Nova Zelândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nova Zelandia)
Ir para: navegação, pesquisa
New Zealand
Aotearoa

Nova Zelândia
Bandeira da Nova Zelândia
Brasão de armas da RAEM
Bandeira Brasão de armas
Hino nacional: God Defend New Zealand
Gentílico: Neozelandês

Localização de {{{nome_pt}}}

Localização da Nova Zelândia e da Dependência de Ross, um território reivindicado na Antártica.
Capital Wellington
Cidade mais populosa Auckland
Língua oficial Inglês, Maori e Língua de Sinais Neozelandesa
Governo Monarquia constitucional parlamentarista
 - Monarca Isabel II do Reino Unido
 - Governador-geral Jerry Mateparae
 - Primeiro-ministro John Key
Independência do Reino Unido 
 - Data 26 de setembro de 1907 
Área  
 - Total 268 680 km² (73º.º)
 - Água (%) 2,1%
População  
 - Estimativa de 2011 4 414 400[1] hab. (122.º)
 - Censo 2006 4 027 947[2] hab. 
 - Densidade 16.5 hab./km² (202.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2012
 - Total US$ 134,200 bilhões*[3]  (63.º)
 - Per capita US$ 30 200[4]  (49.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 140,434 bilhões*[3]  (51.º)
 - Per capita US$ 32.145[3]  (24.º)
IDH (2013) 0,910 (7.º) – muito elevado[5]
Gini (1997) 36,2
Moeda Dólar da Nova Zelândia (NZD)
Fuso horário (UTC+12)
Cód. Internet .nz
Cód. telef. +64
Website governamental www.newzealand.govt.nz

Mapa de {{{nome_pt}}}

Nova Zelândia (em inglês: New Zealand, em maori: Aotearoa) é um país insular no sudoeste do Oceano Pacífico formado por duas massas de terra principais (comumente chamadas de Ilha do Norte e Ilha do Sul) e por numerosas ilhas menores, sendo as mais notáveis as ilhas Stewart e Chatham. O nome indígena na língua maori para a Nova Zelândia é Aotearoa, normalmente traduzido como "A Terra da Grande Nuvem Branca". Os domínios da Nova Zelândia também incluem as Ilhas Cook e Niue (que se auto-governam mas em associação livre); Tokelau; e a Dependência de Ross (reivindicação territorial da Nova Zelândia na Antártida).

A Nova Zelândia é notável por seu isolamento geográfico: está situada a cerca de 2 000 km a sudeste da Austrália, separados através do mar da Tasmânia e os seus vizinhos mais próximos ao norte são a Nova Caledônia, Fiji e Tonga. Devido ao seu isolamento, o país desenvolveu uma fauna distinta dominada por pássaros, alguns dos quais foram extintos após a chegada dos seres humanos e dos mamíferos introduzidos por eles. A maioria da população da Nova Zelândia é de ascendência europeia (67,6%), sobretudo britânica, enquanto os nativos maoris, ou seus descendentes, são minoria (14,6%). Asiáticos e polinésios não-māori também são grupos de minoria significativa (16,1%)[6] , especialmente em áreas urbanas. A língua mais falada é o inglês, trazida pelos colonizadores britânicos, embora também sejam consideras idiomas oficiais línguas nativas, como a língua māori.

Isabel II, como rainha da Nova Zelândia e de outros quinze países da comunidade britânica, é a chefe de estado do país e é representada por um governador-geral cerimonial, que detém poderes de reserva.[7] A rainha não tem nenhuma influência política substancial e sua posição é essencialmente simbólica. O poder político é mantido pelo parlamento da Nova Zelândia, sob a liderança do primeiro-ministro, que é o chefe de governo do país.

A Nova Zelândia é na atualidade um país desenvolvido e industrializado de Primeiro Mundo que se posiciona muito bem em comparações internacionais sobre desenvolvimento humano (o quinto melhor do mundo em 2011),[5] qualidade de vida, esperança de vida, alfabetização, educação pública, paz,[8] prosperidade, liberdade econômica, facilidade de fazer negócios, falta de corrupção, liberdade de imprensa, democracia e proteção das liberdades civis e de direitos políticos.[9] Suas cidades também estão entre as "mais habitáveis do mundo".

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Detalhe de um mapa de 1657 mostrando a costa ocidental da Nova Zeelandia.

Aotearoa (muitas vezes traduzido como "terra da longa nuvem branca")[10] é o nome māori atual para a Nova Zelândia e também é usado no inglês neozelandês. Não se sabe se os māori tinham um nome para todo o país antes da chegada dos europeus, sendo que Aotearoa originalmente referia-se apenas a Ilha do Norte.[11] Abel Tasman avistou a Nova Zelândia em 1642 e chamou-a de Staten Landt, supondo que o país fosse conectado a um lugar do mesmo nome no extremo sul da América do Sul.[12] Em 1645, cartógrafos holandeses renomearam o lugar para Nova Zeelandia, em homenagem a província holandesa de Zeeland.[13] [14] O explorador britânico James Cook posteriormente anglicizou o nome para New Zealand.[nota 1]

Os māori tinham vários nomes tradicionais para as duas ilhas principais que forma o país, incluindo Te Ika-a-Maui (o peixe de Māui) para a Ilha do Norte e a Te Wai Pounamu (as águas da pedra verde) ou Te Waka o Aoraki (a canoa de Aoraki) para Ilha do Sul.[15] Os primeiros mapas europeus rotulavam as ilhas como Norte (Ilha do Norte), Média (Ilha do Sul) e Sul (Ilha Stewart).[16] Em 1830, começou-se a usar mapas onde Norte e Sul eram os termos usados para distinguir as duas maiores ilhas do país e em 1907 esta era a norma aceita.[17] O New Zealand Geographic Board descobriu em 2009 que os nomes da Ilha do Norte e Ilha do Sul nunca haviam sido formalizados, mas já há planos para fazer isso.[18] O conselho também está considerando nomes māori,[19] como Te Ika-a-Māui e Te Wai Pounamu, como as escolhas mais prováveis de acordo com o presidente da comissão da língua maori.[20]

História[editar | editar código-fonte]

Os povos maoris são os mais prováveis descendentes das pessoas que emigraram de Taiwan para a Melanésia e, em seguida, viajaram para o leste até as Ilhas da Sociedade. Depois de uma pausa de 70 a 265 anos, uma nova onda de exploração levou ao descobrimento e ao povoamento da Nova Zelândia.[21]

A Nova Zelândia foi um das últimas grandes massas de terra colonizadas por seres humanos. A datação por radiocarbono, evidências de desmatamento[22] e a variabilidade do DNA mitocondrial em populações māori[23] sugerem que a Nova Zelândia foi ocupada pelos polinésios do leste entre 1250 e 1300,[15] [24] concluindo uma longa série de viagens pelas ilhas do Pacífico sul.[25] Ao longo dos séculos que se seguiram, esses colonos desenvolveram uma cultura distinta agora conhecida como māori. A população foi então dividida em iwi (tribos) e hapū (subtribos), que acabaram por cooperar, competir e, por vezes, lutar uns com os outros. Em algum momento, um grupo dos māori migrou para as ilhas Chatham (a que deram o nome de Rekohu), onde desenvolveram uma cultura distinta chamada moriori.[26] [27] A população moriori foi dizimada entre 1835 e 1862, principalmente por causa da invasão e escravização promovidas pelos māori, embora as doenças europeias também tenham contribuído para isso. Em 1862, havia apenas 101 sobreviventes e os últimos morioris puros conhecidos morreram em 1933.[28]

Os primeiros europeus conhecidos por terem alcançado a Nova Zelândia foram o explorador holandês Abel Tasman e a sua tripulação em 1642.[29] Em um encontro hostil, quatro tripulantes foram mortos e pelo menos um māori foi atingido por um tiro de metralha.[30] Os europeus não voltaram à Nova Zelândia até 1769, quando o explorador britânico James Cook mapeou quase todo o seu litoral.[29] Após Cook, a Nova Zelândia foi visitada por europeus e por vários baleeiros, foqueiros e navios comerciais norte-americanos. Eles negociavam alimentos, ferramentas de metal, armas e outros bens de madeira, alimentos, artefatos e água.[31] A introdução da batata e do mosquete transformou a agricultura e a guerra māori. A batata proporcionou um excedente de alimentos confiável, o que permitiu campanhas militares maiores e melhor sustentadas.[32] O resultado das inter-tribais Guerras dos Mosquetes abrangeu mais de 600 batalhas entre 1801 e 1840, matando entre 30.000 e 40.000 māoris.[33] A partir do início do século XIX, missionários cristãos começaram a se estabelecer na Nova Zelândia e, eventualmente, conseguiram converter a maior parte da população māori.[34] A população nativa māori diminuiu em cerca de 40% do seu nível pré-contato durante o século XIX; doenças trazidas pelos europeus foram o principal fator.[35]

O governo britânico nomeou James Busby como Residente Britânico para a Nova Zelândia em 1832[36] e em 1835, após um anúncio iminente de soberania da França, a indistinta Tribos Unidas da Nova Zelândia enviou uma declaração de independência ao rei Guilherme IV do Reino Unido pedindo proteção.[36] A contínua agitação e a posição dúbia legal da declaração da independência levou o Escritório Colonial do Reino Unido a enviar o capitão William Hobson para a reivindicar a soberania para a Coroa Britânica e negociar um tratado com os māori.[37] O Tratado de Waitangi foi assinado na Baía das Ilhas em 6 de fevereiro de 1840.[38] Em resposta às tentativas da comercial Companhia da Nova Zelândia de estabelecer um assentamento independente em Wellington[39] e de "compra" de terras em Akaroa por colonos franceses,[40] Hobson declarou a soberania britânica sobre todos a Nova Zelândia em 21 de Maio de 1840, ainda que cópias do tratado ainda estivessem em circulação.[41] Com a assinatura do tratado e da declaração da soberania vários imigrantes, principalmente do Reino Unido, começaram a chegar em números cada vez maiores.[42]

A Nova Zelândia, originalmente parte da colônia de Nova Gales do Sul, tornou-se uma colônia da coroa separada em 1841.[43] A colônia ganhou um governo representativo em 1852 e o primeiro parlamento da Nova Zelândia se reuniu em 1854.[44] Em 1856, a colônia efetivamente tornou-se auto-governada, ganhando a responsabilidade sobre todos os assuntos domésticos, com excepção da política nativa. (Controle sobre a política nativa foi concedida em meados da década de 1860.)[44] Preocupado com a possibilidade da Ilha do Sul formar uma colônia separada, o premiê Alfred Domett apresentou uma resolução para transferir a capital de Auckland para uma localidade perto do Estreito de Cook.[45] Wellington foi escolhida pelo seu porto e localização central, com o parlamento oficialmente sediado ali pela primeira vez em 1865. Com o aumento do número de imigrantes, os conflitos por terras levou às Guerras da Nova Zelândia da década de 1860 a década de 1870, resultando na perda e no confisco de muitas terras māori.[46] Em 1893, o país tornou-se o primeiro país do mundo a conceder a todas as mulheres o direito ao voto[47] e em 1894 foi pioneiro na adoção da arbitragem obrigatória entre empregadores e sindicatos.[48]

Em 1907, a Nova Zelândia declarou-se um domínio dentro do Império Britânico e em 1947 o país adotou o Estatuto de Westminster, o que tornou a Nova Zelândia um reino da Commonwealth.[44] O país se envolveu em assuntos mundiais, lutando ao lado do Império Britânico na primeira e e segunda Guerras Mundiais[49] e sofrendo os impactos da Grande Depressão.[50] A depressão levou à eleição do primeiro governo trabalhista e ao estabelecimento de um estado de bem-estar abrangente e de uma economia protecionista.[51] A Nova Zelândia experimentou um período de prosperidade crescente nas épocas seguintes a Segunda Guerra Mundial[52] e os māori começaram a deixar sua vida rural tradicional e ir para as cidades em busca de trabalho.[53] Um movimento de protesto dos māori desenvolveu-se, criticando o eurocentrismo e trabalhando por um maior reconhecimento da cultura māori e do Tratado de Waitangi.[54] Em 1975, um Tribunal Waitangi foi criado para investigar alegações de violações do tratado e foi habilitado para investigar queixas históricas em 1985.[38]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da Nova Zelândia. Os Alpes do Sul, cobertos de neve, dominam a Ilha do Sul, enquanto a Península Northland se estende para regiões subtropicais na Ilha do Norte.

A Nova Zelândia é formada por duas ilhas principais e um algumas ilhas menores, situadas perto do centro do hemisfério de água. As principais ilhas do Norte e do Sul são separadas pelo Estreito de Cook, com 22 km de largura em seu ponto mais estreito.[55] Além das duas ilhas principais, as cinco maiores ilhas habitadas são a Ilha Stewart, Ilhas Chatham, Ilha Grande Barreira (no Golfo de Hauraki),[56] Ilha D'Urville[57] e a Ilha Waiheke (há cerca de 22 km do centro de Auckland).[58] As ilhas do país estão entre as latitudes 29° e 53ºS e longitudes 165° e 176°E.

O território da Nova Zelândia é longo (mais de 1 600 km ao longo de seu eixo norte-nordeste) e estreito (largura máxima de 400 km),[59] com cerca de 15 134 km de costa[60] e uma área total de 268 021 quilômetros quadrados.[61] Por causa de suas distantes ilhas periféricas e de seu longo litoral, o país tem extensivos recursos marinhos. Sua zona econômica exclusiva, uma das maiores do mundo, cobre mais de 15 vezes a sua área terrestre.[62]

A Ilha do Sul é a maior massa de terra da Nova Zelândia e é dividida ao longo de seu comprimento pelos Alpes do Sul.[63] Nessa cordilheira, há 18 picos com mais de 3.000 metros de altura, sendo o maior o Monte Cook, com 3 754 metros.[64] A região de Fiordland tem montanhas íngremes e fiordes profundos, registros da glaciação deste canto sudoeste da Ilha do Sul.[65] A Ilha do Norte é menos montanhosa, mas é marcada pelo vulcanismo.[66] A altamente ativa zona vulcânica de Taupo formou um grande planalto vulcânico, pontuado pela maior montanha da Ilha do Norte, o Monte Ruapehu, com 2 797 metros. O planalto também abriga o maior lago do país, o Lago Taupo,[67] situado na cratera de um dos mais ativos supervulcões do mundo.[68]

Monte Cook, o maior pico do país, com 3 754 metros de altitude.[64]

O país deve a sua topografia variada, e talvez até o seu aparecimento acima do nível do mar, ao limite dinâmico que acontece entre as placas do Pacífico e Indo-Australiana.[69] A Nova Zelândia é parte de Zealândia, uma microcontinente com quase metade do tamanho da Austrália, que gradativamente submergiu depois de se separar do supercontinente Gondwana.[70] Cerca de 25 milhões de anos atrás, uma mudança nos movimentos das placas tectônicas começaram a contorcer e deformar a região. Isto agora é mais evidente nos Alpes do Sul, formados pela compressão da crosta ao lado da falha alpina. Em outros lugares do limite da placa envolve a subducção de uma placa sob a outra, produzindo o fossa de Puysegur o sul, a fossa de Hikurangi ao lesta da Ilha do Norte e as fossas de Kermadec e de Tonga[71] mais ao norte.[69]

Clima[editar | editar código-fonte]

A Nova Zelândia tem um clima ameno e temperado marítimo, com temperaturas médias anuais variando de 10 °C no sul até 16 °C no norte do país.[72] A máxima e mínima históricas são de 42,4 °C, em Rangiora, Canterbury, e -26 °C, em Ranfurly, Otago.[73] As condições variam fortemente entre as regiões extremamente úmidas na costa oeste da ilha sul para as regiões quase semi-áridas na região Central de Otago e na Bacia do Mackenzie no interior Canterbury e subtropicais em Northland.[74] Das sete maiores cidades do país, Christchurch é a mais seca, recebendo em média apenas 640 milímetros de chuva por ano, e Auckland a mais chuvosa, recebendo quase o dobro desse montante.[75] Auckland, Wellington e Christchurch recebem uma média anual superior a 2.000 horas de luz solar. As partes do sul e oeste da Ilha do Sul tem um clima mais frio e nublado, com cerca de 1.400-1.600 horas; as partes norte e nordeste da Ilha do Sul são as áreas mais ensolaradas do país e recebem cerca de 2.400-2.500 horas.[76]

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Kiwi, animal típico da Nova Zelândia.

Devido ao seu isolamento relativo, a Nova Zelândia desenvolveu um ecossistema único, cuja característica mais distinta consistia na ausência, até à colonização polinésia, de quaisquer mamíferos terrestres, à exceção de três espécies de morcegos. Muitos dos nichos ecológicos que normalmente teriam sido ocupados por mamíferos eram ocupados por aves, incluindo o kiwi (incapaz de voar) e a moa. As moas, agora extintas, podiam crescer até uma altura de três metros. O kiwi e a Cyathea dealbata, característicos das florestas nativas deste país são símbolos nacionais. A Nova Zelândia é também a residência do tuatara, uma espécie antiga de réptil, e do weta, um insecto que pode atingir mais de oito centímetros de comprimento.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população da Nova Zelândia é de aproximadamente 4,4 milhões de habitantes.[77] O país é predominantemente urbano, com 72% da sua população vivendo em 16 áreas urbanas principais e 53% vivendo nas quatro maiores cidades de Auckland, Christchurch, Wellington e Hamilton.[78] As cidades neozelandesas geralmente obtém boas colocações em classificações internacionais de habitabilidade. Em 2010, por exemplo, Auckland foi considerada a quarta cidade mais habitável do mundo e Wellington a décima-segunda pelo Quality of Life Survey, feito pela consultoria Mercer.[79]

A expectativa de vida de uma criança nascida na Nova Zelândia em 2008 era de 82,4 anos para as mulheres e 78,4 anos para os homens.[80] A esperança de vida ao nascer deverá aumentar de 80 anos para 85 anos em 2050 e a mortalidade infantil deverá diminuir ainda mais.[81] Em 2050, estima-se, a população deverá chegar aos 5,3 milhões de habitantes, a idade média subirá de 36 anos para 43 anos e a percentagem de pessoas com 60 anos de idade e mais velhas subirá de 18% para 29%.[81]

Etnias e imigração[editar | editar código-fonte]

Um jovem maori dançando em um grupo kapa haka. Os maori são o povo nativo da Nova Zelândia e respondem por 14,6% da população atual do país.

No censo de 2006, 67,6% da população se identificava etnicamente como descendentes de europeus e 14,6% como maori.[83] Outros grandes grupos étnicos incluem os povos asiáticos (9,2%) e do Pacífico (6,9%), enquanto 11,1% identificou-se simplesmente como "neozelandês" (ou similar) e 1% com outras etnias.[84] [nota 2] Esses dados contrastam com os de 1961, quando o censo informou que a população da Nova Zelândia era composta por 92% de europeus e 7% de māori, com minorias asiáticas e do Pacífico compartilhando o 1% restante.[86] Embora o gentílico para um cidadão da Nova Zelândia seja neozelandês, o termo informal kiwi é comumente utilizado tanto a nível internacional[87] quanto pelos habitantes locais.[88] O empréstimo linguístico māori Pākehā geralmente se refere aos neozelandeses de descendência europeia, embora alguns rejeitem esta denominação[89] [90] e alguns māori a usem para se referir a todos os neozelandeses não-polinésios.[91]

Os māori foram as primeiras humanos a chegar à Nova Zelândia, seguidos pelos primeiros colonizadores europeus. Após a colonização, os imigrantes provinham predominantemente da Grã-Bretanha, Irlanda e Austrália, por causa de políticas restritivas semelhantes às políticas da Austrália Branca.[92] Houve também significativa imigração dalmácia,[93] holandesa, italiana e alemã, juntamente com a imigração europeia indireta através da Austrália, América do Norte, América do Sul e África do Sul.[94] Depois da Grande Depressão, as políticas migracionais foram relaxadas e a diversidade de imigrantes aumentou. Em 2009-10, uma meta anual de 45.000 a 50.000 aprovações de residência permanente foi criada pelo Serviço de Imigração da Nova Zelândia, o que significa mais de um novo imigrante para cada 100 moradores da Nova Zelândia.[95] 23% da população da Nova Zelândia nasceu no exterior, a maioria dos quais vivem na região de Auckland.[96] Embora a maioria dos imigrantes ainda venha do Reino Unido e da Irlanda (29%), a imigração vinda do Leste da Ásia (principalmente China continental, mas com um número significativo também da Coreia, Taiwan, Japão e Hong Kong) está aumentando rapidamente o número de pessoas provenientes desses países.[97] O número de estudantes internacionais pagantes aumentou acentuadamente na década de 1990, sendo que mais de 20 mil pessoas estudavam em instituições públicas de ensino superior do país em 2002.[98]

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião na Nova Zelândia[99]
Religião % aprox.
Sem religião
  
34,7%
Protestantismo
  
30%
Catolicismo romano
  
13%
Outras (não cristãs)
  
13%
Outras cristãs
  
10%

O cristianismo é a religião predominante na Nova Zelândia. No censo de 2006, 55,6% da população se identificou como cristã, enquanto que 34,7% não tinham religião (de 29,6% em 2001) e cerca de 4% eram afiliados com outras religiões.[100] [nota 3] A principais denominações cristãs são anglicanismo, catolicismo romano, presbiterianismo e o metodismo. Há também um número significativo de cristãos que se identificam com pentecostais, batista, membros da A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e da religião neozelandesa rātana, que tem adeptos entre māori. De acordo com dados do censo, outras religiões minoritárias significativas incluem o hinduísmo, o budismo e o islamismo.[101] [102]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

O inglês é o idioma predominante na Nova Zelândia, falada por 98% da população.[103] O inglês neozelandês é semelhante ao inglês australiano e muitos falantes anglófonos do hemisfério norte são incapazes de falar esse sotaque.[104] Depois da Segunda Guerra Mundial, os māori foram desencorajados a falar a sua própria língua (te reo Māori) em escolas e locais de trabalho e existia como uma linguagem única comunitária em algumas áreas remotas.[105] Recentemente, o idioma maori foi objeto de um processo de revitalização,[106] [107] sendo declarado uma das línguas oficiais da Nova Zelândia em 1987,[108] e é falado por 4,1% da população.[103] Existem hoje escolas e dois canais de televisão de língua maori, os únicos canais de televisão a nível nacional que têm a maior parte do seu conteúdo de horário nobre exibido em maori.[109] Nos últimos anos, muitos lugares foram oficialmente nomeados em maori e inglês. O samoano é uma das línguas mais faladas na Nova Zelândia (2,3%),[nota 4] seguido pelo francês, hindi, cantonês e mandarim (dialetos da língua chinesa).[101] [103] [nota 5] A Língua Neozelandesa de Sinais é utilizada por cerca de 28.000 pessoas e tornou-se a segunda língua oficial do país em 2006.[110]

Política[editar | editar código-fonte]

A Nova Zelândia é uma monarquia constitucional com uma democracia parlamentar,[111] embora a sua constituição não seja codificada.[112] Rainha Elizabeth II (ou Isabel II) é a Rainha da Nova Zelândia e sua chefe de Estado.[113] A rainha é representada pelo governador-geral,[114] que é nomeado a conselho do primeiro-ministro.[115] O governador-geral pode exercer os poderes prerrogativos da Coroa (como revisão de casos de injustiça e nomeações de ministros, embaixadores e outros importantes funcionários públicos)[116] e, em raras situações, os poderes moderadores (o poder de demitir um primeiro-ministro, dissolver o parlamento ou recusar o Consentimento Real de um projeto de lei).[117] Os poderes da Rainha e do governador-geral são limitados por restrições constitucionais e não podem normalmente ser exercidos sem o Conselho de Ministros.[117] [118]

O Parlamento da Nova Zelândia detém o poder legislativo e consiste no Soberano (representada pelo governador-geral) e na Câmara dos Representantes.[118] O parlamento também incluía uma câmara alta, o Conselho Legislativo, até que este foi abolido em 1950.[118] A supremacia da Câmara sobre o Soberano foi criada na Inglaterra através da Declaração de Direitos de 1689 e foi ratificada como lei na Nova Zelândia.[118] A Câmara dos Representantes é eleita democraticamente e é um governo formado a partir do partido ou coligação com a maioria dos assentos.[118] Se não houver maioria é formado um governo minoritário pode ser formado se o apoio de outros partidos estiver assegurado. O governador-geral nomeia os ministros sob a orientação do primeiro-ministro, que é por convenção o líder parlamentar do partido do governo ou coligação.[119] O gabinete, formado por ministros e liderado pelo primeiro-ministro, é o órgão máximo de formulação de políticas e responsável por decidir as ações mais significativas do governo.[120] Por convenção, os membros do gabinete estão ligados por responsabilidade coletiva de decisões tomadas pelo gabinete.[121]

Juízes e magistrados são nomeados politicamente e não sob regras rigorosas em matéria de posse para ajudar a manter a independência constitucional do governo.[112] Isto, teoricamente, permite que o judiciário interprete as leis com base exclusivamente na legislação aprovada pelo parlamento sem outras influências sobre suas decisões.[122] O Conselho Privado em Londres, foi o supremo tribunal de recursos do país até 2004, quando foi substituído pelo recém-criado Supremo Tribunal de Nova Zelândia. O judiciário, presidido pelo chefe de justiça,[123] inclui o Tribunal de Recurso, o Tribunal Superior e os tribunais subordinados.[112]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

A ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, e o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, encontram-se no Salão Oval, em Washington D.C..

Na era colonial, a Nova Zelândia permitia que o governo britânico determinasse o comércio externo e fosse responsável pela política externa.[124] Entre 1923 e 1926, Conferências Imperiais decidiram que a Nova Zelândia devia ser autorizada a negociar os seus próprios tratados políticos, sendo o primeiro tratado comercial de sucesso estabelecido com o Japão, em 1928. Apesar dessa relativa independência, a Nova Zelândia prontamente seguiu o Reino Unido ao declarar guerra à Alemanha nazista em 3 de setembro de 1939, quando o então primeiro-ministro neozelandês, Michael Savage, proclamou: "Onde ela vai, nós vamos; onde ela está, nós estamos".[125]

Em 1951, o Reino Unido virou-se cada vez mais para seus interesses europeus,[126] enquanto a Nova Zelândia juntou-se à Austrália e aos Estados Unidos no tratado de defesa ANZUS.[127] A influência dos Estados Unidos na Nova Zelândia enfraqueceu após protestos sobre a Guerra do Vietnã,[128] o fracasso dos Estados Unidos em advertir França após o naufrágio do Rainbow Warrior[129] e por desacordos sobre questões agrícolas comerciais, ambientais e sobre a políticas sobre a zona livre de armas nucleares da Nova Zelândia.[130] [131] Apesar da suspensão das obrigações dos Estados Unidos, o tratado ANZUS permaneceu em vigor entre a Nova Zelândia e a Austrália, cuja política externa tem seguido uma tendência histórica semelhante.[132] Próximos contatos políticos são mantidos entre os dois países, com acordos de livre comércio e organização de viagens que permitem aos cidadãos visitar, viver e trabalhar em ambos os países sem qualquer restrição.[133] Atualmente, mais de 500 mil neozelandeses vivem na Austrália e 65 mil australianos vivem na Nova Zelândia.[133]

A Nova Zelândia tem uma forte presença entre os países insulares do Pacífico. Uma grande proporção da ajuda externa da Nova Zelândia vai para esses países e muitos povos do Pacífico migram para a Nova Zelândia em busca de emprego.[134] A migração permanente é regulamentada no âmbito do programa do governo, que permitem até 1.100 samoanos e até 750 habitantes de outras ilhas do Pacífico, respectivamente, para se tornarem residentes permanentes da Nova Zelândia por ano. Um esquema de trabalhadores sazonais de migração temporária foi introduzido em 2007 e em 2009 cerca de 8.000 habitantes das ilhas do Pacífico foram empregados nele.[135] A Nova Zelândia está envolvido Fórum das Ilhas do Pacífico, Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico e do Fórum Regional da Associação de Nações do Sudeste Asiático (incluindo Cúpula do Leste Asiático).[133] O país também é membro da Organização das Nações Unidas,[136] da Comunidade das Nações,[137] a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico[138] e os Cinco Acordos de Força de Defesa.[139]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Dois soldados neozelandes no Afeganistão, em 2009.

A Força de Defesa da Nova Zelândia é composta por três ramos: a Marinha Real da Nova Zelândia, o Exército da Nova Zelândia e a Força Aérea Real da Nova Zelândia.[140] As necessidades de defesa nacional da Nova Zelândia são modestas, devido à improbabilidade de ataque direto,[141] mesmo com a presença global do país. A Nova Zelândia lutou nas duas guerras mundiais, com campanhas notáveis em Galípoli, Creta,[142] El Alamein[143] e Cassino.[144] A Campanha de Galípoli desempenhou um papel importante na promoção da identidade nacional da Nova Zelândia[145] [146] e fortaleceu a tradição ANZAC, compartilhada com a Austrália.[147] De acordo com Mary Edmond-Paul, "a Primeira Guerra Mundial tinha deixado cicatrizes na sociedade neozelandesa, com cerca de 18.500, no total, mortos como resultado da guerra, mais de 41.000 feridos e outros afetados emocionalmente, de uma força de combate no exterior de cerca de 103 mil e uma população de pouco mais de um milhão."[148] A Nova Zelândia também teve uma importante participação na Batalha do Rio da Prata[149] e na campanha aérea da Batalha da Grã-Bretanha.[150] [151] Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos tinham mais de 400 mil militares americanos estacionados na Nova Zelândia.[152]

Além do Vietnã e das duas guerras mundiais, a Nova Zelândia lutou na Guerra da Coreia, na Segunda Guerra dos Bôeres,[153] na Emergência Malaia,[154] na Guerra do Golfo e na Guerra do Afeganistão. O país tem contribuído com forças para várias missões de paz regionais e globais, tais como aquelas no Chipre, Somália, Bósnia e Herzegovina, Suez, Angola, Camboja, fronteira Irã-Iraque, Bougainville, Timor-Leste e nas Ilhas Salomão.[155] A Nova Zelândia também enviou uma unidade de engenheiros do exército de para ajudar na reconstrução de infraestrutura do Iraque por um ano durante a Guerra do Iraque.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Quando foi povoada pelos britânicos, a Nova Zelândia foi dividida em províncias. Estas foram abolidas em 1876 para que o governo pudesse ser centralizado, por motivos financeiros. Em resultado, a Nova Zelândia não possui nenhuma entidade subnacional como província, estado ou território, para lá do governo local. Apesar disso, o espírito das províncias sobrevive e existe uma feroz rivalidade entre elas em acontecimentos culturais ou desportivos.

Desde 1876, o governo central tem administrado as várias regiões da Nova Zelândia. Devido à sua herança colonial, seu governo reflecte com bastante fidelidade as estruturas britânicas de governo local, com conselhos de cidade, borough e condado. Ao longo dos anos, alguns destes conselhos fundiram-se ou tiveram as fronteiras ajustadas por mútuo acordo, e foram criados alguns novos. Em 1989, o governo reorganizou por completo o governo local, implementando a actual estrutura de dois níveis com as regiões e as autoridades territoriais.

Hoje, a Nova Zelândia tem 12 conselhos regionais para a administração de assuntos ambientais e de transportes, e 74 autoridades territoriais que administram as estradas, o saneamento básico, as autorizações de construção e outros assuntos locais. As autoridades territoriais são 16 conselhos de cidade, 57 conselhos de distrito e o Conselho das Ilhas Chatham. Quatro dos conselhos territoriais (uma cidade e três distritos) e o Conselho das Ilhas Chatham também exercem as funções de conselho regional, e são assim conhecidos como autoridades unitárias. Os distritos das autoridades territoriais não são subdivisões dos distritos dos conselhos regionais, e alguns atravessam as fronteiras dos conselhos regionais.

A Nova Zelândia se subdivide em 16 regiões:

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Auckland, a cidade mais populosa do país. Na imagem, em destaque à direita, a Sky Tower, a estrutura mais alta do hemisfério sul.

Nova Zelândia tem uma moderna, próspera e desenvolvida economia de mercado, com um produto interno bruto (PIB) em paridade do poder de compra (PPC) per capita estimado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em cerca de US$ 26.966.[3] [nota 6] A moeda é do país é o dólar da Nova Zelândia, informalmente conhecido como o "dólar Kiwi", que também circula nas Ilhas Cook, Niue, Tokelau e nas Ilhas Pitcairn.[156] A Nova Zelândia foi classificada como o quinto país "mais desenvolvido" do mundo pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 2011, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD),[157] e ficou em 4º lugar no Índice de Liberdade Econômica de 2011, publicado pela Heritage Foundation.[158]

Historicamente, as indústrias extrativistas têm contribuído fortemente para a economia da Nova Zelândia, concentrando-se, de acordo com a época, na caça às focas e baleias, linho, ouro, goma kauri e na madeira nativa.[159] Com o desenvolvimento do transporte refrigerado em 1880, carne e produtos lácteos passaram a ser exportados à Grã-Bretanha, um comércio que serviu de base para um forte crescimento econômico na Nova Zelândia.[160] A elevada demanda de produtos agrícolas do Reino Unido e dos Estados Unidos ajudou os neozelandeses a alcançar um padrão de vida mais elevado do que o da Austrália e da Europa Ocidental nos anos 1950 e 1960.[161] Em 1973, o mercado de exportação da Nova Zelândia foi reduzido quando o Reino Unido aderiu à Comunidade Europeia[162] e por outros fatores, tais como crise do petróleo de 1973 e a crise energética de 1979, o que levou a uma grave depressão econômica.[163] O padrão de vida neozelandês caiu atrás daqueles registrados na Austrália e na Europa Ocidental e, em 1982, a Nova Zelândia tinha a menor renda per capita entre todos os países desenvolvidos pesquisados pelo Banco Mundial.[164] Desde 1984, sucessivos governos engajados na reestruturação macroeconômica do país transformou rapidamente a Nova Zelândia de uma economia altamente protecionista para uma economia de livre comércio e liberalizada.[165] [166]

O desemprego chegou acima dos 10% em 1991 e 1992,[167] após a "segunda-feira negra de 1987", mas finalmente caiu a uma baixa recorde de 3,4% em 2007 (a 5ª menor taxa entre os 27 países comparáveis da OCDE).[168] A crise financeira mundial que se seguiu, porém, teve um grande impacto na economia neozelandesa, com o PIB do país encolhendo por cinco trimestres consecutivos, a mais longa recessão em mais de 30 anos,[169] [170] e com o aumento do desemprego para uma taxa de 7% no final de 2009.[171] A taxa de desemprego para os jovens foi de 17,4% no trimestre de junho de 2011.[172] A Nova Zelândia tem experimentado uma série de "fuga de cérebros" desde 1970,[173] fenômeno que continua ainda hoje.[174] Quase um quarto dos trabalhadores altamente qualificados do país vivem no exterior, a maioria na Austrália e Reino Unido, taxa maior do que a de qualquer outra nação desenvolvida.[175] Nos últimos anos, entretanto, um "ganho de cérebros" trouxe profissionais educados da Europa e de países menos desenvolvidos.[176] [177] Atualmente oscila entre 2º e 3º país mais desenvolvido da Oceania, atualmente atrás apenas da sua vizinha Austrália.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Milford Sound, uma das mais populares destinações turísticas do país.[178]

O turismo é uma importante indústria na Nova Zelândia, contribuindo com NZ$ 15 bilhões (ou 9%) do produto interno bruto (PIB) doméstico do país em 2010.[179] É também a maior indústria de exportação da Nova Zelândia, com cerca de 2,4 milhões de turistas internacionais visitando o país anualmente (dados de setembro de 2009),[180] o que forneceu 18% das receitas de exportação neozelandesas em 2010.[179] A Nova Zelândia é comercializada no exterior como um lugar "limpo e verde" de aventura, com destinos naturais, como Milford Sound, o Monte Cook, as Cavernas de Waitomo, o Parque Nacional Abel Tasman e a Travessia Alpina do Tongariro, enquanto atividades como o bungee jumping ou a observação de baleias exemplificam atrações turísticas típicas.

A grande maioria das chegadas de turistas para a Nova Zelândia vêem através do Aeroporto de Auckland que movimentou mais de 11 milhões de passageiros em 2004. Muitos turistas internacionais também gastam o tempo em Christchurch, Queenstown, Rotorua e Wellington.[181]

O turismo doméstico também é importante, sendo que as despesas desse tipo de atividade chegam a US$ 13 bilhões e superam as despesas de turistas internacionais, de US$ 9 bilhões em 2010.[179] No geral, o turismo mantém cerca de 180.000 empregos em tempo integral (10% da força de trabalho na Nova Zelândia).[179]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

O ensino primário e secundário é obrigatório para crianças de seis a dezesseis anos.[182] Existem 13 anos escolares e de escolas públicas são gratuitas. A Nova Zelândia tem uma taxa de alfabetização de adultos de 99%[60] e mais da metade da população de 15 a 29 anos possui uma qualificação superior.[182] Existem cinco tipos de instituições estatais terciárias: universidades, faculdades de educação, institutos politécnicos, institutos especializados e wānanga,[183] e também estabelecimentos de ensino privado.[184]

Energia, transporte e comunicações[editar | editar código-fonte]

Em 2008, petróleo, gás e carvão geraram cerca de 69% da oferta de energia bruta da Nova Zelândia e 31% foi gerada a partir de energias renováveis, principalmente energia hidrelétrica e geotérmica.[185] A rede de transportes da Nova Zelândia inclui 93 805 km de estradas, no valor de 23 bilhões de dólares,[186] e 4 128 km de linhas ferroviárias.[187] A maioria das grandes cidades e vilas do país estão ligadas por serviços de ônibus, embora o automóvel privado seja o modo predominante de transporte.[188] As ferrovias foram privatizadas em 1993, em seguida, re-adquiridas pelo governo em 2004 e investidas através de uma empresa estatal.[189] O sistema ferroviário percorre o território do país, embora a maioria das linhas seja de transporte de mercadorias, em vez de passageiros.[190] A maioria dos visitantes internacionais chegam por via aérea[191] e a Nova Zelândia tem sete aeroportos internacionais, embora atualmente apenas os aeroportos de Auckland e Christchurch conectem-se diretamente com outros países além de Austrália e Fiji.[192] Os Correios da Nova Zelândia tinham o monopólio sobre as telecomunicações até 1989, quando Telecom New Zealand foi formada, inicialmente como uma empresa estatal e privatizada em 1990.[193] A Telecom ainda possui a maior parte da infraestrutura de telecomunicações, mas a concorrência de outros fornecedores aumentou.[194]

Terminal internacional do Aeroporto de Auckland.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Dançarinos vestidos com a tradicional roupa Māori.

Os primeiros māori adaptaram a sua cultura polinésia aos desafios associados com um ambiente maior e mais diversificado e desenvolveram a sua própria cultura. A organização social era em grande parte comum com as famílias (whanau), sub-tribos (hapu) e tribos (iwi) governadas por um chefe (rangatira), cuja posição era sujeita à aprovação da comunidade.[195] Os imigrantes britânicos e irlandeses trouxeram aspectos de suas própria culturas para a Nova Zelândia e também influenciaram a cultura māori,[196] [197] particularmente com a introdução do cristianismo.[198] No entanto, os māori ainda consideram sua fidelidade a grupos tribais como uma parte vital de sua identidade e os papéis de parentesco de sua cultura se assemelham aos de outros povos da Polinésia.[199] Mais recentemente, americanos, australianos, asiáticos e outras culturas europeias exerceram influência sobre a Nova Zelândia. A cultura polinésia não-māori também é aparente, com o Pasifika, o maior festival do mundo polinésio, agora sendo um evento anual em Auckland.

A vida em grande parte rural, no início da Nova Zelândia, levou à imagem de que os neozelandeses são robustos, trabalhadores e solucionadores de problemas trabalhador.[200] Na época a Nova Zelândia não era conhecido como um país intelectual.[201] Do início do século XX até o final dos anos 1960, a cultura māori foi suprimida através da tentativa de assimilação do povo nativo em neozelandeses britânicos.[105] Em 1960, o ensino superior tornou-se mais acessível, as cidades se expandiram[202] e, consequentemente, a cultura urbana começou a dominar.[203] Embora a maioria da população viva em cidades, grande parte da arte, filmes, literatura e humor da Nova Zelândia têm temas rurais.

Desporto[editar | editar código-fonte]

A seleção de rugby do país, os All Blacks, dançando a haka (dança típica dos māori) antes de uma vitória sobre a França em 2006, o rugby é o esporte mais popular do país.

A maioria dos códigos esportivos jogados na Nova Zelândia têm origens inglesas.[204] Golfe, netball, tênis e críquete são os quatro primeiros esportes coletivos, sendo o futebol o mais popular entre os jovens e o rugby o que atrai mais espectadores.[205] Vitoriosas turnês de rugby pela Austrália e pelo Reino Unido no final dos anos 1880 e início dos anos 1900 desempenharam um papel importante no início da formação da identidade nacional do país,[206] embora a influência do esporte tenha decaído.[207] O turfe também foi um esporte popular e tornou-se parte da cultura "Corrida, Rugby e Cerveja" durante a década de 1960.[208] A participação dos māori em esportes europeus é particularmente evidente no rugby e a equipe do país realiza a haka (desafio tradicional maori) antes dos jogos internacionais.[209]

A Nova Zelândia tem equipes competitivas internacionais no rugby, netball, críquete e softball e tradicionalmente tem bom desempenho no triatlo, remo, iatismo e ciclismo. O país também tem um bom desempenho na proporção de medalhas em relação à população nos Jogos Olímpicos e nos Jogos da Commonwealth.[205] [210] A Seleção Neozelandesa de Rugby é frequentemente considerada como a melhor do mundo e é a detentora de várias vitórias na Copa do Mundo de Rugby. O país é conhecido por sua forte tradição em esportes radicais, turismo de aventura[211] e montanhismo.[212] Outras atividades ao ar livre, como ciclismo, pesca, natação, corrida, canoagem, caça, esportes de neve e surf também são populares.[213]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Notas

  1. Zeeland é escrito "Zealand" em inglês. O nome da Nova Zelândia não é derivado da ilha dinamarquesa da Zelândia.
  2. Ao preencher o censo as pessoas podem selecionar mais de um grupo étnico (por exemplo, 53% dos māori identificou-se apenas como māori, enquanto o restante também identificou-se com uma ou mais outras etnias).[85]
  3. Outros 6% recusaram-se a declarar a sua religião. O órgão de estatísticas do país não relata uma porcentagem total para "outras" religiões. Dependendo de quantas pessoas alegaram religiões cristãs e outras, isso pode variar entre 3 e 5%. Estas percentagens têm com base n população em geral residente, excluindo outros 7% de pessoas que não forneceram informações utilizáveis.
  4. Das 85.428 pessoas que responderam falar samoano no Censo de 2006, 57.828 viviam na região de Auckland.[101]
  5. Os idiomas listados aqui são aqueles falados por mais de 40.000 neozelandeses.
  6. As estimativas para o PIB PPC per capita divergem entre o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e o The World Factbook da CIA.

Referências

  1. National Population Estimates: September 2011 quarter Statistics New Zealand (14 de novembro de 2011). Página visitada em 15 de novembro de 2011.
  2. QuickStats About New Zealand's Population and Dwellings: Population counts 2006 Census. Statistics New Zealand. Página visitada em 14 de abril de 2011.
  3. a b c d New Zealand - Economy CIA - The World Factbook. Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  4. New Zealand - GDP - Per Capita (PPP) (em inglês) CIA - The World Factbook (2013). Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  5. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 24 de julho de 2014.
  6. http://www.stats.govt.nz/Census/2006CensusHomePage/QuickStats/quickstats-about-a-subject/culture-and-identity/ethnic-groups-in-new-zealand.aspx
  7. The Reserve Powers The Governor-General of New Zealand. Página visitada em 9 de julho de 2009.
  8. Global Peace Index Rankings. Página visitada em 17 de junho de 2009.
  9. New Zealand: World Audit Democracy Profile WorldAudit.org.. Página visitada em 5 de janeiro de 2008.
  10. King 2003, p. 41.
  11. Hay, Maclagan & Gordon 2008, p. 72.
  12. Wilson, John (March 2009). European discovery of New Zealand – Tasman's achievement Te Ara - the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 24 de janeiro de 2011.
  13. Wilson, John (Setembro de 2007). Tasman’s achievement Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 16 de fevereiro de 2008.
  14. Mackay, Duncan. The New Zealand Book Of Events. Auckland: Reed Methuen, 1986. 52–54 pp.
  15. a b Mein Smith 2005, p. 6.
  16. Brunner, Thomas. The Great Journey: an expedition to explore the interior of the Middle Island, New Zealand, 1846-8. [S.l.]: Royal Geographic Society, 1851.
  17. McKinnon, Malcolm (Novembro de 2009). Place names – Naming the country and the main islands Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 24 de janeiro de 2011.
  18. "Confusion over NZ islands' names", 22 April 2009.
  19. May Eriksen, Alanah. "Name quest unveils historic titles", 25 de abril de 2009.
  20. Davison, Isaac. "North and South Islands officially nameless", 22 de abril de 2009.
  21. doi:10.1073/pnas.1015876108
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  22. doi:10.1016/S1040-6182(98)00067-6
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  23. (1998) "Testing migration patterns and estimating founding population size in Polynesia by using human mtDNA sequences". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 95 (15): 9047–52. DOI:10.1073/pnas.95.15.9047.
  24. doi:10.1073/pnas.0801507105
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  25. doi:10.1126/science.1166083
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  26. Clark, Ross. The Origins of the First New Zealanders. Auckland: Auckland University Press, 1994. 123–135 pp.
  27. Davis, Denise (Setembro de 2007). The impact of new arrivals Te Ara Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  28. 'Moriori – The impact of new arrivals' Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand (Março de 2009). Página visitada em 23 de março de 2011.
  29. a b Mein Smith 2005, p. 23.
  30. Salmond, Anne. Two Worlds: First Meetings Between Maori and Europeans 1642–1772. Auckland: Penguin Books. p. 82. ISBN 0670832987
  31. King 2003, p. 122.
  32. Fitzpatrick, John. (2004). "Food, warfare and the impact of Atlantic capitalism in Aotearo/New Zealand". Australasian Political Studies Association Conference: APSA 2004 Conference Papers.
  33. Brailsford, Barry. Arrows of Plague. Wellington: Hick Smith and Sons, 1972. p. 35. ISBN 0456010602
  34. Wagstrom, Thor. Indigenous Peoples and Religious Change. Boston: Brill Academic Publishers, 2005. 71 and 73 pp. ISBN 9789004138995
  35. Lange, Raeburn. May the people live: a history of Māori health development 1900–1920. [S.l.]: Auckland University Press, 1999. p. 18. ISBN 9781869402143
  36. a b Rutherford, James (April 2009). "Busby, James". from An Encyclopaedia of New Zealand. Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 January 2011. 
  37. "Sir George Gipps". from An Encyclopaedia of New Zealand. (Abril de 2009). Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 de janeiro de 2011. 
  38. a b Wilson, John (Março de 2009). Government and nation – The origins of nationhood Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  39. "Settlement from 1840 to 1852". from An Encyclopaedia of New Zealand. (Abril de 2009). Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 de janeiro de 2011. 
  40. Foster, Bernard (Abril de 2009). "Akaroa, French Settlement At". from An Encyclopaedia of New Zealand. Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 de janeiro de 2011. 
  41. Simpson, K (Setembro de 2010). "Hobson, William – Biography". from the Dictionary of New Zealand Biography. Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 de janeiro de 2011. 
  42. Phillips, Jock (Abril de 2010). British immigration and the New Zealand Company Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  43. Crown colony era – the Governor-General Ministry for Culture and Heritage (Março de 2009). Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  44. a b c Wilson, John (Março de 2009). Government and nation – The constitution Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 2 de fevereiro de 2011.
  45. Temple, Philip. Wellington Yesterday. [S.l.]: John McIndoe, 1980. ISBN 0-86868-012-5
  46. New Zealand's 19th-century wars – overview Ministry for Culture and Heritage (Abril de 2009). Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  47. Wilson., John (Março de 2009). History – Liberal to Labour Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 2 de fevereiro de 2011.
  48. (1997) "Strategy and Trade Union Effectiveness in a Neo-liberal Environment" (PDF). British Journal of Industrial Relations 35 (4): 567–591. DOI:10.1111/1467-8543.00069.
  49. War and Society Ministry for Culture and Heritage. Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  50. Easton, Brian (Abril de 2010). Economic history – Interwar years and the great depression Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  51. Derby, Mark (Maio de 2010). Strikes and labour disputes – Wars, depression and first Labour government Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  52. Easton, Brian (Novembro de 2010). Economic history – Great boom, 1935–1966 Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  53. Keane, Basil (November 2010). Te Māori i te ohanga – Māori in the economy – Urbanisation Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 7 de janeiro de 2011.
  54. Royal, Te Ahukaramū (Março de 2009). Māori – Urbanisation and renaissance Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  55. "The Sea Floor". from An Encyclopaedia of New Zealand. (Abril de 2009). Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 13 de janeiro de 2011. 
  56. Hauraki Gulf islands Auckland City Council. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.
  57. Hindmarsh (2006). Discovering D'Urville Heritage New Zealand. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.
  58. Distance tables Auckland Coastguard. Página visitada em 2 de março de 2011.
  59. McKenzie, D. W.. Heinemann New Zealand atlas. [S.l.]: Heinemann Publishers, 1987. ISBN 079000187X
  60. a b The World Factbook – New Zealand CIA. (15 de novembro de 2007). Página visitada em 30 de novembro de 2007.
  61. Geography Statistics New Zealand (1999). Página visitada em 21 de dezembro de 2009.
  62. Offshore Options: Managing Environmental Effects in New Zealand's Exclusive Economic Zone. Wellington: Ministry for the Environment, 2005. ISBN 0-478-25916-6
  63. Coates, Glen. The rise and fall of the Southern Alps. [S.l.]: Canterbury University Press, 2002. p. 15. ISBN 0908812930
  64. a b Grant, David (Março de 2009). Southland places – Fiordland’s coast Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  65. Grant, David (March 2009). Southland places – Fiordland’s coast Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  66. Central North Island volcanoes Department of Conservation. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  67. Walrond, Carl (Março de 2009). Natural environment – Geography and geology Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 14 de janeiro de 2010.
  68. Taupo GNS Science. Página visitada em 2 de abril de 2011.
  69. a b Sea floor geology – Active plate boundaries Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand (Março de 2009). Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  70. doi:10.1111/j.1365-294X.2009.04294.x
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  71. (2000) "Bathymetry of the Tonga Trench and Forearc: A Map Series". Marine Geophysical Researches 21 (5): 489–512. DOI:10.1023/A:1026514914220.
  72. Climate – New Zealand’s climate Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand (Março de 2009). Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  73. Summary of New Zealand climate extremes National Institute of Water and Atmospheric Research (2004). Página visitada em 30 de abril de 2010.
  74. Walrond, Carl (Março de 2009). Natural environment – Climate Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  75. Mean monthly rainfall (XLS) National Institute of Water and Atmospheric Research. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  76. Mean monthly sunshine hours (XLS) National Institute of Water and Atmospheric Research. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  77. Estimated resident population of New Zealand Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de janeiro de 2011. Os dados populacionais atualizam-se a cada 10 minutos.
  78. Subnational population estimates at 30 June 2009 Statistics New Zealand (30 de junho de 2007). Página visitada em 30 de abril de 2010.
  79. Mercer 2010 Quality of Living survey highlights – Global Mercer (Maio de 2010). Página visitada em 30 de abril de 2010.
  80. Commentary Births and Deaths: December 2009 quarter. Statistics New Zealand. Página visitada em 27 de abril de 2010.
  81. a b Department of Economic and Social Affairs Population Division (2009). "World Population Prospects" (PDF). United Nations.
  82. Subnational population estimates Statistics New Zealand. Página visitada em 2 de novembro de 2010.
  83. Ethnic groups in New Zealand 2006 Census QuickStats National highlights. Statistics New Zealand. Página visitada em 18 de janeiro de 2011.
  84. Cultural diversity 2006 Census QuickStats National highlights. Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  85. Māori Ethnic Population / Te Momo Iwi Māori QuickStats About Māori, Census 2006. Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  86. Collins, Simon. "Ethnic mix changing rapidly", Outubro de 2010.
  87. doi:10.1016/0962-6298(93)90012-V
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  88. Callister, Paul. (2004). "Seeking an Ethnic Identity: Is "New Zealander" a Valid Ethnic Category?". New Zealand Population Review 30 (1&2): 5–22.
  89. Misa, Tapu. "Ethnic Census status tells the whole truth", 8 de março de 2006.
  90. Draft Report of a Review of the Official Ethnicity Statistical Standard: Proposals to Address the ‘New Zealander’ Response Issue (PDF) Statistics New Zealand (Abril de 2009). Página visitada em 18 de janeiro de 2011.
  91. Ranford, Jodie. 'Pakeha', Its Origin and Meaning Māori News. Página visitada em 20 de fevereiro de 2008.
  92. Socidad Peruana de Medicina Intensiva (SOPEMI). Trends in international migration: continuous reporting system on migration. [S.l.]: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 2000. 276–278 pp.
  93. Walrond, Carl (21 de setembro de 2007). Dalmatians Te Ara - the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  94. New Zealand Peoples Te Ara - the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  95. International Migration Outlook – New Zealand 2009/10 New Zealand Department of Labour (2010). Página visitada em 16 de abril de 2011.
  96. QuickStats About Culture and Identity: Birthplace and people born overseas Statistics New Zealand (Março de 2006). Página visitada em 19 de janeiro de 2011.
  97. Para as porcentagens: QuickStats About Culture and Identity – Birthplace and people born overseas Censo de 2006. Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
    Para outros detalhes sobre o Leste da Ásia: Culture and identity – Birthplace 2006 Census Population and dwellings tables. Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  98. (2004) "International Students in New Zealand: Needs and Responses". International Education Journal 5 (4).
  99. Central Intelligence Agency (2006). Nova Zelandia The World Factbook. Página visitada em 23 de janeiro 2010.
  100. QuickStats About Culture and Identity: Religious affiliation Statistics New Zealand. Página visitada em 20 de janeiro de 2011.
  101. a b c 2006 Census Data – QuickStats About Culture and Identity – Tables (XLS) Censo de 2006. Statistics New Zealand. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  102. Quick Stats About culture and Identity— 2006 Census (PDF) Statistics New Zealand. Página visitada em 28 de setembro de 2007.
  103. a b c QuickStats About Culture and Identity: Languages spoken Statistics New Zealand (Março de 2006). Página visitada em 20 de fevereiro de 2008.
  104. Hay, Maclagan & Gordon 2008, p. 14.
  105. a b Phillips, Jock (Março de 2009). The New Zealanders – Bicultural New Zealand Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  106. Māori Language Week – Te Wiki o Te Reo Maori Ministry for Culture and Heritage. Página visitada em Fevereiro de 2008.
  107. Squires, Nick. "British influence ebbs as New Zealand takes to talking Māori", Maio de 2005.
  108. Waitangi Tribunal claim – Māori Language Week Ministry for Culture and Heritage (Julho de 2010). Página visitada em 19 de janeiro de 2011.
  109. Māori Television Launches 100 percent Māori Language Channel Māori Television. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  110. New Zealand Sign Language Act 2006 No 18 (as at 30 June 2008), Public Act – New Zealand Legislation. Legislation.govt.nz (30 de junho de 2008). Acessado em 29 de novembro de 2011.
  111. Queen and New Zealand The British Monarchy. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  112. a b c "Factsheet – New Zealand – Political Forces", 15 de fevereiro de 2005. Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  113. New Zealand Legislation: Royal Titles Act 1974 Governo da Nova Zelândia (Fevereiro de 1974). Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  114. The Governor General of New Zealand Official website of the Governor General. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  115. The Queen's role in New Zealand The British Monarchy. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  116. Harris, Bruce. (2009). "Replacement of the Royal Prerogative in New Zealand". New Zealand Universities Law Review 23: 285–314.
  117. a b The Reserve Powers Governor General. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  118. a b c d e How Parliament works: What is Parliament? Parlamento da Nova Zelândia (28 de junho de 2010). Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  119. How Parliament works: People in Parliament New Zealand Parliament (Agosto de 2006). Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  120. Wilson, John (Novembro de 2010). Government and nation – System of government Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  121. Cabinet Manual: Cabinet Department of Prime Minister and Cabinet (2008). Página visitada em 2 de março de 2011.
  122. The Judiciary Ministry of Justice. Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  123. The Current Chief Justice Courts of New Zealand. Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  124. "External Relations". from An Encyclopaedia of New Zealand. (Abril de 2009). Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 7 de janeiro de 2011. 
  125. Michael Joseph Savage Ministry for Culture and Heritage (Julho de 2010). Página visitada em 29 de janeiro de 2011.
  126. Patman, Robert (2005). Globalisation, Sovereignty, and the Transformation of New Zealand Foreign Policy (PDF) Working Paper 21/05. Centre for Strategic Studies, Victoria University of Wellington. Página visitada em 12 de março de 2007.
  127. Department Of External Affairs: Security Treaty between Australia, New Zealand and the United States of America Governo da Austrália (Setembro de 1951). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  128. The Vietnam War Ministry for Culture and Heritage (June 2008). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  129. Sinking the Rainbow Warrior – nuclear-free New Zealand Ministry for Culture and Heritage (Agosto de 2008). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  130. Nuclear-free legislation – nuclear-free New Zealand New Zealand History Online (Agosto de 2008). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  131. Lange, David. Nuclear Free: The New Zealand Way. New Zealand: Penguin Books, 1990. ISBN 0140145192
  132. Australia in brief Australian Department of Foreign Affairs and Trade. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  133. a b c New Zealand country brief Department of Foreign Affairs and Trade. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  134. Bertram, Geoff (Abril de 2010). South Pacific economic relations – Aid, remittances and tourism Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  135. Howes, Stephen (Novembro de 2010). Making migration work: Lessons from New Zealand Development Policy Centre. Página visitada em 23 de março de 2011.
  136. Member States of the United Nations United Nations. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  137. The Commonwealth in the Pacific Commonwealth of Nations. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  138. Members and partners Organisation for Economic Co-operation and Development. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  139. New Zealand Embassy Washington, United States of America: Defence relations New Zealand Ministry of Foreign Affairs and Trade. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  140. Welcome to NZDF New Zealand Defence Force. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  141. Ayson, Robert. New Zealand In World Affairs, Volume IV: 1990–2005. Wellington: Victoria University Press, 2007. p. 132. ISBN 9780864735485
  142. The Battle for Crete Ministry for Culture and Heritage (Maio de 2010). Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  143. El Alamein – The North African Campaign Ministry for Culture and Heritage (Maio de 2009). Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  144. Holmes, Richard (Setembro de 2010). World War Two: The Battle of Monte Cassino. Página visitada em 9 de janeiro de 2011.
  145. "Gallipoli stirred new sense of national identity says Clark", April 2005.
  146. Prideaux, Bruce. Battlefield tourism: history, place and interpretation. [S.l.]: Elsevier Science, 2007. p. 18. ISBN 978-0080453620
  147. Burke, Arthur. The Spirit of ANZAC ANZAC Day Commemoration Committee. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  148. Mary Edmond-Paul (2008). Lighted windows: critical essays on Robin Hyde . Otago University Press. p.77. ISBN 1877372587
  149. New Zealand and the Battle of River Plate New Zealand Ministry of Foreign Affairs and Trade. Página visitada em 29 de janeiro de 2011.
  150. Airmen from New Zealand who took part in the Battle of Britain The Battle of Britain London Monument. Página visitada em 10 January 2011.
  151. New Zealand's contribution – The Battle of Britain Ministry for Culture and Heritage (Setembro de 2010). Página visitada em 10 de janeiro de 2011.
  152. Bureau of East Asian and Pacific Affairs Background Note: New Zealand US Department of State (August 2010). Página visitada em 10 de janeiro de 2011.
  153. South African War 1899–1902 Ministry for Culture and Heritage (Fevereiro de 2009). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  154. NZ and the Malayan Emergency Ministry for Culture and Heritage (Agosto de 2010). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  155. New Zealand Defence Force Overseas Operations New Zealand Defence Force (Janeiro de 2008). Página visitada em 17 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2008.
  156. Currencies of the territories listed in the BS exchange rate lists Bank of Slovenia. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  157. Human Development Index and components (PDF) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Página visitada em 3 de janeiro de 2012.
  158. Índice de Liberdade Econômica de 2011 Heritage Foundation and Wall Street Journal. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  159. Historical evolution and trade patterns An Encyclopaedia of New Zealand. (1966). Página visitada em 10 de fevereiro de 2011.
  160. Sheep farming – Growth of the frozen meat trade, 1882–2001 Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand (Outubro de 2009). Página visitada em 6 de maio de 2010.
  161. Baker, John (February 2010). "Some Indicators of Comparative Living Standards". from An Encyclopaedia of New Zealand. Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 30 de abril de 2010.  Table pdf downloadable from [1]
  162. Wilson, John (Março de 2009). History – The later 20th century Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 2 de fevereiro de 2011.
  163. Overseas trade policy – Difficult times – the 1970s and early 1980s Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand (Abril de 2010). Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  164. Evans, N.. . "Up From Down Under: After a Century of Socialism, Australia and New Zealand are Cutting Back Government and Freeing Their Economies". National Review 46 (16): 47–51.
  165. Easton, Brian (Novembro de 2010). Economic history – Government and market liberalisation Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  166. Hazledine, Tim. Taking New Zealand Seriously: The Economics of Decency. [S.l.]: HarperCollins Publishers, 1998. ISBN 1869502833
  167. Unemployment 2010 Social report. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  168. Bingham, Eugene. "The miracle of full employment", The New Zealand Herald, 7 de abril de 2008. Página visitada em 17 de setembro de 2008.
  169. "New Zealand Takes a Pause in Cutting Rates", The New York Times, 10 de junho de 2009. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  170. "New Zealand's slump longest ever", BBC News, 26 de junho de 2009. Página visitada em 30 de abril de 2010.
  171. Bascand, Geoff (February 2011). Household Labour Force Survey: December 2010 quarter – Media Release Statistics New Zealand. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  172. "Employment and Unemployment – June 2011 Quarter". NZ Department of Labour.
  173. Davenport, Sally. (2004). "Panic and panacea: brain drain and science and technology human capital policy". Research Policy 33 (4): 617–630. DOI:10.1016/j.respol.2004.01.006.
  174. O'Hare, Sean. "New Zealand brain-drain worst in world", Setembro de 2010.
  175. Collins, Simon. "Quarter of NZ's brightest are gone", March 2005.
  176. Winkelmann, Rainer. (2000). "The labour market performance of European immigrants in New Zealand in the 1980s and 1990s". The International Migration Review 33 (1): 33–58. The Center for Migration Studies of New York. DOI:10.2307/2676011. Journal subscription required
  177. Bain 2006, p. 44.
  178. NZ tops Travellers' Choice Awards Stuff Travel (Maio de 2008). Página visitada em 30 de abril de 2010.
  179. a b c d Key Tourism Statistics Ministry of Economic Development (4 de maio de 2011). Página visitada em 15 de maio de 2011.
  180. Corporate Overview (from the Tourism New Zealand corporate website. 24 de janeiro de 2010)
  181. Number of International Visitors who Stayed Overnight in Key NZ Places Ministry of Economic Development. Página visitada em 15 de maio de 2011.
  182. a b Dench, Olivia (Julho de 2010). Education Statistics of New Zealand: 2009 Education Counts. Página visitada em 19 de janeiro de 2011.
  183. Education Act 1989 No 80 (as at 01 February 2011), Public Act. Part 14: Establishment and disestablishment of tertiary institutions, Section 62: Establishment of institutions Education Act 1989 No 80. New Zealand Parliamentary Counsel Office/Te Tari Tohutohu Pāremata (1 de fevereiro de 2011). Página visitada em 15 de agosto de 2011.
  184. Studying in New Zealand: Tertiary education New Zealand Qualifications Authority. Página visitada em 15 de agosto de 2011.
  185. Energy Data File 2009 Ministry for Economic Development (Julho de 2009).
  186. Frequently Asked Questions New Zealand Transport Agency. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  187. CIA – The World Factbook – New Zealand. Página visitada em 18 de setembro de 2009.
  188. Humphris, Adrian (Abril de 2010). Public transport – Passenger trends Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  189. Atkinson, Neill (Novembro de 2010). Railways – Rail transformed Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  190. Atkinson, Neill (April 2010). Railways – Freight transport Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  191. International Visitors (PDF) Ministry of Economic Development (Junho de 2009). Página visitada em 30 de janeiro de 2011.
  192. 10. Airports Infrastructure Stocktake: Infrastructure Audit. Ministry of Economic Development (Dezembro de 2005). Página visitada em 30 de janeiro de 2011.
  193. Overview of the New Zealand Telecommunications Market 1987–1997 Ministry of Economic Development (November 2005). Página visitada em 30 de janeiro de 2011.
  194. Budde, Paul. New Zealand – Telecommunications – Major Players Budde Comm. Página visitada em 30 de janeiro de 2011.
  195. Kennedy 2007, p. 398.
  196. Hearn, Terry (March 2009). English – Importance and influence Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 January 2011.
  197. Conclusions – British and Irish immigration Ministry for Culture and Heritage (Março de 2007). Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  198. Stenhouse, John (November 2010). Religion and society – Māori religion Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 January 2011.
  199. Māori Social Structures Ministry of Justice (Março de 2001). Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  200. Kennedy 2007, p. 400.
  201. Phillips, Jock (Março de 2009). The New Zealanders – Post-war New Zealanders Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  202. Phillips, Jock (Março de 2009). The New Zealanders – Ordinary blokes and extraordinary sheilas Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  203. Phillips, Jock (Março de 2009). Rural mythologies – The cult of the pioneer Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
  204. Hearn, Terry (March 2009). English – Popular culture Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 22 de janeiro de 2012.
  205. a b Phillips, Jock (Fevereiro de 2011). Sports and leisure – Organised sports Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 23 de março de 2011.
  206. Crawford, Scott. Sport, Power And Society In New Zealand: Historical And Contemporary Perspectives. [S.l.]: ASSH Studies In Sports History, January 1999.
  207. Fougere, Geoff. Culture and identity in New Zealand. [S.l.: s.n.], 1989. 110–122 pp. ISBN 0-477-01422-4
  208. Rugby, racing and beer Ministry for Culture and Heritage (Agosto de 2010). Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  209. Derby, Mark (December 2010). Māori–Pākehā relations – Sports and race Te Ara – the Encyclopedia of New Zealand. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  210. ABS medal tally: Australia finishes third Australian Bureau of Statistics (30 de agosto de 2004). Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  211. Bain 2006, p. 69.
  212. "World mourns Sir Edmund Hillary", Janeiro de 2008.
  213. Sport and Recreation Participation Levels Sport and Recreation New Zealand (2009). Página visitada em 30 de abril de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nova Zelândia


Flag-map of New Zealand.svg Nova Zelândia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens