Monotrilho de Manaus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou secção contém informações sobre uma construção futura.
É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente.
Tower crane colorize.png
O Monotrilho de Manaus foi projetado com base no Monotrilho de Kuala Lampur.[1]

O Monotrilho de Manaus é um sistema de transporte coletivo em projeto. O início de obras estava previsto para o segundo semestre de 2013, mas, nesse ano, a Justiça Federal cancelou a sua implantação e até atualmente (2018), a obra ainda não foi iniciada.[2] O monotrilho teria 20 km e 9 estações e ligaria o centro de Manaus ao bairro Jorge Teixeira, a um custo de R$ 1,4 bilhão.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Com a escolha do Brasil para sediar a Copa do Mundo de 2014, várias capitais se candidataram para ser uma das 12 sedes dos jogos. A cidade de Manaus lançou candidatura para ser uma das sedes da copa em 2008 e dentro da proposta de sediar os jogos, foram iniciados estudos para o projeto de um sistema de transporte coletivo de média capacidade.[4] Após a conclusão dos estudos, o governo do Amazonas apresentou o projeto de implantação de uma linha de monotrilho ligando o centro de Manaus ao bairro Jorge Teixeira, na zona leste da cidade, passando pelo futuro estádio Arena da Amazônia. Com quatorze quilômetros de extensão e 5 estações, transportaria cerca de 170 mil passageiros por dia, tendo sido orçado em R$ 850 milhões.[5]

O projeto evoluiria a partir da escolha de Manaus como uma das sedes da Copa do Mundo e o estado do Amazonas assinaria do documento de Matriz de Responsabilidades com a FIFA se comprometendo a melhorar a mobilidade urbana da cidade de Manaus.[6]

Em 2013, a Justiça Federal, aceitando um pedido do Ministério Público, cancelou a licitação da obra. Diversos problemas foram encontradas no projeto, entre eles que o patrimônio histórico não seria respeitado e que ele não estaria de acordo com a Lei Nacional da Mobilidade Urbana.[7]

Tabela[editar | editar código-fonte]

Estação Inauguração Integração Bairro
Matriz em projeto Centro
Constantino Nery em projeto Nossa Senhora das Graças
São Jorge em projeto São Jorge
Arena Amazônia em projeto Flores
Santos Dumont em projeto Tarumã
Manoa em projeto Cidade Nova
Cidade Nova em projeto Cidade Nova
Francisca Mendes em projeto Francisca Mendes
Jorge Teixeira em projeto TUSSAM.png Terminal de Ônibus 4 Jorge Teixeira

Referências

  1. Monica Prestes (16 de abril de 2011). «Conheça detalhes do Monotrilho adotado para Manaus». A Crítica (Manaus). Consultado em 29 de abril de 2013. 
  2. «O monotrilho de R$1,4 bilhão que Manaus nunca usou». AMAZONAS ATUAL. 2 de agosto de 2017. Consultado em 5 de julho de 2018. 
  3. Juçara Menezes (05 de abril de 2013). «Obras do monotrilho de Manaus 'saem do papel' a partir de junho deste ano». Portal Amazônia. Consultado em 29 de abril de 2013.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Monotrilho em Manaus - Blog Econômico/ Ambiental da Amazônia - Setembro de 2009 - www.dminev.com/2009/09/monotrilho-em-manaus.html
  5. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (SEPLAN) (4 de Setembro de 2009). «Projeto de mobilidade urbana» (PDF). Portal ofivcial de manaus na Copa- Recuperado por Internet Archive. Consultado em 29 de abril de 2013. 
  6. Ministério do Esporte do Brasil (13 de janeiro de 2010). «Matriz de Responsabilidades» (PDF). Portal Oficial Copa 2014. Consultado em 29 de abril de 2013. 
  7. «Estudo diz que monotrilho de Manaus é inviável, e Justiça cancela licitação - Notícias - UOL Copa do Mundo 2014». UOL Copa do Mundo 2014 


Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre urbanismo, planejamento e estudos urbanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.