Estrela-Guia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estrela-guia (telenovela))
Ir para: navegação, pesquisa
Estrela-Guia
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 45 minutos
Criador(es) Ana Maria Moretzsohn
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Denise Saraceni
Carlos Araújo
Elenco
Tema de abertura "Imagine", RPM
Empresa(s) de produção Rede Globo
Localização Estúdios Globo, Rio de Janeiro
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 12 de março16 de junho de 2001
N.º de episódios 83

Estrela-Guia[1] é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 18 horas, entre 12 de março e 16 de junho de 2001, em 83 capítulos, substituindo O Cravo e a Rosa e sendo substituída por A Padroeira. Foi a 58ª "novela das seis" exibida pela emissora. Estrela-Guia bateu recordes de audiência e se tornou uma das tramas mais bem-sucedidas do horário.[2][3] Foi escrita por Ana Maria Moretzsohn, com colaboração de Daisy Chaves, Izabel de Oliveira, Fernando Rebello e Patrícia Moretzsohn, tendo direção de Denise Saraceni, Carlos Araújo e Ulysses Cruz, direção geral de Denise Saraceni e Carlos Araújo, com direção de núcleo de Denise Saraceni.[4] A emissora cogitou reexibir Estrela-Guia em 2004, porém, desistiu após Sandy & Junior não renovarem seu contrato como atores da casa.[5] Estrela-Guia ficou conhecida como "a novela da Sandy" e os figurinos da personagem dela, ao estilo "new hippie", fizeram moda naquele ano.[6][2]

Contou com Sandy, Guilherme Fontes, Rodrigo Santoro, Carolina Ferraz, Thaís Fersoza, Fernanda Rodrigues, Sérgio Marone, Thiago Fragoso e Lília Cabral nos papéis centrais.

Produção[editar | editar código-fonte]

"Eu precisava de uma menina de cerca de 17 anos, bonita, com ar de inocência, que tivesse carisma e principalmente que cantasse muito bem, porque era essa a minha história."

— A autora Ana Maria Moretzsohn sobre escolher Sandy para interpretar Cristal.[7]

Em 2000, a Rede Globo decidiu testar um formato diferente para as "novelas das seis", – faixa até então ocupada por histórias de época ou dramas contemporâneos de cunho mais sério – buscando atrair o público jovem, que esvaia para outros programas e atividades após o final de cada capítulo de Malhação, aprovando a trama juvenil de Ana Maria Moretzsohn.[6] Na época, Walcyr Carrasco já escrevia a sucessora par ao horário, A Padroeira, que estrearia em junho de 2001, tendo Ana Maria a missão de escrever uma trama sucinta de apenas três meses, apelidada de "novela de verão" pela direção, não tendo a opção de estiramentos, tanto pela agenda atribulada na música de Sandy, quanto pela produção em andamento da próxima novela.[6] A boa recepção da audiência – a maior desde História de Amor – fez com que a emissora aprovasse, após o fim de Estrela Guia, outras tramas voltadas ao público jovem, como Coração de Estudante e Agora É que São Elas.[6]

A autora inspirou-se em diversos filmes do imaginário adolescente entre as décadas de 1950 e 1980 para escrever a telenovela, incluindo Hair (1979), de onde veio inspiração para o núcleo hippie e do personagem que sai do interior para a cidade grande; Papai Pernilongo (1955), no qual inspirou-se para escrever sobre o rapaz que apadrinha uma jovem órfã; e Presente de Grego (1987), referência para a história sobre se tornar guardião de uma jovem da qual não se lembrava da existência.[2] A fictícia cidade de Arco da Aliança, onde parte da trama se passa, foi inspirada na comunidade alternativa Frater Unidade, em Pirenópolis, em Goiás.[2] Segundo a autora, toda a história foi escrita especialmente para que Sandy protagonizasse, uma vez que ela gostaria que a cantora apresentasse ao público uma imagem diferente do seriado Sandy & Junior, longe do humor e mais próximo aos romances hollywoodianos.[2] Para dar vida à personagem Cristal, Sandy aprendeu a cantar mantras e também teve que desacelerar o ritmo de sua fala e respiração.[8]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Bob (Marcos Winter) é um corretor da Bolsa de Valores que abandona tudo e vai para os Estados Unidos em busca de uma comunidade hippie sobre a qual leu, se casando com Catherine (Maitê Proença) e dando a luz a Cristal. De volta ao Brasil, ele procura seu melhor amigo, Tony (Guilherme Fontes), um rapaz de apenas 18 anos que tem uma carreira promissora na Bolsa, e pede que ele seja padrinho da pequena. Bob compra uma grande fazenda no interior de Goiás, onde funda a comunidade hippie Jagatah – "Universo" em sânscrito –, onde predomina o altruísmo e a harmonia com a natureza, além da ausência de dinheiro esupérfluos, acolhendo diversas pessoas que compartilham dos mesmos ideais. Após 17 anos, Cristal (Sandy) se tornou uma moça bela e de bom coração, que desperta o interesse do motoqueiro mau-caráter Charles (Rodrigo Santoro), sendo a única capaz de despertar seu lado bom, embora ela não corresponda a paixão. Ele é filho do fazendeiro Alaor (Sérgio Mamberti), o homem mais poderoso das redondezas e que não permite maldades com os hippies, embora sua mulher, Daphne (Lilia Cabral), não seja tão convalescente.

A perua descobre que nas terras de Jagatah há uma mina de pedras preciosas que multiplicaria seu dinheiro e conta com a ajuda de seu capataz e amante Ignário (Floriano Peixoto) para tentar expulsa-los de lá e fazer com que lhe vendam o local. Após um misterioso incêndio que tira a vida de seus pais, Cristal fica órfã e se vê obrigada a ir morar no Rio de Janeiro com seu padrinho – apesar da posição contra de Su-Sukham (Mônica Torres), que teme que a garota seja ludibriada pela cidade grande e manipulada a vender as terras, acabando com a comunidade. Tony, agora com 35 anos, descobre com Cristal um inesperado e puro amor, que terá que passar por diversas provações para florescer. O rapaz era noivo da inescrupulosa Vanessa (Carolina Ferraz), que será capaz de tudo para separar os dois, até mesmo formar uma aliança com Carlota (Rosamaria Murtinho), mãe de Tony e que também não vê com bom olhos o romance. Além disso, Cristal também se torna alvo de Guilherme (Gabriel Braga Nunes), dono de uma produtora que acha o jeito da jovem único e seus mantras originais, acreditando que ela poderá lucrar milhões explorando sua imagem.

Paralelamente há a história de Santiago (Sérgio Marone), um rapaz misterioso que chega em Jagatah buscando reclusão, mas que na verdade esconde o fato de ter um estranho dom de conseguir curar as pessoas, vivendo um romance com Sukhi (Fernanda Rodrigues). Quem descobre a verdade é Lalá (Christine Fernandes), que p ameaça e o faz utilizar esse dom para ganhar dinheiro. A rebelde Gisela (Thaís Fersoza) também se apaixona por Santiago e, assim como a mãe Vanessa, não mede esforços para conquistar o rapaz. Já Bernardo (Thiago Fragoso) sempre teve todas as meninas que quis e não consegue aceitar o fato de Cristal não se interessar por ele. Essa dificuldade em lidar com rejeição vem do fato do rapaz ter sido abandonado pela mãe aos cinco anos, que foi embora e deixou-o seu pai, Mauro (Tarcísio Filho).

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Sandy Cristal Hanumam
Guilherme Fontes Antônio Salles (Tony)
Rodrigo Santoro Carlos Charles Pimenta
Carolina Ferraz Vanessa Rios
Thaís Fersoza Gisela Rios
Fernanda Rodrigues Sukhi Sukham
Sérgio Marone Santiago / Fernando Ribeiro
Thiago Fragoso Bernardo Lima
Lília Cabral Daphne Pimenta (Daf)
Sérgio Mamberti Alaor Pimenta
Rosamaria Murtinho Carlota Salles
Floriano Peixoto Inácio
Junior Lima José Carlos Oliveira (Zeca)
Christine Fernandes Lara Gouveia (Lalá)
Gabriel Braga Nunes Guilherme Nunes
Nelson Xavier Purunam Sukham
Mônica Torres Su-Sukham
Tarcísio Filho Mauro Lima
Graziella Moretto Heloísa Castro Lima
Nizo Neto Elesbão
Ana Carbatti Dominique Cruz
Lucinha Lins Lucrécia Espíndola
Evandro Mesquita André Teixeira
Isabela Garcia Luciana Teixeira
Maurício Gonçalves Michael Brooks
Irving São Paulo Humberto
Oberdan Júnior Rafael Curi
Marcelo Freitas Diogo
Natália Barreto Priscila Lima
Thiago de Los Reyes João Lima
Alexandre Barbalho Felício
Maria Pompeu Nenzinha
Cida Moreyra Castorina dos Santos
Flávia Bonato Maria Aparecida Barreto (Cida)
Miguel Magno Romeu
Jorge Botelho Rogê
Lucy Mafra Tânia
Renata Bravin Maria Teixeira
Netinho Alves Daniel Salles

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Marcos Winter Paulo Roberto Macedo (Bob) / Hanumam
Maitê Proença Catherine McAdams / Kalinda
Cláudia Ohana Glorinha
Marcos Pasquim Edmilson
Daniele Suzuki Bianca
Ana Beatriz Nogueira Esperança

Audiência[editar | editar código-fonte]

A estreia da novela marcou 37 pontos com picos de 43, representando sete a mais que o primeiro capítulo da antecessora.[9][10] Durante sua exibição, a trama manteve um bom acumulado, chegando a atingir uma máxima de 37 pontos e uma mínima de 25. Seu último capítulo marcou 31 pontos.[11] A média geral de "Estrela-Guia" foi de 30,9 pontos, atingindo quase dois pontos acima da meta estipulada pela emissora.[12] No geral, foi a novela de maior audiência em seis anos, desde História de Amor, em 1995.[13]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Foi uma das trilhas sonoras mais vendidas de todos os tempos entre os CDs de trilhas sonoras de novelas da emissora.[6] A música incidental da novela foi de autoria de Tomaz Lima, conhecido pelo nome artístico de Homem de Bem. O CD, "Mantras e Bhajans de Estrela-Guia", lançado pela Som Livre, encontra-se esgotado.[carece de fontes?] Tomaz Lima ensinou Sandy a cantar mantras.[carece de fontes?]

Várias músicas da trilha sonora estiveram em trilhas sonoras de outras obras: "Enrosca" esteve em 1976, na trilha da novela Locomotivas, como tema da personagem Patrícia, na versão de Guilherme Lamounier. "Oye como Va", em 1994, foi tema romântico dos personagens Pessoa e Adrenalina, em Tropicaliente, também por Santana. "Vieste", em 1993, foi tema de Lucas (Leonardo Vieira), em Sonho Meu, na versão de Ivan Lins.

Nacional e internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: logotipo da novela

  1. "Imagine" - RPM
  2. "Por Um Triz" - Lulo Scroback
  3. "Just The Way You Are" - Barry White
  4. "Cristal" - Ithamara Koorax
  5. "Enrosca" - Sandy & Junior
  6. "Oye Como Va" - Santana
  7. "Quase Nada" - Zeca Baleiro
  8. "Rebelião" - Skank
  9. "Um Girassol da Cor do Seu Cabelo" - Claudia Ohana
  10. "Father and Son" - Cat Stevens
  11. "Pout-Pourri: Bailão de Peão / Na Aba do Meu Chapéu" - Chitãozinho e Xororó
  12. "Vieste" - Lenine
  13. "Vâmo Embolando" - Banda Beijo
  14. "Lá Em Mauá" - P. O. Box
  15. "Amor de Índio" - Roupa Nova
  16. "Retiens La Nuit" - Johnny Hallyday
  17. "Vem para Mim (Run to Me)" - 6L6
  18. "Como Nossos Pais" - Elis Regina

Mantras e Bhajans - Tomaz Lima (Homem de Bem)[editar | editar código-fonte]

  1. Estrela-guia
  2. Hari Om
  3. Bhaja Sri Krishna
  4. Paz, Amor e Harmonia
  5. Alegria
  6. Gurudeva
  7. Espírito e Natureza
  8. Tu És Minha Vida
  9. Jaya Ganesha
  10. Os Quatro Elementos
  11. Canção do Swami Ram Tirtha
  12. Guru Sharanam
  13. Amrita
  14. Madana Mohana Murari

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Kids’ Choice
    • Atriz Favorita: Sandy
    • Ator Favorito: Rodrigo Santoro

Referências

  1. Memória Globo. «Estrela-Guia». Consultado em 25 de janeiro de 2014. 
  2. a b c d e Último capítulo de 'Estrela-Guia', a novela da Sandy, foi ao ar há 16 anos Folha de S. Paulo
  3. Laura Mattos (20 de maio de 2001). «Sandy vai transar e ter um bebê». Folha de S. Paulo. Consultado em 26 de novembro de 2016. 
  4. XAVIER, Nilson. «Estrela Guia - Teledramaturgia». Consultado em 25 de janeiro de 2014. 
  5. «Por Sandy, Globo suspende Estrela Guia». Folha de S.Paulo. 30 de novembro de 2003. Consultado em 1 de julho de 2010. 
  6. a b c d e João Paulo Reis (17 de maio de 2017). «Relembre 'Estrela-Guia', a novela da Sandy». Observatório da Televisão. UOL 
  7. Globo e Sandy se presenteiam em 'Estrela-Guia' Cláudia Croitor (2001). Folha de S.Paulo
  8. Sandy diz que está preparada para receber críticas Terra
  9. Fábio Dobbs (12 de março de 2001). «Estrela-Guia estréia com 37 de média na audiência». Babado. Consultado em 21 de novembro de 2012. 
  10. «"O Cravo e a Rosa" estréia com 30 pontos». 27 de junho de 2000. Consultado em 30 de março de 2015. 
  11. «"Estrela-Guia" termina com ibope menor que o da antecessora». Folha Ilustrada. 15 de junho de 2001. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  12. Ricardo Feltrin (18 de setembro de 2008). «Ibope de novelas desaba na Globo; veja a queda». UOL. Consultado em 21 de novembro de 2012. 
  13. Daniel Castro (16 de abril de 2001). «"Estrela-Guia" tem o maior ibope de novela das seis desde 95». Folha Ilustrada. Consultado em 26 de julho de 2015.