América portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A América portuguesa constituía o conjunto dos territórios do continente americano pertencentes à Coroa de Portugal.[1] Atualmente, a América Portuguesa consiste em sua maior parte na atual República Federativa do Brasil.

Colonização europeia
da América
Colonizationoftheamericas-blank.png
Descoberta e exploração
Colonização alemã
Colonização curlandesa
Colonização dinamarquesa
Colonização espanhola
Colonização francesa
Colonização britânica
Colonização neerlandesa
Colonização portuguesa
Colonização russa
Colonização sueca
Colonização viquingue
Descolonização (Cronologia)
Cronologia
História da América

História[editar | editar código-fonte]

No início da colonização portuguesa da América, formaram-se quinze divisões independentes , que ocupavam o território americano que tinha sido atribuído a Portugal .

Em 1548 o governo da América Portuguesa foi centralizado pelo Rei D. João III, com a nomeação de um governador-geral, que passou a superintender na totalidade das capitanias. Toda a América do sul Portuguesa passou a constituir, então, uma única unidade administrativa, chamado Estado do Brasil.

O Estado do Brasil foi subdividido em dois governos-gerais - um ao sul e outro ao norte - no período de 1572 a 1578 e, mais tarde, no período de 1608 a 1612.

Em 1621, o norte da América Portuguesa é, novamente, separado do Estado do Brasil, criando-se uma unidade autônoma designada Estado do Maranhão - mais tarde chamado Estado do Grão-Pará e Maranhão. É durante esta época que o termo "América Portuguesa" é mais usado, quando é necessário referir-se ao conjunto dos estados do Brasil e do Maranhão. Entretanto, a América Portuguesa expande-se muito para além dos limites que haviam sido definidos em Tordesilhas devido à desvalorização do tratado provocada pela União Ibérica, com o avanço da colonização portuguesa para o interior dos estados do Brasil e do Maranhão.

Em 1775, o Estado do Grão-Pará e Maranhão é reabsorvido pelo Estado do Brasil, passando a América Portuguesa a constituir, novamente, uma única unidade administrativa. A partir de então os termos "Brasil" e "América Portuguesa" passam a referir-se ao mesmo, caindo o último em desuso. O Brasil unificado seria elevado de estado a reino unido ao de Portugal em 1816. Tornar-se-ia um império independente em 1822.

O Império Português na América foi integrado não só Brasil, mas também pelas atuais províncias canadense da Terra Nova e Labrador (tanto a ilha da Terra Nova quanto a região do Labrador ficaram sob o domínio português) e Nova Escócia, pelo país centro-americano de Barbados, pelo Uruguai (na época denominado como Província Cisplatina) incluindo a disputada cidade da Colônia do Sacramento e pelo departamento de ultramar francês da Guiana Francesa.

O significado atual dos termos[editar | editar código-fonte]

Os termos América Portuguesa, Luso-América, América Lusitana, ou até mesmo América Lusófona actualmente, se referem às partes da América colonizadas por Portugueses. A união da América portuguesa e espanhola mais parte colonizada pelos franceses forma o conjunto latino-americano de estados geopolíticos em oposição à parte colonizada por ingleses do continente, a América Anglo-Saxônica.

Apesar de o Brasil ser o único país integralmente de colonização ibérica não-hispânica do continente, existem mais aspectos em comum com seus vizinhos do que se poderia supor. Sua colonização, a exploração agrícola, industrial, e mineral, o uso de mão-de-obra escrava em algum momento histórico. Adicionalmente, a história dos países andinos e platinos sempre esteve estreitamente ligada à história brasileira, sem contar o fato do Uruguai ter sido uma província do Brasil Imperial e também colônia portuguesa e de disputas de Portugal com a França sobre o domínio de terras até a Guiana Francesa.

América Portuguesa como alternativa a denominação "Brasil"[editar | editar código-fonte]

América Portuguesa não corresponde ao todo com presente território do Brasil.

O termo Brasil se baseia em no ciclo econômico e na mítica Ilha do Brasil, assim o conceito moderno de Brasil não necessariamente corresponde ao Brasil de outras épocas.

O termo América Portuguesa incluiria áreas que estiveram de fato sob domínio português, mesmo algumas que hoje não são parte do Brasil, como a Colônia do Sacramento.

O domínio português de jure sobre o Barbados -- território que nunca foi brasileiro, é um exemplo de área da América Portuguesa que não faz parte do Brasil.

Áreas que anteriormente foram espanholas, como a Província del Guayrá foram absorvidas pelo domínio português, e consequentemente, o Brasil.

Principais Acontecimentos[editar | editar código-fonte]

  • Século XV: A presença portuguesa nas Américas teria ocorrido por meio de expedições arcanas. João Cortes-Real, Miguel Cortes Real e João Fernandes Lavrador teriam visitado e tomado posse do Labrador, Terra Nova e Ilha do Bacalhau na América do Norte.
  • Século XVI:
    • 1500 Descoberta do Brasil e posse para a coroa portuguesa por D.Pedro Álvares Cabral.
    • 1521 João Álvares Fagundes e Pêro de Barcelos criam feitorias onde é hoje a Nova Escócia e Terra Nova.
    • 1531 Martim Afonso de Sousa chega ao Rio da Prata, no local onde seria fundada a colônia do Sacramento.
    • 1536 Pedro de Campos descobre e toma posse da ilha de Barbados, embora nunca Portugal tenha efetivamente colonizado-a.
  • Século XVI: As expedições de Américo Vespúcio nas costas brasileiras levam a dar seu nome ao continente.
  • Século XVI: Do sudeste da capitania de Itamaracá a foz do São Francisco com ápice na Vila de Olinda se concentra a indústria exportadora da açúcar. Enquanto isso, o escambo do pau-brasil é a principal atividade em outras capitanias.
  • Século XVII: A grande prosperidade dessa área acaba atraindo a maior potência mercantil, naval e militar do século XVII -- a Holanda). Os batavos fundam nessa zona a Nova Holanda, cujos principais pólos são Friederickstaadt e Mauristaadt. A expulsão desses colonos gera uma emigração em direção a Nova Amsterdão (NY). No sertão nordestino surge a primeira grande zona pecuarista do Brasil, atraindo inclusive famosos bandeirantes paulistas, a exemplo de Domingos Jorge Velho, que depois de dizimar a maior parte das etnias tapuias do interior nordestino acaba como um notável fazendeiro no então povoado de Piancó.
  • Século XVIII: Uma grande expansão econômica e demográfica gerada pelas minas faz com que o eixo de riqueza e prosperidade se estenda agora entre o Nordeste e Minas Gerais após a guerra dos Emboabas. Apogeu da cultura barroca.
A América portuguesa estende até o Rio da Pranta, onde disputa a Colônia do Sacramento com a coroa espanhola.
  • Século XIX: Após a decadência e esgotamento das minas, o Nordeste volta a liderança isolada das exportações em três das cinco décadas da primeira metade do século XIX.
Com a fuga da família real e a transferência da corte portuguesa ao Brasil, o império português passa ser sediado na América até o retorno de d.João VI.
A independência do Brasil marca o fim da presença colonial de Portugal nas Américas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. América Latina na época colonial. Stuart B. Schwartz, James Lockhart. Editora Record. ISBN 9788520005262 (2002)
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.