Mercedes-Benz Grand Prix Limited

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mercedes-AMG Motorsport)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alemanha Mercedes
Logotipo da Mercedes-AMG Petronas Motorsport.png
Nome completo Mercedes-AMG Petronas Formula One Team
Sede Brackley, Northamptonshire, Reino Unido[1]
(chassi)
Brixworth, Northamptonshire, Reino Unido
(motor)
Chefe de equipe Toto Wolff
(diretor executivo e chefe de equipe)
Andy Cowell
(DE, Powertrains)
Diretor técnico James Allison
Site oficial www.mercedesamgf1.com www.mercedes-amg-hpp.com
Nome anterior Brawn GP
Temporada de Fórmula 1 de 2020
Pilotos 44. Reino Unido Lewis Hamilton[2]
77. Finlândia Valtteri Bottas[3]
Pilotos de teste Bélgica Stoffel Vandoorne[4]
México Esteban Gutiérrez[4]
Chassis F1 W11 EQ Performance[5]
Motor Mercedes
Pneus Pirelli
Combustível Petronas Primax
Histórico na Fórmula 1
Estreia Grande Prêmio da França de 1954
Último GP Grande Prêmio de Abu Dhabi de 2019
Grandes Prêmios 210[6]
Campeã de construtores 6 (2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019)
Campeã de pilotos 8 (1954, 1955, 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019)
Vitórias 102[6]
Pódios 211[6]
Pole Position 111[6]
Voltas rápidas 75[6]
Pontos 5 112[6]
Posição no último campeonato
(2019)
1º (739 pontos)

A Mercedes-Benz Grand Prix Limited, competindo como Mercedes-AMG Petronas Formula One Team, é uma equipe alemã de automobilismo com sede em Brackley, Northamptonshire. A Mercedes-Benz competiu no Campeonato Europeu pré-Segunda Guerra Mundial vencendo três títulos e estreou na Fórmula 1 em 1954, após vencer sua corrida de estreia, no GP da França de 1954, o piloto Juan Manuel Fangio ganhou mais três Grandes Prêmios e conquistou o Campeonato de Pilotos de 1954 e repetiu esse sucesso na temporada de 1955. A equipe também é conhecida pelo apelido "Flechas de Prata".

No entanto, apesar de ter vencido dois Campeonatos de Pilotos (o Campeonato de Construtores não era disputado na época), a Mercedes-Benz se retirou do automobilismo devido a tragédia ocorrida nas 24 Horas de Le Mans em 1955, e não retornou à Fórmula 1 até 1994, quando se uniu como fornecedor de motores em parceria com a Ilmor, uma empresa britânica independente de engenharia automobilística de alto desempenho, posteriormente a Mercedes adquiriu 25% da Ilmor no decorrer daquele ano. A montadora alemã retornou para a categoria como equipe própria somente na temporada de 2010, quando após quinze anos de parceria com a McLaren, a Mercedes (através da sua proprietária Daimler), em parceria com a Aabar Investments, chegou a um acordo, em 16 de novembro de 2009, para adquirir uma participação de 75,1% (Daimler: 45,1%; Aabar: 30%) da então Brawn GP,[7][8] que acabara de conquistar o mundial de construtores e piloto em 2009, sua única temporada.[9] Ross Brawn foi mantido em suas funções como chefe de equipe e a equipe manteve sua base e força de trabalho em Brackley, perto da fábrica de motores de Fórmula 1 da Mercedes-Benz (anteriormente Ilmor Engineering) em Brixworth.[10] Antes do início da temporada de 2011, em fevereiro, a Daimler e a Aabar compraram os 24,9% restantes pertencentes à gerência da equipe.[11] Em janeiro de 2013, Toto Wolff se tornou diretor executivo da equipe Mercedes,[12] além de ingressar na equipe como sócio-gerente,[13] ele também adquiriu 30% da Mercedes-Benz Grand Prix Ltd. Atualmente, a Daimler detém 60% das ações da equipe, com seu diretor esportivo e chefe de equipe, Toto Wolff, controlando 30% e a família Lauda, os demais 10% (que estão previstos para serem devolvidos a Daimler em 2020).[14][15][16]

A Mercedes se tornou uma das equipes mais bem sucedidas da história da Fórmula 1, tendo conquistado consecutivos campeonatos de pilotos e construtores entre 2014 e 2018. Em 2014, a Mercedes conseguiu onze dobradinhas batendo o recorde de dez da McLaren em 1988, no ano seguinte, conquistou os dois primeiros lugares no pódio em doze corridas. A Mercedes também acumulou dezesseis vitórias nas temporadas de 2014 e de 2015, quebrando os recordes da McLaren (1988) e da Ferrari (2002, 2004) com quinze. Em 2016, eles aumentaram esse recorde para dezenove vitórias. Além de sua equipe de fábrica, a Mercedes atualmente fornece motores para a Racing Point Force India e a Williams. Como fornecedora de motores, a fabricante conquistou mais de 160 vitórias e está classificada em quarto lugar na história da Fórmula 1. Seis Campeonatos de Construtores e dez de Pilotos foram ganhos com motores Mercedes-Benz.

História[editar | editar código-fonte]

Brawn GP[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Brawn GP

Em 2008 com a Crise Econômica Mundial a escuderia japonesa Honda deixou a Fórmula 1, consequentemente, Ross Brawn assumiu a equipe no sistema "management buy-out", criando então a Brawn GP. Os pilotos para a temporada 2009 foram os mesmos da antiga equipe, Rubens Barrichello e Jenson Button.

Durante a temporada de 2009, a Brawn conquistou os títulos de pilotos (Jenson Button) e construtores da Fórmula 1, utilizando os motores Mercedes. Fato que chamou a atenção da montadora.

Mercedes GP[editar | editar código-fonte]

Em 16 de novembro de 2009, a montadora alemã Mercedes-Benz anunciou a venda da sua parte da equipe McLaren e a compra da Brawn GP, passando a se chamar Mercedes GP a partir de 2010.[17] Apesar da venda das ações que detinha da McLaren, a Mercedes vai continuar fornecendo motores para a escuderia por mais seis anos.[18]

Em 23 de novembro de 2009 a equipe anunciou a contratação do piloto alemão Nico Rosberg, para a temporada de 2010.[19] Em 23 de dezembro de 2009, o heptacampeão Michael Schumacher foi oficialmente anunciado como piloto da construtora chefiada por Ross Brawn. Schumacher havia anunciado sua aposentadoria ao final da temporada 2006. Seu retorno, ao lado do conterrâneo Nico Rosberg, é visto com grandes expectativas pela comunidade automobilística.

Após duas temporadas de resultados medianos, a Mercedes conquistou a pole position[20] e logo em seguida a vitória no Grande Prêmio da China de 2012 que foi conquistado por Nico Rosberg, que foi as primeiras da equipe desde do Grande Prêmio da Itália de 1955 com Juan Manuel Fangio.

Em 2014, dominou a primeira temporada da era dos motores híbridos, ganhando um recorde de 16 de 19 corridas e conquistaram o primeiro título de construtores (o Campeonato de Construtores foi concedido desde 1958) e de pilotos com Lewis Hamilton desde 1955 com Juan Manuel Fangio.

Em 2015, Hamilton levou a Mercedes a um segundo campeonato consecutivo, a equipe mais uma vez venceu em 16 das 19 rodadas do ano, desta vez batendo seu próprio recorde de 2014.

Em 2016, a supremacia das equipes atinge novas alturas, já que eles ganham 19 de 21 rodadas e levou ao terceiro título, ambos seguidos. Desta vez, no entanto, é Nico Rosberg que se consagrou como campeão de pilotos depois de um luta titânica com Hamilton ao longo da temporada, já que ambos disputaram do campeonato em 2014 a 2016, uma disputa era caseira na Mercedes (Hamilton X Rosberg). Logo depois de conquistar o título, Nico Rosberg anunciou sua aposentadoria imediata das corridas da Fórmula 1.

Pilotos[editar | editar código-fonte]

Nota: O campeonato de construtores só passou a ser disputado em 1958.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Títulos Mundiais de Pilotos[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
5 Reino Unido Lewis Hamilton 2014, 2015, 2017, 2018, 2019
2 Argentina Juan Manuel Fangio 1954, 1955
1 Alemanha Nico Rosberg 2016

Títulos Mundiais de Construtores[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Pilotos Temporadas
6 Reino Unido Lewis Hamilton 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019
3 Alemanha Nico Rosberg 2014, 2015, 2016
Finlândia Valtteri Bottas 2017, 2018, 2019

Resultados[editar | editar código-fonte]

(legenda) (resultados em negrito indicam pole position; resultados em itálico indicam volta mais rápida)

Ano Chassi Motor Pneu Piloto 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 Pontos Pos.
1954 W196 Mercedes-Benz S8 C ARG
Argentina
500
Estados Unidos
BEL
Bélgica
FRA
França
GBR
Reino Unido
GER
Alemanha
SUI
Suíça
ITA
Itália
ESP
Espanha
Argentina Juan Manuel Fangio * * 1 4 1 1 1 3
Alemanha Karl Kling 2 7 4 Ret Ret 5
Alemanha Hans Herrmann Ret Ret 3 4 Ret
Alemanha Hermann Lang Ret
1955 W196 Mercedes-Benz S8 C ARG
Argentina
MON
Mónaco
500
Estados Unidos
BEL
Bélgica
FRA
França
GBR
Reino Unido
ITA
Itália
Argentina Juan Manuel Fangio 1 Ret 1 1 2 1
Alemanha Karl Kling 4 Ret Ret 3 Ret
Alemanha Hans Herrmann 4 AT
Reino Unido Stirling Moss 4 9 2 2 1 Ret
França André Simon Ret
Itália Piero Taruffi 4 2
1956 – 2009: A Mercedes não participou como equipe.
2010 MGP W01 Mercedes FO 108X B BHR
Bahrein
AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
ESP
Espanha
MON
Mónaco
TUR
Turquia
EUR
União Europeia
CAN
Canadá
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
COR
Coreia do Sul
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
214
Alemanha Michael Schumacher 6 10 Ret 10 4 12 4 11 15 9 9 11 7 9 13 6 4 7 Ret
Alemanha Nico Rosberg 5 5 3 3 13 7 5 6 10 3 8 Ret 6 5 5 17* Ret 6 4
2011 MGP W02 Mercedes FO 108Y P AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
TUR
Turquia
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
EUR
União Europeia
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
COR
Coreia do Sul
IND
Índia
ABU
=Emirados Árabes Unidos
BRA
Brasil
165
Alemanha Michael Schumacher Ret 9 8 12 6 Ret 4 17 9 8 Ret 5 5 Ret 6 Ret 5 7 15
Alemanha Nico Rosberg Ret 12 5 5 7 11 11 7 6 7 9 6 Ret 7 10 8 6 6 7
2012 MGP W03 Mercedes FO 108Z P AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
BHR
Bahrein
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
EUR
União Europeia
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
COR
Coreia do Sul
IND
Índia
ABU
=Emirados Árabes Unidos
EUA
Estados Unidos
BRA
Brasil
142
Alemanha Michael Schumacher Ret 10 Ret 10 Ret Ret Ret 3 7 7 Ret 7 6 Ret 11 13 22 11 12 7
Alemanha Nico Rosberg 12 13 1 5 7 2 6 6 15 10 10 11 7 5 Ret Ret 11 Ret 13 15
2013 MGP W04 Mercedes FO 108F P AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
BHR
Bahrein
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
COR
Coreia do Sul
IND
Índia
ABU
=Emirados Árabes Unidos
EUA
Estados Unidos
BRA
Brasil
360
Alemanha Nico Rosberg Ret 4 Ret 9 6 1 5 1 9 Ret 4 6 4 8 7 2 3 9 5
Reino Unido Lewis Hamilton 5 3 3 5 12 4 3 4 5 1 3 9 5 Ret 5 6 7 4 9
2014 Mercedes F1 W05 Mercedes PU106A Hybrid P AUS
Austrália
MAL
Malásia
BHR
Bahrein
CHN
China
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
RUS
Rússia
EUA
Estados Unidos
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
701
Alemanha Nico Rosberg 1 2 2 2 2 1 2 1 Ret 1 4 2 2 Ret 2 2 2 1 14
Reino Unido Lewis Hamilton Ret 1 1 1 1 2 Ret 2 1 3 3 Ret 1 1 1 1 1 2 1
2015 Mercedes F1 W06 Mercedes PU106B Hybrid P AUS
Austrália
MAL
Malásia
CHN
China
BHR
Bahrein
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
JAP
Japão
RUS
Rússia
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
703
Alemanha Nico Rosberg 2 3 2 3 1 1 2 1 2 8 2 17† 4 2 Ret 2 1 1 1
Reino Unido Lewis Hamilton 1 2 1 1 2 3 1 2 1 6 1 1 Ret 1 1 1 2 2 2
2016 Mercedes F1 W07 Mercedes PU106B Hybrid P AUS
Austrália
BHR
Bahrein
CHN
China
RUS
Rússia
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
EUR
União Europeia
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
HUN
Hungria
ALE
Alemanha
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
MAL
Malásia
JAP
Japão
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
765
Alemanha Nico Rosberg 1 1 1 1 Ret 7 5 1 4 3 2 4 1 1 1 3 1 2 2 2 2
Reino Unido Lewis Hamilton 2 3 7 2 Ret 1 1 5 1 1 1 1 3 2 3 Ret 3 1 1 1 1
2017 F1 W08 EQ Power+ Mercedes M08 EQ Power+ Hybrid P AUS
Austrália
CHN
China
BHR
Bahrein
RUS
Rússia
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
AZE
Azerbaijão
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
MAL
Malásia
JAP
Japão
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
668
Reino Unido Lewis Hamilton 2 1 2 4 1 7 1 5 4 1 4 1 1 1 2 1 1 5 4 2
Finlândia Valtteri Bottas 3 6 3 1 DNF 4 2 2 1 2 3 5 2 3 5 4 5 2 2 1
2018 F1 W09 EQ Power+ Mercedes M09 EQ Power+ Hybrid P AUS
Austrália
BHR
Bahrein
CHN
China
AZE
Azerbaijão
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
FRA
França
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
RUS
Rússia
JAP
Japão
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
655
Reino Unido Lewis Hamilton 2 3 4 1 1 3 5 1 Ret 2 1 1 2 1 1 1 1 3 4 1 1
Finlândia Valtteri Bottas 8 2 2 14 2 5 2 7 Ret 4 2 5 4 3 4 2 2 5 5 5 5
2019 F1 W10 EQ Power+ Mercedes M10 EQ Power+ Hybrid P AUS
Austrália
BHR
Bahrein
CHN
China
AZE
Azerbaijão
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
FRA
França
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
ALE
Alemanha
HUN
Hungria
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
RUS
Rússia
JAP
Japão
MEX
México
EUA
Estados Unidos
BRA
Brasil
ABU
=Emirados Árabes Unidos
612*
Reino Unido Lewis Hamilton 2 1 1 2 1 1 1 1 5 1 9 1 2 3 4 1 3
Finlândia Valtteri Bottas 1 2 2 1 2 3 4 2 3 2 Ret 8 3 2 5 2 1
2020 F1 W11 EQ Power+ Mercedes M11 EQ Power+ Hybrid P AUS BHR VIE NED ESP MON AZE CAN FRA AUT GBR HUN BEL ITA SIN RUS JAP EUA MEX BRA ABU °
Reino Unido Lewis Hamilton
Finlândia Valtteri Bottas

Negrito – Pole

Itálico – Melhor volta

Ret = Não completou a prova.

* = Classificado pois completou 90% ou mais da prova.

  • *: Fangio Disputou os Grandes Prêmios da Argentina e da Bélgica pela Maserati

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Brackley». Mercedes-AMG Petronas Motorsport. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  2. «Lewis Hamilton: Mercedes driver agrees £40m-a-year deal until 2020». BBC Sport (em inglês). 19 de julho de 2018. Consultado em 19 de julho de 2018 
  3. «Mercedes retain Bottas alongside Hamilton for 2020». formula1.com. 29 de agosto de 2019. Consultado em 2 de janeiro de 2020 
  4. a b Khorounzhiy, Valentin. «Ex-McLaren driver Vandoorne gets Mercedes F1 reserve driver role». Autosport.com (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  5. «F1: Mercedes define data de lançamento do carro de 2020; confira». motorsport.uol.com.br. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  6. a b c d e f «Mercedes». STATS F1. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  7. «Mercedes takes over Brawn F1 team». BBC. Consultado em 22 de dezembro de 2009 
  8. Straw, Edd (16 de novembro de 2009). «Mercedes takes over Brawn». Autosport.com. Haymarket Media. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  9. «Mercedes takes over Brawn». Autosport.com. Consultado em 22 de dezembro de 2009 
  10. «Mercedes-Benz to take over Brawn GP». The Guardian. Guardian News and Media. 16 de novembro de 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  11. Noble, Jonathan (28 de fevereiro de 2011). «Daimler completes team takeover». Autosport. Haymarket Publications. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  12. «F1: Mercedes AMG Formula 1 team shareholder Toto Wolff embarks on new role». F1SA. 28 de janeiro de 2013. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  13. Sylt, Christian. «Meet The Man Who Steers Lewis Hamilton To Victory». Forbes (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  14. «Diretor executivo Toto Wolff troca Williams por Mercedes». Motorsport.com. Consultado em 23 de abril de 2018 
  15. «Mercedes amplia contratos de Toto Wolff e Niki Lauda até 2020». Portal Terra. Consultado em 23 de abril de 2018 
  16. «F1 – Família vai devolver ações de Lauda à Mercedes». autoracing.com.br. Consultado em 3 de fevereiro de 2020 
  17. Mercedes compra Brawn GP e vende a sua parte da McLaren UOL Esporte.
  18. Mercedes vende sua parte na McLaren e compra equipe Brawn GP Folha Online.
  19. Mercedes anuncia contratação de Nico Rosberg UOL Notícias.
  20. «Rosberg faz primeira pole da carreira no GP da China; Massa larga em 12º». UOL Esporte 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Mercedes-Benz Grand Prix Limited