Luís Alonso Pérez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Alonso Pérez
Nascimento 1 de março de 1922
Santos
Morte 15 de junho de 1972 (50 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação futebolista, treinador de futebol

Luís Alonso Perez, mais conhecido como Lula, (Santos, 1 de março de 1922São Paulo, 15 de Junho de 1972)[1] foi treinador do clube de futebol Santos de 1954 a 1966. Embora nunca tivesse sido um grande jogador, Lula sabia identificar um craque e tinha sensibilidade para enquadrar os jogadores no elenco Foi o técnico mais vitorioso do santos.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Luís Alonso Perez, o Lula, atuava no Departamento Amador da Portuguesa Santista quando o vice-presidente do Santos Futebol Clube, Aristóteles Ferreira, convidou-o em 1954 para se tornar técnico. Comandou a equipe em 949 jogos, um recorde até hoje, com 771 vitórias. Sob sua atuação, o alvinegro da Vila Belmiro alcançou as maiores glórias, projetando o futebol brasileiro para todo o mundo. Deixou o clube praiano supostamente depois de um desentendimento com Pelé, boato nunca confirmado. Pouco valorizado nessa época (diziam que ele jogava as camisas para o ar no vestiário e os jogadores que as pegassem, jogavam), foi o responsável pelo lançamento de vários craques, tais como os ídolos santistas Pagão, Pepe, Coutinho, Pelé, Clodoaldo, Del Vecchio, entre outros. Treinou o Corinthians em 1968. Trabalhou ainda na Portuguesa de Desportos e no Santo André. No Corinthians não conseguiu títulos, mas foi o técnico do time no jogo histórico em 1968, quando a equipe de Parque São Jorge venceu o Santos no Campeonato Paulista por 2x0, depois de 11 anos sem conseguir uma vitória sobre a equipe da Vila Belmiro (em campeonatos paulista).[2]

É o treinador que conquistou o maior número de campeonatos paulistas: sagrou-se campeão em oito oportunidades, de 1955 a 1965, todas pelo Santos Futebol Clube. Em seguida aparece Oswaldo Brandão, com sete títulos.[3]

Após a oficialização pela CBF da Taça Brasil como título brasileiro, Lula é agora oficialmente o único treinador que foi pentacampeão brasileiro contínuo, superando o tricampeonato de Muricy Ramalho. Lula conquistou 38 títulos no Santos F.C., até hoje um recorde mundial, sendo 8 vezes campeão paulista, 5 vezes campeão brasileiro, 2 vezes campeão sul-americano (Libertadores de América) e 2 vezes campeão intercontinental. É comum no meio futebolístico a frase associada à Lula, sobre seu trabalho no Santos: O homem que só precisava jogar as camisas para o alto, numa referência à qualidade da equipe, algo contestado por profissionais do meio.[1][4]

Lula foi uma personalidade ímpar no comando técnico do Santos, conheceu o mundo, grandes autoridades e muitas celebridades durante as inúmeras excursões do clube pelos quatro cantos do planeta. A amizade entre Lula e o grande pintor espanhol Pablo Picasso foi marcante, tendo sido presenteado pelo artista com várias pinturas e desenhos além dos que Lula possuía em sua coleção, havia uma admiração mútua entre os dois mestres.

Lula morreu jovem, aos 50 anos, em 15 de junho de 1972, depois de complicações em decorrência de um transplante de rim no Hospital das Clínicas. Deixou viúva a Sra. Yvete Simões Alonso e três filhos, Luís Alonso, Marcos Tadeu Alonso e Leonor Maria Alonso.

Títulos[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b «Lula: 35 anos sem o supercampeão». Globo Esporte. Consultado em 13 de maio de 2019 
  2. «Corinthians 2x0 Santos». Globo Esporte - Futpédia. Consultado em 13 de maio de 2019 
  3. «Luiz Alonso Peres, o Lula». Acervo Santos. Consultado em 13 de maio de 2019 
  4. «Pepe fala sobre ataque dos sonhos do Santos e 'culpa' Lula por sucesso do quinteto». Torcedores. Consultado em 13 de maio de 2019