Marcio Rafael Ferreira de Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Rafinha
Rafinha
Rafinha em 2005
Informações pessoais
Nome completo Marcio Rafael Ferreira de Souza Cunha
Data de nasc. 7 de setembro de 1985 (30 anos)
Local de nasc. Londrina (PR), Brasil
Nacionalidade  brasileira
Alemanha alemã[1]
Altura 1,71 m
Destro
Apelido Rafinha
Informações profissionais
Clube atual Alemanha Bayern de Munique
Número 13
Posição Lateral-direito
Clubes de juventude
2001–2002
2002–2003
Brasil Londrina
Brasil Coritiba
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2003–2005
2005–2010
2010–2011
2011–
Brasil Coritiba
Alemanha Schalke 04
Itália Genoa
Alemanha Bayern de Munique
0037 000(3)
0198 00(11)
0037 000(2)
0161 000(3)
Seleção nacional3
2005
2008
2008–
Brasil Brasil Sub-20
Brasil Brasil Sub-23
Brasil Brasil
0008 000(2)
0008 000(0)
0002 000(0)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 19 de dezembro de 2015.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 5 de março de 2014.

Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Pequim 2008 Futebol

Marcio Rafael Ferreira de Souza, mais conhecido como Rafinha (Londrina, 7 de setembro de 1985) é um futebolista brasileiro que atua como lateral-direito. Atualmente, joga pelo Bayern de Munique.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Clubes da juventude[editar | editar código-fonte]

Rafinha começou a jogar futebol com apenas sete anos de idade, na escolinha de futsal do Grêmio Londrinense, clube da sua cidade natal, Londrina, no Paraná. Depois, com apenas 16 anos, defendeu o Londrina, time local, onde chamou atenção de grandes clubes do estado.

Coritiba[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Rafinha foi contratado pelo Coritiba e trabalhou com o técnico Antônio Lopes, contribuindo de imediato na conquista do Campeonato Paranaense daquele ano. Foi titular no Brasileirão de 2003, ajudando o time a classificar para a Copa Libertadores da América de 2004.

Mesmo não se destacando na competição continental, o Coritiba venceu novamente o Campeonato Paranaense. Até que em 2005 o lateral foi negociado com o Schalke 04 por 5 milhões de euros.[2]

Schalke 04[editar | editar código-fonte]

Acertou com o Schalke 04 por quatro anos. Logo em sua chegada ao clube alemão, Rafinha se tornou titular da posição, mesmo tendo características predominantemente ofensivas, algo não muito admirado para laterais na Alemanha.

Na temporada 2009-10 o lateral foi usado regularmente e ajudou o seu time a ser vice-campeão.[3]

Genoa[editar | editar código-fonte]

Na temporada 2010-11, transferiu-se ao Genoa. Revelou que seu treinador no Schalke, Felix Magath, aplicava uma disciplina quase militar nos treinamentos e a irritação deste com o comportamento descontraído dos jogadores brasileiros do elenco.[4]

Bayern de Munique[editar | editar código-fonte]

Em 1 de junho de 2011 foi contratado pelo Bayern de Munique por três temporadas.[5] Em dezembro de 2013 renovou seu vínculo até 2017.[6] Como reserva do capitão da equipe Philipp Lahm teve poucas oportunidades entre os titulares. Após a chegada do treinador Pep Guardiola em 2013, Lahm passou a atuar em outra posição e Rafinha passou a jogar com regularidade na lateral direita.[7]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Estreou pela Seleção Brasileira principal em 26 de março de 2008 em partida amistosa ante a Suécia. No mesmo ano a defendeu nos Jogos Olímpicos de Verão de 2008 quando a equipe conquistou a medalha de bronze.

Convocado para primeiros jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2018 - América do Sul, solicitou sua dispensa. Em comunicado de 23 de setembro de 2015 explicou sua decisão: "porque não me vejo disputando uma vaga pela lateral, e não porque estou trocando o Brasil pela Alemanha", contrariando a versão dada pela Confederação Brasileira de Futebol, sobre uma suposta intenção sua de defender a Seleção Alemã.[8]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

De origem humilde, Rafinha foi criado pela mãe juntamente com seis irmãos.[9] É casado com Carolina e é pai de duas filhas.[10] Após a conquista pelo Bayern do Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2013, recebeu o título de Cidadão Benemérito de sua cidade natal concedido pela Câmara Municipal de Londrina.[11]

Em julho de 2015 entrou com pedido de cidadania alemã,[12] recebendo seu passaporte em dezembro.[1]

Estatíticas[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2008 1 0
2014 1 0
Total 2 0

Expanda a caixa de informações para conferir todos os jogos deste jogador, pela sua seleção nacional.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Coritiba
Bayern de Munique

Referências

  1. a b "Rafinha erhält deutschen Pass" (em alemão). Sport1. 8 de dezembro de 2015. 
  2. "Schalke contrata brasileiro Rafinha" (em português). 23 de Agosto de 2005. 
  3. "Rafinha, do Schalke, ainda acredita no título alemão". 06 de Março de 2010. 
  4. "Agora no Genoa, Rafinha critica o método 'militar' do técnico do Schalke". Globo Esporte. 11 de agosto de 2010. 
  5. "Bayern sign Rafinha from Genoa" (em inglês). UEFA. 2 de junho de 2011. 
  6. "Rafinha extends stay with Bayern through 2017" (em inglês). Sítio oficial FC Bayern. 19 de dezembro de 2013. 
  7. "Rafinha lembra "concorrência desleal" com Lahm e elogia capitão do Bayern". Sportv. 11 de junho de 2015. 
  8. "Rafinha rebate CBF e explica motivo de pedir dispensa da seleção". UOL. 23 de setembro de 2015. 
  9. "Rafinha lateral do Bayern de Munique mostra um pouco da vida na Alemanha". R7. 26 de maio de 2012. 
  10. "Rafinha, jogador do Bayern, recebe Cidadania Benemérita na Câmara Municipal de Londrina". O Diário. 23 de dezembro de 2013. 
  11. "Jogador do Bayern de Munique recebe título de cidadão benemérito de Londrina". Jornal de Londrina. 24 de dezembro de 2013. 
  12. "Rafinha will Deutscher werden" (em alemão). Süddeutsche Zeitung. 21 de julho de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]