Geografia de Cachoeira do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A geografia de Cachoeira do Sul tem como destaque a área do município, das maiores do Rio Grande do Sul (inclusive passando a capital, Porto Alegre), e sua população, a 22ª cidade mais populosa do estado. Localizada no Centro do estado, tem como sua principal atividade econômica a agricultura, ocupando a maior parte de seu território e dividido em seis distritos: Três Vendas, Cordilheira, Ferreira, Bosque, Capané e Barro Vermelho. Já na cidade, a principal atividade desenvolvida é o de serviços, como comércio, escolas e saúde.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo do município é bastante variado e muda radicalmente de norte a sul: enquanto na parte setentrional há presença de morros e cerros, com poucas vertigens d'água, na parte meridional há relevo coxilhado e com muitas planícies, sendo a maioria alagável, pelos diversos recursos de água existentes.

Cachoeira do Sul está na chamada Depressão Central do Rio Grande do Sul, uma enorme área que compreende desde Porto Alegre até a Campanha Ocidental, e é a maior cidade do Vale do Jacuí, estando, também, na Região dos Vales, junto com os Vales dos Rios Pardo de Taquari.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade, assim como de todo o Rio Grande do Sul, é subtropical, com as quatro estações bem definidas. Segundo a Classificação do clima de Köppen, há a frequência do tipo Cfa, com variação para o Cfb.

O verão da cidade é muito quente, um pouco amenizado pelo efeito das águas do Rio Jacuí; já o outono é bastante frio, com ocorrência de queda de folhas, mas também é nesse período que acontece o "veranico", época de calor comparado ao verão entre os meses de abril e maio. O inverno é muito frio, com temperaturas negativas nas partes mais altas do município, com ocorrência de geada. No entanto, já aconteceu precipitação de neve, com sua última ocorrência nos anos 80. A primavera é o início da floração, com muitas flores espalhadas no chão de praças e calçadas da cidade, formando um belo cenário. A partir do mês de outubro o calor começa novamente, com a proximidade do verão.

Temperaturas mínimas e máximas[editar | editar código-fonte]

Como a cidade não possui um centro meteorológico, as temperaturas são realizadas em estimativas. Verifica-se uma média de 19° Celsius. Segundo dados, as temperaturas mínimas atingem valores negativos no inverno (principalmente nos dias de junho e julho, durante a madrugada), chegando a -5°C nas partes mais altas da cidade, como Três Vendas. Já no verão (nos meses de janeiro e fevereiro) as temperaturas chegam próximo a 40°C. Alguns dados afirmam que a temperatura máxima registrada na cidade é de 41,2°C, porém não há certeza nesses dados, já que são estimativas.

Ventos[editar | editar código-fonte]

Na cidade, durante o inverno, o vento que sopra na cidade é o minuano, causando sérios danos a casas por sua força e velocidade. Durante a primavera e o verão já há uma leve brisa, resultante da ação do Rio Jacuí sobre o território cachoeirense. Já no outono é popular o famoso "vento nordeste".

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação típica da cidade são os pampas, especialmente nas coxilhas. Há ilhas de mata nesses campos, principalmente composta de eucaliptos e pinus. Na beira de rios, arroios e sangas há uma arborização bastante densa, servindo de mata ciliar desses córregos. Porém a maior parte dos campos já está devastada, para a criação de gado e a prática da agricultura. Já a mata ciliar está ainda conservada; no Rio Jacuí, próximo à cidade, começa a acontecer o fenômeno da erosão.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Sul possui uma hidrografia bastante variada: desde rios e arroios até lagos e açudes.

Seu maior exemplo de hidrografia é, sem dúvida, o rio Jacuí. A cidade é a maior do Rio Grande do Sul banhada por suas águas, a tal ponto de receber o apelido de "Princesa do Jacuí". Por isso Cachoeira do Sul está no Vale do Jacuí e também em sua bacia hidrográfica. Outros rios que compõem a bacia do Jacuí e estão presentes no território cachoeirense são: rio Botucaraí, rio Piquiri, rio Irapuá, rio Iruí e rio das Palmas.

Os arroios são presentes também, como pequenos córregos que banham as lavouras de arroz presentes no interior do município, mas o maior destaque é o Arroio do Amorim, que corta a zona leste da cidade e separa a região do Prado do Centro de Cachoeira do Sul. Ainda há diversas sangas no perímetro urbano; destaque para as sangas da Inês e da Micaela, na qual se conta a lenda que, no dia que elas se encontrarem, a cidade irá cair em um buraco.

Diversos lagos artificias e açudes fazem parte da hidrografia do município, como abastecimento das lavouras ou para pesca. Nas partes setentrionais, onde há poucos recursos d'água, são responsáveis por abastecer essas populações rurais.