Portal:Aviação/Biografia/Arquivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1[editar código-fonte]

James Harold Doolittle

James Harold "Jimmy" Doolittle (Alameda, 14 de dezembro de 1896Pebble Beach, 27 de setembro de 1993) foi um pioneiro da aviação e general da Força Aérea dos Estados Unidos durante a II Guerra Mundial, comandante do histórico Ataque Doolittle, o primeiro bombardeiro a Tóquio na guerra, em abril de 1942, pelo qual foi condecorado com a Medalha de Honra, a mais alta e rara condecoração militar dos Estados Unidos.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

2[editar código-fonte]

João Ribeiro de Barros

João Ribeiro de Barros (Jaú, 4 de abril de 1900 — Jaú, 20 de julho de 1947) foi o primeiro aviador das três Américas que fez a travessia aérea da Europa para a América, no dia 28 de abril de 1927, cruzando o Oceano Atlântico com o hidroavião Jahu. Na viagem, esteve acompanhado por três outros tripulantes: João Negrão (co-piloto), Newton Braga (navegador), e Vasco Cinquini (mecânico). Os quatro navegadores aéreos partiram de Gênova, em Itália, até Santo Amaro (São Paulo - Brasil), escalando Espanha, Gibraltar, Cabo Verde, e Fernão de Noronha, já em território brasileiro.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

3[editar código-fonte]

Amelia Mary Earhart (Atchison, Kansas, 24 de Julho de 1897 — desaparecida em 2 de Julho de 1937) foi pioneira na aviação dos Estados Unidos, autora e defensora dos direitos das mulheres. Earhart foi a primeira mulher a receber a “The Distinguished Flying Cross”, condecoração dada por ter sido a primeira mulher a voar sozinha sobre o oceano Atlântico. Estabeleceu diversos outros recordes, escreveu livros sobre suas experiências de vôo, e foi essencial na formação de organizações para mulheres que desejavam pilotar.

Amelia desapareceu no meio do oceano Pacífico, perto da Ilha Howland enquanto tentava realizar um vôo ao redor do globo em 1937. Foi declarada morta no dia 5 de Janeiro de 1939. Seu modo de vida, sua carreira e o modo como desapareceu, até hoje fascinam as pessoas.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

4[editar código-fonte]

Alberto Santos Dumont (Palmira, 20 de julho de 1873Guarujá, 23 de julho de 1932) foi um engenheiro prático (sem ter tido formação acadêmica nessa área) e pioneiro da aviação.

Santos Dumont foi um dos primeiros a decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico. A maioria dos países do mundo considerarem os Irmãos Wright como os inventores do avião, por uma decolagem ocorrida em 17 de dezembro de 1903, com o uso de uma catapulta. Santos Dumont foi o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e da população parisiense. Em 23 de outubro de 1906, voou cerca de 60 metros e a uma altura de dois a três metros com seu 14 Bis, no Campo de Bagatelle em Paris. Menos de um mês depois, em 12 de novembro, repetiu o feito e, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros. O vôo do 14-Bis foi o primeiro verificado pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar na Europa, e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando vôo por seus próprios meios, sem a necessidade de uma rampa para lançamento. O 14-Bis teve uma decolagem autopropelida, e por isso Santos Dumont é considerado em seu país de origem, o Brasil, como o Pai da Aviação.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

5[editar código-fonte]

William Alcock

Sir John William Alcock (Manchester, 5 de Novembro de 1892Rouen, 18 de Dezembro de 1919), foi um capitão da Royal Air Force que, juntamente com o tenente Arthur Whitten Brown, efectuaram o primeiro vôo transatlântico sem escalas, entre St. John's, Terra Nova, e Clifden, Connemara, na Irlanda.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

6[editar código-fonte]

Amy Johnson

Amy Johnson (Kingston upon Hull, Inglaterra, 1903Londres, Inglaterra, 1941) foi uma pioneira da aviação, destacando-se por ser uma das primeiras mulheres a pilotar um avião. Participou da Segunda Guerra Mundial como parte do departamento Air Transport Auxiliary da Royal Air Force e morreu durante um voo.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

7[editar código-fonte]

Günther Rall 26/10/1942

Günther Rall (Gaggenau, 10 de março de 1918Bad Reichenhall, 4 de outubro de 2009) foi tenente-general da Bundeswehr e piloto da Luftwaffe na Segunda Guerra Mundial. Com um total de 275 vitórias em combate, ele é o terceiro mais bem-sucedido ás na história da aviação militar.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

8[editar código-fonte]

Werner Mölders 1941

Werner Mölders (Gelsenkirchen, 18 de Março de 1913 — 22 de Novembro de 1941) foi um piloto alemão da Luftwaffe durante a Alemanha Nazi que alcançou o status de ás da aviação na Guerra Civil Espanhola e na Segunda Guerra Mundial. Mölders foi o primeiro da história da aviação a conseguir mais de 100 vitórias (ou seja, ao destruir 100 aeronaves inimigas), tendo voado mais 400 missões de combate (das quais 100 em Espanha), onde obteve 115 vitórias confirmadas, tornando-se um dos militares mais condecorados da sua época.

Mölders entrou na Luftwaffe em 1934, aos 21 anos. Em 1938, voluntariou-se para a Legião Condor, que apoiou os nacionalistas do General Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola, e abateu 15 aviões. Na Segunda Guerra Mundial, apesar de perder dois asas na Batalha de França e na Batalha da Grã-Bretanha, abateu 53 aviões inimigos. Contando com 68 vitórias, Mölders e sua unidade, a Jagdgeschwader 51 (JG 51), foram transferidos para a Frente Oriental em Junho de 1941 para o início da Operação Barbarossa. A 22 de Junho de 1941, o primeiro dia do ataque à União Soviética, ele havia acrescentado mais quatro vitórias para o seu registo e, uma semana depois, Mölders superou recorde de Manfred von Richthofen com 80 vitórias. Por volta de Julho, já havia alcançado uma centena.

Impedido de continuar a pilotar por motivos de segurança e propaganda, aos 28 anos foi promovido a Coronel e nomeado Inspector de Caças. Em Novembro de 1941, quando inspeccionava unidades da Luftwaffe estacionadas na Crimeia, foi chamado a Berlim para comparecer ao funeral de Ernst Udet, general e antigo às da aviação na Primeira Grande Guerra. No voo para Berlim, o Heinkel He 111, no qual viajava como passageiro, deparou-se com uma tempestade com trovoada, durante a qual os motores falharam; ao tentar efectuar uma aterragem de emergência a aeronave caiu em Breslau, tendo Mölders perecido juntamente com outros dois tripulantes.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

9[editar código-fonte]

Manfred von Richthofen

Manfred Albrecht Freiherr von Richthofen (Breslau, 2 de maio de 1892Vaux-sur-Somme, 21 de abril de 1918) foi um piloto de caça alemão na Primeira Guerra Mundial e é considerado ainda hoje como o "ás dos ases". Servindo no braço aéreo do Exército Imperial Alemão (Luftstreitkräfte), ele foi um líder militar, e como piloto se tornou um ás da aviação, obtendo o maior número de vitórias (oitenta) de um único piloto durante a Primeira Guerra.

Originalmente servindo na cavalaria, ele se transferiu para o serviço aéreo em 1915, tornando-se um dos primeiros membros do esquadrão Jasta 2 em 1916. Ele obteve sucesso rápido na carreira de piloto de caça, e em 1917, se tornou líder do Jasta 11, e mais tarde de toda uma unidade de caça, a Jagdgeschwader 1. Em 1918, ele já era creditado como herói nacional da Alemanha, e era bastante conhecido pelo outro lado.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

10[editar código-fonte]

Hermann Göring

Hermann Wilhelm Göring (ou Goering); (12 de janeiro de 189315 de outubro de 1946), foi um militar alemão, político e líder do Partido Nazi (NSDAP). Veterano da Primeira Guerra Mundial, em que participou como piloto de aeronaves, atingindo o estatuto de Ás da aviação, recebeu a cobiçada condecoração Pour le Mérite. Foi o último comandante da unidade Jagdgeschwader 1, anteriormente comandada por Manfred von Richthofen, "o Barão vermelho".

Membro do Partido Nazi, NSDAP, desde os primeiros dias, Göring ficou ferido, em 1923, durante o golpe falhado que ficou conhecido como Putsch de Munique. Devido aos seus ferimentos, ficou permanentemente dependente de morfina. Em 1933, fundou a Gestapo. Göring foi nomeado para comandante-chefe da Luftwaffe, a força aérea alemã, em 1935, uma posição que manteve até ao final da Segunda Guerra Mundial.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

11[editar código-fonte]

Chesley Sullenberger

Chesley Burnett "Sully" Sullenberger III (Denison, 23 de janeiro de 1951) é um ex-piloto e atual consultor de segurança do National Transportation Safety Board. Foi condecorado como herói nacional nos Estados Unidos, após efetuar um pouso forçado bem sucedido no rio Hudson, durante uma emergência no voo US Airways 1549, em Nova Iorque no dia 15 de janeiro de 2009. Durante a decolagem, a aeronave sofreu um birdstrike (colisão com aves), ficando sem potência nos motores. Chesley, comandante do voo, pousou em segurança nas águas do rio Hudson, fazendo com que ninguém a bordo falecesse.

Sullenberger é considerado orador internacional sobre segurança aérea e ajudou a desenvolver novos protocolos. Aposentou-se da US Airways depois de 30 anos como piloto comercial em 3 de março de 2010. Em maio do ano seguinte, Sullenberger foi contratado pela CBS News como especialista em aviação.

Já recebeu diversas condecorações, entre elas, o prêmio de 2ª pessoa mais influente do ano de 2009, ficando atrás apenas de Michelle Obama.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

12[editar código-fonte]

Manuel Teixeira Rolo

Manuel Teixeira Rolo (Escalos de Baixo, Castelo Branco, 29 de outubro de 1959) é um General Piloto-Aviador que desempenha actualmente a função de Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), sendo também o principal colaborador do Ministro da Defesa Nacional e do Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) em todos os assuntos relacionados com a Força Aérea Portuguesa.

Como CEMFA, é também, por inerência do cargo, a Autoridade Aeronáutica Nacional.

Ingressou na Academia Militar em 1978, porém, transitou para a Academia da Força Aérea em 1980. Obtendo o brevet na Base Aérea de Sintra, aos comandos de um T-37, em 1985, logo foi para a antiga Base Aérea N.º 3, em Tancos, para frequentar o Curso Complementar de Aviões Pesados na Esquadra 111, sendo de seguida colocado na Esquadra 502, onde pilotou aeronaves CASA C-212 Aviocar.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

13[editar código-fonte]

Saburo Sakai abordo de um Mitsubishi A5M

Saburo Sakai (Saga, 25 de Agosto de 1916 - Tóquio, 22 de setembro de 2000) foi um militar japonês, ás da aviação no Pacífico, que serviu no Serviço de Aviação Naval Japonês de 1934 a 1945, sendo considerado o maior ás japonês sobrevivente do Teatro do Pacífico na 2ª Guerra Mundial, com um total de 64 aeronaves abatidas em mais de 200 missões de combate.

Lutou em praticamente todas as frentes de batalha do pacífico. Voava o ágil caça A6M2 Zero. Entre seus vários feitos, foi o primeiro piloto japonês a derrubar uma Fortaleza Voadora B-17, nas Filipinas, em 11 de dezembro de 1941, e mais tarde, num combate aéreo, foi atingido na cabeça por munições inimigas, mantendo a consciência e continuando a lutar, aterrando na sua base 5 horas mais tarde; submetido a uma operação, perdeu o olho direito, facto que não o impediu de continuar a combater e aumentar a sua cota de vitórias.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

14[editar código-fonte]

Louis Blériot

Louis Charles Joseph Blériot (Cambrai, 1 de julho de 1872Paris, 2 de agosto de 1936) foi um aviador, engenheiro e inventor francês. Ele desenvolveu o primeiro farol de automóvel de uso prático e estabeleceu um negócio rentável fabricando-os, usou boa parte do dinheiro para financiar suas tentativas de construir um avião. Em 1909 ele adquiriu fama mundial fazendo a primeira travessia em aeronave mais pesada que o ar do Canal da Mancha. Blériot foi também o primeiro a construir um monoplano de uso prático (autônomo, motorizado e controlável). e fundador de uma bem sucedida empresa de fabricação de aviões.

Como aviador francês, foi talvez o mais popular de todos, pois graças a ele, e sua travessia do canal, ficou demonstrada a utilidade do avião como instrumento militar (e mesmo de transporte de passageiros). Após seu pouso bem sucedido na Inglaterra com o Blériot XI, o avião ganharia o status de uma máquina com o potencial para transformar as relações entre as nações.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

15[editar código-fonte]

Joaquim Caseiro

António Joaquim Caseiro (Sé de Bragança, 26 de Outubro de 1882 - 13 de Dezembro de 1917) foi um dos pioneiros da aviação em Portugal, desempenhando funções como instrutor na Escola de Aeronáutica Militar em Vila Nova da Rainha. Alistou-se voluntariamente no Exército como Praça a 4 de Julho de 1902, no Regimento de Infantaria n.º 10, tendo sido transferido para o Serviço da Armada a 8 de Outubro de 1904 e concluindo o Curso de Administração Naval com a cota de 9,43.

Em 1915, em plena Primeira Guerra Mundial (Portugal só entraria no conflito em 1917), foi autorizado por despacho a viajar para o estrangeiro para se tornar um aviador. Juntamente com Sacadura Cabral e Tenente de Infantaria José Barbosa Santos Leite, parte para a França. Recebeu o brevet de aviador militar nas escolas francesas de aviação de Chartes e Amberieu, com a classificação de 17 valores.

Além de pioneiro, é recordado como o primeiro aviador naval português.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

16[editar código-fonte]

Bartolomeu de Gusmão

Bartolomeu Lourenço de Gusmão, SJ (Santos, dezembro de 1685Toledo, 18 de novembro de 1724), cognominado o padre voador, foi um sacerdote secular, cientista e inventor luso-brasileiro nascido na capitania de São Vicente, em Santos, na colónia portuguesa do Brasil, famoso por ter inventado o primeiro aeróstato operacional, a que chamou de "passarola".

A Passarola
As primeiras ilustrações da Passarola haviam sido na verdade elaboradas pelo filho primogênito do 3º Marquês de Fontes, D. Joaquim Francisco de Sá Almeida e Meneses, com a conivência de Bartolomeu. O 8º Conde de Penaguião e futuro 2º Marquês de Abrantes contava 14 anos em 1709 e era, então, aluno de matemática do padre, sendo a única pessoa à qual ele permitia livre acesso ao recinto em que o engenho voador era guardado. Como o rapaz vivesse assediado por curiosos, que constantemente lhe faziam indagações acerca da invenção, resolveu ele, para deixar de ser importunado, elaborar o exótico desenho da Passarola, em que tudo era propositadamente falseado. E para preservar o verdadeiro princípio da invenção – o Princípio de Arquimedes –, atribuiu a ascensão da engenhoca ao magnetismo, que era então a resposta para quase todos os mistérios científicos. Esperava dessa maneira melhor proteger o segredo confiado à sua guarda e ludibriar os bisbilhoteiros. Comunicou o plano a Bartolomeu, que o aprovou, e fingiu deixar o desenho escapar por descuido. A Passarola, inspirada ao que parece na fauna fabulosa de algumas lendas do Brasil, acabou sendo rapidamente copiada, logo se espalhando pela Europa em várias versões, para grande riso dos dois embusteiros.

Toda essa trama seria descoberta anos depois por um poeta italiano, Pier Jacopo Martello (1625 – 1727), e revelada por ele na edição de 1723 do livro Versi e prose, em que fazia um longo e meticuloso histórico das tentativas do homem para voar, das mais antigas às mais recentes daquele tempo.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

17[editar código-fonte]

Hans-Ulrich Rudel

Hans-Ulrich Rudel (Konradswaldau, 2 de julho de 1916Rosenheim, 18 de dezembro de 1982) foi um aviador militar alemão.

Nascido na Silésia, era filho de um pastor. Quando criança nada indicava que seria especialmente corajoso; realmente dizia-se que sua mãe ainda segurava sua mão quando trovejava. Mas sempre esteve apto a prática de esportes, e talvez este tenha sido um fato oportuno para que pudesse desenvolver suas atividades esportivas em serviço militar.

Em 1936 ele entrou para a Luftwaffe como oficial-cadete. Após ser aprovado em seu curso de treinamento de vôo e qualificado como piloto, Rudel, então, foi voluntário para treinos futuros com bombardeiros de mergulho para apoio aéreo aproximado e não foi bem visto pelos instrutores destes treinamentos. Teve seu pedido rejeitado e - para sua humilhação - foi mandado para um curso de observação de reconhecimento aéreo.

Participou, na campanha da Polônia como observador em missões de reconhecimento de longo alcance. Rudel, desejava pertencer ao que era então encarado pelos muitos jovens pilotos como o mais atraente da força aérea - voar em um Junkers Ju 87 Stuka. Continuou tendo seus pedidos de transferência para a divisão aérea de bombardeiro de mergulho dos Stukas sistematicamente negados até 1940, quando preencheu uma vaga em um dos cursos de vôo do Ju 87. Após completá-lo, foi transferido para uma brigada de treinamento do Stuka (I/St.G.2) próximo à Stuttgart, de onde observou a campanha na França e nos Países Baixos.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

18[editar código-fonte]

Gago Coutinho

Carlos Viegas Gago Coutinho GCTEGCCComAGOAGCAGCSEGCIC (Lisboa, 17 de fevereiro de 1869 — Lisboa, 18 de fevereiro de 1959) foi um geógrafo cartógrafo, oficial da Marinha Portuguesa, navegador e historiador. Juntamente com o aviador Sacadura Cabral, tornou-se um pioneiro da aviação ao efetuar a Primeira travessia aérea do Atlântico Sul, no hidroavião Lusitânia, em 1922.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

19[editar código-fonte]

Óscar Monteiro Torres

Óscar Monteiro Torres (Luanda, 26 de Março de 1889 - Laon, 20 de Novembro de 1917), foi um aviador e militar português, pioneiro da aviação em Portugal e o primeiro e único piloto português a morrer em combate durante a Primeira Guerra Mundial. Republicano convicto, defendeu a intervenção de Portugal na Primeira Guerra Mundial. Esta posição política obriga-o a viajar para Inglaterra, de onde será chamado pelo então coronel Norton de Matos, em 1915. Integrando o destacamento aéreo, Torres é um dos organizadores da Escola de Aviação de Vila Nova da Rainha. Em Fevereiro de 1916, acompanhado por António Maya e Alberto Lello Portela, recebeu formação de voo em Hendon, na Grã-Bretanha. Passou depois à Escola Northold do Royal Flying Corps, onde prestou provas como piloto militar. Realizou 25 horas de voo e obteve a classificação final de 20 valores. Depois de tirar o brevet em Inglaterra, este oficial de Cavalaria foi um dos aviadores do Corpo Expedicionário Português enviados para França durante a Primeira Guerra Mundial. Integrado na Esquadrilha SPA 65, ou Esquadrilha das Cegonhas, equipada com aviões SPAD S.VII e, com base em Soissons, o capitão Óscar Monteiro Torres acabou por ser abatido a 19 de Novembro de 1917 depois de ter travado um combate aéreo em circunstâncias de extrema desigualdade de forças: o piloto português ainda conseguiu abater dois Halberstadt alemães mas a seguir já nada pôde fazer contra a esquadrilha de Fokker, que o atingiu. Acabou por falecer no dia seguinte, a 20 de Novembro de 1917, no Hospital de Militar de Laon, no norte de França. Inicialmente sepultado pelos alemães, com honras militares, no cemitério de Laon, teve depois funeral nacional a 22 de Junho de 1930. Foi o primeiro aviador português a morrer em combate. Os seus restos repousam no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

20[editar código-fonte]

Paul Tibbets

Paul Warfield Tibbets, Jr, foi um brigadeiro-general da Força Aérea dos Estados Unidos, comandante do avião que lançou a bomba atômica sobre Hiroshima em 6 de agosto de 1945.

Piloto americano de missões de bombardeio sobre a Alemanha durante a Segunda Guerra, o então tenente-coronel Tibbets, de 30 anos, foi o escolhido para lançar a bomba atômica sobre Hiroshima. Na ocasião comandava o 509.º Agrupamento Aéreo dos Estados Unidos e desde fevereiro de 1945 preparava-se para a missão.

Desde o final de abril, o comandante aguardava, na pequena ilha de Tinian, no arquipélago das Marianas, no Oceano Pacífico, a ordem para bombardear o Japão.

Para realizá-la, Tibbets escolheu pessoalmente um quadrimotor B-29 que foi denominado Enola Gay, em homenagem à mãe dele.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

21[editar código-fonte]

Alberto Martins Torres

Alberto Martins Torres (Norfolk, 10 de dezembro de 1919 - São Paulo, 30 de dezembro de 2001) foi um aviador brasileiro, nascido nos Estados Unidos, que serviu na Força Aérea Brasileira, jundo da FEB na campanha da Itália, durante a Segunda Guerra Mundial..

Filho do diplomata Aluizio Martins Torres em missão no estrangeiro, nasceu nos Estados Unidos, morou em Barbados, Munique, Constantinopla e, finalmente, aos 15 anos veio morar em Ipanema no Rio de Janeiro.

Após a guerra foi advogado, aviador e empresário, tendo sido o fundador da TABA (Transporte Aéreo da Bacia Amazônica) e em 1966 implementou no Brasil a empresa de transporte de valores Brinks, onde atuou como superintendente por mais de 25 anos.

Em janeiro de 1941 é oficialmente criada a Força Aérea Brasileira e com o intuito de capacitar jovens aviadores para uma possível entrada na Segunda Guerra Mundial, a FAB implanta seu programa de Formação de Oficiais da Reserva Aérea e passa a enviar voluntários aos Estados Unidos para treinamento junto à USAAC (Corpo Aéreo do Exército). Torres foi um dos primeiros voluntários e embarca com destino ao aeródromo de Randolph Field, cinco dias após o ataque japonês à Pearl Harbour. Com o curso finalizado e após retornar ao Brasil, o então Aspirante Aviador Torres é destacado a servir junto ao 1º Grupo de Patrulha, sediada na cidade do Rio de Janeiro e que contava com as aeronaves Lockheed A-28 Hudson e Consolidated PBY Catalina. Realizou o estágio operacional na Base Aeronaval da marinha americana (US Navy) localizada em Aratú - BA, tornando-se apto a realizar missões de patrulhamento marítimo e escolta de comboios navais.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

22[editar código-fonte]

Wernher von Braun

Wernher Magnus Maximilian von Braun (Wirsitz, 23 de março de 1912Alexandria, 16 de junho de 1977) foi um engenheiro alemão e uma das principais figuras no desenvolvimento do foguete V-2 na Alemanha Nazista e do foguete Saturno V nos Estados Unidos. Ele foi uma das principais figuras no desenvolvimento de tecnologias de foguetes para a Alemanha Nazista, na qual foi membro do Partido Nazista e das SS.

Um pioneiro e visionário das viagens espaciais, ele é mundialmente conhecido por sua liderança do projeto aerospacial americano durante a Corrida Espacial, tendo trabalhado como projetista chefe do primeiro foguete de grande porte movido a combustível líquido produzido em série, o Aggregat 4, e por liderar o desenvolvimento do foguete Saturno V, que levou os astronautas dos EUA à Lua, em julho de 1969. Sua contraparte e rival, do lado soviético, foi o engenheiro Sergei Korolev.

Peenemünde
Já ao final de 1935, ficava muito claro que as instalações de Kummersdorf eram insuficientes para acomodar a rápida expansão do programa de mísseis. Para testar os mísseis muito maiores que estavam sendo planejados, eles necessitariam de algumas centenas de quilômetros de área de testes. Com essa necessidade em mente, uma área próxima ao Mar Báltico passou a ser seriamente considerada. O Exército e a Força Aérea concordaram em usar a área da ilha de Usedom para esse fim. Entre 1937 e 1945, Wernher von Braun foi o diretor técnico do recém criado centro de pesquisas do Exército de Peenemünde, onde ele liderou o desenvolvimento do míssil Aggregat 4 (A4), um grande foguete movido a combustível líquido. A partir de 1943, esse míssil foi posto em produção, e logo depois das suas primeiras missões sobre Londres, passou a ser conhecido como: Vergeltungswaffe 2 (V-2), ou "Arma de Vingança 2". Esse foi o primeiro míssil terra-terra a combustível líquido operacional do Mundo, contando com sistemas de controle por giroscópio que permitiam estabilizar e controlar o voo de forma automática e autônoma.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

23[editar código-fonte]

Howard Hughes

Howard Robard Hughes Jr. (Humble, 24 de dezembro de 1905Houston, 5 de abril de 1976) foi um aviador, engenheiro aeronáutico, industrial, produtor de cinema, diretor cinematográfico e um dos homens mais ricos do mundo. Ficou famoso ao quebrar o recorde mundial de velocidade em um avião, construir aviões, produzir o filme Hell's Angels e por se tornar dono de uma das maiores empresas aéreas norte-americana, a TWA.

O Aviador
Howard sempre teve uma paixão por aviões, além de pilotar aprendeu sozinho sobre sua engenharia. Howard desenvolveu seu primeiro avião chamado H-1 (ou Hughes H-1 Racer) em 1935 por sua empresa, a Hughes Aircraft.

O primeiro vôo de Hughes com o H-1 em 13 de setembro de 1935 foi um sucesso, Hughes quebrou o recorde mundial de velocidade ao voar a 566 Km/h, perto de Santa Ana (Califórnia).

Em 1937, viaja de Los Angeles até Newark (Nova Jersey) em 7 horas e 28 minutos, um novo recorde de costa-a-costa. Ainda em 1937, é eleito o melhor aviador do mundo ao conquistar o Harmon International Trophy e é honrado pelo Presidente Roosevelt na Casa Branca. No ano seguinte, estabelece um novo recorde, desta vez ao viajar à volta do mundo em 3 dias, 19 horas e 17 minutos; durante o processo quebrou o anterior recorde de Charles Lindbergh de Nova Iorque a Paris pela metade do tempo. Hughes tinha chegado ao pico da sua carreira (e da sua popularidade).

H-4 Hercules
Os anos da 2ª Guerra Mundial foram frustrantes para Hughes. Hughes desenvolveu dois projetos para uso do exército americano. O avião espião XF-11 e o avião de carga Hércules (conhecido como "Spruce Goose", por ser feito de madeira). Ao testar o primeiro avião, o XF-11, Hughes quase morreu em um acidente aéreo ao cair com o aparelho nas vizinhanças de Beverly Hills.

Seu projeto mais famoso talvez tenha sido o H-4 Hércules. Ao construir este gigantesco hidroavião, Hughes bateu mais um recorde, o do hidroavião com a maior envergadura da história. Apelidado como Spruce Goose, seu propósito inicial foi bélico. Foi idealizado para ser usado na Segunda Guerra Mundial como meio viável de transporte de tropas e equipamento através do Atlântico, evitando assim as perdas provocadas pelos submarinos alemães. Só foi completado depois de a guerra acabar, e chegou a voar uma vez em Long Beach Harbor no dia 2 de novembro de 1947.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

24[editar código-fonte]

Ferdinand von Zeppelin

Ferdinand Adolf Heinrich August Graf von Zeppelin (Constança, 8 de julho de 1838Berlim, 8 de março de 1917) foi um nobre e militar, general alemão, fundador da companhia de dirigíveis Luftschiffbau-Zeppelin GmbH.

Ferdinand von Zeppelin nasceu em Baden, Alemanha, em 1838. Quando tinha vinte anos ingressou no Exército alemão e era um membro da expedição que foi para a América do Norte para procurar a fonte do rio Mississippi. Enquanto no Minnesota, em 1870 ele fez sua primeira ascensão num balão militar.

Discussão sobre a invenção do Zeppelin
Ferdinand von Zeppelin, manteve uma estreita amizade com o cônsul em Hamburgo Carlos Alban, que apresentou ao governo colombiano em 1887 um sistema de balão metálica, a patente foi solicitada ao Ministério da Indústria. General Rafael Reyes, como o ministro do Desenvolvimento, concedido patente # 58 com um período de 20 anos, a 9 de outubro de 1888. de acordo com a invenção do Zeppelin que poderia ser do colombiano Carlos Alban, que em um ato de amizade que ele deu a Ferdinand von Zeppelin.

Zeppelin e os dirigíveis
Zeppelin, baseado nas ideias de Schwartz, um engenheiro austríaco que havia tentado construir um balão de alumínio em 1887, projetou um aeróstato sob comando, partindo então para tentativas arrojadas, em Friedrichshafen, onde morava.

Apesar do seu projeto ter sido rejeitado pelo Kaiser Guilherme II em 1894, o nobre militar, contando com o apoio da população do povoado à margem do Lago Constança e utilizando todos os seus recursos financeiros, se empenhou na construção de aeronaves com estrutura rígida, numa época em que os balões carregados de gás tinham estrutura flexível.

Em 2 de julho de 1900, fez o voo inaugural do LZ-1, às margens do lago Constança. Porém, o tecido que cobria a estrutura de alumínio do balão se rompeu no pouso; mas o milionário não desistiu. Já estava na bancarrota quando, em 1908, ganhou fama com o LZ-4, ao cruzar os Alpes, numa viagem de 12 horas, sem escalas. Daí por diante, Zeppelin pôde contar com o dinheiro do governo alemão em suas façanhas e seus dirigíveis se transformaram em orgulho nacional.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

25[editar código-fonte]

Francisco Craveiro Lopes

Francisco Higino Craveiro Lopes CvTEComCOAGOAGCAMPMMMOCE (Lisboa, 12 de Abril de 1894Lisboa, 2 de Setembro de 1964) foi um político e militar português, tendo sido o décimo segundo presidente da República Portuguesa (terceiro do Estado Novo), entre 1951 e 1958.

Biografia
Francisco Craveiro Lopes nasceu a 12 de Abril de 1894, em Lisboa.

Era filho de João Carlos Craveiro Lopes, general do exército português e governador-geral da Índia Portuguesa, e de Júlia Clotilde Salinas Cristiano. Frequentou e concluiu o Colégio Militar a 23 de Julho de 1911, após o que ingressou na Escola Politécnica de Lisboa. Alistou-se como voluntário no Regimento de Cavalaria n.º 2, também em 1911. Como primeiro sargento-cadete tira o curso de Cavalaria na antiga Escola do Exército, ingressando posteriormente na Aeronáutica Militar.

Em 1915 é mobilizado para a fronteira Norte de Moçambique, onde em Novembro de 1916, defrontando tropas alemãs durante a Primeira Guerra Mundial, se distingue com bravura na defesa do forte de Nevala e combates de Kiwambo: Recebe por estas acções em 1917, aos 23 anos, a Cruz de Guerra e é feito Cavaleiro da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

26[editar código-fonte]

Geoffrey de Havilland

Sir Geoffrey de Havilland, (Buckinghamshire, 27 de julho de 1882Hertfordshire, 21 de maio de 1965) foi um engenheiro e pioneiro da aviação britânico, tio das lendárias atrizes do cinema Olivia de Havilland e Joan Fontaine (ambas vencedoras do Oscar de melhor atriz).

Vida e carreira
Geoffrey cursou a escola de engenharia de Crystal Palace de 1900 a 1903. Terminados seus estudos interessou-se primeiro em engenharia automobilística, construindo carros e motocicletas. Também trabalhou com fabricantes de motores e ônibus.

Após casar-se em 1909 iniciou sua carreira de projetista e construtor de aeronaves, além de piloto, na qual permaneceu até o fim de sua vida.

Seu primeiro avião foi construído com dinheiro emprestado de seu avô materno. Sua construção levou dois anos e foi destruído durante seu primeiro vôo, perto de Litchfield, Hampshire. Seus projetos seguintes tiveram mais sucesso e em 1912 bateu o recorde britânico de altitude, chegando a 10.500 pés (3,2 km) em uma aeronave por ele projetada.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

27[editar código-fonte]

Giulio Douhet

Giulio Douhet (Caserta, 30 de maio de 1869Roma, 15 de fevereiro de 1930) foi um general e teórico aeronáutico italiano.

É conhecido por enunciar os princípios e vantagens da utilização da força aérea na organização tática de conflitos armados.

Douhet surgiu, como o verdadeiro pai da aviação estratégica e o promotor de uma guerra aérea independente, capaz de levar à decisão isoladamente. De caráter difícil, em conflito permanente com seus chefes, Douhet consegue desenvolver sua teoria sob o regime fascista, com o apoio de Mussolini e de Italo Baldo, o chefe da aviação italiana.

Além do grande número de artigos, quatro obras desenvolvem o essencial de seu pensamento: Il dominio dell' aria, publicada em 1920, revista em 1927; Probabili aspetti della guerra futura, também publicada em 1927; La guerra del 19..., publicação póstuma de 1932, e principalmente La difensa nazionale, escrita em 1923, que é, de longe, segundo Philippe Masson, o melhor livro, seguido de um estudo sugestivo sobre a Primeira Guerra Mundial.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

28[editar código-fonte]

Billy Mitchell

William Lendrum "Billy" Mitchell (Nice, 28 de dezembro de 1879Nova Iorque, 19 de fevereiro de 1936) foi um general do Exército dos Estados Unidos, reconhecido por muitos como o "pai da Força Aérea Americana". Ele é um dos mais famosos e polêmicos vultos da história da aviação estadunidense.

Mitchell serviu na França durante a Primeira Guerra Mundial e, até o término do conflito, comandou todas as missões de combate aéreo americanas naquele país. Após a guerra, foi indicado ao cargo de diretor-assistente do Serviço Aéreo do Exército Americano e começou a defender aumentos de investimentos em tecnologia aérea, pois acreditava que os aviões seriam armas vitais em futuros conflitos militares. Ele chamava a atenção principalmente para a eficácia dos bombardeios aéreos em missões de afundamentos de navios de guerra e organizou uma série de simulações contra naves ancoradas numa área de testes, buscando provar suas ideias.

Mitchell irritou muitas autoridades do Exército com seus argumentos e críticas e, em 1925, ele foi rebaixado a coronel. Nesse mesmo ano, ele foi à Corte marcial acusado de insubordinação após ter denunciado os comandantes do Exército e da Marinha por "gestão quase traidora da defesa nacional." Ele renunciou ao posto no Serviço Aéreo, pouco tempo depois.

Mitchell recebeu muitas honrarias após a sua morte, inclusive uma promoção a General-Comandante dada pelo Presidente dos Estados Unidos. Ele é o único homem cujo nome batizou um modelo de avião militar americano, o B-25 Mitchell.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

29[editar código-fonte]

Hugh Trenchard, 1.º Visconde Trenchard

Hugh Montague Trenchard, 1.º Visconde Trenchard GCB, OM, GCVO, DSO (Tauton, 3 de fevereiro de 1873 - Londres, 10 de fevereiro de 1956), o Marechal da Força Aérea Real, foi um oficial britânico e um dos incentivadores da fundação da Força Aérea Real, ficando assim conhecido como Pai da Força Aérea Real.

Durante seus anos de formação, Trenchard lutou academicamente, sob pena de muitos exames e apenas conseguiu satisfazer o padrão mínimo para o serviço encomendado no exército britânico. Como um jovem oficial de infantaria, Trenchard serviu na Índia e com a eclosão da Guerra dos Bôeres, ele se ofereceu para o serviço na África do Sul. Enquanto lutava contra os Bôeres, foi gravemente ferido e, como resultado de sua lesão, perdeu um pulmão, foi parcialmente paralisado e voltou à Grã-Bretanha. Por aconselhamento médico Trenchard viajou para a Suíça para se recuperar e ocupou seu tédio com bobsledge. Depois de uma forte queda, descobriu que sua paralisia havia ido embora e que ele poderia andar sem ajuda. Após uma melhor recuperação, voltou ao serviço ativo na África do Sul.

Após o fim da Guerra dos Bôeres, Trenchard prestou serviço na Nigéria, onde ele estava envolvido em esforços para trazer o interior sob o liquidado domínio britânico e conter a violência inter-tribal. Durante seu tempo na África Ocidental, Trenchard comandou o Regimento Sul da Nigéria por vários anos.

Em 1912, Trenchard aprendeu a voar e foi posteriormente nomeado como segundo no comando da Central Flying School. Ocupou vários cargos no Royal Flying Corps durante a Primeira Guerra Mundial, servindo como o comandante da instituição na França entre 1915 e 1917. Em 1918, serviu brevemente como o primeiro Chefe do Estado-Maior do ar antes de assumir o comando da Força Aérea Independente, na França. Retornando como Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica nos termos de Winston Churchill em 1919, Trenchard passou a década seguinte garantindo o futuro da Força Aérea Real (FAR). Ele foi o Comissário da Polícia Metropolitana em 1930 e defensor da FAR em seus últimos anos. Trenchard é reconhecido hoje como um dos primeiros defensores do bombardeio estratégico.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

30[editar código-fonte]

Walther Wever

Walther Wever (Wilhelmsort, 11 de Novembro de 1887Dresda-Klotzsche, 3 de Junho de 1936) foi o primeiro comandante da Luftwaffe, exercendo funções até ao dia do seu falecimento, chegando ao posto de Tenente-general. Era um defensor da teoria de bombardeamento estratégico como meio de empregar uma guerra aérea. Morreu num desastre aéreo em 1936.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

31[editar código-fonte]

Artur de Sacadura Freire Cabral

Artur de Sacadura Freire Cabral, mais conhecido por Sacadura Cabral GCTEComAMOBS (Celorico da Beira, São Pedro, 23 de Maio de 1881Mar do Norte, 15 de Novembro de 1924) foi um aviador e oficial da Marinha Portuguesa.

Biografia
Era filho primogénito de Artur de Sacadura Freire Cabral (Celorico da Beira, São Pedro, 16 de Outubro de 1855 - Lisboa, 19 de Março de 1901) e de sua mulher (casados em Seia) Maria Augusta da Silva Esteves de Vasconcelos (Viseu, Sé Ocidental, 11 de Julho de 1861 - Lisboa, 3 de Abril de 1913). Frequentou o Colégio Militar. Após os estudos primários e secundários assentou praça em 10 de Novembro de 1897 como aspirante de marinha e frequentou a Escola Naval, onde foi o primeiro classificado do seu curso. Foi promovido a segundo-tenente em 27 de Abril de 1903, a primeiro-tenente a 30 de Setembro de 1911, a capitão-tenente em 25 de Abril de 1918 e, por distinção, a capitão-de-fragata em 1922. Terminado o seu curso, seguiu em 1901, a bordo do São Gabriel, para a Divisão Naval de Moçambique.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

32[editar código-fonte]

Johannes Steinhoff

Johannes Steinhoff (15 de Setembro de 1913 - 21 de Fevereiro de 1994) foi um piloto de caça alemão da Segunda Guerra Mundial, e depois, um oficial superior da Força Aérea da Alemanha Ocidental e comandante militar da OTAN.

Steinhoff foi um dos poucos pilotos da Luftwaffe que sobreviveram ao voar operacionalmente entre período de 1939-45. Ele foi um dos pilotos com maior número de vitórias com 176 aviões inimigos abatidos, e um dos primeiros que voaram no caça a jato Me-262 em combate, sendo um membro do famoso esquadrão de áses JV 44, liderado por Adolf Galland.

Biografia

Johannes Steinhoff nasceu em 15 de Setembro de 1913 em Bottendorf, Turingia, filho de um leiteiro e uma dona-de-casa, teve dois irmãos, Bernard e Wolf.

Antes da Segunda Guerra Mundial, ele estudou para se tornar professor na Universidade de Jena, mas não conseguiu encontrar emprego. Então, se alistou na Kriegsmarine, onde serviu por um ano como cadete-do-ar naval. Steinhoff foi transferido para a Luftwaffe antes de Hermann Göring se tornar seu comandante em chefe em 1935.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

33[editar código-fonte]

Roy King

Elwyn Roy King (13 de Maio de 1894 – 28 de Novembro de 1941) foi um militar australiano que ás da aviação durante a Primeira Guerra Mundial. Abateu 26 aviões inimigos, fazendo dele o quarto maior ás da Austrália durante a guerra. Entre guerras, foi um piloto civil e engenheiro, entrando para a Real Força Aérea Australiana em 1939. Durante a Segunda Guerra Mundial desempenhou funções de comando em várias unidades de treino até falecer em 1941, com 47 anos.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

34[editar código-fonte]

Louis Paulhan

Isidore Auguste Marie Louis Paulhan, ou simplesmente Louis Paulhan (✰ Pézenas, 19 de julho de 1883;  ✝ Saint-Jean-de-Luz, 10 de fevereiro de 1963) foi um pioneiro da aviação francês. Ele ficou conhecido por ter vencido a primeira edição do Daily Mail aviation prize por um voo entre Londres e Manchester realizado em 1910.

Biografia
A carreira aeronáutica de Paulhan teve início quando ele estava designado para St Cyr como balonista durante o serviço militar, em 1905 ele venceu uma competição para desenho de modelos de avião. Depois de cumprir o serviço militar, ele foi contratado pelo fabricante de balões Édouard Surcouf como engenheiro, trabalhando na construção do dirigível Ville de Paris, tendo efetuado vários voos como seu mecânico durante 1907. No mesmo ano, ele venceu uma competição de desenho de modelos de avião, no qual o primeiro prêmio seria a construção do modelo vencedor em escala natural. O seu desenho era tão complexo, que no lugar ele ganhou um avião Voisin. Com o auxílio da família e amigos, ele obteve um motor e aprendeu a voar sozinho em 1909, Paulhan obteve o seu brevê Nº 10 mais tarde, com data retroativa de 18 de novembro de 1909.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

35[editar código-fonte]

Thomas Baker

Thomas Charles Richmond Baker (Smithfield, 2 de Maio de 1897 – Ath, 4 de Novembro de 1918) foi um aviador australiano e ás da aviação durante a Primeira Guerra Mundial. Nascido em Smithfield, no sul da Austrália, na sua juventude foi atleta e desenvolveu interesse pela aviação. Mais tarde, foi contratado como escriturário pelo Banco de Nova Gales do Sul, antes de se alistar na Primeira Força Imperial Australiana em Julho de 1915, para prestar serviço na Primeira Guerra Mundial. Colocado numa unidade de artilharia na Frente Ocidental, foi condecorado com a Medalha Militar por realizar inúmeras reparações em linhas de comunicação que haviam ficado danificadas por fogo inimigo. Em Junho de 1917, Baker recebeu uma barra na sua condecoração por ter ajudado a extinguir um incêndio num poço de armamento e artilharia, que estava a ameaçar explodir com 300 rodadas de explosivos e outros tipo de armamento militar.

Em Setembro de 1917, Baker submeteu um pedido para se tornar mecânico no Australian Flying Corps (AFC). Em vez disso, foi seleccionado para receber instrução de voo e foi enviado para o Reino Unido para ser instruído. Em Março de 1918, graduou-se como piloto e promovido a segundo tenente. Colocado em França em Junho, Baker juntou-se ao Esquadrão N.º 4 do Australian Flying Corps. Durante os quatro meses seguintes, ele subiu até à patente de capitão e contabilizou 12 vitórias aéreas contra os alemães. No dia 4 de Novembro de 1918 foi abatido durante um combate aéreo, no qual faleceu. Em Fevereiro de 1919 foi condecorado postumamente com a Cruz de Voo Distinto.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

36[editar código-fonte]

Léon Levavasseur

Léon Y. K. Levavasseur (Le Mesnil-au-Val, 8 de Janeiro de 1863Puteaux, 26 de Fevereiro de 1922) foi um engenheiro, projetista e inventor de aviões. Suas invenções incluem o motor V8, injeção eletrônica e arrefecimento do motor por evaporação. Primeiramente, trabalhava para a companhia Antoinette, mas ele continuou suas experiências com o projeto da aeronave depois que a empresa faliu.

Biografia
Levavasseur nasceu em Cherbourg, França na familia de um oficial da Marinha. Fez o ensino básico em Rochefort e mais tarde em Angoulême. Depois de frequentar a École Polytechnique e também a École des Beaux-Arts, ele assistiu a uma demonstração de um motor de Gottlieb Daimler montado num barco no rio Sena. Aos 24 anos ele acabou pendendo para a área da engenharia, com interesse principalmente em motores a gasolina, e decidiu entrar nesse ramo da indústria.

Em 1889, Levavasseur assitiu na Exposição Universal a demonstração de um novo motor Daimler, assim como a de um motor leve monocilíndrico Dion-Bouton. Enquanto ocupava o cargo de engenheiro chefe da firma Patin que produzia equipamentos elétricos, ele acompanhou o trabalho de Fernand Forest e o progresso obtido pelas empresas: Chenu, Rossel-Peugeot, Clément-Bayard, Panhard Levasso, entre outras, que tentavam adaptar motores automotivos para uso em dirigíveis. Ele também construiu seu primeiro motor leve (menos que 100 kg) à gasolina testado em barcos no rio Sena.

Depois disso, já em 1897, ele descobriu, através do escritório de patentes, o trabalho pioneiro de Clément Ader em relação ao primeiro motor em V.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

37[editar código-fonte]

Hubert Latham

Arthur Charles Hubert Latham (✰ Paris, 10 de janeiro de 1883;   ✝ Sarh, 25 de junho de 1912) foi um pioneiro da aviação francês. Ele foi o primeiro piloto a tentar cruzar o Canal da Mancha num avião. Devido a uma falha do motor durante a sua primeira de duas tentativas de cruzar o canal, ele se tornou a primeira pessoa a fazer um "pouso na água".

Biografia
Hubert Latham nasceu numa família protestante em Paris, descendente de banqueiros e comerciantes, de origem britânica que se estabeleceram em Le Havre em 1829. Ele cresceu na região de Maillebois, onde seu pai comprou uma propriedade. Ele também era descendente de Theobald von Bethmann-Hollweg.

Latham frequentou o Balliol College na Universidade de Oxford no ano acadêmico de 1903-1904, depois do que cumpriu seu treinamento de reservista militar em Paris. Depois disso, ele acompanhou seu primo, o balonista Jacques Faure, numa travessia noturna do Canal da Mancha (de Londres à Paris) num balão de gás em 11-12 de fevereiro de 1905. Ele também atuou com sucesso com um barco motorizado da Antoinette na Monaco Regatta em abril de 1905, em parceria com seu primo Jules Gastambide e Léon Levavasseur, o inventor do motor Antoinette. Depois disso ele partiu numa expedição com amigos para a Abissínia em 1906-1907, na qual ele coletou espécimes para o Museu Nacional de História Natural da França, e também executou trabalhos de pesquisa para o Escritório Colonial Francês. Em 1908, suas viagens continuaram até o extremo oriente, antes de retornar à França mais tarde naquele ano.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

38[editar código-fonte]

Júlio César Ribeiro de Sousa

Julio Cezar Ribeiro de Souza (Acará, 13 de junho de 1843Belém, 14 de outubro de 1887) foi um inventor brasileiro reconhecido como pioneiro no desenvolvimento da dirigibilidade aérea. Professor, autor de uma gramática premiada, poeta, jornalista, funcionário público, diretor da Biblioteca Pública do Pará e secretário de Estado. Porém, foi como homem de ciência que deixou sua marca na história.

Os primeiros passos
De família pobre estudou no seminário do Carmo em Belém. Praça voluntária em 28 de maio de 1861 , transferiu-se para a cidade do Rio de Janeiro, à época capital do império brasileiro, onde completou o curso preparatório da Escola Militar. Em 1866 seguiu para Montevidéu, onde se integrou às forças militares brasileiras na Guerra do Paraguai. Em 1870, chega de volta ao Pará e dedica-se ao jornalismo, poesia e ao estudo da física como autodidata. Em 1874, depois de observar o voo de pássaros amazônicos, passa a dedicar-se ao estudo das ciências aeronáuticas. Após seis anos de pesquisas, Ribeiro de Souza acredita que os balões devem ter formato assimétrico, com o centro de empuxo à frente. Após ter realizado conferência no Pará sobre suas ideias, parte para o Rio de Janeiro, onde vai ao encontro do Barão de Tefé, conhecido e respeitado na comunidade científica brasileira. O Barão de Tefé analisa os estudos de Julio Cezar Ribeiro de Souza, fica entusiasmado e pesquisa por um mês material europeu sobre aeronáutica. Desta forma consegue apoio do Instituto Politécnico do Rio de Janeiro então a maior instituição científica da América Latina. Com o apoio do Instituto e do governo imperial, consegue uma verba (20 contos de réis) da província do Pará.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

39[editar código-fonte]

Rudolph Berthold

Rudolph Berthold, também escrito Rudolf Berthold, (24 de Março de 1891 - 15 de Março de 1920) foi um piloto alemão da Primeira Guerra Mundial que atingiu a impressionante marca de 44 vitórias, sendo assim considerado um ás da aviação da grande guerra.

Entrou para a vida militar em 1910, sendo incorporado na infantaria. Por volta de 1913 aprenderia a pilotar aeronaves. Quando a guerra começou, foi transferido para os Serviços Aéreos Alemães e foi incumbido de ser um observador, porém, em 1916, começou a pilotar aeronaves de combate. Alcançou por seis vezes uma proeza que poucos conseguiam na época, que consistia em ser abatido e, sem paraquedas, sobreviver e voltar tempos depois. Berthold foi várias vezes atingido e abatido, mas sempre encontrou maneira de sobreviver e voltar ao combate.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

40[editar código-fonte]

Kurt Tank

Kurt Waldemar Tank (Bromberg-Schwedenhöhe, 24 de fevereiro de 1898Munique, 5 de junho de 1983) foi um piloto de testes e engenheiro aeronáutico alemão.

Dirigiu o departamento de projetos da Focke-Wulf de 1931 a 1945. Projetou diversos aviões importantes da segunda guerra mundial, incluindo o Focke-Wulf Fw 190. Antes de trabalhar para a Focke-Wulf, Tank foi empregado da Albatros Flugzeugwerke, mas após sua falência em 1929, a maioria dos projetistas foram para a Focke-Wulf e alguns para a Arado Flugzeugwerke em 1931.

Tank começou então o trabalho no projeto do Fw 44, primeiro projeto comercialmente bem sucedido de Focke Wulf, lançado em 1934. Isto conduziu ao crescimento da companhia com o país preparando-se para a guerra.

Segunda Guerra Mundial
O Fw 190 Würger (pássaro-carniceiro), voou em 1939 e foi produzido de 1941 a 1945, era um caça-bombardeiro durante a Segunda Guerra Mundial, de único-assento da Luftwaffe. Este foi o avião mais conhecido projetado por ele e o mais fabricado (mais de 20.000 unidades).

Durante a guerra, seu trabalho foi plenamente reconhecido.

Em janeiro de 1943, foi nomeado professor honorário com uma cadeira na escola técnica em Braunschweig, em reconhecimento dos seus serviços para o desenvolvimento de voo.

Em 1944, o Reichsluftfahrtministerium (Ministério Alemão do Ar) decidiu que as denominações dos dos novos caças deveriam incluir o nomes dos projetistas chefes. Por isso, os novos projetos de Tank receberam o prefixo Ta.

Seu mais notável trabalho nos últimos dias da guerra foi o desenho do Focke-Wulf Ta 152, aperfeiçoamento do Fw 190. As duas versões principais do Ta 152 foram a Ta 152 C, e do Ta 152 H.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

41[editar código-fonte]

Leonardo da Vinci

Leonardo di Ser Piero da Vinci (Loudspeaker.svg? pron.), ou simplesmente Leonardo da Vinci (Anchiano, 15 de abril de 1452Amboise, 2 de maio de 1519), foi um polímata nascido na atual Itália, uma das figuras mais importantes do Alto Renascimento, que se destacou como cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor, arquiteto, botânico, poeta e músico. É ainda conhecido como o percursor da aviação e da balística. Leonardo frequentemente foi descrito como o arquétipo do homem do Renascimento, alguém cuja curiosidade insaciável era igualada apenas pela sua capacidade de invenção. É considerado um dos maiores pintores de todos os tempos e como possivelmente a pessoa dotada de talentos mais diversos a ter vivido. Segundo a historiadora de arte Helen Gardner, a profundidade e o alcance de seus interesses não tiveram precedentes e sua mente e personalidade parecem sobre-humanos para nós, e o homem em si [nos parece] misterioso e distante.

Nascido como filho ilegítimo de um notário, Piero da Vinci, e de uma camponesa, Caterina, em Vinci, na região da Florença, foi educado no ateliê do renomado pintor florentino, Verrocchio. Passou a maior parte do início de sua vida profissional a serviço de Ludovico Sforza (Ludovico il Moro), em Milão; trabalhou posteriormente em Veneza, Roma e Bolonha, e passou seus últimos dias na França, numa casa que lhe foi presenteada pelo rei Francisco I.

Leonardo era, como até hoje, conhecido principalmente como pintor. Duas de suas obras, a Mona Lisa e A Última Ceia, estão entre as pinturas mais famosas, mais reproduzidas e mais parodiadas de todos os tempos, e sua fama se compara apenas à Criação de Adão, de Michelangelo. O desenho do Homem Vitruviano, feito por Leonardo, também é tido como um ícone cultural, e foi reproduzido por todas as partes, desde o euro até camisetas. Cerca de quinze de suas pinturas sobreviveram até os dias de hoje; o número pequeno se deve às suas experiências constantes — e frequentemente desastrosas — com novas técnicas, além de sua procrastinação crônica. Ainda assim, estas poucas obras, juntamente com seus cadernos de anotações — que contêm desenhos, diagramas científicos, e seus pensamentos sobre a natureza da pintura — formam uma contribuição às futuras gerações de artistas que só pode ser rivalizada à de seu contemporâneo, Michelangelo.

Leonardo é reverenciado pela sua engenhosidade tecnológica; concebeu ideias muito à frente de seu tempo, como um protótipo de helicóptero, um tanque de guerra, o uso da energia solar, uma calculadora, o casco duplo nas embarcações, e uma teoria rudimentar das placas tectônicas. Um número relativamente pequeno de seus projetos chegou a ser construído durante sua vida (muitos nem mesmo eram factíveis), mas algumas de suas invenções menores, como uma bobina automática, e um aparelho que testa a resistência à tração de um fio, entraram sem crédito algum para o mundo da indústria. Como cientista, foi responsável por grande avanço do conhecimento nos campos da anatomia, da engenharia civil, da óptica e da hidrodinâmica.

Leonardo da Vinci é considerado por vários o maior gênio da história, devido a sua multiplicidade de talentos para ciências e artes, sua engenhosidade e criatividade, além de suas obras polêmicas. Num estudo realizado em 1926 seu QI foi estimado em cerca de 180.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

42[editar código-fonte]

Wernher von Braun

Wernher Magnus Maximilian von Braun (Wirsitz, 23 de março de 1912Alexandria, 16 de junho de 1977) foi um engenheiro alemão e uma das principais figuras no desenvolvimento do foguete V-2 na Alemanha Nazista e do foguete Saturno V nos Estados Unidos. Ele foi uma das principais figuras no desenvolvimento de tecnologias de foguetes para a Alemanha Nazista, na qual foi membro do Partido Nazista e das SS.

Um pioneiro e visionário das viagens espaciais, ele é mundialmente conhecido por sua liderança do projeto aerospacial americano durante a Corrida Espacial, tendo trabalhado como projetista chefe do primeiro foguete de grande porte movido a combustível líquido produzido em série, o Aggregat 4, e por liderar o desenvolvimento do foguete Saturno V, que levou os astronautas dos EUA à Lua, em julho de 1969. Sua contraparte e rival, do lado soviético, foi o engenheiro Sergei Korolev.

Carreira no terceiro Reich
Peenemünde
Em 1930, ele entrou para o Instituto de Tecnologia Charlottenburg de Berlim. Lá ele se juntou ao grupo Verein für Raumschiffahrt (VfR, Sociedade para Viagens Espaciais), se tornando assistente de Willy Ley e Hermann Oberth, nos seus testes de motores de foguete a combustível líquido. Na primavera de 1932, ele se graduou com bacharel em Engenharia Mecânica. Com o grau de bacharel obtido, von Braun foi contratado por Walter Dornberger como um empregado civil do programa de mísseis da Heereswaffenamt, agência responsável pelo rearmamento alemão. Devido ao seu contato prévio com a teoria de foguetes, ele se convenceu de que aquele título não seria suficiente, o que o fez entrar para a Universidade de Berlin para prosseguir nos estudos de graduação. Obteve o título de Ph.D. em física, com a tese "Contribuições teóricas e experimentais para o problema estrutural nos foguetes a combustível líquido" em 1934.

Essa posição o levou a atuar no campo de pesquisas do Exército em Kummersdorf, cerca de 30 quilômetros ao sul de Berlim. Naquele mesmo ano, um dos foguetes concebidos por ele, lançado da ilha de Borkum no Mar do Norte, atingiu 2.200 metros de altitude. Entre 1935 e 1937, von Braun e a equipe de Ernst Heinkel desenvolveram um motor foguete destinado ao uso em aviões, primeiro em Kummersdorf, mais tarde em Neuhardenberg, onde o motor foguete foi testado num Heinkel He 112.

Já ao final de 1935, ficava muito claro que as instalações de Kummersdorf eram insuficientes para acomodar a rápida expansão do programa de mísseis. Para testar os mísseis muito maiores que estavam sendo planejados, eles necessitariam de algumas centenas de quilômetros de área de testes. Com essa necessidade em mente, uma área próxima ao Mar Báltico passou a ser seriamente considerada. O Exército e a Força Aérea concordaram em usar a área da ilha de Usedom para esse fim. Entre 1937 e 1945, Wernher von Braun foi o diretor técnico do recém criado centro de pesquisas do Exército de Peenemünde, onde ele liderou o desenvolvimento do míssil Aggregat 4 (A4), um grande foguete movido a combustível líquido. A partir de 1943, esse míssil foi posto em produção, e logo depois das suas primeiras missões sobre Londres, passou a ser conhecido como: Vergeltungswaffe 2 (V-2), ou "Arma de Vingança 2". Esse foi o primeiro míssil terra-terra a combustível líquido operacional do Mundo, contando com sistemas de controle por giroscópio que permitiam estabilizar e controlar o voo de forma automática e autônoma.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

43[editar código-fonte]

Lydia Litvyak

Lydia Vladimirovna Litvyak (Лидия Владимировна Литвяк, Moscovo, 18 de agosto de 1921Khrustalny, 1 de agosto de 1943) foi uma aviadora de caças da soviética, ás da aviação na Segunda Guerra Mundial, conhecida como "Rosa de Stalingrado". Com doze vitórias, foi uma das duas ases de combate mulheres, junto com Kátia Budánova.

Biografia
Nascida em Moscou, esteve relacionada com a aviação desde a juventude. Com 14 anos entrou em um clube de aviação, e um ano mais tarde realizou seu primeiro voo. Ao final da década de 1930 recebeu a licença de instrutor de voo. Depois do ataque a União Soviética em junho de 1941, Litviak tentou unir-se a uma unidade aérea militar, mas foi recusada pela sua falta de experiência. Após adulterar seu histórico de voo pré - guerra para 100 horas, uniu-se ao 586º Regimento de Caças (586 IAP) composto unicamente por mulheres e criado por Marina Raskova. Ali, Litviak realizou treinamentos a bordo de um Yakovlev Yak-1.

Os primeiros combates ocorreram no verão de 1942 sobre Sarátov. Em setembro, Litviak foi designada, junto com outras mulheres, ao (437 IAP) para lutar sobre o céu de Stalingrado. Voando em um Lavochkin La-5, em 13 de setembro de 1942 abateu seu primeiro avião, um Junkers Ju 88, e um caça. Nos meses que sucederam, abateu vários aparelhos.

Ao final do ano de 1942 foi transferida ao 9º Regimento de Caças da Guarda (9 GIAP), e em janeiro de 1943 ao 296 IAP, que posteriormente foi renomeado como 73º Regimento de Caças da Guarda. Em 23 de fevereiro lhe foi outorgada a Estrela Vermelha. Em duas ocasiões teve que executar aterrissagem forçada devido aos danos recebidos, e também foi ferida duas vezes, em 22 de março e 16 de julho de 1943. No começo daquele ano, foi promovida a subtenente e se casou com o piloto Aleksey Solomatin que morreria combatendo em 21 de maio daquele mesmo ano.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

44[editar código-fonte]

Joseph Michel Montgolfier
Jacques-Étienne Montgolfier

Os Irmãos Montgolfier:

foram dois irmãos inventores franceses, que construíram o primeiro balão tripulado do Mundo, que elevou Étienne aos céus em 5 de junho de 1783.

Histórico
Os irmãos eram filhos de um fabricante de papel (a fábrica é a Canson, que até hoje é uma das companhias mais tradicionais e modernas do mundo) de Annonay, sul de Lyon, França. Segundo consta, quando os irmãos brincavam com um saco de papel aberto invertido sobre o fogo, eles repararam que o saco flutuava. Em 1777 eles iniciaram a construção de modelos, que foram evoluindo até o ano de 1782, quando Joseph fez um experimento definitivo, quando residia na cidade de Avignon e enquanto contemplava uma fogueira, imaginou um assalto à fortaleza de Gibraltar (até então inexpugnável por terra e pelo mar), com tropas erguidas pela mesma força que erguia as brasas da fogueira. Todos aqueles experimentos e observações reforçaram a ideia de que eles poderiam finalmente realizar o grande sonho da humanidade, o de voar. Passaram então a fazer diversos experimentos com diversos materiais até construírem um balão prático.

Como resultado dessas pesquisas iniciais, Joseph iniciou a construção de uma câmara em formato de caixa com estrutura de madeira bem fina recoberta de Tafetá, medindo: 1 × 1 × 1,3 m. Ele amassou e queimou alguns papéis sob o modelo, que imediatamente alçou voo e chegou ao teto. Depois disso, Joseph e Jacques iniciaram o projeto de construção de um modelo bem maior (27 vezes maior em termos de volume). No primeiro voo desse modelo maior, realizado em 14 de dezembro de 1782, a força de sustentação foi tão grande que eles perderam o controle do dispositivo, que voou por cerca de dois quilômetros e foi destruído depois do pouso.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

45[editar código-fonte]

Ernst Heinkel

Ernst Heinrich Heinkel (Grunbach, Império Alemão, 24 de janeiro de 1888Stuttgart, Alemanha Ocidental, 30 de janeiro de 1958) foi um projetista e fabricante de aviões alemão.

A contribuição de Heinkel foi decisiva para a criação do avião a jato.

História
Seu primeiro trabalho foi como aprendiz em uma fundição. Sua paixão pela aviação começou em 1908 inspirado pelos primeiros voos dos dirigíveis de Ferdinand von Zeppelin.

Construiu seu primeiro avião em 1910 tendo por base projetos do anglo-francês Henry Farman. No ano seguinte sofreu um acidente neste mesmo avião que deixou-o ferido com gravidade. Foi um dos primeiros alemães a construir uma aeronave e voar.

Pouco depois, ele ganhou o emprego na Luft Verkehrs Gesellschaft (LVG), onde eram construídas aeronaves Farman. De lá, foi para Albatros, onde projetou o Albatros B - II, uma aeronave de reconhecimento utilizada durante as fases iniciais da Primeira Guerra Mundial. Depois de deixar o Albatros, Heinkel concebeu vários hidroplanos para o Hansa - Brandenburg empresa criada em 1914.

O avião a jato
Heinkel era apaixonado pelo voo de alta velocidade, e estava interessado em explorar formas alternativas de propulsão das aeronaves. Ele doou uma aeronave ao Centro von Braun, que estava investigando propulsão por foguete para aviões, bem como patrocinando a investigação de Hans von Ohain em motores a jato.

Desenvolveu o Heinkel He 178, o primeiro avião na história a voar exclusivamente com propulsão a jato. Seu motor foi idealizado e desenvolvido pelo engenheiro Hans von Ohain. Seu primeiro voo ocorreu em 27 de agosto de 1939 quando foi pilotado por Erich Warsitz. Em 1 de novembro de 1939, o He 178 foi apresentado aos militares alemães que, entretanto, não se interessaram por ele.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

46[editar código-fonte]

Park Kyung-won

Park Kyung-won (Daegu, 24 de junho de 1901 – Hakone, 7 de agosto de 1933) foi, juntamente com Kwon Ki-ok, uma das primeiras aviadoras coreanas. Ainda que geralmente se aceite que Kwon foi a primeira aviadora coreana, Park segue sendo reconhecida como a primeira piloto civil feminina de Coreia, já que Kwon foi treinada pela Força Aérea da República de Chinesa. Foi sujeita a uma controvérsia no ano 2005, quando foi representada por Jang Jin-young no filme Blue Swallow, a qual iniciou um debate sobre quem foi realmente a primeira aviadora de Coreia.

Carreira de aviação
Em janeiro de 1925, Park regressou ao Japão, onde finalmente se matriculou numa escola de aviação em Kamata (hoje em dia parte de Ōta (Tokio)). Esperava estudar na mesma escola que An Chang-nam (o primeiro piloto coreano), mas a escola sofreu um incêndio em 1923. Graduou-se e tomou o exame para sua licença de piloto de terceira classe a 25 de janeiro de 1927, e obteve a licença três dias depois. A 30 de julho do ano seguinte, obteve a sua licença de piloto de segunda classe.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

47[editar código-fonte]

Grace Marguerite Lethbridge

Grace Marguerite, Lady Hay Drummond-Hay (Liverpool, 1 de setembro de 1895 - Nova Iorque, 12 de fevereiro de 1946) foi uma jornalista britânica e a primeira mulher a completar uma volta ao redor do mundo por via aérea, em um Zeppelin. Apesar de não ter sido uma aviatriz, ela certamente contribuiu para o glamour da aviação ao escrever artigos a respeito de suas aventuras aéreas para os principais jornais dos EUA no final dos anos 1920 e início dos anos 1930.

Carreira
Após colaborar com jornais ingleses como o The Sphere, Grace atuava como jornalista para os jornais de William Randolph Hearst no final dos anos 1920. Ela foi um dos passageiros do primeiro voo transatlântico de um Zeppelin de uso civil em 1928. Grace escreveu artigos para o The Chicago Herald and Examiner, editado pela Hearst Press, relatando a sua experiência a bordo do LZ 127 Graf Zeppelin.

Esse mesmo dirigível foi também o primeiro a circum-navegar o mundo em 1929, sob o comando de Hugo Eckener. A viagem ao redor do mundo, com uma duração de 21 dias, teve início em agosto de 1929, partindo e terminando no Lakehurst, Nova Jérsei, com paradas em Friedrichshafen (Alemanha), Tóquio e Los Angeles.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

48[editar código-fonte]

Armand Deperdussin

Armand Jean Auguste Deperdussin (Liège, 29 de setembro de 1911Paris, 17 de dezembro de 1997) foi um industrial francês que se destacou como pioneiro da aviação de sua época.

História
Armand Deperdussin viveu na Bélgica até 1901 quando se mudou de forma permanente para Paris. Em 1909 ele fundou uma oficina de aviões em Laon que viria a se tornar a Aéroplanes Deperdussin em 1911 passando em 1912 a ser chamada de Société de Production des Aéroplanes Deperdussin (SPAD) em Bétheny, cerca de cinco quilômetros a Nordeste de Reims, tendo como diretor técnico o engenheiro Louis Béchereau. Já em Novembro de 1909, a primeira patente (Nº 409 715) foi publicada. Em 1912 ele adquiriu o terreno do aeroporto de Champagne em Reims e lá construiu outra fábrica de aviões.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

49[editar código-fonte]

Anésia diante do avião em que realizou o voo entre São Paulo e Rio de Janeiro, em setembro de 1922

Anésia Pinheiro Machado (Itaí, 5 de junho de 1904Brasília, 10 de maio de 1999) foi a primeira mulher a conseguir o brevet de aviadora no Brasil. Iniciou seus estudos em 1921 e já no ano seguinte recebia seu brevet internacional pelo Aéro Club do Brasil. Ainda no mesmo ano, realizou seu primeiro voo interestadual de São Paulo ao Rio de Janeiro, como parte das comemorações do centenário da Independência do Brasil, e participou de uma apresentação de acrobacias aéreas. Ninguém sabe se ela foi de fato pilotando tais voos pois nunca estava desacompanhada. De toda forma, por estes, foi homenageada por Santos Dumont. Entre 1927 e 1928, manteve uma coluna dominical sobre aviação no jornal carioca "O Paiz". Em 1943, fez curso nos Estados Unidos, onde também se licenciou como piloto e instrutora de voo. Entre os feitos pioneiros, destacam-se uma travessia da Cordilheira dos Andes e uma viagem transcontinental pelas três Américas, ambos em 1951 ?. Em 1954, foi proclamada pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI), durante a Conferência de Istambul, Decana Mundial da Aviação Feminina. Recebeu dezenas de condecorações civis e militares, nacionais e estrangeiras. A urna com as cinzas está depositada no Museu de Cabangu, na cidade de Santos Dumont (MG).


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

50[editar código-fonte]

Sabina Gökçen em 1930.

Sabiha Gökçen (Bursa, 22 de março de 1913Ancara, 22 de março de 2001) foi a primeira mulher piloto de combate e acredita-se que do mundo e a primeira aviadora turca feminina, com 23 anos. Foi adotada por Atatürk (fundador e primeiro presidente da República da Turquia) durante sua viagem a Bursa em 1925 e foi levada para Ancara. Logo após a introdução da Lei do sobrenome, Atatürk deu-lhe o nome de família Gökçen em 19 de dezembro de 1934. Gök significa céu em turco e Gökçen significa "pertencente ou relativo ao céu '.

No entanto, ela não era uma aviadora na época, apenas seis meses depois de adotada que Sabiha desenvolveu uma paixão por voar. Ela completou sua educação na escola primária de Cankaya e no Colégio Feminino de Uskudar. Em 1935, ela foi matriculada em "Turk Kusu" Escola de Aviação Civil de Aviação da Liga turca.

Ela foi enviada para a Rússia, juntamente com sete alunos do sexo masculino para treinamento avançado em voo livre; e, posteriormente, matriculou-se na Academia de Aviação Militar em Esquiceir em 1936. Sabiha Gökçen também recebeu treinamento em Esquiceir, e voou aviões de combate e bombardeiros. Em 1937, foi presenteada com Murassa uma medalha de gratificação pela Aeronáutica Federação Turca em uma cerimônia com a presença do Presidente, o Primeiro-Ministro e do Comandante das Forças Armadas turcas. No mesmo ano, ela também recebeu o crachá de aviação militar.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

51[editar código-fonte]

Marina Știrbei

Princesa Marina Ştirbei (19 de março de 191215 de julho de 2001) foi uma aviadora romena que ganhou fama na Segunda Guerra Mundial como membro fundador do Esquadrão Branco de todas as mulheres da Força Aérea da Roménia, resgatando os feridos das linhas de frente. Mais recentemente, a imprensa romena a chamou de "Princesa da aviação da Romênia".

Biografia
Marina nasceu em 19 de março de 1912 em Viena, na Áustria, a filha do príncipe George Ştirbei, irmão de Barbu Ştirbey, e Elisabeth, sobrinha do aviador pioneiro George Valentin Bibescu. Depois de repetidamente ter sido recusada a entrada da Escola de Pilotos da Romênia por motivos de mulher, em 1932 ela finalmente foi autorizada a treinar lá sob Ioana Cantacuzino. Foi concedida a licença de piloto de grau II em 1935. No ano seguinte, ela ganhou o primeiro concurso de pilotos na Romênia.

Ştirbei foi a primeira pessoa a voar de Bucareste a Estocolmo, encontrando a névoa sobre o Mar Báltico. Em junho de 1937, representando o Aeroclube Romeno, participou da primeira conferência de assistência técnica em Budapeste. Em 1938, como membro da Cruz Vermelha da Romênia, juntamente com outras mulheres aviadoras, incluindo Mariana Drăgescu e Nadia Russo, participou de exercícios militares na região de Galaţi.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

52[editar código-fonte]

Roland Garros na frente de um Demoiselle

Roland Garros (Saint-Denis (Reunião), 6 de outubro de 1888Ardenas, 5 de outubro de 1918) foi um pioneiro da aviação francês.

Aviador
O início da carreira
Iniciou sua carreira de piloto em 1909, pilotando um Demoiselle, avião que só voava bem se o piloto fosse pequeno e leve. Em 1911 Garros tornou-se qualificado para pilotar monoplanos Bleriot e disputou na Europa uma série de corridas aéreas neste tipo de aeronave.

Brasil
Teve uma breve passagem pelo Brasil onde ensinou pilotagem em São Paulo.

Em 9 de Março de 1912, juntamente com Eduardo Pacheco Chaves, cada qual pilotando seu próprio avião, realizou a primeira viagem aérea São Paulo-Santos-São Paulo. Na ocasião o governo do estado oferecia um prêmio de 30 mil réis ao primeiro piloto que conseguisse esta façanha.

Antes da partida a aeronave de Roland Garros apresentou defeito. Mesmo sendo seu competidor, Eduardo Pacheco Chaves ajudou-o a repará-la. Retornaram juntos no mesmo avião.

Em 1913 passou a voar em um Morane-Saulnier, aeronave mais aperfeiçoada que o Bleriot.

A primeira travessia aérea do Mediterrâneo
Ficou famoso por ter efetuado, em 23 de setembro de 1913, a primeira travessia aérea sem escalas do Mediterrâneo em 7h53m, apesar de um motor ter avariado sobre a Córsega.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

53[editar código-fonte]

Otto Lilienthal (c.1896)

Karl Wilhelm Otto Lilienthal - (Anklam, Pomerânia, 23 de maio de 1848 - Berlim, 10 de agosto de 1896), conhecido como o "Pai do voo planado", foi um pioneiro da história da aviação. Ele é creditado como o primeiro homem a manejar repetidas vezes um aparelho mais pesado que o ar na atmosfera.

Biografia
Otto Lilienthal era apaixonado desde a infância pela aviação: por volta de 1860, ele ensaiava de noite, com o seu irmão, grandes planadores rudimentares, depois máquinas de asas batentes.

Tornando-se um engenheiro, ele publicou em 1889 uma importante obra sobre o voo das aves, considerada base da aviação, e dois anos mais tarde, construía seu primeiro planador.

Ele também foi um dos primeiros a demonstrar a importância da curvatura da asa.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

54[editar código-fonte]

Lanoe Hawker

Lanoe George Hawker VC, DSO (30 de dezembro de 1890 — 23 de novembro de 1916) foi um ás da aviação britânico, com sete vitórias creditadas, durante a Primeira Guerra Mundial. Foi o primeiro ás voador britânico, e o terceiro piloto a receber a Cruz Vitória, o maior e mais prestigiado prêmio por bravura em face do inimigo que pode ser atribuída a forças britânicas e da Comunidade de Nações. Foi morto em um duelo com o lendário ás alemão Manfred von Richthofen ("O Barão Vermelho").

Início de vida
Filho de uma família militar distinta, Hawker nasceu no dia 30 de dezembro de 1890 em Longparish, Hampshire, na Inglaterra. Lanoe foi enviado para Stubbington House School e com 11 anos de idade ao Colégio da Marinha Real de Dartmouth, mas apesar de muito inteligente e um desportista entusiasta, suas notas foram decepcionantes. Como uma carreira naval tornou-se mais improvável, ele entrou para a Real Academia Militar de Woolwich antes de entrar para a Royal Engineers, como um oficial cadete. Um inventor inteligente, Hawker desenvolveu um grande interesse em todos os desenvolvimentos mecânicos e de engenharia. Durante o verão de 1910, ele viu um filme com a Wright Flyer e depois de participar de um voo de exibição em Bournemouth, ele rapidamente encontrou um interesse na aviação, aprendendo a voar por conta própria em Hendon. Em 4 de março de 1913, Hawker foi premiado com o Certificado do Aviador N°. 435 pela Royal Aero Club.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

55[editar código-fonte]

Charles Lindbergh fotografia tirada entre 1915 e 1937.

Charles Augustus Lindbergh (Detroit, 4 de fevereiro de 1902Havaí, 26 de agosto de 1974) foi um pioneiro da aviação estadunidense e ficou famoso por ter feito o primeiro voo solitário transatlântico sem escalas em avião, em 1927.

Os primeiros passos
Nascido em 1902, Charles Lindbergh era filho de Charles A. Lindbergh (que fora congressista de 1907 a 1917) e Evangelyne Lodge. Com 18 anos de idade ingressou no curso de engenharia. Dois anos depois, abandonou o curso.

O grande feito

Lindbergh partiu do Condado de Nassau, Estado de Nova Iorque, na costa oriental dos Estados Unidos, em direção a Paris, França, em 20 de maio de 1927, tendo pousado na capital francesa no dia seguinte. O avião usado por Lindbergh chamava-se "The Spirit of Saint Louis". O voo de Lindbergh durou 33 horas e 31 minutos. O feito de Lindbergh fez com que fosse galardoado com o "Prêmio Orteig", de 25 mil dólares, em oferta desde 1919.

Sua chegada a Paris foi triunfal. E a comemoração quase acabou em tragédia. Recebido calorosamente pelos parisienses, o piloto quase foi sufocado pela multidão que se aglomerava para cumprimentá-lo.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

56[editar código-fonte]

Louis Charles Breguet em 1909.

Louis Charles Breguet (Paris, 2 de janeiro de 1880Saint-Germain-en-Laye, 4 de maio de 1955) foi um engenheiro francês formado pela École Supérieure d'Électricité, um dos pioneiros da aviação, que se tornou construtor de aviões.

Louis Charles Breguet obteve sua licença de piloto (a de número 52), em 19 de abril de 1910.

Biografia
Louis Charles Breguet era um dos filhos de Louis François Clément Breguet, relojoeiro e físico francês. Em 1905, ele esteve envolvido nos cálculos para desenvolvimento de grupos eletromotores para submarinos.

Em 1907, concebeu, construiu e testou um giroplano, apresentado no dia 21 de setembro deste ano à Academia de Ciências da França. Pouco depois fundou a Société Anonyme des Ateliers d'Aviation Louis Breguet e construiu seu primeiro avião em 1909, que bateu o recorde de velocidade num percurso de 10 quilômetros em 1911.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

57[editar código-fonte]

Édouard Nieuport abordo de um de seus aviões c.1910

Édouard de Nié Port, ou simplesmente Édouard Nieuport (✰ Blida, 24 de agosto de 1875;  ✝ Charny, 16 de setembro de 1911) foi um esportista, pioneiro da aviação e industrial francês.

Junto com seu irmão Charles, fundou a Société Anonyme Des Établissements Nieuport em 1909. Além de engenheiro e esportista, Édouard foi também um proeminente projetista e piloto de aviões no início da era da aviação, do final do século XIX ao início da Primeira Guerra Mundial em 1914.

Histórico
Apaixonado pelo ciclismo, ele deixou de entrar para a École Polytechnique, preferindo a École Supérieure d'Électricité cujos alunos se destacavam nesse esporte. Ele figurou muitas vezes em importantes listas de prêmios ciclísticos, vencendo o Prix Zimmermann em 1897, logo se profissionalizou e no ano seguinte, se classificou em terceiro no campeonato francês.

Édouard, juntamente com o irmão Charles, fundou em 1902 a Nieuport-Duplex voltada para a fabricação de magnetos e baterias para o ramo automotivo. Entre os seus clintes estavam: a Citroën, Léon Levavasseur, que adotou a ignição Nieuport-Duplex nos seus motores aeronáuticos. O motor Antoinette que equipava o biplano Voisin que permitiu a Henry Farman realizar um voo de um quilômetro em circuito fechado em 1907, era acionado por uma Nieuport-Duplex, fato que surpreendeu Édouard.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

58[editar código-fonte]

Glenn Curtiss na Grande Semaine d'Aviation na França (1909)

Glenn Hammond Curtiss (Hammondsport, 21 de maio de 1878 - Buffalo, 23 de julho de 1930) foi um pioneiro da aviação e fundador da Curtiss Aeroplane and Motor Company.

Biografia
Glenn Curtiss nasceu na vila de Hammondsport, no condado de Steuben, no estado de Nova Iorque, em 1878, filho de Frank Richmond Curtiss e Lua Andrews. Embora tenha frequentado a escola por poucos anos, cedo se interessou por mecânica e por inventos. O seu primeiro emprego foi na empresa Eastman Dry Plate and Film Company (mais tarde designada por Eastman Kodak Company), em Rochester. Em 7 de Março de 1898, Curtiss casa-se com Lena Pearl Neff, em Logansport, Indiana, e com ela teve dois filhos: Carlton N. Curtiss (1901-1902), e Glenn Hammond Curtis (1912-1969).

Início de carreira, bicicletas e motos
Curtiss inicia a sua carreira como ciclista mensageiro para a Western Union. Mais tarde foi dono de uma loja de bicicletas, quando começou a se interessar pelo ciclismo. Em 1901, começou a desenvolver interesse por motocicletas, e em 1902, começou a fabricá-las com motores monocilíndricos de seu próprio desenho.

As aeronaves
Já em 1904, Curtiss tornou-se fornecedor de motores para o "aeronauta" do Missouri, Tom Baldwin. Naquele mesmo ano, o California Arrow de Baldwin equipado com um motor Curtiss de dois cilindros em V e 9 hp, tornou-se o primeiro dirigível bem sucedido dos Estados Unidos.

Em 1907, Alexander Graham Bell convidou Curtiss para desenvolver um motor específico para experimentos com aeronaves mais pesadas que o ar. Bell considerava Curtiss como "o maior especialista em motores do país", e o convidou para se juntar à Aerial Experiment Association (AEA).

Entre 1908 e 1910, a AEA produziu cinco modelos de aviões, cada uma uma evolução do anterior, sendo o terceiro deles, o Aerodrome #3 ou June Bug, um projeto de Curtiss, que assumiu também a posição de piloto de testes desse modelo. Em 4 de julho de 1908, ele voou por 1.550 m ganhando o troféu Scientific American e seus 2.500 dólares de prêmio.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

59[editar código-fonte]

Tony Jannus em 1914 no voo histórico da aviação comercial

Antony Habersack Jannus (Washington, 22 de julho de 1889 - Mar Negro, em território russo, 12 de outubro de 1916) foi um piloto de avião norte-americano, considerado o primeiro piloto comercial da história da aviação.

Filho de um advogado e neto do ex-prefeito de Washington (Roger Chew Weightman), Tony Jannus interessou-se pela aviação ao assistir um show aéreo em Baltimore, em 1910, e assim, iniciou um curso de pilotagem no College Park Airport em Maryland. Junto com o irmão, que também fez o curso de pilotagem, tornou-se piloto de teste do construtor de aeronaves Thomas W. Benoist, no final do ano de 1911.

Em 1° de março de 1912, Jannus participou do voo, como piloto, do primeiro salto de paraquedas a partir de um avião (voo este registrado e documentado), quando o capitão do Exército dos Estados Unidos, Albert Berry, recebe os créditos pelo evento.

Em 1913, o piloto participou de alguns eventos aéreos como uma exposição patrocinada pelo The New York Times, uma corrida aérea e uma busca de resgate ao colega Albert Jewell, que desapareceu com o seu avião no sul de Long Island. Em uma das decolagens para esta busca, Jannus sofreu um acidente, mas saiu ileso do desastre.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

60[editar código-fonte]

Ludwik Idzikowski

Ludwik Idzikowski (Varsóvia, 24 de Agosto de 1891Guadalupe, Graciosa, 13 de Julho de 1929) foi um aviador polaco, pioneiro nas tentativas de atravessar o Atlântico entre a Europa e a América do Norte pelo ar. Faleceu durante a sua segunda tentativa de atravessar o Atlântico, quando o avião Amiot 123 de nome "Marszałek Piłsudski" em que voava na companhia do navegador Kazimierz Kubala, foi obrigado a fazer uma aterragem de emergência nas proximidades do lugar da Brasileira, freguesia do Guadalupe, ilha Graciosa, Açores.

A tentativa de travessia do Atlântico
A tentativa de voo transatlântico iniciou-se pelas 4:45 horas da madrugada de 3 de Agosto de 1928 com uma descolagem do aeroporto de Le Bourget, em um bombardeiro Amiot 123 preparado, nos arredores de Paris, dirigindo-se o avião directamente para oeste ao longo da costa norte da Península Ibérica. A primeira parte do voo decorreu sem incidentes, mas depois de percorridos cerca de 3 200 km e já sobre a região central do Atlântico Norte detectaram uma perda de óleo do motor, causada por uma fissura no tanque de óleo. Apesar de já estarem no meio do Atlântico, decidiram regressar para a costa europeia, já que estavam a voar contra o vento, o que lhe dificultaria atingir a costa norte-americana.

Depois de 31 horas de voo e já sem óleo, Idzikowski decidiu tentar uma amaragem de emergência junto a um navio que avistaram. A amaragem decorreu bem e foram recolhidos, pilotos e avião, pela tripulação do navio mercante alemão Samos, que navegava a cerca de 70 milhas náuticas a noroeste da cidade do Porto já próximo da costa da Galiza. O avião foi reenviado para o fabricante para reacondicionamento, ficando decidido que nova tentativa seria feita no Verão imediato.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

61[editar código-fonte]

William Boeing em 1929

William Edward Boeing (Detroit, 1 de outubro de 1881Seattle, 28 de setembro de 1956) foi um pioneiro da aviação estadunidense e fundador da Companhia Boeing.

História
William Edward Boeing nasceu na cidade de Detroit, no estado de Michigan, filho do alemão Wilhelm Böing rico empesário dos ramos de mineração e madeira e Marie Ortmann. Americanizou seu nome para "William Boeing" em 1900 após retornar da Suíça onde estudou. William E. Boeing ingressou na Universidade de Yale no mesmo ano. Em 1903 deixou a Universidade para dedicar-se ao negócio da madeira. Adquiriu extensas áreas de extração de madeira em torno de Grays Harbor no estado de Washington.

A paixão pelos aviões
Em 1909 na cidade de Seattle, durante a exposição Alaska-Yukon-Pacífico, viu pela primeira vez uma aeronave em voo. Ficou fascinado com o avião. Em 1916, Boeing entrou no negócio da aviação com o comandante de um esquadrão da marinha George Conrad Westervelt e fundaram a Pacific Aero Products. Compraram um hidroavião Martim e pesquisaram o seu projeto. Com o conhecimento e experiência assim adquiridos, projetaram seu primeiro avião: o B&W. Seu primeiro voo aconteceu em 29 de Junho de 1916. Este é considerado o primeiro voo de um Boeing.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

62[editar código-fonte]

Fokker em 1912

Anton Herman Gerard Fokker (Kediri, Java, 6 de Abril de 1890Nova Iorque, 23 de Dezembro de 1939) conhecido como holandês voador, foi um empresário dos Países Baixos, pioneiro da aviação e industrial do ramo aeronáutico.

Vida
Anthony Fokker nasceu nas Índias Orientais Neerlandesas - atual Indonésia - filho de Herman Fokker, um cafeicultor holandês.

Quatro anos depois sua família retornou para a Holanda e fixou-se em Haarlem a fim de proporcionar educação a Anthony e sua irmã Toos. Assim como seu pai, não era estudioso, mas interessado em modelos de trens e motores de vapor, e não completou o colegial.

Alemanha
Em 1910 Fokker foi enviado pelo pai para a Alemanha para estudar mecânica, mas seu interesse estava na aviação, levando-o a mudar de escola. Nesse mesmo ano Fokker construiu a sua primeira aeronave "de Spin" ( "aranha") que foi destruída pelos seus sócios devido a um choque com uma uma árvore. Conseguiu sua licença de piloto com o segundo Spin.

Retorno aos Países Baixos
Após o término da guerra, o Tratado de Versalhes proibiu Alemanha de fabricar aeronaves ou motores para aviões, e em 1919 Fokker retornou para os Países Baixos e criou a Nederlandse Vliegtuigenfabriek (Dutch Aircraft Factory), a antecessora da Fokker Aircraft Company.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

63[editar código-fonte]

Polikarpov c.1942

Nikolai Nikolaevich Polikarpov (✰ vila de Giorgievsk (atualmente Kalinina), 08 de junho de 1892; ✝ Moscou, 30 de julho de 1944), (em russo Никола́й Никола́евич Полика́рпов), foi um engenheiro aeronáutico Soviético, se consagrando como um dos melhores de sua época. Foi ele quem projetou os famosos caças I-5 I-15 "Chato", I-153 e I-16 "Mosca", além do bombardeiro leve R-5 "Rasante" e o avião multiuso Po-2. Contando-se todos os projetos de Polikarpov, ele pode ser, se não for, a pessoa que projetou aeronaves que sua produção somada ultrapassa a de qualquer outro projetista: I-5 (800 produzidos), I-15 (6500 produzidos), I-153 (3500 produzidos), I-16 (7000 produzidos, mais variante de treino de dois lugares: 1640), R-5 (7000 produzidos), Po-2 (40000 produzidos), que totaliza a incrível marca de mais de 66.000 aeronaves, isso sem contar projetos de menor importância.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

64[editar código-fonte]

Bartolomeo Cattaneo no Chile (1910)

Bartolomeo Cattaneo (Grosio, 30 de janeiro de 1883São Paulo, 3 de abril de 1949) foi o primeiro aviador italiano e o sexto no mundo a receber uma licença de piloto civil, primeiro a cruzar o Rio da Prata em uma aeronave e realizador do primeiro voo de aeronave em Porto Alegre.

Especializado em mecânica, foi contratado por Louis Blériot, como seu mecânico de confiança. Em 1903 participou com Santos Dumont das experiências com aeronaves mais pesadas que o ar. Seguiu seu mestre Blériot por diversas cidades europeias, na França, Rússia e Alemanha, até 1908.

Recebeu seu brevê em Pau, em janeiro de 1910, pilotando uma aeronave construída por Blériot, de quem tinha sido um aluno. Entretanto, mesmo antes de obter a patente de piloto já havia participado em numerosos concursos e recebido diversos prêmios em Reims, Lille, Blackpool e Lanhort. Em 1910, em particular, ganhou diversos prêmios importantes em concursos aeronáuticos, em Verona, em maio do mesmo ano, bateu o recorde de altitude, subindo até 1 670 m com um monoplano Blériot.

O acidente do piloto peruano Jorge Chávez, em setembro de 1910, logo após ter conseguido com sucesso atravessar pela primeira vez os Alpes com um avião, da Suiça para a Itália abalou a opinião pública mundial. Cattaneo, também participante da mesma prova, para honrar a memória de Chávez e reafirmar o futuro seguro da aviação, viajou para a América do Sul.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

65[editar código-fonte]

Retrato de data desconhecida de Gustave Whitehead

Gustave Albin Whitehead, nascido Gustav Albin Weisskopf (Leutershausen, Baviera, 1 de janeiro de 187410 de outubro de 1927) foi um imigrante alemão precursor da aviação nos Estados Unidos. Ele fez a maioria de seus trabalhos aeronáuticos no período entre 1895 e 1911, mas recebeu apenas uma atenção modesta. Em 1901 alguns jornais relataram que ele fez vários voos em Connecticut nesse ano, e ele reivindicou um voo muito mais extenso em 1902. A publicidade logo se esvaneceu quando ele se mostrou incapaz de repetir os feitos alegados. Seu nome e seu trabalho jaziam na obscuridade até que um artigo publicado numa revista em 1935, seguido de um livro, resgataram seu legado e iniciaram um vigoroso debate a respeito da primazia do voo em avião, o qual permanece até hoje.

Biografia
Weisskopf era o segundo filho de Karl Weisskopf e de sua mulher Babetta. Desde criança mostrou interesse no voo experimentando pipas, pelo que ganhou o apelido de "o voador". Ele e um amigo costumavam capturar e amarrar pássaros tentando aprender como eles voavam, uma atividade que a polícia logo proibiu. Os pais de Weisskopf morreram em 1886 e 1887, quando ele era garoto. Ele então se tornou mecânico e viajou para Hamburgo, onde em 1888, com tão somente 14 anos de idade, ele foi forçado a se juntar à tripulação de um navio mercante. Um ano depois, quando ele retornou à Alemanha, viajou com seus avós para o Brasil. Logo entrou na marinha onde fez várias viagens se familiarizando com o clima e ventos, sendo um grande observador das aves marinhas, que sempre o impressionaram por seu voo gracioso.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

66[editar código-fonte]

Coronel Stanisław Skarżyński

Stanisław Jakub Skarżyński (Warta, 1 de maio de 1899Mar do Norte, 26 de junho de 1942) foi um tenente-coronel da Força Aérea Polaca que se tornou famoso internacionalmente, por seu voo solo transatlântico do Senegal ao Brasil, em 1933.

Biografia
Skarżyński era o filho de Władysła Skarżyński e Wacława Kozłowski. De 1908 a 1914 ele frequentou a Escola de Economia de Kalisz, onde atuou em organizações estudantis para a independência da Polônia.

Nos anos de 1916 e 1917 foi membro da Organização Militar Polonesa, organização embrionária do exército polonês. E em novembro de 1918, como voluntário do recém criado exército polonês, comandou ações de desarmamento de soldados alemães na libertação da cidade de Warta.

A seguir, em 1919, lutou na Guerra Polaco-Soviética integrando o 29° Regimento de Fuzileiros - Kaniowskich, onde foi promovido a segundo-tenente. Nesse conflito foi baleado nas costas, mas após se recuperar, voltou para a frente de combate.

Travessia do Oceano Atlântico
Em maio de 1933, em um pequeno monomotor adaptado, RWD-5BIS (SP-AJU), iniciou a travessia do Oceano Atlântico, da costa oeste da África, Saint-Louis, Senegal, até Maceió, em Alagoas, Brasil.

O voo se iniciou às 23h00min do dia 7 de maio, e durou vinte horas (das quais dezessete horas e quinze minutos foram sobre o oceano). No total foram percorridos 3 582 km, na época um recorde de distância internacional para aviões particulares, Classe II (com peso vazio de 450 kg). Por este feito recebeu em 1936, da Federação Aeronáutica Internacional (FAI), a Medalha Louis Blériot, concedida pelo recorde de velocidade e vôo de longa distância por uma aeronave leve.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

67[editar código-fonte]

Najeeb Halaby

Najeeb Elias Halaby, Jr. (19 de Novembro de 1915 - 2 de Julho de 2003) foi um empresário americano, membro do governo dos Estados Unidos, famoso aviador e pai da antiga rainha Noor do Jordânia.

História
Halaby nasceu em Dallas, no Texas. O seu pai, Najeeb Elias Halaby, Sr., foi um cristão da Síria que emigrou para os Estados Unidos em 1891. O seu avô parte foi Elias Halaby, magistrado da Síria otomana, que também foi para os Estados Unidos em 1891. O pai de Halaby trabalhou na indústria do petróleo. Durante os anos 20, o seu pai abriu as galerias Halaby, uma boutique e loja de interiores em Neiman Marcus em Dallas, loja que geriu juntamente com a sua mulher. Algum tempo depois o seu pai faleceu.

Carreira
Tendo passado também pela Stanford University em 1937 e na Yale Law School em 1940, serviu na marinha americana como piloto de testes durante a segunda guerra mundial. No dia 1 de Maio de 1945, Halaby fez história ao realizar o primeiro voo a jato transcontinental da história dos EUA.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter

68[editar código-fonte]

Richard (Dick) Farman, 1920.

Richard Farman (Paris, 1872 ;  Paris, 31 de janeiro de 1940) foi um engenheiro aeronáutico, aviador francês, e o mais velho dos irmãos Farman, todos pioneiros da aviação. Ele ficou mais conhecido como Dick Farman.

Histórico
Nascido em Paris de pais ingleses, ele foi o mais velho de três irmãos. Juntamente com seus irmãos ele foram educados em casa e tiveram liberdade de seguir suas vocações e interesses pessoais. Com seu irmão Henri, que também teve formação em engenharia, ele criou a maior agência de automóveis de Paris, a Palais de l'Automobile, trabalhando com as marcas: Delauney-Bellevilles, Panhard-Levassors e Renault. Juntos eles escreveram a obra The Aviator's Companion publicada em 1910, descrevendo suas primeiras realizações na aviação.

Ele se tornou engenheiro elétrico e construiu os primeiros bondes da cidade do Rio de Janeiro. Ele foi o autor de vários trabalhos técnicos sobre motores, e também um aviador entre 1914 e 1918, tendo ocupado também o cargo de diretor de uma fábrica de aviões em Lyon.

Depois da Primeira Guerra Mundial, ele fundou a Avions H.M.D. Farman, também conhecida como Avions Farman, com seus dois irmãos mais novos: Henri e Maurice em Boulogne-Billancourt.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter