Maracás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Nordeste do Brasil.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Novembro de 2008.

Município de Maracás
"Cidade das Flores"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 19 de abril
Fundação 1855
Gentílico maracaense
Prefeito(a) Paulo Sérgio dos Anjos (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Maracás
Localização de Maracás na Bahia
Maracás está localizado em: Brasil
Maracás
Localização de Maracás no Brasil
13° 26' 27" S 40° 25' 51" O13° 26' 27" S 40° 25' 51" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro-Sul Baiano IBGE/2008[1]
Microrregião Jequié IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Marcionílio Souza, Planaltino, Lajedo do Tabocal, Lafaiete Coutinho, Jequié, Manoel Vitorino, Iramaia,
Distância até a capital 365 km
Características geográficas
Área 2 435,201 km² [2]
População 24 615 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 10,11 hab./km²
Altitude 976 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,607 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 109 376,276 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 4 443,48 IBGE/2008[5]
Página oficial

Maracás é um município brasileiro situado no estado da Bahia, na Mesorregião do Centro-Sul Baiano.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município conta com a população de aproximadamente 24.615 habitantes. Destes, cerca de 38% vive na zona rural localizada na região econômica do sudoeste da Bahia, na mesorregião do Centro-Sul Baiano e na microrregião de Jequié, a 365 km de Salvador.

Situada a uma altitude de 976 metros, medida na sede do município, tem como ponto mais elevado o Morro da Contagem, com mais de 1 295 metros.

Economia[editar | editar código-fonte]

A cidade tem tradição nos festejos juninos, já tendo sido apelidada de Suíça Baiana por ser uma cidade de clima muito frio com relação às cidades do entorno.

A sua base econômica é predominantemente, a pecuária bovina extensiva de corte, com um giro de aproximadamente quinhentas cabeças/mês. Além disso, o município conta com uma grande jazida de vanádio, que começou a ser extraída em 2014, na qual contribuirá para a economia local.[6]

Existe ainda o tradicional cultivo de flores para exportação, facilitado principalmente pelo clima da região. Desde 2003 o cultivo é fomentado pelo Governo do Estado da Bahia pelo programa de Flores da Bahia.

Complementando sua base econômica, destaca-se a mandioca, o mel, o feijão, o milho e outras culturas além de sazonalmente, o café e o extrativismo de umbu. Grandes plantações de eucaliptos para produção de carvão vegetal se estendem por algumas áreas no entorno da cidade.

Um tímido comércio, aposentadorias, programas assistenciais federais e funcionalismo público complementam a renda do município.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Segurança Pública Municipal[editar | editar código-fonte]

A Guarda Municipal de Maracás, criada no ano de 2001, com base na Constituição Federal no seu Art. 144, parágrafo 8 que destaca: "os Municípios poderão constituir Guardas Municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei."

A Guarda Municipal de Maracás iniciou sua atividade comandada pelo Agente da Polícia Civil Orlando Paganucci. Após troca da administração pública da Prefeitura Municipal, foi indicado o novo comandante, assumindo no primeiro dia de 2007, o sargento da PM Beneval Assunção Leone, o qual nomeou Reinaldo Filho como Sub-Comandante.

Ainda nesse ano houve significadas mudanças na instituição, como valorizar a corporação, mudança do uniforme e brasão, regulamento de conduta.

Educação[editar | editar código-fonte]

IDH[editar | editar código-fonte]

Atualmente, cerca de 70% da população vive na margem da pobreza segundo a Fundação Getulio Vargas, com base nos dados do IBGE de 2005. A mortalidade infantil (29/1000 segundo o IBGE para o ano de 2005) também é um agravante social.

Seu IDH se mantém em torno de 0,61.

O índice de analfabetismo a partir dos 15 anos é de 26% para o total da população.

Transporte[editar | editar código-fonte]

O acesso ao município é rodoviário, e mantém-se razoável graças ao investimento do Banco Mundial no Programa de Revitalização de Rodovias no Estado da Bahia, a partir de 2005.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 24 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Bahia é sede da primeira mineradora de vanádio do Brasil, acessado em 22 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]