Maragogipe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Maragojipe)
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Maragogipe
Vista da cidade, com a Igreja Matriz ao fundo

Vista da cidade, com a Igreja Matriz ao fundo
Bandeira indisponível
Brasão de Maragogipe
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 8 de maio
Fundação 16 de janeiro de 1557
Gentílico maragogipano
Prefeito(a) Vera Lucia Maria dos Santos (Partido da República (PR))
Localização
Localização de Maragogipe
Localização de Maragogipe na Bahia
Maragogipe está localizado em: Brasil
Maragogipe
Localização de Maragogipe no Brasil
12° 46' 40" S 38° 55' 08" O12° 46' 40" S 38° 55' 08" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Metropolitana de Salvador IBGE/2008[1]
Microrregião Santo Antônio de Jesus IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Salinas da Margarida, Saubara, Cachoeira, Nazaré, Jaguaripe, Cruz das Almas, São Felipe e São Félix
Distância até a capital 130 km
Características geográficas
Área 440,161 km² [2]
População 45 740 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 103,92 hab./km²
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,621 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 156 299,534 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 583,21 IBGE/2008[5]
Página oficial

Maragogipe[nota 1]ou Maragojipe é um município do estado da Bahia, no Brasil. Sua população estimada em 2013 era de 45 740 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Essa região era habitada pelos índios da tribo Maragós, que alguns historiadores e memorialistas traduziram como: "braços invencíveis", ou "rio dos mosquitos", devido ao fato de ser situado numa ampla área de manguezal. Eram inteligentes, guerreiros, dedicando-se ao cultivo do solo, à pesca e à caça. Posteriormente, deslumbrados com a riqueza das matas e com a acessibilidade do sítio a qualquer embarcação, alguns exploradores resolveram fixar residência, dedicando-se à extração de madeiras, plantação de mandioca e de cana-de-açúcar, construção de engenhos e casas de farinha.

Durante a guerra de consolidação da independência brasileira, Maragogipe foi palco de uma escaramuça entre os portugueses e os brasileiros, liderados por Bento de Araújo Lopes Vilas Boas, com a vitória dos últimos. Como recompensa, foi-lhe concedido o título de Barão de Maragogipe pelo imperador brasileiro Dom Pedro I. O município foi criado com território desmembrado de Jaguaripe e denominação de Maragogipe por carta régia de 17 de dezembro de 1693 e portaria de 16 de dezembro de 1724. A sede foi elevada à categoria de cidade através da Lei Provincial de 8 de maio de 1850.

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

A povoação ficava localizada em terras da sesmaria de Paraguaçu (ou Peroaçu), doada a D. Álvaro da Costa, por seu pai D. Duarte da Costa, 2º Governador-Geral do Brasil, em 16 de Janeiro de 1557, doação essa confirmada por Alvará Régio datado de 12 de março de 1562. Foi a sesmaria transformada em Capitania pelo Cardeal Regente, D. Henrique, por Carta de 20 de novembro de 1565, confirmada por outra carta datada de 28 de março de 1566. Registrada em Lisboa a 23 de agosto de 1571, durante o reinado de D. Sebastião, Maragogipe ficou sendo então sua principal localidade.

A capitania de Peroaçu ou (Paraguaçu) foi comprada ao seu Donatário, D. José da Costa, pelo Rei de Portugal D. José 1º pela pensão de 640$000, passando a pertencer à Coroa Portuguesa em virtude da Carta do Conselho Ultramarino, datada de 12 de dezembro de 1732, e Provisão Real datada de 17 de junho de 1733.

A capela ali construída e dedicada a São Bartolomeu foi elevada à categoria de freguesia em 1640 pelo Bispo Dom Pedro da Silva Sampaio, por proposta do vice rei Dom Jorge de Mascarenhas, Marquês do Montalvão, com a denominação Freguesia de São Bartolomeu do Maragogipe.

Emancipação Política[editar | editar código-fonte]

No começo do ano de 1724, quando calamitosa seca devastava a Bahia, o Conde de Sabugosa, na época 4º vice rei, fez uma viagem de inspeção pelo interior do Estado para conhecer suas idades, vilas e freguesias. Chegando a Maragogipe em fevereiro de 1724, seus habitantes pediram-lhe que a Freguesia do São Bartolomeu do Maragogipe fosse elevada à categoria de Vila, o que ocorreu pela Portaria de 16 de fevereiro de 1724, sendo a Vila instalada pelo Ouvidor Geral Pedro Gonçalves Pereira a 22 do mesmo mês e ano. Nesta data, o município de Maragogipe comemora a sua emancipação política, pois a municipalidade contará com a instalação da Casa de Câmara e Cadeia e seis vereadores, sendo que o presidente da Câmara também tinha poderes executivos.

Elevação à Categoria de Cidade[editar | editar código-fonte]

A Vila de São Bartolomeu de Maragogipe recebeu foros de Cidade pela Lei Provincial nº 389, de 08 de maio de 1850, sendo agraciada pelo imperador Dom Pedro II com o título de 'Patriota Cidade' e denominada apenas de Maragogipe. Nesta data os maragogipanos comemoram o aniversário de elevação à categoria de cidade.

Distritos[editar | editar código-fonte]

Em 1911, o Município possuía 5 distritos: Maragogipe, Nagé, Coqueiros, Caveiras e Santo Antônio de Capanema. No quadro do Recenseamento Geral de 1920, aparece formado pelos Distritos de Maragogipe, Nagé, Coqueiros, Caveira e Capanema.

Na divisão administrativa de 1933, o município figura formado pelos distritos de Maragogipe, Nagé, Santo Antônio de Capanema, São Roque do Paraguaçu (criado pela Lei Provincial nº 2.179, de 20 de Junho de 1881 e confirmado pelo Decreto Estadual nº 8.311, de 15 de fevereiro de 1933), Caveiras e Coqueiros, este último criado pela Lei Estadual nº 1.922, de 13 de agosto de 1926.

Nas divisões territoriais seguintes continua a mesma composição, ocorrendo apenas em 1938 a modificação do nome do Distrito de Santo Antônio de Capanema para Capanema. Pelo Decreto Estadual nº 11.089, de 30 de novembro de 1938, o Município é composto dos Distritos de Maragogipe, Capanema, Coqueiros, Guapira (ex-Caveiras), Nagé e São Roque (ex-São Roque do Paraguaçu). Essa mesma formação aparece nos quadros seguintes, notando-se porém, que o Distrito de São Roque aparece com o antigo nome de São Roque do Paraguaçu e o de Capanema teve o nome mudado para Guaí no quadro da divisão territorial de 1944.

Sua composição administrativa de acordo com a Lei nº 628 de 30 de dezembro de 1953, em vigor, é de seis Distritos: Maragogipe, Coqueiros, Guaí, Guapira, Nagé e São Roque do Paraguaçu.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Maragogipe é um município do estado da Bahia localizada a cerca de 133 quilômetros de Salvador. Sua população é estimada em 45 740 habitantes. O município de Maragogipe é bastante rico no que diz respeito aos recursos naturais, apresentando um ótimo potencial para o desenvolvimento de atividades ligadas ao turismo ecológico, rural e, principalmente, ao turismo náutico, incluindo a pesca desportiva.[7]

Apresenta excelentes condições para o turismo náutico, contando, inclusive, com uma ponte de atracação para embarcações de grande porte.

Está localizada ao fundo da Baía de Todos-os-Santos e situada à direita do estuário do rio Paraguaçu, onde formou-se uma baía interna, a Baía do Iguape.

Maragogipe situa-se exatamente no ponto de encontro do rio Paraguaçu com o rio Guaí, formando uma extensa região de lagamar, cercada por cerca de 30 quilômetros de manguezais com, aproximadamente, 30 metros de largura.

Último paradeiro náutico do Recôncavo Baiano, a cidade ainda abriga, no porto do Caijá, dezenas de canoas e saveiros. As antigas embarcações à vela eram muito utilizadas para o transporte das mais diversas mercadorias no interior da Baía de Todos-os-Santos até recentemente. Hoje, ainda restam alguns exemplares concorrendo com meios de transporte mais modernos.

Como outras cidades da região, Maragogipe traz uma forte tradição religiosa católica, mas é também comprometida com o candomblé. A cidade pacata se transforma durante o mês de agosto, quando é celebrada a festa de seu padroeiro, São Bartolomeu.

Municípios emancipados de Maragogipe: Conceição do Almeida, Dom Macedo Costa e São Felipe.

Praias[editar | editar código-fonte]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia classificou o carnaval do município de Maragogipe como patrimônio imaterial da Bahia depois de uma série de pesquisas e estudos feitos sobre a tradicional festa desde 2007. O carnaval está inserido no livro de registros 3, que abrange as manifestações.

O carnaval de Maragogipe tem inspiração nas festas similares que ocorriam na Europa no século XIX, onde há uma forte predominância de fantasias de figuras folclóricas, como os antigos carnavais que hoje só acontecem em salões privados. Chegando em território maragogipano, a festa recebeu fortes influências das culturas africana e indígena, retrato do caldeirão cultural que é a cidade de Maragogipe.

Notas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maragogipe

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2013». Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2013. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. [1]
  7. [2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.