Economia de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Economia de São Paulo
Ficha técnica
Participação no PIB nacional 32,1% (2013) [1]
PIB R$ 2.000.110 milhões (2016) <http://www.seade.gov.br/produtos/pib-trimestral-analise/>
PIB per capita R$ 44.599 (2016) [1]
Composição do PIB
Agropecuária 2,0% (2009) [2]
Indústria 29,0% (2009) [2]
Serviços 69,0% (2009) [2]
Atividades econômicas
Exportações (US$ 38 bilhões): veículos e peças (17,2%), aviões, helicópteros e aeropeças (11,6%), outros produtos agroindustriais (soja, carnes, café, papel - 10%), açúcar e álcool (7,8%), metalmecânico (7%), suco de laranja (5,2%), eletrônica e telecomunicações (4,1%), miscelânea (31,8%) - 2005.
Importações (US$ 30,5 bilhões): petróleo e derivados (8,4%), bens de informática (7,8%), aeropeças (4,9%), veículos e peças (4,3%), metalmecânico (3%), medicamentos (2,1%), miscelânea (63,3%) - 2005.
Energia elétrica
Geração 56.756 GWh (2004)
Consumo 85.193 GWh (2004)
Telecomunicações
Telefonia fixa 13,4 milhões de linhas (maio/2006)
Celulares 22,7 milhões (abril/2006)

São Paulo é o estado mais rico do Brasil, com o maior PIB entre os estados brasileiros e o segundo PIB per capita da Federação, sendo assim um dos mais importantes polos econômicos do continente americano.

Em 2014, seu PIB foi de R$ 1,858 trilhões, ou 32,2% do PIB nacional.[3]

Possui uma economia diversificada, composta por indústrias metal-mecânica, sucroalcooleira, têxtil, química, automobilística, aeronáutica e de informática, bem como pelos setores de serviços, financeiro e agropecuário.

A arrecadação de ICMS de São Paulo é a maior do país. Em 2012 foi de R$ 109 103 539 mil ou 33,4% de toda a arrecadação dos estados brasileiros. A receita bruta do estado gerou algo em torno de 550 bilhões de dólares na paridade de poder de compra.

São Paulo oferece uma boa infraestrutura logística para investimentos, devido às boas condições e extensão de sua malha rodoviária, bem como por sua infraestrutura hidroviária, portuária e aeroportuária. A interligação dessas malhas permite um eficiente sistema de transporte multimodal.

A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo, em setembro de 2010, tornou-se a segunda maior bolsa de valores do mundo, em valor de mercado.[4]

Apesar de continuar a crescer economicamente, o estado de São Paulo vem perdendo parte de sua participação no PIB nacional devido, evidentemente, ao desenvolvimento dos outros estados. Em 1990 o estado respondia por 37,3% do produto interno bruto do Brasil. Em 2008, a participação na produção total de bens e serviços do país foi de 33,1%.[5] Em 2009, a participação foi de 33,5%, caindo novamente para 33,1% em 2010 e 32,1% em 2013 e subindo para 32.2% em 2014.[3]

São Paulo é responsável por 28,6% dos produtos industrializados fabricados no Brasil. A participação no PIB industrial nacional reduziu desde 2010, quando era responsável por 32,1% do total. Em relação ao PIB do estado, a indústria responde por 22,9%. [6]

Indústrias[editar | editar código-fonte]

A indústria é a principal característica da economia paulista. Depois da crise de 1929, em Nova Iorque, o café deu lugar às indústrias, que fizeram São Paulo permanecer na liderança da indústria nacional até hoje. O estado supera a produção industrial do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e a do Rio Grande do Sul. Seus principais polos industriais são:

Embraer E-190, jato desenvolvido pela empresa Embraer que está sediada em São José dos Campos.
Destaca-se, ainda, por abrigar um novo polo automotivo no Estado de São Paulo, composto pela Hyundai e demais indústrias envolvidas na produção do HB20, veículo lançado pela montadora para o mercado brasileiro. Dentre as empresas que localizam-se nessa região destacam-se Caterpillar, Dedini, NG e Arcellor Mital.

Agropecuária[editar | editar código-fonte]

Laranjal na cidade paulista de Avaré.

O estado de São Paulo é uma das unidades federativas do Brasil que mais contribui para a produção agropecuária do país. Em 2009, contribuiu com 9% de toda a atividade nacional no setor. O estado é, isoladamente, o maior produtor de suco de laranja e de frutas. Em 2010, contribuiu com 77% de toda a produção nacional de laranja e 58% da produção de cana-de-açúcar.[9]

São Paulo possui 190 mil km² de área plantada e pastagens. É o nono maior produtor de soja e o quarto maior produtor de café.[10]

Na pecuária, o estado também se destaca sendo responsável por 16% das aves de corte, 9% do rebanho de bovinos e 7% dos suínos do país.[11]

Energia[editar | editar código-fonte]

O estado de São Paulo, sendo o mais industrializado estado da federação, é o maior produtor e também consumidor de energia nacional.[carece de fontes?] São Paulo possui mais usinas hidrelétricas do que qualquer outro estado, contando também com uma usina termoelétrica, conhecidas também por serem as maiores da América Latina.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Pode-se considerar que a história econômica paulista começa com o ciclo do café iniciado na segunda metade do século XIX (durante o período da Primeira Republica o estado também teve uma relevante expansão industrial). Este ciclo do café perdura até a crise da bolsa de valores de Nova Iorque em 1929. A decadência da cafeicultura provoca a transferência do capital para a indústria, que pôde desenvolver-se apoiada no mercado consumidor e na mão-de-obra disponível no estado. Esta primeira fase da industrialização ocorre no contexto econômico brasileiro da substituição de importações.

O período de maior crescimento da indústria do estado ocorre no mandato de Juscelino Kubitschek, que promoveu a internacionalização da economia brasileira, trazendo a São Paulo (principalmente à região do ABC) a indústria automobilística.

Atualmente o estado é líder em vários setores da economia brasileira, notadamente no setor financeiro (concentrado na cidade de São Paulo), nas indústrias automobilística e de aviação e na produção sucroalcooleira e de suco de laranja.

Referências

  1. a b «Contas Regionais: de 2010 a 2013, PIB do Mato Grosso acumula a maior alta (21,9%) entre todos os estados». IBGE. 19 de novembro de 2015 
  2. a b c «Produto Interno Bruto». Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade. 2011 
  3. a b Comunicação Social - Sala de Imprensa, ed. (19 de novembro de 2015). «Contas Regionais: de 2010 a 2013, PIB do Mato Grosso acumula a maior alta (21,9%) entre todos os estados». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de dezembro de 2015 
  4. g1 (2010). «Bovespa se torna a 2ª maior do mundo em valor de mercado». g1.globo.com. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  5. Folha de S. Paulo. «Região Sudeste perde participação no PIB, diz IBGE». Consultado em 14 de fevereiro de 2010 
  6. «PIB industrial 2010 – G1». Consultado em 8 de setembro de 2016 
  7. «O Vale do Silício brasileiro». Revista TI. 5 de abril de 2001. Consultado em 28 de julho de 2010 
  8. [1]
  9. «Agropecuária». Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade. 2011 
  10. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola IBGE Acessado em 15/08/2010
  11. Agricultura de São Paulo / Pecuária de São Paulo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de São Paulo
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.



Bandeira do estado de São Paulo
São Paulo
História • Política • Geografia • Demografia • Economia • Educação • Cultura • Turismo • Portal • Imagens