Seleção Brasileira de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Seleção Brasileira de Futebol
Brasil
Alcunhas?  Verde-Amarela
Canarinho
Amarelinha
Associação Confederação Brasileira de Futebol
Confederação CONMEBOL (América do Sul)
Material desportivo?  Estados Unidos Nike
Treinador Brasil Luiz Felipe Scolari[1]
Capitão Thiago Silva
Mais participações Cafu (148)[2]
Artilheiro Pelé (95)[3]
Kit left arm bra13h.png Kit body bra14h.png Kit right arm bra13h.png
Kit shorts colchester0809h.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm brazil1415a.png Kit body brazil1415a.png Kit right arm brazil1415a.png
Kit shorts colchester0809t.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Brasileira de Futebol é o time nacional do Brasil de futebol masculino, gerido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que representa o país nas competições de futebol organizadas pela CONMEBOL e pela FIFA.

É a equipe mais bem-sucedida de futebol na história das Copas do Mundo, sendo a seleção nacional que mais vezes conquistou o Mundial com cinco títulos até então (1958, 1962, 1970, 1994, 2002[5] ). Obteve um total de 72 títulos internacionais oficiais no nível profissional e de seleções de base, o que representa um recorde mundial.

Um lema vulgarmente usado sobre a Seleção Brasileira de Futebol, é: Os ingleses o inventaram, mas os brasileiros o aperfeiçoaram.[6] O Brasil é consistente entre as nações mais fortes de futebol do planeta e é a única equipe a ter jogado em todas as copas do mundo.[7]

Outras conquistas incluem o octacampeonato da Copa América[7] (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007) e o tetracampeonato da Copa das Confederações[7] (1997, 2005, 2009 e 2013).

Entre as seleções rivais notórias, destaca-se a Argentina,[8] sobretudo pelas disputas em diversas competições da América do Sul ao longo da história, confrontos em Copas do Mundo e por questionamentos acerca de quem teria sido o melhor jogador da história — se Pelé ou Maradona[9] .

Outros grandes rivais são o Uruguai, com quem o Brasil já disputou jogos históricos em Copas do Mundo, como a traumática final da Copa de 1950 e a tensa semifinal da Copa de 1970, além de outras decisões de Copas Américas e de categorias de base; a Itália, com quem também disputou inúmeras partidas decisivas nas Copas, como as finais de 1970 e 1994, vencidas pelo Brasil, além do jogo da segunda fase de 1982, que contou com o êxito da equipe europeia e a eliminação traumática do favorito Brasil; e a França, sobretudo após a Copa de 1998, vencida pelos franceses em cima dos brasileiros[10] , além das Copas de 1986 e 2006, nas quais os europeus eliminaram os brasileiros nas quartas de final, e da 1958, quando o Brasil eliminou a então favorita França na semifinal.

História[editar | editar código-fonte]

1914–1938: A formação e os primórdios[editar | editar código-fonte]

A primeira partida da seleção brasileira contra o Exeter City Football Club em 1914.

A Seleção Brasileira foi formada pela primeira vez em 20 de agosto de 1914. Fez seu primeiro jogo contra o Exeter City da Inglaterra, no campo do Fluminense Football Club, em 21 de julho daquele ano. Vitória para os brasileiros por 2 a 0, com o primeiro gol marcado por Oswaldo Gomes, do Fluminense. A equipe jogou ainda naquele ano em dois jogos contra a Seleção Argentina, sendo um amistoso em 20 de setembro e outro oficialmente, valendo a Copa Roca em 27 de setembro,[11] competição que visava a aproximar mais estes dois países.O Brasil venceu por 1-0 em Buenos Aires (gol de Rubens Salles), consagrando-se campeão do torneio,[12] sendo esse o primeiro de vários títulos conquistados pela seleção Canarinho. O primeiro título relevante conquistado pela Seleção Brasileira foi o Campeonato Sul-Americano de 1919, atual Copa América,[13] com Friedenreich marcando o gol do título sobre o Uruguai, no Estádio das Laranjeiras construído pelo Fluminense para esta ocasião, já que o governo brasileiro não tinha o dinheiro para financiar este evento internacional. Em 1922, o Fluminense ampliou o seu estádio e a Seleção Brasileira conquistou o segundo título relevante de sua história, o bicampeonato do Sul Americano de Seleções.

O Brasil é a única nação a ter se classificado para todas as edições da Copa do Mundo. Contudo, as participações iniciais do país estavam longe de serem bem sucedidas. Isso se deve à disputa interna do futebol brasileiro sobre o profissionalismo. Esse fato fez com que a Confederação Brasileira de Futebol fosse incapaz de convocar times com a força total. Em particular, disputas entre as federações estaduais de São Paulo e do Rio de Janeiro (as duas mais importantes da época) significavam que a seleção seria composta por jogadores vindos de apenas uma das federações.

Tanto na Copa de 1930, quando Preguinho marcou o primeiro gol da história da Seleção Brasileira em Copas do Mundo, na estreia contra a Iugoslávia, em que o Brasil perdeu por 2 a 1, quanto na de 1934, o Brasil foi eliminado logo na primeira fase. Mas 1938 era um sinal do que viria, uma vez que o Brasil terminou em um bom terceiro lugar, com Leônidas da Silva fazendo história e terminando a copa como artilheiro e melhor jogador.

Após esta última até 1950, as edições da Copa do Mundo foram canceladas devido à Segunda Guerra Mundial.

1950: A derrota em casa para o Uruguai[editar | editar código-fonte]

O Brasil sediou a Copa do Mundo de 1950, que foi o primeiro torneio a acontecer depois da II Guerra Mundial,[14] a única no Brasil. O torneio de 1950 foi único por não ter uma partida final, mas um quadrangular final; contudo, para todos os fins o jogo decisivo entre Brasil e Uruguai serviu como "final" do torneio. A partida foi jogada no estádio do Maracanã no Rio de Janeiro (então capital do país), assistida por algo em torno de 200.000 pessoas. O Brasil apenas precisava de um empate para ser campeão, mas acabou perdendo por 2 a 1 de virada, sendo Uruguai o segundo bicampeão mundial; essa partida desde então ficou conhecida na América do Sul como o Maracanazo.

A Seleção jogou de branco até a data fatídica de 16 de julho de 1950, quando perdeu para o Uruguai. Após essa data houve um concurso para escolher o novo uniforme da equipe, tendo sido escolhidos o amarelo como cor da camiseta, o azul como cor do calção e o branco a cor dos meiões. O concurso, promovido pelo jornal Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, foi ganho pelo professor, jornalista gaúcho e, ironicamente, torcedor do Uruguai Aldyr Garcia Schlee.

1954: A derrota para a Hungria[editar | editar código-fonte]

Para a Copa do Mundo de 1954, na Suíça, a equipe brasileira estava completamente renovada, para que a derrota do Maracanã pudesse ser esquecida, mas ainda tinha um bom grupo de jogadores, incluindo Nilton Santos, Djalma Santos, Julinho e Didi.

O Brasil não foi muito longe por duas razões principais: a necessidade que seus jogadores tinham para provar que não eram covardes (como muitos foram acusados em 1950)[carece de fontes?] e o fato de terem enfrentado a Hungria comandada por Puskás, o melhor time daquela Copa, na terceira fase.

1958–1970: A era de ouro[editar | editar código-fonte]

Jogadores da Seleção Brasileira comemoram o primeiro título mundial na Copa de 1958

1958: O primeiro título mundial[editar | editar código-fonte]

O técnico do Brasil, Vicente Feola, impôs regras estritas para a equipe para a Copa do Mundo de 1958, na Suécia. Os jogadores receberam uma lista de quarenta coisas que eles não tinham permissão de fazer, incluindo usar chapéu ou guarda-chuva, fumar enquanto vestiam uniforme oficial e conversar com a imprensa fora dos locais designados. Era o único time que havia trazido um psicólogo (por causa das memórias de 1950, que ainda afetavam alguns jogadores) ou um dentista (já que, por causa de suas origens humildes, muitos jogadores tinham problemas dentais, o que causava infecções e tinha também um impacto negativo nas performances) com eles, e haviam mandado um representante para a Europa para assistir às partidas eliminatórias um ano antes do começo do torneio.

O Brasil caiu no grupo mais difícil, com Inglaterra, URSS e Áustria. Eles bateram a Áustria por 3-0 na primeira partida, então empataram em 0-0 com a Inglaterra. Os brasileiros estavam preocupados com sua partida contra os soviéticos, que tinham um físico excepcional e eram um dos favoritos a ganhar o torneio; sua estratégia era arriscar no começo do jogo para tentar marcar um gol logo no início. Antes da partida, os líderes do time, Bellini, Nílton Santos e Didi, falaram com o técnico e o persuadiram a fazer três substituições que seriam cruciais para o Brasil ganhar dos soviéticos e a Copa: Zito, Garrincha e Pelé começariam o jogo contra a União Soviética. No apito inicial, eles passaram a bola para Garrincha que passou por três jogadores antes de acertar a trave com um chute. Eles mantiveram a pressão sem descanso e, após três minutos, que mais tarde seriam chamados de "os três minutos mais grandiosos da história do futebol", Vavá deu ao Brasil a liderança no placar. Eles ganharam a partida por 2-0. Pelé marcou o único gol da partida das quartas-de-final contra o País de Gales, e eles bateram a França por 5-2 nas semifinais.

Pelé, na final da Copa, driblando os jogadores suecos

O Brasil bateu os donos da casa, Suécia, na final por 5-2, ganhando sua primeira Copa do Mundo, se tornando a primeira nação a ganhar um título de Copa do Mundo fora de seu próprio continente. Repetiu o feito em 2002, ao triunfar na Ásia, somando títulos em três continentes. Depois só a Espanha conquistou um título mundial fora do próprio continente, conseguindo-o na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Um fato lembrado foi que Feola algumas vezes tirava sonecas durante os treinamentos e fechava os olhos durante os jogos, dando a impressão que ele estava dormindo. Por causa disso, Didi algumas vezes era tido como o verdadeiro técnico do time, já que ele comandava o meio de campo. Outro detalhe: na final da Copa, quando enfrentou a Suécia, o time brasileiro teve que arrumar o segundo uniforme urgentemente, já que o sueco era amarelo também. A Suécia emprestou ao Brasil seu uniforme reserva (camisetas azuis e calções brancos), e há informações de que os próprios jogadores costuraram os distintivos da CBD (Confederação Brasileira de Desportos) durante a noite na camiseta no lugar dos distintivos suecos. Assim surgiu o uniforme reserva do Brasil. Diz-se que o chefe da delegação, Paulo Machado de Carvalho, tentou estimular os jogadores associando o azul da camisa ao "manto de Nossa Senhora".

Seleção Brasileira no Campeonato Sul-Americano de 1959.

1962: O bicampeonato[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo de 1962, o Brasil conseguiu seu segundo título com Garrincha como a grande estrela, fazendo gols de cabeça e também de perna esquerda e ainda jogando com febre a final, especialmente após Pelé ter se machucado no segundo jogo e estar impossibilitado de jogar pelo resto da Copa do Mundo.

1966: O fracasso[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo de 1966, a preparação do time foi afetada por influências políticas. Todos os grandes clubes do futebol brasileiro queriam seus jogadores incluídos na equipe brasileira, para lhes dar mais exposição. Nos meses finais da preparação, o técnico Vicente Feola estava trabalhando com 46 jogadores, na qual apenas 22 iriam para a Inglaterra; isso causou muitas disputas internas e pressão psicológica.

O resultado foi que, em 1966, o Brasil teve uma das piores performances em todas as Copas do Mundo. Além disso, a derrota para a Hungria representou a única derrota de Garrincha com a camisa da seleção.

1970: O tricampeonato[editar | editar código-fonte]

A Seleção tricampeã. Em pé, da esquerda para a direita: Carlos Alberto, Brito, Piazza, Félix, Clodoaldo e Everaldo; agachados: Jairzinho, Gérson, Tostão, Pelé e Rivellino.

Após o fracasso na Copa do Mundo de 1966, a Seleção brasileira voltou a participar de eliminatórias para o torneio de 1970. Disputou uma das três vagas do continente sul-americano contra as Seleções da Colômbia, Venezuela e Paraguai que completavam o grupo B da América do Sul. A participação do Brasil foi irretocável, sob o comando do técnico João Saldanha, venceu todos os adversários em ambas as partidas (jogos de ida e volta), marcando 23 gols e sofrendo apenas dois [15] .

A base da seleção era formada por jogadores do Botafogo, Cruzeiro e do Santos. Utilizando o esquema 4-2-4, o time principal tinha a seguinte formação: Goleiro - Félix, laterais - Carlos Alberto e Rildo, zagueiros - Djalma Dias e Joel, médio-volante - Piazza, meia-armador - Gerson, ponteiros - Jairzinho e Edu e completando o ataque - Pelé e Tostão.

No entanto, apesar do sucesso da seleção, ocorreram vários incidentes que levaram a substituição do técnico João Saldanha por Zagallo, faltando apenas alguns meses para o início da Copa. Zagallo, que já havia dirigido a seleção antes de João Saldanha, adotou algumas posições polêmicas, entre elas a separação da dupla de ataque Pelé e Tostão, chegando a deixar Pelé no banco de reservas durante um amistoso contra a Bulgária.[16] Antes da Copa do Mundo de 1970, houve um amistoso no dia de 3 de setembro de 1969 contra o Atlético Mineiro e a futura seleção campeã de 1970 fora derrotada por 2-1. Depois do ocorrido, foram proibidos jogos amistosos de equipes brasileiras com a seleção.

O Brasil ganhou sua terceira Copa do Mundo no México em 1970. Naquela ocasião, colocou em campo o que foi considerado, segundo uma pesquisa global com especialistas, realizada pela revista inglesa World Soccer, a melhor equipe de futebol de todos os tempos [17] com Pelé, em sua última edição de Copa do Mundo, Carlos Alberto Torres, Jairzinho, Tostão, Gérson, Piazza, Clodoaldo e Rivelino. Após ganhar a Taça Jules Rimet pela terceira vez, o Brasil pôde mantê-la para si. Porém ela foi roubada e derretida anos mais tarde. Uma réplica foi aceita em 19 de janeiro de 1984, confeccionada a partir de seus moldes originais, mantendo totalmente suas características.

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Depois da conquista em 1970, a seleção passaria 24 anos sem conquistar uma Copa. Nesse meio tempo, o Brasil chegou a perder a Copa do Mundo de 1982, após a fatídica partida contra a Itália, comandada por Paolo Rossi, que marcou três gols na vitória por 3-2 sobre a Seleção Brasileira, eliminando-a da Copa. Com uma seleção que contava com jogadores como Zico, Sócrates, Falcão, Júnior, Eder, Toninho Cereza e Luizinho, o Brasil era considerado por muitos como a melhor seleção da história das Copas em 1982.

Em 1986, os brasileiros foram eliminados nas quartas-de-final pela França de Michel Platini, e ainda tiveram de suportar o título mundial dos grandes rivais da Argentina, que havia vencido a Alemanha Ocidental na final.

1994: O tetracampeonato[editar | editar código-fonte]

Em 1994, o Brasil não era tido como favorito. Um ano antes, nas eliminatórias, havia se classificado no sufoco, graças à ajuda de Romário, que foi até apelidado de São Romário. Já na Copa disputada nos Estados Unidos, o time de Carlos Alberto Parreira era considerado defensivo demais, o que contrariava o estilo do futebol brasileiro. No decorrer da competição, entretanto, o Brasil foi ultrapassando barreiras e se classificando para as fases seguintes. Foi o líder de seu grupo na primeira fase, depois de vencer Camarões e a Rússia e empatar com a Suécia. Nas oitavas-de-final da Copa, eliminou os Estados Unidos em pleno dia 4 de julho, dia da independência do país. Nas quartas-de-final, em jogo emocionante, eliminou a Holanda e, nas semifinais, voltou a encontrar com a Suécia, despachando o selecionado do país escandinavo. Na final, derrotou a Itália nos pênaltis, após um empate sem gols no tempo normal e na prorrogação. Passaria assim a ser a primeira seleção a conquistar quatro copas do mundo e a primeira a conquistar o título através da cobrança de penalidades máximas

1998: A derrota para os donos da casa[editar | editar código-fonte]

Para a Copa do Mundo de 1998, Ronaldo surgia como a grande promessa da Seleção. Vivendo uma fase fantástica em seu clube, a Internazionale, da Itália, o jogador era o atual detentor do prêmio de Melhor jogador do mundo pela FIFA.

O Brasil passou pela primeira fase com duas vitórias e uma derrota contra a algoz Noruega, seleção que até hoje nunca foi derrotada pelos brasileiros (ver Brasil-Noruega em futebol). Nas oitavas-de-final, uma convincente vitória por 4-1 sobre o Chile. Nas quartas, uma vitória mais complicada contra a Dinamarca: 3-2. Nas semi-finais, mais uma partida dramática contra a Holanda: após o empate em 1-1 que persistiu até o final da prorrogação, os brasileiros conseguiram a classificação para a final apenas na disputa por pênaltis, graças as grandes defesas de Taffarel.

Classificada para a final da Copa do Mundo de 1998, a Seleção Brasileira teria pela frente os donos da casa, a França. Horas antes da decisão, uma polêmica envolvendo Ronaldo trouxe receio aos brasileiros: devido a uma misteriosa convulsão, diagnosticada desde como estresse até como ataque epilético, o jogador foi levado apenas 75 minutos antes da partida ao hospital. Vendo que seu principal jogador não tinha condições de jogo, Zagallo optou por escalar Edmundo em seu lugar, mas o próprio Ronaldo apareceu, a 40 minutos do início da partida, declarando-se apto. Com Ronaldo entre os titulares e tendo uma péssima atuação, o Brasil acabou derrotado por 3-0, numa partida magistral de Zinédine Zidane, que marcou dois gols, dando o primeiro título mundial aos anfitriões da Copa.

2002: O pentacampeonato[editar | editar código-fonte]

Painel do penta, loja da Nike, Londres.

A Seleção Brasileira teve problemas para se classificar para a Copa do Mundo de 2002. O primeiro deles foram as constantes trocas de técnicos (Vanderlei Luxemburgo, Candinho, Emerson Leão e Luiz Felipe Scolari). O pouco tempo para treinos atrapalhou a campanha. Outra vez a Seleção não era vista como favorita, mas acabou surpreendendo bastante.

Na Copa do Mundo de 2002, Ronaldo foi novamente convocado, apesar das dúvidas se realmente tinha condições de jogar, pois estava parado há praticamente dois anos, por problemas de contusão. Porém, na Copa, teve grandes atuações. O Brasil, que eliminou as seleções da Bélgica, Inglaterra, Turquia e Alemanha, esta última na final, acabou tendo Ronaldo como o artilheiro, com oito gols, sendo assim um dos grandes nomes da conquista juntamente com Rivaldo, tendo assim conquistado o quinto título para a seleção brasileira, vencendo todas as partidas do mundial de 2002 e mantendo sua hegemonia.

2006–2010: em busca do hexa[editar | editar código-fonte]

Com o bom desempenho nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, o Brasil continuou sendo o único país a se classificar para todos os mundiais.

Depois do fracasso do Brasil na Copa do Mundo de 2006, onde a Seleção não demonstrou o futebol esperado e sucumbiu diante da França, fracassando no sonho de obter o hexacampeonato mundial, em 24 de julho de 2006, Parreira foi demitido, e Dunga foi anunciado como o novo treinador,[18] numa tentativa da CBF de dar uma resposta às pesadas críticas por parte da torcida e da imprensa. Esta troca se deu em função da imagem de luta e garra que Dunga enquanto jogador sempre fez questão de demonstrar, contrapondo-se à imagem de falta de comando e profissionalismo, que foi criada de seu antecessor na campanha fracassada de 2006.

Desde que assumiu a Seleção, a palavra de ordem do técnico Dunga foi renovação. Diante disto, foram afastados da equipe brasileira jogadores veteranos como Cafu, Roberto Carlos, Ronaldo e Emerson, jogadores que, ao lado do técnico Carlos Alberto Parreira, foram responsabilizados pelo fracasso brasileiro no mundial da Alemanha.

Dunga, que viveu sua primeira experiência como técnico de futebol, chamou seu amigo e ex-companheiro na vitoriosa campanha da Copa do Mundo de 1994, Jorginho para o cargo de auxiliar técnico, cargo este que era ocupado por Zagallo.

O ex-jogador nunca trabalhara na função, o que surpreendeu os torcedores e a imprensa, que esperavam a designação de nomes já reconhecidos na função. Dunga estreou na seleção no amistoso contra a Noruega, no dia 16 de agosto, em Oslo. O jogo acabou em 1-1. Até a Copa América de 2007, a seleção passou por altos e baixos, tendo, entre outros resultados, vencido a Argentina por 3-0 e perdido para Portugal por 2-0. Na disputa do torneio continental, começou perdendo para o México, fazendo com que a desconfiança da torcida brasileira aumentasse. Mas no decorrer da competição, se sagrou campeão mais uma vez vencendo a Argentina por 3-0 na final.

Em 2008, as críticas voltaram após empates e derrotas contra equipes inferiores (Venezuela, Paraguai, Bolívia, Colômbia). A eliminação precoce para a Argentina nas Olimpíadas só agravou a situação do treinador (embora tenha obtido a medalha de bronze na competição). O ano terminou, porém, com convincente goleada por 6-2 sobre Portugal, para quem o Brasil havia perdido há algum tempo.

O ano de 2009 foi a volta por cima. Em dezessete jogos, a seleção de Dunga conseguiu quinze vitórias, se sagrando campeã da Copa das Confederações e vencendo equipes como Itália por 3-0, Argentina por 3-1 e Inglaterra por 1-0. Com a confiança de volta, o grupo chegou para a disputa da Copa do Mundo FIFA de 2010 como um dos favoritos.

Após alguns amistosos, o Brasil passou da primeira fase do mundo derrotando Coreia do Norte, Costa do Marfim e empatando com Portugal. Nas oitavas-de-final, obteve convincente vitória por 3-0 sobre o Chile. Porém, nas quartas-de-final, depois de ter ido para o intervalo vencendo por 1-0 os Países Baixos, permitiu que o adversário virasse a partida para 2-1, e deu adeus à competição, assim como Dunga do comando da equipe.

2011: A renovação e a Copa América[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de julho de 2010, Mano Menezes assumiu a Seleção, com novas promessas de renovação e sua contratação, assim como a de Dunga, foi contestada por parte da torcida brasileira pois era um técnico que não tinha um histórico vitorioso (só tinha conquistado até o momento 2 Campeonatos Brasileiros da Segunda Divisão, e uma Copa do Brasil). Para a primeira partida, contra os Estados Unidos, Mano convocou apenas quatro jogadores que disputaram o mundial meses antes. Nos oito primeiros jogos, que serviram como preparação para a disputa da Copa América de 2011, a Seleção venceu cinco e perdeu tres, para França, Argentina e Alemanha, além de um empate em 0-0 no sétimo jogo, contra a Holanda em Goiânia.

A primeira competição que seria disputada pela nova safra de jogadores de Mano Menezes foi a Copa América de 2011, realizada na Argentina. O Brasil caiu num grupo com seleções medianas: Venezuela, Paraguai e Equador. A Seleção Brasileira classificou-se com uma vitória, contra o Equador, e dois empates, contra Venezuela e Paraguai. Nas quartas-de-final, a Seleção enfrentaria novamente o Paraguai. O jogo foi amplamente dominado pelo Brasil, que teve inúmeras chances de gol, mas o empate em 0-0 persistiu até o final da prorrogação. Na disputa por pênaltis, o goleiro paraguaio Justo Villar foi decisivo, defendendo uma das cobranças. Todas as demais cobranças foram desperdiçadas pelos brasileiros, fato que decretou a vitória paraguaia por 2-0. Após a Copa América, a Seleção realizou vários amistosos internacionais e acumulou várias vitórias seguidas, mas contra adversários modestos como Gana (1 x 0), Costa Rica (1 x 0), México (vitória por 2 x 1), Gabão (2 x 0) e Egito (2 x 0). O único revés foi no primeiro jogo apos a Copa América, derrota para a Alemanha por 3 x 2, em Stuttgart. Em 2012, o Brasil disputou cinco amistosos utilizando vários jogadores com idade abaixo dos 23 anos e venceu três (2 x 1 na Bósnia, 3 x 1 na Dinamarca e 4 x 1 sobre os EUA) e perdeu dois (2 a 0 para o México e 4 a 3 para a Argentina). Entre julho e agosto, a Seleção Olímpica disputou o Torneio de Futebol Masculino dos Jogos Olímpicos de Londres, pela 12ª vez, o Brasil tentava a inédita conquista da medalha de ouro, na primeira fase três vitórias sobre Egito, Bielorrússia e Nova Zelândia (3 a 2, 3 a 1 e 3 a 0 respectivamente), nas quartas vitória sobre Honduras por 3 a 2 e na semifinal mais uma vitória sobre a Coréia do Sul por 3 a 0. Porém após 5 jogos e 5 vitórias, 15 gols marcados e 5 gols sofridos, o Brasil foi derrotado pelo México na grande decisão por 2 a 1 no Estádio de Wembley e teve de se contentar com a medalha de prata. Após a disputa dos Jogos Olímpicos, o Brasil disputou mais amistosos e acumulou vitórias contra adversários fracos e/ou medianos tais como Suécia, Iraque, África do Sul, China e Japão, o Brasil encerrou 2012 com um empate por 1 a 1 com a Colômbia e com o título do Superclássico das Américas (após uma vitória e uma derrota seguida de vitória nos pênaltis sobre a Argentina). Após pouco mais de 2 anos com resultados péssimos, sem nenhuma vitória sobre uma seleção campeã do mundo e principalmente sem a conquista de títulos expressivos como a Copa América e a medalha de ouro olímpica, Mano Menezes foi demitido do cargo de treinador da Seleção Brasileira em novembro de 2012.

Nova era de Luiz Felipe Scolari[editar | editar código-fonte]

Luiz Felipe Scolari ou Felipão, voltou ao comando da Seleção Brasileira em janeiro de 2013, o recomeço não foi dos melhores, pois já jogou sete jogos, uma derrota diante da Inglaterra (2x1), e dois empates com as seleções da Itália (2x2) e da Rússia (1x1). No amistoso contra a Bolívia, a seleção obteve a primeira vitória (4x0) desde a volta do treinador e nos últimos jogos contra o Chile e Inglaterra na reabertura do Maracanã, terminaram ambos empatados em (2x2). No dia 09 de junho de 2013, na nova Arena do Grêmio, a nova seleção de Felipão quebrou dois tabus: com a vitória de 3x0 sobre a França, encerraram-se os 21 anos sem conquistar uma vitórias sobre os "Bleus" (incluindo nessa conta os duelos de 1998 e 2006, pelas Copas da França e da Alemanha, respectivamente, o de 1997 pelo Torneio da França, e o de 2001 pela Copa das Confederações) e os 3 anos e meio sem derrotar uma seleção campeã mundial. Na copa das confederações de 2013, logo na estreia, o Brasil ganhou do Japão (3x0). No segundo jogo venceu o México de 2 x 0. No último jogo da fase de grupos, venceu a seleção italiana por 4 x 2. Na semifinal, derrotou o Uruguai por 2 x 1 e garantiu vaga para a final contra a atual campeã Mundial, a Espanha. O Brasil foi Campeão da Copa das Confederações derrotando a Espanha, invicta em jogos oficiais exatamente há 3 anos e 29 jogos, pelo placar de 3 x 0. Com esse resultado a seleção conseguiu sair do vigésimo segundo lugar no ranking da FIFA subindo vários degraus e ficando na nona colocação. Após o título, a seleção goleou a Austrália por 6x0 em um amistoso em Brasília. Depois foi a vez de Portugal no reencontro de Felipão com os portugueses, que foram vencidos por 3x1 em um amistoso realizado em Boston e encerrou 2013 com uma vitória sobre o Chile. Com as duas vitórias nos amistosos, saiu da nona colocação para a oitava colocação, segundo o novo Ranking da FIFA, divulgado em 12 de setembro de 2013.

Competições multidesportivas[editar | editar código-fonte]

Nos Jogos Olímpicos, o Brasil jamais ganhou uma medalha de ouro. Chegou perto em 1984, 1988 e 2012, mas teve que se contentar com a medalha de prata (o Brasil foi derrotado, respectivamente, pela França, pela antiga União Soviética e pelo México). Ainda possui duas medalhas de bronze, conquistadas em 1996 (após ser desclassificado pela Nigéria, que se tornaria a campeã) e 2008 (após ser desclassificado pela Argentina, que também se tornaria campeã). A medalha de ouro olímpica do futebol é o único título organizado pela FIFA que o Brasil ainda não conquistou.

Já nos Jogos Pan-Americanos, a situação é melhor: o Brasil ganhou quatro medalhas de ouro, em 1963 (quando atuou em casa), 1975 (dividida com o México), 1979 e 1987. Ainda possui duas medalhas de prata, conquistadas em 1959 e 2003, e uma de bronze, conquistada em 1983. Nos Jogos Pan-Americanos de 2007, disputados na cidade do Rio de Janeiro, o Brasil tentou conquistar sua quinta medalha de ouro, porém foi eliminado pelo Equador, que acabaria se tornando campeão pan-americano.

Na Universíada obteve duas medalhas de bronze em Palma de Maiorca 1999 e Shenzhen 2011.[19]

Nas Macabíadas, o Brasil conquistou uma medalha de ouro em 1997.

Desempenho em competições[editar | editar código-fonte]

Polónia 5 a 6 Brasil, 1938.
Desempenho na Copa do Mundo
Ano Fase Posição J V E[i] D GP GC
Uruguai 1930 1ª fase 6/13 2 1 0 1 5 2
Itália 1934 1ª fase 14/16 1 0 0 1 1 3
França 1938 Terceiro lugar 3/15 5 3 1 1 14 11
Brasil 1950 Vice-campeão[ii] 2/13 6 4 1 1 22 6
Suíça 1954 Quartas-de-final 5/16 3 1 1 1 8 5
Suécia 1958 Campeão 1/16 6 5 1 0 16 4
Chile 1962 Campeão 1/16 6 5 1 0 14 5
Inglaterra 1966 1ª fase 11/16 3 1 0 2 4 6
México 1970 Campeão 1/16 6 6 0 0 19 7
Alemanha 1974 Semifinal 4/16 7 3 2 2 6 4
Argentina 1978 Terceiro lugar 3/16 7 4 3 0 10 3
Espanha 1982 2ª fase 5/24 5 4 0 1 15 6
México 1986 Quartas-de-final 5/24 5 4 1 0 10 1
Itália 1990 Oitavas-de-final 9/24 4 3 0 1 4 2
Estados Unidos 1994 Campeão 1/24 7 5 2 0 11 3
França 1998 Vice-campeão 2/32 7 4 1 2 14 10
Coreia do SulJapão 2002 Campeão 1/32 7 7 0 0 18 4
Alemanha 2006 Quartas-de-final 5/32 5 4 0 1 10 2
África do Sul 2010 Quartas-de-final 6/32 5 3 1 1 9 4
Brasil 2014 /32
Total 20/20 5 títulos 104 73 15 16 210 88
Desempenho na Copa América
Total: 8 títulos
Ano Posição Ano Posição Ano Posição
Argentina 1916 Terceiro lugar Chile 1941 Não participou CONMEBOL.svg 1979 Terceiro lugar
Uruguai 1917 Terceiro lugar Uruguai 1942 Terceiro lugar CONMEBOL.svg 1983 Vice-campeão
Brasil 1919 Campeão Chile 1945 Vice-campeão Argentina 1987 1ª fase
Chile 1920 Terceiro lugar Argentina 1946 Vice-campeão Brasil 1989 Campeão
Argentina 1921 Vice-campeão Equador 1947 Não participou Chile 1991 Vice-campeão
Brasil 1922 Campeão Brasil 1949 Campeão Equador 1993 Quartas-de-final
Uruguai 1923 Quarto lugar Peru 1953 Vice-campeão Uruguai 1995 Vice-campeão
Uruguai 1924 Não participou Chile 1955 Não participou Bolívia 1997 Campeão
Argentina 1925 Vice-campeão Uruguai 1956 Quarto lugar Paraguai 1999 Campeão
Chile 1926 Não participou Peru 1957 Vice-campeão Colômbia 2001 Quartas-de-final
Peru 1927 Não participou Argentina 1959 Vice-campeão Peru 2004 Campeão
Argentina 1929 Não participou Equador 1959 Terceiro lugar Venezuela 2007 Campeão
Peru 1935 Não participou Bolívia 1963 Quarto lugar Argentina 2011 Quartas-de-final
Argentina 1937 Vice-campeão Uruguai 1967 Não participou Chile 2015
Peru 1939 Não participou CONMEBOL.svg 1975 Terceiro lugar Brasil 2019 Classificado, país sede
Desempenho na Copa das Confederações
Ano Fase J V E[i] D GP GC
Arábia Saudita 1992 Não participou - - - - - -
Arábia Saudita 1995 Não participou - - - - - -
Arábia Saudita 1997 Campeão 5 4 1 0 14 2
México 1999 Vice-campeão 5 4 0 1 16 6
Coreia do SulJapão 2001 Quarto lugar 5 1 2 2 3 3
França 2003 1ª fase 3 1 1 1 3 3
Alemanha 2005 Campeão 5 3 1 1 12 6
África do Sul 2009 Campeão 5 5 0 0 14 5
Brasil 2013 Campeão 5 5 0 0 14 3
Total 4 títulos 31 23 5 5 76 28
  • i. ^ Indica empates incluindo jogos eliminatórios decididos nos pênaltis.
  • ii. ^ Não houve uma final oficial na Copa do Mundo de 1950. O campeão do torneio era decidido por um grupo final de quatro seleções (Uruguai, Brasil, Suécia e Espanha). Contudo, a vitória uruguaia de 2-1 sobre o Brasil (na partida conhecida como Maracanaço) era a partida decisiva e também a última do torneio. Por isso, o confronto é frequentemente classificado como "a final" da Copa do Mundo de 1950.

Histórico de confrontos[editar | editar código-fonte]

De todas as seleções que a Seleção Brasileira já enfrentou, apenas três mantêm vantagem no histórico de confrontos: as Seleções da Argentina, da Hungria e da Noruega, sendo esta última a única que o Brasil jamais venceu.

Fatos marcantes nas Copas[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
Question book.svg
Esta seção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Os jogadores convocados para a Copa do Mundo 2010, o ex - Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e personalidades em Brasília, em 2010.

Alguns dados significativos referentes às participações da Seleção Brasileira nas Copas do Mundo.

  • Comparação entre as cinco campanhas campeãs da Seleção Brasileira:
    • Melhor: 2002 – Sete vitórias; saldo de gols: 14; saldo de gols por jogo: 2; gols pró: 18
    • Segunda melhor: 1970 – Seis vitórias; saldo de gols: 12; saldo de gols por jogo: 2; gols pró: 19
    • Terceira: 1958 – Cinco vitórias e um empate; saldo de gols: 12
    • Quarta: 1962 – Cinco vitórias e um empate; saldo de gols: 9
    • Pior: 1994 – Cinco vitórias e dois empates (em um dos empates venceu na disputa por pênaltis)
    • Em 1970, o Brasil venceu três Seleções que já haviam sido campeãs do Mundo; em 2002 venceu dois ex-campeões; em 1994, apenas um
  • A mais longa série de partidas sem derrotas do Brasil em Copas do Mundo, treze jogos, ocorreu entre a derrota para a Hungria por 4-2 na Copa de 1954 e a derrota por 3-1 para a mesma Hungria na Copa de 1966
  • Outra longa série de partidas sem derrotas, agora onze jogos, ocorreu entre a derrota para a França por 3-0 na Copa de 1998 e a derrota por 1-0 para a mesma França na Copa de 2006; Foram 11 vitórias consecutivas.
  • Houve ainda duas séries de 11 jogos sem derrotas, porém não marcadas por coincidência de adversários:
  • A mais longa série de partidas sem vitórias ocorreu entre as duas derrotas no final da Copa de 1974 para os Países Baixos (2-0) e para a Polônia (1-0) e dos dois jogos iniciais ( 2 empates) com Suécia (1-1) e Espanha (0-0) da Copa de 1978
  • O melhor período para a Seleção Brasileira em Copas do Mundo ocorreu entre a a Copa de 58 e a de 70, quando o Brasil em quatro Copas consecutivas ganhou três (58, 62, 70), não ganhando a de 66;
  • Sempre que o Brasil enfrentou a Inglaterra terminou sendo Campeão. Isso ocorreu quatro vezes: em 1958 (empate 0-0), em 1962 (Brasil 3-1), em 1970 (Brasil 1-0) e em 2002 (Brasil 2-1);
  • Por sinal, as seleções britânicas estão entre as grandes "freguesas" do Brasil em Copas, jamais tendo vencido: além da Inglaterra, a Escócia também enfrentou o Brasil quatro vezes: empatou por 0-0 na Copa de 1974, e em 82, 90 e 98, o Brasil venceu por, respectivamente, 4-1, 1-0 e 2-1. Ao contrário dos ingleses, sempre que enfrentou os escoceses, o Brasil acabaria por não ganhar a Copa. O Brasil também venceu os únicos jogos que disputou em Copas contra País de Gales (1-0 em 58) e Irlanda do Norte (3-0 em 86).
  • Os outros maiores fregueses do Brasil são sem dúvidas os suecos, que também nunca venceram o Brasil: além de terem perdido em casa a única final que disputaram, em 58, em 38 perderam por 4 - 2 na disputa de terceiro lugar, os nórdicos foram goleados por 7-1 na Copa de 50, empataram em 1-1 na de 78 e perderam por 2-1 na de 90. Na de 94, o Brasil arrancou um empate em 1-1 na fase de grupos e depois derrotou por 1-0 na semifinal.
  • Das Oito Seleções que já conquistaram títulos Mundiais, a Seleção Brasileira e a Espanha foram as únicas que não conseguiram ganhar uma Copa "em casa", mas, por coincidência, foram as únicas a conquistarem Copas do Mundo fora de seu continente.
  • Em quatro Copas do Mundo, o Brasil enfrentou duas vezes o mesmo adversário:
    • Nas Quartas de Final da Copa de 1938Tchecoslováquia – empate 1-1 + jogo desempate – Brasil 2-1;
    • Em outras três ocasiões, enfrentou uma seleção na fase inicial (grupos de 4 Seleções) e enfrentou a mesma seleção novamente na Final (uma vez) ou na semifinal (duas vezes); nessas 3 copas o Brasil foi campeão:
      • Tchecoslováquia (outra vez 2 jogos)- 1962 – 0-0; Final Brasil - 3-1;
      • Suécia - 1994 – Brasil 1-1; semifinal - Brasil 1-0;
      • Turquia - 2002 – Brasil 2-1; semifinal - Brasil 1-0;
  • Nas únicas três finais de Copas com placar de três gols de diferença o Brasil esteve presente:
  • Desde a Copa de 1950, a Seleção Brasileira sofreu somente três derrotas na fase inicial (grupos de 4 Seleções); Além das duas conhecidas derrotas na Copa de 1966 (única vez que o Brasil não se classificou nesses grupos iniciais), houve na Copa de 1998 a derrota para Noruega por 2-1;
  • Somente em três Copas do Mundo o Brasil foi derrotado duas vezes:
  • A Seleção Brasileira ganhou a partida de estreia em 15 das 19 Copas disputadas até 2010[20] . Não venceu na estreia nas seguintes Copas:
  • Nas Copas com fase inicial com grupos de 4 Seleções, o Brasil somente não foi primeiro colocado no Grupo em duas Copas seguidas: 1974 e 1978, nas quais houve outras cinco coincidências:
    • Foram as duas únicas Copas nas quais a segunda fase (equivalente às quartas de final e às semifinais) foram com dois grupos de 4 Seleções, jogando todos contra todos em cada grupo;
    • Em ambas o Brasil, na fase inicial, empatou os dois primeiros jogos e venceu somente o terceiro;
    • Os Países Baixos conquistaram seus dois vice-campeonatos, jogando a final contra o país Sede (Alemanha e Argentina); Também, nessas Copas, esses dois países-sede perderam uma partida na fase classificatória, ficando em segundo lugar no seu grupo, para no final serem campeões;
    • O Brasil decidiu o terceiro lugar (essa decisão de 3º Lugar já ocorrera em 1938):
      • Em 1974, perdeu para a Polônia por 1-0;
      • Em 1978, venceu a Itália por 2-1;
    • Nessas duas Copas a Escócia foi eliminada na primeira fase pelo saldo de gols. Esse fato, aliás, se repetiu em 1982;
  • Todas as cinco as Copas vencidas pelo Brasil tiveram o formato mais "convencional", na qual após a primeira fase (4 Seleções) vinham apenas rodadas do chamado "mata-mata";
  • Em toda a história da Seleção Brasileira de Futebol, somente nove jogadores fizeram gol em sua estreia: Pato, Pelé, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho,Marcelo Vieira da Silva Júnior,Zico, Carlos Miguel, Paulinho, Neymar e Leandro.
  • Quando o mundial passou a ser disputado por 24 seleções, o grupo do Brasil nunca teve um terceiro colocado entre os quatro garantidos para a próxima fase.
  • É o país com o maior número de conquistas na maioria das competições. É o maior vencedor da Copa do Mundo, Mundial Sub-17 (ao lado da Nigéria), Copa das Confederações, Superclássico das Américas, Sulamericano Sub-15, Sub-17 e Sub-20.
  • Esta seleção quando foi campeã de copas do mundo, sempre foi de maneira invicta.

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Baseado na convocação para o amistoso contra a África do Sul em 5 de março.[21] [22]

Número Nome Posição Idade Jogos Clube
1 Jefferson Goleiro 31 14 Brasil Botafogo
2 Daniel Alves Lateral 30 73 Espanha Barcelona
3 Thiago Silva Zagueiro 29 44 França Paris Saint-Germain
4 David Luiz Zagueiro 26 34 Inglaterra Chelsea
5 Rafinha Lateral 28 1 Alemanha Bayern de Munique
6 Marcelo Lateral 25 29 Espanha Real Madrid
7 Hulk Atacante 27 32 Rússia Zenit
8 Fernandinho Meia 28 5 Inglaterra Manchester City
9 Fred Atacante 30 31 Brasil Fluminense
10 Neymar Atacante 21 46 Espanha Barcelona
11 Oscar Meia 22 28 Inglaterra Chelsea
12 Júlio César Goleiro 34 77 Canadá Toronto
13 Dante Zagueiro 30 10 Alemanha Bayern de Munique
14 Willian Atacante 25 4 Inglaterra Chelsea
16 Ramires Meia 26 40 Inglaterra Chelsea
17 Luiz Gustavo Meia 26 16 Alemanha Wolfsburg
18 Paulinho Meia 25 24 Inglaterra Tottenham
20 Bernard Atacante 21 10 Ucrânia Shakhtar Donetsk
21 Atacante 26 13 Brasil Atlético Mineiro

Comissão técnica[editar | editar código-fonte]

Nome Função
Brasil Luiz Felipe Scolari Técnico
Brasil Flávio Murtosa Assistente técnico
Brasil Carlos Alberto Parreira Coordenador técnico
Brasil Paulo Paixão Preparador físico
Brasil Carlos Pracidelli Preparador de goleiros


Treinadores[editar | editar código-fonte]

Notáveis jogadores[editar | editar código-fonte]

Os jogadores que aparecem no Anjos Barrocos do Museu do Futebol Brasileiro:[23]

Os jogadores com Menção honrosa no Museu do Futebol Brasileiro na seção Heróis:[24]

Feminino[editar | editar código-fonte]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Taça Jules Rimet: Antiga taça da Copa do Mundo. Foi conquistada pela Seleção Brasileira nas Copas de 1958, 1962 e definitivamente em 1970.


MUNDIAIS
Competição Vezes Ano
W.Cup2.svgW.Cup.svg Copa do Mundo FIFA 5 1958Cscr-featured.png, 1962Cscr-featured.png, 1970Cscr-featured.png, 1994Cscr-featured.png, 2002Cscr-featured.png
FIFA Confederations Cup.svg Copa das Confederações FIFA 4 1997Cscr-featured.png, 2005, 2009Cscr-featured.png, 2013Cscr-featured.png
CONTINENTAIS
Competição Vezes Ano
Coppa America calcio.svg Copa América 8 1919Cscr-featured.png, 1922Cscr-featured.png, 1949, 1989Cscr-featured.png, 1997Cscr-featured.png, 1999Cscr-featured.png, 2004, 2007
Gold medal america.svg Jogos Pan-americanos 4 1963, 1975Cscr-featured.png, 1979, 1987
Brasil Argentina Superclássico das Américas 10 1914, 1922, 1945, 1957, 1960, 1963, 1971, 1976, 2011Cscr-featured.png, 2012

Outros títulos[editar | editar código-fonte]

Seleções de base[editar | editar código-fonte]

Cscr-featured.png Campeão Invicto

Campanhas[editar | editar código-fonte]

Seleção Principal
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro Quarto
Copa do Mundo 5 (1958, 1962, 1970, 1994, 2002) 2 (1950, 1998) 2 (1938, 1978) 1 (1974)
Copa das Confederações 4 (1997, 2005, 2009, 2013) 1 (1999) 1 (2001)
Copa América 8 (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004, 2007) 11 (1921, 1925, 1937, 1945, 1946, 1953, 1957, 1959, 1983, 1991, 1995) 7 (1916, 1917, 1920, 1942, 1959, 1975, 1979) 3 (1923, 1956, 1963)
Superclássico das Américas 10 (1914, 1922, 1945, 1957, 1960, 1963, 1971, 1976, 2011, 2012) 3 (1923, 1939, 1940)
Mundialito 1 (1981)
Campeonato Pan-Americano 2 (1952, 1956) 1 (1960)
Copa Ouro da CONCACAF 2 (1996, 2003) 1 (1998)
Seleção de Base
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro Quarto
Campeonato Mundial Sub-20 5 (1983, 1985, 1993, 2003, 2011) 3 (1991, 1995, 2009) 3 (1977, 1989, 2005)
Campeonato Mundial Sub-17 3 (1997, 1999, 2003) 2 (1995, 2005) 1 (1985) 1 (2011)
Campeonato Sul-Americano Sub-20 11 (1974, 1983, 1985, 1988, 1991, 1992, 1995, 2001, 2007, 2009, 2011) 7 (1954, 1977, 1981, 1987, 1997, 2003, 2005) 3 (1958, 1967, 1999) 1 (1979)
Campeonato Sul-Americano Sub-17 10 (1988, 1991, 1995, 1997, 1999, 2001, 2005, 2007, 2009, 2011) 3 (1985, 1986, 2003) 1 (2013) 1 (1993)
Campeonato Sul-Americano Sub-15 3 (2005, 2007, 2011) 1 (2009)
Pré-Olímpico Sul-Americano Sub-23 7 (1968, 1972, 1976, 1984, 1988, 1996, 2000) 1 (1964) 2 (1960, 2004)
Seleção Olímpica
Torneio Gold medal.svg Gold medal america.svg Gold FISU.svg Gold medal world centered-2.svg Ouro Silver medal.svg Silver medal america.svg Silver FISU.svg Silver medal world centered-2.svg Prata Bronze medal.svg Bronze medal america.svg Bronze FISU.svg Bronze medal world centered-2.svg Bronze
Jogos Olímpicos 3 (1984, 1988, 2012) 2(1996, 2008)
Jogos Pan-americanos 4 (1963, 1975, 1979, 1987) 2 (1959, 2003) 1 (1983)
Universíada 2 (1999, 2011)
Jogos Mundiais Militares 1 (2011)

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Uniforme principal: Camisa amarela , calção azul , e meias brancas
  • Uniforme de visitante: Camisa azul, calção branco e meias azuis.
  • Uniforme alternativo: Camisa preta , calção preto e meias pretas
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Camisa verde, calção e meias verdes;
  • Camisa preta, calção e meias pretas;
  • Camisa vermelha, calção e meias vermelhas;
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes de treino[editar | editar código-fonte]

  • Camisa azul-piscina com detalhes em verde-limão.
  • Camisa vermelha com detalhes em azul-piscina.
  • Camisa preta com detalhes em verde-limão.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Jogadores
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Goleiros
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Comissão Técnica

Sub-20[editar | editar código-fonte]

A Seleção Brasileira de futebol Sub-20, é a maior vencedora dos torneios Sul-americanos (11 conquistas), e penta-campeã mundial, além de ter conquistado três pratas olímpicas.

Estatísticas e recordes[editar | editar código-fonte]

Em negrito, os futebolistas ainda em atividade.

Mais partidas[editar | editar código-fonte]

Maiores artilheiros[editar | editar código-fonte]

Em negrito, os futebolistas ainda em atividade.

Posição Jogador Partidas Gol marcado Gols Posição Jogador Partidas Gol marcado Gols
Pelé 115[P] 95[P] 21º Sócrates 63 25
Ronaldo 98 62 22º Jair Rosa Pinto 39 22
Romário 70 55 Pepe 40 22
Bebeto 88 52 24º Didi 68 20
Zico 72 52[36] 25º Waldemar de Brito 18 18
Jairzinho 106 44 26° Baltazar 31 17
Rivellino 120 40 Garrincha 60 17
Leônidas da Silva 37 37 Nilo 18 17
Tostão 65 36 Quarentinha 17 17
10º Ademir de Menezes 41 35 Raí 51 17
Ronaldinho Gaúcho 100 35 31º Fred 30 16
12º Rivaldo 74 34 32º Carvalho Leite 25 15
13º Zizinho 54 31 Heleno de Freitas 18 15
14º Neymar 47 30 Vavá 20 15
15º Careca 63 29 35º Cláudio Adão 12 14
Kaká 87 29 Gérson 70 14
Robinho 90 29 Patesko 34 14
18º Luís Fabiano 45 28 38º Julinho Botelho 31 13
19° Adriano 48 27 Túlio Maravilha 15 13
20º Roberto Dinamite 47 26 40º Edmundo 39 12

P. ^ Como a contagem de jogos e gols daquela época era dificultada, as estatísticas são até hoje muito controversas, sendo contabilizados apenas 92 jogos e 77 gols para Pelé em contagens oficiais, como a da FIFA, que desconsidera muitas das partidas disputadas pela Seleção Brasileira. Apesar disto, em ambas as contagens ele se mantém como o maior artilheiro da equipe.

Patrocinadores[editar | editar código-fonte]

Os patrocinadores da Seleção Brasileira, conforme o site oficial, são:[37]

Material esportivo

Referências

  1. FERNANDEZ, Martín; RIZZO, Marcel (28 de novembro de 2012). Felipão será anunciado como novo técnico da seleção nesta quinta (em português). Folha de S. Paulo. Página visitada em 2 de novembro de 2013.
  2. Cafu: o recordista [ligação inativa] (em português). Fantástico. Página visitada em 3 de julho de 2011.
  3. Na seleção, só Pelé marcou mais gols do que Ronaldo (em português). Placar (7 de junho de 2011). Página visitada em 3 de julho de 2011.
  4. a b c FIFA.com (abril de 2011). Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola (em português). Página visitada em 6 de maio de 2011.
  5. Brasil no FIFA.com (em português). FIFA.com. Página visitada em 3 de julho de 2011.
  6. Futebol: Brasil x Itália em 2009 (em português). setelagoas.com.br (14 de novembro de 2008). Página visitada em 3 de julho de 2011.
  7. a b c Brasil: informações sobre o país (em português). FIFA.com. Página visitada em 3 de julho de 2011.
  8. Pesquisador argentino fala da rivalidade entre Brasil e Argentina em entrevista ao Portal UFMG (em português). UFMG (18 de junho de 2008). Página visitada em 3 de julho de 2011.
  9. ‘Pelé x Maradona’ Rivalidade Brasil x Argentina [ligação inativa]. enriquedias.com.br. Página visitada em 3 de julho de 2011.
  10. França e Brasil, uma rivalidade histórica, partidas memoráveis [ligação inativa] (em português). france.fr (9 de fevereiro de 2011). Página visitada em 3 de julho de 2011.
  11. Confrontos da Seleção Brasileira - Argentina (em português). CBF. Página visitada em 2 de julho de 2009.
  12. CBF.com/salao. Sala de Troféus - Copa Roca. (Página acessada em 2 de julho de 2009).
  13. CBF.com/salao. Sala de Troféus - Copa América. (Página acessada em 2 de julho de 2009).
  14. Esportes Terra. História das Copas - Copa 1950. (Página acessada em 2 de julho de 2009).
  15. http://www.arquivodosmundiais.com/copa/1970/conmebol/1970b.htm
  16. http://veja.abril.com.br/idade/Copa70/imagens/ZAGALOfinal.swf
  17. "Seleção brasileira de 1970 é a melhor de todos os tempos", O Globo online, 9 de setembro de 2007.
  18. Dunga é o novo técnico da Seleção Brasileira. UOL (2006-07-24).
  19. Sports123.com. Universiade - Football - Men (em inglês). Página visitada em 8 de outubro de 2009.
  20. Estréias do Brasil em Copas do Mundo (em português). Portal Terra. Página visitada em 26 de julho de 2011.
  21. Felipão convoca 16 jogadores para o amistoso do dia 5 de março, e o restante do grupo, formado por jogadores que atuam no Brasil, será definido e divulgado em dia próximo à partida (em português). CBF (11 de fevereiro de 2014). Página visitada em 15 de fevereiro de 2014.
  22. Felipão completa lista para amistoso contra África do Sul com Fred, Jô e Jefferson (em português). GloboEsporte.com (24 de fevereiro de 2014). Página visitada em 24 de fevereiro de 2014.
  23. Anjos Barrocos (em português). Sítio oficial do Museu do Futebol. Página visitada em 2 de dezembro de 2011.
  24. Heróis Brasileiros (em português). Sítio oficial do Museu do Futebol. Página visitada em 2 de dezembro de 2011.
  25. Comandada por Ney Franco, Seleção sub-18 conquista título na Espanha (em português). GloboEsporte.com (24 de abril de 2011). Página visitada em 25 de abril de 2011.
  26. Com Romário, Seleção Sub-18 é campeã na Espanha (em português). internacional.com.br (24 de abril de 2011). Página visitada em 25 de abril de 2011.
  27. Sub-18 é campeã invicta (em português). internacional.com.br (24 de abril de 2011). Página visitada em 25 de abril de 2011.
  28. Sub-20 conquista o Torneio 8 Nações (em português). cbf.com.br (3 de junho de 2012). Página visitada em 9 de junho de 2012.
  29. Brasil vence a Argentina e conquista torneio sub-20 na África do Sul (em português). globo.com (3 de junho de 2012). Página visitada em 9 de junho de 2012.
  30. Na prorrogação, Brasil vence Argentina e conquista Torneio 8 Nações (em português). terra.com.br (4 de junho de 2012). Página visitada em 9 de junho de 2012.
  31. Na prorrogação, Brasil vence Argentina e conquista Torneio 8 Nações (em português). veja.com.br (4 de junho de 2012). Página visitada em 9 de junho de 2012.
  32. http://www.dn.pt/desporto/interior.aspx?content_id=3263988
  33. Seleção sub-20 é campeã de torneio amistoso na Suíça (em português). Estadao.com.br (15 de junho de 2013). Página visitada em 15 de junho de 2013.
  34. Seleção sub-20 é campeã de torneio amistoso na Suíça (em português). Estadao.com.br (15 de junho de 2013). Página visitada em 15 de junho de 2013.
  35. Brasil conquista a Valais Youth Cup nos pênaltis (em português). cbf.com.br (15 de junho de 2013). Página visitada em 15 de junho de 2013.
  36. Brazil - Record International Players.
  37. Página principal (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 5 de maio de 2010.
  38. AmBev e CBF oficializam patrocínio da seleção brasileira (em português). Meio & Mensagem Online (24 de maio de 2001). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  39. STJ mantém contrato de patrocínio entre CBF e Vivo (em português). O Globo Online (21 de maio de 2008). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  40. Itaú prorroga contrato como patrocinador da Seleção Brasileira até 2022 (em português). CBF (11 de novembro de 2013). Página visitada em 12 de novembro de 2013.
  41. CBF e Volkswagen celebram patrocínio até a Copa do Mundo de 2014 (em português). CBF (27 de novembro de 2009). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  42. Grupo Pão de Açúcar é o novo patrocinador da Seleção Brasileira (em português). CBF (17 de agosto de 2009). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  43. Seleção Brasileira e Seara firmam parceria até 2014, o ano da Copa do Mundo no Brasil (em português). CBF (12 de abril de 2010). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  44. Nestlé fecha patrocínio com CBF e confirma jogo em Araras em 2011 (em português). Tribuna do Povo (15 de maio de 2010). Página visitada em 5 de junho de 2010.
  45. http://www.adnews.com.br/negocios/mastercard-e-a-nova-patrocinadora-oficial-da-selecao-brasileira-de-futebol
  46. http://mais.uol.com.br/view/t2pjn3videvl/samsung-e-a-nova-patrocinadora-da-selecao-brasileira-04024E1A316CD4B14326?types=V&
  47. http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2013/07/11/patrocinador-da-cbf-substitui-kaka-por-trio-campeao-na-selecao.htm
  48. http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-das-confederacoes/jornal-selecao-fecha-acordo-com-a-gol-e-estreia-aviao-que-usara-na-copa,f0aaaa10ebacd310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html
  49. http://www.segurosunimed.com.br/noticias?id=2076744
  50. Nike renova com CBF e Flamengo (em português). Meio & Mensagem Online (18 de abril de 2006). Página visitada em 5 de junho de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons

Predefinição:Bloco de navegação

Predefinição:Navbox/core Predefinição:Portal3