Igrejinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Igrejinha
"Cidade do calçado e da Oktoberfest"
Vista de Igrejinha

Vista de Igrejinha
Bandeira de Igrejinha
Brasão de Igrejinha
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1 de junho de 1964 (50 anos)
Gentílico igrejinhense
Lema Pax et labor
"Paz e trabalho"
Prefeito(a) Joel Leandro Wilhelm (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Igrejinha
Localização de Igrejinha no Rio Grande do Sul
Igrejinha está localizado em: Brasil
Igrejinha
Localização de Igrejinha no Brasil
29° 34' 26" S 50° 47' 24" O29° 34' 26" S 50° 47' 24" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Gramado-Canela IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Porto Alegre[2]
Municípios limítrofes Taquara, Três Coroas, Nova Hartz, Parobé, Santa Maria do Herval
Distância até a capital 82 km[3]
Características geográficas
Área 136,816 km² [4]
População 31 663 hab. Censo IBGE/2010[5]
Densidade 231,43 hab./km²
Altitude 18 m
Clima Subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,822 muito alto PNUD/2000 [6]
PIB R$ 563 007,057 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 17 089,30 IBGE/2008[7]
Página oficial
Construção da ponte coberta sobre o Rio Paranhana

Igrejinha é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul localizado na mesorregião Metropolitana de Porto Alegre e na microrregião de Gramado-Canela, mais precisamente no Vale do Paranhana, a uma latitude 29º34'28" sul e a uma longitude 50º47'25" oeste, estando a uma altitude média de 18 metros. Sua população estimada em 2013 era de 33.711 habitantes para uma área de 135,861 km². [8] É um município que conta com as águas do rio Paranhana. Seu principal acesso é pela estrada RS-115, embora também seja atendido pela RS-020. A cidade é uma das maiores produtoras de calçados femininos do Brasil e também a 33ª cidade a ingressar na Região Metropolitana de Porto Alegre, conforme a Lei nº 13.853 de 22 de dezembro de 2011.

Colonizada por imigrantes alemães durante o século XIX, ainda hoje possui população predominantemente de origem alemã. O nome do município se deve a uma pequena igreja construída pelos imigrantes em 1863. Para celebrar as tradições de seus antepassados a cidade criou a Oktoberfest de Igrejinha.[9] [10]

História[editar | editar código-fonte]

Colonização[editar | editar código-fonte]

A história de Igrejinha inicia muito antes de sua emancipação, ocorrida em 1964; ela remonta ao ano de 1814, quando foi concedida a Antônio Borges de Almeida Leães uma sesmaria que compreendia os atuais territórios de Taquara, de Igrejinha e de Três Coroas. Em 1845, Tristão José Monteiro adquiriu a sesmaria e criou a Colônia de Santa Maria do Mundo Novo. A partir de 1846 muitos imigrantes alemães vindos do vale dos Sinos, especialmente de São Leopoldo e de Dois Irmãos, e alguns diretamente da Alemanha, fixaram-se nesta colônia e aos poucos espalharam-se, principalmente pelas margens do rio Santa Maria, hoje chamado de rio Paranhana.[11]

A colônia dividia-se em três seções: Baixa Santa Maria – hoje Taquara, Média Santa Maria – hoje Igrejinha e Alta Santa Maria – hoje Três Coroas. Foi na Média Santa Maria, que Tristão Monteiro construiu a primeira casa de alvenaria do vale, a chamada "Casa de Pedra". Esta casa foi construída para instalar a capatazia e o armazém de abastecimento dos primeiros colonos e do pessoal que procedia a medição das terras do vale.[12] [13]

Nesta época ocorreram diversos e sangrentos conflitos entre imigrantes e índios, acarretando na completa exterminação dos caingangues na região. O conflito mais conhecido é chamado de Tragédia da família Waterpull, onde os índios atacaram a fazenda da família, mataram os homens e sequestraram as mulheres. Este sequestro somente terminou através de uma operação do Exército Imperial Brasileiro.[14]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Igrejinha em 1930

Construída de madeira pelos próprios moradores, a primeira igreja existente em toda região foi inaugurada em 1863. Ela se localizada próxima às margens do rio Paranhana, de fronte ao local onde hoje está construída a igreja evangélica Gabriel de Igrejinha.[15]

A antiga picada Porto AlegreSão Francisco de Paula (atual RS-020), era rota dos tropeiros de gado que seguiam para São Paulo ou, desciam para Porto Alegre. Desta estrada, que passa sobre regiões montanhosas de Igrejinha, era possível visualizar a pequena igreja. Logo estes viajantes começaram a utilizar a construção como ponto de referência. Foram os tropeiros que começaram a chamar de Igrejinha a localidade até então conhecida por Média Santa Maria, exclamando a cada vez que a avistavam: - Lá esta a igrejinha![16] [17]

Progresso econômico[editar | editar código-fonte]

Em meados de 1904 a população reuniu-se e construiu a primeira ponte de Igrejinha sobre o rio Paranhana. Em 1912 o comerciante João Kichler construiu uma barragem e um moinho de água no rio para descascar arroz. No moinho instalou uma turbina geradora de energia elétrica, o que possibilitou a instalação de uma rede elétrica para cada lado do rio, fornecendo eletricidade para os domicílios de toda a localidade. Igrejinha foi a pioneira em iluminação elétrica domiciliar em toda a região.[18]

No ano de 1913, foi construído o ramal Taquara-Canela da rede ferroviária da Viação Férrea do Rio Grande do Sul. Os trilhos acompanhavam o curso do rio. Graças à construção da malha ferroviária, a localidade de Igrejinha teve seu nome oficializado. Igrejinha recebeu uma estação ferroviária (localizada onde hoje está o cruzamento da Avenida Castelo Branco com a Rua João Correa) e uma ponte. O tráfego ferroviário deu um grande impulso ao progresso da localidade, por facilitar o escoamento da produção.[19]

Por volta de 1930 foi iniciada a primeira empresa que fabricava calçados e artefatos de couro. A partir de então e até 1955 houve um verdadeiro surto de empresas neste ramo.

Emancipação política[editar | editar código-fonte]

Estação férrea de Igrejinha em 1922

Pelo Ato Municipal nº 1, de 1 de janeiro de 1935, Igrejinha foi transformada em 8º distrito do município de Taquara.

Graças ao esforço de muitos industriários e comerciantes igrejinhenses, em 1 de junho de 1964 o então governador do estado, senhor Ildo Meneghetti, assinou a Lei nº 4.733, transformando Igrejinha em município, emancipado de Taquara. O município foi oficialmente instalado em 9 de fevereiro de 1965, tendo como prefeito o senhor João Darcy Rheinheimer e compondo a câmara municipal os senhores: Paulo Arthur Maria Spohr, Hugo Sperb, Selson Flesch, Pedro Ivan Sparrenberger, Edgar Willy Wolf, Acy Fetter e Carlito Kullmann.

Passados mais de 160 anos após a chegada dos primeiros imigrantes alemães à Igrejinha, a cidade, ainda hoje possui população predominantemente de origem alemã e é uma das maiores produtoras de calçados femininos do Brasil. A herança germânica, misturada às dificuldades da colonização da região, deu ao município as feições atuais.[20]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Vista de Igrejinha em um dia chuvoso

A geografia de Igrejinha é bastante variada, apesar de ser um município relativamente pequeno, conta com um relevo bastante acentuado e uma vegetação variada. A área do município é de 136,82 km², representando 0,0509% do território gaúcho, 0,0243% da área da região Sul do Brasil e 0,0016% de todo o território brasileiro.[21] Está a 82 quilômetros de Porto Alegre por via asfáltica, e 66,34 quilômetros em linha reta. Localizada na Encosta Inferior do Nordeste, no Rio Grande do Sul, faz divisa com Três Coroas (ao norte), Taquara (a sudeste), Parobé (ao sul), Nova Hartz (a sudoeste) e Santa Maria do Herval (a oeste). [22]

Clima[editar | editar código-fonte]

O município de Igrejinha pertence a zona climática designada pela letra C, no limite dos tipos climáticos Cfa e Cfb, segundo a Classificação climática de Köppen-Geiger. Tais tipos climáticos se caracterizam por serem um clima subtropical úmido quente (Cfa) e clima subtropical úmido temperado (Cfb). A temperatura média é de 20°C e a pluviosidade média de tal clima é de 2.000 mm/ano, sendo julho o mês mais chuvoso, com 157,2 mm, e abril o mais seco, com 97,2 mm.[23] [24] [25]

Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Maior temperatura °C 29 28 28 24 21 19 18 20 21 23 26 28
Menor temperatura °C 19 19 18 15 12 10 8 10 11 14 16 18
Fonte: Weather Underground

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Vista do rio Paranhana em Igrejinha

A cidade é cortada pelo rio Paranhana e por vários riachos e nascentes. Igrejinha possui diversas cascatas, localizadas na zona rural. Muitas destas cascatas são atrativos turísticos, como a Cascata de Solitária e a Cascata dos Italianos. O município também conta com diversos lagos artificiais, utilizados para a irrigação das lavouras e como locais para pesca.[26]

O Paranhana tem nascente na Serra da Canastra na divisa dos municípios de Canela e de São Francisco de Paula. Totalizando 80,6 quilômetros de extensão, banha outros municípios do vale como Três Coroas, Taquara e Parobé. O Paranhana é um afluente do rio dos Sinos, o qual deságua no delta do Jacuí, seguindo pelo lago Guaíba, lagoa dos Patos e daí para o oceano Atlântico. Sua confluência com o Rio dos Sinos se localiza na divisa entre os municípios de Parobé e Taquara no Balneário João Martins Nunes. Suas águas correm no sentido de norte para sul. Os afluentes da margem esquerda do Rio Paranhana em Igrejinha são os arroios Kampf, Ludovico, Koetz e Além. Na margem direita são afluentes os arroios Ceroula, Canto dos Renck, Voluntária, Nicolau, Solitária e Sanga Funda.

Existem ainda, cursos d'água contribuintes de outras bacias hidrográficas como o Arroio Cadeia, que tem nascente em Serra Grande e é o principal afluente do rio Cadeia de Santa Maria do Herval, e o Arroio Vicki, que nasce na localidade de Linha Caloni e deságua no rio da Ilha em Taquara..[27]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Igrejinha está localizada na região fisiográfica Encosta Inferior do Nordeste[28] do Rio Grande do Sul, mais precisamente no Vale do Rio Paranhana. A área urbana do município situa-se em baixa altitude, com média de 18 metros acima do nível do mar. O interior do município tem um relevo bastante acidentado tendo seu ponto mais alto a 773 metros de altitude no Morro dos Alpes em Serra Grande.[24] [29]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação típica de Igrejinha é a mata atlântica, entretanto, nos locais mais elevados, encontramos também a vegetação típica das regiões serranas do sul: as florestas de araucárias. Na beira do rio Paranhana, e dos arroios há uma arborização bastante densa, servindo de mata ciliar. Encontramos também algumas áreas alagadiças nas áreas mais baixas do município.[30]

Economia[editar | editar código-fonte]

Como em toda a região do vale do Rio dos Sinos, a cidade tem uma economia principalmente voltada à produção do calçado; mas conta também com um forte setor de serviços e comércio. Segundo o IBGE, existiam no município, em 2012, 1.844 empresas atuantes. A força de trabalho formal em Igrejinha era de 10.573 pessoas em 2000, sendo 7.811 na indústria, 2.200 no setor de serviços e 562 no comércio.[31]

O produto interno bruto igrejinhense foi de R$ 867.611.000,00 em 2011, gerando uma média per capita de R$ 27.082,38. Destes R$ 3.935.000,00 provém da agropecuária; R$ 388.473.000,00 é acrescentado pela indústria, R$ 343.527.000,00 é adicionado pelos serviços e R$ 131.677.000,00 provém de impostos. [32]

Composição da economia de Igrejinha em 2005[33]
Agricultura
0,93%
Indústria
50,47%
Comércio/Serviços
48,61%

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Produto Produção
Mandioca 1800 toneladas
Batata inglesa 838 toneladas
Milho 720 toneladas
Cana-de-açúcar 500 toneladas
Laranja 280 toneladas
Batata-doce 190 toneladas
Goiaba 120 toneladas
Banana 88 toneladas
Limão 80 toneladas
Tomate 80 toneladas
Tangerina 50 toneladas
Feijão 48 toneladas
Uva 40 toneladas
Principais produtos agrícolas e
frutíferos de Igrejinha, segundo
IBGE em 2006[34] [35]

Dentre os três setores da economia, o de agricultura e pecuária é o que representa menor valor agregado ao PIB. Mesmo assim, o município tem uma produção considerável, principalmente de hortifrutigranjeiros. Principal produto agrícola de Igrejinha, a mandioca foi plantada, em 2006, em 180 hectares, sendo colhidas 1.800 toneladas, gerando um incremento de R$ 1.585.000,00 ao produto interno bruto de Igrejinha. Outros produtos que merecem ser citados são a batata inglesa, com produção de 838 toneladas; o milho, com produção de 720 toneladas; a cana-de-açúcar, com produção de 500 toneladas; a laranja com produção de 280 toneladas; e a batata-doce, com produção de 190 toneladas. Nos últimos anos o governo municipal vêm apoiando a plantação de videiras, o que deverá elevar a produção de uva que atualmente está em 40 toneladas anuais.

Segundo o IBGE em 2008 Igrejinha possuía um rebanho de 5.460 bovinos, 257 suínos, 150 equinos, 140 bubalinos, 117 coelhos, 273 ovinos, 70 caprinos e 8.824 aves.[36] Neste mesmo ano, a cidade produziu 9.041 quilogramas de mel. A produção de leite de vaca ultrapassou os 1.339.000 litros. Foram produzidos 50 mil dúzias de ovos de galinha e 23 mil dúzias de ovos de codornas. Também se produziu 243 quilogramas de .[36] A silvicultura do município teve uma produção de 6.458 metros cúbicos de lenha, 43 metros cúbicos de madeira em tora, 50 toneladas de carvão vegetal, 438 toneladas de casca de acácia negra e 11 toneladas de erva-mate.[37]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Comércio na RS-115 em Igrejinha.

O município possui um fortíssimo comércio, sendo conhecido estadualmente pelo turismo de compras, proporcionado pela grande quantidade de lojas de calçados e artigos em couro localizadas na rodovia RS-115, principal acesso a Gramado e Canela.[38] Entre as principais lojas estão a Varejo Piccadilly, a Sapatu's, a McBennet, a BannyPel, a Malhas Daiane, entre outras.[39] A cidade também conta com um bom número de lojas de vestuário, materiais de construção, eletrodomésticos, móveis, entre outras, em sua área mais central.[40]

Indústria[editar | editar código-fonte]

A economia industrial igrejinhense é baseada na produção de calçados femininos. Igrejinha conta com mais de 750 indústrias, de pequeno, médio e grande porte, sendo que a maioria atua no setor calçadista.[41] Estas indústrias produzem 19 milhões de pares de calçados ao ano, o que equivale a mais de 2,5% de todo o calçado fabricado no país,[42] e empregam diretamente mais de 5,5 mil pessoas.[42] Entre as empresas mais conhecidas e fundadas no município estão a Piccadilly[43] e a Beira-Rio/Vizzano.[44] [45]

Desde o início do século, a economia industrial de Igrejinha vêm se diversificando com o fortalecimento do pólo moveleiro do Paranhana[46] e com a instalação da unidade produtiva da Nova Schin,[47] considerada a mais moderna do Grupo Schincariol.[48] [49] Esta última é responsável pela vinda de outros investimentos para a região.

Política[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

A administração se dá pelo poder executivo, poder legislativo e poder judiciário.

O primeiro representante do poder executivo e prefeito do município foi João Darcy Rheinheimer, eleito logo após a emancipação do município. Em treze mandatos, dez prefeitos passaram pela prefeitura de Igrejinha. Nos últimos anos o cargo foi ocupado por Elir Domingo Girardi, eleito em 2000 e reeleito em 2004 (PTB). Em 2009 assumiu a prefeitura Jackson Fernando Schmidt (PMDB). No ano de 2013 assume o Executivo Joel Leandro Wilhelm (Partido Progressista).

A câmara de vereadores representa o poder legislativo. Sua bancada é formada por nove vereadores, e está composta da seguinte forma:[50] uma cadeira do Partido dos Trabalhadores (PT); uma cadeira do Partido Socialista Brasileiro (PSB); três cadeiras do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB); uma cadeira do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e três cadeiras do Partido Progressista (PP).

O Fórum da Comarca e o Ministério Público são os representantes do poder judiciário em Igrejinha.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do município em 2013, segundo o IBGE, era composta por 33.711 habitantes, sendo o 64° município mais populoso do estado, apresentando uma densidade populacional de 245,23 habitantes por km². Segundo o censo demográfico de 2000, 50,33% da população são mulheres e 49,67% homens, e 95,38% da população vive na zona urbana e 4,62% vive na zona rural.[51] Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil a população de Igrejinha representa 0,26% da população do estado e 0,02% da população do país. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Igrejinha possuia 20.586 eleitores em 2004.[52]

A renda per capita do município cresceu 83,91% nas últimas duas décadas, passando de R$ 461,22 em 1991 para R$ 615,29 em 2000 e R$ 848,23 em 2010. A taxa média anual de crescimento foi de 33,40% no primeiro período e 37,86% no segundo. No mesmo período a extrema pobreza diminuiu de 3,11% em 1991 para 1,37% em 2000 e para 0,61% em 2010. 

Mesmo com o aumento da renda per capita e a diminuição da pobreza, na década de 1990 a desigualdade social aumentou: o coeficiente de Gini, variou de 0,44 para 0,51 no período. Na década de 2000 houve uma redução da desigualdade social, quando o coeficiente de Gini variou de 0,51 em 2000, novamente para 0,44 em 2010.[53]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Igrejinha é considerado elevado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo que seu valor era de 0,721 em 2010. O município teve um incremento no seu IDHM de 49,90% nas últimas duas décadas, acima da média de crescimento nacional e estadual. O índice passou de 0,481 em 1991 para 0,603 em 2000, e finalmente para 0,721 em 2010.[54] Considerando apenas a educação o valor do índice é de 0,571, o índice da longevidade é de 0,876 e o de renda é de 0,749. [55]

O Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (IDESE) do município é 0,721. O IDESE da educação é de 0,651, o valor do índice para a renda é de 0,726 e o valor para saúde é de 0,786. [56]

Edifício da cidade de Igrejinha

Divisão territorial[editar | editar código-fonte]

A divisão territorial rural é antecessora à criação do município de Igrejinha, sua formação deu-se graças ao povoamento da região de Santa Maria do Mundo Novo (antigo nome do atual território de Igrejinha, Taquara e Três Coroas) em meados do século XVIII. Havia diversas localidades, entre elas a Média Santa Maria, depois chamada de localidade de Igrejinha. Com a emancipação política, ocorrida em 1964, a localidade de Igrejinha tornou-se sede do município.

A divisão territorial urbana foi formalizada através da Lei Municipal nº441 de 1977, que criou os 7 primeiros bairros oficiais da cidade, sendo estes o Centro, 15 de Novembro, Bom Pastor, Figueira, Moinho, Saibreira e Viaduto.

Atualmente, o município de Igrejinha conta com 15 bairros na zona urbana e 11 localidades na zona rural.[57]

Vista panorâmica da região central da cidade de Igrejinha.

Símbolos oficiais[editar | editar código-fonte]

Brasão de Igrejinha
Brasão

O brasão de Igrejinha é formado por um escudo português cortado, tendo em sua parte superior, sobre fundo azul, uma pomba branca, símbolo da paz, trazendo em seu bico um ramo. Na parte inferior, sobre fundo de ouro, exibindo o trabalho e a riqueza igrejinhense, um favo de mel com abelhas. Nas laterais, ostentando a riqueza agrícola da região, ramos verdes. Sob o brasão, uma faixa vermelha carregando as inscrições pax et labor (que significa, em latim, "paz e trabalho") e Igrejinha 1-6-1964 em letras brancas. Sobre o escudo, em cor ouro, branco e preto, uma igrejinha, representando a religiosidade e o nome do município.[58]

Bandeira de Igrejinha
Bandeira

A bandeira de Igrejinha é composta por um fundo branco, em menção à paz, sobre o qual é visto o brasão do município.[59]

Hino
Igrejinha! Igrejinha!
Honra e glória dos filhos teus!
O teu nome está ligado
ao trabalho mais honrado
e à comunhão com Deus! >>>
Trecho do Hino de Igrejinha, com letra de Eldo Ivo Klein

O hino de Igrejinha tem letra escrita por Eldo Ivo Klain e música composta pelo professor igrejinhense Gustavo Adolfo Koetz. Foi formalizado pela Lei Municipal nº 268 de 1964.[60]

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

A política das cidades-irmãs procura incentivar o intercâmbio entre cidades que têm algo em comum. A troca de informações e o aumento do comércio entre elas são meios de tornar as cidades-irmãs mais próximas. Com este objetivo o município de Igrejinha firmou em 2013 o acordo de cidade-irmã com Simmern/Hunsrück, localizada no distrito de Rhein-Hunsrück, estado da Renânia-Palatinado, na Alemanha. Foi desta região da Alemanha que partiram a maioria dos imigrantes que colonizaram a região de Igrejinha.[61] [62]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Região central da cidade

Igrejinha possui uma grande rede de infraestrutura. O Gasoduto Bolívia-Brasil cruza o município. A cidade é uma das únicas do estado a possuir um ramal de distribuição de gás natural (gasoduto),[63] com aproximadamente 7 quilômetros de extensão, também possui o único posto com GNV da região.[64] Além disso conta com cinco hotéis, motéis, pousadas e áreas para acampamento.[65] Também existem diversos restaurantes, pizzarias, lanchonetes e choperias.[66]

Bancos e Cooperativas de Créditos[editar | editar código-fonte]

Igrejinha possui sete Bancos e/ou Cooperativas de Créditos sendo eles: Banco do Brasil, Banco Santander, Banrisul, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Sicoob Ecocredi e Sicredi. Todos eles situados em uma das principais vias da Cidade a Avenida Presidente Castelo Branco.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município conta com escolas municipais em todos os bairros, com exceção do bairro Centro que conta com o Instituto Estadual Olívia Lahm Hirt, a maior escola da cidade. No interior, algumas localidades são atendidas por escolas públicas municipais, as crianças das demais localidades são transportadas pela prefeitura até a escola mais próxima. A educação pública municipal de Igrejinha foi premiada pelo Ministério da Educação como um dos dez municípios destaques em 2006.[67] [68] [69]

O Indicador de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Igrejinha vêm evoluindo desde sua criação em 2005, quando era de 4,7 para os anos iniciais do ensino fundamental e 4,1 para os anos finais do ensino fundamental. Em 2007 os mesmos itens evoluíram acima do projetado pelo Ministério da Educação, para 5,0 e 4,3, respectivamente.[70]

Existem 16 escolas de educação infantil, sendo destas 3 escolas públicas estaduais, 10 escolas públicas municipais e 3 escolas particulares. Para ensino fundamental existem 19 unidades escolares, sendo destas 4 escolas públicas estaduais, 13 escolas públicas municipais e 2 escolas particulares. Igrejinha também possui ensino médio que é atendido por 2 escolas públicas estaduais e 1 escola particular. Em 2006 foram realizadas 467 matrículas no ensino pré-escolar, 4.929 matrículas no ensino fundamental e 1.257 matrículas no ensino médio em Igrejinha.[71]

A cidade possui apenas uma instituição de ensino superior a Fatec Dental CEEO, sendo que sua população também é atendida pelas faculdades e universidades da Região Metropolitana de Porto Alegre: IENH, FACCAT, Feevale, Unisinos, Ulbra e UFRGS.

Nível de instrução da população em 2000.[72]
Pessoas com 10 ou mais anos sem instrução ou com menos de 1 ano de estudo
4,6%
Pessoas com 10 ou mais anos de idade com 1 a 3 anos de estudo
14,7%
Pessoas com 10 ou mais anos de idade com 4 a 7 anos de estudo
55,5%
Pessoas com 10 ou mais anos de idade com 8 a 10 anos de estudo
13%
Pessoas com 10 ou mais anos de idade com 11 a 14 anos de estudo
10,5%
Pessoas com 10 ou mais anos de idade com 15 anos ou mais de estudo
1,7%

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município possui, entre hospital, postos de saúde e clínicas, 23 estabelecimentos de saúde, sendo que 19 estabelecimentos prestam atendimento através do Sistema Único de Saúde (SUS).[73] A prefeitura municipal mantém 14 postos de saúde localizados em praticamente todos os bairros.[74] A cidade também conta com algumas clínicas e o Hospital Bom Pastor, um hospital filantrópico mantido pela Associação Beneficente de Igrejinha. Este hospital possui 57 leitos de internação através do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios e particulares, centro cirúrgico, centro obstétrico e ambulatório.[75] O Hospital Bom Pastor de Igrejinha esteve entre os melhores do estado do Rio Grande do Sul em 2004.[76]

Um levantamento divulgado em junho de 2008 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), diz que a saúde pública oferecida em Igrejinha é a nona melhor de todo o Brasil. No estudo realizado pelo Ipea, três índices registrados entre 1991 e 2000 foram considerados: mortalidade até um ano, óbitos até cinco anos e probabilidade de vida até os 60 anos.[74]

O serviço de atendimento de emergências e remoções é prestado pelos Bombeiros Voluntários de Igrejinha.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Igrejinha possui muitos meios de comunicações locais, entre eles dois jornais, o Jornal RS 115 e o Jornal Integração, que abrangem a cidade e seus municípios vizinhos. O Jornal NH conta com uma coluna semanal sobre a cidade de Igrejinha. Também estão em circulação no município os jornais Panorama (de Taquara), Correio do Povo, Diário Gaúcho, Jornal do Comércio e Zero Hora. Há duas rádios FM instaladas em Igrejinha, sendo elas a Rádio Amizade FM 98,7 MHz[77] e a Rádio Mais FM 97,9 MHz.

No município há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecidos por diversos provedores de acesso gratuitos e pagos. A Oi é a única empresa que oferece o serviço de telefonia fixa.[78] O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido pela Oi, Vivo, Claro, Nextel e Tim. O código de área (DDD) de Igrejinha é o 51.[79] Igrejinha possui um único Código de Endereçamento Postal (CEP) para toda a cidade: 95650-000.[80]


Transportes[editar | editar código-fonte]

A cidade está às margens da RS-115, ligando-se a Três Coroas, Gramado e Canela ao norte, e, ao sul, com Taquara, Novo Hamburgo (via RS-239) e Porto Alegre (via RS-020). Também há a RS-020, que liga Igrejinha a São Francisco de Paula e novamente à Taquara e Porto Alegre. Contudo, há outras vias de menor importância e que ligam Igrejinha aos seus vizinhos ou até mesmo a suas localidades distantes da cidade. Também existe um grande número de ruas e avenidas importantes em sua zona urbana. Possui uma malha viária urbana de 130 quilômetros de extensão, sendo que destes, 60 quilômetros são calçados, 32 quilômetros são asfaltados e 38 são vias sem pavimentação.[78]

A frota de veículos do município, tem aumentado rapidamente nos últimos anos, causando transtornos no transito da região central da cidade. Em 2007 a frota da cidade era formada por 7022 automóveis, 345 caminhões, 2934 motocicletas, 99 ônibus, além de alguns tratores.[81] Em 2013 a frota já era de 11.403 automóveis, 441 caminhões, 3.767 motocicletas e 102 ônibus.[82]

O ônibus, através da estação rodoviária de Igrejinha, é o principal meio de transporte para chegada e saída de visitantes à cidade. Atualmente a cidade possui algumas linhas de transporte circular urbano e rural. Igrejinha possuiu uma estação ferroviária, pertencente a ferrovia São Leopoldo - Canela.[19] Esta estação foi construída em 1922 e demolida 1963, quando a ferrovia foi desativada.

Serviços[editar | editar código-fonte]

O serviço de abastecimento de água é prestado pela Companhia Riograndense de Saneamento, através de 80 quilômetros de tubulações.[78] [83] Igrejinha não possui estação de tratamento de água própria, portanto a água consumida é proveniente do rio Paranhana em Três Coroas e do rio dos Sinos em Parobé. O serviço de recolhimento de esgotos pluviais é realizado pela prefeitura. A cidade não possui recolhimento de esgotos cloacais.

No município, assim como em toda a região, o serviço de abastecimento de energia elétrica é feito pela RGE. O recolhimento de Resíduos sólidos é realizado pela prefeitura municipal através de uma empresa terceirizada, que transporta toda a produção para o aterro sanitário localizado no bairro Garibaldi.

A cidade possui uma delegacia de polícia, localizada no bairro Bom Pastor, com um contingente de seis investigadores e um delegado,[84] e um quartel do 1º Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas da Brigada Militar,[85] localizada no bairro Centro, com um contingente de 31 soldados.[86] A Brigada Militar de Igrejinha é muito bem equipada graças ao apoio da comunidade através do Conselho Comunitário Pró-Segurança Pública (Consepro) e da Associação de Amigos da Oktoberfest de Igrejinha (Amifest). Estas duas entidades doam anualmente veículos e materiais para a corporação.[87] Há também um Corpo de Bombeiros Voluntários, localizado no bairro Centro, com a participação de dezenas de voluntários.[88] Este Corpo está equipado com um caminhão-tanque, um veículo de transporte e uma ambulância doada pela Oktoberfest de Igrejinha em 2007.[89] Além deste, ainda existe um quartel regional do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar, localizado às margens da RS-115, no limite com Taquara. Esta corporação está equipada com dois caminhões-tanques e um caminhão com escada magirus.[90]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Igreja Gabriel em Igrejinha

A cultura da cidade é fortemente influenciada pela cultura germânica, trazida e cultivada pelos imigrantes alemães que colonizaram a região. Demonstrações da cultura alemã podem ser vistas na arquitetura enxaimel, nas diversas sociedades de canto, nas festas, nos grupos de danças e nos Ternos de Atiradores. O dialeto Riograndenser Hunsrückisch, do alemão, ainda hoje é falado por um número considerável de pessoas, principalmente entre os moradores mais antigos.

Para cultivar a cultura da do município foi criada através da Lei Municipal 971 de 1987[91] a Fundação Cultural.[92] Esta instituição, mantida pela Prefeitura, mantém a Biblioteca Pública Municipal - com mais de 22 mil obras, a Discoteca Elis Regina - com um acervo de milhares de discos de vinil, o Coral Municipal, o Museu Professor Gustavo Koetz, uma galeria de arte com obras de artistas locais, e o grupo de danças folclóricas alemãs Kirchleinburg.[93] Ainda existem diversos outros grupos de danças ligados a outras entidades culturais ou às escolas.

Religião[editar | editar código-fonte]

A religião está fortemente ligada à cultura do município. Os moradores da localidade construíram em 1863 em forma de mutirão a primeira igreja da região. Esta igreja deu nome ao município.[94] Diversas comemorações religiosas ocorrem na cidade. O principal evento cultural religioso da cidade é a procissão de Sexta-Feira Santa, uma caminhada de cerca de 7 quilômetros até o Morro da Cruz, onde é encenada a crucificação de Cristo.[95]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Os imigrantes alemães trouxeram consigo a tradição arquitetônica. Diversas casas em estilo enxaimel podem ser observadas ao se percorrer as estradas da zona rural do município. Na cidade encontramos alguns exemplares da reinterpretação do estilo, como o edifício Heidelberg e a Vila Germânica do Parque da Oktoberfest.[96] Na zona urbana o estilo adotado pelos imigrantes foi o eclético. Atualmente a maior concentração de obras neste estilo está nas ruas Independência e Sete de Julho.

A Igreja Gabriel também é um marco da cultura do município. Construída em 1900 em frente à antiga igreja que dera o nome à cidade, o templo, pertencente a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, possui uma torre com relógios e grandes vitrais em seu altar.

Festas[editar | editar código-fonte]

A cultura alemã está presente em diversas festividades da cidade como nos bailes de Kerb,[97] uma espécie de quermesse para homenagear os antepassados; nos Bailes do Chope, grandes bailes realizados nas sociedades locais; e na Oktoberfest, um festival das tradições alemãs. Em julho de 2008 a Oktoberfest de Igrejinha foi reconhecida pela assembleia legislativa como patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul,[98] [99] e hoje ela é considerada o maior evento comunitário do país.[9] O espírito comunitário da população é tão grande que mais de 10% dos habitantes (cerca 3 mil pessoas) trabalham voluntariamente durante a Oktoberfest.[76] [100] O resultado final da festa é revertido em doações para entidades filantrópicas e públicas, das áreas da saúde, educação, segurança e cultural. Somente no ano de 2007 foram doados mais de 1 milhão de reais.[89] [101] [102]

A cultura italiana é demonstrada na Festa dos Italianos, também chamado de Baile do Vinho.

Museus[editar | editar código-fonte]

A Casa do Imigrante ou Museu Professor Gustavo Koetz, é um centro cultural histórico sobre a vida do músico e professor Gustavo Koetz e sobre a colonização alemã no município.[103] Neste museu pode-se ver móveis e utensílios agrícolas dos imigrantes, além de instrumentos musicais e partituras das músicas compostas pelo professor. Outro museu de Igrejinha é o Memória da Oktoberfest, localizado na Vila Germânica do Parque de Eventos Almiro Grings (Parque da Oktoberfest). Este museu conta com um acervo de fotografias, dados, documentos e trajes típicos sobre a Oktoberfest de Igrejinha.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Morro da Cruz na localidade de Serra Grande
Pórtico do Parque da Oktoberfest de Igrejinha

Igrejinha é nacionalmente conhecida pelo turismo de compras de calçados.[38] Localizada na principal rota de acesso à Região das Hortênsias, a cidade é ponto de parada dos turistas para compras de calçados e artigos de couro, nas lojas localizadas as margens da RS-115. O parque Ecoland, um parque ecológico privado com lagos, mata nativa e animais silvestres, atrai muitos turistas.[104]

Localizada em uma região montanhosa o município possui diversas atrações naturais. Os principais atrativos são a Cascata de Solitária - localizada na localidade de mesmo nome, a Cascata dos Italianos - localizada em Linha Caloni, e a Toca dos Bugres - uma caverna também localizada em Linha Caloni que serviu de moradia para os índios habitantes da região. Algumas montanhas também atraem turistas como o Morro dos Alpes - o ponto mais alto do município com 773 metros de altitude, o Morro Alto da Pedra - localizado a 700 metros acima do nível do mar e utilizado para decolagens de Asa-delta e de Parapente (voo livre), e o Monte da Fé, mais conhecido como morro da cruz - um morro com cerca de 670 metros de altitude onde foi construída uma cruz com 30 metros de altura. Estes três morros estão localizados na localidade de Serra Grande.[105]

O principal evento da cidade é a Oktoberfest, um festival das tradições germânicas, realizada anualmente no mês de outubro, desde 1988. Além do tradicional chope, o evento oferece ao público o melhor da gastronomia típica alemã, produtos coloniais, bandinhas e orquestras, shows nacionais, desfiles de rua, mostras culturais, concursos de chopp em metro e jogos germânicos. A cada ano a festa recebe cerca de 200 mil turistas.[106] [107]

Outro evento importante é a Feira do Livro,[108] realizada desde o ano 2001, durante a semana de aniversário de emancipação do município, no início do mês de junho. Em seus primeiros anos foi realizada na praça Dona Luiza, mas devido ao aumento do número de visitantes, desde o ano 2013 o evento é realizado no Parque de Eventos Almiro Grings.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. Correio do Povo (27 de dezembro de 2011). Igrejinha passa a fazer parte da Região Metropolitana de Porto Alegre. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.
  3. Igrejinha.rs.gov.br. Distâncias entre cidades. Página visitada em 15 de março de 2008.
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  5. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  6. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  7. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  8. IBGE. Estimativa da população. IBGE. Página visitada em 21 de agosto de 2014.
  9. a b Oktoberfest.org.br. Jornal da Oktoberfest de Igrejinha (PDF). Página visitada em 20 de outubro de 2007.
  10. Charutos e Bebidas. Reportagem: Oktoberfest. Página visitada em 11 de dezembro de 2007.
  11. Igrejinha.rs.gov.br. História de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  12. Igrejinha.rs.gov.br. História da Casa de Pedra. Página visitada em 24 de março de 2008.
  13. Prefeitura Municipal. História de Igrejinha. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  14. RBS TV. Tragédia da família Waterpull. Página visitada em 16 de abril de 2010.
  15. Oktoberfest.org.br. Igreja Gabriel. Página visitada em 16 de abril de 2010.
  16. Portal Igrejinha. Origem do Nome de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  17. Oktoberfest.org.br. Por que Igrejinha?. Página visitada em 16 de abril de 2010.
  18. A Saga dos Alemães III - Página 342
  19. a b Estações Ferroviárias. Estação ferroviária de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  20. FAMURS. Dados históricos de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  21. FAMURS. Dados geográficos de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  22. Prefeitura Municipal. Informações de Igrejinha. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  23. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.86
  24. a b Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.79
  25. Weather Underground. Dados sobre o clima de Igrejinha. Página visitada em 18 de maio de 2008.
  26. Igrejinha, uma história em construção - SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. 2004 - p.13
  27. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.83
  28. UFSM. Dados sobre a Encosta Inferior do Nordeste. Página visitada em 22 de março de 2008.
  29. Oktoberfest.org.br. Dados sobre a altitude de Igrejinha. Página visitada em 22 de março de 2008.
  30. Igrejinha, uma história em construção - SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. 2004 - p.14
  31. Oktoberfest. Dados sobre a economia de Igrejinha. Página visitada em 22 de março de 2008.
  32. IBGE. Informações sobre Produto Interno Bruto. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  33. FAMURS. Dados sobre a economia de Igrejinha. Página visitada em 24 de março de 2008.
  34. IBGE. Dados sobre a lavoura permanente de Igrejinha. Página visitada em 16 de março de 2008.
  35. IBGE. Dados sobre a lavoura temporária de Igrejinha. Página visitada em 16 de março de 2008.
  36. a b IBGE. Dados sobre a pecuária de Igrejinha. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  37. IBGE. Dados sobre a silvicultura de Igrejinha. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  38. a b Setur.rs.gov.br. Turismo de compras em Igrejinha. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  39. 160 anos da cultura alemã em Igrejinha - REINHEIMER, Dalva Neraci. SMANIOTTO, Elaine. 2006. - p.139
  40. CDL. Camara de Dirigentes Lojistas de Igrejinha. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  41. IBGE. Dados sobre a estrutura empresarial de Igrejinha. Página visitada em 16 de março de 2008.
  42. a b AbiCalçados. Pólos produtores de calçados. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  43. Piccadilly. Site da empresa. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  44. Beira Rio. Histórico da empresa. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  45. Sindicato da Industria de Calçados de Igrejinha. Associados. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  46. AFAMEP. Associação organizadora da Femóveis. Página visitada em 5 de abril de 2008.
  47. Intelog. Reportagem: O efeito Shincariol em Igrejinha. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  48. ISTOÉ Dinheiro. Reportagem: A arrancada da Nova Schin. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  49. al.rs.gov.br. Reportagem: Schincariol inaugura fábrica em Igrejinha. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  50. Câmara de Vereadores. Vereadores de Igrejinha. Página visitada em 26 de novembro de 2007.
  51. FAMURS. Dados sobre a demografia de Igrejinha. Página visitada em 27 de março de 2008.
  52. IBGE. Dados sobre os eleitores de Igrejinha. Página visitada em 18 de março de 2008.
  53. PNUD Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano 2013. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  54. IBGE. Índice de Desenvolvimento Humano. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  55. PNDU. Atlas do Desenvolvimento Humano. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  56. FEE. Série histórica do IDESE. Página visitada em 05 de agosto de 2014.
  57. Câmara de Vereadores. Lista de bairros. Página visitada em 26 de novembro de 2007.
  58. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.48
  59. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.45
  60. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.46
  61. Verbandsgemeinde Simmern/Hunsrück. Partnerstadt Igrejinha. Página visitada em 16 de agosto de 2014.
  62. Oktoberfest de Igrejinha. Igrejinha é cidade-irmã de Simmern, na Alemanha. Página visitada em 16 de agosto de 2014.
  63. Sulgás. Rede do Vale do Paranhana (PDF). Página visitada em 12 de abril de 2008.
  64. Sulgás. Postos GNV. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  65. Igrejinha.rs.gov.br. Hospedagem em Igrejinha. Página visitada em 13 de fevereiro de 2008.
  66. Igrejinha.rs.gov.br. Gastronomia em Igrejinha. Página visitada em 13 de fevereiro de 2008.
  67. Folha Online. Reportagem: Destaque na educação. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  68. Folha Online. Reportagem: Avaliação faz educação melhorar em Igrejinha. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  69. INEP. Igrejinha implantou avaliação institucional. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  70. Ministério da Educação. Dados sobre o Ideb de Igrejinha. Página visitada em 8 de julho de 2008.
  71. IBGE. Dados sobre a educação em Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  72. IBGE. Dados sobre a população de Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  73. IBGE. Dados da Saúde de Igrejinha. IBGE. Página visitada em 04 de agosto de 2013.
  74. a b Zero Hora. Reportagem: Saúde de Igrejinha entre as 10 melhores do Brasil. Página visitada em 22 de junho de 2008.
  75. IBGE. Dados sobre a saúde em Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  76. a b PautaSocial.com.br. Reportagem: Trabalho voluntário na Oktoberfest. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  77. Amizade.fm.br. Rádio Amizade. Página visitada em 14 de abril de 2010.
  78. a b c Oktoberfest.org.br. Dados sobre a infra-estrutura de Igrejinha. Página visitada em 6 de janeiro de 2008.
  79. Guiatel. Rio Grande do Sul. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  80. CEP de cidades brasileiras. Correios. Página visitada em 15 de abril de 2010.
  81. IBGE. Dados sobre a frota de Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  82. IBGE. Dados sobre a frota de Igrejinha. IBGE. Página visitada em 04 de agosto de 2014.
  83. FAMURS. Dados sobre abastecimento de água em Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  84. Paranhana.org.br. Número de policiais civis em Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  85. Brigada Militar. 1º BPAT. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  86. Paranhana.org.br. Número de policiais militares em Igrejinha. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  87. Pauta Social. Reportagem: Oktoberfest doa viaturas. Página visitada em 6 de maio de 2008.
  88. Portal do Voluntário. Reportagem: Bombeiros Voluntários de Igrejinha. Página visitada em 2 de maio de 2008.
  89. a b Oktoberfest.org.br. Doações da Oktoberfest em 2007 (DOC). Página visitada em 12 de abril de 2008.
  90. Ssp.rs.gov.br. Notícia: Bombeiros Regionais. Página visitada em 8 de julho de 2008.
  91. Tce.rs.gov.br. Lei Municipal 971/1987, criação da Fundação Cultural de Igrejinha (DOC). Página visitada em 28 de abril de 2008.
  92. Fundação Cultural de Igrejinha. Blog da Fundação Cultural de Igrejinha. Página visitada em 28 de abril de 2008.
  93. Kirchleinburg.org.br. Site do grupo de danças Kirchleinburg. Página visitada em 28 de abril de 2008.
  94. Igrejinha, história que o tempo registra - BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. 1991 - p.37
  95. Paranhana On-line. Reportagem: Eventos de páscoa no Paranhana. Página visitada em 18 de maio de 2008.
  96. Oktoberfest.org.br. Vila Germânica de Igrejinha. Página visitada em 28 de abril de 2008.
  97. BrasilAlemanha.com.br. Kerb. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  98. Oktoberfest.org.br. Reportagem: Oktoberfest é patrimônio cultural. Página visitada em 13 de agosto de 2008.
  99. al.rs.gov.br. Notícia: Oktoberfest é patrimônio cultural. Página visitada em 13 de agosto de 2008.
  100. Oktoberfest.org.br. Trabalho voluntário na Oktoberfest. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  101. Oktoberfest.org.br. Doações da Oktoberfest em 2003. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  102. Oktoberfest.org.br. Doações da Oktoberfest em 2005. Página visitada em 12 de abril de 2008.
  103. Grings.org. Reportagem: Mostra no Museu Gustavo Koetz (PDF). Página visitada em 28 de abril de 2008.
  104. Jornal do Comércio (23/12/2013). Ecoland impulsiona o turismo em Igrejinha. Página visitada em 20/08/2014.
  105. Paranhana.org.br. Pontos turísticos do município. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  106. Welt.de. Reportagem: Oktoberfest no Brasil (em Alemão). Página visitada em 29 de abril de 2008.
  107. Oktoberfest.org.br. História da Oktoberfest de Igrejinha. Página visitada em 5 de abril de 2008.
  108. FAMURS. Reportagem sobre a Feira do Livro. Página visitada em 5 de abril de 2008.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. Igrejinha - História que o tempo registra, da Secretaria Municipal de Educação, 1991.
  • INGERS. Origens - Boletim informativo do Instituto Geanealógico do Rio Grande do Sul, 1997.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães I - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2004.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães II - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2005.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães III - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2007.
  • REINHEIMER, Dalva Neraci. SMANIOTTO, Elaine. 160 anos da cultura alemã em Igrejinha, da AMIFEST e SME, 2006.
  • SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. Igrejinha - Uma história em construção, da Secretaria Municipal de Educação, 2004.
  • ULMANN, Virgílio Ernesto. ECI - Histórias e glórias de um campeão, 1986.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage