Grécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cultura grega)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Hélade" redireciona para este artigo. Para o tema bizantino, veja Tema da Hélade.
Ελληνική Δημοκρατία
Ellīnikī́ Dīmokratía

República Helênica / Helénica
Bandeira da Grécia
Brasão de armas da Grécia
Bandeira Brasão de armas
Hino nacional: Ύμνος πρός την Ελευθερίαν
("Hino da Liberdade")
Gentílico: grego

Localização da Grécia

Localização da Grécia (em verde escuro) e na União Europeia (em verde claro)
Capital Atenas
Cidade mais populosa Atenas
Língua oficial Grego ¹
Religião oficial Ortodoxia grega[1]
Governo República parlamentarista
 - Presidente Katerina Sakellaropoulou
 - Primeiro-ministro Kyriákos Mitsotákis
Independência do Império Otomano 
 - Data 25 de março de 1821 
 - Reconhecimento 3 de fevereiro de 1830 
Área  
 - Total 131 990 km² (96.º)
 - Água (%) 0,8669
População  
 - Estimativa para 2018 10 816 286[2] hab. (74.º)
 - Censo 2017 10 768 477 hab. 
 - Densidade 84 hab./km² (88.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2019
 - Total US$ 324 128 bilhões[3] 
 - Per capita US$ 30 252[3] 
PIB (nominal) Estimativa de 2019
 - Total US$ 214,012 bilhões[3] 
 - Per capita US$ 19 974[3] 
IDH (2018) 0,872 (32.º) – muito alto[4]
Gini (2018) 32,3
Moeda Euro² (EUR)
Fuso horário EET (UTC+2)
 - Verão (DST) EEST (UTC+3)
Clima Mediterrâneo
Org. internacionais ONU, OMC, OTAN, UE, CE, OCDE, UEO
Cód. ISO GRC
Cód. Internet .gr 3
Cód. telef. +30

Mapa da Grécia

Grécia (em grego: Ελλάδα; transl.: Elláda pronunciado: [eˈlaða] (Sobre este somescutar )), oficialmente República Helênica (português brasileiro) ou Helénica (português europeu) (em grego: Ελληνική Δημοκρατία; transl.: Ellīnikī́ Dīmokratía pronunciado: [eliniˈci ðimokraˈti.a]) e historicamente conhecida como Hélade (em grego: Ἑλλάς; transl.: Hellás), é um país localizado no sul da Europa.[5] De acordo com dados do censo de 2011, a população grega é de cerca de 11 milhões de pessoas. Atenas é a capital e a maior cidade do país.

O país está estrategicamente localizado no cruzamento entre a Europa, a Ásia, o Oriente Médio e a África.[6][7][8] Tem fronteiras terrestres com a Albânia a noroeste, com a Macedônia do Norte e a Bulgária ao norte e com a Turquia no nordeste. O país é composto por nove regiões geográficas: Macedônia, Grécia Central, Peloponeso, Tessália, Epiro, Ilhas Egeias (incluindo o Dodecaneso e Cíclades), Trácia, Creta e Ilhas Jônicas. O Mar Egeu fica a leste do continente, o Mar Jônico a oeste e o Mar Mediterrâneo ao sul. A Grécia tem a 11.ª maior costa do mundo, com 13 676 quilômetros de comprimento, com um grande número de ilhas (cerca de 1 400, das quais 227 são habitadas). Oitenta por cento do país é composto por montanhas, das quais o Monte Olimpo é a mais elevada, a 2 917 metros de altitude.

A Grécia moderna tem suas raízes na civilização da Grécia Antiga, considerada o berço de toda a civilização ocidental. Como tal, é o local de origem da democracia, da filosofia ocidental,[9] dos Jogos Olímpicos, da literatura ocidental, da historiografia, da ciência política, de grandes princípios científicos e matemáticos,[10] das artes cênicas ocidentais,[11] incluindo a tragédia e a comédia. As conquistas culturais e tecnológicas gregas influenciaram grandemente o mundo, sendo que muitos aspectos da civilização grega foram transmitidos para o Oriente através de campanhas de Alexandre, o Grande, e para o Ocidente, através do Império Romano. Este rico legado é parcialmente refletido nos 17 locais considerados pela UNESCO como Patrimônio Mundial no território grego, o sétimo maior número da Europa e o 13.º do mundo. O Estado grego moderno, que engloba a maior parte do núcleo histórico da civilização grega antiga, foi criado em 1830, após a Guerra da Independência Grega contra o antigo Império Otomano.

Atualmente, a Grécia é um país democrático[12] e desenvolvido,[13][14] com uma economia avançada e de alta renda,[15] um alto padrão de vida[16][17] e um índice de desenvolvimento humano (IDH) considerado muito alto pelas Nações Unidas.[4] A Grécia é um membro fundador da Organização das Nações Unidas (ONU), é membro do que é hoje a União Europeia desde 1981 (e da Zona Euro desde 2001),[18] além de ser membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) desde 1952. A economia grega é também a maior dos Balcãs, onde a Grécia é um importante investidor regional.

Etimologia

Grego é o nome pelo qual os romanos designavam os helenos, habitantes da Hélade que ficou conhecida como Grécia. As formas portuguesa Grécia, castelhana, romena e italiana Grecia, francesa Grèce, inglesa Greece, alemã Griechenland são um eruditismo calcado sobre o latim Græcia.[19]

História

Ver artigo principal: História da Grécia

Pré-história e primeiras civilizações

A evidência mais antiga da presença de ancestrais humanos no sul dos Bálcãs, datada de 270 000 a.C., pode ser encontrada na caverna Petralona, ​​na Macedônia Central.[20] A caverna Apidima em Mani, no sul da Grécia, contém os restos mais antigos de humanos anatomicamente modernos fora da África, datados de 210.000 anos atrás.[21][22][23] Todos os três estágios da Idade da Pedra (Paleolítico, Mesolítico e Neolítico) estão representados na Grécia, por exemplo, na caverna Franchthi.[24] Os assentamentos neolíticos na Grécia, datados do VII milênio a.C.,[20] são os mais antigos da Europa, pois a Grécia fica na rota pela qual a agricultura se espalhou do Oriente Próximo para a Europa.[25]

A Grécia abriga as primeiras civilizações avançadas da Europa e é considerada o berço da civilização ocidental,[26][27][28][29] começando com a civilização cicládica nas ilhas do Mar Egeu por volta de 3 200 a.C.,[30] a civilização minoica em Creta (3000–1200 a.C.),[29][31] e depois a civilização micênica no continente (1600–1100 a.C.).[31] Essas civilizações possuíam escrita, os minoicos escrevendo em um alfabeto não decifrado conhecido como Linear A e os micênicos em Linear B, uma forma primitiva do grego. Os micênicos absorveram gradualmente os minoicos, mas entraram em colapso violentamente por volta de 1 200 a.C., junto com outras civilizações, durante o evento regional conhecido como colapso da Idade do Bronze.[32]

Isso deu início a um período conhecido como a Idade das Trevas Grega, da qual os registros escritos estão ausentes. Embora os textos Linear B desenterrados sejam muito fragmentários para a reconstrução do cenário político e não possam apoiar a existência de um Estado maior, registros contemporâneos hititas e egípcios sugerem a presença de um único Estado sob o dominio de um "Grande Rei" baseado na Grécia continental.[33][34]

Período arcaico e clássico

O fim da Idade das Trevas Grega é tradicionalmente datado de 776 a.C., o ano dos primeiros Jogos Olímpicos da Antiguidade.[35] Acredita-se que a Ilíada e a Odisseia, os textos fundamentais da literatura ocidental, tenham sido compostos por Homero nos séculos VIII ou VII a.C..[36][37] Com o fim da Idade das Trevas, surgiram vários reinos e cidades-Estados em toda a península grega, que se espalharam pelas margens do Mar Negro, sul da Itália (Magna Graecia) e Ásia Menor. Esses Estados e suas colônias alcançaram grandes níveis de prosperidade que resultaram em um boom cultural sem precedentes na Grécia clássica, expresso em arquitetura, teatro, ciência, matemática e filosofia. Em 508 a.C., Clístenes instituiu o primeiro sistema democrático de governo do mundo em Atenas.[38][39]

Em 500 a.C., o Império Aquemênida (ou Persa) controlava as cidades gregas da Ásia Menor e Macedônia.[40] As tentativas de algumas das cidades-Estados gregas da Ásia Menor de derrubar o domínio persa falharam e a Pérsia invadiu os estados da Grécia continental em 492 a.C., mas foi forçada a se retirar após uma derrota na Batalha de Maratona em 490 a.C.. Em resposta, as cidades-Estados gregas formaram a Liga Helênica em 481 a.C., liderada por Esparta, que foi a primeira união historicamente registrada dos Estados gregos desde a união mítica da Guerra de Troia.[41][42]

Uma segunda invasão pelos persas aconteceu em 480 a.C.. Após decisivas vitórias gregas em 480 e 479 a.C. em Salamina, Plateias e Mícale, os persas foram forçados a se retirar pela segunda vez, marcando sua eventual retirada de todos os seus territórios europeus. Lideradas por Atenas e Esparta, as vitórias gregas nas Guerras Greco-Persas são consideradas um momento crucial na história do mundo,[43] pois os 50 anos de paz que se seguiram são conhecidos como a Idade de Ouro de Atenas, período seminal de desenvolvimento na Grécia Antiga que lançou muitas das bases da civilização ocidental.[43]

Alexandre, o Grande, cuja conquistas levaram ao início do período helenístico
Império Macedônico, criado por Alexandre, o Grande (r. 334–323 a.C.)

A falta de unidade política na Grécia resultou em conflitos frequentes entre os Estados gregos. A guerra intra-grega mais devastadora foi a Guerra do Peloponeso (431–404 a.C.), vencida por Esparta e que marcou o fim do Império Ateniense como a principal potência na Grécia antiga. Atenas e Esparta foram mais tarde ofuscadas por Tebas e, eventualmente, pela Macedônia, com a última unindo a maioria das cidades-Estados do interior da Grécia na Liga de Corinto (também conhecida como Liga Helênica ou Liga Grega), sob o controle de Filipe II.[44]

Apesar desse desenvolvimento, o mundo grego permaneceu amplamente fragmentado e não estaria unido sob uma única potência até o período romano.[45] Esparta não se juntou à Liga e lutou ativamente contra ela, levantando um exército liderado por Ágis III para garantir as cidades-Estado de Creta para a Pérsia.[46]

Após o assassinato de Filipe II, seu filho Alexandre III ("O Grande") assumiu a liderança da Liga de Corinto e iniciou uma invasão do Império Aquemênida com as forças combinadas da Liga em 334 a.C.. Invicto em batalha, Alexandre havia conquistado o os territórios persas em 330 a.C.. Quando morreu em 323 a.C., havia criado um dos maiores impérios da história, estendendo-se da Grécia à Índia. Após sua morte, seu império se dividiu em vários reinos, sendo os mais famosos o Império Selêucida, o Egito Ptolomaico, o Reino Greco-Bactriano e o Reino Indo-Grego. Muitos gregos migraram para Alexandria, Antioquia, Selêucia e muitas outras novas cidades helenísticas na Ásia e na África.[47]

Embora a unidade política do império de Alexandre não pudesse ser mantida, ela resultou na civilização helenística e espalhou a língua grega e a cultura grega nos territórios conquistados por Alexandre.[48] Considera-se geralmente que a ciência, a tecnologia e a matemática gregas atingiram seu pico durante o período helenístico.[49]

Período helenístico e romano

Máquina de Anticítera (c. 100 a.C.), considerado o primeiro computador analógico mecânico conhecido (Museu Arqueológico Nacional de Atenas)
Torre dos Ventos nas ruínas da ágora romana de Atenas

Após um período de confusão após a morte de Alexandre, a dinastia antigónida, descendente de um dos generais de Alexandre, estabeleceu seu controle sobre a Macedônia e a maioria das cidades-Estados gregas em 276 a.C..[50] Por volta de 200 a.C., a República Romana se envolveu cada vez mais nos assuntos gregos e se engajou em uma série de guerras romano-macedônicas.[51] A derrota da Macedônia na Batalha de Pidna, em 168 a.C., sinalizou o fim do poder antigonídeo na Grécia.[52] Em 146 a.C., a Macedônia foi anexada como uma província romana e o restante da Grécia tornou-se um protetorado romano.[51][53]

O processo foi concluído em 27 a.C., quando o imperador romano Augusto anexou o restante da Grécia e a constituiu como província senatorial da Acaia.[53] Apesar de sua superioridade militar, os romanos admiravam e se tornaram fortemente influenciados pelas realizações da cultura grega, daí a famosa declaração de Horácio: Graecia capta ferum victorem cepit ("A Grécia, embora capturada, levou seu conquistador selvagem em cativeiro").[54] Os épicos de Homero inspiraram a Eneida de Virgílio, e autores como Sêneca, o jovem, escreveram usando estilos literários gregos. Heróis romanos, como Cipião Africano, tendiam a estudar filosofia e consideravam a cultura e a ciência gregas um exemplo a ser seguido. Da mesma forma, a maioria dos imperadores romanos mantinha uma admiração por coisas de natureza grega. O imperador romano Nero visitou a Grécia em 66 e se apresentou nos Jogos Olímpicos, apesar das regras contra a participação de não gregos.[55]

As comunidades de língua grega do Oriente helenizado foram fundamentais para a disseminação do cristianismo primitivo nos séculos II e III,[56] sendo que os primeiros líderes e escritores do cristianismo (principalmente Paulo de Tarso) eram principalmente de língua grega, embora geralmente não fossem da própria Grécia.[57] O Novo Testamento foi escrito em grego e algumas de suas seções (Coríntios, Tessalonicenses, Filipenses, Apocalipse de João de Patmos) atestam a importância das igrejas na Grécia no início do cristianismo. No entanto, grande parte da Grécia se apegou tenazmente ao paganismo e as práticas religiosas gregas antigas ainda estavam em voga no final do século IV,[58] quando foram proibidas pelo imperador romano Teodósio I em 391–392.[59] Os últimos jogos olímpicos registrados foram realizados em 393[60] e muitos templos foram destruídos ou danificados no século seguinte.[61] Em Atenas e nas áreas rurais, o paganismo é atestado desde o século VI[61] e até mais tarde.[62] O fechamento da Academia de Atenas, da escola neoplatônica, pelo imperador Justiniano em 529 é considerado por muitos como o fim da antiguidade, embora haja evidências de que a Academia continuou suas atividades por algum tempo depois disso.[61] Algumas áreas remotas, como o sudeste do Peloponeso, permaneceram pagãs até o século X.[63]

Período bizantino

Ver artigos principais: Império Bizantino e Latinocracia
O Império Bizantino em 555, sob Justiniano, o Grande, em sua maior extensão desde a queda do Império Romano do Ocidente
Palácio do Grão-Mestre dos Cavaleiros de Rodes, originalmente construída no final do século VII como uma cidadela bizantina e a partir de 1309 usada pelos Cavaleiros Hospitalários

O Império Romano do Oriente, após a queda do Império Romano do Ocidente no século V, é convencionalmente conhecido como Império Bizantino (mas era simplesmente chamado de "Império Romano" em seu próprio tempo) e durou até 1453. Com sua capital em Constantinopla, sua língua e cultura literária eram gregas e sua religião era predominantemente cristã ortodoxa oriental.[64]

Desde o século IV, os territórios balcânicos do Império, incluindo a Grécia, sofreram o deslocamento de invasões bárbaras. Os ataques e devastação dos godos e hunos nos séculos IV e V e a invasão eslava da Grécia no século VII resultou em um colapso dramático na autoridade imperial na península grega.[65] Após a invasão eslava, o governo imperial manteve o controle formal apenas das ilhas e áreas costeiras, particularmente das cidades amuralhadas densamente povoadas, como Atenas, Corinto e Tessalônica, enquanto algumas áreas montanhosas do interior se sustentavam por conta própria e continuavam a reconhecer os interesses da autoridade imperial.[65] Fora dessas áreas, acredita-se que uma quantidade limitada de assentamentos eslavos tenha surgido, embora em uma escala muito menor do que se pensava anteriormente.[66][67] No entanto, a visão de que a Grécia na antiguidade tardia passou por uma crise de declínio, fragmentação e despovoamento agora é considerada ultrapassada, pois as cidades gregas mostram um alto grau de continuidade institucional e prosperidade entre os séculos IV e VI (e possivelmente mais tarde também). No início do século VI, a Grécia possuía aproximadamente 80 cidades de acordo com a crônica Sinecdemo' e o período do século IV ao VII é considerado de alta prosperidade, não apenas na Grécia, mas em todo o Mediterrâneo Oriental.[68]

Até o século VIII, quase toda a Grécia moderna estava sob a jurisdição da Santa Sé de Roma, de acordo com o sistema da Pentarquia. O imperador bizantino Leão III moveu a fronteira do Patriarcado de Constantinopla para o oeste e para o norte no século VIII.[69]

A recuperação bizantina de províncias perdidas começou no final do século VIII e a maior parte da península grega ficou sob controle imperial novamente, em etapas, durante o século IX.[70][71] Esse processo foi facilitado por um grande influxo de gregos da Sicília e da Ásia Menor para a península grega, enquanto ao mesmo tempo muitos eslavos foram capturados e restabelecidos na Ásia Menor e os poucos que restaram foram culturalmente assimilados.[66] Durante os séculos XI e XII, o retorno da estabilidade resultou em um forte crescimento econômico na península grega - muito mais forte do que o dos territórios anatólios do Império.[70]

Após a Quarta Cruzada e a queda de Constantinopla aos "latinos" em 1204, a Grécia dividiu-se entre o Despotado do Epiro (um estado sucessor bizantino) e o domínio do Reino da França[72] (conhecido como "latinocracia"), enquanto algumas ilhas estavam sob controle da República de Veneza.[73] O restabelecimento da capital imperial bizantina em Constantinopla em 1261 foi acompanhado pela recuperação de grande parte da península grega pelo império, embora o Principado da Acaia no Peloponeso e o rival Despotado do Epiro no norte continuassem importantes potências regionais no século XIV, enquanto as ilhas permaneciam em grande parte sob controle genovês e veneziano.[72] Durante a dinastia paleóloga (1261-1453), surgiu uma nova era do patriotismo grego, acompanhada de um retorno à Grécia antiga.[74][75][76]

Como tais personalidades proeminentes da época também propuseram mudar o título imperial para "Imperador dos Helenos"[74][76] e, no final do século XIV, o imperador era frequentemente chamado dessa maneira.[77] Da mesma forma, em vários tratados internacionais da época, o imperador bizantino é denominado "Imperator Graecorum".[78]

No século XIV, grande parte da península grega foi perdida pelo Império Bizantino, primeiro para os sérvios e depois para os otomanos.[79] No início do século XV, o avanço otomano significava que o território bizantino na Grécia estava limitado principalmente à sua maior cidade da época, Tessalônica, e ao Peloponeso (Despotado da Moreia).[79] Após a queda de Constantinopla para os otomanos em 1453, a Moreia foi um dos últimos Estados remanescentes do Império Bizantino a resistir aos turco-otomanos. No entanto, ele também caiu para os otomanos em 1460, completando a conquista otomana da Grécia continental.[80] Com a conquista turca, muitos estudiosos gregos bizantinos, que até então eram os principais responsáveis ​​pela preservação do conhecimento grego clássico, fugiram para o Ocidente, levando consigo um grande corpo de literatura e, assim, contribuindo significativamente para o período do Renascimento.[81]

Possessões venezianas e domínio otomano

Ver artigos principais: Stato da Màr e Grécia otomana
Forte de Cules, em Heraclião, Creta, construído pela República de Veneza no século XVI
A Torre Branca de Tessalônica, uma das estruturas otomanas mais conhecidas da Grécia

Enquanto a maior parte da Grécia continental e das ilhas do Mar Egeu estava sob controle otomano no final do século XV, Chipre e Creta continuaram sendo território veneziano e só caíram para os otomanos em 1571 e 1670, respectivamente. A única parte do mundo de língua grega que escapou do domínio otomano no longo prazo foram as ilhas Jônicas, que permaneceram venezianas até serem capturadas pela Primeira República Francesa em 1797, depois passaram para o Reino Unido em 1809 até sua unificação com a Grécia em 1864.[82]

Enquanto alguns gregos nas ilhas Jônicas e Constantinopla viviam em prosperidade e, no caso dos fanariotas, alcançaram posições de poder dentro do governo otomano,[83] grande parte da população da Grécia continental sofreu as consequências econômicas da conquista otomana. Impostos foram cobrados e, nos anos posteriores, o Império Otomano decretou uma política de criação de propriedades hereditárias, transformando efetivamente as populações gregas rurais em servos.[84]

A Igreja Ortodoxa Grega e o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla foram considerados pelos governos otomanos como autoridades dominantes de toda a população cristã ortodoxa do Império Otomano, etnicamente grega ou não. Embora o Estado otomano não tenha forçado os não-muçulmanos a se converterem ao islamismo, os cristãos enfrentaram vários tipos de discriminação que pretendiam destacar seu status "inferior". A discriminação contra os cristãos, principalmente quando combinada com o tratamento severo das autoridades otomanas locais, levou a conversões ao Islã, mesmo que superficialmente. No século XIX, muitos "cripto-cristãos" retornaram à sua antiga lealdade religiosa.[85]

A natureza da administração otomana da Grécia variava, embora fosse invariavelmente arbitrária e muitas vezes dura.[85] Quando eclodiram conflitos militares entre o Império Otomano e outros estados, os gregos usavam armas contra os otomanos, com poucas exceções. Essas revoltas eram reprimidas pelos otomanos com grande derramamento de sangue.[86][87]

Os séculos XVI e XVII são considerados como uma "idade das trevas" na história grega, com a perspectiva de derrubar o domínio otomano parecendo remota. Corfu resistiu a três cercos principais em 1537, 1571 e 1716, os quais resultaram na repulsa aos otomanos. No entanto, no século XVIII, devido ao seu domínio do transporte marítimo e do comércio, surgiu uma classe rica e dispersa de comerciantes gregos. Esses comerciantes passaram a dominar o comércio dentro do Império Otomano, estabelecendo comunidades em todo o Mediterrâneo, nos Bálcãs e na Europa Ocidental. Embora a conquista otomana tenha separado a Grécia de importantes movimentos intelectuais europeus, como a Reforma e o Iluminismo, essas ideias, juntamente com os ideais da Revolução Francesa e o nacionalismo romântico, começaram a penetrar no mundo grego através da diáspora mercantil.[88] No final do século XVIII, Rigas Feraios, o primeiro revolucionário a visualizar um Estado grego independente, publicou uma série de documentos relacionados à independência grega, incluindo, entre outros, um hino nacional e o primeiro mapa detalhado da Grécia, em Viena. Feraios foi assassinado por agentes otomanos em 1798.[89][90]

Período contemporâneo

Ver artigo principal: História da Grécia Moderna

Guerra de independência

Fragata otomana em chamas durante a Guerra da Independência Grega (1821–1829)
A Batalha de Navarino em 1827 assegurou a independência grega do Império Otomano

No final do século XVIII, um aumento na aprendizagem secular durante o Iluminismo Grego ao ressurgimento entre os gregos da diáspora da noção de uma nação grega que remonta à Grécia antiga, distinta dos outros povos ortodoxos, e tendo direito a à autonomia política. Uma das organizações formadas nesse meio intelectual foi a Filiki Eteria, uma organização secreta formada por comerciantes em Odessa em 1814.[91] Apropriando-se de uma longa tradição da profecia messiânica ortodoxa que aspirava à ressurreição do Império Romano do Oriente e criando a impressão de que tinham o apoio do Império Russo, eles conseguiram, em meio a uma crise do comércio otomano a partir de 1815, envolver os estratos tradicionais do mundo ortodoxo grego em sua causa nacionalista liberal. A Filiki Eteria planejava lançar a revolução no Peloponeso, nos Principados do Danúbio e em Constantinopla. A primeira dessas revoltas começou em 6 de março de 1821, nos Principados do Danúbio, sob a liderança de Alexandros Ypsilantis, mas logo foi reprimida pelos otomanos. Os eventos no norte levaram os gregos do Peloponeso a entrar em ação e, em 17 de março de 1821, os maniots declararam guerra aos otomanos.[92]

No final do mês, o Peloponeso estava em revolta aberta contra os otomanos e em outubro de 1821 os gregos sob liderança de Theodoros Kolokotronis haviam capturado Tripolitsa. A revolta do Peloponeso foi rapidamente seguida por revoltas em Creta, Macedônia e Grécia Central, que logo seriam reprimidas. Enquanto isso, uma marinha grega improvisada estava obtendo sucesso contra a marinha otomana no Mar Egeu e impedia que os reforços otomanos chegassem pelo mar. Em 1822 e 1824, turcos e egípcios devastaram as ilhas, incluindo Chios e Psara, cometendo massacres contra a população.[92] Aproximadamente três quartos da população grega de Chios, de 120.000 habitantes, foram mortos, escravizados ou morreram de doenças.[93][94] Isto teve o efeito de galvanizar a opinião pública na Europa Ocidental em favor dos rebeldes gregos.[95]

Tensões logo se desenvolveram entre diferentes facções gregas, levando a duas guerras civis consecutivas. Enquanto isso, o sultão otomano negociou com Mehmet Ali, do Egito, que concordou em enviar seu filho Ibraim Paxá para a Grécia com um exército para reprimir a revolta em troca de ganhos territoriais. Ibraim desembarcou no Peloponeso em fevereiro de 1825 e teve sucesso imediato: no final de 1825, a maior parte do Peloponeso estava sob controle egípcio e a cidade de Missolonghi - sitiada pelos turcos desde abril de 1825 - caiu em abril de 1826. Embora Ibraim tenha sido derrotado em Mani, ele conseguiu reprimir a maior parte da revolta no Peloponeso e Atenas foi retomada.[96]

Após anos de negociação, três grandes potências, França, Império Russo e Reino Unido, decidiram intervir no conflito e cada nação enviou uma marinha para a Grécia. Após as notícias de que as frotas otomano-egípcias combinadas iam atacar a ilha grega de Hydra, a frota aliada interceptou a frota otomana-egípcia em Navarino. Um impasse de uma semana terminou com a Batalha de Navarino, que resultou na destruição da frota otomano-egípcia. Uma força expedicionária francesa foi despachada para supervisionar a evacuação do exército egípcio do Peloponeso, enquanto os gregos procederam à parte capturada da Grécia Central em 1828. Como resultado de anos de negociação, o nascente Estado grego foi finalmente reconhecido sob o Protocolo de Londres em 1830.[97]

Reino

Ver artigo principal: Reino da Grécia
A Entrada do Rei Oto I em Atenas, Peter von Hess, 1839
O Parlamento Helênico por volta dos anos 1880, com Charílaos Trikúpis a discursar

Em 1827, Ioannis Kapodistrias, de Corfu, foi escolhido pela Terceira Assembléia Nacional em Trezena como o primeiro governador da Primeira República Helênica. Kapodistrias estabeleceu uma série de instituições estatais, econômicas e militares. Logo surgiram tensões entre ele e os interesses locais. Após seu assassinato em 1831 e a subsequente conferência de Londres, um ano depois, as Grandes Potências de Reino Unido, França e Rússia instalaram o príncipe bávaro Otto von Wittelsbach como monarca.[98] O reinado de Otto foi despótico e, em seus primeiros 11 anos de independência, a Grécia foi governada por uma oligarquia da Baviera liderada por Josef Ludwig von Armansperg como primeiro-ministro e, mais tarde, pelo próprio Otto, que detinha o título de rei e primeiro-ministro.[98] Durante esse período, a Grécia permaneceu sob a influência de suas três grandes potências protetoras, França, Rússia e Reino Unido, além da Baviera.[99]

Apesar do absolutismo do reinado de Otto, os primeiros anos foram fundamentais na criação de instituições que ainda são a base da administração e educação gregas.[100] Medidas importantes foram tomadas na criação do sistema educacional, nas comunicações marítimas e postais, na administração civil eficaz e, mais importante, no código legal.[101] O revisionismo histórico assumiu a forma de "desbizantinificação" e des "desotomanização", em favor da promoção da herança grega antiga do país.[102] Nesse espírito, a capital nacional foi transferida de Náuplia, onde estava desde 1829, para Atenas, que na época era uma vila.[103] Uma reforma religiosa também ocorreu e a Igreja da Grécia foi estabelecida como igreja nacional do país, embora Otto permanecesse católico. 25 de março, o dia da Anunciação, foi escolhido como o aniversário da Guerra da Independência Grega, a fim de reforçar o vínculo entre a identidade nacional grega e a Ortodoxia.[102] Pavlos Karolidis chamou os esforços da Baviera para criar um Estado moderno na Grécia como "não apenas apropriado para as necessidades das pessoas, mas também baseado em excelentes princípios administrativos da época".[101]

Otto foi deposto na Revolução de 23 de outubro de 1862. Várias causas levaram ao seu depoimento e exílio, incluindo o governo dominado pela Baviera, impostos pesados ​​e uma tentativa fracassada de anexar Creta a partir do Império Otomano.[98] O catalisador da revolta foi a demissão de Konstantinos Kanaris por Otto.[100] Um ano depois, ele foi substituído pelo príncipe Guilherme da Dinamarca, que levou o nome de Jorge I e trouxe consigo as ilhas Jônicas como um presente de coroação da Grã-Bretanha. Uma nova Constituição em 1864 mudou a forma de governo da Grécia da monarquia constitucional para a república coroada mais democrática.[104][105][106] Em 1875, o conceito de maioria parlamentar como requisito para a formação de um governo foi introduzido por Charilaos Trikoupis,[107] restringindo o poder da monarquia de nomear governos minoritários de sua preferência. No final do século XIX, os gregos continuaram a batalha contra os turcos para continuar liberando territórios anteriormente ocupados, como Tessália e Epiro. Durante as Guerras dos Balcãs, a Grécia conseguiu também recuperar a Trácia e a Macedônia.[108]

Primeira Guerra Mundial

Formação do Exército Helênico na Parada da Vitória na Primeira Guerra Mundial em Paris, julho de 1919
Mapa da Grande Grécia após o Tratado de Sèvres, quando a Megali Idea parecia quase completa, apresentando Eleftherios Venizelos como seu gênio supervisor

Em meio à insatisfação geral com a aparente inércia e inatingibilidade das aspirações nacionais sob a liderança do cauteloso reformista Geórgios Theotókis, um grupo de oficiais militares organizou um golpe em agosto de 1909 e logo depois chamou a Atenas o político cretense Eleftherios Venizelos, que transmitia uma visão da regeneração nacional. Depois de vencer duas eleições e se tornar primeiro-ministro em 1910,[109] Venizelos iniciou amplas reformas fiscais, sociais e constitucionais, reorganizou as forças armadas, fez da Grécia um membro da Liga Balcânica e liderou o país durante as Guerras dos Balcãs. Em 1913, o território e a população da Grécia quase dobraram, anexando Creta, Epiro e Macedônia. Nos anos seguintes, a luta entre o rei Constantino I e o carismático Venizelos sobre a política externa do país nas vésperas da Primeira Guerra Mundial dominou a cena política do país e dividiu o país em dois grupos opostos. Durante partes da Primeira Guerra Mundial, a Grécia tinha dois governos: um pró-alemão monarquista em Atenas e um pró-Entente venizelista em Tessalônica. Os dois governos foram unidos em 1917, quando a Grécia entrou oficialmente na guerra ao lado da Entente.[110]

Após a Primeira Guerra Mundial, a Grécia tentou uma expansão adicional na Ásia Menor, uma região com uma grande população grega nativa na época, mas foi derrotada na Guerra Greco-Turca de 1919-1922, contribuindo para uma fuga maciça de gregos da Ásia Menor.[111][112] Esses eventos se sobrepuseram, com ambos ocorrendo durante o genocídio grego (1914–1922),[113][114][115][116] um período durante o qual, segundo várias fontes,[117] oficiais otomanos e turcos contribuíram para a morte de várias centenas de milhares de gregos na Ásia Menor, juntamente com um número semelhante de assírios e um número bastante maior de armênios. O êxodo grego resultante da Ásia Menor foi tornado permanente e ampliado em uma troca oficial de população entre a Grécia e a Turquia. A troca fazia parte dos termos do Tratado de Lausanne, que encerrou a guerra.[118]

A era seguinte foi marcada pela instabilidade, pois mais de 1,5 milhão de refugiados gregos expulsos da Turquia tiveram que ser integrados à sociedade grega. Gregos capadócios, gregos pônticos e gregos de Antioquia também estavam sujeitos à troca populacional. Alguns dos refugiados não sabiam falar o idioma dos gregos do continente. Os refugiados também fizeram um aumento dramático da população no pós-guerra, pois o número de refugiados era mais de um quarto da população anterior da Grécia.[119]

Após os eventos catastróficos na Ásia Menor, a monarquia foi abolida por meio de um referendo em 1924 e a Segunda República Helênica foi declarada. Em 1935, um general monarca que virou político Georgios Kondylis tomou o poder após um golpe de Estado e aboliu a república, realizando um referendo fraudulento, após o qual o rei Jorge II retornou à Grécia e foi restaurado ao trono.[120]

Segunda Guerra Mundial e guerra civil

Soldados alemães erguendo a bandeira de guerra nazista sobre a Acrópole em 1941. Ela seria derrubada por Manolis Glezos e Apostolos Santas em um dos primeiros atos de resistência grega

Em 1936, seguiu-se um acordo entre o primeiro-ministro Ioannis Metaxas e o chefe de estado Jorge II, que instalou Metaxas como chefe de um regime ditatorial conhecido como Regime de 4 de Agosto, inaugurando um período de regime autoritário que duraria, com pausas curtas, até 1974.[121]

Em 28 de outubro de 1940, a Itália fascista exigiu a rendição da Grécia, mas o governo grego recusou e, na Guerra Greco-Italiana seguinte, a Grécia repeliu as forças italianas na Albânia, dando aos Aliados sua primeira vitória sobre as forças do Eixo em terra. A luta e a vitória gregas contra os italianos receberam elogios exuberantes na época.[122][123] A mais proeminente é a citação atribuída a Winston Churchill: "Portanto, não diremos que os gregos lutam como heróis, mas diremos que os heróis lutam como gregos".[122] O general francês Charles de Gaulle estava entre os que elogiaram a ferocidade e a resistência do povo grego. Em um comunicado oficial divulgado para coincidir com a celebração nacional grega do Dia da Independência, De Gaulle expressou sua admiração pela resistência grega:

Em nome do povo francês capturado, mas ainda vivo, a França quer enviar suas saudações ao povo grego que está lutando por sua liberdade. O 25 de março de 1941 encontra a Grécia no auge de sua luta heróica e no topo de sua glória. Desde a Batalha de Salamina, a Grécia não alcançou a grandeza e a glória que hoje detém.[123]

O país acabaria por despachar urgentemente as forças nazistas durante a Batalha da Grécia, apesar da forte resistência grega, particularmente na Batalha da Linha Metaxas. O próprio Adolf Hitler reconheceu a bravura e a coragem do exército grego, afirmando em seu discurso ao Reichstag em 11 de dezembro de 1941, que: "A justiça histórica me obriga a declarar que dos inimigos que assumiram posições contra nós, o soldado grego em particular lutou com a mais alta coragem. Ele capitulou apenas quando a resistência se tornou impossível e inútil."[124]

Povo de Atenas comemora a libertação das potências do Eixo, em outubro de 1944. A Grécia do pós-guerra logo experimentaria uma guerra civil e uma polarização política

Os nazistas passaram a administrar Atenas e Tessalônica, enquanto outras regiões do país foram entregues aos parceiros da Alemanha nazista, como a Itália fascista e Bulgária. A Ocupação da Grécia pelas potências do Eixo trouxe terríveis dificuldades para a população civil grega. Mais de 100.000 civis morreram de fome durante o inverno de 1941-1942, dezenas de milhares morreram por causa de represálias de nazistas e colaboradores, a economia do país foi arruinada e a grande maioria dos judeus gregos (dezenas de milhares) foram deportados e assassinados em campos de concentração nazistas.[125][126] A resistência grega, um dos movimentos de resistência mais eficazes da Europa, lutou veementemente contra os nazistas e seus colaboradores. Os ocupantes alemães cometeram inúmeras atrocidades, execuções em massa, massacres de civis e destruição de cidades e vilarejos em represália. No curso da campanha antiguerrilha, centenas de aldeias foram sistematicamente incendiadas e quase um milhão de gregos ficaram desabrigados.[126] No total, os alemães executaram cerca de 21.000 gregos, os búlgaros 40.000 e os italianos 9.000 gregos.[127]

Após a libertação e a vitória dos Aliados sobre o Eixo, a Grécia anexou as ilhas do Dodecaneso da Itália e recuperou a Trácia Ocidental da Bulgária. O país quase imediatamente mergulhou em uma sangrenta guerra civil entre forças comunistas e o governo grego anticomunista, que durou até 1949 com a vitória da última. O conflito, considerado uma das primeiras lutas da Guerra Fria, resultou em mais devastação econômica, deslocamento da população em massa e severa polarização política pelos próximos trinta anos da história do país.[128]

Embora as décadas do pós-guerra tenham sido caracterizadas por conflitos sociais e pela marginalização generalizada da esquerda nas esferas política e social, a Grécia, no entanto, experimentou um rápido crescimento e recuperação econômica, impulsionados em parte pelo Plano Marshall, administrado pelos Estados Unidos.[129]

Regime militar e terceira república

Ver artigos principais: Ditadura dos coronéis e Metapolitefsi
Protesto contra a ditadura dos coronéis em 1967

A demissão do governo centrista de George Papandreou pelo rei Constantino II em julho de 1965 provocou um período prolongado de turbulência política, que culminou em um golpe de Estado em 21 de abril de 1967 pelo regime dos coronéis. Sob a junta, os direitos civis foram suspensos, a repressão política foi intensificada e os abusos dos direitos humanos, incluindo tortura sancionada pelo Estado, eram galopantes. A brutal repressão da revolta da Politécnica de Atenas em 17 de novembro de 1973 desencadeou os eventos que causaram a queda do regime de Papadopoulos, resultando em um contra-golpe que derrubou Georgios Papadopoulos e estabeleceu o brigadeiro Dimitrios Ioannidis como o novo homem forte da junta. Em 20 de julho de 1974, a Turquia invadiu a ilha de Chipre em resposta a um golpe cipriota apoiado pela Grécia, desencadeando uma crise política na Grécia que levou ao colapso do regime e à restauração da democracia por meio de Metapolitefsi.[130]

O ex-primeiro-ministro Konstantinos Karamanlis foi convidado a voltar de Paris, onde viveu no exílio desde 1963, marcando o início da era Metapolitefsi. As primeiras eleições multipartidárias desde 1964 foram realizadas no primeiro aniversário da revolta politécnica. Uma constituição democrática e republicana foi promulgada em 11 de junho de 1975, após um referendo que decidiu não restaurar a monarquia.[131]

Enquanto isso, Andreas Papandreou, filho de George Papandreou, fundou o Movimento Socialista Pan-helênico (PASOK) em resposta ao partido conservador da Nova Democracia de Karamanlis, com as duas formações políticas dominando o governo nas próximas quatro décadas. A Grécia voltou à OTAN em 1980 e tornou-se o décimo membro das Comunidades Europeias (posteriormente subsumida pela União Europeia) em 1 de janeiro de 1981, dando início a um período de crescimento sustentado.[132] Investimentos ampliados em empresas industriais e infraestrutura pesada, bem como fundos da União Europeia e receitas crescentes do turismo, transporte marítimo e um setor de serviços em rápido crescimento elevaram o padrão de vida do país a níveis sem precedentes. As relações tradicionalmente tensas com a vizinha Turquia melhoraram quando terremotos sucessivos atingiram os dois países em 1999, levando ao levantamento do veto grego contra a tentativa da Turquia de ingressar na UE.[133]

O país adotou o euro em 2001 e sediou com sucesso os Jogos Olímpicos de Verão de 2004 em Atenas.[18] Mais recentemente, a Grécia sofreu muito com a recessão do final dos anos 2000 e tem sido central na crise da dívida pública da Zona Euro. Devido à adoção do euro, quando a Grécia passou por uma crise financeira, não conseguiu mais desvalorizar sua moeda para recuperar a competitividade. O desemprego juvenil foi especialmente alto durante os anos 2000.[134]

Geografia

Imagem de satélite do território grego

Localizada no sul da Europa[135] e sudeste da Europa,[136] a Grécia consiste em um continente peninsular montanhoso que se projeta para o mar no extremo sul dos Balcãs, terminando na península do Peloponeso (separada do continente pelo canal do istmo de Corinto) e estrategicamente localizada na encruzilhada entre Europa, Ásia e África[6] Devido ao seu litoral altamente recortado e às numerosas ilhas, a Grécia possui o 11.º litoral mais extenso do mundo, com 13.676 km;[137] suas fronteiras terrestres medem 1.160 km. O país fica aproximadamente entre latitudes 34° e 42° N e longitudes 19° e 30° E, com os pontos extremos sendo: a aldeia Ormenio; a ilha dos Gavdos; a ilha Strongyli (Kastelorizo, Megisti) e a ilha Othonoi.[138]

Oitenta por cento da Grécia consiste em montanhas ou colinas, tornando o país um dos mais montanhosos da Europa. O Monte Olimpo, a morada mítica dos deuses gregos, culmina no pico de Mytikas, 2.918 metros,[139] o mais alto do país. A Grécia Ocidental contém vários lagos e pântanos e é dominada pelos Montes Pindo, uma continuação dos Alpes Dináricos, que prossegue através do Peloponeso central, cruza as ilhas de Kythera e Antikythera e encontra o caminho para o sudoeste do mar Egeu, na ilha de Creta, onde termina. As ilhas do Egeu são picos de montanhas subaquáticas que antes constituíam uma extensão do continente. O Pindo é caracterizado por seus picos altos e íngremes, muitas vezes dissecados por inúmeros desfiladeiros e uma variedade de outras paisagens cársticas. O espetacular desfiladeiro de Vikos, parte do Parque Nacional Vikos-Aoos na cordilheira de Pindo, é listado pelo livro Guinness World Records como o desfiladeiro mais profundo do mundo.[140]

Ilhas

Praia Navagio, na ilha de Zacinto

A Grécia possui um vasto número de ilhas - entre 1.200 e 6.000, dependendo da definição, 227 das quais são habitadas - e é considerado um país transcontinental não-contíguo. Creta é a ilha maior e mais populosa; Eubéia, separada do continente pelo estreito de Euripo, com 60 m de largura, é a segunda maior, seguida por Lesbos e Rodes.[141]

As ilhas gregas são tradicionalmente agrupadas nos seguintes aglomerados: as ilhas Argo-Sarônicas, no golfo de Sarônica, perto de Atenas, as Cíclades, uma coleção grande mas densa que ocupa a parte central do Mar Egeu, as ilhas Egeias do Norte, um agrupamento solto do costa oeste da Turquia, o Dodecaneso, outra coleção solta no sudeste entre Creta e Turquia, as Espórades, um pequeno grupo na costa nordeste da Eubéia, e as ilhas Jônicas, localizadas a oeste do continente no Mar Jônico.[141]

Clima

Grécia segundo a classificação de Köppen

O clima da Grécia pode ser classificado em três tipos (mediterrânico, a alpino e o temperado) que influenciam regiões bem definidas do seu território. A cadeia de montanhas de Pindo afeta fortemente o clima do país, tornando o lado ocidental dela (áreas propensas a ventos do sul), em média, mais úmidas do que as áreas situadas a leste da mesma (sotavento das montanhas).[142] O tipo de clima mediterrâneo apresenta invernos suaves e úmidos e verões quentes e secos. As regiões das Cíclades, Dodecaneso e Creta, no Peloponeso Oriental e partes da Grécia Central, são as regiões mais afetadas por este tipo de clima. Temperaturas raramente atingem valores extremos ao longo das costas, embora, como a Grécia é um país altamente montanhoso, nevascas ocorram com frequência no inverno. Às vezes neva mesmo nas Cíclades ou no Dodecaneso.[142]

O clima alpino é dominante, principalmente nas áreas montanhosas do noroeste da Grécia (partes do Epiro, na Grécia central, Tessália, Macedônia Ocidental), bem como na parte central do Peloponeso, incluindo partes das prefeituras da Acaia, Arcádia e Lacônia, onde a cadeia de montanhas do Pindo passa. Finalmente, o clima temperado afeta a Macedônia Central e a Macedônia Oriental e Trácia, que apresentam invernos frios e húmidos e verões quentes e secos com tempestades frequentes. Atenas está localizada em uma área de transição que caracteriza os climas mediterrânico e temperado. Os subúrbios ao norte da cidade são dominados pelo clima temperado, enquanto o centro da cidade e os subúrbios ao sul desfrutam de um clima mediterrânico típico.[142]

Demografia

Ver artigos principais: Demografia da Grécia e Gregos
Hermópolis, capital da ilha de Siro e das Cíclades

O órgão de estatística oficial da Grécia é o Instituto Nacional de Estatística da Grécia (INEG). De acordo com o INEG, a população total da Grécia em 2017 era de 10 816 286.[143] Esse número é dividido em 5 427 682 homens e 5 536 338 mulheres.[143] Como as estatísticas de 1971, 1981 e 2001 demonstram, a população grega sofreu envelhecimento ao longo de décadas.[143]

A taxa de natalidade em 2003 situou-se em 9,5 por mil habitantes (14,5 por 1.000 em 1981). Ao mesmo tempo, a taxa de mortalidade aumentou ligeiramente, de 8,9 por mil habitantes em 1981 para 9,6 por mil habitantes em 2003. Em 2001, 16,71% da população tinha 65 anos ou mais, 68,12% entre as idades de 15 e 64 anos, e 15,18% tinham 14 anos ou menos.[143] A sociedade grega também mudou rapidamente com o passar do tempo. As taxas de casamento continuavam a cair de quase 71 por mil habitantes em 1981 até 2002, para 51 em 2004.[143] As taxas de divórcio, por outro lado, têm aumentado - de 191,2 por mil casamentos em 1991, para 239,5 por 1000 casamentos em 2004.[143]

Migração

Ver artigo principal: Diáspora grega

Ao longo do século XX, milhões de gregos migraram para Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Alemanha, criando uma grande diáspora grega. A migração líquida começou a mostrar números positivos a partir da década de 1970, mas até o início da década de 1990, o principal influxo foi o retorno de migrantes gregos ou de gregos pônticos e outros de países como Rússia, Geórgia, Turquia, República Tcheca e outros lugares do antigo bloco soviético.[144]

Um estudo do Observatório das Migrações do Mediterrâneo sustenta que o censo de 2001 registrou 762.191 pessoas residentes na Grécia sem cidadania grega, o que constitui cerca de 7% da população total. Dos não cidadãos residentes, 48.560 eram cidadãos da União Europeia ou da Associação Europeia de Comércio Livre e 17.426 eram cipriotas com status privilegiado. A maioria vem dos países da Europa de Leste: Albânia (56%), Bulgária (5%) e Romênia (3%), enquanto os migrantes da antiga União Soviética (Geórgia, Rússia, Ucrânia, Moldávia etc.) representam 10% da população. total. Alguns dos imigrantes da Albânia são da minoria grega albanesa, centrada na região do Epiro Setentrional.[145]

O censo de 2011 registrou 9.903.268 cidadãos gregos (91,56%), 480.824 cidadãos albaneses (4,44%), 75.915 cidadãos búlgaros (0,7%), 46.523 cidadãos romenos (0,43%), 34.177 cidadãos paquistaneses (0, 32%), 27.400 cidadãos georgianos (0,25%) e 247.090 pessoas tinham outra cidadania ou não identificada (2,3%).[146] Cerca de 189.000 pessoas da população total de cidadãos albaneses foram relatadas em 2008 como gregos étnicos do sul da Albânia, na região histórica do Epiro do Norte.[144]

O maior agrupamento de população imigrante não pertencente à UE são os grandes centros urbanos, especialmente o município de Atenas, com 132.000 imigrantes que representam 17% da população local e, em seguida, Tessalônica, com 27.000 imigrantes atingindo 7% da população local. Há também um número considerável de co-etnias provenientes das comunidades gregas da Albânia e da antiga União Soviética.[144]

A Grécia, juntamente com Itália e Espanha, é um importante ponto de entrada para imigrantes ilegais que tentam entrar na União Europeia. Os imigrantes ilegais que entram na Grécia geralmente o fazem da fronteira com a Turquia, no rio Evros e das ilhas do leste do mar Egeu, em frente à Turquia (principalmente Lesbos, Quíos, Kos e Samos). Em 2012, a maioria dos imigrantes ilegais que entraram na Grécia vinham do Afeganistão, seguidos por paquistaneses e bengaleses.[144]

Em 2015, a chegada de refugiados por via marítima aumentou dramaticamente principalmente devido à Guerra Civil Síria. Houve 856.723 chegadas por via marítima na Grécia, um aumento de quase cinco vezes em relação ao mesmo período de 2014, dos quais os sírios representam quase 45%.[147] A maioria dos refugiados e migrantes usa a Grécia como país de trânsito, enquanto seus destinos pretendidos são as nações do norte da Europa, como Áustria, Alemanha e Suécia.[148][149]

Religião



Circle frame.svg

Religião na Grécia (2017)[150]

  Igreja Ortodoxa (90%)
  Outros cristãos (exceto os católicos) (3%)
  Irreligião (4%)
  Islã (2%)
  Outras religiões (incluindo os católicos) (1%)

A Constituição grega reconhece a Ortodoxia Oriental como a fé "predominante" do país, garantindo a liberdade religiosa para todos.[151] O governo grego não mantém estatísticas sobre grupos religiosos e os censos não pedem afiliação religiosa. Segundo o Departamento de Estado dos Estados Unidos, estima-se que 97% dos cidadãos gregos se identificam como ortodoxos orientais, pertencentes à Igreja Ortodoxa Grega, que usa o rito bizantino e a língua grega, a língua original do Novo Testamento. A administração do território grego é compartilhada entre a Igreja da Grécia e o Patriarcado de Constantinopla.[152]

Numa pesquisa de 2010 do Eurostat-Eurobarometer, 79% dos cidadãos gregos responderam que "acreditam que Deus existe".[153] Segundo outras fontes, 15,8% dos gregos se descrevem como "muito religiosos", o mais alto entre todos os países europeus. A pesquisa também descobriu que apenas 3,5% nunca frequenta uma igreja, em comparação com 4,9% na Polônia e 59,1% na República Tcheca.[154]

As estimativas da minoria muçulmana grega reconhecida, localizada principalmente na Trácia, variam em torno de 100.000,[152][155] (cerca de 1% da população). Alguns dos imigrantes albaneses na Grécia vêm de uma origem nominalmente muçulmana, embora a maioria seja de orientação secular.[156] Após a Guerra Greco-Turca de 1919-1922 e o Tratado de Lausana de 1923, a Grécia e a Turquia concordaram em transferir a população com base na identidade cultural e religiosa. Cerca de 500.000 muçulmanos da Grécia, predominantemente definidos como turcos, mas também muçulmanos gregos como os vallahades do oeste da Macedônia, foram trocados com aproximadamente 1,5 milhão de gregos da Turquia. No entanto, muitos refugiados que se estabeleceram em antigas aldeias otomanas muçulmanas na Macedônia Central e foram definidos como gregos cristãos ortodoxos do Cáucaso chegaram da antiga província russa da Transcaucásia do oblast de Kars, depois de terem sido retrocedidos para a Turquia antes do intercâmbio oficial da população.[157]

O judaísmo está presente na Grécia há mais de 2.000 anos. A antiga comunidade de judeus gregos é chamada de romaniotas, enquanto os judeus sefarditas já foram uma comunidade de destaque na cidade de Tessalônica, com cerca de 80.000, ou mais da metade da população, em 1900.[158] No entanto, após a ocupação alemã da Grécia e do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial, estima-se um número em torno de 5.500 pessoas.[152][155]

Mosteiro da Santíssima Trindade, em Meteora, no norte do país

A comunidade católica romana é estimada em cerca de 250.000,[152][155] dos quais 50.000 são cidadãos gregos.[152] A sua comunidade é nominalmente separada da menor Igreja Católica Bizantina Grega, que reconhece a primazia do papa, mas mantém a liturgia do rito bizantino.[159] Os antigos calendárioistas representam 500.000 seguidores.[155]

Os protestantes, incluindo a Igreja Evangélica Grega e as Igrejas Evangélicas Livres, têm cerca de 30.000 seguidores.[152][155] Outras minorias cristãs, como Assembleias de Deus, Igreja Internacional do Evangelho Quadrangular e várias igrejas pentecostais do Sínodo Grego da Igreja Apostólica totalizam cerca de 12.000 membros.[160] A Igreja Apostólica Livre Independente de Pentecostes é a maior denominação protestante na Grécia, com 120 igrejas.[161] Não há estatísticas oficiais sobre a Igreja Apostólica Livre de Pentecostes, mas a Igreja Ortodoxa estima os seguidores em 20.000.[162] As Testemunhas de Jeová relatam ter 28.874 membros ativos no país.[163]

Desde 2017, o politeísmo helênico, ou helenismo, é legalmente reconhecido como uma religião praticada ativamente na Grécia,[164] com estimativas de 2.000 praticantes ativos e mais 100.000 "simpatizantes". O helenismo se refere a vários movimentos religiosos que continuam, revivem ou reconstroem as práticas religiosas gregas antigas.[165][166][167]

Línguas

Ver artigo principal: Língua grega
Mapa das minorias linguísticas (em castelhano)

A primeira evidência textual da língua grega antiga remonta ao século XV a.C. e à escrita Linear B, associada à civilização micênica. O grego era uma língua franca amplamente falada no mundo mediterrâneo e além durante a Antiguidade Clássica, e acabaria se tornando a linguagem oficial do Império Bizantino. Durante os séculos XIX e XX, houve uma grande disputa conhecida como a questão da língua grega, sobre se a língua oficial da Grécia deveria ser o arcaico katharevousa, criado no século XIX e usado como língua estadual e acadêmica, ou o dimotiki, o forma da língua grega que evoluiu naturalmente do grego bizantino e era a língua do povo. A disputa foi finalmente resolvida em 1976, quando o dimotiki se tornou a única variação oficial da língua grega, e o katharevousa caiu em desuso.[168]:118

Hoje, a Grécia é relativamente homogênea em termos linguísticos, com uma grande maioria da população nativa usando o grego como sua primeira ou única língua. Entre a população de língua grega, os falantes do distinto dialeto pôntico vieram para a Grécia a partir da Ásia Menor após o genocídio grego e constituem um grupo considerável. O dialeto da Capadócia chegou à Grécia também devido ao genocídio, mas está em perigo e pouco se fala agora. Os dialetos gregos indígenas incluem o grego arcaico falado pelos sarakatsani, pastores da Macedônia Grega e outras partes do norte da Grécia. A língua tsaconiana, uma língua grega distinta derivada do grego dórico em vez do grego koiné, ainda é falada em algumas aldeias do sudeste do Peloponeso.[169][170][171]

A minoria muçulmana na Trácia, que corresponde a aproximadamente 0,95% da população total, é formada por falantes de turco,[172] búlgaro (pomaks)[173] e romani. O romani também é falado pelos ciganos cristãos em outras partes do país. Outras línguas minoritárias têm sido tradicionalmente faladas por grupos regionais da população em várias partes do país. Seu uso diminuiu radicalmente no decorrer do século XX, por meio da assimilação com a maioria de língua grega. Hoje elas são mantidas apenas pelas gerações mais velhas e estão à beira da extinção. Isso vale para os arvanitas, um grupo de língua albanesa localizado principalmente nas áreas rurais ao redor da capital Atenas,[174] e para os arromanos e moglenitas, também conhecidos como vlachs, cuja língua está intimamente relacionada ao romeno e que costumava viver espalhada por várias áreas da Grécia central montanhosa.[175] Os membros desses grupos se identificam etnicamente como gregos.[176] Perto das fronteiras gregas do norte, também existem alguns grupos de língua eslava, conhecidos localmente como de língua eslavo-macedônia, cuja maioria dos membros se identifica etnicamente como gregos. Estima-se que, após as trocas populacionais de 1923, a Macedônia tenha 200.000 a 400.000 falantes de eslavos.[177]

Cidades mais populosas

Ver artigo principal: Lista de cidades na Grécia

Quase dois terços do povo grego vive em áreas urbanas. Os maiores e mais influentes centros metropolitanos da Grécia são Atenas e Tessalônica - que são comumente referidas em grego como "συμπρωτεύουσα" (literalmente "co-capitais")[178] - com populações metropolitanas de aproximadamente 4 milhões e 1 milhão de habitantes respectivamente. Outras cidades importantes com populações urbanas acima de 100.000 habitantes incluem Patras, Heraclião, Larissa, Volos, Rodes, Ioannina, Agrinio, Chania e Chalcis.[179]

Política

Ver artigo principal: Política da Grécia

Governo

A Grécia é uma república parlamentar.[181] O chefe de Estado nominal é o presidente da república, que é eleito pelo parlamento para um mandato de cinco anos.[181] A atual constituição foi elaborada e aprovada pelo Quinto Parlamento Revisionista dos Helenos e entrou em vigor em 1975 após a queda da junta militar de 1967-1974. Ela foi revisada por duas vezes desde que entrou em vigor, em 1986 e em 2001. A Constituição, que consiste em 120 artigos, prevê a separação dos poderes em executivo, legislativo e judiciário, e concede extensas garantias específicas (reforçado em 2001), das liberdades civis e direitos sociais.[182]

Segundo a Constituição, o poder executivo é exercido pelo presidente da república e pelo governo.[181] A partir de emenda à Constituição de 1986, as funções do presidente foram reduzidas de forma significativa, e agora elas são, em grande parte, cerimoniais; a maior parte do poder político, portanto, está nas mãos do primeiro-ministro.[183] A posição do primeiro-ministro, chefe de governo da Grécia, pertencente ao atual líder do partido político que possa obter um voto de confiança do Parlamento. O presidente da república nomeia formalmente o primeiro-ministro e, na sua recomendação, nomeia e exonera os restantes membros do Conselho de Ministros.[181]

O poder legislativo é exercido pelos 300 membros eletivos do parlamento unicameral.[181] As leis aprovadas pelo parlamento são promulgadas pelo presidente da república.[181] As eleições parlamentares são realizadas a cada quatro anos, mas o presidente da república é obrigado a dissolver o parlamento sobre a proposta anterior do Conselho de Ministros, tendo em vista lidar com um assunto nacional de excepcional importância.[181] O presidente é também obrigado a dissolver o parlamento no início, se a oposição conseguir aprovar uma moção de censura.[181]

O poder judiciário é independente do poder executivo e do legislativo e compreende três Tribunais Supremos: o Tribunal de Cassação (Άρειος Πάγος), o Conselho de Estado (Συμβούλιο της Επικρατείας) e o Tribunal de Contas (Ελεγκτικό Συνέδριο). O sistema judiciário é composto também por tribunais civis, que julgam processos cíveis e penais, e os tribunais administrativos, que julgam os litígios entre os cidadãos e as autoridades gregas administrativas.[184]

Nas eleições legislativas de janeiro de 2015, o partido de extrema esquerda, Syriza venceu com 70% dos votos apurados, conquistando 149 das 300 cadeiras do Parlamento e tornando primeiro-ministro Alexis Tsipras, de 40 anos. As eleições legislativas de julho de 2019 foram ganhas pelo partido de direita conservadora, Nova Democracia, tornando Kyriakos Mitsotakis o primeiro-ministro.[185]

Relações internacionais

Sede do Ministério de Relações Exteriores

A política externa da Grécia é conduzida pelo Ministério de Relações Exteriores e seu chefe, o Ministro de Relações Exteriores, atualmente Nikos Dendias. Oficialmente, os principais objetivos do ministério são representar a Grécia perante outros Estados e organizações internacionais;[186] salvaguardar os interesses do Estado grego e de seus cidadãos no exterior;[186] promover a cultura grega;[186] promover relações mais estreitas com os países da diáspora grega;[186] e incentivar a cooperação internacional.[186] O ministério identifica duas questões de particular importância para o Estado grego: os desafios turcos aos direitos de soberania grega no Mar Egeu e o espaço aéreo correspondente e o conflito no Chipre envolvendo a ocupação turca do norte do Chipre.[187]

Além disso, devido à sua proximidade política e geográfica com a Europa, Ásia, Oriente Médio e África, a Grécia é um país de importância geoestratégica significativa, que foi alavancada para desenvolver uma política regional para ajudar a promover a paz e a estabilidade nos Balcãs, no Mediterrâneo e no Oriente Médio.[188] Isso concedeu o status de poder médio do país nos assuntos globais.[189]

Forças armadas

Fragata Psara da Marinha Helênica.

As Forças Armadas Helênicas são supervisionadas pelo Estado Maior Helênico da Defesa Nacional (em grego: Γενικό Επιτελείο Εθνικής Άμυνας - ΓΕΕΘΑ), com autoridade civil do Ministério da Defesa Nacional. É composto por três ramos: Exército Helênico (Ellinikos Stratos, ES); Marinha Helênica (Elliniko Polemiko Navtiko, EPN) e Força Aérea Helênica (Elliniki Polemiki Aeroporia, EPA). Além disso, a Grécia mantém a Guarda Costeira Helênica para aplicação da lei no mar, busca e salvamento e operações portuárias. Embora possa apoiar a marinha durante a guerra, ela reside sob a autoridade do Ministério dos Transportes.[190]

O país tem um total de 367.450 militares, dos quais 142.950 estão ativos e 220.500 são de reserva. A Grécia ocupa a 15.ª posição no mundo em número de cidadãos que servem nas forças armadas, devido em grande parte ao serviço militar obrigatório para homens entre as idades de 19 e 45 anos (as mulheres são isentas de recrutamento, mas podem servir nas forças armadas). O serviço militar obrigatório é de nove meses para o Exército e um ano para a Marinha e a Força Aérea.[135] Como membro da OTAN, os militares gregos participam de exercícios e destacamentos sob os auspícios da aliança, embora o seu envolvimento nas missões da OTAN seja mínimo.[191]

Subdivisões

Ver artigo principal: Subdivisões da Grécia
Peripheries of Greece numbered.svg
Região Capital Área (km²) População[192] PIB (bi)[193]
1 Ática Atenas 3.808 3.812.330 €103,334
2 Grécia Central Lâmia 15.549 546.870 €12,530
3 Macedônia Central Tessalônica 18.811 1.874.590 €34,458
4 Creta Heraclião 8.259 621.340 €12,854
5 Macedônia Oriental e Trácia Comotini 14.157 606.170 €9,054
6 Epiro Janina 9.203 336.650 €5,827
7 Ilhas Jônicas Corfu 2.307 206.470 €4,464
8 Egeu Setentrional Mitilene 3.836 197.810 €3,579
9 Peloponeso Trípoli 15.490 581.980 €11,230
10 Egeu Meridional Hermópolis 5.286 308.610 €7,816
11 Tessália Lárissa 14.037 730.730 €12,905
12 Grécia Ocidental Patras 11.350 680.190 €12,122
13 Macedônia Ocidental Cozani 9.451 282.120 €5,564
Estado autônomo Capital Área (km²) População[192] PIB (bi)[193]
(14) Monte Atos Cariés 390 1.830 Desconhecido

Economia

Ver artigo principal: Economia da Grécia

Panorama

Principais exportações da Grécia
Campo de oliveiras em Festo, Creta
A Grécia controla 16,2% da frota mercante mundial

Segundo as estatísticas do Banco Mundial para o ano de 2013, a economia da Grécia é a 43.ª maior em produto interno bruto nominal em 242 bilhões de dólares[194] e a 52.ª maior em paridade do poder de compra (PPC) em 284 bilhões de dólares.[195] Além disso, a Grécia é a 15.ª maior economia dos 27 membros da União Europeia.[196] Em termos de renda per capita, a Grécia está classificada em 38.º ou 40.º no mundo, com 21.910 de dólares e 25.705 de dólares para PIB e PPP nominais, respectivamente. A economia grega é classificada como avançada[197][198] e de alta renda.[199]

A Grécia é um país desenvolvido, com um alto padrão de vida e uma alta classificação no Índice de Desenvolvimento Humano.[200][201][202] Sua economia compreende principalmente o setor de serviços (85,0%) e a indústria (12,0%), enquanto a agricultura representa 3,0% da produção econômica nacional.[203] As indústrias gregas importantes incluem o turismo (com 14,9 milhões[204] de turistas internacionais em 2009, classificado como o 7.º país mais visitado na União Europeia[204] e o 16.º no mundo[204] pela Organização Mundial de Turismo) e transporte mercante (com 16,2%[205] da capacidade total do mundo, a marinha mercante grega é a maior do mundo),[205] enquanto o país também é um produtor agrícola considerável (incluindo a pesca) na UE. Apesar disso, depois da crise econômica de 2008, o país passou a registrar altas taxas de desemprego, que ficou em 21,7% em abril de 2017.[206] A taxa de desemprego jovem (42,3% em março de 2018) é extremamente alta em comparação com os padrões da UE.[207]

Com uma economia maior do que todas as outras economias dos Balcãs juntas,[208][209][210] a Grécia é um importante investidor regional.[208][209] O país é o segundo maior investidor de capital estrangeiro na Albânia, o terceiro investidor na Bulgária e está entre os três principais investidores estrangeiros na Romênia e na Sérvia e o parceiro comercial mais importante e o maior investidor estrangeiro da Macedônia do Norte. Os bancos gregos abrem uma nova agência em algum lugar dos Balcãs quase semanalmente.[211][212][213] A empresa grega de telecomunicações OTE tornou-se um forte investidor na antiga Iugoslávia e em outros países dos Balcãs.[211]

A Grécia foi membro fundador da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Organização de Cooperação Econômica do Mar Negro (BSEC). Em 1979, foi assinada a adesão do país às Comunidades Europeias e ao mercado único e o processo foi concluído em 1982. A Grécia foi aceita na União Econômica e Monetária da União Europeia em 19 de junho de 2000 e em janeiro de 2001 adotou o euro como sua moeda, substituindo o dracma a uma taxa de câmbio de 340,75 dracma por euro. A Grécia também é membro do Fundo Monetário Internacional e da Organização Mundial do Comércio.[214]

Agricultura

A agricultura contribui com 3,8% do PIB e emprega 12,4% da força de trabalho do país. Em 2010, a Grécia foi o maior produtor de algodão (183.800 toneladas) e pistache (8.000 toneladas)[215] e ficou em segundo lugar na produção de arroz (229.500 toneladas)[215] e azeitonas (147.500 toneladas),[216] terceiro na produção de figos (11.000 toneladas),[216] amêndoas (44.000 toneladas),[216] tomates (1.400.000 toneladas)[216] e melancias (578.400 toneladas)[216] e quarto na produção de tabaco (22.000 toneladas) da União Europeia.[215]

Indústria naval

A indústria naval tem sido um elemento-chave da atividade econômica grega desde os tempos antigos.[217] A navegação continua sendo uma das indústrias mais importantes do país, representando 4,5% do PIB, empregando cerca de 160.000 pessoas (4% da força de trabalho) e representando um terço do déficit comercial.[218]

De acordo com um relatório de 2011 da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, a marinha mercante grega é a maior do mundo, com 16,2% da capacidade global total,[205] ante 15,96% em 2010,[219] A Grécia possui uma indústria significativa de construção e manutenção de navios. Os seis estaleiros ao redor do porto de Pireu estão entre os maiores da Europa.[220]

Turismo

Ver artigo principal: Turismo na Grécia
Vista da vila de Oia, na ilha de Santorini, um dos principais pontos turísticos do país

Uma porcentagem importante do produto interno bruto (PIB) da Grécia vem do turismo. De acordo com estatísticas do Eurostat, a Grécia recebeu mais de 19,5 milhões de turistas em 2009,[221] o que significa um aumento em relação aos 17,7 milhões de turistas que visitaram o país em 2007.[222] A grande maioria dos visitantes na Grécia em 2007 vieram do continente europeu, alcançando 12,7 milhões de turistas,[223] enquanto a maioria dos visitantes vindos de uma única nacionalidade foram os do Reino Unido (2,6 milhões), seguidos de perto por aqueles da Alemanha (2,3 milhões).[223]

Em 2010, a periferia mais visitada da Grécia foi a da Macedônia Central, com 18% do fluxo turístico do país total (atingindo 3,6 milhões de turistas), seguido de Attica, com 2,6 milhões, e do Peloponeso, com 1,8 milhão.[221] O Norte da Grécia é a região geográfica mais visitada do país, com 6,5 milhões de turistas, enquanto a Grécia Central é a segunda, com 6,3 milhões.[221]

Em 2010, a Lonely Planet considerou Salonica, a segunda maior cidade do país, como a quinta melhor cidade do mundo para festas, comparável a outras cidades como Dubai e Montreal.[224] Em 2011, Santorini foi votada como "melhor ilha do mundo" na Travel + Leisure.[225] A ilha vizinha de Míconos ficou em quinto lugar na categoria europeia.[225]

Vista panorâmica de partes da antiga cidade Corfu, um Patrimônio Mundial pela UNESCO, a partir de Palaio Frourio. A Baía de Garitsa pode ser vista à esquerda.

Infraestrutura

Saúde

Hospital Agios Andreas, em Patras
Hospital privado em Lárissa

A Grécia possui um sistema de assistência universal à saúde. Ele é misto, combinando um serviço nacional de saúde com seguro social de saúde (SHI). Um relatório da Organização Mundial da Saúde publicado em 2000, o sistema de saúde grego ficou em 14.º lugar no desempenho geral entre os 191 países pesquisados.[226] Em um relatório da Save the Children de 2013, a Grécia foi classificada no 19.º lugar entre 176 países pelo estado de mães e bebês recém-nascidos.[227] Em 2010, havia 138 hospitais com 31.000 leitos, mas em 2011, o Ministério da Saúde anunciou planos para diminuir o número para 77 hospitais com 36.035 leitos para reduzir despesas e melhorar ainda mais os padrões de saúde.[228]

As despesas de saúde da Grécia como porcentagem do PIB foram de 9,6% em 2007, logo acima da média da OCDE de 9,5%.[229] Até 2015, os gastos caíram para 8,4% do PIB (em comparação com a média da UE de 9,5%), um declínio de um quinto desde 2010. No entanto, o país mantém a maior proporção de médicos por população de qualquer país da OCDE[229] e a maior proporção de médico/paciente na UE.[230]

A expectativa de vida na Grécia está entre as mais altas do mundo; um relatório da OCDE de 2011 colocou-a em 80,3 anos, acima da média da OCDE de 79,5 anos,[229] enquanto um estudo mais recente de 2017 descobriu que a expectativa de vida em 2015 era de 81,1 anos, ligeiramente acima da média da UE de 80,6.[55] A ilha de Icaria possui a maior porcentagem de nonagenários no mundo; aproximadamente 33% dos ilhéus têm 90 anos ou mais.[231] Icaria é posteriormente classificada como uma "zona azul", uma região em que as pessoas supostamente vivem mais que a média e têm taxas mais baixas de câncer, doenças cardíacas ou outras doenças crônicas.[232]

No entanto, um relatório da OCDE de 2011 mostrou que a Grécia tinha a maior porcentagem de fumantes diários adultos de qualquer um dos 34 membros da OCDE.[229] A taxa deobesidade do país é de 18,1%, acima da média da OCDE de 15,1%, mas consideravelmente mais baixa que a taxa estadunidense de 27,7%.[229] Em 2008, a Grécia teve a maior taxa de boa saúde percebida na OCDE, com 98,5%.[233] A mortalidade infantil, com uma taxa de 3,6 mortes por 1.000 nascidos vivos, ficou abaixo da média da OCDE de 2007, de 4,9.[229]

Transportes

Ponte Rio-Antirio, perto de Patras, a mais longa ponte estaiada da Europa.

Desde a década de 1980, a rede rodoviária e ferroviária da Grécia foi significativamente modernizada. Trabalhos importantes incluem a auto-estrada A2 (Egnatia Odos), que liga o noroeste da Grécia (Igoumenitsa) ao norte da Grécia (Thessaloniki) e ao nordeste da Grécia (Kipoi) e a Ponte Rio-Antirio, a mais longa ponte suspensa na Europa (2.250 m), que conecta o Peloponeso (Rio, a 7 km de Patras) com a Etólia-Acarnânia (Antirrio) no oeste da Grécia.[234]

A Área Metropolitana de Atenas, em particular, é servida por algumas das mais modernas e eficientes infraestruturas de transporte da Europa, como o Aeroporto Internacional de Atenas, a rede de rodovias A6 (Attiki Odos) e o sistema de metrô de Atenas A maioria das ilhas gregas e muitas das principais cidades da Grécia são conectadas por via aérea principalmente das duas principais companhias aéreas gregas, a Olympic Air[235] e a Aegean Airlines.[236]

As conexões ferroviárias desempenham um papel um pouco menor na Grécia do que em muitos outros países europeus, mas também foram ampliadas, com novas conexões ferroviárias suburbanas, atendidas pela Proastiakos em torno de Atenas, em direção ao aeroporto, Kiato e Cálcis; em torno de Tessalônica, em direção às cidades de Lárissa e Edessa; e ao redor de Patras. As linhas ferroviárias internacionais conectam as cidades gregas ao resto da Europa, aos Bálcãs e à Turquia.[237][238]

Telecomunicações

Vista aérea da sede da OTE em Atenas

Entre 1949 e 1980, as comunicações telefônicas na Grécia eram um monopólio estatal da Organização Helênica de Telecomunicações, mais conhecida por sua sigla OTE. Apesar da liberalização das comunicações telefônicas no país na década de 1980, a OTE ainda domina o mercado grego em seu setor e emergiu como uma das maiores empresas de telecomunicações no sudeste da Europa.[239] Desde 2011, o principal acionista da empresa é a Deutsche Telekom, com uma participação de 40%, enquanto o Estado grego continua a deter 10% das ações da empresa.[239] A OTE possui várias subsidiárias nos Balcãs.[239]

Outras empresas de telecomunicações móveis ativas na Grécia são a Wind Hellas e a Vodafone. O número total de contas de telefone celular ativas no país em 2009, com base em estatísticas das operadoras de telefonia móvel do país, foi superior a 20 milhões,[240] uma penetração de 180%.[240] Além disso, existem 5,745 milhões de telefones fixos ativos no país.[135]

A Grécia tende a ficar atrás dos seus parceiros da União Europeia em termos de uso da Internet, com a diferença fechando rapidamente nos últimos anos. A porcentagem de famílias com acesso à Internet mais que dobrou entre 2006 e 2013, de 23% para 56%, respectivamente (em comparação com uma média da UE de 49% e 79%).[241][242] Ao mesmo tempo, houve um aumento maciço na proporção de famílias com conexão de banda larga, de 4% em 2006 para 55% em 2013 (em comparação com uma média da UE de 30% e 76%).[241][242] Até 2019, a porcentagem de domicílios gregos com acesso à Internet e conexão de banda larga atingiu 78,5% e 78,1% a população, respectivamente.[243]

Energia

Parque eólico no monte Panachaiko, em Acaia.
Usina termelétrica de Agios Dimitrios, em Cozani.

A produção de eletricidade na Grécia é dominada pela estatal Dimosia Epichirisi Ilektrismou (conhecida principalmente por sua sigla ΔΕΗ, transliterada como DEI). Em 2009, o DEI supriu 85,6% de toda a demanda de energia elétrica na Grécia,[244] enquanto o número caiu para 77,3% em 2010.[244] Quase metade (48%) da produção de energia da DEI é gerada usando lignito, uma queda em relação aos 51,6% em 2009.[244] Doze por cento da eletricidade da Grécia vem de usinas hidrelétricas[245] e outros 20% de gás natural.[245] Entre 2009 e 2010, a produção de energia de empresas independentes aumentou 56%,[244] de 2.709 gigawatt-hora em 2009 para 4.232 GWh em 2010.[244]

Em 2012, as energias renováveis ​​representaram 13,8% do consumo total de energia do país,[246] um aumento em relação aos 10,6% em 2011,[246] um número quase igual à média da UE de 14,1% em 2012.[246] Cerca de 10% da energia renovável do país vem da energia solar,[247] enquanto a maioria vem da biomassa e reciclagem de resíduos.[247] Em conformidade com a diretiva da Comissão Europeia sobre energias renováveis, a Grécia pretende obter 18% de sua energia proveniente de fontes renováveis ​​até 2020.[248]

Em 2013, de acordo com o Operador Independente de Transmissão de Energia na Grécia (ΑΔΜΗΕ), mais de 20% da eletricidade na Grécia foi produzida a partir de fontes de energia renováveis ​​e usinas hidrelétricas. Esse percentual em abril atingiu 42%. A Grécia atualmente não possui usinas nucleares em operação; no entanto, em 2009, a Academia de Atenas sugeriu o início da pesquisa sobre a possibilidade da exploração da energia nuclear no país.[249]

Ciência e tecnologia

Centro e Museu Tessalônico de Ciência e Tecnologia

A Secretaria-Geral de Pesquisa e Tecnologia do Ministério do Desenvolvimento e Competitividade é responsável por projetar, implementar e supervisionar a política nacional de pesquisa e tecnologia. Em 2017, os gastos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) atingiram uma alta histórica de 2 bilhões de euros, igual a 1,14% do PIB grego.[250]

Embora abaixo da média da UE de 1,93%, entre 1990 e 1998, as despesas totais de P&D na Grécia tiveram o terceiro maior aumento na Europa, depois da Finlândia e da Irlanda. Devido à sua localização estratégica, força de trabalho qualificada e estabilidade política e econômica, muitas empresas multinacionais como Ericsson, Siemens, Motorola, The Coca-Cola Company e Tesla, Inc têm sua sede regional de pesquisa e desenvolvimento na Grécia.[251] A disponibilidade à internet de banda larga é muito comum na Grécia, sendo que havia um total de 2 105 076 ligações de banda larga no país em 2010. Isso se traduz em 18,6% de penetração de banda larga.[252]

Entre os parques tecnológicos da Grécia estão o Parque Científico e Tecnológico da ilha de Creta (Heraclião), a Parque Tecnológico da Salonica, o Parque Tecnológico de Lavrio e de Parque Científico de Patras. A Grécia é um dos membros da Agência Espacial Europeia (ESA) desde 2005. A cooperação entre a ESA e a Comissão Helênica Espacial Nacional começou no início de 1990. Em 1994, a Grécia e a ESA assinaram seu primeiro acordo de cooperação. Tendo solicitado formalmente sua completa adesão em 2003, a Grécia tornou-se o décimo sexto membro da ESA, em 16 de março de 2005.[253]

Educação

Academia de Atenas, a academia nacional da Grécia e a maior instituição de pesquisa do país
Universidade Nacional Capodistriana de Atenas, a mais antiga universidade do Mediterrâneo oriental.[254]

Os gregos têm uma longa tradição de valorizar e investir na paideia (educação), que foi defendida como um dos mais altos valores da sociedade no mundo grego e helenístico. A primeira instituição europeia descrita como universidade foi fundada em Constantinopla do século V e continuou operando em várias encarnações até a queda da cidade para os otomanos em 1453.[255] A Universidade de Constantinopla foi a primeira instituição secular de ensino superior da Europa cristã e, de certa forma, a primeira universidade do mundo.[255] Setenta e dois por cento dos adultos gregos com idades entre 25 e 64 anos concluíram o ensino médio, o que é um pouco menos que a média da OCDE de 74%. O aluno grego médio obteve 458 pontos em alfabetização, matemática e ciências no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) da OCDE de 2015. Essa pontuação é inferior à média da OCDE de 486. Em média, as meninas superaram os meninos em 15 pontos, muito mais do que a diferença média da OCDE de dois pontos.[256]

O Ministério da Educação da Grécia exerce o controle sobre as escolas públicas, formula e implementa legislação, administra o orçamento, administra e coordena os exames de admissão nas universidades de nível nacional, estabelece o currículo nacional, nomeia o corpo docente das escolas públicas e coordena outros serviços. O papel de supervisão do Ministério é exercido em todo o país através dos Escritórios Públicos de Educação da Unidade Regional, denominados Direções Regionais do Ensino Primário e Secundário.[257] As escolas públicas são financiadas pelo governo e são gratuitas, juntamente com os livros públicos. Cerca de 25% dos programas de pós-graduação têm aulas gratuitas, enquanto cerca de 30% dos estudantes são elegíveis para participar de programas gratuitos, com base em critérios individuais. A educação formal na Grécia compreende três estágios educacionais. A primeira etapa da educação formal é a etapa primária (Δημοτικό, seis anos, 6 a 12 anos), seguida pela etapa secundária, que se separa em duas etapas: o ginásio obrigatório (Γυμνάσιο, três anos, 12 a 15 anos) e liceu nao obrigatório (κειο, três anos, 15 a 18 anos de idade).[258]

De acordo com a Lei-Quadro (3549/2007), o ensino superior público consiste de dois setores paralelos: o setor "universidade" (universidades, institutos politécnicos, escolas de belas artes, universidade aberta) e o setor Tecnológico (instituições de educação tecnológica e escolas de formação pedagógica e tecnológica). Há também o ensino terciário não universitário, que oferece em institutos estatais formação profissional de duração de dois anos, que operam sob a autoridade de outros Ministérios. Os alunos são admitidos a estes institutos de acordo com seu desempenho em exames nacionais que ocorrem após a conclusão do terceiro grau. Além disso, os alunos com mais de 22 anos de idade podem ser admitidos na Universidade Aberta Helênica através de um tipo de loteria. A Universidade Nacional Capodistriana de Atenas é a mais antiga universidade do Mediterrâneo oriental.[254]

Cultura

O Partenon é um símbolo duradouro da Grécia antiga e da democracia ateniense

A cultura da Grécia evoluiu ao longo de milhares de anos, começando na Grécia micênica e continuando principalmente na Grécia clássica, através da influência do Império Romano e de sua continuação oriental grega, do Império Romano Oriental (ou Império Bizantino). Outras culturas e nações, como os Estados latino e franco, o Império Otomano, a República Veneziana, a República Genovesa e o Império Britânico também deixaram sua influência na cultura grega moderna, embora os historiadores atribuam à Guerra da Independência Grega a revitalização de uma entidade única e coesa de sua cultura multifacetada.[259]

Nos tempos antigos, a Grécia era o berço da cultura ocidental.[260] As democracias modernas devem uma dívida às crenças gregas no governo pelo povo, julgamento por júri e igualdade perante a lei. Os gregos antigos foram pioneiros em muitos campos que se apoiam no pensamento sistemático, incluindo biologia, geometria, história,[259] filosofia,[261] física e matemática.[10] Eles introduziram formas literárias importantes como poesia épica e lírica, história, tragédia e comédia. Na busca de ordem e proporção, os gregos criaram um ideal de beleza que influenciou fortemente a arte ocidental.[259]

Arte e arquitetura

A produção artística na Grécia começou nas civilizações pré-históricas cicládica e minoica, ambas influenciadas pelas tradições locais e pela arte do Antigo Egito.[262] A escultura grega antiga era composta quase inteiramente de mármore ou bronze; com o bronze fundido se tornando o meio preferido para grandes obras no início do século V. O mármore e o bronze são fáceis de formar e muito duráveis. As esculturas criselefantinas, usadas para imagens de culto no templo e obras de luxo, usavam ouro, mais frequentemente em forma de folha e marfim para todas ou partes (faces e mãos) da figura, e provavelmente gemas e outros materiais, mas eram muito menos comuns e apenas fragmentos sobreviveram. No início do século XIX, a escavação sistemática de sítios arqueológicos gregos antigos havia produzido uma infinidade de esculturas com traços de superfícies notavelmente multicoloridas. Não foi até descobertas publicadas pelo arqueólogo alemão Vinzenz Brinkmann, no final do século XX, que a pintura de esculturas gregas antigas se tornaram um fato estabelecido.[263]

A arte e a arquitetura das sociedades gregas existem desde o início da Idade do Ferro (século XI a.C.) até o final do século I a.C. Antes disso (Idade do Bronze), a arte grega do continente e das ilhas (excetuando-se Creta, onde havia uma tradição diferente chamada arte minoica) é conhecida como arte micênica, e a arte grega mais tardia, chamada helenística, é considerada integrante da cultura do Império Romano (arte romana). Os gregos, inicialmente um conjunto de tribos relativamente autônomas que apresentavam fatores culturais comuns, como a língua e a religião, instalaram-se no Peloponeso nos inícios do primeiro milênio antes de Cristo, dando início a uma das mais influentes culturas da Antiguidade. Após a fase orientalizante (entre o século XI a.C. e 650 a.C.), cujas manifestações artísticas foram inspiradas pela cultura mesopotâmica, a arte grega conheceu um primeiro momento de maturidade durante o período arcaico, que se prolongou até 475 a.C. Marcado pela expansão geográfica, pelo desenvolvimento econômico e pelo incremento das relações internacionais, assistiu-se nesta altura à definição dos fundamentos estéticos e formais que caracterizarão as posteriores produções artísticas gregas.[259]

Após a independência grega, os arquitetos gregos modernos tentaram combinar elementos e motivos tradicionais gregos e bizantinos com os movimentos e estilos da Europa Ocidental. Patras foi a primeira cidade do Estado grego moderno a desenvolver um plano de cidade. Em janeiro de 1829, Stamatis Voulgaris, engenheiro grego do exército francês, apresentou o plano da nova cidade ao governador Ioánnis Kapodístrias, que o aprovou. Voulgaris aplicou a regra ortogonal no complexo urbano de Patras.[264]

Teatro

Ver artigo principal: Teatro na Grécia Antiga
O antigo teatro de Epidauro ainda hoje é utilizado para espetáculos de dramas gregos

O teatro em sua forma ocidental nasceu na Grécia.[265] A cidade-Estado da Atenas Clássica, que se tornou um poder cultural, político e militar significativo durante esse período, foi o seu centro, onde foi institucionalizada como parte de um festival chamado Dionísia, que homenageava o deus Dionísio. A tragédia (final do século VI a.C.), a comédia (486 a.C.) e a sátira foram os três gêneros dramáticos que surgiram lá. Durante o período bizantino, a arte teatral foi fortemente oprimida. Segundo Marios Ploritis, a única forma sobrevivente foi o teatro folclórico (Mimos e Pantomimos), apesar da hostilidade do Estado oficial.[266]

Mais tarde, durante o período otomano, a principal arte folclórica teatral foram os Karagiozis. O renascimento que levou ao teatro grego moderno ocorreu na Creta veneziana. Os dramaturgos significativos incluem Vitsentzos Kornaros e Georgios Chortatsis. O teatro grego moderno nasceu após a independência da Grécia, no início do século XIX, e foi inicialmente influenciado pelo teatro e pelo melodrama heptaneano, como a ópera italiana.[265] O Nobile Teatro de San Giacomo di Corfù foi o primeiro teatro e ópera da Grécia moderna e o local onde foi realizada a primeira ópera grega, o Candidato Parlamentar de Spyridon Xyndas (baseado em um libreto exclusivamente grego). Durante o final do século XIX e início do XX, a cena do teatro ateniense foi dominada por revistas, comédias musicais, operetas e noturnas e dramaturgos notáveis, incluindo Spyridon Samaras e outros. O Teatro Nacional da Grécia foi inaugurado em 1900 como Teatro Real.[265][267]

Literatura

Ver artigos principais: Literatura grega e Literatura bizantina
Busto de Homero

A literatura grega pode ser dividida em três categorias principais: literatura grega antiga, bizantina e moderna.[268] Atenas é considerada o berço da literatura ocidental.[269] No início da literatura grega, estão as duas obras monumentais de Homero: a Ilíada e a Odisseia. Embora as datas de composição variem, esses trabalhos foram criados por volta de 800 aC ou depois. No período clássico, muitos dos gêneros da literatura ocidental se tornaram mais proeminentes. A poesia lírica, odes, pastorais, elegias, epigramas; apresentações dramáticas de comédia e tragédia; historiografia, tratados retóricos, dialética filosófica e tratados filosóficos surgiram neste período. Os dois principais poetas líricos foram Safo e Píndaro. A era clássica também viu o início do gênero do drama.[268]

Das centenas de tragédias escritas e executadas durante a era clássica, apenas um número limitado de peças de três autores sobreviveu: as de Ésquilo, Sófocles e Eurípides. As peças sobreviventes de Aristófanes também são um tesouro da apresentação cômica, enquanto Heródoto e Tucídides são dois dos historiadores mais influentes desse período. A maior conquista em prosa do século IV foi na filosofia, com as obras dos três grandes filósofos.[268]

A literatura bizantina refere-se à literatura do Império Bizantino, escrita em grego ático, medieval e moderno, e é a expressão da vida intelectual dos gregos bizantinos durante a Idade Média cristã. Embora a literatura bizantina popular e a literatura grega moderna tenham começado no século XI, as duas são indistinguíveis.[268]

Konstantínos Kaváfis, cujo trabalho foi inspirado principalmente pelo passado helenístico, enquanto Odysseas Elytis (centro) e Giórgos Seféris (direita) foram representantes da geração dos anos 30 e ganhadores do Nobel de Literatura.

A literatura grega moderna refere-se à literatura escrita em grego moderno comum, emergindo do final dos tempos bizantinos no século XI. O poema do renascimento cretense, Erotokritos, é sem dúvida a obra-prima desse período da literatura grega. É um romance de versos escrito por volta de 1600 por Vitsentzos Kornaros (1553-1613). Mais tarde, durante o período do iluminismo grego (Diafotismo), escritores como Adamantios Korais e Rigas Feraios prepararam com suas obras a Revolução Grega (1821-1830).[268]

Figuras principais da literatura grega moderna incluem Dionysios Solomos, Andreas Kalvos, Angelos Sikelianos, Emmanuel Rhoides, Demetrius Vikelas, Kostis Palamas, Penélope Delta, Yiannis Ritsos, Alexandros Papadiamantis, Níkos Kavvadías, Andreas Embirikos, Kostas Karyotakis, Gregorios Xenopoulos, Konstantínos Kaváfis, Kostas Kariotakis e Kiki Dimoula.[268] Dois autores gregos receberam o Prêmio Nobel de Literatura: Giórgos Seféris em 1963[270] e Odysseas Elytis em 1979.[271]

Filosofia

Ver artigo principal: Filosofia da Grécia Antiga
Cópia em mármore do busto de Sócrates feito por Lísipo
Cópia em mármore do busto de Platão.

A maioria das tradições filosóficas ocidentais começou na Grécia Antiga no século VI a.C.. Os primeiros filósofos são chamados de "pré-socráticos", que designam que vieram antes de Sócrates, cujas contribuições marcam uma virada no pensamento ocidental.[261] Os pré-socráticos eram das colônias ocidentais ou orientais da Grécia e apenas fragmentos de seus escritos originais sobrevivem, em alguns casos apenas uma frase.[261] Um novo período de filosofia começou com Sócrates. Como os sofistas, ele rejeitou inteiramente as especulações físicas nas quais seus predecessores haviam se entregado e fez dos pensamentos e opiniões das pessoas o seu ponto de partida. Os aspectos de Sócrates foram unidos pela primeira vez por Platão, que também os combinou com muitos dos princípios estabelecidos pelos filósofos anteriores, e desenvolveu todo esse material na unidade de um sistema abrangente.[261] Aristóteles, o discípulo mais importante de Platão, compartilhou com seu professor o título de maior filósofo da antiguidade. O aluno de Platão preferia partir dos fatos dados pela experiência.[261] Exceto por esses três filósofos gregos mais importantes, outras escolas conhecidas da filosofia grega de outros fundadores durante os tempos antigos foram estoicismo, epicurismo, ceticismo e neoplatonismo.[261][272]

A filosofia bizantina refere-se às ideias filosóficas distintas dos filósofos e estudiosos do Império Bizantino, especialmente entre os séculos VIII e XV. Era caracterizada por uma visão de mundo cristã, mas que podia extrair ideias diretamente dos textos gregos de Platão, Aristóteles e neoplatonistas. Na véspera da queda de Constantinopla, Gemistus Pletho tentou restaurar o uso do termo "helênico" e defendeu o retorno aos deuses olímpicos do mundo antigo. Depois de 1453, vários estudiosos bizantinos gregos que fugiram para a Europa Ocidental contribuíram para o Renascimento. No período moderno, Diafotismos (em grego: Διαφωτισμός, "iluminação", "iluminação") era a expressão grega da Era do Iluminismo e de suas ideias filosóficas e políticas. Alguns representantes notáveis ​​foram Adamantios Korais, Rigas Feraios e Theophilos Kairis. Outros filósofos gregos da época moderna ou cientistas políticos incluem Cornelius Castoriadis, Nicos Poulantzas e Christos Yannaras.[261]

Culinária

Ver artigo principal: Culinária da Grécia
Queijo feta com azeitonas, típicos mezes da culinária grega

A culinária grega é característica da saudável dieta mediterrânea, que é sintetizada pelos pratos de Creta.[273] A culinária grega incorpora ingredientes frescos a uma variedade de pratos locais, como moussaka, pastitsio, salada grega, fasolada, spanakopita e souvlaki. Alguns pratos podem ser encontrados na Grécia antiga, como skordalia (um espesso purê de nozes, amêndoas, alho e azeite), sopa de lentilha, retsina (vinho branco ou rosé selado com resina de pinheiro) e pasteli (barra de chocolate com gergelim assada) com mel). Em toda a Grécia, as pessoas costumam gostar de comer pratos pequenos, como o meze, com vários molhos, como tzatziki, polvo grelhado e peixe pequeno, queijo feta, dolmades (arroz, passas e grãos de pinho envoltos em folhas de videira), vários tipos de leguminosas, azeitonas e queijos. O azeite é adicionado a quase todos os pratos.[274]

Algumas sobremesas doces incluem melomakarona, diples e galaktoboureko, e bebidas como ouzo, metaxa e uma variedade de vinhos, incluindo a retsina. A culinária grega difere amplamente de diferentes partes do continente e de ilha para ilha. Ele usa alguns aromas com mais frequência do que outras cozinhas mediterrâneas: folhas de orégano, hortelã, alho, cebola, endro e louro. Outras ervas e especiarias comuns incluem manjericão, tomilho e sementes de erva-doce. Muitas receitas gregas, especialmente nas partes norte do país, usam especiarias "doces" em combinação com carne, por exemplo, canela e cravo em ensopados.[274]

Esportes

A Chama Olímpica durante a cerimônia de abertura das Olimpíadas de 2004 no Estádio Olímpico de Atenas

A Grécia é o berço dos antigos Jogos Olímpicos da Antiguidade, registrados pela primeira vez em 776 a.C. em Olímpia, e sediou os modernos Jogos Olímpicos duas vezes, os inaugurais Jogos Olímpicos de Verão de 1896 e os Jogos Olímpicos de Verão de 2004. Durante o desfile das nações, a Grécia é sempre chamada em primeiro lugar, como a nação fundadora das Olimpíadas modernas. A nação competiu em todos os Jogos Olímpicos de Verão, um dos únicos quatro países a fazê-lo. Tendo conquistado um total de 110 medalhas (30 de ouro, 42 de prata e 38 de bronze), a Grécia é classificada em 32.º por medalhas de ouro na contagem de medalhas olímpicas de todos os tempos de todos os tempos. O melhor desempenho de todos os tempos foi nos Jogos Olímpicos de Verão de 1896, quando a Grécia terminou em segundo lugar na tabela de medalhas com 10 medalhas de ouro.[275]

A Seleção Grega de Futebol, classificada em 12.º no mundo em 2014 (e tendo atingido o 8º lugar no mundo em 2008 e 2011),[276] foi coroada campeã europeia na Euro 2004.[277] A Super Liga Grega é a liga de futebol profissional mais alta do país, composta por dezesseis equipes. Os mais bem-sucedidos são Olympiacos, Panathinaikos e AEK Athens. A Seleção Grega de Basquetebol tem uma tradição de décadas de excelência no esporte, sendo considerada uma das principais potências do basquete do mundo; em 2012, ficou em 4.º no mundo e 2.º na Europa.[278] Eles venceram o campeonato europeu duas vezes em 1987 e 2005.[279]

Ver também

Referências

  1. Meyendorff, John (1981). The Orthodox Church: Its Past and Its Role in the World Today. [S.l.]: St Vladimir's Seminary Press. ISBN 9780913836811. Greece therefore is today the only country where the Orthodox Church remains a state church and plays a dominant role in the life of the country. 
  2. Απογραφή Πληθυσμού – Κατοικιών 2011. ΜΟΝΙΜΟΣ Πληθυσμός [Results of Population-Housing Census 2011 concerning the permanent population of the country] (PDF) (em grego). 20 de março de 2014. Consultado em 25 de outubro de 2016 
  3. a b c d «World Economic Outlook Database, October 2019». World Economic Outlook Database, October 2019. Washington, D.C.: International Monetary Fund. 11 de outubro de 2019. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  4. a b «2019 Human Development Report» (PDF) (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2019. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  5. Estatísticas (PDF), ONU 
  6. a b Chrēstos G. Kollias; Gülay Günlük-Şenesen; Gülden Ayman (2003). Greece and Turkey in the 21st Century: Conflict Or Cooperation : a Political Economy Perspective. [S.l.]: Nova Publishers. p. 10). ISBN 978-1-59033-753-0. Consultado em 12 de abril de 2013 
  7. Christina Bratt Paulston; Scott F. Kiesling; Elizabeth S. Rangel (13 de fevereiro de 2012). The Handbook of Intercultural Discourse and Communication. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 292. ISBN 978-1-4051-6272-2. Consultado em 12 de abril de 2013 
  8. Caralampo Focas (2004). Transport Issues And Problems In Southeastern Europe. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. p. 114. ISBN 978-0-7546-1970-3. Consultado em 12 de abril de 2013 
  9. Copleston, Frederick. History of Philosophy, Volume 1.
  10. a b Thomas Heath (1981). A History of Greek Mathematics. [S.l.]: Courier Dover Publications. p. 1. ISBN 978-0-486-24073-2. Consultado em 19 de agosto de 2013 
  11. Brockett, Oscar G. (1991) History of the Theatre (sixth edition). Boston; London: Allyn & Bacon.
  12. Grécia. Freedom House Acessado em 28 de outubro de 2013.
  13. «Groups and Aggregates Information». World Economic Outlook Database. International Monetary Fund. 2013. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  14. «Appendix B: International Organizations and Groups». The World Factbook. Central Intelligence Agency. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  15. «Country and Lending Groups». World Bank. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  16. «Interactive Infographic of the World's Best Countries». Newsweek. New York. 15 de agosto de 2010. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  17. «The Economist Intelligence Unit's Quality-of-Life Index» (PDF). The Economist. 2005. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  18. a b «Grécia». Estados-membros da UE. União Europeia. Consultado em 7 de abril de 2007 
  19. historydisclosure.com, ed. (5 de junho de 2017). «Where Does the Name "Greece" Come From?». Consultado em 19 de março de 2020 
  20. a b Eugene N. Borza (1992). In the Shadow of Olympus: The Emergence of Macedon. [S.l.]: Princeton University Press. p. 58. ISBN 978-0-691-00880-6 
  21. Zimmer, Carl (10 de julho de 2019). «A Skull Bone Discovered in Greece May Alter the Story of Human Prehistory - The bone, found in a cave, is the oldest modern human fossil ever discovered in Europe. It hints that humans began leaving Africa far earlier than once thought.». The New York Times. Consultado em 11 de julho de 2019 
  22. Staff (10 de julho de 2019). «'Oldest remains' outside Africa reset human migration clock». Phys.org. Consultado em 10 de julho de 2019 
  23. Harvati, Katerina; et al. (10 de julho de 2019). «Apidima Cave fossils provide earliest evidence of Homo sapiens in Eurasia». Nature. 571 (7766): 500–504. PMID 31292546. doi:10.1038/s41586-019-1376-z 
  24. Douka, K.; Perles, C.; Valladas, H.; Vanhaeren, M.; Hedges, R.E.M. (2011). «Franchthi Cave revisited: the age of the Aurignacian in south-eastern Europe». Antiquity Magazine: 1133 
  25. Perlès, Catherine (2001). The Early Neolithic in Greece: The First Farming Communities in Europe. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 1. ISBN 9780521000277 
  26. Slomp, Hans (30 de setembro de 2011). Europe, A Political Profile: An American Companion to European Politics: An American Companion to European Politics. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 50. ISBN 978-0-313-39182-8. Consultado em 5 de dezembro de 2012. Greek Culture and Democracy. As the cradle of Western civilization, Greece long ago discovered the value and beauty of the individual human being. Around 500 BC, Greece 
  27. Bulliet, Richard W; Kyle Crossley, Pamela; Headrick, Daniel R; Johnson, Lyman L; Hirsch, Steven W (21 de fevereiro de 2007). The Earth and Its Peoples: A Global History to 1550. [S.l.]: Cengage. p. 95. ISBN 978-0-618-77150-9. Consultado em 5 de dezembro de 2012. The emergence of the Minoan civilization on the island of Crete and the Mycenaean civilization of Greece is another... was home to the first European civilization to have complex political and social structures and advanced technologies 
  28. Pomeroy, Sarah B (1999). Ancient Greece: A Political, Social, and Cultural History. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-509742-9. Consultado em 5 de dezembro de 2012 
  29. a b Frucht, Richard C (31 de dezembro de 2004). Eastern Europe: An Introduction to the People, Lands, and Culture. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 847. ISBN 978-1-57607-800-6. Consultado em 5 de dezembro de 2012. People appear to have first entered Greece as hunter-gatherers from southwest Asia about 50,000 years... of Bronze Age culture and technology laid the foundations for the rise of Europe's first civilization, Minoan Crete 
  30. Sansone, David (2011). Ancient Greek civilization. [S.l.]: Wiley. p. 5. ISBN 9781444358773 
  31. a b World and Its Peoples. [S.l.]: Marshall Cavendish. Setembro de 2009. p. 1458. ISBN 978-0-7614-7902-4. Consultado em 5 de dezembro de 2012 
  32. Drews, Robert (1995). The End of the Bronze Age: Changes in Warfare and the Catastrophe Ca. 1200 BC. [S.l.]: Princeton University Press. p. 3. ISBN 0691025916 
  33. Beckman, Gary M.; Bryce, Trevor R.; Cline, Eric H. (2012). Writings from the Ancient World: The Ahhiyawa Texts (PDF). Atlanta: Society of Biblical Literature. ISSN 1570-7008 
  34. Kelder, Jorrit M. (2010). «The Kingdom of Mycenae: A Great Kingdom in the Late Bronze Age Aegean». academia.edu. Bethesda, MD: CDL Press. pp. 45, 86, 108. Consultado em 18 de março de 2015 
  35. Short, John R (1987). An Introduction to Urban Geography. [S.l.]: Routledge. p. 10. ISBN 9780710203724 
  36. Vidal-Naquet, Pierre. Le monde d'Homère (The World of Homer), Perrin (2000), p. 19.
  37. D.C.H. Rieu's introduction to The Odyssey (Penguin, 2003), p. xi.
  38. Dunn, John (1994). Democracy: the unfinished journey 508 BC – 1993 AD. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-827934-1 
  39. Raaflaub, Kurt A; Ober, Josiah; Wallace, Robert W (2007). Origin of Democracy in Ancient Greece. [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-24562-4 
  40. Joseph Roisman, Ian Worthington. "A companion to Ancient Macedonia" John Wiley & Sons, 2011. ISBN 144435163X pp 135–138, p 343
  41. Robin Waterfield (19 de abril de 2018). Creators, Conquerors, and Citizens: A History of Ancient Greece. [S.l.]: Oxford University Press. p. 148. ISBN 978-0-19-872788-0 
  42. John Van Antwerp Fine (1983). The Ancient Greeks: A Critical History. [S.l.]: Harvard University Press. p. 297. ISBN 978-0-674-03314-6 
  43. a b Barry Strauss (16 de agosto de 2005). The Battle of Salamis: The Naval Encounter That Saved Greece – and Western Civilization. [S.l.]: Simon and Schuster. pp. 1–11. ISBN 978-0-7432-7453-1 
  44. Willner, Mark; Hero, George; Wiener, Jerry; Hero, George A. (2006). Global History Volume One: The Ancient World to the Age of Revolution (em inglês). [S.l.]: Barron's Educational Series. p. 79. ISBN 9780764158117 
  45. Walbank, Frank W. (26 de agosto de 2010). Selected Papers: Studies in Greek and Roman History and Historiography (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 1. ISBN 9780521136808. Consultado em 8 de setembro de 2018 
  46. Brice, Lee L. (17 de outubro de 2012). Greek Warfare: From the Battle of Marathon to the Conquests of Alexander the Great (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 5. ISBN 9781610690706 
  47. Ian Morris (dezembro de 2005). «The growth of Greek cities in the first millennium BC» (PDF). Princeton University 
  48. John Ferguson. «Hellenistic Age: Ancient Greek history». Online Encyclopædia Britannica. Consultado em 29 de abril de 2012 
  49. Kosso, Cynthia; Scott, Anne (2009). The Nature and Function of Water, Baths, Bathing, and Hygiene from Antiquity Through the Renaissance. [S.l.]: Brill. p. 51. ISBN 978-9004173576 
  50. Spielvogel, Jackson (2005). Western Civilization. I: To 1715. [S.l.]: Thomson Wadsworth. pp. 89–90. ISBN 978-0-534-64603-5 
  51. a b Flower, Harriet, ed. (2004). The Roman Republic. [S.l.: s.n.] pp. 248, 258. ISBN 978-0-521-00390-2 
  52. «Antigonid dynasty». Britannica online ed. [S.l.: s.n.] 2008 
  53. a b Ward, Allen Mason; et al. (2003). A history of the Roman people. [S.l.: s.n.] p. 276. ISBN 978-0-13-038480-5 
  54. Zoch, Paul (2000). Ancient Rome: An Introductory History. [S.l.: s.n.] p. 136. ISBN 978-0-8061-3287-7. Consultado em 29 de abril de 2012 
  55. a b «Olympic Games We No Longer Play». 4 de agosto de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2016 
  56. Ferguson, Everett (2003). Backgrounds of Early Christianity. [S.l.: s.n.] pp. 617–18. ISBN 978-0-8028-2221-5 
  57. Dunstan, William (2011). Ancient Rome. [S.l.: s.n.] p. 500. ISBN 978-0-7425-6834-1. Consultado em 29 de abril de 2012 
  58. Milburn, Robert (1992). Early Christian Art and Architecture. [S.l.: s.n.] p. 158. ISBN 9780520074125. Consultado em 29 de abril de 2012 
  59. Gerard Friell; Peabody Professor of North American Archaeology and Ethnography Emeritus Stephen Williams; Stephen Williams (8 de agosto de 2005). Theodosius: The Empire at Bay. [S.l.]: Routledge. p. 105. ISBN 978-1-135-78262-7 
  60. Tony Perrottet (8 de junho de 2004). The Naked Olympics: The True Story of the Ancient Games. [S.l.]: Random House Digital, Inc. pp. 190–. ISBN 978-1-58836-382-4. Consultado em 1 de abril de 2013 
  61. a b c James Allan Stewart Evans (Janeiro de 2005). The Emperor Justinian and the Byzantine Empire. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. pp. 65–70. ISBN 978-0-313-32582-3 
  62. J. F. Haldon (1990). Byzantium in the Seventh Century: The Transformation of a Culture. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 329. ISBN 978-0-521-31917-1 
  63. Makrides, Nikolaos (2009). Hellenic Temples and Christian Churches: A Concise History of the Religious Cultures of Greece from Antiquity to the Present. [S.l.]: NYU Press. p. 206. ISBN 978-0-8147-9568-2. Consultado em 29 de abril de 2012 
  64. Jeffreys, Elizabeth, ed. (2008). The Oxford Handbook of Byzantine Studies. [S.l.: s.n.] p. 4. ISBN 978-0-19-925246-6 
  65. a b Fine 1991, pp. 35–6.
  66. a b Fine 1991, pp. 63–6.
  67. Gregory, TE (2010). A History of Byzantium. [S.l.]: Wiley-Blackwell. p. 169. It is now generally agreed that the people who lived in the Balkans after the Slavic "invasions" were probably for the most part the same as those who had lived there earlier, although the creation of new political groups and arrival of small immigrants caused people to look at themselves as distinct from their neighbors, including the Byzantines. 
  68. Richard M. Rothaus (2000). Corinth, the First City of Greece: An Urban History of Late Antique Cult and Religion. [S.l.]: BRILL. p. 10. ISBN 978-90-04-10922-3 
  69. Geanakoplos, Deno John (1984). Byzantium: Church, Society, and Civilization Seen Through Contemporary Eyes. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 9780226284606 
  70. a b «Greece During the Byzantine Period: Byzantine recovery». Online. Encyclopædia Britannica. Consultado em 28 de abril de 2012 
  71. Fine 1991, pp. 79–83.
  72. a b «Greece During the Byzantine Period: Results of the Fourth Crusade». Online Encyclopædia Britannica. Consultado em 28 de abril de 2012 
  73. «Greece During the Byzantine Period: The islands». Online Encyclopædia Britannica. Consultado em 14 de maio de 2012 
  74. a b Vasiliev, Alexander A. (1964). History of the Byzantine Empire, 324–1453 (em inglês). [S.l.]: University of Wisconsin Press. p. 582. ISBN 9780299809256 
  75. Moles, Ian (1969). «Nationalism and Byzantine Greece». Greek, Roman and Byzantine Studies (em inglês): 102. Greek nationalism, in other words, was articulated as the boundaries of Byzantium shrank... the Palaeologian restoration that the two words are brought into definite and cognate relationship with 'nation' (Έθνος). 
  76. a b Steven Runciman; Sir Steven Runciman (24 de outubro de 1985). The Great Church in Captivity: A Study of the Patriarchate of Constantinople from the Eve of the Turkish Conquest to the Greek War of Independence. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 120. ISBN 978-0-521-31310-0. By the fifteenth century most Byzantine intellectuals alluded to themselves as Hellenes. John Argyropoulus even calls the Emperor 'Emperor of the Hellenes' and describes the last wars of Byzantium as a struggle for the freedom of Hellas. 
  77. Jane Perry Clark Carey; Andrew Galbraith Carey (1968). The Web of Modern Greek Politics. [S.l.]: Columbia University Press. p. 33. By the end of the fourteenth century the Byzantine emperor was often called "Emperor of the Hellenes" 
  78. Hilsdale, Cecily J. (2014). Byzantine Art and Diplomacy in an Age of Decline (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 82–83. ISBN 9781107729384 
  79. a b «Greece During the Byzantine Period: Serbian and Ottoman advances». Online Encyclopædia Britannica. Consultado em 28 de abril de 2012 
  80. «Greece During the Byzantine Period: The Peloponnese advances». Online Encyclopædia Britannica. Consultado em 28 de abril de 2012 
  81. Norwich, John Julius (1997). A Short History of Byzantium. [S.l.]: Vintage Books. p. xxi. ISBN 978-0-679-77269-9 
  82. Clogg 1992, p. 10.
  83. Clogg 1992, p. 23.
  84. Kourvetaris, George; Dobratz, Betty (1987). A profile of modern Greece: in search of identity. [S.l.]: Clarendon Press. p. 33. ISBN 9780198275510 
  85. a b Clogg 1992, p. 14.
  86. Harrington, Lyn (1968). Greece and the Greeks. [S.l.]: T Nelson. p. 124 , 221 pp.
  87. Stokes, Jamie; Gorman, Anthony (2010). Encyclopedia of the Peoples of Africa and the Middle East. [S.l.]: Infobase. p. 256. ISBN 978-1-4381-2676-0 
  88. Clogg 1992, p. 27.
  89. Clogg 1992, p. 31.
  90. Katsiaridi-Hering, Olga (2009). «La famiglia nell'economia europea, secc. XIII-XVIII». Atti della "quarantesima Settimana di studi," 6–10 Aprile 2008. [S.l.]: Istituto internazionale di storia economica F. Datini. Simonetta Cavaciocchi. Firenze University Press. p. 410. ISBN 978-88-8453-910-6 
  91. Hatzopoulos 2009, pp. 81–3.
  92. a b Brewer, D. The Greek War of Independence: The Struggle for Freedom from Ottoman Oppression and the Birth of the Modern Greek Nation. Overlook Press, 2001, ISBN 1-58567-172-X, pp. 235–36.
  93. Tucker, Spencer C. (2009). A Global Chronology of Conflict: From the Ancient World to the Modern Middle East. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 1140. ISBN 9781851096725 
  94. «The Chios Massacre Of 1822». Queens Gazette. Consultado em 11 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2018 
  95. Klose, Fabian (2016). The Emergence of Humanitarian Intervention: Ideas and Practice... [S.l.]: Clays. p. 175. ISBN 9781107075511. Consultado em 6 de agosto de 2017 
  96. Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  97. The London Protocol of 3 February 1830. Acessado em 19 de março de 2020.
  98. a b c «Otto». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2018 
  99. Jong, M. de; Lalenis, K.; Mamadouh, V. D. (31 de dezembro de 2002). The Theory and Practice of Institutional Transplantation: Experiences with the Transfer of Policy Institutions (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 71. ISBN 9781402011085 
  100. a b Hodge, Carl Cavanagh (2008). Encyclopedia of the Age of Imperialism, 1800-1914 (em inglês). [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 291. ISBN 9780313043413. Consultado em 9 de setembro de 2018 
  101. a b Great Greek Encyclopedia, p. 50-51.
  102. a b Roudometof, Victor (2001). Nationalism, Globalization, and Orthodoxy: The Social Origins of Ethnic Conflict in the Balkans (em inglês). [S.l.]: Greenwood Publishing Group. pp. 101–113. ISBN 9780313319495 
  103. Wynn, Martin (1984). Planning and Urban Growth in Southern Europe (em inglês). [S.l.]: Mansell. p. 6. ISBN 9780720116083 
  104. Great Greek Encyclopedia, p. 239, "Διὰ τοῦ Συντάγματος τοῦ 1864 καθιερώθει ὡς πολίτευμα διὰ τὴν Ἑλλάδα ἡ κοινοβουλευτικὴ μοναρχία, ἣ, ὅπως ἄλλως ἐχαρακτηρίσθη, ἡ «βασιλευομένη δημοκρατία» ἣ «δημοκρατικὴ βασιλεία»".
  105. «Constitutional History». hellenicparliament.gr. Hellenic Parliament. Consultado em 4 de setembro de 2018. The revolt marked the end of constitutional monarchy and the beginning of a crowned democracy with George-Christian-Wilhelm of the Schleswig-Holstein-Sønderburg-Glücksburg dynasty as monarch. 
  106. Greece Country Study Guide: Strategic Information and Developments. [S.l.]: International Business Publications, USA. 3 de março de 2012. p. 131. ISBN 978-1-4387-7447-3. In 1862, however, a revolt brought about important changes in the political system that led to the so-called "crowned democracy", i.e. a kingdom with a democratic government. 
  107. «Constitutional History». hellenicparliament.gr. Hellenic Parliament. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  108. Enciclopédia Britânica (ed.). «Balkan Wars». Consultado em 19 de março de 2020 
  109. Mazower 1992, pp. 886, 890–3, 895–900, 904
  110. History Channel (ed.). «Greece declares war on Central Powers». Consultado em 19 de março de 2020 
  111. Matthew J. Gibney, Randall Hansen. (2005). Immigration and Asylum: from 1900 to the Present, Volume 3. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 377. ISBN 978-1-57607-796-2. The total number of Christians who fled to Greece was probably in the region of I.2 million with the main wave occurring in 1922 before the signing of the convention. According to the official records of the Mixed Commission set up to monitor the movements, the Greeks who were transferred after 1923 numbered 189,916 and the number of Muslims expelled to Turkey was 355,635 (Ladas I932, 438–439), but using the same source Eddy 1931, 201 states that the post-1923 exchange involved 192,356 Greeks from Turkey and 354,647 Muslims from Greece. 
  112. Sofos, Spyros A.; Özkirimli, Umut (2008). Tormented by History: Nationalism in Greece and Turkey. [S.l.]: C Hurst & Co Publishers Ltd. pp. 116–117. ISBN 978-1-85065-899-3 
  113. Schaller, Dominik J; Zimmerer, Jürgen (2008). «Late Ottoman genocides: the dissolution of the Ottoman Empire and Young Turkish population and extermination policies – introduction». Journal of Genocide Research. 10 (1): 7–14. doi:10.1080/14623520801950820 
  114. «Genocide Resolution approved by Swedish Parliament». News.AM 
  115. Gaunt, David. Massacres, Resistance, Protectors: Muslim-Christian Relations in Eastern Anatolia during World War I. Piscataway, NJ: Gorgias Press, 2006.
  116. Hedges, Chris (17 de setembro de 2000). «A Few Words in Greek Tell of a Homeland Lost». The New York Times 
  117. Rummel, RJ (1998). «The Holocaust in Comparative and Historical Perspective». Idea Journal of Social Issues. 3 (2) 
  118. Annette Grossbongardt (28 de novembro de 2006). «Christians in Turkey: The Diaspora Welcomes the Pope». Der Spiegel 
  119. Howland, Charles P. "Greece and Her Refugees", Foreign Affairs, The Council on Foreign Relations. Julho de 1926. Acessado em 19 de março de 2020
  120. Miller, William (1936). «A New Era in Greece». Foreign Affairs. 14 (4): 654–661. JSTOR 20030766 
  121. Hagen, Fleischer (2006). «Authoritarian Rule in Greece (1936–1974) and Its Heritage». Totalitarian and Authoritarian Regimes in Europe: Legacies and Lessons from the Twentieth Century. New York/Oxford: Berghahn. p. 237 
  122. a b Pilavios, Konstantinos (Director); Tomai, Fotini (Texts & Presentation) (25 de outubro de 2010). The Heroes Fight like Greeks – Greece during the Second World War (em Greek). Athens: Service of Diplomatic and Historical Archives of the Greek Ministry of Foreign Affairs. Em cena em 51 seg. Consultado em 28 de outubro de 2010 
  123. a b Fafalios and Hadjipateras, p. 157
  124. Jewish Virtual Library, ed. (4 de maio de 1941). «Adolf Hitler: Address to the Reichstag». Consultado em 22 de março de 2020 
  125. «Greek history since World War I». Encyclopædia Britannica 
  126. a b Mazower (2001), p. 155
  127. Knopp (2009), p. 193
  128. Chomsky, Noam (1994). World Orders, Old And New. [S.l.]: Pluto Press London 
  129. Baten, Jörg (2016). A History of the Global Economy. From 1500 to the Present. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 51, Figure 2.3 "Numeracy in selected Balkan and Caucasus countries", based on data from Crayen and Baten (2010). ISBN 978-1-107-50718-0 
  130. Enciclopédia Britânica (ed.). «The Colonels». Consultado em 19 de março de 2020 
  131. James Edward Miller (2009). The United States and the Making of Modern Greece: History and Power, 1950-1974. [S.l.]: Univ of North Carolina Press. p. 172. ISBN 978-0-8078-3247-9 
  132. «Negotiations for enlargement». CVCE. Consultado em 28 de abril de 2013 
  133. «Greece's earthquake diplomacy - Le Monde diplomatique - English edition». Mondediplo.com. 13 de dezembro de 1998. Consultado em 7 de setembro de 2013 
  134. Baten, Jörg (2016). A History of the Global Economy. From 1500 to the Present. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 66. ISBN 978-1-107-50718-0 
  135. a b c «CIA World Factbook: Greece, country profile». CIA 
  136. «UNITED NATIONS GROUP OF EXPERTS ON GEOGRAPHICAL NAMES: Working Paper No. 48» (PDF). UN. 2006. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  137. «The World Fact Book – Field Listing :: Coastline». Central Intelligence Agency. Consultado em 17 de março de 2011 
  138. «Statistical Yearbook of Greece 2009 & 2010» (PDF). Hellenic Statistical Authority. p. 27. Cópia arquivada (PDF) em 13 de dezembro de 2013 
  139. «Olympus the First National Park». Management Agency of Olympus National Park. 2008. Consultado em 5 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  140. Guinness World Records 2005: Special 50th Anniversary Edition. [S.l.]: Guinness World Records. 2004. p. 52. ISBN 978-1-892051-22-6 
  141. a b Marker, Sherry; Bowman, John; Kerasiotis, Peter; Sarna, Heidi (2010). Frommer's Greek Islands. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 12. ISBN 978-0-470-52664-4 
  142. a b c «The Climate of Greece». Hellenic National Meteorological Service. Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  143. a b c d e f «Greece in Numbers» (PDF). National Statistical Service of Greece (em inglês). www.statistis.gr. 2006. Consultado em 14 de dezembro de 2007. Cópia arquivada (PDF) em 24 de novembro de 2007 
  144. a b c d Triandafyllidou, Anna. "Migration and Migration Policy in Greece" Arquivado em 23 de setembro de 2013 no Wayback Machine.. Critical Review and Policy Recommendations. Hellenic Foundation for European and Foreign Policy. No. 3 de abril de 2009
  145. Kasimis, Charalambos; Kassimi, Chryssa (June 2004). "Greece: A History of Migration". Migration Information Source.
  146. «Announcement of the demographic and social characteristics of the Resident Population of Greece according to the 2011 Population» (PDF) (Nota de imprensa). Agência Nacional de Estatística da Grécia. 23 de agosto de 2013. p. 9. Consultado em 3 de junho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 25 de dezembro de 2013 
  147. «In crisis, Greece rounds up immigrants – Associated Press». The Guardian. Londres. 22 de agosto de 2012. Consultado em 11 de junho de 2013 
  148. «Migrant crisis: Migration to Europe explained in seven charts». BBC News. 4 de março de 2016. Consultado em 7 de junho de 2017 
  149. Simpson, John (24 de dezembro de 2015). «This migrant crisis is different from all others». BBC News. Consultado em 7 de junho de 2017 
  150. «Religious Belief and National Belonging in Central and Eastern Europe». Pew Research Center. 10 de maio de 2017. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  151. «The Constitution of Greece». Hellenic Resources Network 
  152. a b c d e f «Greece». International Religious Freedom Report 2007. United States Department of State, Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor. 15 de setembro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2007 
  153. «Special Eurobarometer, biotechnology; Fieldwork: January–February 2010» (PDF). Outubro de 2010. p. 204. Cópia arquivada (PDF) em 15 de dezembro de 2010 
  154. «Dagens ESS: Religiøsitet og kirkebesøk» [Today ESS: Religiosity and church visits] (em Norwegian). Forskning. 11 de outubro de 2005. Consultado em 11 de setembro de 2010 
  155. a b c d e Ktistakis, Ioannis; Sitaropoulos, Nicholas (22 de junho de 2004). «Executive Summary Discrimination on the Grounds of Religion and Belief Greece» (PDF). Comissão Europeia. Consultado em 14 de abril de 2007. Cópia arquivada (PDF) em 5 de junho de 2007 
  156. «Greece». Departamento de Estado dos Estados Unidos. 26 de agosto de 2005. Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  157. «Turkey – Population». Countrystudies.us. US: Library of Congress. Consultado em 19 de março de 2020 
  158. «Greece». Jewish Virtual Library 
  159. Leustean, Lucian N. (2014). "Eastern Christianity and Politics in the Twenty-First Century: an Overview" in Lucian N. Leustean (editor), Eastern Christianity and Politics in the Twenty-First Century, pp. 1-20. New York: Routledge. ISBN 978-0-415-68490-3, pp 8-9.
  160. «Synod of Apostolic Church of Christ». Pentecost. Consultado em 22 de março de 2009. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2004 
  161. «Christianity Ministries» (em Greek). christianity.gr. Consultado em 22 de março de 2009. Cópia arquivada em 30 de maio de 2005 
  162. Ελευθέρα Αποστολική Εκκλησία της Πεντηκοστής [Free Apostolic Church of Pentecost] (em Greek). egolpio.com. Consultado em 22 de março de 2009. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2008 
  163. «2014 Yearbook of Jehovah's Witnesses» (PDF). Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc. 2014. pp. 178–187. Consultado em 31 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 31 de dezembro de 2014 
  164. «Hellenism legally recognized as religion in Greece». wildhunt.org. Consultado em 9 de abril de 2017 
  165. «Newstatesman – The ancient Gods of Greece are not extinct». Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2008 
  166. «Modern Athenians fight for the right to worship the ancient Greek gods». The Daily Telegraph. Consultado em 19 de março de 2020 
  167. «Helena Smith on why some Greeks are worshipping the ancient gods». The Guardian. London. Consultado em 19 de março de 2020 
  168. Carabott, Philip (1993). «Politics, orthodoxy, and the language question in Greece: the Gospel Riots of 1901» (PDF). Journal of Mediterranean Studies. 3 (1): 117–138. ISSN 1016-3476. Cópia arquivada (PDF) em 7 de fevereiro de 2012 
  169. Browning, Robert (1983). Medieval and modern Greek. Cambridge: Cambridge University Press. p. 124 
  170. Horrocks, Geoffrey (2010). Greek: A history of the language and its speakers 2nd ed. Oxford: Blackwell. p. 382 
  171. «Languages of Greece». Ethnologue. Summer institute of Linguistics. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  172. «Turkish The Turkish language in Education in Greece» (PDF). mercator-research.eu. Consultado em 22 de março de 2020 
  173. «Euromosaic - Le [slavo]macédonien / bulgare en Grèce». www.uoc.edu. Consultado em 22 de março de 2020 
  174. «Euromosaic - L'arvanite / albanais en Grèce». www.uoc.edu. Consultado em 22 de março de 2020 
  175. «Euromosaic - Le valaque (aromoune, aroumane) en Grèce». www.uoc.edu. Consultado em 22 de março de 2020 
  176. «Minority Rights Group, Greece, Report about Compliance with the Principles of the Framework Convention for the Protection of National Minorities (along guidelines for state reports according to Article 25.1 of the Convention)». Greek Helsinki Monitor. 8 de setembro de 1999. Consultado em 27 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2012 
  177. Roudometof, Victor; Robertson, Roland (2001). Nationalism, Globalization, and Orthodoxy – The Social Origins of Ethnic Conflict in the Balkans. Westport, Connecticut: Greenwood Publishing Group. p. 186. ISBN 978-0-313-31949-5.
  178. Harry Coccossis; Yannis Psycharis (2008). Regional analysis and policy: the Greek experience. [S.l.: s.n.] ISBN 9783790820867. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  179. «Athena 2001 Census». National Statistical Service of Greece. Consultado em 14 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2008 
  180. Official Final Census Results, 2011. «Announcement on the Publication of Revised 2011 Census Tables». statistics.gr. Hellenic Statistical Authority. Consultado em 19 de março de 2020 
  181. a b c d e f g h «syntagma.qxd» (PDF) (em grego). Consultado em 8 de setembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 25 de setembro de 2007 
  182. P.D. Dagtoglou, Individual Rights, I, 21 & E. Venizelos, The "Acquis" of the Constitutional Revision, 131–132, 165–172
  183. K. Mavrias, Constitutional Law, 477–478, 486–487
  184. Governo da Grécia (ed.). «Juducial Power». Consultado em 20 de março de 2020 
  185. Kyriakos Mitsotakis toma posse
  186. a b c d e «Mission and Competences». Ministério de Relações Exteriores da Grécia. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  187. «Foreign Policy Issues». Ministério de Relações Exteriores da Grécia. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  188. «Regional Policy». Ministério de Relações Exteriores da Grécia. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  189. Thanos Veremēs (1997)The Military in Greek Politics "Black Rose Books"
  190. snf.org (ed.). «Ministry of Mercantile Marine - Hellenic Coast Guard». Consultado em 20 de março de 2020 
  191. Dempsey, Judy. «EU and NATO Look on at Greece's Pampered Armed Forces». Carnegie Europe. Consultado em 19 de julho de 2017 
  192. a b «'Πίνακας 1: Προσωρινά αποτελέσματα του Μόνιμου Πληθυσμού της Ελλάδος'» (PDF). National Statistical Service of Greece: Ανακοίνωση προσωρινών αποτελεσμάτων Απογραφής Πληθυσμού 2011, 22 Ιουλίου 2011 
  193. a b «Regional gross domestic product (million EUR), by NUTS 2 regions». Eurostat. 2008. Consultado em 25 de outubro de 2011 
  194. «Gross domestic product 2013». Banco Mundial. 14 de fevereiro de 2015. Consultado em 14 de fevereiro de 2015 
  195. «Gross domestic product 2013, PPP». World Bank. 14 de fevereiro de 2015. Consultado em 14 de fevereiro de 2015 
  196. «Gross domestic product at market prices (tec00001)». Eurostat. Consultado em 22 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2012 
  197. «World Economic Outlook» (PDF). Fundo Monetário Internacional. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  198. «Groups and Aggregates Information». World Economic Outlook Database. Fundo Monetário Internacional. Abril de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  199. «Country and Lending Groups». Washington, D.C.: World Bank. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  200. The world's best countries: 2010 index, Newsweek. Acessado em 15 de agosto de 2010.
  201. «The lottery of life». The Economist. Londres. 21 de novembro de 2012. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  202. «Table 1: Human Development Index and its components». Human Development Report 2014. New York: United Nations Development Programme. 24 de julho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  203. «Gross Added Value by Industry (A17; Years 2000–2011)». Piraeus: Hellenic Statistical Authority. Consultado em 22 de março de 2012. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2012 
  204. a b c «UNWTO World Tourism Barometer» (PDF). Organização Mundial de Turismo. Consultado em 22 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 3 de setembro de 2015 
  205. a b c «Review of Maritime Transport 2011» (PDF). United Nations. 2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2012 
  206. «Euro area unemployment rate at 11%» (PDF). Eurostat. Cópia arquivada (PDF) em 31 de julho de 2017 
  207. «Youth unemployment rate in EU member states as of March 2018». Statista 
  208. a b Likmeta, Besar; BIRN, Gjirokastra (11 de julho de 2012). «Albania Eyes New Markets as Greek Crisis Hits Home Businesses affected by the economic downturn in Greece are seeking new markets in the West, hoping that a cheap and qualified labour force will draw fresh clients». Balkan Insight. Consultado em 18 de abril de 2014. Greece is the Balkan region's largest economy and has been an important investor in Southeast Europe over the past decade 
  209. a b Keridis, Dimitris (3 de março de 2006). «Greece and the Balkans: From Stabilization to Growth» (lecture). Montreal, QC, CA: Hellenic Studies Unit at Concordia University. Greece has a larger economy than all the Balkan countries combined. Greece is also an important regional investor 
  210. Prof. Nicholas Economides Stern School of Business, New York University & Haas School of Business, UC Berkeley. «The Greek and EU Crisis for non-economists» (PDF). Largest economy than all rest of Balkans combined 
  211. a b Imogen Bell (2002). Central and South-Eastern Europe: 2003. [S.l.]: Routledge. p. 282. ISBN 978-1-85743-136-0. Consultado em 27 de maio de 2013. show that Greece has become the largest investor into Macedonia (FYRM), while Greek companies such as OTE have also developed strong presences in countries of the former Yugoslavia and other Balkan countries. 
  212. Mustafa Aydin; Kostas Ifantis (28 de fevereiro de 2004). Turkish-Greek Relations: The Security Dilemma in the Aegean. [S.l.]: Taylor & Francis. pp. 266–267. ISBN 978-0-203-50191-7. Consultado em 27 de maio de 2013. second largest investor of foreign capital in Albania, and the third largest foreign investor in Bulgaria. Greece is the most important trading partner of the Former Yugoslav Republic of Macedonia. 
  213. Wayne C. Thompson (9 de agosto de 2012). Western Europe 2012. Stryker Post. [S.l.: s.n.] p. 283. ISBN 978-1-61048-898-3. Consultado em 27 de maio de 2013. Greeks are already among the three largest investors in Bulgaria, Romania and Serbia, and overall Greek investment in the ... Its banking sector represents 16% of banking activities in the region, and Greek banks open a new branch in a Balkan country almost weekly. 
  214. «Fixed Euro conversion rates». European Central Bank. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  215. a b c «Crops products (excluding fruits and vegetables) (annual data)». Eurostat. Consultado em 19 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  216. a b c d e «Fruits and vegetables (annual data)». Eurostat. Consultado em 19 de outubro de 2011 
  217. Polemis, Spyros M. «The History of Greek Shipping». greece.org. Consultado em 9 de abril de 2007 
  218. Press release (11 de maio de 2006). «Greek Shipping Is Modernized To Remain a Global Leader and Expand Its Contribution to the Greek Economy». Banco Nacional da Grécia. Consultado em 8 de abril de 2007. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2007 
  219. «Review of Maritime Transport 2010» (PDF). United Nations. 2010. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  220. Jill Dubois; Xenia Skoura; Olga Gratsaniti (2003). Greece. [S.l.]: Marshall Cavendish. p. 42. ISBN 978-0-7614-1499-5. Consultado em 14 de abril de 2013. Greek ships make up 70 percent of the European Union's total merchant fleet. Greece has a large shipbuilding and ship refitting industry. Its six shipyards near Piraeus are among the biggest in Europe. As Greek ships primarily transport ... 
  221. a b c «Nights spent in tourist accommodation establishments – regional – annual data». Eurostat. 2010. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  222. «Tourism» (PDF). Eurostat. 2010. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  223. a b «02. Αφίξεις αλλοδαπών από το εξωτερικό κατά υπηκοότητα και μέσο ταξιδίου ( Δεκέμβριος 2007 )» [02. Arrivals of foreigners from abroad by nationality and means of travel (December 2007)] (PDF) (em Greek). Hellenic National Statistics Agency. Dezembro de 2007. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  224. «Ultimate party cities». Lonely Planet. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  225. a b «World's Best Awards – Islands». Travel + Leisure. Consultado em 10 de agosto de 2011. Arquivado do original em 12 de julho de 2011 
  226. «Health Systems: Improving Performance» (PDF). World Health Report. Organização Mundial da Saúde. 2000. Consultado em 22 de julho de 2011 
  227. «State of the World's Mothers 2013». Save the Children. 2013. Consultado em 7 de maio de 2013 
  228. Προταση Λειτουργικων Αναδιαταξεων Μοναδων Υγειασ Εσυ [Proposals for functional rearrangements of the NHS health units] (PDF) (em Greek). Ethnos. 1 de julho de 2011. Consultado em 23 de março de 2016. Cópia arquivada em 21 de maio de 2012 
  229. a b c d e f «How Does Greece Compare» (PDF). Health Data. Organisation for Economic Co-operation and Development. 2011. Consultado em 22 de julho de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 2 de setembro de 2009 
  230. Economou C, Kaitelidou D, Karanikolos M, Maresso A. Greece: Health system review. Health Systems in Transition, 2017; 19(5):1–192.
  231. «The Island Where People Live Longer». NPR. 2 de maio de 2009. Consultado em 6 de abril de 2013 
  232. DAN BUETTNER (24 de outubro de 2012). «The Island Where People Forget to Die». The New York Times. Consultado em 6 de abril de 2013 
  233. «Perceived Health Status». Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Consultado em 22 de julho de 2011 
  234. «The Earthquake Proof Bridge». Richard Hammond's Engineering Connections. BBC. Consultado em 28 de julho de 2016 
  235. «Our Network | Olympic Air». olympicair.com. Consultado em 7 de novembro de 2015 
  236. «Route Map Aegean Airlines». Consultado em 3 de agosto de 2018 
  237. «Urban Rail Transport S.A.: First & Last Train Departures». Urban Rail Transport S.A. (STASY). Consultado em 25 de julho de 2013 
  238. «Urban Rail Transport S.A.: Detailed TRAM Timetables». Urban Rail Transport S.A. (STASY). Consultado em 25 de julho de 2013 
  239. a b c «Company Profile». Atenas: OTE. Consultado em 10 de janeiro de 2014 
  240. a b «Δύο φορές ο πληθυσμός μας σε συνδέσεις». Hellenic Tellecommunications Organization (OTE). enet.gr. Consultado em 20 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2011 
  241. a b «Internet access and use in 2011» (PDF). Luxembourg: Eurostat. 14 de dezembro de 2011. Consultado em 19 de dezembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 31 de janeiro de 2012 
  242. a b «Internet access and use in 2013» (PDF). Luxembourg: Eurostat. 18 de dezembro de 2013. Consultado em 19 de dezembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 19 de dezembro de 2013 
  243. «SURVEY ON THE USE OF INFORMATION AND COMMUNICATION TECHNOLOGIES BY HOUSEHOLDS AND INDIVIDUALS: 2019». Piraeus: Hellenic Statistical Authority. 8 de novembro de 2019. Consultado em 8 de novembro de 2019 
  244. a b c d e «Public Power Corporation S.A. Financial Report (January 1, 2010 – December 31, 2010)» (PDF). Dimosia Epichirisi Ilektrismou. 2010. Consultado em 24 de outubro de 2011 
  245. a b «Energy». Invest in Greece Agency. Consultado em 26 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2011 
  246. a b c «Share of renewable energy in gross final energy consumption %». Eurostat. 2008. Consultado em 24 de outubro de 2011 
  247. a b «Sustainable development in the European Union» (PDF). Eurostat. 2009. Consultado em 24 de outubro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 26 de agosto de 2011 
  248. «Renewable energy – Targets by 2020». Eurostat. Consultado em 24 de outubro de 2011 
  249. «Πορίσματα της Ομάδας Εργασίας της Επιτροπής Ενέργειας της Ακαδημίας Αθηνών επί του θέματος "Πυρηνική Ενέργεια και Ενεργειακές Ανάγκες της Ελλάδος"» (PDF). Academia de Atenas. Consultado em 24 de outubro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 22 de novembro de 2011 
  250. «R&D spending in Greece reached a record high in 2017». www.greeknewsagenda.gr. Consultado em 3 de agosto de 2019 
  251. Lambert, Fred (24 de fevereiro de 2018). «Tesla is building an electric motor R&D group in Greece to tap into strong local electrical engineering talent». Electrek.co 
  252. «Ελλάδα: Ξεπέρασαν τα 2,1 εκ. οι συνδέσεις-Πάνω από τον μέσο όρο της Ε.Ε. ο ρυθμός αύξησης» 
  253. «Greece becomes 16th ESA Member State». European Space Agency. www.esa.int. 22 de março de 2005. Consultado em 7 de abril de 2007 
  254. a b «National and Kapodistrian University of Athens - Facts and Figures (A Self-Portrait)» (PDF). NKUA 
  255. a b «Jerome Bump, University of Constantinople». The Origin of Universities. University of Texas at Austin. Consultado em 19 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2009 
  256. «OECD Better Life Index - Greece». oecdbetterlifeindex.org. OECD. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  257. «Greece Administration and Governance at Central and/or Regional Level». Comissão Europeia 
  258. «Greece Geodata Government Maps». Information Management Systems Institute (IMSI) / Research and Innovation Center "Athena" 
  259. a b c d Enciclopédia Britânica (ed.). «Cultural life». Consultado em 24 de março de 2020 
  260. Mazlish, Bruce. Civilization And Its Contents. Stanford University Press, 2004. p. 3. Web. 25 de junho de 2012.
  261. a b c d e f g Enciclopédia Britânica (ed.). «Greek philosophy». Consultado em 24 de março de 2020 
  262. «Egypt the Birthplace of Greek Decorative Art». digital.library.upenn.edu 
  263. Gurewitsch, Matthew (Julho de 2008). «True Colors». Smithsonian: 66–71 
  264. Παύλος Κυριαζής, «Σταμάτης Βούλγαρης. Ο αγωνιστής, ο πολεοδόμος, ο άνθρωπος», στο: Συλλογικό, Πρώτοι Έλληνες τεχνικοί επιστήμονες περιόδου απελευθέρωσης, εκδ. Τεχνικό Επιμελητήριο Ελλάδος, Αθήνα, 1976, σελ.158
  265. a b c Ancient History Encyclopedia (ed.). «Greek Theatre». Consultado em 24 de março de 2020 
  266. «Culture e-Magazine – Free eBooks – WebTV " Τo Θέατρο στο Βυζάντιο και την Οθωμανική περίοδο». 24grammata.com. 18 de março de 2012. Consultado em 23 de abril de 2014 
  267. «ΓΝΩΡΙΣΤΕ ΜΑΣ - Εθνικό Θέατρο». n-t.gr. Consultado em 24 de março de 2020 
  268. a b c d e f Enciclopédia Britânica (ed.). «Greek literature». Consultado em 24 de março de 2020 
  269. Carol Strickland (2007). The Illustrated Timeline of Western Literature: A Crash Course in Words & Pictures. [S.l.]: Sterling Publishing Company, Inc. p. 2. ISBN 978-1-4027-4860-8. Although the first writing originates in the cradle of civilization along Middle Eastern rivers – the Tigris, Euphrates, and Nile – the true cradle of Western literature is Athens. As the poet Percy Bysshe Shelley says, "We are all Greeks." 
  270. Prêmio Nobel (ed.). «George Seferis». Consultado em 24 de março de 2020 
  271. Prêmio Nobel (ed.). «The Nobel Prize in Literature 1979». Consultado em 24 de março de 2020 
  272. «Ancient Greek Philosophy». Internet encyclopedia of philosophy. Consultado em 23 de março de 2016 
  273. Edelstein, Sari (22 de outubro de 2010). Food, Cuisine, and Cultural Competency for Culinary, Hospitality, and Nutrition Professionals. [S.l.]: Jones & Bartlett. pp. 147–49. ISBN 978-0-7637-5965-0. Consultado em 27 de dezembro de 2011 
  274. a b visitgreece.gr (ed.). «Local flavours of the Greek cuisine». Consultado em 24 de março de 2020 
  275. «Athens 1896–Medal Table». International Olympic Committee. Consultado em 5 de maio de 2008. Cópia arquivada em 8 de maio de 2008 
  276. «World Rankings». FIFA. Julho de 2009. Consultado em 23 de julho de 2009 
  277. McNulty, Phil (4 de julho de 2004). «Greece Win Euro 2004». News. BBC. Consultado em 7 de maio de 2007 
  278. «Ranking Men after Olympic Games: Tournament Men (2008)». Federação Internacional de Basquetebol. Agosto de 2008. Consultado em 24 de agosto de 2008 
  279. Wilkinson, Simon (26 de setembro de 2005). «Greece Tops Germany for Euro Title». ESPN. Consultado em 7 de maio de 2007 

Bibliografia

  • "Minorities in Greece – Historical Issues and New Perspectives". History and Culture of South Eastern Europe. An Annual Journal. München (Slavica) 2003.
  • The Constitution of Greece (PDF). Athens: Parlamento Helênico. 2008. ISBN 978-960-560-073-0. Consultado em 21 de março de 2011 
  • Clogg, Richard (1992). A Concise History of Greece 1st ed. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 10–37. ISBN 978-0-521-37228-2. Consultado em 23 de março de 2016 , 257 pp.
  • Clogg, Richard (2002) [1992]. A Concise History of Greece 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-00479-4 .
  • Dagtoglou, PD (1991). «Protection of Individual Rights». Constitutional Law – Individual Rights (em Greek). I. Athens-Komotini: Ant. N. Sakkoulas 
  • Fine, John Van Antwerp (1991). The Early Medieval Balkans: A Critical Survey from the Sixth to the Late Twelfth Century. [S.l.]: University of Michigan Press. ISBN 978-0-472-08149-3. Consultado em 23 de março de 2016 , 376 pp.
  • Hatzopoulos, Marios (2009). «From resurrection to insurrection: 'sacred' myths, motifs, and symbols in the Greek War of Independence». In: Beaton, Roderick; Ricks, David. The making of Modern Greece: Nationalism, Romanticism, and the Uses of the Past (1797–1896). [S.l.]: Ashgate. pp. 81–93 
  • Kalaitzidis, Akis (2010). Europe's Greece: A Giant in the Making. [S.l.]: Palgrave Macmillan , 219 pp. The impact of European Union membership on Greek politics, economics, and society.
  • Koliopoulos, John S.; Veremis, Thanos M. (2002). Greece: The Modern Sequel. From 1831 to the Present. London: Hurst & Co. 
  • Kostopoulos, Tasos (2011). «La guerre civile macédonienne de 1903-1908 et ses représentations dans l'historiographie nationale grecque». Cahiers Balkaniques. 38-39 (38–39): 213–226. doi:10.4000/ceb.835 
  • Kremmydas, Vassilis (1977). «Η οικονομική κρίση στον ελλαδικό χώρο στις αρχές του 19ου αιώνα και οι επιπτώσεις της στην Επανάσταση του 1821» [The economic crisis in Greek lands in the beginning of 19th century and its effects on the Revolution of 1821]. Μνήμων (em Greek). 6: 16–33. doi:10.12681/mnimon.171 
  • Kremmydas, Vassilis (2002). «Προεπαναστατικές πραγματικότητες. Η οικονομική κρίση και η πορεία προς το Εικοσιένα» [Pre-revolutionary realities. The economic crisis and the course to '21]. Μνήμων (em Greek). 24: 71–84. doi:10.12681/mnimon.735 
  • Livanios, Dimitris (1999). «Conquering the souls: nationalism and Greek guerrilla warfare in Ottoman Macedonia, 1904‐1908». Byzantine and Modern Greek Studies. 23: 195–221. doi:10.1179/byz.1999.23.1.195 
  • Mavrias, Kostas G (2002). Constitutional Law (em Greek). Athens: Ant. N. Sakkoulas. ISBN 978-960-15-0663-0 
  • Mazower, Mark (1992). «The Messiah and the Bourgeoisie: Venizelos and Politics in Greece, 1909- 1912». The Historical Journal. 35 (4): 885–904. doi:10.1017/S0018246X00026200 
  • Pappas, Takis (Abril de 2003). «The Transformation of the Greek Party System Since 1951». West European Politics. 26 (2): 90–114. doi:10.1080/01402380512331341121 
  • Story, Louise; Thomas, Landon Jr; Schwartz, Nelson D (14 de fevereiro de 2010). «Wall St. Helped to Mask Debt Fueling Europe's Crisis». The New York Times. Consultado em 26 de março de 2013 .
  • Trudgill, P (2000). «Greece and European Turkey: From Religious to Linguistic Identity». In: Barbour, S; Carmichael, C. Language and Nationalism in Europe. Oxford: Oxford University Press .
  • Venizelos, Evangelos (2002). «The Contribution of the Revision of 2001». The "Acquis" of the Constitutional Revision (em Greek). Athens: Ant. N. Sakkoulas. ISBN 978-960-15-0617-3 
  • «Ἑλλάς - Ἑλληνισμὸς» [Greece - Hellenism] (PDF), Athens: Pyrsos Co. Ltd., Μεγάλη Ἐλληνικὴ Ἐγκυκλοπαιδεῖα (em Greek), 10, 1934 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage