Luiz Fernando Pezão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Luís Fernando de Sousa)
Ir para: navegação, pesquisa
Luiz Fernando Pezão
Luiz Fernando Pezão em abril de 2014
62º Governador do Rio de Janeiro
Período 4 de abril de 2014
até a atualidade [nota 1]
Vice-governador Nenhum (2014-2015)
Francisco Dornelles (desde 2015)
Antecessor(a) Sérgio Cabral Filho
Vice-governador do Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2007
a 3 de abril de 2014
Governador Sérgio Cabral Filho
Antecessor(a) Luiz Paulo Conde
Sucessor(a) Francisco Dornelles
Secretário Estadual de Obras do Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2007
a 30 de março de 2010
Governador Sérgio Cabral Filho
6º Prefeito de Piraí
Período 1º de janeiro de 1997
a 1º de janeiro de 2005
Antecessor(a) Arthur Henrique Tutuca
Sucessor(a) Arthur Henrique Tutuca
Dados pessoais
Nome completo Luiz Fernando de Souza
Nascimento 29 de março de 1955 (62 anos)
Piraí, RJ, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Ecy Reis de Souza
Pai: Darcy de Souza
Cônjuge Maria Lúcia Cautiero Horta Jardim
Partido PMDB
Religião Católico
Profissão Economista
Político

Luiz Fernando de Souza (Piraí, 29 de março de 1955), mais conhecido como Luiz Fernando Pezão, é um economista e político brasileiro filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro e atual Governador do Estado do Rio de Janeiro.

É casado com a advogada Maria Lucia Cautiero Horta Jardim, a atual primeira dama do Rio de Janeiro e a presidente de honra do RioSolidário.[2]

Biografia

Formação acadêmica e ingresso na política

Natural do município de Piraí e formado em economia e administração de empresas[3] pela Universidade Estácio de Sá e ingressou na vida pública na década de 1980 ao ser eleito vereador por dois mandatos (1982-1988 e 1993-1996) e depois tornou-se prefeito de sua cidade natal por duas vezes (1996-2000 e 2001-2004).[4][5]

No secretariado estadual

Pezão foi nomeado subsecretário estadual de Governo e de Coordenação pela então governadora Rosinha Matheus em 2005[6], e assumiu a titularidade da pasta quando o então secretário Anthony Garotinho (marido da governadora e ex-governador) decidiu disputar pela segunda vez a Presidência da República.[7]

Como vice-governador

Eleito vice-governador do Rio de Janeiro na chapa de Sérgio Cabral Filho por dois mandatos (2007-2010 e 2011-2014), Pezão coordenou a recuperação das cidades da região serrana afetadas pelas chuvas e comandou os projetos Asfalto na Porta e Bairro Novo, que levaram melhorias urbanas tais como drenagem e pavimentação de ruas aos municípios do estado.

À frente da secretaria estadual de Obras, Pezão coordenou as principais obras do governo tais como as do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Complexo do Alemão, Manguinhos, Pavão-Pavãozinho/Cantagalo e Rocinha bem como a construção do Arco Metropolitano.

À frente do governo

Assumiu o cargo de governador do Rio de Janeiro após a renúncia, em 3 de abril de 2014, do então governador.

Foi eleito governador do Rio de Janeiro no 2º turno das eleições de 2014 com 4.343.298 votos com 55,78% dos válidos contra o senador Marcelo Crivella (PRB), que obteve 3.442.713 votos com 44,22% dos válidos.[8]

Operação Lava Jato

Ver artigo principal: Operação Lava Jato

Em março de 2015, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa citou, em depoimento de delação premiada, disse que o ex-governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), e Pezão teriam recebido 30 milhões de reais para caixa 2. Segundo Costa, Cabral seria um dos integrantes do esquema de corrupção que desviaria recursos da Petrobras. E pelo cargo que Pezão exerce de governador, o seu nome foi enviado pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) com a lista dos demais governadores suspeitos de envolvimento com a corrupção da estatal investigados pela Operação Lava Jato. Em setembro de 2015 a Polícia Federal pediu o arquivamento do inquérito.[9] O governador disse que teve "a vida virada do avesso" na investigação da PF na operação.[10] No mês seguinte, a Procuradoria-Geral da República pediu continuidade do inquérito contra Pezão e Cabral.[11] Em dezembro de 2015, o doleiro Alberto Youssef reafirmou que a campanha à reeleição de Cabral, que tinha Pezão como vice na chapa, recebeu 30 milhões de reais desviados de obras da estatal.[12] Pezão nega ter recebido repasses de Paulo Roberto Costa.[11]

Cassação

Deputados da bancada do PSOL protocolam pedido de impeachment do governador Luiz Fernando Pezão na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Em 8 de fevereiro de 2017, por 3 votos a 2 o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro cassou o mandato de Pezão e do seu vice Francisco Dornelles por abuso de poder econômico e político, e ambos tornaram-se inelegíveis por oito anos.[1] O desembargador eleitoral Marco Couto, um dos membros da Corte, disse em seu voto que restou comprovado que contratos administrativos milionários foram celebrados em troca de doação de campanha.[13] Além disto, a Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro afirma que foram omitidos gastos da ordem de 10 milhões de reais na última campanha de governador, em 2014.[14] A cassação não tem efeito imediato ainda cabendo recurso no Tribunal Superior Eleitoral.[14][15]

Origem do apelido

Luiz Fernando de Souza é mais conhecido como Pezão, pelo fato de calçar sapatos de número 47. O apelido, que ganhou na infância, foi incorporado ao seu nome político. “Tinha dificuldade quando era moleque. Eu achava o melhor sapato maior e botava no pé. Era uma tragédia. Eu estourava os meus sapatos. Nem sabia quanto calçava” “Eu era goleiro, e as pessoas falavam que eu agarrava com o pé. Diziam que era só eu abrir os pés que já fechava o gol”, diverte-se. “Nunca me importei com o apelido. Hoje, ninguém sabe quem é Luiz Fernando”.

Problemas de saúde pessoais

Pezão foi diagnosticado com linfoma não-hodgkin em 24 de março de 2016, um tipo de câncer raro que atinge o tecido ósseo.[16]

Restabelecimento

Após ciclos de quimioterapia, exames mostraram que Pezão estava curado do linfoma e o político pôde assim retomar seus trabalhos, mas ainda precisará ser acompanhado por cerca de 5 anos como toda pessoa que já teve câncer a fim de que se verifique se a doença não retornará.[17][18]

Notas

  1. Licenciado entre 28 de março e 31 de outubro de 2016, por motivos de saúde, e cassado pelo TRE-RJ, podendo recorrer da decisão no cargo.[1]

Referências

  1. a b «TRE-RJ cassa mandato da chapa do governador do RJ, Luiz Fernando Pezão». G1. Globo.com. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2016 
  2. Murilo Dieguez (7 de abril de 2014). «Maria Lucia Cautiero Horta Jardim. " Primeira-dama do Rio"». Folha da Manhã. Consultado em 24 de março de 2016 
  3. «LUIZ FERNANDO PEZÃO». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  4. «Luiz Fernando Pezão 15». Eleições 2014 
  5. «Luiz Fernando Pezão, ex-prefeito de Piraí, assume governo do RJ». G1. Globo.com. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  6. Sérgio Torres (26 de dezembro de 2005). Folha de S. Paulo, ed. «"Corrente" de apoio a Garotinho reúne 52 mil». Consultado em 14 de setembro de 2014 
  7. Sérgio Torres (3 de maio de 2006). Folha de S. Paulo, ed. «Tribunal investiga elo Rosinha-evangélicos». Consultado em 14 de setembro de 2014 
  8. «GOVERNADOR NO RJ». G1. 26 de outubro de 2014. Consultado em 24 de março de 2016 
  9. «PF pede para STJ arquivar inquérito de Pezão e Cabral na Lava Jato». G1. 10 de setembro de 2015. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  10. «'PF virou minha vida do avesso', diz Pezão sobre delação de Yousseff». G1. 11 de dezembro de 2015. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  11. a b «Lava Jato: PGR pede continuidade de inquérito sobre Pezão e Sérgio Cabral». Agência Brasil. EBC. 29 de janeiro de 2015. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  12. Leticia Cassado (10 de dezembro de 2015). «Youssef reafirma na Lava-Jato repasses para Sergio Cabral e Pezão». Valor Econômico. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  13. «TRE sobre Pezão: abuso de poder econômico e político». O Antagonista. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  14. a b «Chapa de Pezão e Dornelles é cassada». VEJA. Abril. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  15. «TRE-RJ cassa mandato de Pezão e determina novas eleições; cabe recurso». Uol. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  16. Marco Antônio Martins (24 de março de 2016). «Governador Pezão é diagnosticado com câncer linfático». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de março de 2016 
  17. Giselle Ouchana (29 de julho de 2016). «Pezão está curado do câncer, afirma médico». Extra. Consultado em 29 de julho de 2016 
  18. Alfredo Mergulhão (29 de julho de 2016). «Exames mostram que governador do Rio está curado do câncer». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de julho de 2016 

Ligações externas

Precedido por
Sergio Cabral Filho
Governador do Rio de Janeiro
2014 — atualidade
Sucedido por
Precedido por
Luiz Paulo Conde
Vice-governador do Rio de Janeiro
2007 — 2014
Sucedido por
Francisco Dornelles
Precedido por
Arthur Henrique Tutuca
Prefeito de Piraí
1997 — 2005
Sucedido por
Arthur Henrique Tutuca
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.