Parque Estadual da Cantareira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Parque Estadual da Cantareira
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Vista da cidade de São Paulo no núcleo Pedra Grande.
Localização
País  Brasil
Estado  São Paulo
Mesorregião Metropolitana de São Paulo
Microrregiões Franco da Rocha, Guarulhos e São Paulo
Localidades mais próximas Zona Norte do Município de São Paulo, Mairiporã, Caieiras e Guarulhos.[1]
Dados
Área &0000000000007916.5200007 916,52 hectares (79 2 km2)
Criação 29 de agosto de 1962 (54 anos)
Visitantes 47 712 (em 2007)
Gestão Fundação Florestal
Coordenadas 23° 24' 5" S 46° 35' 24" O
Parque Estadual da Cantareira está localizado em: Brasil
Parque Estadual da Cantareira

O Parque Estadual da Cantareira é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral paulista que abrange parte da Serra da Cantareira. A condição de Parque Estadual foi adotada em 1962 e regularizada pelo Decreto Estadual nº 41.626 de 1963. Porém, apenas em 1968 foi publicado o decreto que oficializou sua criação (nº 10.228/68). Na época, o nome foi definido como Parque Turístico da Cantareira. No ano de 1986 ele passou a se chamar Parque Estadual da Cantareira.[2]

Em outubro do ano de 1994, a UNESCO o declarou como parte da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo.[3] Atualmente, é gerenciado pela Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo (ou Fundação Florestal) – fundação vinculada à Secretaria do Meio Ambiente do Governo de São Paulo, que foi criada com o intuito de conservar, ampliar e administrar florestas pertencentes ao estado de São Paulo.

O Parque está localizado na Zona Norte de São Paulo e também abrange áreas dos municípios de Mairiporã, Guarulhos e Caieiras.[4]

Ele se divide entre os distritos de Tremembé e Mandaqui, mas não existe nenhum documento que afirme com precisão a qual distrito, de fato, o parque pertença. O mesmo ocorre com o seu vizinho, o Horto Florestal de São Paulo.


História[editar | editar código-fonte]

É um fragmento da Mata Atlântica com várias espécies de fauna e flora. A Serra da Cantareira foi batizada pelos tropeiros que faziam o comércio entre São Paulo e outras regiões do país, nos séculos XVI e XVII. A grande quantidade de nascentes e córregos ali encontrados forneciam [[água[[, que era armazenada em um cântaro (jarros para armazenar água) e, depois de cheios, eram colocados em prateleiras, as chamadas cantareiras. O Parque compreende parte da Serra, mas não toda ela. Oferece três trilhas: a da Figueira com 700 metros, a Pedra Grande com 7 km e a da Bica com 1 500 metros.

Atualmente com 7 916,52 ha (pouco mais de 79 quilômetros quadrados) de Mata Atlântica distribuídos por quatro municípios da Grande São Paulo, a área do Parque foi tombada no final do século XIX, para garantir o abastecimento de água para a cidade de São Paulo.

Desde a década de 1990 o Parque se encontra ameaçado pela especulação imobiliária, devido ao loteamento clandestino das áreas particulares contíguas, que facilita a formação de favelas no em torno e mesmo dentro da área do parque.

Existem quatro núcleos de visitação: Pedra Grande, Águas Claras, Engordador e Cabuçu:

Núcleo Pedra Grande[editar | editar código-fonte]

É o mais visitado do parque e também o primeiro aberto à visitação, no ano de 1989. Destaca-se o contraste do natural com o urbano. Possui quatro trilhas:

  • Trilha das Figueiras: com 1 200 m de percurso variando de suave a íngreme;
  • Trilha da Bica: com 1 500 m de percurso suave;
  • Trilha da Pedra Grande: com 9 500 m de percurso íngreme.
  • Trilha do Bugiu: com 330 m de percurso suave.
Panorama de São Paulo vista do Núcleo Pedra Grande.

Núcleo Engordador[editar | editar código-fonte]

O nome nasceu da fazenda que existia ali no final do século XVII, onde era realizada a "engorda" do gado. Possui três trilhas:

  • Trilha da Cachoeira: com 6 500 m;
  • Trilha do Macuco: com 700 m de percurso leve;
  • Trilha de Mountain Bike: com 1 400 m de percurso variando de leve a íngreme.
  • Trilha do Sagui [5]
  • Trilha do Macuco[6]
  • Do estacionamento do Núcleo Engordador até o final da Trilha da Cachoeira[7]

Núcleo Águas Claras[editar | editar código-fonte]

O Núcleo Águas Claras, localizado no município de Mairiporã, é mais voltado mais para a educação ambiental. Foi aberto ao público no ano de 2000 e conta com aproximadamente 80% de sua área total decretada como Área de Proteção aos Mananciais. Nele, podem-se percorrer cinco trilhas:

  • Trilha das Águas Claras: com quase 700 m.
  • Trilha da Samambaia-açú: com caminhada de 1 250 m por uma alameda de samambaias de até 2,5 m de altura;
  • Trilha das Araucárias: com 1 250 m toda ladeada de Araucárias;
  • Trilha da Suçuarana: com 1 200 m.
  • Trilha do Pinheirinho: uma trilha bem longa , bastante praticada por veículos Off-Road.

Núcleo Cabuçu[editar | editar código-fonte]

O núcleo Cabuçu, localizado no município de Guarulhos, é o mais recente de todos. Foi aberto para visitação em 2008 e conta com cerca de 1/3 da área do parque (1.619,4 hectares). Nele, podem ser feitas cinco trilhas:

  • Trilha do sagui: são 730 metros de trilha. Nela, pode ser vista um antigo forno para produção de carvão vegetal e cursos de água ao longo do percurso.
  • Trilha da cachoeira: são 5.200 metros em um percurso muitas vezes íngreme. Ao final do trajeto, há uma cachoeira.
  • Trilha da jaguatirica: são 1.000 metros com a presença de uma vegetação exótica, como pinheiros e o bambu. É muito procurada em excursões de educação ambiental.
  • Trilha do tapiti: São 250 metros de muita presença da espécie araucária e da espécie cabuçu, espécie que dá nome ao núcleo.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Murucututu-de-barriga-amarela (Pulsatrix koeniswaldiana) , Parque Estadual da Cantareira.

[8][9][10]

Também possui imensa diversidade de animais. Dentre eles mamíferos, como os macacos (bugios, sauás, dentre outros), os felinos (onça parda, gato moirisco e gato do mato pequeno), quatis, gambás, etc. As aves encontradas variam desde o grande gavião pega-macaco até o pequeno beija-flor-rubi. Entre os répteis pode-se dar destaque para as serpentes (jararaca, entre outras) e lagartos como o teiú, e entre os anfíbios, o sapo-cururu e a rã-manteiga, por exemplo. A região abriga espécies de animais que fazem parte da Lista Oficial das Espécies Ameaçadas de Extinção no Estado de São Paulo.[11]

  • Flora: São aproximadamente 678 espécies, por exemplo:

Samambaia-açu ou xaxim, uma árvore muito antiga, contemporânea dos dinossauros, mas que hoje é ameaçada pela exploração desenfreada; a figueira, que apresenta mais de 5000 espécies em todo o mundo, principalmente em climas tropicais. Devido à força de suas raízes, não aconselha-se plantá-la perto de edificações, com a certeza de trincas e rachaduras nas paredes. O tapiá-mirim, árvore presente principalmente em morros e montanhas e cuja madeira é muito utilizada na indústria madeireira; a palmeira-juçara, cujo fruto é muito importante na dieta de algumas espécies e que vem sofrendo com extração ilegal; a pata-de-vaca, nome dado devido ao formato de suas folhas, circulares e achatadas; as bromélias, originárias das Américas, de florestas tropicais e que apresentam mais de 200 espécies, além do gênero ananás, muito utilizado para produção de batatas e morangos. Outros exemplos: jacarandá-paulista, canela-incenso, embaúba, pau-jacaré, açoita-cavalo, pasto-d'anta, cedro-rosa, bambu, araucária, helicônia, jequitibá-branco, vassourão-branco (ou vernonia), philodendros e cabreúva.

Maior Floresta Urbana do Mundo[editar | editar código-fonte]

É popularmente difundida a ideia de que a Serra da Cantareira, onde está situado o Parque da Cantareira, é a maior Floresta urbana do mundo [12][13][14]. Ela possui aproximadamente 64.800 hectares.

A Densidade populacional aos arredores do Parque da Cantareira é alta e o local fica próximo ao centro de São Paulo. Por exemplo, em linha reta, sua distância para a Praça da Sé (São Paulo) é de apenas 10 km.[15] Outra Floresta urbana que se destaca no Brasil é a do Parque Estadual da Pedra Branca, na Zona Oeste (Rio de Janeiro).

Referências

  1. «Parques Estaduais». Agência Ambiental Pick-upau. Consultado em 4 de maio de 2014. 
  2. Adriano Candeias de Almeida, Aleksandra Furtado Mendes, Carina Zorzeti, Carlos Eduardo P. Freitas, César Juliano S. Alves, Diego Hernandes R. Laranja, Elizangela Moiono Vicario, Gustavo Lopes E. Santo, Hugo Duarte C. Lopes, Luciana Maira Rabelo, Maria Helena H. Pieroni, Mariana Duarte, Rita de Cássia G. Rodrigues, Ronaldo Soares Silva, Rui Carlos Othon P. Júnior, Simone Duarte, Tatiane Araújo Silva, Vanessa Puerta Veroli, Wanda Lúcia L. Costa (2013). «Parque Estadual Cantareira: Programa de Uso Público - Visitas Monitoradas» (PDF). Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 7 de setembro de 2016. 
  3. Governo do Estado de São Paulo. «Parque Estadual Cantareira - Sobre o parque». Sistema Ambiental Paulista. Consultado em 7 de setembro de 2016. 
  4. Fernando Descio, Aleksandra Furtado Mendes, Aparecida Descio, Fausto Assumpção, Carina Zorzeti, Diego Hernandes R. Laranja (2012). «PROJETO CUCA: ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO JUNTO A COMUNIDADE DE ENTORNO AO PARQUE ESTADUAL DA CANTAREIRA-SÃO PAULO-BRASIL». Periódico UFSM vol.(5), n°5, p. 1145 – 1156. Consultado em 7 de setembro de 2016. 
  5. Rodrigo de Marque (16 de novembro de 2008). «Hiking Trilha do Sagui (Nucleo Cabuçu)». Consultado em 4 de maio de 2014. 
  6. Rodrigo de Marque (16 de novembro de 2008). «Hiking Trilha do Macuco». Consultado em 4 de maio de 2014. 
  7. Rodrigo de Marque (16 de novembro de 2008). «Hiking Trilha do Núcleo Engordador». Consultado em 4 de maio de 2014. 
  8. Patrícia Beloto Bertola, Caroline Cotrim Aires, Sandra Elisa Favorito, Gustavo Graciolli, Marcos Amaku, Ricardo Pinto-da-Rocha (fevereiro de 2005). «Bat flies (Diptera: Streblidae, Nycteribiidae) parasitic on bats (Mammalia: Chiroptera) at Parque Estadual da Cantareira, São Paulo, Brazil: parasitism rates and host-parasite associations» (PDF). Mem Inst Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Vol. 100(1): 25-32,. Consultado em 4 de maio de 2014. 
  9. Ricardo Pinto da Rocha, Antonio D. Brescovit, Carlos Leandro Firmo, Cristina A. Rheims. «Biodiversidade de aracnídeos no Parque Estadual da Cantareira, São Paulo - Brasil (Arthropoda, Arachnida).» (PDF). Instituto Butantan. Consultado em 4 de maio de 2014. 
  10. Rodrigo dos Santos Machado Feitosa, Andre Soliva Ribeiro (10 de dezembro de 2004). «Mirmecofauna (Hymenoptera, Formicidae) de serapilheira de uma área de Floresta Atlântica no Parque Estadual da Cantareira – São Paulo, Brasil» (PDF). Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Consultado em 4 de maio de 2014. 
  11. Parque Estadual da Cantareira [1] no Portal do Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 12 de Setembro de 2016.
  12. «Maior floresta nativa urbana do mundo está a 10 km da Praça da Sé». Infoglobo Comunicação. 14 de novembro de 2007. Consultado em 4 de maio de 2014. 
  13. Desmatamento continua na Serra da Cantareira, em São Paulo
  14. Mata Atlântica - A maior floresta do Mundo
  15. Kátia Mazzei, Marlene Muno Colesanti, Douglas Gomes dos Santos (junho de 2007). «ÁREAS VERDES URBANAS, ESPAÇOS LIVRES PARA O LAZER». ISociedade & Natureza - UFU. Consultado em 7 de setembro de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.