Partido Republicano da Ordem Social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de PROS)
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde julho de 2017)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Partido Republicano da Ordem Social
Número eleitoral 90
Presidente Eurípedes de Macedo Júnior
Fundação 04 de janeiro de 2010 (7 anos)
Registro 24 de setembro de 2013 (4 anos)[1]
Sede Brasília
Ideologia Republicanismo
Nacionalismo
Partido pega-tudo
Espectro político Centro-direita
Membros  (2017) 90 839[2]
Deputados federais (2014)[3]
5 / 513
Cores      Azul

     Laranja

Página oficial
pros.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Partido Republicano da Ordem Social (PROS) é um partido político do Brasil fundado em 4 de janeiro de 2010, mas que obteve seu registro definitivo pelo TSE apenas em 24 de setembro de 2013.[4][5] Seu número eleitoral é o 90 e suas cores são o azul e o laranja.[6] O atual presidente do PROS é Eurípedes de Macedo Júnior.[5] No início de outubro de 2013 foi anunciado que o então governador do Ceará, Cid Gomes e seu irmão, Ciro Gomes, se filiariam ao novo partido.[7] Nas eleições de 2014, o PROS compôs a coligação "Com A Força do Povo", que reelegeu a presidente Dilma Rousseff e na maioria dos estados apoiou candidatos a governador cujos partidos nacionalmente são da base do governo federal.[8] Com a saída de Ciro Gomes do grupo, o partido aos poucos se consolida como sendo de centro e centro-direita, reunindo muitos movimentos, como defensores do Republicanismo, a Christian Right e adeptos ao nacionalismo. Entretanto, ainda se mantém a favor do estado,[9] aliando-se ao PT, PMDB[10] e participando em intervenções em aplicativos e redes sociais, como a proibição do aplicativo Waze.[11][12]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Tendo como uma das bandeiras a Reforma tributária, o principal objetivo do partido é o de diminuir impostos sem afetar a capacidade de atuação do Estado[carece de fontes?]; o grupo se considera de centro e de Centro-Direita,[13][14] mas na prática defende ideias e reúne lideranças que podem ser qualificadas como de direita.

O Partido Republicano da Ordem Social (PROS) diz-se focado em ações políticas voltadas para a solução dos "grandes problemas nacionais"[carece de fontes?] e se posiciona desta forma:

Quanto às drogas: O uso de drogas tira o sossego das famílias, causa intranquilidade na saúde e na segurança pública. O PROS trabalhará para que a ação do Estado seja ampliada nas áreas de prevenção, tratamento, acolhimento, recuperação e reinserção social dos usuários, ao mesmo tempo em que promove repressão ao tráfico de drogas.[carece de fontes?]

Quanto a Segurança: O PROS defende o "resgate da segurança para devolver ao Brasil o sentimento de paz nas ruas, mediante a garantia dos direitos fundamentais de ir e vir, liberdade e integridade física e moral sem a ameaça ou lesão dos indivíduos ou ao seu patrimônio."[carece de fontes?]

Quanto a Mobilidade Urbana: O PROS compromete-se a estimular a "integração da estrutura urbana com a vida, o trabalho e a mobilidade dos indivíduos de forma digna, rápida, confortável, segura e econômica. O partido deseja levar às cidades brasileiras uma rede de transporte público multimodal, integrado e menos poluente."[carece de fontes?] Entretanto, o partido, de forma polêmica, vem propondo a extinção do aplicativo Waze, que distribuiria melhor o trânsito. A proibição do aplicativo já foi contestada por diversos grupos de economistas tanto de esquerda quanto de direita.[15]

Quanto ao Desenvolvimento Tecnológico: O PROS apoia o desenvolvimento tecnológico brasileiro estimulando o intercâmbio com países com capital intelectual tecnológico. Os novos conhecimentos poderiam ser utilizados para o progresso da educação no país e aperfeiçoamento de mão de obra, o que poderia gerar um maior desenvolvimento político, econômico e social no Brasil.[carece de fontes?]

Quanto a Desburocratização do Estado: Possibilitar uma reforma administrativa brasileira para promover o desenvolvimento de carreiras dos servidores públicos é um objetivo do PROS, bem também como estimular a meritocracia com o enfrentamento da subutilização de capital humano. Com isso, o PROS deseja disponibilizar maior desempenho na execução de serviços de manutenção e fortalecimento do Estado com reflexo para maior agilidade e comodidade para atendimento aos brasileiros.[carece de fontes?]

Eleições de 2014[editar | editar código-fonte]

As primeiras eleições do PROS foram as eleições gerais de 2014, nas quais votou-se o presidente da república, os governadores, os senadores, os deputados federais e os deputados estaduais. Na votação para presidente e vice-presidente, o PROS apoiou a reeleição Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB), respectivamente. No primeiro turno, a chamada Coligação com a Força do Povo foi formada também pelo PSD, pelo PP, pelo PR, pelo PRB, pelo PDT e pelo PCdoB, totalizando 9 partidos.[8]

Nas eleições estaduais, o PROS lançou poucos candidatos a governadores, senadores (e suplentes), pois em quase todos os estados fez parte de coligações grandes, em que os partidos negociam entre si os cargos da chapa. O PROS só saiu sozinho (chapa pura) no estado da Paraíba, porém, lá, quase não disputou o cargo de senador, pois a candidata e os seus suplentes (Leila Fonseca, Zinho e Hélder Vieira) tiveram suas candidaturas indeferidas pelo TSE por problemas nas documentações (regularizadas após substituição feita pelo partido - Lindinalva Farias entrou no lugar de Hélder Vieira). No entanto, os candidatos a governador e a vice na Paraíba (Major Fábio e Olavo Filho) tiveram suas candidaturas aceitas e participaram normalmente da disputa. Nos outros estados, nem todos os candidatos do PROS a esses cargos tiveram já suas candidaturas avaliadas pelo TSE, mas a maioria foi aceita. No Amapá, a candidata do PROS a 1a suplente ao senado (Cleidineide Batista) renunciou. No total, o PROS ainda tem 3 candidatos para cada um desses cargos (governador, vice, senador, suplentes 1os e 2os), que ou já foram deferidos ou foram ainda avaliados.[8]

Candidatos a governadores pelo PROS

  • AM - José Melo (coligação Fazendo Mais por Nossa Gente - 16 partidos; o vice é do SD)
  • PB - Major Fábio (chapa pura)
  • TO - Ataídes Oliveira (coligação Reage Tocantins - 7 partidos; o vice é do PTN)

Candidatos a vice-governadores pelo PROS

  • CE - Izolda (coligação Para o Ceará Seguir Mudando - 18 partidos; o titular é do PT)
  • PB - Olavo Filho (chapa pura)
  • PR - Cida Borghetti (coligação Todos Pelo Paraná - 17 partidos; o titular é do PSDB)

Candidatos a senadores pelo PROS

  • CE - Mauro Filho (coligação Para o Ceará Seguir Mudando - 18 partidos)
  • PB - Professora Leila Fonseca (chapa pura)
  • RJ - Liliam Sá (coligação Trabalhista e Republicana - 3 partidos)
  • TO - Sargento Aragão (coligação Reage Tocantins - 7 partidos)

Candidatos a 1os suplentes de senadores pelo PROS

  • MG - Professora Maria Inês (coligação Minas pra Você - 5 partidos; o titular é do PMDB)
  • PB - Sargento Lindinalva Farias (chapa pura)
  • PI - José Amauri (coligação A Vitória com a Força do Povo - 8 partidos; o titular é do PTB)
  • RJ - Comandante Noberto (coligação Trabalhista e Republicana - 3 partidos; o titular é do PROS)

Candidatos a 2os suplentes de senadores pelo PROS

  • CE - Honório Pinheiro (coligação Para o Ceará Seguir Mudando - 18 partidos; o titular é do PROS)
  • PB - Zinho (chapa pura)
  • RJ - Fernando William Ferreira (coligação Trabalhista e Republicana - 3 partidos; o titular é do PROS)
  • TO - Mauro Zani (coligação Reage Tocantins - 7 partidos; o titular é do PROS)

Apesar de ter poucos candidatos a governador pela própria sigla, o PROS estava em todas as 27 unidades federativas apoiando algum candidato ao cargo. A maioria desses candidatos (21) eram de partidos que estavam apoiando a presidente Dilma, sendo oito do PT (AC, CE, DF, MG, MS, MT, PI e RS), seis do PMDB (AL, ES, PA, RN, SE e SP), dois do PR (RJ e PR), um do PSD (SC), um do PCdoB (MA) e três do próprio PROS (AM, PB e TO). O PROS apoia também quatro candidatos de partidos que nacionalmente apoiam a candidatura de Aécio Neves (PSDB) à presidência: dois do PSDB (GO e PR), um do PTdoB (AP) e um do DEM (BA). Os outros dois candidatos a governadores apoiados pelo PROS, em Pernambuco e em Roraima, são do PSB (da ex-candidata a presidente Marina Silva).[8]

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2014 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB 54 495 459 51,64

Referências

  1. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  2. Tribunal Superior Eleitoral (maio de 2017). «Filiados». Consultado em 8 de maio de 2017 
  3. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  4. "Partido Republicano da Ordem Social consegue registro no TSE". Tribunal Superior Eleitoral. Site oficial
  5. a b Apesar de suspeitas, TSE aprova a criação de mais 2 partidos políticos no país - Folha de S.Paulo, 24 de setembro de 2013
  6. «Eleições / Estatísticas / Filiados». TSE. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  7. Pernambuco, Diario de (30 de setembro de 2013). «Cid Gomes anunciará saída do PSB e filiação ao PROS» 
  8. a b c d «TSE - Estatísticas Eleitorais 2014». TSE. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  9. «Pros defende voto contra o impeachment e deputado do Rede muda posição» 
  10. Marília, Giro. «Relator quer anular processo para cassar Eduardo Cunha - Notícias sobre brasil - Giro Marília Notícias». Giro Marília 
  11. Digital, Olhar. «Projeto que pode proibir Waze no Brasil é aprovado em comissão da Câmara». Olhar Digital - O futuro passa primeiro aqui 
  12. «Comissão da Câmara aprova PL que pode proibir função do Waze no Brasil - Link - Estadão» 
  13. Partido nanico diz ter conseguido assinaturas e pede registro no TSE - Jornal de Londrina, 25 de maio de 2013
  14. TSE deve aprovar registro de partido da “Ordem Social” - Diário de Goiás, 28 de agosto de 2013
  15. «Comissão da Câmara aprova projeto para proibir Waze - VEJA.com» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]