Ignácio de Loyola Brandão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ignacio de Loyola Brandão)
Ir para: navegação, pesquisa
Ignacio de Loyola Brandão
Nome completo Ignácio de Loyola Lopes Brandão[1]
Data de nascimento 31 de julho de 1936 (79 anos)
Local de nascimento Araraquara
Nacionalidade  brasileiro
Magnum opus Não Verás País Nenhum
Zero
Bebel que a Cidade Comeu
Prémios Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (1975, 1987)

Jabuti (2008), por O Menino Que Vendia Palavras
Prêmio Machado de Assis (2016)

Página oficial IgnacioDeLoyolaBrandao.com

Ignácio de Loyola Lopes Brandão (Araraquara, 31 de julho de 1936) é um contista, romancista e jornalista brasileiro[1] .

Filho de um ferroviário, seu primeiro trabalho informal de jornalismo foi em uma crítica de cinema no jornal A Folha Ferroviária, em 1952[1] mas, desde pequeno, Loyola sonhava conquistar o mundo com sua literatura; se não, pelo menos voltar vitorioso para sua cidade natal. Sua carreira começou em 1965 com o lançamento de Depois do Sol, livro de contos no qual o autor já se mostrava um observador curioso da vida na cidade grande, bem como de seus personagens. Trabalhou como editor da Revista Planeta entre 1972 e 1976.[2]

Dono de um "realismo feroz", segundo Antonio Candido, seu romance Zero foi publicado inicialmente em tradução italiana. Quando saiu no Brasil, em 1975, foi proibido pela censura, que só o liberou em 1979.[1]

Em 2005, virou cronista do jornal "O Estado de S. Paulo"[1] . Em 2008, o romance O Menino que Vendia Palavras, publicado pela editora Objetiva, ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano.[1] [3] Em 2016 foi agraciado pela Academia Brasileira de Letras com o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra.[4]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Contos[editar | editar código-fonte]

  • Depois do sol (1965)
  • Cadeiras proibidas (1976)
  • Obscenidades para uma dona de casa (1981)
  • Cabeças de segunda-feira (1983)
  • O homem do furo na mão (1987)
  • O homem que odiava segunda-feira (1999)
  • Pega ele, Silêncio (1976)

Obras Escritas[editar | editar código-fonte]

  • Não verás país nenhum (1981)
  • A rua de nomes no ar (1988)
  • Manifesto Verde (1989)
  • Strip-tease de Gilda (1995)
  • Sonhando com o demônio (1998)
  • Calcinhas secretas (2003)

Romances[editar | editar código-fonte]

Infanto-juvenis[editar | editar código-fonte]

  • Cães danados (1977). Reescrito e publicado como O menino que não teve medo do medo (1995).
  • O homem que espalhou o deserto (1989)
  • O segredo da nuvem (2006)
  • O Menino que Vendia Palavras (2008)
  • O Menino que Perguntava (2011)

Viagens[editar | editar código-fonte]

  • Cuba de Fidel: viagem à ilha proibida (1978)
  • O verde violentou o muro (1984)

Biografias[editar | editar código-fonte]

  • Fleming, descobridor da penicilina (1973)
  • Edison, o inventor da lâmpada (1973)
  • Ignácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus (1974)
  • Ruth Cardoso - Fragmentos de uma Vida (2010)

Relatos autobiográficos[editar | editar código-fonte]

  • Veia bailarina (1997)
  • A morena da estação (2010)

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • A última viagem de Borges (2005)

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ignacio de Loyola Brandão

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.