Penedo (Alagoas)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Penedo
  Município do Brasil  
Penedo - Alagoas.jpg
Símbolos
Bandeira de Penedo
Bandeira
Brasão de armas de Penedo
Brasão de armas
Hino
Gentílico penedense
Localização
Localização de Penedo em Alagoas
Localização de Penedo em Alagoas
Penedo está localizado em: Brasil
Penedo
Localização de Penedo no Brasil
Mapa de Penedo
Coordenadas 10° 17' 24" S 36° 35' 09" O
País Brasil
Unidade federativa Alagoas
Municípios limítrofes Coruripe, Teotônio Vilela, São Sebastião, Igreja Nova, Feliz Deserto e Piaçabuçu.
Distância até a capital 160 km
História
Fundação 1535 ou 1560
Emancipação 18 de abril de 1842 (elevada de povoado à condição de cidade[1])
Administração
Prefeito(a) Ronaldo Pereira Lopes[2] (MDB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [3] 689,269 km²
População total (estimativa IBGE/2021[4]) 64 005 hab.
Densidade 92,9 hab./km²
Clima tropical úmido
Altitude 27 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,63 médio
PIB (IBGE/2016[6]) R$ 848 811,03 mil
PIB per capita (IBGE/2016[6]) R$ 13 202,44

Penedo é um município brasileiro do estado de Alagoas localizado ao sul do estado, às margens do Rio São Francisco, na divisa com o estado de Sergipe.[7] Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2021, era de 64 005 habitantes.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Penedo, anos 1930. Arquivo Nacional

O nome Penedo originou-se de a grande pedra. O povoado, fundado por Duarte Coelho de Albuquerque (filho de Duarte Coelho Pereira), das principais cidades históricas do Brasil, foi elevado a vila de São Francisco em 1636 e em fins do século XIX passou a ser denominada Penedo do Rio São Francisco. Sua arquitetura atrai turistas de numerosas origens. A Igreja de Santa Maria dos Anjos é uma das obras primas mais visitadas.

Entretanto, os historiadores alagoanos discordam quanto a sua origem. Uns dizem que a criação do povoado está relacionada a Duarte Coelho Pereira, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco. Os que discordam, afirmam que o responsável foi Duarte Coelho de Albuquerque, segundo donatário da Capitania, que herdou do pai. Entre os que defendem essa hipótese está Craveiro Costa, para quem a conquista de Alagoas começou em 1560. Duarte Coelho de Albuquerque organizou duas bandeiras, uma com destino ao norte de Olinda e outra para o sul. A bandeira que se dirigiu ao sul, à qual se incorporaram o próprio Duarte Coelho de Albuquerque e seu irmão, atingiu o rio São Francisco entre 1560 e 1565 e teria dado origem ao povoado.

A primeira sesmaria registrada na região data de 1596; outras foram distribuídas e, a partir de 1613, na sesmaria recebida por Cristóvão da Rocha, acredita-se ter sido fundado oficialmente o povoado.


Economia e turismo[editar | editar código-fonte]

Altar-mor da Igreja de Nossa Senhora da Corrente

Sua principal fonte de renda provem da atividade primária, com o coco, o arroz, a pesca e a cana-de-açúcar.

A cidade de Penedo foi incluída como um dos sete destinos turísticos pelo fórum mundial de turismo de 2005 do Movimento Brasil de Turismo e Cultura (MBTC). O MBTC, é uma iniciativa de ação contínua, que tem como missão estimular o desenvolvimento local sustentável através do turismo e da valorização da cultura. As ações e iniciativas do forum são identificadas pela marca destinations. E como dito a cidade do Penedo foi lançada como um destes destinos turísticos.

Merece especial atenção na cidade a Fundação Casa do Penedo, fundada em 1992, tem por objetivo a preservação da memória da cidade, em especial do seu patrimônio artístico e cultural. A Fundação Casa do Penedo, em sua sede própria - na rua João Pessoa 126 -, tem uma biblioteca e hemeroteca especializadas, um arquivo iconográfico e documental informatizado. Mantém exposição permanente contando a história do Penedo; divulga e relança obras, incentiva manifestações artísticas em todas as suas formas, com Biblioteca com mais de 20 mil títulos, acervo fotográfico Augusto Malta. Sala Barão do Penedo (painéis fotográficos e objetos pessoais), Sala Elísio de Carvalho (fotos e obras literárias), Sala dos Artistas (originais e réplicas de esculturas de artistas penedenses), Auditório Valdir Batinga (capacidade 50 pessoas, nas paredes reproduções de jornais), Sala Dom Pedro II (registros fotográficos e pictóricos das duas passagens de D. Pedro), Sala da Cidade (galeria com políticos penedenses além de visitantes ilustres), Sala de Exposições Transitórias - para celebrar fatos históricos e acontecimentos culturais.

Penedo já foi sede de um dos maiores eventos cinematográficos brasileiro, o Festival de Cinema que reunia artistas brasileiros renomados. É uma cidade essencialmente católica e de povo acolhedor.

Patrimônio histórico[editar | editar código-fonte]

Vista do Centro Histórico de Penedo

O Centro Histórico do Penedo foi tombado em 1996 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.[8] A cidade também tem parte de seu patrimônio histórico preservado, com destaque para o Paço Imperial, hospedagem de Dom Pedro II em 1859, onde estão expostas porcelanas, mobiliário e objetos que contam parte da história da cidade e do Brasil. O ilustre visitante, segundo conta o imaginário popular, teria dito que "o local é muito bonito e creio que deveria estar aqui a capital da Província".[9]

Outras edificações de destaque são a Igreja Nossa Senhora da Corrente, a Igreja e o Convento de Nossa Senhora dos Anjos, do século XVIII, com detalhes barrocos; e a Igreja de São Gonçalo Garcia. A cultura ribeirinha, expressa pela localização da cidade às margens do Rio São Francisco, também é encontrada nos casarios e ruas de Penedo.[9] Sua principal fonte de renda vem da atividade primária.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

Penedo conta com 8 bairros, sendo 3 banhados pelo Rio São Francisco: o Centro, o Senhor do Bonfim e o Santo Antônio.

  • Centro
  • Senhor do Bonfim
  • Santo Antônio
  • Santa Luzia
  • Santa Izabel
  • Raimundo Marinho
  • Dom Constantino
  • Vila Matias

Povoados[editar | editar código-fonte]

  • Tabuleiro dos Negros
  • Sítio Nazário (Embrapa)
  • Cerquinha das Laranjas
  • Campo Redondo
  • Ponta Mofina
  • Ilha das Canas
  • Marizeiro
  • Itaporanga
  • Tapera
  • Campo Grande
  • Santa Margarida
  • Santa Amélia
  • Ilha do Jegue
  • Cooperativa 1
  • Cooperativa 2
  • Conrado
  • Pescoço
  • Imbira
  • Marituba do Peixe
  • Marituba de Cima
  • Capela
  • Riacho do Pedro
  • Murici
  • Peixoto
  • Ponta da Vargem
  • Marcação
  • Manimbu
  • Taquari
  • Prosperidade
  • Palmeira-Alta
  • Gulandim

Penedenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Penedo». IBGE Cidades. Consultado em 21 de janeiro de 2022 
  2. «Candidatos a vereador Penedo-AL». Estadão. Consultado em 13 de junho de 2021 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. a b «Estimativa populacional 2021 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2021. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística http://www.ibge.gov.br/estatistica-novoportal/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?t=destaques&c=2706703. Consultado em 30 de dezembro de 2018  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  7. «Penedo, em Alagoas, atrai amantes de história e turistas religiosos - Guia de Viagem - UOL Viagem». UOL Viagem. Consultado em 10 de maio de 2016 
  8. Institutuo do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional, (IPHAN). «Conjuntos urbanos tombados». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 9 de fevereiro de 2021 
  9. a b «Cidade de Penedo (AL) é uma das mais antigas do Brasil» [ligação inativa] - Via Brasil, 3 de abril de 2010 (visitado em 9-4-2010)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]