Mitra (esquerda), Sapor II ou Aúra-Masda (centro)[185] e Artaxes II (direita), bem como o imperador Juliano morto.

Após fingir uma marcha mais para leste, o exército de Juliano virou para sul em Circésio (atual Al-Busayrah) chegando no começo de abril na confluência do rio Khabur com o Eufrates. Passando por Dura Europos (atual Salihiye) em 6 de abril, o exército fez bom progresso, ignorando cidades após negociações e sitiando aquelas que escolheram se opor a ele.[182] No fim de abril, os romanos capturaram a fortaleza de Pirisabora (atual Anbar), que guardava um canal próximo do Eufrates para Ctesifonte no Tigre.[186] Como o exército marchou em direção a capital persa, o inimigo rompeu os diques que cruzavam a terra, transformando-a em um terreno pantanoso, fazendo o progresso do exército ser mais retardado.[187] Em meados de maio, o exército havia chegado às proximidades da capital persa, onde Juliano descarregou alguns navios e transportou suas tropas através do Tigre ao norte.[188] Diante dos portões da cidade os romanos derrotaram os persas (Batalha de Ctesifonte), fazendo-os retroceder para a cidade.[189]

Embora o inegável sucesso tático deixou o exército romano em controle do campo de batalha, a capital persa não foi tomada, o principal exército persa era ainda grande e se aproximava, enquanto aos romanos faltava um objetivo estratégico claro.[190] No concílio de guerra que se seguiu, os generais de Juliano persuadiram-no a não montar um cerco contra a cidade, dada a invulnerabilidade de suas defesas e o fato de Sapor logo chegar com uma grande força.[189] Juliano, não querendo desistir daquilo que tinha ganho e provavelmente ainda esperando pela chegada da coluna sob Procópio e Sebastiano, partiu para leste no interior persa, ordenando a destruição da frota. Isto se mostrou uma decisão precipitada, pois ele estava do lado errado do Tigre sem meios claros de retornar e os persas começando a atormentá-los à distância, queimando qualquer comida no caminho dos romanos. Um segundo concílio de guerra em 16 de junho de 363 decidiu que o melhor curso de ação era retornar para a segurança das fronteiras romanas, não através da Mesopotâmia, mas mais a norte em Corduena.[191] [192]

Amiano descreve com insistência as fadigas da retirada, dificultada pelas altas temperaturas, os mosquitos e a escassez de víveres. O moral das tropas chegara ao seu ponto mais baixo.[193] Durante a retirada, as forças de Juliano sofreram vários ataques das forças sassânidas.[192] Em um dos encontros, em 26 de julho de 363, na indecisiva batalha de Samarra, Juliano foi ferido quando o exército sassânida atacou sua coluna. Na pressa de perseguir o inimigo em retirada, ele escolheu acelerar em vez da cautela, pegando sua espada e deixando sua cota de malha.[194] Recebeu uma ferida de uma lança que supostamente perfurou o lobo inferior de seu fígado, o peritônio e intestinos. Juliano foi tratado por seu médico pessoal, Oribásio de Pérgamo, que parece ter feito várias tentativas de tratar a ferida. Isto provavelmente incluiu a irrigação do ferimento com vinho escuro, e um procedimento conhecido como gastrorrafia, a sutura do intestino. Três dias depois a principal hemorragia ocorreu e o imperador morreu durante a noite.[195]

Teodósio I[editar | editar código-fonte]

Fronteira romano-persa a partir do tratado de 384.

Após a morte do imperador, Joviano (r. 363-364) seria aclamado como augusto e se apossaria do trono. Com o suprimento do exército se tornando cada vez mais difícil e a intensificação dos ataques persas, o novo imperador foi obrigado a enviar os oficiais Arinteu e Salúcio para entrar em termos com Sapor II. Estes termos implicavam na cessão dos territórios além do rio Tigre, ou seja, as fortalezas de Singara e Nísibis, e o compromisso de neutralidade do rei armênio Ársaces em caso de novos conflitos entre romanos e sassânidas.[196] Durante o reinado de Valente (r. 364-378), o sucessor de Joviano, novos conflitos ocorreram na Armênia, nos quais Sapor II tentou fazer prevalecer a supermacia persa.[197] Intencionando apossar-se da região, os sassânidas persuadiram os senhores armênios a desertarem em nome deles e rapidamente o rei armênio Ársaces foi capturado e encarcerado. Em 367, Sapor II enviou um exército para conquistar o Reino da Ibéria e outro para sitiar o filho e sucessor de Ársaces, Papas (r. 370-374), na fortaleza de Artogerassa. Obrigado a fugir, Papas partiu na primavera seguinte para território romano. Escoltado pelo oficial Arinteu, Papas retornou para a Armênia, mas, após outra invasão persa, fugiu novamente. Em 370, com um força maior que a anterior, os romanos o recolocam no trono. Na primavera de 371, forças romanas sob o comando do general Terêncio marcharam rumo à Ibéria para reconquistá-la e para a Armênia para guarnecê-la caso houvesse novos ataques. Quando Sapor II lançou um novo ataque, suas tropas foram derrotadas pelo magister peditum Trajano e por Vadomário, o rei dos alamanos, o que fez os persas retrocederem. Nos anos seguintes não houve novos conflitos entre romanos e sassânidas, já que os persas foram forçados a combater o Império Kushana que realizou campanhas na Pérsia.[198]

Durante o reinado de Teodósio I (r. 378-395), os romanos adotaram boas relações com os persas. Embora a Armênia ainda fosse motivo de discordância entre estes estados, em 387 Teodósio enviou o magister militum per Orientem Estilicão como embaixador na corte sassânida com o intuito de firmar uma trégua definitiva com Sapor III (r. 383-388) e, por extensão, oficializar a divisão do Reino da Armênia em duas partes, cada qual governada por um rei cliente. Este acordo foi decisivo, pois além de resolver a questão das fronteiras, permitiu que a paz fosse mantida por mais algumas décadas, até o reinado de Teodósio II (r. 408-450).[199] [200]

Guerras bizantino-sassânidas[editar | editar código-fonte]

Período de paz e primeiros conflitos[editar | editar código-fonte]

Busto, em mármore, do imperador Teodósio II (r. 408-450). século V, no Museu do Louvre.

Com a morte do imperador Teodósio I em 395, o Império Romano foi oficialmente dividido em duas partes por seus filhos, a Ocidental sob Flávio Honório (r. 395–423) e a Oriental (posteriormente conhecida também como Império Bizantino) sob Arcádio (r. 395-408).[201] A parte Oriental, a mais duradoura, manteve-se com ativas pretensões no Oriente, enquanto a Ocidental foi gradativamente conquistada pelos povos bárbaros até deixar de existir em 476.[202] Os últimos anos do século IV foram de grande turbulência em território romano. Muitas invasões bárbaras, as revoltas de Magno Máximo (r. 383–388), Gildo, Arbogasto e Flávio Eugênio (r. 392-394) e os massacres em Tessalônica debilitaram o Estado romano.[203] O novo imperador persa Izdegerdes I (r. 399–421), no momento de sua ascensão, não intencionou assumir qualquer postura agressiva quando ao Império do Oriente. A extrema tranquilidade de Izdegerdes e sua relutância em invadir o Império Bizantino lhe renderam o epíteto de "Ramashtras" ("O mais quieto" ou "o mais firme"), tendo ele justificado sua posição na completa abstinência de quaisquer expedições militares.[204]

Naquele momento, as relações bilaterais pareciam tão boas que o historiador romano Procópio de Cesareia relatou, já no século VI, uma anedota segundo a qual o imperador Arcádio teria supostamente confiado, em seu leito de morte, a proteção de seu filho, o futuro imperador Teodósio II, ao imperador persa;[205] este relato é atualmente contestado pela historiografia moderna. Segundo ele o monarca persa enviou a Constantinopla um eunuco chamado Antíoco para cuidar do jovem imperador. Ele foi, por muitos anos, o companheiro íntimo do príncipe, tendo sido possivelmente assassinado ou expulso do reino por Élia Pulquéria, a irmã mais velha de Teodósio. Porém, mesmo após o fim de Antíoco, Izdegerdes manteve sua ajuda ao jovem augusto.[206] Além disso, as fontes afirmam que estes Estados mantiveram-se em paz devido à tolerância religiosa dos sassânidas.[207] [208]

Contudo, no final do reinado de Izdegerdes, devido a questões religiosas, os impérios voltaram a conflitar entre si. Os cristãos autóctones iniciaram uma ampla missão evangelizadora, o qual incomodava os sacerdotes zoroastristas. Adicionalmente, um templo do fogo zoroástrico foi destruído e o bispo responsável recusou reconstruí-lo, pelo qual o habitualmente tolerante Izdegerdes I viu-se obrigado a intervir. Primeiro ordenou que todos os templos cristãos em seu reino fossem destruídos e em seguida desenvolveu uma perseguição geral. Com a morte de Izdegerdes, seu filho e sucessor Vararanes V (r. 421-438) aumentou a perseguição contra os cristãos[209] e fez os preparativos para começar uma guerra contra os bizantinos. Invadindo as fronteiras bizantinas orientais, os exércitos persas foram derrotados em todas as fontes o que obrigou Vararanes V a assinar a Paz de 100 Anos com Teodósio II na qual a liberdade de culto e as fronteiras foram reconhecidas e ambos os impérios concordaram em se desmilitarizarem largamente.[208] Adicionalmente, os romanos tiveram de pagar subsídios aos persas em troca de manter a segurança no Cáucaso contra os hunos, que ambos consideravam inimigos.[210] Em 440/441, o herdeiro de Vararanes V, Izdegerdes II (r. 438-457) rompeu o tratado, possivelmente por causa da demora no pagamento anual prometido, e invadiu o território romano, onde enfrentou o magister militum Anatólio.[211] Neste contexto, não aconteceram operações militares de envergadura, pois os romanos se mostraram dispostos a pagar altas somas de dinheiro para voltar ao status quo prévio e Izdegerdes II tinha a ameaça Império Heftalita na sua fronteira oriental. O tratado de 442 estabeleceu que nenhum dos dois lados edificaria nenhuma fortificação na fronteira comum.[205]

As guerras de Cavades I[editar | editar código-fonte]

Mapa do Império Bizantino e dos territórios romanos remanescentes em 477. No ano anterior o Império Romano do Ocidente, já fragmentado, findou com a conquista da península itálica pelo oficial romano de origem bárbara Odoacro.[202]
Batalha de Dara.

A longa época de harmonia do século V chegou ao seu fim em 502, quando o imperador persa Cavades I (r. 488-496; 498-531) atacou o território bizantino.[212] Acredita-se que a causa principal da ação bélica de Cavades tenha sido a retesa situação interior que vivia o Império Sassânida. Cavades tivera de impor-se frente a poderosos adversários, e apenas conseguira manter-se no trono graças à ajuda do Império Heftalita, pois a seita revolucionária dos mazdaquitas estava causando transtornos. Segundo a crônica de Josué, o Estilita, que detalha a guerra, Cavades exigira dinheiro ao imperador do Oriente Anastácio I Dicoro (r. 491-518), mas o imperador não acedera.[213] [214] Em 502, ele rapidamente capturou a despreparada cidade de Teodosiópolis (atual Erzurum),[215] [216] e sitiou Amida (atual Diyarbakır). O sítio da cidade-fortaleza provou ser mais difícil que Cavades esperava; os defensores repeliram os assaltos persas por três meses antes de serem derrotados.[217] [218] Em 503, os bizantinos tentaram por fim um cerco mal-sucedido na Amida persa enquanto Cavades invadiu Osroena e liderou o sítio a Edessa (atual Şanlıurfa) com os mesmos resultados.[219] Em 504, através de um circunvalação renovada em Amida, os bizantinos conseguiram danificar os muros da cidade, porém não foram capazes de retomá-la; ela seria resgatada em 505 através de um pagamento de ca. 493 quilos de ouro aos persas. Naquele ano, um armistício foi alcançado como um resultado de uma invasão da Armênia pelos hunos do Cáucaso; embora os dois poderes tenham negociado, não foi antes de novembro de 506 que um tratado foi acordado.[220] [221] Em 505, Anastácio ordenou a edificação de uma grande cidade fortificada em Dara. Ao mesmo tempo, as fortificações em ruínas foram também aprimoradas em Edessa, Batna (atual Suruç) e Amida.[222] [223] Embora nenhum novo conflito de larga escala tenha ocorrido durante o reinado de Anastácio, tensões continuaram, especialmente enquanto o trabalho começou em Dara. Isto se deu porque a construção de novas fortificações na zona de fronteira por qualquer império tinha sido proibida pelo tratado de 442. Anastácio prosseguiu o projeto apesar das objeções persas, e os muros foram completados em 507-508.[220] [224]

Em 524-525, Cavades propôs que o imperador Justino I (r. 518-527) adotasse seu filho, Cosroes,[f] mas as negociações logo se deterioraram.[225] [226] [227] Tensões entre os dois poderes irromperam em conflito quando a Ibéria sob Gorgenes I (r. 588-590) desertou para os bizantinos em 524-525.[228] A ostensiva de combate bizantino-persa irrompeu na região da Transcaucásia e Mesopotâmia Superior por 526-527.[229] Os primeiros anos foram favoráveis aos persas: por 527, a revolta Ibéria tinha sido esmagada, a ofensiva romana contra Nísibis e Tebeta naquele ano foi mal sucedida, e forças que tentaram fortificar Tanuri e Melabasa foram impedidas de fazê-lo por ataques persas.[230] [231] Na tentativa de remediar as deficiências reveladas pelos sucessos persas, o novo imperador bizantino, Justiniano I (r. 527-565), reorganizou os exércitos orientais.[232] Em 530 uma grande ofensiva persa na Mesopotâmia foi derrotada pelas forças bizantinas sob Belisário em Dara, enquanto uma segundo impulso persa no Cáucaso foi derrotado por Sitas em Satala. Belisário foi derrotado pelas forças sassânida-lacmida na Batalha de Calínico em 531. No mesmo ano os bizantinos ganharam alguns fortes na Armênia, enquanto os persas capturaram dois fortes na Lázica oriental.[233] Imediatamente após o fracasso em Calínico (atual Raqqa), os persas e bizantinos negociaram sem sucesso.[234] Os dois lados reabriram negociações na primavera de 532 e finalmente assinaram a "Paz Eterna" em setembro de 532, que durou menos de oito anos. Ambos os poderes concordaram em retornar todos os territórios ocupados,[235] [236] e os bizantinos concordaram em fazer um pagamento único de 110 centenaria (ca. 5000 kg de ouro). a Ibéria permaneceu nas mãos dos persas, e os ibérios que haviam deixado seu país tiveram a opção de permanecer em território bizantino ou retornar para sua terra natal.[237]

As guerras de Cosroes I[editar | editar código-fonte]

As conquistas territoriais de Justiniano.
A fronteira bizantino-persa à morte de Justiniano, em 565.
O impérios bizantino e sassânida em 600.

Os persas quebraram a "Tratado de Paz Eterna" em 540, provavelmente em resposta à reconquista bizantina de muito do antigo Império Romano do Ocidente, que tinha sido facilitada pela cessação de guerra no Oriente. Cosroes I (r. 531-579) invadiu e devastou a Síria,[238] [239] extorquindo grandes somas de dinheiro das cidades sírias e mesopotâmicas, e sistematicamente saqueando outras cidades incluindo Antioquia (atual Antakya, cuja população foi deportada para território persa.[240] [241] [g] O general bizantino Belisário foi chamado das campanhas no Ocidente para ligar com a ameaça persa, empreendendo uma inconclusiva campanha contra Nísibis (atual Nusaybin) em 541. Cosroes I lançou outra ofensiva na Mesopotâmia em 542 quando tentou capturar Sergiópolis(atual Refasa).[242] [243] Ele logo se retirou frente a um exército comandado por Belisário, saqueando a cidade de Calínico (atual Raqqa no caminho.[244] [245] Ataques em um número de cidades bizantinas foram repelidos, e as forças persas foram derrotadas em Dara.[246] [247] Em 543, os bizantinos lançaram uma ofensiva contra Dvin mas foram derrotados por uma pequena força persa em Anglon. Cosroes I sitiou Edessa (atual Şanlıurfa) em 544 sem sucesso e foi posteriormente subornado pelos defensores. Na vigília da retirada persa, os enviados bizantinos foram para Ctesifonte para negociações.[248] Uma trégua de cinco anos foi acordada em 545, fixada por pagamentos bizantinos aos persas.[249] [250] [251]

No começo de 548, o rei Gubazes II, considerando a proteção persa opressiva, pediu para Justiniano restaurar o protetorado bizantino. O império aproveitou a oportunidade e, em 548-549, combinou as forças bizantinas e lázicas e teve uma série de vitórias contra os exércitos persas, embora eles tenha falhado em tomar a guarnição chave de Petra. A cidade foi finalmente subjugada em 551, mas no mesmo ano uma ofensiva persa liderada por Mermeroes ocupou a porção oriental de Lázica.[252] A trégua que tinha sido estabelecida em 545 foi renovada fora de Lázica[253] por mais cinco anos em condição dos bizantinos pagarem ca. 907,2 kg de ouro por ano.[254] Em Lázica, a guerra arrastou-se inconclusiva por vários anos, com nenhum dos lados tendo grandes ganhos.[255] Cosroes I, que agora tinha de lidar com os hunos brancos, renovou a trégua em 557, desta vez sem excluir Lázica; negociações continuaram para um tratado de paz definitivo.[256] Finalmente, em 561, os enviados de Justiniano e Cosroes I estabeleceram uma paz de 50 anos. Os persas concordaram em evacuar Lázica e receber um subsídio anual de 30000 nomismata (solidi).[248] [257] Ambos os lados concordaram em não construir novas fortificações próximo da fronteira e em aliviar restrições de diplomacia e comércio.[251]

A guerra irrompeu novamente quando a Armênia e a Ibéria revoltaram-se contra o governo sassânida em 571, seguindo confrontos envolvendo bizantinos e persas nas proximidades do Iêmen e no deserto Sírio, e após as negociações bizantinas por uma aliança com os turcos contra a Pérsia;[h][258] Justino II (r. 565-572) trouxe a Armênia sob sua proteção, enquanto as tropas bizantinas sob Marciano, primo de Justino II, atacou Arzanena e invadiu a Mesopotâmia persa, onde eles derrotaram as forças locais.[259] A demissão repentina de Marciano e a chagada de tropas sob Cosroes I resultou na devastação da Síria, no fracasso do cerco bizantino de Nísibis e a queda de Dara.[260] Ao custo de 45000 solidi, uma trégua de um ano na Mesopotâmia (posteriormente estendida por cinco anos)[261] foi arranjada, mas no Cáucaso e nas fronteiras do deserto a guerra continuou.[262] [263] Em 575, Cosroes I tentou combinar agressão na Armênia com discussão de paz permanente. Ele invadiu a Anatólia e saqueou Sebasteia (atual Sivas), mas após um confronto perto de Melitene o exército persa sofreu pesadas baixas enquanto fugia através do Eufrates sob ataque bizantino.[264] [265] [266]

Os bizantinos exploraram a desordem persa com o general Justiniano invadindo fundo o território persa e incursionando em Atropatene.[265] [266] Cosroes buscou a paz mas abandonou esta iniciativa após Tamcosroes ter uma vitória na Armênia, onde as ações romanas tinham alienado os habitantes locais.[264] [267] Na primavera de 578, a guerra na Mesopotâmia foi retomada com raides persas em território bizantino. O general romano Maurício retalhou atacando a Mesopotâmia persa, capturando a fortaleza de Aphumon e saqueando Singara. Cosroes novamente abriu negociações de paz mas morreu no começo de 579 e seu seu sucessor, Ormisdas IV (r. 579-590) preferiu continuar a guerra.[268] Durante os anos 580, a guerra continuou inconclusivamente com vitórias em ambos os lados. Em 582, Maurício venceu uma batalha em Constância sobre Adarmanes e Tamcosroes, que foi morto, mas o general bizantino não deu seguimento à sua vitória; ele tinha que se apressar para Constantinopla para prosseguir suas ambições imperiais.[269] [270] Outra vitória bizantina em Solacon em 586 da mesma forma quebrou o impasse.[271] Os persas capturaram Martirópolis (atual Silvan) através de traição em 589, mas naquele ano o impasse foi quebrado quando o general persa Vararanes, tendo sido demitido e humilhado por Ormisdas IV, levantou uma rebelião. Ormisdas foi derrubado por um golpe palaciano em 590 e e substituído por seu filho Cosroes II (r. 590-628), mas Vararanes pressionou-o com sua revolta o que logo forçou Cosroes a fugir para a segurança do território bizantino, enquanto Vararanes tomou o trono como Vararanes VI. Com suporte de Maurício, Cosroes levantou uma rebelião contra Vararanes e, em 591, as forças combinadas de seus apoiantes e os bizantinos restauraram-o no poder. Em troca da ajuda, Cosroes não só retornou Dara e Martirópolis mas também concordou em ceder a metade ocidental da Ibéria e mais da metade da Armênia persa para os bizantinos.[272] [264] [273]

Guerra de Cosroes II[editar | editar código-fonte]

Máxima expansão territorial do Império Sassânida, durante o reinado de Cosroes II.

Em 602, o exército bizantino que realizara campanha nos Bálcãs amotinou sob o comando de Focas (r. 602-610) que usurpou o trono após assassinar Maurício e sua família. Cosroes II usou o assassinato de seu benfeitor como um pretexto para guerra.[274] Nos anos iniciais da guerra, os persas tiveram um sucesso enorme e sem precedentes. Eles foram ajudados pelo uso de um pretendente que clamava ser o filho de Maurício, e pela revolta contra Focas liderada pelo general bizantino Narses.[275] [276] Em 603, Cosroes derrotou e matou o general Germano na Mesopotâmia e liderou cerco em Dara. Apesar da chegada de reforços romanos da Europa, ele teve outra vitória em 604, enquanto Dara caiu após um cerco de nove meses. Ao logo dos anos seguintes, os persas gradualmente superaram as cidades-fortaleza da Mesopotâmia por sítio, uma após a outra.[277] [278] Ao mesmo tempo, eles tiveram uma série de vitórias na Armênia e sistematicamente subjugaram as guarnições bizantinas no Cáucaso.[279]

Heráclio (r. 610-641) depôs Focas em 610, após velejar de Cartago para Constantinopla .[280] [281] Aproximadamente ao mesmo tempo, os persas completaram sua conquista da Mesopotâmia e do Cáucaso, e em 610 eles invadiram a Síria e adentraram na Anatólia, ocupando Cesareia Mazaca (atual Kayseri).[282] Tendo expulsado os persas da Anatólia em 612, Heráclio lançou um grande contra-ataque na Síria em 613. Ele foi decisivamente derrotado fora de Antioquia por Sharbaraz e Sain, e a posição bizantina colapsou.[i][283] Na década seguinte, os persas conseguiram conquistar a Palestina e Egito[284] e devastar a Anatólia.[j] Enquanto isso, os ávaros e eslavos tomavam vantagem da situação para invadir os Bálcãs, trazendo o Império Bizantino à beira da destruição.[285]

Durante estes anos, Heráclio se esforçou para reconstruir seu exército, cortando gastos não-militares, desvalorizando a moeda e fundindo artigos metálicos da Igreja, com o apoio do patriarca Sérgio I para levantar os fundos necessários para continuar a guerra.[286] Em 622, Heráclio deixou Constantinopla,[k] confiando a cidade a Sérgio e o general Bono como regentes de seu filho Heráclio Constantino e iniciou uma nova campanha. Ele reuniu suas forças na Ásia Menor e, após conduzir exercícios para reviver seu moral, ele lançou uma nova contra-ofensiva, que tomou as características de uma guerra santa.[287] [288] [289] [290] No Cáucaso ele infligiu uma derrota em um exército liderado por um chefe árabe aliado dos persas e então conseguiu uma vitória sobre Sharbaraz.[291] [292] Seguindo um período de calmaria em 623, enquanto ele negociava um trégua com os ávaros, Heráclio recomeçou suas campanhas no Oriente em 624 e destroçou um exército liderado por Cosroes II em Gazaca em Atropatene.[293] [294] Em 625, ele derrotou os generais Sharbaraz, Sain e Sarablangas na Armênia, e em um ataque surpresa no inverno invadiu o quartel general de Sharbaraz e atacou suas tropas nos alojamentos de inverno deles.[295] [296] Apoiados por um exército persa comandando por Sharbaraz, os ávaros e eslavos sem sucesso sitiaram Constantinopla em 626,[297] [298] enquanto um segundo exército sob Sain sofreu outra derrota esmagadora nas mãos do irmão de Heráclio, Teodoro.[299] [300]

Enquanto isso, Heráclio formou uma aliança com os turcos, que tomaram vantagem da força cada vez menor dos Persas para devastar seus territórios no Cáucaso.[301] No final de 627, Heráclio lançou uma ofensiva de inverno na Mesopotâmia, onde, apesar da deserção do contingente turco que o tinha acompanhado,[302] [303] ele derrotou os Persas na batalha de Nínive. Continuando ao sul pelo Tigre, ele saqueou o grande palácio de Cosroes II em Dastagird e apenas não atacou Ctesifonte devido à destruição das pontes ao norte do Canal Naravan. Desacreditado por esta série de desastres, Cosroes II foi deposto e morto em um golpe liderado por seu filho Cavades II (r. 628), que ao mesmo tempo pediu a paz, concordando em se retirar de todos os territórios ocupados.[l][304] [305] Heráclio restaurou a Vera Cruz em Jerusalém com uma cerimônia majestosa em 629.[281] [306] [307]

Rescaldo[editar | editar código-fonte]

Império Bizantino em 626
Império Bizantino em 650

O impacto devastador desta última guerra, adicionado aos efeitos cumulativos de um século de conflitos quase contínuos, deixou ambos os impérios aleijados. Quando Cavades II morreu poucos meses após subir ao trono, a Pérsia mergulhou em vários anos de turbulência dinástica e guerra civil. Os sassânidas estavam ainda mais enfraquecidos pelo declínio econômico, tributação pesada das campanhas de Cosroes II, agitação religiosa, e o aumento do poder dos proprietários de terra provinciais.[308] O Império Bizantino estava também severamente afetado, com as reservas financeiras exaustas pela guerra e os Bálcãs agora em grande parte nas mãos dos eslavos.[309] Adicionalmente, Anatólia foi devastada pelas repetidas incursões persas; as posses imperiais recentemente reconquistadas no Cáucaso, Síria, Mesopotâmia, Palestina e Egito estavam afrouxadas por muitos anos de ocupação persa.[m]

Nem ao Império Bizantino foi dado qualquer chance de se recuperar, pois poucos anos depois eles foram atingidos pelos ataques dos árabes (recém-unidos pelo islamismo), que, de acordo com Howard-Johnston, "pode apenas ser comparado com um tsunami humano".[310] [311] De acordo com George Liska, o "conflito bizantino-persa desnecessariamente prolongado abriu o caminho para o Islã".[312] O Império Sassânida rapidamente sucumbiu a estes ataques e foi completamente destruído. Durante as guerras bizantino-árabes, o exausto Império Bizantino perdeu seus recém-reconquistados territórios na Síria, Armênia, Egito e Magrebe, reduzindo-o a Anatólia e uma dispersão de ilhas e porções da Itália e Bálcãs.[313] Estas terras remanescentes foram completamente empobrecidas pelos ataques frequentes, marcando a transição da civilização urbana clássica para uma forma social medieval mais ruralizada. Contudo, ao contrário da Pérsia, o Estado bizantino sobreviveu ao assalto árabe, mantendo seus territórios residuais e decisivamente repelindo dois cercos árabes à sua capital em 674-678 e 717-718.[314] [315] O Império Bizantino também perdeu territórios em Creta[316] e no sul da península Itálica para os árabes nos conflitos posteriores, embora estes também acabaram sendo recuperados.

Estratégias e táticas militares[editar | editar código-fonte]

Fronteira romano-persa na Antiguidade Tardia.
Movimentos militares nos séculos VI e VII.

Quando os impérios romano e parta colidiram pela primeira vez no século I a.C., parecia que a Pártia tinha o potencial de empurrar a fronteira para o Egeu e o Mediterrâneo. Contudo, sob Pácoro e Labieno, os romanos repeliram a grande invasão da Síria e foram gradualmente capazes de tomar vantagem das fraquezas do sistema militar parta, que, de acordo com George Rawlinson, foi adaptado para a defesa nacional mas mal adaptado para a conquista. Os romano, por outro lado, estava continuamente modificando e evoluindo sua "grande estratégia" a partir do tempo de Trajano (r. 98-117), e eram pelo tempo de Pácoro capazes de tomar a ofensiva contra os partas.[317] Como os sassânidas no final dos séculos III e IV, os partas geralmente evitavam qualquer defesa sustentada da Mesopotâmia contra os romanos. Contudo, o planalto iraniano nunca caiu, com as expedições romanos tendo esgotado seu ímpeto ofensivo pelo momento que eles chegaram à Mesopotâmia inferior, e estenderam a linha de comunicações através do território não suficientemente pacificado e exposto a revoltas e contra-ataques.[318]

Do século IV em diante, os persas sassânidas cresceram em força e adotaram o papel do agressor. Eles consideraram muito da terra adicionada ao Império Romano na Pártia e começo dos tempos sassânidas para pertencer legitimamente à esfera persa.[319] Everett Wheeler argumenta que "os sassânidas, administrativamente mas centralizados que os partas, formalmente organizaram a defesa de seu território, embora eles não tivessem um exército permanente até Cosroes I".[318] No geral os romanos consideravam os sassânidas como uma ameaça mais séria do que os partas, enquanto os sassânidas consideravam o Império Romano como um inimigo por excelência.[320] [321]

Militarmente, os sassânidas continuaram a forte dependência parta de combinação de arqueiros a cavalo leves e catafractários, a cavalaria pesada fornecida pela aristocracia. Eles adicionaram um contingente de elefantes de guerra obtidos no vale do Indo, mas a qualidade da infantaria deles era inferior à dos romanos.[322] A cavalaria pesada persa infligiu várias derrotas à infantaria romana, incluindo aquelas lideradas por Crasso em 53 a.C.,[323] Marco António em 36 a.C. e Valeriano (r. 253-260). A necessidade de combater esta ameaça levou à introdução dos catafractários no exército romano;[324] [325] como resultado, a cavalaria pesada cresceu em importância em ambos os exércitos após o século III e até o final do guerras.[319] Os romanos alcançaram e mantiveram um alto grau de sofisticação nas armas de cerco e tinham desenvolvido uma gama delas. Por outro lado, os partas foram inaptos ao cerco; os exércitos de cavaleiros deles eram mais adequados a táticas de bater-e-correr que destruíram o cerco de Antônio em 36 a.C.. A situação mudou com a ascensão dos sassânidas, onde Roma encontrou inimigos igualmente hábeis, que fizeram o uso de artilharia, máquinas capturadas dos romanos, aterros e torres de cerco.[326]

Cerco de Constantinopla em 626.

No final do século I, Roma organizou a proteção de suas fronteiras orientais através de uma linha de fortificações, o sistema de limes, que durou até as conquistas muçulmanas do século VII após melhorias de Diocleciano (r. 284-305).[327] [328] Como os romanos, os sassânidas construíram muros defensivos em frente ao território de seus oponentes. De acordo com R. N. Frye, foi sob Sapor II (r. 309-379) que o sistema persa foi estendido, provavelmente em imitação à construção de Diocleciano dos limes nas fronteiras romanas na Síria e na Mesopotâmia. As unidades da fronteira romana foram conhecidas como limítanes, e eles enfrentaram os lacmidas no Iraque, que frequentemente auxiliaram os persas em suas disputas com os romanos. Sapor destinou uma força de defesa permanente contra os árabes do deserto, especialmente aqueles aliados com Roma. Sapor também construiu uma linha de fortificações no ocidente aos moldes do sistema de limes romanos, que havia impressionado os sassânidas.[329] [330]

Até o início do governo sassânida, um número de estados-tampão existiram entre os impérios. Estes foram absorvidos pelo Estado central ao longo do tempo, e pelo século VII o último estado-tampão, os lacmidas de Al-Hira, foram anexados pelos Império Sassânida. Frye nota que, no século III, tais estados-clientes desempenharam um importante papel nas relações romano-sassânidas, mas ambos os impérios gradualmente os substituíram por um organizado sistema de defesa executado pelo governo central e baseado em limes e cidades fronteiriças fortificadas, tais como Dara.[329] Estudos recentes e avaliações comparando os sassânidas e partas têm reafirmado a superioridade sassânida na arte do cerco, engenharia militar, e organização,[330] [331] bem como habilidade de construir trabalhos defensivos.[332]

Avaliações[editar | editar código-fonte]

Querubim e imperador Heráclio recebendo a submissão do imperador sassânida Cosroes II; placa de uma cruz. Champlevé sobre cobre dourado, 1160-1170, Vale do Mosa.

As guerras romano-persas tem sido caracterizadas como "fúteis" e também "deprimentes e tediosas para contemplar".[333] Profeticamente, Dião Cássio notou seu "ciclo sem fim de confrontos armados" e observou que "é mostrado pelos próprios fatos que a conquista [de Septímio Severo] tem sido uma fonte de constantes guerras e grande despesa para nós. Para ele produz muito pouco e consome grandes somas; e agora que nós já estendemos a mão para povos que estão próximos dos medos e dos partas ao invés de nós mesmo, estamos sempre, por assim dizer, lutando as batalhas destes povos".[334] [335] Na longa série de guerras entre estes dois poderes, a fronteira na Mesopotâmia superior se manteve mais ou menos constante. Historiadores apontam que a estabilidade da fronteira ao longo dos séculos é notável, embora Nísibis (atual Nusaybin), Singara, Dara e outras cidades da Mesopotâmia superior mudaram de mão ao longo do tempo, e a possessão destas cidades fronteiriças deu a um império uma vantagem comercial sobre o outro. Como Frye afirma:

Tem-se a impressão que o sangue derramado na guerra entre os dois estados trouxe tão pouco ganho real para um lado ou o outro como poucos metros de terra adquirida a um custo terrível na guerras de trincheira da Primeira Guerra Mundial.[329]

Ambos os lados tentaram justificar seus respectivos objetivos militares tanto na de forma ativa como reativa. A busca romana para dominar o mundo foi acompanhada pelo sendo de missão e orgulho da civilização ocidental e por ambições para se tornar fiador da paz e ordem.

Como poderia ser uma coisa boa para entregar suas queridas possessões para um estranho, um bárbaro, o governante do inimigo amargo de alguém, alguém cuja boa fé e sendo se justiça eram inesperados e, que é mais, alguém que pertencia a um estrangeiro e pagão da fé?
Agátias (Histórias, 4.26.6, traduzido por Averil Cameron) sobre os persas, um julgamento típico do ponto de vista romano.[336]

As fontes romanas revelam preconceitos de longa data no que diz respeito aos costumes dos poderes do Oriente, estruturas religiosas, línguas, e formas de governo. John F. Haldon ressalta que "embora os conflitos entre a Pérsia e o Império Romano do Oriente giravam em torno de questões de controle estratégico em torno da fronteira oriental, também havia sempre a presença de elemento religioso-ideológico".[337] Do período de Constantino (r. 306-337) em diante, os imperadores romanos apontaram a si mesmos como protetores dos cristãos da Pérsia.[338] Esta atitude criou suspeitas intensas da lealdade dos cristãos que viviam na Pérsia e frequentemente levava a tensões romano-persas ou mesmo confrontos militares.[339] [340] Uma característica da fase final do conflito, quando um raide em 611-612 logo se transformou em uma guerra de conquista, foi a proeminência da cruz como um símbolo da vitória imperial e do elemento fortemente religioso na propaganda imperial romana. O próprio imperador bizantino Heráclio (r. 610-641) projetou o soberano sassânida Cosroes II como o inimigo de Deus, e autores dos séculos VI e VII foram ferozmente hostis à Pérsia.[341] [342] Esta tradição de uma erudição histórica "pró-romana" prevaleceu durante séculos, e não foi até recentemente que estudiosos adotaram uma abordagem mais ampla e tentaram iluminar o espaço persa menos conhecido.[343]

Historiografia[editar | editar código-fonte]

A humillhação de Valeriano por Sapor (Hans Holbein, o Jovem, 1521, caneta e tinta preta sobre um esboço de giz, Museu de Belas Artes, Basileia.

As fontes para a história da Partia e as guerras com Roma são escassas e dispersas. Os partas seguiram a tradição aquemênida e favoreceram a historiografia oral, que garantiu a corrupção de sua história, uma vez que tinha sido vencido. As principais fontes deste período são então romanas (Tácito, Mário Máximo e Justino) e gregos (Herodiano, Dião Cássio e Plutarco) O décimo terceiro livro das Sibilinas Cristãs narra os efeitos das guerras romano-persas na Síria do reino de Gordiano III (r. 238-244) até a dominação da província por Odenato de Palmira. Com o fim do registro de Herodiano, todas as narrativas cronologicamente contemporâneas estão perdidas, até as narrativas de Lactâncio e Eusébio de Cesareia no começo do século IV, ambos de perspectiva cristã.[344] [345]

As principais fontes do começo do período sassânida não são contemporâneas. Entre elas as mais importantes são as dos gregos Agátias e Malalas, os persas Tabari e Ferdusi, o armênio Agatângelo, e as crônicas sírias de Edessa (atual Şanlıurfa) e Arbela (atual Arbil), a maioria das quais dependeram de fontes sassânidas tardias, especialmente Khwaday-Namag. A História Augusta não é contemporânea nem confiável, mas é a principal fonte narrativa para Septímio Severo (r. 222-235) e Caro (r. 282-283) A inscrições trilíngues (grego, parta e persa médio) de Sapor I (r. 340/342-372) são fontes primárias.[346] Estes foram tentativas isoladas de se aproximar da historiografia escrita no entanto, e até o final do século IV, mesmo a prática de esculpir relevos em rocha e deixar inscrições curtas foi abandonado pelos sassânidas.[347]

Para o período entre 353 e 378, há uma fonte de uma testemunha ocupar dos principais eventos na fronteira oriental, Res Gestae de Amiano Marcelino. Dos eventos que abrangem o período entre os séculos IV e VI, os trabalhos de Sozomeno, Zósimo, Prisco e Zonaras são especialmente valiosos. A fontes mais importante das guerras persas de Justiniano (r. 527-565) até 553 é Procópio de Cesareia. Seus continuadores Agátias e Menandro Protetor oferecem detalhes muito importantes também. Teofilacto Simocata é a principal fonte para o reino de Maurício (r. 582-602),[348] enquanto Teófanes, o Confessor, o Chronicon Paschale e os poemas de Jorge de Pisídia são fontes úteis para a última guerra romano-persa. Além das fontes bizantinas, dois historiadores armênios, Sebeos e Moisés de Corene, contribuem para a narrativa coerente da guerra de Heráclio e são considerados por Howard-Johnston como "as fontes não-muçulmanas mais importantes e existentes."[349]

Cronologia das guerras romano-sassânidas[editar | editar código-fonte]

  • 224: Surge o Império Sassânida.
  • 230: Artaxes I invade territórios do Império Romano.
  • 242–44: Campanha persa de Gordiano III; após os primeiros registos é vencido em Misiche (Misik) e falece pouco depois. Sapor I conclui um tratado de paz com Roma.
  • 252: Sapor I conquista a Armênia. Nos anos que seguem invade também a Síria.
  • 260: Valeriano é feito prisioneiro durante a sua guerra com a Pérsia. Cai o sistema defensivo romano no Oriente, o que é aproveitado por Palmira, cuja rainha Zenóbia, tenta criar o seu próprio império.
  • 283: Campanha persa de Marco Aurélio Caro.
  • Desde 296: O rei persa Narses invade território romano. Galério vence-o, após ter sofrido um primeiro revés, na batalha de Carras.
  • 298: Paz de Nísibis. O imperador romano Diocleciano conquista territórios na Mesopotâmia e cinco províncias ao outro lado do rio Tigre.
  • 338: Começa uma guerra entre Roma e Mesopotâmia, que durará várias décadas. Nem Sapor II nem Constâncio II conseguem resultados decisivos. Os cristãos são perseguidos na Pérsia.
  • 359: Sapor II invade a Mesopotâmia no comando de um grande exército. A importante cidade de Amida ( Diyarbakır) cai em poder da Pérsia após um longo assédio.
  • 363: Campanha persa de Juliano. O exército romano chega às portas de Ctesifonte, mas vê-se obrigado a retroceder. Após a morte de Juliano, Roma e Pérsia assinam um tratado de paz. Os territórios conquistados por Diocleciano são devolvidos à Pérsia.
  • Circa 387: Divisão da Armênia numa parte controlada pela Pérsia (Armênia Persa) e outra por Roma.
  • 395: Morte de Teodósio I e divisão do Império Romano.
  • 410: Liberdade de culto aos cristãos persas no Sínodo de Selêucia-Ctesifonte.
  • 421/22: Guerra entre Roma e Pérsia. Este conflito, assim como o mais restrito que aconteceu em 440/441, foi um episódio isolado numa época pontuada pela convivência pacífica entre os dois impérios.
  • 476: Destituição do último imperador romano do Ocidente, Rômulo Augusto. Final do Império do Ocidente.
  • 484: A Igreja Assíria do Oriente separa-se definitivamente da Igreja Imperial de Constantinopla.
  • 502: Início de uma nova guerra entre Roma e Pérsia. Após uma trégua em 506, volta a guerra em 526.
  • 532: "Paz Duradoura" entre Roma e Pérsia. O imperador Justiniano I empreende o seu restauratio imperii no Ocidente.
  • 540: Cosroes I rompe o tratado. Saque de Antioquia e outras cidades romanas. Esta guerra conclui em 562.
  • 572: Justino II força uma nova guerra com Pérsia, que concluirá em 591, durante o reinado de Maurício I.
  • 603: Começo da última e maior das Guerras Romano-Persas. Cosroes II inicia a conquista das províncias orientais do Império Romano do Oriente e a sua integração no Império Sassânida.
  • 627: Vitória do imperador Heráclio na batalha de Nínive. Em 628, o novo rei persa, Cavades II, pede a paz.
  • Década de 630: Início da expansão islâmica. Bizâncio perde a maior parte dos seus domínios e sofre importantes transformações políticas e sociais. O Império Sassânida desaparece, conquistado pelos árabes.

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^  Para aprofundamento sobre as anais de Sapor consultar Huyse, Philip. Die dreisprachigen Inschrift Šabuhrs I. an der Ka'ba-i Zardušt (ŠKZ). Londres: [s.n.], 1999.; para uma visão de conjunto do estado das fontes para o século III consultar Bleckmann, Bruno. Die Reichskrise des III. Jahrhunderts in der spätantiken und byzantinischen Geschichtsschreibung. Untersuchungen zu den nachdionischen Quellen der Chronik des Johannes Zonaras. Munique: [s.n.], 1992. e Potter, David S.. Prophecy and History in the Crisis of the Roman Empire. A Historical Commentary on the Thirteenth Sibylline Oracle. Oxford: [s.n.], 1990.
[b] ^  O arqueólogo Simon James, da Universidade de Leicester, em 2009, descobriu evidências em Dura Europos que apontam para uma possível guerra química. Segundo a investigação, os sassânidas teriam usado contra os romanos uma combinação de betume e cristais de enxofre que, quando juntos, formam um gás asfixiante.[350]
[c] ^  A História de Fausto, o Bizantino refere-se a uma batalha ocorrida após Galério montar base em Satala (atual Sadak) na Armênia Inferior, onde Narses avançou de sua base em Oskha para atacá-lo. Outras histórias do período não registram estes eventos.[109]
[d] ^  Lactâncio critica Diocleciano por sua ausência no fronte,[351] mas Southern, datando a campanha africana de Diocleciano um ano antes de Barnes, coloca-o no flanco sul de Galério.[352]
[e] ^  O texto de Zósimo é ambíguo e refere-se a uma pequena força de 18.000 sob Procópio de Cesareia e uma maior de 65.000 sob o próprio Juliano. É incerto se a segunda inclui a primeira.[353]
[f] ^  Procópio de Cesareia menciona que Cavades I propôs a Justino I em 525 que adotasse o jovem Cosroes como o fim de assegurar-lhe o trono. Segundo o seu relato, Justino e Justiniano estiveram de acordo, mas um jurista romano formulou um protesto: os tratados de adoção internacionais não deviam ser efetuados, pois interferiam nas relações entre os dois estados: os persas teriam podido então reclamar o Império Bizantino.[354] A historicidade deste episódio é geralmente aceite pelos historiadores atuais.[355]
[g] ^  Segundo Procópio de Cesareia, os persas também conquistaram o porto de Antioquia (atual Antakya), Selêucia Piéria onde Cosroes realizou um banho ritual no mar e ordenou fazer um sacrifício ao deus sol.[356]
[h] ^  João de Epifania complementa como causa da guerra o não pagamento por parte dos bizantinos do valor acordado nos tratados de paz anteriores.[357] Outras fontes contemporâneas afirmam que, inerente a tantas justificativas para um novo conflito, Cosroes I intencionava negociar com os bizantinos, porém Justino II optou pela guerra o que lhe rendeu muitas críticas.[358]
[i] ^  Com a derrota em Antioquia, os bizantinos abandonaram a região. No ano seguinte, Jerusalém foi conquistada, presumivelmente com ajuda dos judeus que esperavam que os sassânidas lhes concedessem maior liberdade; além disso houve um massacre cristão na cidade.[359] Entre a pilhagem dos persas, encontrava-se a Vera Cruz que foi dada a uma das esposas de Cosroes II e que causou grande comoção entre a cristandade.[360]
[j] ^  A casa da moeda da Nicomédia (atual İzmit) cessou operações em 613 e Rodes caiu aos invasores em 622-623.[361] ual
[k] ^  Devido à conturbação do período, há um problema em relação à rota escolhida pelo imperador para sua campanha e também o número dos efetivos de seu exército. Kaegi chama a atenção sobre este problema; possivelmente, Heráclio dirigiria mais tarde na Mesopotâmia uma força dentre 25 000 e 50 000 efetivos, que talvez até mesmo possam aumentar-se até 70 000.[362] [363]
[l] ^  Para solicitar a paz, Cavades II enviou para Heráclio, que estava em Gazaca, uma carta que sobreviveu na chamada Chronicon Paschale (Crônica Pascoal). Na referida carta, Cavades refere-se a seu inimigo como "[...] o clementíssimo imperador dos romanos, o nosso irmão [...]", tal qual Sapor II (r. 309-379) fez quando referiu-se a Constante II (r. 337-361).[364]
[m] ^  A ambivalência em relação do domínio bizantino por parte dos miafisistas pode ter diminuído a resistência local à expansão árabe.[365]

Referências

  1. Bevan 1902, p. 241-244
  2. Howard-Johnston 2006, p. 1
  3. Ball 2000, p. 12-13
  4. Dignas 2007, p. 9
  5. Mackay 2004, p. 149
  6. Sherwin-White 1994, p. 262
  7. Plutarco século Ia, p. V.3-6
  8. Bivar 1993, p. 46
  9. Sherwin-White 1994, p. 262-263
  10. Sherwin-White 1994, p. 264
  11. Plutarco século Ib, p. 22-23
  12. Mackay 2004, p. 150
  13. Bivar 1993, p. 56
  14. Bivar 1993, p. 56-57
  15. a b Justino século II, p. XLII.4
  16. Bivar 1993, p. 57
  17. Bivar 1993, p. 57-58
  18. Plutarco século Ic, p. 33-34
  19. Bivar 1993, p. 58-65
  20. Dião Cássio século III, p. XLIX.27-33
  21. Sicker 2000, p. 162
  22. Sicker 2000, p. 162-163
  23. Sicker 2000, p. 163
  24. Tácito século I, p. XII.50-51
  25. Rawlinson 2007, p. 286-287
  26. Tácito século I, p. XV.27-29
  27. Sicker 2000, p. 167
  28. Dião Cássio século III, p. LXVIII.33
  29. Sicker 2000, p. 167-168
  30. Lightfoot 1990, p. 115
  31. Sicker 2000, p. 169
  32. Herodiano século III, p. III.9.1-12
  33. Herodiano século III, p. IV.10.1-15.9
  34. Campbell 2005, p. 20
  35. Herodiano século III, p. VI.2.1-6
  36. Dião Cássio século III, p. LXXX.4.1-2
  37. Dodgeon 2002, p. I.16
  38. Kettenhofen 1984, p. 177-190
  39. Huyse 2002, p. 294-308
  40. Herodiano século III, p. VI.5.1-6
  41. Desconhecido século IVa, p. LV.1-3
  42. Southern 2001, p. 62
  43. Herodiano século III, p. VI.5.10
  44. Herodiano século III, p. VI.6.3
  45. Dodgeon 2002, p. I.24-28
  46. Frye 1993, p. 124
  47. Canduci 2010, p. 61
  48. Frye 1993, p. 124-125
  49. Southern 2001, p. 234-235
  50. Desconhecido século IVb, p. XVI.5-6
  51. Desconhecido século IVb, p. XVIII-XXX
  52. Frye 1993, p. 125
  53. Aurélio Vitor século IV, p. 27.7–8
  54. Desconhecido século II-V, p. XIII.13-20
  55. Desconhecido século IVc, p. 3-4
  56. MacDonald 1981, p. 502-508
  57. Körner 2002, p. 75
  58. Bowman 2005a, p. 36
  59. Körner 2002, p. 120
  60. Potter 2004, p. 240
  61. Potter 2004, p. 237
  62. Southern 2001, p. 71
  63. Canduci 2010, p. 67
  64. Hartmann 2001, p. 71
  65. Zósimo século VI, p. I.27
  66. Zonaras século XII, p. XII.21
  67. Frye 1993, p. 369-373
  68. Potter 2004, p. 248-249
  69. Rostovtzeff 1943, p. 25
  70. Rostovtzeff 1943, p. 26
  71. Valerian (A.D. 253-260) and Gallienus (A.D. 253-268) (em inglês). Página visitada em 17 de abril de 2013.
  72. Zósimo século VI, p. I.36.2
  73. Aurélio Vitor século IV, p. XXXII.5
  74. Zonaras século XII, p. XII.23
  75. Eutrópio século IV, p. IX.7
  76. The Inscription Of Shapur I At Naqsh-E Rustam In Fars* (em inglês). Página visitada em 17 de abril de 2013.
  77. Farrokh 2005, p. 45
  78. Potter 2004, p. 255-256
  79. Lactâncio século IV, p. V
  80. Desconhecido século II-V, p. 171
  81. Frye 1993, p. 126
  82. Southern 2001, p. 238
  83. Vaballathus and Zenobia (270-272 A.D.) (em inglês). Página visitada em 17 de abril de 2013.
  84. Schippmann 1990, p. 24
  85. Aurelian (A.D. 270-275) (em inglês). Página visitada em 19 de abril de 2013.
  86. Canduci 2010, p. 105
  87. Apolinário século V, p. XXIII.91.6
  88. Zonaras século XII, p. XII.30
  89. Neusner 1968, p. 3
  90. Aurélio Vitor século IV, p. XXXVIII.2-4
  91. Frye 1993, p. 128
  92. Southern 2001, p. 241
  93. Eutrópio século IV, p. IX.18.1
  94. Potter 2004, p. 292; 651
  95. Barnes 1981, p. 6
  96. Southern 2001, p. 242; 360-361
  97. Williams 1997, p. 52
  98. Southern 2001, p. 143
  99. Bowman 2005b, p. 73
  100. Williams 1997, p. 78
  101. Marcelino século IV, p. XXIII.5.11
  102. Potter 2004, p. 292
  103. Southern 2001, p. 149
  104. Millar 1993, p. 177-178
  105. Marcelino século IV, p. XIV.11.10
  106. Eutrópio século IV, p. IX.24-25
  107. Barnes 1981, p. 17
  108. Potter 2004, p. 292-293
  109. a b Bowman 2005b, p. 81
  110. a b c Potter 2004, p. 293
  111. a b c Barnes 1981, p. 18
  112. a b Millar 1993, p. 178
  113. Millar 1993, p. 178-179
  114. Barnes 1981, p. 25
  115. Southern 2001, p. 152
  116. MacMullen 1987, p. 138
  117. Bowder 1978, p. 31
  118. Lactâncio século IV, p. 34-35
  119. Eusébio de Cesareia século IV, p. 4; 9-13
  120. Barnes 1981, p. 259
  121. Vivian 1997, p. 164-169
  122. Toumanoff 1967, p. 83-84; 377
  123. Binns 2002, p. 30
  124. Festo 379, p. LXVII.2-3
  125. Teófanes, o Confessor século IX, p. A.M. 5815
  126. Marcelino século IV, p. XVIII.9.1
  127. Barnes 1985, p. 126-136
  128. Enßlin 1936, p. 102-110
  129. LIBER DE CAESARIBVS AVRELII VICTORIS HISTORIAE ABBREVIATAE (em inglês). Página visitada em 07-10-2012.
  130. Marcelino século IV, p. XIV; I-2
  131. a b Gibbon 1825, p. 113
  132. Barnes 1981, p. 17
  133. Fowden 1994, p. 146-148
  134. Wiemer 1994, p. 515
  135. Zósimo século VI, p. II.57-58
  136. Lucien-Brun 1973, p. 585-602
  137. Leedom 1978, p. 132-145
  138. DiMaio 1992, p. 158
  139. Juliano século IV, p. III.5-8
  140. Barnes 1982, p. 87
  141. Jerônimo de Estridão 380, p. CCXXXIV.17-18
  142. Teodoreto século V, p. I.11-12
  143. Teodoreto século V, p. II.30.1-14
  144. Butler 1845, p. 114
  145. Festo 379, p. XXVII
  146. Dignas 2007, p. 89
  147. Eutrópio século IV, p. X.10
  148. Mosig-Walburg 1999, p. 330-384
  149. Potter 2004, p. 467
  150. Maróth 1979, p. 239-243
  151. Marcelino século IV, p. XIV.3.1; XIV.9.3
  152. Zonaras século XII, p. XIII.713-14
  153. Gallus Caesar (15 March 351 - 354 A.D.) (em inglês). Página visitada em 27-04-2013.
  154. Marcelino século IV, p. XVII.5.3-8
  155. Zonaras século XII, p. XII.9.25-27
  156. a b Marcelino século IV, p. XVII.5
  157. Marcelino século IV, p. XVII.5.9-14
  158. Zonaras século XII, p. XII.9.28-29
  159. Austin 1998, p. 224
  160. Libânio século IVa, p. 331
  161. Marcelino século IV, p. XVII.14.1–3; XVIII.6.17-8
  162. Eunápio século V, p. VI. 5.1–10
  163. Blockley 1988, p. 244-260
  164. Marcelino século IV, p. XX.6
  165. Marcelino século IV, p. XIX
  166. Marcelino século IV, p. XX.7.1–16
  167. Marcelino século IV, p. XX.11.6–25
  168. Marcelino século IV, p. XXI.7.7; XIII.1–5
  169. Vagi 2001, p. 508
  170. Libânio século IVb, p. XII.76-77; XVIII.164
  171. Marcelino século IV, p. XXII.12.1–2
  172. Marcelino século IV, p. XXIV.4.27
  173. Fox 1997, p. 239-252
  174. Wirth 1978, p. 455
  175. Elton 1998, p. 210
  176. Bowersock 1978, p. 106; 108
  177. Rosen 2006, p. 333
  178. Frye 1993, p. 137
  179. Marcelino século IV, p. XXIII.2.1-2
  180. Ridley 1973, p. 318
  181. Marcelino século IV, p. XXIII.3.3
  182. a b Bowersock 1978, p. 110
  183. Potter 2004, p. 517
  184. Libânio século IVa, p. 1402.2
  185. Ahura Mazda or Shapur II? A Note on Taq-i Bustan I, the Investiture of Ardashir II (379-383), Iranica Antiqua 47, 2012, 133 - 151 (em inglês). Página visitada em 28-04-2013.
  186. Dodgeon 2002, p. 203
  187. Marcelino século IV, p. XXIV.3.10-11
  188. Dodgeon 2002, p. 204
  189. a b Hunt 1998, p. 75
  190. Goldsworth 2009, p. 232
  191. Marcelino século IV, p. XXIV.8.1-5
  192. a b Dodgeon 2002, p. 205
  193. Marcelino século IV, p. XXIV.7; XXV.1
  194. Marcelino século IV, p. XXV.3.3
  195. Voros 2000, p. 618
  196. Jovian (363-364 A.D.) (em inglês). Página visitada em 28-04-2013.
  197. Frye 1993, p. 138
  198. Valens (364-378 A.D) (em inglês). Página visitada em 29-04-2013.
  199. The Background and Aftermath of the Partition of Armenia in A.D. 387 (em inglês). Página visitada em 01-05-2013.
  200. Theodosius I (379-395 A.D.) (em inglês). Página visitada em 01-05-2013.
  201. Salles 2008, p. 319
  202. a b Asimov 1989, p. 110
  203. Rawlinson 1882, p. 270
  204. Rawlinson 1882, p. 272
  205. a b Procópio de Cesareia século VI, p. I.2
  206. Rawlinson 1882, p. 273
  207. Sócrates Escolástico século V, p. VII.8
  208. a b Theodosius II (408-450 A.D.) (em inglês). Página visitada em 01-05-2013.
  209. Wilkinson 2004, p. 263
  210. Winter 2001, p. 160
  211. Martindale 1980, p. 84-86
  212. Bury 1958, p. 10-15
  213. Luther 1997, p. 64
  214. Procópio de Cesareia século VI, p. I.7.1-2
  215. Josué, o Estilita século VI, p. XLIII
  216. Greatrex 2002, p. II.62
  217. Greatrex 2002, p. II.63
  218. Zacarias Retórico século V, p. VII.3-4
  219. Greatrex 2002, p. II.69-71
  220. a b Greatrex 2002, p. II.77
  221. Procópio de Cesareia século VI, p. I.9.24
  222. Josué, o Estilita século VI, p. XC
  223. Greatrex 2002, p. II.74
  224. Josué, o Estilita século VI, p. XCIII-XCIV
  225. Greatrex 2005, p. 487
  226. Greatrex 2002, p. II.81-82
  227. Procópio de Cesareia século VI, p. I.11.23-30
  228. Greatrex 2002, p. II.82
  229. Greatrex 2002, p. II.84
  230. Greatrex 2002, p. II.83.86
  231. Zacarias Retórico século V, p. IX.2
  232. Greatrex 2002, p. II.85
  233. Greatrex 2002, p. II.92-96
  234. Greatrex 2002, p. II.93
  235. Procópio de Cesareia século VI, p. I.22
  236. João Malalas século VI, p. XVIII.76
  237. Greatrex 2002, p. II.96-97
  238. Greatrex 2005, p. 488
  239. Rubin 1960, p. 324
  240. Greatrex 2002, p. II.102
  241. Börm 2007, p. 299
  242. Procópio de Cesareia século VI, p. II.20.17-19
  243. Greatrex 2002, p. II.109-110
  244. Procópio de Cesareia século VI, p. II.21.30-32
  245. Greatrex 2002, p. II.110
  246. Greatrex 2002, p. II.111
  247. Coripo século VI, p. I.68-98
  248. a b Greatrex 2005, p. 489
  249. Procópio de Cesareia século VI, p. II.28.7-11
  250. Greatrex 2002, p. II.113
  251. a b Justinian (527-565 A.D.). (em inglês). Página visitada em 05-05-2013.
  252. Treadgold 1997, p. 204-207
  253. Rubin 1960, p. 345
  254. Treadgold 1997, p. 209
  255. Farrokh 2007, p. 236
  256. Treadgold 1997, p. 211
  257. Menandro Protetor século VI, p. VI.1
  258. Greatrex 2005, p. 503-504
  259. Treadgold 1997, p. 222
  260. Louth 2005, p. 113
  261. Greatrex 2002, p. II.152
  262. Whitby 2000a, p. 92-94
  263. Teófanes, o Confessor século IX, p. 246.11-27
  264. a b c Treadgold 1997, p. 224
  265. a b Whitby 2000a, p. 95
  266. a b Teofilacto Simocata século VII, p. I.9.4
  267. Whitby 2000a, p. 95-96
  268. Treadgold 1997, p. 225
  269. Treadgold 1997, p. 226
  270. Whitby 2000a, p. 96
  271. Greatrex 2002, p. II.168-169
  272. Louth 2005, p. 115
  273. Teofilacto Simocata século VII, p. I.3.11; I.15.1
  274. Foss 1975, p. 722
  275. Teófanes, o Confessor século IX, p. 290-293
  276. Greatrex 2002, p. II.183-184
  277. Teófanes, o Confessor século IX, p. 292-293
  278. Greatrex 2002, p. II.185-186
  279. Greatrex 2002, p. II.186-187
  280. Haldon 1997, p. 41
  281. a b Speck 1984, p. 178
  282. Greatrex 2002, p. II.188-189
  283. Greatrex 2002, p. II.189-190
  284. Greatrex 2002, p. II.190-193; 196
  285. Howard-Johnston 2006, p. 85
  286. Greatrex 2002, p. II.196
  287. Kaegi 2003, p. 126; 146
  288. Teófanes, o Confessor século IX, p. 303-304; 307
  289. Cameron 1979, p. 23
  290. Grabar 1984, p. 37
  291. Greatrex 2002, p. II.199
  292. Teófanes, o Confessor século IX, p. 304.25-306.7
  293. Greatrex 2002, p. II.199-202
  294. Teófanes, o Confessor século IX, p. 306-308
  295. Greatrex 2002, p. II.202-205
  296. Teófanes, o Confessor século IX, p. 308-312
  297. Teófanes, o Confessor século IX, p. 316
  298. Cameron 1979, p. 5-6; 20-22
  299. Teófanes, o Confessor século IX, p. 315-316
  300. Farrokh 2005, p. 56
  301. Greatrex 2002, p. II.209-212
  302. Kaegi 2003, p. 142
  303. Howard-Johnson 1999, p. 13
  304. Greatrex 2002, p. II.217-227
  305. Teófanes, o Confessor século IX, p. 317-327
  306. Haldon 1997, p. 46
  307. Baynes 1912
  308. Howard-Johnston 2006, p. 9
  309. Haldon 1997, p. 43–45; 66; 71; 114–15
  310. Howard-Johnston 2006, p. XV
  311. Foss 1975, p. 746-747
  312. Liska 1998, p. 170
  313. Haldon 1997, p. 49-50
  314. Haldon 1997, p. 61-62
  315. Howard-Johnston 2006, p. 9
  316. Haldon 2002, p. 20
  317. Rawlinson 2007, p. 199
  318. a b Wheeler 2007, p. 259
  319. a b Frye 2005, p. 473
  320. Frye 2005, p. 472
  321. Greatrex 2005, p. 478
  322. Chris Cornuelle. An Overview of the Sassanian Persian Military (em inglês). Página visitada em 07-05-2013.
  323. Gabba 1966, p. 51-73
  324. Vegécio século IV, p. 26
  325. Verbruggen 1997, p. 4-5
  326. Campbell 2005, p. 57-59
  327. Shahîd 1984, p. 24-25
  328. Wagstaff 1985, p. 123-125
  329. a b c Frye 1993, p. 139
  330. a b Levi 1994, p. 192
  331. Excavations In Iran Unravel Mystery Of 'Red Snake' (em inglês). Página visitada em 07-05-2013.
  332. Excavations In Iran Unravel Mystery Of 'Red Snake' (em inglês). Página visitada em 07-05-2013.
  333. Brazier 2001, p. 42
  334. Dião Cássio século III, p. LXXV.3.2–3
  335. Garnsey 1987, p. 8
  336. Greatrex 2005, p. 477-478
  337. Haldon 1999, p. 18
  338. Barnes 1985, p. 126
  339. Sozomeno século V, p. II.15
  340. McDonough 2006, p. 73
  341. Haldon 1999, p. 20
  342. Isaak 1998, p. 441
  343. Dignas 2007, p. 1-3
  344. Dodgeon 2002, p. I.5
  345. Potter 2004, p. 232-233
  346. Frye 2005, p. 461-463
  347. HISTORIOGRAPHY ii. PRE-ISLAMIC PERIOD (em inglês). Página visitada em 07-05-2013.
  348. Boyd 1999, p. 42-43
  349. Howard-Johnston 2006, p. 42-43
  350. University of Leicester archaeologist uncovers evidence of ancient chemical warfare (em inglês). Página visitada em 15 de abril de 2013.
  351. Lactâncio século IV, p. IX.6
  352. Southern 2001, p. 151; 335–336
  353. Zósimo século VI, p. III.12
  354. Procópio de Cesareia século VI, p. I.11
  355. Börm 2007, p. 308-317
  356. Procópio de Cesareia século VI, p. II.11
  357. João de Epifania século VI, p. 1
  358. Evágrio Escolástico século VI, p. V.7
  359. Horowitz 2006, p. 228
  360. Heraclius and Chosroes or The Desire for the True Cross (em inglês). Página visitada em 06-05-2013.
  361. Greatrex 2002, p. II.193-197
  362. Kaegi 2003, p. 122; 160
  363. Howard-Johnston 1999, p. 1-44
  364. Dignas 2007, p. 178
  365. Haldon 1997, p. 49-50

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

  • Desconhecido. História Augusta: Vida de Alexandre Severo. [S.l.: s.n.], século IVa.
  • Desconhecido. História Augusta: Vida dos três Gordianos. [S.l.: s.n.], século IVb.
  • Desconhecido. Res Gestae Divi Saporis. [S.l.: s.n.], século IVc.
  • Eunápio. Lives of the Sophists. [S.l.: s.n.], século V.
  • Eutrópio. Breviarium historiae Romanae. [S.l.: s.n.], século IV.
  • Festo. reviarium rerum gestarum populi Romani. [S.l.: s.n.], 379.
  • Jerônimo de Estridão. Chronicon. [S.l.: s.n.], 380.
  • Juliano. Epistula ad Athenienses 270C. [S.l.: s.n.], século IV.
  • Libânio. Epístola. [S.l.: s.n.], século IVa.
  • Libânio. Oração. [S.l.: s.n.], século IVb.
  • Plutarco. Vidas Paralelas. [S.l.: s.n.], século Ia. Capítulo: Sula. ,
  • Teodoreto. História Eclesiástica. [S.l.: s.n.], século V.

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]

  • Asimov, Isaac. Asimov's Chronology of the World. [S.l.]: Harper Collins, 1989.
  • Austin, N. J. E.; N. B. Rankov. (1998). "Exploratio:Military and Political Intelligence in the Roman World from the Second Punic War to the Battle of Adrianople".
  • Barnes, Timothy D.. Constantine and Eusebius. Cambridge: Harvard University Press, 1981. ISBN 978-0-674-16531-1
  • Barnes, Timothy D.. The New Empire of Diocletian and Constantine. [S.l.: s.n.], 1982.
  • Barnes, T. D.. (1985). "Constantine and the Christians of Persia". The Journal of Roman Studies 75. ISSN 0013-8266.
  • Baynes, Norman H.. (1912). "The restoration of the Cross at Jerusalem". The English Historical Review 27 (106): 287–299. DOI:10.1093/ehr/XXVII.CVI.287.
  • Boyd, Kelly. Encyclopedia of Historians and Historical Writing. [S.l.]: Taylor & Francis, 2004. Capítulo: Byzantium. , ISBN 1-884964-33-8
  • Brazier, Chris. The No-Nonsense Guide to World History. [S.l.]: Verso, 2001. Capítulo: The Rise and Rise of Religion. , ISBN 1-85984-355-7
  • Bury, John B.. History of the Later Roman Empire. [S.l.: s.n.], 1958. vol. 2.
  • Barnes, Timothy D.. (1985). "Constantine and the Christians of Persia". Journal of Roman Studies 75.
  • Binns, John. An Introduction to the Christian Orthodox Churches. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. ISBN 0-521-66738-0
  • Bivar, H. D. H. In: Bayne Fisher, William; Gershevitch, Ilya; Yarshater, Ehsan; Frye, R. N.; Boyle, J. A.; Jackson, Peter; Lockhart, Laurence; Avery, Peter; Hambly, Gavin; Melville, Charles. The Cambridge History of Iran. [S.l.]: Cambridge University Press, 1993. Capítulo: The Political History of Iran under the Arsacids. , ISBN 0-521-20092-X
  • Blockley, Roger C.. . "Ammianus Marcellinus on the Persian Invasion of A. D. 359". Phoenix 42.
  • Börm, Henning. Prokop und die Perser. Untersuchunge zu den römisch-sasanidischen Kontakten in der ausgehenden Spätantike. Estugarda: [s.n.], 2007. ISBN 978-3-515-09052-0
  • Bowder, Diana. The Age of Constantine and Julian. Nova Iorque: Barnes & Noble, 1978.
  • Bowman, Alan K.. The Cambridge Ancient History: The Crisis of Empire, A.D. 193-337. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005a.
  • Bowman, Alan K.. The Cambridge Ancient History: Diocletian and the First Tetrarchy. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005.
  • Butler, Alban. The lives of the fathers, martyrs, and other principal saints. Universidade de Wisconsin - Madison: Duffy, 1845. vol. 7.
  • Cameron, Averil. (1979). "Images of Authority: Elites and Icons in Late Sixth-century Byzantium". Past and Present 84 (3). DOI:doi10.1093/past/84.1.3..
  • Canduci, Alexander. Triumph & Tragedy: The Rise and Fall of Rome's Immortal Emperors. [S.l.]: Pier 9, 2010. ISBN 978-1-74196-598-8
  • DiMaio, Michael; Duane Arnold. (1992). "Per Vim, Per Caedem, Per Bellum: A Study of Murder and Ecclesiastical Politics in the Year 337 A.D,". Byzantion 62.
  • Gabba, Reno E.. Atti del Convegno sul Terma: la Persia e il Mondo Greco-Romano. [S.l.]: Accademia Nazionale del Lincei, 1966. Capítulo: Sulle Influenze Reciproche Degli Ordinamenti de Parti e Dei Romani. ,
  • Greatrex, Geoffrey; Lieu, Samuel N. C.. The Roman Eastern Frontier and the Persian Wars (Part II, 363–630 AD). [S.l.]: Routledge, 2002. ISBN 0-415-14687-9
  • Elton, Hugh. Warfare in Roman Europe AD 350-425. [S.l.]: Oxford University Press, 1998. ISBN 0198152418
  • Enßlin, Wilhelm. (1936). "Zu dem vermuteten Perserfeldzug des rex Hannibalianus". Klio 29.
  • Farrokh, Kaveh; McBride, Angus. Sassanian Elite Cavalry AD 224-642. Oxford: Osprey Publishing, 2005. ISBN 1-84176-713-1
  • Fowden, Garth. (1994). "The Last Days of Constantine: Oppositional Versions and Their Influence". The Journal of Roman Studies 84.
  • Fox, Robin Lane (1997). "The Itinerary of Alexander : Constantius to Julian". Classical Quarterly 47. New Séries.
  • Frye, R. N.. In: Bayne Fisher, William; Gershevitch, Ilya; Yarshater, Ehsan; Frye, R. N.; Boyle, J. A.; Jackson, Peter; Lockhart, Laurence; Avery, Peter; Hambly, Gavin; Melville, Charles. The Cambridge History of Iran. [S.l.]: Cambridge University Press, 1993. Capítulo: The Political History of Iran under the Sassanians. , ISBN 0-521-20092-X
  • Frye, R. N.. In: Iorwerth Eiddon, Stephen Edwards. The Cambridge Ancient History: The Crisis of Empire. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. Capítulo: The Sassanians. , vol. XII. ISBN 0-521-30199-8
  • Garnsey, Peter; Saller, Richard P.. The Roman Empire: Economy, Society and Culture. [S.l.]: University of California Press, 1987. Capítulo: The Roman Empire. , ISBN 0-520-06067-9
  • Gibbon, Edward. A História do Declínio e Queda do Império Romano. [S.l.: s.n.], 1825.
  • Grabar, André. L'Iconoclasme Byzantin: le Dossier Archéologique. [S.l.: s.n.], 1984. ISBN 2-08-081634-9
  • Greatrex, Geoffrey B.. In: Michael Mass. The Cambridge Companion to the Age of Justinian. Estugarda: Cambridge University Press, 2005. Capítulo: Byzantium and the East in the Sixth Century. , ISBN 0-521-81746-3
  • Haldon, John. Byzantium in the Seventh Century: the Transformation of a Culture. Cambridge: [s.n.], 1997. ISBN 0-521-31917-X
  • Haldon, John. Warfare, State and Society in the Byzantine World, 565–1204. [S.l.]: Routledge, 1999. Capítulo: Fighting for Peace: Attitudes to Warfare in Byzantium. , ISBN 1-85728-495-X
  • Hartmann, Udo. Das palmyrenische Teilreich. Stuttgart: [s.n.], 2001.
  • Horowitz, Elliot. Reckless Rites : Purim and the Legacy of Jewish Violence. Princeton: [s.n.], 2006.
  • Howard-Johnston, James. (1999). "Heraclius' Persian Campaigns and the Revival of the East Roman Empire 622–630". War in History 6.
  • Hunt, David. In: Averil Cameron; Peter Garsney. Cambridge Ancient History. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. Capítulo: Julian. , vol. 13. ISBN 0-521-30200-5
  • Huyse, Philip. Iran : Questions connaissances I : Études sur l'Iran ancien. Paris: [s.n.], 2002. Capítulo: La revendication de territoires achéménides par les Sassanides: une réalité historique?. ,
  • Isaak, Benjamin H.. The Near East Under Roman Rule: Selected Papers. [S.l.]: Brill, 1998. Capítulo: The Army in the Late Roman East: The Persian Wars and the Defense of the Byzantine Provinces. , ISBN 90-04-10736-3
  • Kettenhofen, Erich. (1984). "Die Einforderung des Achämenidenerbes durch Ardašir". Orientalia Lovaniensia Periodica 15.
  • Körner, Christian. Philippus Arabs. Ein Soldatenkaiser in der Tradition des antoninisch-severischen Prinzipats. Berlim: [s.n.], 2002.
  • Leedom, Joe W.. (1978). "Constantius II: Three Revisions". Byzantion 48.
  • Lucien-Brun, X.. (1973). "Constance II et le massacre des princes". Bulletin de l'Association Guillaume Budé 4.
  • Lightfoot, C. S.. (1990). "Trajan's Parthian War and the Fourth-Century Perspective". The Journal of Roman Studies 80. DOI:10.2307/300283.
  • Levi, A. H. T.. In: Ring, Trudy; Salkin, Robert M.; La Boda, Sharon. International Dictionary of Historic Places. [S.l.]: Taylor & Francis, 1994. Capítulo: Ctesiphon. , ISBN 1-884964-03-6
  • Liska, George. Expanding Realism: The Historical Dimension of World Politics. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 1998. Capítulo: Projection contra Prediction: Alternative Futures and Options. , ISBN 0-8476-8680-9
  • Louth, Andrew. In: McKitterick, Rosamond; Fouracre, Paul; Reuter, Timothy; Luscombe, David Edward; Abulafia, David; Simon, Jonathan; Riley-Smith, Christopher; Allmand, C. T.; Jones, Michael. The New Cambridge Medieval History (I, c.500–c.700). [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. Capítulo: The Eastern Empire in the Sixth Century. , ISBN 0-521-36291-1
  • Luther, Andres. Die syrische Chronik des Josua Stylites. Berlim: [s.n.], 1997.
  • MacDonald, David. History. [S.l.: s.n.], 1981. Capítulo: The death of Gordian III – another tradition. ,
  • Maróth, M.. (1979). "Le Siège de Nisibe en 350 ap. J.-Ch. d’après des Sources Syriennes". Acta Antiqua Academiae Scientiarum Hungaricai 27.
  • Martindale, J. R.. The Prosopography of the Later Roman Empire: Volume 2, AD 395-527. [S.l.: s.n.], 1980.
  • McDonough, S. J.. In: Drake, Harold Allen. Violence in Late Antiquity: Perceptions and Practices. [S.l.]: Ashgate Publishing, 2006. Capítulo: Persecutions in the Sasanian Empire. , ISBN 0-7546-5498-2
  • Millar, Fergus. The Roman Near East, 31 B.C.–A.D. 337. Cambridge: Harvard University Press, 1993. ISBN 0-674-77885-5
  • Mosig-Walburg, Karin. (1999). "Zur Schlacht bei Singara". História 48.
  • Neusner, Jacob. A history of the Jews in Babylonia. [S.l.]: Brill, 1968. vol. 2.
  • Potter, David Stone. The Roman Empire at Bay AD 180–395. Londres/Nova Iorque: Routledge, 2004. ISBN 0-415-10057-7
  • Rawlinson, George. The Seventh Great Oriental Monarchy. Dodd, Mead and Company. [S.l.: s.n.], 1882.
  • Ridley, R. T.. (1973). "Notes on Julian's Persian Expedition (363)". Historia: Zeitschrift für Alte Geschichte 22 (2).
  • Rosen, Klaus. Julian. Kaiser, Gott und Christenhasser. Stuttgart: Klett-Cotta, 2006.
  • Rostovtzeff, Michael I.. In: Harold Ingolt. Berytus Archeological Studies. [S.l.]: The Museum of Archeology of The American Unversity of Beirut, 1943. Capítulo: Res Gestae Divi Saporis and Dura. , vol. 8.
  • Rubin, Berthold. Das Zeitalter Justinians. Berlim: [s.n.], 1960. vol. 1.
  • Salles, Catherine. Larousse das Civilizações Antigas: Vol. III - Das Bacanais a Ravena (O Império Romano do Ocidente) (em português). São Paulo: [s.n.], 2008. ISBN 978-85-7635-445-1
  • Schippmann, Klaus. Grundzüge der Geschichte des sasanidischen Reiches. [S.l.]: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1990. ISBN 3-534-07826-8
  • Shahîd, Irfan. Rome and the Arabs. [S.l.]: Dumbarton Oaks, 1984. Capítulo: Arab-Roman Relations. , ISBN 0-88402-115-7
  • Sicker, Martin. The Pre-Islamic Middle East. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2000. Capítulo: The Struggle over the Euphrates Frontier. , ISBN 0-275-96890-1
  • Southern, Pat. The Roman Empire from Severus to Constantine. [S.l.]: Routledge, 2001. Capítulo: Beyond the Eastern Frontiers. , ISBN 0-415-23943-5
  • Speck, Paul. In: Rudolf Halbelt. Poikila Byzantina. [S.l.: s.n.], 1984. Capítulo: Ikonoklasmus und die Anfänge der Makedonischen Renaissance. , vol. 4.
  • Treadgold, Warren. A History of the Byzantine State and Society. [S.l.]: Sanford University Press, 1997. ISBN 0-8047-2630-2
  • Toumanoff, Cyril. Studies in Christian Caucasian History. [S.l.]: Georgetown University Press, 1967.
  • Vagi, D.L.; T. Coquand. Coinage and History of the Roman Empire. [S.l.]: Taylor & Francis, 2001.
  • Verbruggen, J. F.; Willard, Sumner; Southern, R. W.. The Art of Warfare in Western Europe During the Middle Ages. [S.l.]: Boydell & Brewer, 1997. Capítulo: Historiographical Problems. , ISBN 0-85115-570-7
  • Vivian, Miriam Raub. (1997). "Eusebius and Constantine's Letter to Shapur: Its Place in the Vita Constantini". Studia Patristica 29.
  • Voros, Lascaratos; John Voros; Dionysios Voros. (2000). "Fatal Wounding of the Byzantine Emperor Julian the Apostate (361–363 A.D.)". World Journal of Surgery 24.
  • Wiemer, Hans-Ulrich. (1994). "Libanius on Constantine". The Classical Quarterly 44.
  • Wagstaff, John. The Evolution of Middle Eastern Landscapes: An Outline to A.D. 1840. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 1985. Capítulo: Hellenistic West and Persian East. , ISBN 0-389-20577-X
  • Wheeler, Everett. In: Paul Erdkamp. A Companion to the Roman Army. [S.l.]: Blackwell Publishing, 2007. Capítulo: The Army and the Limes in the East. , ISBN 1-4051-2153-X
  • Williams, Stephen. Diocletian and the Roman Recovery. Nova Iorque: Routledge, 1997. ISBN 0-415-91827-8
  • Winter, Engelbert. Rom und das Perserreich: Zwei Weltmachte zwischen Konfrontation und Koexistenz. [S.l.]: Akademie Verlag, 2001. ISBN 3050034513
  • Wirth, Gerhard. In: Richard Klein. Julian Apostata. [S.l.: s.n.], 1978. Capítulo: Julians Perserkrieg. Kriterien einer Katastrophe. ,
  • Whitby, Michael. In: Cameron, Averil; Ward-Perkins, Bryan; Whitby, Michael. The Cambridge Ancient History. [S.l.]: Cambridge University Press, 2000a. Capítulo: The Successors of Justinian. , vol. XIV. ISBN 0-521-32591-9
  • Whitby, Michael. In: Cameron, Averil; Ward-Perkins, Bryan; Whitby, Michael. The Cambridge Ancient History. [S.l.]: Cambridge University Press, 2000b. Capítulo: The Eastern Army: men and resourses. , vol. XIV. ISBN 0-521-32591-9