Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Arena Corinthians

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arena Corinthians
Sisbrace: Star full.svg Star full.svg Star full.svg Star full.svg Star full.svg[1]
Arena Corinthians (Fundo Transparente).png
Logotipo da arena
ARENA CORINTHIANS.jpg
Vista aérea da arena.
Nomes
Nome Arena Corinthians
Apelido Itaquerão
Características
Local Av. Miguel Ignácio Curi, 111
Artur Alvim, São Paulo, Brasil[2]
Gramado Grama natural (105 x 68 m)
Capacidade (capacidade)[3]
47 605 espectadores (oficial)[4][nota 1][5]
Construção
Data 30 de maio de 2011 a 15 de abril de 2014
Custo R$ 1,150 bilhão (incluso juros bancários)[6]
Inauguração
Data 18 de maio de 2014 (3 anos)
Partida inaugural Corinthians 0–1 Figueirense
Primeiro gol Giovanni Augusto (Figueirense)
Recordes
Público recorde 63 267 pessoas
Data recorde 9 de julho de 2014
Partida com mais público Países Baixos Países Baixos 0–0 Flag of Argentina.svg Argentina[7]
Outras informações
Proprietário Corinthians
Administrador Corinthians
Arquiteto Aníbal Coutinho
Mandante Corinthians

Arena Corinthians,[8][9] popularmente conhecida como Itaquerão,[10][11][12][13] é um estádio de futebol localizado no distrito de Itaquera, na Zona Leste do município de São Paulo, Brasil. De propriedade do Sport Club Corinthians Paulista, sua capacidade oficial é para 47 605 lugares, sendo o 12º maior estádio do Brasil. O Ministério do Esporte lançou, o Sistema Brasileiro de Classificação de Estádios (Sisbrace), que propõe a melhoria em conforto, segurança, acessibilidade e condições sanitárias e de higiene dos estádios do país, tendo a Arena Corinthians, recebendo avaliação máxima com cinco bolas.[14] Além de ganhar também o prêmio de melhor projeto de arquitetura do país no ano de 2011.[15]

A arena foi inaugurada oficialmente em 18 de maio de 2014 em uma partida entre a equipe do Corinthians e o Figueirense, perdendo pelo placar de 1 a 0, na Série A do Brasileiro daquela temporada. Poucas semanas depois de sua inauguração oficial, sediou a cerimônia de abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014, que incluiu a partida entre Brasil e Croácia, e outros cinco duelos do torneio, entre os quais uma semifinal. Devido a exigência da FIFA de pelo menos 60 mil lugares para o jogo inaugural da Copa do Mundo, foram incluídos mais 19 800 assentos temporários ao estádio exclusivamente para atender a exigência.[16][17][18] Com o fim do Mundial de 2014, o Corinthians determinou a retirada das estruturas temporárias.[19][20]

Construído pela Odebrecht entre 2011 e 2014, tinha previsão de custo inicial em 820 milhões de reais,[21] mas seu preço final atingiu quase 1,2 bilhão de reais, incluindo uma isenção tributária de 420 milhões de reais por parte da prefeitura do município de São Paulo.[22] Além dos vastos recursos financeiros utilizados em sua construção, a arena também recebeu críticas pelas circunstâncias em que foi escolhida como o estádio oficial da Copa do Mundo e pelas condições de trabalho dos operários que participaram da obra. A Arena Corinthians atingiu a marca de 3,4 milhões de torcedores(as) no seu 109º jogo, tendo média de 31 623 pagantes por partida e arrecadou o montante superior a 201 milhões de reais.[23]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Por várias décadas, dirigentes do Corinthians prometeram construir um novo estádio para o clube, já que o Estádio do Parque São Jorge (Estádio Alfredo Schürig) tem capacidade inferior a 18 mil espectadores. Uma das primeiras promessas foi anunciada em 1968, pelo então presidente Wadih Helu, de construir um estádio coberto para 135 mil pessoas. Mais tarde, ele afirmou que compraria o Pacaembu. Depois, lançou uma campanha de venda de alguns títulos patrimoniais e de carnê de prêmios com o objetivo de arrecadar recursos para a construção do "Corinthião".[24][25]

Entre as décadas de 1950 e 1960, o presidente Vicente Matheus sonhava em construir um estádio para mais de 200 mil torcedores.[26] Como o plano exigia uma grande área, Matheus solicitou à Prefeitura Municipal de São Paulo um terreno localizado em Itaquera, na zona leste de São Paulo, que à época era de propriedade da Cohab, e uma projeção de construir o estádio entre três a cinco anos. Em novembro de 1978, o pedido foi atendido pelo então prefeito Olavo Setúbal, que aprovou a concessão de uma área de 197 mil metros quadrados por 90 anos.[27][28] Em 1988, a concessão foi renovada por 90 anos, com a condição de que qualquer construção feita na área devesse ser revertida para a cidade sem nenhum custo.[29] Sem obter financiamento, o projeto de Matheus acabou sendo arquivado. Ainda na década de 1980, durante a Democracia Corintiana, o plano do presidente Waldemar Pires era cobrir e elevar a capacidade do estádio do Parque São Jorge para 41 mil lugares. O ídolo Sócrates chegou a fazer propaganda do lançamento da pedra fundamental do estádio em anúncio veiculado na Rede Globo.[25]

Durante a gestão de Alberto Dualib, novos projetos fracassaram. Em meados da década de 1990, a parceria com o Banco Excel previa a construção de um estádio às margens da Rodovia dos Bandeirantes ou da Ayrton Senna.[25] Pouco depois, outra parceira do clube com a Hicks, Muse, Tate & Furst, que prometeu um estádio na região da Rodovia Raposo Tavares, zona oeste da capital paulista, com capacidade entre 40 e 50 mil lugares, para ser entregue até 2002.[24][30][31] Com o novo fracasso, cogitou-se retomar algum projeto em Itaquera[31] ou mesmo demolir o Estádio Alfredo Schürig e construir um novo no mesmo local.[32] Na terceira parceria da gestão Dualib, com a Media Sports Investment, o iraniano Kia Jorabichian almejava comprar o Pacaembu, mas depois prometeu um estádio semelhante ao do Sporting de Lisboa, com capacidade para 55 000 pessoas, shopping center e estrutura para receber shows.[25]

Após a era Dualib, novas ideias foram lançadas. Em 2007, foi formada a ONG Cooperfiel, por torcedores que tentavam arrecadar fundos para construção de um estádio através de doações e vendas de produtos, mas o plano fracassou.[33] Já sob administração de Andrés Sanches, houve conversas para uma concessão do Estádio do Pacaembu em 2009,[34] entre outros projetos.[35]

Em 13 de agosto de 2010, o presidente Sanches revelou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo um novo projeto para um estádio corintiano.[36] Entre quatro propostas diferentes, venceu o projeto para um estádio em Itaquera, na zona leste de São Paulo, com capacidade para 48 mil torcedores e um orçamento de 350 milhões de reais.[37] Às vésperas da festa do centenário do clube, o projeto do novo estádio foi oficializado.[38][39] Especula-se que o então presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, corintiano assumido, tenha tido um papel fundamental ao pressionar a construtora Odebrecht a realizar a obra,[40][41][42] embora o clube oficialmente desminta uma grande influência do ex-mandatário nacional.[43]

Abertura da Copa de 2014[editar | editar código-fonte]

O governador Geraldo Alckmin, Ronaldo e Gilberto Kassab no dia em que a arena foi escolhida para sediar a abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014

A estimativa de que a abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014 traria 30,75 bilhões de reais em 10 anos para o município de São Paulo, estimulou a cidade a sediar o jogo de abertura.[44][45] Um estudo da Fundação Getúlio Vargas estimou de 1 bilhão de reais em receita apenas para o jogo de abertura, como os 290 mil turistas são esperados para o evento.[46]

Após o Estádio do Morumbi ser considerado inadequado pela FIFA, o comitê organizador local procurou alternativas e decidiu oferecer a Arena Corinthians para sediar o jogo de abertura da Copa do Mundo; a FIFA aceitou a sugestão e confirmou a decisão em 10 de outubro de 2011.[47] Para sediar a partida de abertura foi necessário realizar modificações no projeto original, o que elevou o custo original de 335 milhões de reais para 1,07 bilhão de reais para atender aos requisitos da FIFA. Os cortes em custos em equipamentos, mobiliário e construção abaixou o preço.[48] Além disso, devido a acordos da FIFA com o Brasil, todas as construções relacionadas com a Copa do Mundo não podem ser tributadas pelo governo federal brasileiro; o preço final acordado foi de 820 milhões de reais.[49]

Um novo contrato foi assinado em 19 de julho de 2011, com a Odebrecht; 400 milhões de reais do total seriam financiados pelo BNDES e o restante de 420 milhões de reais em isenções fiscais concedidos pela cidade.[50] Uma lei de 2007 declarou que esses créditos tributários podem ser usados por qualquer empresa que se estabelecer na região leste da cidade, oferecendo um crédito de sessenta centavos por cada real investido.[51] A nova lei foi aprovada pelo câmara municipal da cidade para lidar especificamente com este estádio e reduzir os incentivos, vinculando a concessão dos créditos para sediar o jogo de abertura da Copa do Mundo e limitando a quantidade total de créditos de 420 milhões de reais.[52]

O contrato de financiamento com o BNDES foi assinado em 29 de novembro de 2013, sob seu programa ProCopas, para as arenas da Copa do Mundo de 2014. A Caixa Econômica Federal é o agente de distribuição dos recursos.[53] O custo estimado de construção não incluía as despesas de instalação das estruturas móveis exclusivas para a Copa do Mundo, que elevariam a capacidade bruta do estádio oficialmente para 67 349 lugares, com assentos disponíveis de 59 955.[54] Em realidade, até poucos meses antes do início da Copa, houve divergências entre dirigentes corintianos e da Fifa sobre quem arcaria com essas despesas.[55][56]

Construção[editar | editar código-fonte]

A Arena Corinthians durante a sua construção em dezembro de 2012

Após a assinatura do contrato com a construtora Norberto Odebrecht, as obras do novo estádio corintiano começaram oficialmente em 30 de maio de 2011 com a terraplanagem.[57][58] Com 100 dias de trabalhos completados em 6 de setembro, a promessa era de que as obras da arena fossem concluídas em dezembro de 2013.[59] Em dezembro, a arena recebeu as primeiras vigas de sustentação das arquibancadas.[60]

Nesse mesmo período, teve início a realocação de dutos da Petrobras que transportavam nafta e óleo combustível entre Santo André e Guarulhos, que foi um primeiro obstáculo na obra.[61] Sua transposição foi finalizada em abril de 2012. Naquele mesmo mês, com 30% das obras concluídas, foram iniciados os trabalhos de assentamento de degraus da arquibancada superior leste.[62] No início de outubro, as obras ultrapassaram a marca de 50% de conclusão.[63]

Avanço das obras da arena em meados de 2012

Em abril de 2013, com mais de 70% das obras concluídas, o telão gigante passou pelo primeiro teste noturno e foi aprovado.[64][65] No final de junho, a grama do estádio foi plantada[66] e, dias depois, começou a nascer.[67] Em julho, com mais de 82% das obras concluidas, os vidros da fachada do prédio oeste começam a ser instalados.[68][69]

Em setembro, a obra atingiu 87% de conclusão, com o início da instalação das primeiras cadeiras na arquibancada inferior leste, a elevação das primeiras estruturas da cobertura e conclusão da demarcação oficial do campo.[70] Em outubro, a arena chegou aos 90% de conclusão, com prédio leste pronto.[71][nota 2] Ao final de novembro, as obras estavam 95% concluídas quando um guindaste cedeu e acertou parte da arquibancada do estádio.[73]

Após uma visita do secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, foi anunciado que o estádio alcançou 97% das obras concluídas ao fim de janeiro de 2014.[74] Em 15 de abril, o estádio foi entregue simbolicamente ao Corinthians, embora com 98% das obras concluídas.[75]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, a Odebrecht previa entregar a Arena Corinthians no dia 31 de dezembro de 2013.[76] Contudo, o cronograma de entrega sofreu atrasos por conta de acidentes na obra e a construtora entregou oficialmente o estádio em 15 de abril de 2014.[77]

No dia 1 de maio, Dia Internacional do Trabalhador, ocorreu uma partida entre operários que trabalharam na construção da arena, com entradas limitadas e distribuídas pela Odebrecht somente a funcionários e aos seus familiares.[78] A confraternização não foi um evento-teste e sequer foram utilizadas as catracas e as lanchonetes.[79] O único evento antes da inauguração oficial foi uma festa em celebração ao 103° aniversário do Corinthians em 28 de setembro de 2013, com um show de Ivete Sangalo diante de 3 mil espectadores no prédio leste.[80]

Rivellino (entre Vampeta e Alessandro) marca o primeiro gol no jogo inaugural da arena

Em decorrência dos atrasos na conclusão da obra, a Arena Corinthians não pôde ser testada em sua plenitude até a abertura da Copa do Mundo.[81] A partida inaugural ocorreu no dia 10 de maio, com a realização de uma partida entre "Corinthians x Corinthians", como era desejo do ex-presidente do Corinthians e responsável pelo estádio, Andrés Sanches.[82] Este evento reuniu antigos atletas do clube, como Basílio, Wladimir, Vampeta e Marcelinho Carioca, entre outros.[83] O primeiro gol foi marcado por Roberto Rivellino.[84] Embora não tenha sido um jogo oficial, o evento foi aberto ao grande público com venda de ingressos e contou com a presença de cerca de 17 mil torcedores.[84] Apenas três setores foram liberados ao público (leste inferior, leste superior e oeste inferior).[85]

Primeiro teste considerado pela FIFA, a primeira partida oficial na Arena Corinthians ocorreu no dia 18 de maio entre Corinthians e Figueirense, válida pelo Campeonato Brasileiro, e que teve seu primeiro gol anotado por Giovanni Augusto, meio-campista da equipe catarinense.[86] Nesse primeiro evento-teste com padrão Fifa, mais setores do estádio foram liberados, mas as arquibancadas provisórias não foram liberadas ao público porque não haviam sido finalizadas em tempo.[87] O jogo testou desde os serviços de transporte, acesso, alimentação e comunicações do estádio até o gramado, cobertura e sala de imprensa do mesmo.[88] A partida terminou 1 a 0 para o Figueirense.[89]

O secretário-geral Jérôme Valcke não ficou satisfeito com o primeiro teste oficial da Arena Corinthians, em especial com o nível de serviço e de segurança, e autorizou a realização de uma segunda prova.[90] O desejo da FIFA era de que o novo evento-teste pudesse ser utilizado com capacidade total de público no estádio, mas o Corpo de Bombeiros liberou apenas parcialmente o uso das arquibancadas móveis.[85][91] Na partida entre Corinthians e Botafogo, jogada no dia 1 de junho e válida pelo Campeonato Brasileiro, o comando dos testes ficou a cargo exclusivo da FIFA.[92][93] Apesar das melhorias em relação ao primeiro jogo-teste oficial, houve ainda problemas, principalmente de acesso à arena.[93][94]

Nome Oficial[editar | editar código-fonte]

Partida inaugural do mundial de 2014, entre Brasil e Croácia
Área leste da Arena Corinthians
Primeiro título conquistado pelo Corinthians, na final do Paulistão 2017, contra a Ponte Preta
Setor Norte destinado a área das torcidas organizadas do Corinthians

O novo estádio do Corinthians começou a ser construído sem um nome de batismo oficial, apenas com o nome provisório de Arena Corinthians ou Arena Itaquera.[95] Sem um nome definitivo, muitos meios de comunicação brasileiros passaram a se referir ao campo por apelidos como Fielzão[48][96][97] e, principalmente, Itaquerão.[95][98][99] A imprensa justifica que é uma tradição no país chamar os estádios brasileiros pelo nome do bairro - por exemplo, os estádios do Pacaembu, Morumbi, Maracanã, Canindé[98][99] - ou por aumentativo, cuja alcunha tem grande apelo popular com o acréscimo do"ão" no final - entre os quais, Engenhão, Mineirão[nota 3], Castelão, Mangueirão, Barradão e Vivaldão.[98][100]

Tendo a intenção de negociar os naming rights do novo estádio, a diretoria do Corinthians fez pedidos para que a imprensa não utilizasse os nomes Fielzão e o mais popular e comumente Itaquerão, alegando que esse uso atrapalharia as negociações com empresas ou grupos interessados em batizar a arena corintiana.[95][98][99][100] O clube chegou mesmo a pedir a troca de placas de sinalização instaladas por São Paulo com o nome Estádio Itaquera.[101] No entanto, diversos meios de comunicação têm chamado o estádio como Itaquerão, causando reclamações entre dirigentes e parcela de torcedores corintianos.[nota 4]

As negociações para cessão dos direitos de nome (em inglês: naming rights) do novo estádio do Corinthians tiveram em meados de 2011, com a pretensão de que se atingisse um valor entre 300 a 400 milhões de reais para a empresas interessadas em batizar a arena por 10 ou 15 anos. Dirigentes procuraram a Petrobras em outubro daquele ano, mas não houve interesse da companhia.[102] No mês seguinte, houve uma proposta de uma companhia aérea estrangeira no valor de 220 milhões de reais, que foi recusada por Andrés Sanches, responsável por assuntos relativos à Arena Corinthians.[103]

Em 2012, o banco BMG foi procurado, mas não demonstrou interesse.[104] Negociações com a cervejaria Itaipava também acabaram fracassando.[105] No final de 2013, Andrés Sanches iniciou negociações com grupos financeiros nos Emirados Árabes Unidos.[106][107][108] Em maio de 2014, Sanches voltou a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, para discutir com executivos da empresa Emirates a venda do direito de nomear a arena por 20 anos, por uma valor estimado em 400 milhões de reais.[109] No entanto, o clube não conseguiu fechar um patrocínio para seu estádio, que permanece com o nome de Arena Corinthians.[110][111]

Dívidas[editar | editar código-fonte]

Por contrato, o Corinthians é obrigado a destinar toda a receita do estádio, incluindo bilheteria, propriedades comerciais (como camarotes e lojas) e naming rights, inicialmente para pagar a dívida contraída com o BNDES.[112] A dívida inclui encargos da Caixa Econômica Federal com uma taxa de juros de 8,5% ao ano.[61] O pagamento ao Arena FII, fundo imobiliário administrado por Odebrecht e Caixa Econômica Federal e montado exclusivamente para o pagamento do estádio corintiano, é avaliado em 1,150 bilhão de reais. Como 420 milhões de reais são em incentivos fiscais, o clube deve arcar com a outra parte do montante, estimado entre 730 a 750 milhões de reais, em até 12 anos.[110]

Uma previsão inicial dos dirigentes é que o clube consiga saldar a dívida com sete anos de bilheteria.[61] De acordo com o jornal esportivo Lance!, a arrecadação do Corinthians em 2014 foi de 33 milhões de reais para o fundo, valor insuficiente para cobrir a primeira parcela de 100 milhões de reais a vencer em 15 de julho de 2015.[111] Parte dos atrasos no faturamento foi causado pela falta de exploração dos recursos visados à época da construção, como venda de camarotes, realização de eventos e utilização dos prédios da ala oeste.[113] O primeiro evento não-esportivo na arena ocorreu apenas em setembro de 2015, com o Sambô realizando show antes do jogo do Corinthians contra o Joinville.[114]

Eventos Esportivos Internacionais[editar | editar código-fonte]

Copa do Mundo FIFA de 2014[editar | editar código-fonte]

Jogo entre Bélgica e Coreia do Sul durante a Copa de 2014.
Ver artigo principal: Copa do Mundo FIFA de 2014

A Arena Corinthians recebeu seis jogos da Copa do Mundo FIFA de 2014, sendo quatro jogos da fase inicial, entre eles a partida de abertura entre Brasil e Croácia; um jogo das oitavas-de-final e outro das semifinais.[115] Durante a Copa, o estádio foi chamado de "Arena de São Paulo" pela FIFA.[5][10]

A abertura da competição ocorreu no dia 12 de junho, com a partida entre Brasil e Croácia. A cerimônia oficial teve aproximadamente 25 minutos de duração e contou com a participação de cerca de 600 bailarinos, além das apresentações de Claudia Leitte, Pitbull e Jennifer Lopez.[116][117] O maior público da Arena foi na partida semifinal entre Holanda e Argentina, no dia 9 de julho, que contou com 63 267 presentes e até hoje o recorde de espectadores no estádio.

Data[115] Horário (UTC−3) Equipe 1 Placar Equipe 2 Rodada Público
12 de junho de 2014 17:00 Brasil Brasil 3 – 1 Bandeira da Croácia Croácia Grupo A 62 103
19 de junho de 2014 16:00 Uruguai Flag of Uruguay.svg 2 – 1 Flag of England.svg Inglaterra Grupo D 62 575
23 de junho de 2014 13:00 Países Baixos Países Baixos 2 – 0 Flag of Chile.svg Chile Grupo B 62 996
26 de junho de 2014 17:00 Coreia do Sul Flag of South Korea.svg 0 – 1 Flag of Belgium (civil).svg Bélgica Grupo H 61 397
1 de julho de 2014 13:00 Argentina Flag of Argentina.svg 1 – 0 Flag of Switzerland.svg Suíça Oitavas-de-final 63 255
9 de julho de 2014 17:00 Países Baixos Países Baixos 0(2) – (4)0 Flag of Argentina.svg Argentina Semifinais 63 267
Panorama do estádio pouco antes do início da partida entre Uruguai e Inglaterra, durante a Copa do Mundo de 2014

Olimpíadas 2016[editar | editar código-fonte]

Em março de 2015, a Fifa comunicou que a Arena Corinthians seria um dos sete estádios utilizados para o Torneio de Futebol dos Jogos Olímpicos de 2016, que ocorreram entre 3 a 20 de agosto de 2016.[118]

Futebol nos Jogos Olímpicos de Verão de 2016[editar | editar código-fonte]

Torneio Feminino
Público Competição Partida Rodada Data
20 521[119] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Canada.svg Canadá 2–0 Austrália Austrália Primeira fase 3 de agosto de 2016
20 521[120] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Zimbabwe.svg Zimbabwe 1–6 Alemanha Flag of Germany.svg Primeira fase 3 de agosto de 2016
30 295[121] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Canada.svg Canadá 3–1 Zimbabwe Flag of Zimbabwe.svg Primeira fase 6 de agosto de 2016
37 475[122] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Germany.svg Alemanha 2–2 Austrália Austrália Primeira fase 6 de agosto de 2016
38 688[123] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Canada.svg Canadá 1–0 França Flag of France.svg Quartas-de-final 12 de agosto de 2016
39 718[124] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Brazil.svg Brasil 1–2 Canadá Flag of Canada.svg Disputa pelo bronze 19 de agosto de 2016
Torneio Masculino
Público Competição Partida Rodada Data
36 702[125] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Colombia.svg Colômbia 2–0 Nigéria Flag of Nigeria.svg Primeira fase 10 de agosto de 2016
37 742[126] Jogos Olímpicos Rio 2016 África do Sul África do Sul 1–1 Iraque Flag of Iraq.svg Primeira fase 10 de agosto de 2016
41 560[127] Jogos Olímpicos Rio 2016 Brasil Brasil 2–0 Colômbia Flag of Colombia.svg Quartas-de-final 13 de agosto de 2016
35 562[128] Jogos Olímpicos Rio 2016 Flag of Nigeria.svg Nigéria 0–2 Alemanha Bandeira da Alemanha Semifinais 17 de agosto de 2016

Monster Jam[editar | editar código-fonte]

A Arena Corinthians recebeu dentro do estádio, mais precisamente onde é o gramado, o Monster Jam, maior evento de caminhões monstros do mundo, foi realizado pela primeira vez no Brasil, tendo a organização afirmado que todos os ingressos foram vendidos, contabilizando mais de 30 mil espectadores.[129]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Jogos Oficiais Copa Libertadores Copa Sul-Americana Camp. Brasileiro Copa do Brasil Camp. Paulista Amistoso Número de Pagantes Média de Pagantes Renda Total (R$) Renda Média (R$) Ticket Médio (R$/pag.)
121 9 3 70 8 29 2 3.934.339 32.515 230.579.657 1.905.617 58,60

Estrutura e Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Projeto da Arena Corinthians
Modelo em 3D do estádio

Aníbal Coutinho projetou o estádio para ser "um estádio que iria ajudar os torcedores, que poderia ajudar a equipe a vencer as partidas, eu queria fazer os torcedores chegarem em campo."[96] Aníbal liderou uma equipe de 25 arquitetos.[130]

O complexo está em uma propriedade de 197 095 14 metros quadrados.[131] A área construída é de 189 mil metros quadrados,[2] com 17 500 metros cúbicos de concreto.[132] Cerca de 80% da construção estrutural foi feita de elementos pré-moldados, 40% fabricados em plantas de 7 500 metros quadrados no local.[133][134] O número máximo de trabalhadores no local foi de 2 300 pessoas, registrado em novembro de 2012.[133]

A estrutura retangular de 267 por 228 metros e 43 metros de altura estádio tem dois edifícios: o principal, no lado oeste, e outro no lado leste.[135] Quando as medições são tomadas a partir do campo, o altura lado leste é de 51 metros, do lado oeste vai até 57 metros e as extremidades norte e sul têm 15 metros de altura. O campo fica a exatamente a 777 metros, como explicado por Aníbal Coutinho: "O número 77 é considerado de sorte para o clube. O clube está localizado no número 777 da Rua São Jorge, o que traz à mente 1977, quando eles ganharam um de seus campeonatos mais famosos de todos os tempos." (o Campeonato Paulista de Futebol de 1977).[136]

O estádio conta com uma fundação com 3 100 estacas, 594 pilares, 3 274 vigas, além de 11 682 lajes, um total 1 937 degraus e uma cobertura metálica com uma área de 32 200 metros quadrados.[137]

Edifícios Oeste e Leste[editar | editar código-fonte]

Edifício oeste "envidraçado" da Arena Corinthians
Telão de vídeo LED no lado leste da Arena Corinthians, considerado o maior do mundo[138]
Hall do edifício oeste da Arena Corinthians
Elevadores no edifício oeste da Arena Corinthians

O estádio possui quatro setores – Norte, Sul, Leste e Oeste, com duas grandes arquibancadas laterais. O lado oeste tem uma 6 200 metros quadrados de fachada.[2] Os lugares VIP, os equipamentos equipe de TV, a imprensa e a maioria dos camarotes situam-se no edifício oeste.[135] A única entrada com espelhos d'água de cada lado dá acesso ao edifício.[135] Os espelhos d'água também vão funcionar como uma fonte de rendimento, proporcionando espetáculos aquáticos em momentos programados durante eventos no estádio.[139]

O vidro foi projetado com uma curvatura com a intenção de simular o efeito visual de uma bola ao bater na rede. Vigas especiais de 26 metros foram desenvolvidas para suportar a estrutura.[140] A geometria que empresa de consultoria Evolute GmbH desenvolveu traz uma solução de painéis que racionalizou os 5 400 metros quadrados da dupla superfície de vidro curvo em 855 painéis cilíndricos, todos em vidro temperado curvado.[141] Esta solução foi deixada para minimizar o número de formas necessárias em 93%, o que reduziu consideravelmente os custos.[142] Os vidros fotovoltaicos alimentam o sistema de ar-condicionado.[143] A estrutura de vidro completa tem 6 900 metros quadrados, contando os lados; a largura da fachada é de 220 metros por 24 metros de altura.[144]

O edifício do lado leste uma das maiores telas de vídeo do mundo,[145] com 170 de largura por 20 metros de altura, ou 3 400 metros quadrados de área. A tela tem 210 000 LEDs individuais; 1 320 luminárias customizadas são equipadas em 4 metros de comprimento de vidro.[140][146] A tela é fabricada pela Osram Traxon e é controlada por um sistema e:cue lighting control.[146]

O vidro para ambas as fachadas foi fornecido pela empresa italiana Sunglass SRL,[147] usando vidros também da Asahi Glass Co.[148]

As paredes externas são cobertas por 3 metros quadrados de telhas de cerâmica brancas Levantina Techlam.[149][150] O símbolo de 12 metros do Corinthians fica na parede sul do lado leste, construído em inox e backlit.[135] Ambos os edifícios estão dotados de ar-condicionado em todas as áreas internas. No projeto original, prevê-se a existência de três bares e restaurantes e um quarto, que seria um bar de esportes durante o dia e uma discoteca à noite.[2][151] O público circula por 10 escadas rolantes, 15 elevadores,[2] duas rampas e 13 escadas.[136] Há um auditório para 360 pessoas/[130] um centro de convenções de 25 000 metros quadrados convenção sob o edifício oeste[96] e ainda espaço para 59 lojas.[2] Prevê-se a criação de um museu dedicado ao Corinthians no edifício leste.[152]

O design de interiores é assinado pela Gensler.[153] Há seis vestiários. Os vestiários da equipe da casa ocupam 1 300 metros quadrados, com jacuzzis, crioterapia e uma área privada para o treinador. A área de aquecimento tem arquibancada para 86 portadores de bilhetes VIP, separados por um vidro à prova de som.[130][154] Todas as áreas públicas têm ar-condicionado e são revestidas em mármore, granito ou cerâmica de primeira linha.[154]

O acesso ao setor Oeste Superior, assim como do Oeste Inferior, se dá pelo Átrio – espaço de ativações e atrações especiais da Arena, onde encontra-se, também, o Museu do Povo e o escudo gigante de aço do Corinthians.[155]

Setores Norte e Sul[editar | editar código-fonte]

O setor norte, é destinado a torcedores de organizadas(uniformizadas) cadastrados na (FPF) - Federação Paulista de Futebol, foram retiradas as cadeiras neste setor, usando como caso análogo o estádio Signal Iduna Park, do Borussia Dortmund, da Alemanha, conhecido mundialmente por ter altas médias de público, a torcida do clube alemão que assiste aos jogos em pé é chamada de "Muralha Amarela" pela alta quantidade de pessoas e o efeito visual gerado impactante.[156] Atualmente, é utilizado apenas o portão O para a entrada e ao término do jogo é liberado também os portões P e Q para a saída. Já o setor sul é utilizado apenas o portão E para a entrada e ao término do jogo é liberado também o portão F para a saída, anexo a este setor, esta o espaço destinado a torcedores visitantes, que é modular e separado através de estruturas removíveis de vidro.[157]

Capacidade[editar | editar código-fonte]

Cadeiras temporárias da Arena Corinthians

Ao todo, a arena possui capacidade para 48 234 lugares. Durante a Copa do Mundo de 2014, excepcionalmente foram instalados outros 19 900 assentos temporários em arquibancadas móveis colocadas acima dos setores norte e sul, que começaram a ser desmontadas dias após a última partida realizada na Arena durante aquele Mundial.[19][158] No final de outubro de 2014, o processo de retirada foi concretizado.[20]

O anel inferior de arquibancadas atravessa toda a Arena. Ele abriga 10 500 assentos em cada lado, além de mais de 6 000 assentos atrás dos gols, um total de 33 000 lugares.[159] A distância entre a primeira fila de assentos e o campo é de 9 metros em todos os lados.[135]

Com a retirada das cadeiras, houve um acréscimo aproximado de 1 800 e 800 lugares respectivamente nos setores norte e sul.[160] Atendendo a um pedido das torcidas organizadas, as cadeiras do setor norte inferior, que é reservado a elas, foram retiradas para que se possa assistir aos jogos em pé.[158]

Tribunas e Camarotes da Arena Corinthians

As cadeiras do estádio corintiano foram produzidas pelo mesmo fabricante que fez as do estádio Wembley, em Londres.[161] Utilizando um design exclusivo com base no modelo Integra,[162] o material encomendado foi aprovado para evitar atos de vandalismo.[161] Há quatro acabamentos diferentes, que vão desde cadeiras retas sem braços até cadeiras estofadas em couro. A maioria dos bancos são brancos. Os assentos do nível de negócios estão acabados em couro preto e feito pela Poltrona Frau.[161] Os 600 assentos têm o símbolo do clube gravado a laser.[163]

O estádio possui uma segunda camada coberta com 6 000 lugares e 10 000 assentos VIP.[164] 89 áreas de luxo (camarotes) com capacidade para acomodar 1 414 espectadores.[165] Distribuída nos pisos 5 e 6, 87% têm 12 assentos, 10% entre 21 e 33 lugares e 4 unidades mais de 70 assentos.[166] As maiores unidades têm mais de 470 metros quadrados.[167]

Bares e Restaurantes[editar | editar código-fonte]

Praça de Alimentação - Setor Oeste Superior/Norte

A Diverti Arena administraria os bares e restaurantes da Arena Corinthians, por um período de 10 anos, através de contrato que girava em torno de 40 milhões de reais e previa a cobertura de quatro restaurantes, 13 bares localizados na área vip e mais 62 bares em outros setores do estádio.[168] Após o rompimento com a antiga parceira, a Arena Corinthians fechou acordo com a AR Fast Food, que detém a concessão da área de alimentação fast-food do estádio a partir de 2015. Entre os restaurantes âncoras, destaca-se o Bob´s e a Patroni Pizza, este último investirá aproximadamente 1 milhão de reais, em seis unidades do modelo expresso dentro das dependências do complexo.[169][170]

Cobertura[editar | editar código-fonte]

O lado de baixo do telhado é revestido por uma membrana

Werner Sobek projetou o telhado,[132] mantido no lugar por quarenta e oito treliças de 75 metros de comprimento.[171] Os lados oeste e leste são unidis por duas estruturas idênticas com um vão livre de 170 metros.[172] O comprimento total do telhado leste-oeste é de 245,75 metros.[173] Aníbal Coutinho teve intenção de trazer um toque paulistano para a construção, com estruturas que lembravam o Museu de Arte de São Paulo (MASP), um símbolo da cidade.[167]

A altura do teto e o peso das treliças necessário para a utilização do maior guindaste sobre esteiras do Grupo Liebherr disponível na América Latina.[174] Apenas as vigas de aço são responsáveis por 4 000 toneladas.[175]

O telhado tem quatro camadas. Em primeiro lugar, uma camada de aço de chapas onduladas. Acima dela, um isolamento térmico e acústico fornecido por folhas de poliisocianurato e uma camada de placas de gesso instalada por cima.[176] Por fim, todo o telhado é coberto com 40 000 metros quadrados[177] de Ultraply TPO da Firestone Tire and Rubber Company.[178] Na parte de baixo, uma membrana flexível cobre a estrutura.[179] Esta última camada ajuda a coletar água da chuva para reutilização em outras áreas do estádio.[176]

A estrutura foi redesenhada para duplicar os atuais controladores do nível de ruído criado durante os jogos. Medições realizadas no Estádio do Pacaembu mostram que os níveis de ruído atingem um pico de 113dB quando gols são feitos.[180] 4 500 metros quadrados fotovoltaica de vidro foi instalada na extremidade mais próxima da cobertura do lado oeste e leste,[181] com geração de 1,0 MWp.[182] Toda a estrutura mede 32 300 metros quadrados[183] e pesa 6 500 toneladas.[173]

Placares[editar | editar código-fonte]

Telão Sul, usado também como placar

A Osram vai instalar quatro placares no estádio nas extremidades norte e sul e acima das arquibancadas.[184] Eles serão definidos em pares, um de frente para o campo e um de frente para a parte de fora. Cada tela tem 225 metros quadrados, medindo 30 por 7,5 metros.[140] A tela virada para dentro terá uma densidade de pontos de 7mm e a tela virada para fora vai ter um campo de 20 milímetros.[185]

As telas usadas para a Copa do Mundo foram alugadas especialmente para o evento,[186] sendo que as telas originais são muito grandes para serem usado com os assentos temporários instalados.[187] A FIFA exige telas menores do que o originalmente previsto, com 90 metros quadrados de área.[188] 3 500 TVs de tela plana estão instaladas em todo o estádio, individualmente ou em paredes de vídeo,[189] em 3 100 estações.[184]

Arena Corinthians possui o melhor sistema de iluminação do mundo[190]

Iluminação[editar | editar código-fonte]

A iluminação utiliza um sistema de 352 lâmpadas Osram Siteco 2000 Watt,[146] garantindo mais de 90% de fidelidade de cores.[191] A iluminação de 5 000 luzes é completamente uniforme e 50% superior ao recomendado pela FIFA.[181] A Osram fornece iluminação para todo o complexo.[146]

Campo[editar | editar código-fonte]

Campo da Arena Corinthians, visto do lado oeste

O campo tem as dimensões recomendadas pela FIFA,[192] de 105 por 68 metros.[97] Ele será preparado pela World Sports, em parceria com a Desso.[193]

O campo é feito pela azevém, que é cultivada diretamente no local. A ideia original era usar grama preta, para evitar as cores de seus maior rival, mas foi provado que isso era tecnicamente impossível; a opção escolhida foi a utilização de grama com uma tonalidade mais escura.[194] Para melhorar a fixação, a grama será interligado com 22 milhões de fibras artificiais.[195] Luzes ultravioletas são utilizadas todas as noites para garantir que todas as partes do campo recebam iluminação uniforme;[151] o campo é exposto a apenas duas horas de luz solar direta por dia.[196]

A World Sports usa uma mistura de três cultivares [131] a partir de Oregon, nos Estados Unidos.[197][198] Esta grama tem resistência ao frio, é tolerante ao uso e é resistente à doenças, além de ter uma taxa de crescimento rápido. A tonalidade é de 8,7 numa escala de 1 a 9, em que 9 é verde escuro.[199]

A escolha do uso de azevém, ao invés da mais comum e geralmente recomendada grama-bermuda, trouxe vantagens como ter raízes longitudinais (evitando presilhas para prendê-las com elas) e não ter uma tonalidade amarelada facilmente. mas também trouxe desafios, visto que o azevém é nativo de climas mais frios, requerendo 23°C para um crescimento ótimo. Uma vez que a temperatura de São Paulo raramente cai abaixo de 14 °C, um sistema de aquecimento não vai ser usado.[200] Um sistema traz a temperatura da base para 6 °C,[198] empurrando água fria através dos 40 000 metros de tubos de drenagem.[201] A grama é cortada para manter a altura entre 2,2 centímetros e 2,5 centímetros.[196]

A drenagem tem dois modos de operação, gravitacional e a vácuo.[200] O sistema de drenagem a vácuo pode lidar com até 400 mil litros por hora, melhorando os níveis de oxigênio no sistema de enraizamento e o arrefecimento do campo, mesmo durante os jogos.[202] Isto é equivalente a 56 milímetros de chuva drenada em uma hora.[203] A irrigação por aspersão tem controles individuais,[204] controlada por um sistema informatizado. O sistema é composto por 48 aspersores, duas vezes o mínimo recomendado pela FIFA.[200]

Tecnologia da Informação e Comunicação[editar | editar código-fonte]

O estádio contará com rede wi-fi e 4G LTE em todos os seus setores.[205] Utilizando smartphones, o público pode acessar estatísticas de jogo e assistir replays publicados em uma página mantida pela equipe do estádio.[206]

Uma equipe especializada controla centralmente todas as telas e painéis de avaliação. Os torcedores são monitorados por um sistema de computador conectado com centenas de câmeras de segurança. Todos os serviços são contratados com a Sonda IT.[206]

Certificado LEED[editar | editar código-fonte]

A Arena Corinthians recebeu, o certificado de sustentabilidade de maior reconhecimento internacional e o mais utilizado em todo o mundo. Trata-se do Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) - sistema de certificação e orientação ambiental de edificações, criado pelo pelo órgão americano U.S. Green Building Council. Vale ressaltar, que a Certificação internacional LEED garante ao empreendimento diversos benefícios, dentre eles a diminuição de custos operacionais, valorização do imóvel, modernização da edificação, melhora na segurança e priorização da saúde dos trabalhadores e ocupantes e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.[207]

Área de Eventos[editar | editar código-fonte]

Auditório
Área de eventos corporativos no edifício oeste

A Arena Corinthians possui uma plataforma singular de eventos, considerando estádios de futebol na América do Sul. A mesma dispõe de estrutura para comportar feiras externas e internas de pequeno e grande porte. Possui auditório para palestras e sala de convenção, zona mista, átrio, business lounge, área vip, que atende diversos tipos de eventos, como: aniversários, casamentos, festas corporativas, festas infantis, book fotográfico, etc.[208]

Prometo ser Fiel - Tour Casa do Povo

Teve início no mês de maio de 2017, dois projetos relevantes para a Arena Corinthians, torcedores e visitantes em geral. Agora, será possível casar no estádio, através do Prometo ser Fiel, assim como, já esta liberado o Tour Casa do Povo, objetivando receber qualquer pessoa do mundo, seja torcedor do clube ou não, que queira viver uma experiência fantástica, conhecendo o palco de abertura da Copa do Mundo - FIFA 2014 e a arena mais moderna da América do Sul.[209]

Entorno[editar | editar código-fonte]

Obras viárias no entorno da arena.

O estádio foi construído em um terreno de 197 095 14 metros quadrados na Zona Leste, ao lado da Estação Corinthians-Itaquera do Metrô e da CPTM, onde situava-se, desde a década de 1980, o centro de treinamento para as categorias de base do Corinthians.[131]

Na área no entorno da arena, foi estabelecido pelo governo o "Polo Institucional de Itaquera",[210] onde foram implantadas unidades da Escola Técnica Estadual (ETEC) e da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (FATEC).[211]

Após o torneio mundial de futebol, previa-se a criação ainda de um fórum; uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI); um quartel da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros; um centro de convenções; um parque ecológico e uma nova rodoviária[212] O terminal urbano de ônibus da região também foi ampliado em 40%.[211]

A área externa um dia antes da abertura da Copa do Mundo.

Entre as obras viárias construídas para a região consistem na abertura de uma nova avenida de ligação norte-sul, no trecho entre as avenidas Itaquera e José Pinheiro Borges (Radial Leste), incluindo as transposições em desnível sobre as linhas do Metrô e da CPTM; uma nova avenida, articulando a ligação norte-sul com a avenida Miguel Inácio Curi, junto à adutora da SABESP existente; adequação viária no cruzamento da avenida Miguel Inácio Curi com a avenida Engenheiro Adervan machado; além de novas alças de ligação no cruzamento do Complexo Viário Jacu Pêssego com a Radial Leste.[212]

O valor total investido no empreendimento foi de 548,5 milhões de reais, sendo 397,9 milhões do governo do estado e 150,6 milhões de reais da prefeitura para desapropriações e compensações ambientais.[213] A estimativa é de que a abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014 traga cerca de 30 bilhões de reais ao longo de 10 anos para o município de São Paulo.[44][45]

Acesso e transportes[editar | editar código-fonte]

Muro grafitado no estacionamento da arena

O estádio está localizado a 19 quilômetros a leste do centro da cidade e a 21 km de distância do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos. A estação de metrô mais próxima é a Corinthians-Itaquera, a 500 metros do estádio. Ela se conecta a uma estação de trem com o mesmo nome. A estação de metrô Artur Alvim está a 800 metros de distância. Se todos os usuários embarcarem em trens para deixar o estádio, ele estaria vazio em 30 minutos.[214] Durante os jogos do Mundial de 2014, um trem expresso ligou a Luz e a Estação Corinthians-Itaquera da CPTM, fazendo a viagem em 17 minutos.[215]

O local tem 2 800 vagas de estacionamento, sendo 900 cobertas e 1 900 vagas de estacionamento ao ar livre,[216] com mais 2 214 espaços fornecidos por um shopping center próximo.[217] Há 61 linhas de ônibus que param perto da Arena Corinthians.[218]

O muro externo da Arena Corinthians, localizado no estacionamento do portão E5 - setor oeste, foi grafitado, objetivando eternizar algumas lembranças do clube. A arte é composta por oito escudos do Corinthians, seguindo suas mudanças em uma ordem cronológica, além dos escudos que fazem parte da história do Timão, o muro também presta uma homenagem ao Pacaembu, a Invasão de 1976, aos fundadores do clube e ao Parque São Jorge.[219]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

A Arena Corinthians na série Os Simpsons

A EA Sports adicionou todos os 12 estádios utilizados na Copa do Mundo FIFA de 2014, incluindo a Arena Corinthians, para o jogo eletrônico 2014 FIFA World Cup Brazil.

A Arena Corinthians foi destaque do episódio "You Don't Have to Live Like a Referee", o décimo sexto episódio da vigésima quinta temporada da série animada estadunidense Os Simpsons. Homer Simpson atua como árbitro da Copa do Mundo FIFA de 2014 em um jogo disputado na Arena Corinthians.[220]

O segundo episódio da série Building the World Cup do Discovery Channel é dedicado a Arena Corinthians.[221][222]

O estádio também está presente no jogo eletrônico Pro Evolution Soccer, nas versões 2016 e 2017.[223][224]

O site transfer markt classifica o estádio como sendo 3 estrelas 3 de 5 estrelas. (UEFA). É utilizada a metodologia do Regulamento de infraestrutura dos estádios da UEFA que tem como um dos critérios de excelência ter todos os setores do estádio com assentos.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Sede da Copa do Mundo[editar | editar código-fonte]

Arena Corinthians vista da Estação Itaquera do Metrô.
Arena Corinthians vista de dentro do Metrô.

A construção da Arena Corinthians reuniu críticas sobre as circunstâncias em que foi escolhido como o estádio da Copa do Mundo para São Paulo, e os recursos utilizados para a sua construção. A exclusão do Estádio do Morumbi como o estádio para a Copa do Mundo e a subsequente escolha de Arena Corinthians como o local para o evento, foi alvo de críticas e de influências políticas conforme opinião de alguns jornalistas, como Wagner Vilaron, do jornal O Estado de S. Paulo.[225]

Depois de receber várias respostas negativas da FIFA sobre o projeto de reforma do Morumbi, o então presidente da CBF Ricardo Teixeira se cansou com as ofertas oficiais do São Paulo Futebol Clube e considerou que eles estavam atrasando a decisão propositadamente por não cumprir os requisitos, a fim de forçar o governo a despejar dinheiro na construção. A oposição de São Paulo para Teixeira nas eleições para o extinto Clube dos 13 (vencidas por Fábio Koff, aliado do São Paulo de Juvenal Juvêncio) irritou o presidente da CBF. Ao mesmo tempo, surge certa afinidade de Teixeira e o então presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, escolhido unilateralmente por Teixeira como o chefe da delegação da seleção durante a Copa do Mundo de 2010 e do mesmo lado de Teixeira na eleição do Clube dos 13.[225][226]

Custo e isenção tributária[editar | editar código-fonte]

Outras controvérsias enfrentadas pela construção é a alegada utilização de recursos públicos para a construção do estádio e os valores declarados como o total necessário para construí-lo. O custo final do novo estádio corintiano atingiu 1,2 bilhão de reais.[61] Inicialmente, Andrés Sanchez havia estimado a arena custaria 350 milhões de reais.[227] As justificativas para a elevação do preço foram as modificações no projeto original para atender aos requisitos da FIFA. Outro item que encareceu o projeto foram os juros de 110 milhões de reais em empréstimos bancários e da empreiteira Odebrecht.[61] Além disso, a isenção tributária de 420 milhões de reais do estádio por parte da prefeitura do município de São Paulo também foi alvo de controvérsia.[228][229] Apesar das críticas, a concessão fiscal foi justificada pelo fato de que espera-se que o estádio gere 950 milhões de reais em impostos para a cidade durante os seis anos seguintes a sua inauguração, 530 milhões a mais que as isenções fiscais dadas ao empreendimento.[44]

Andrew Downie (The Financial Times) ficou surpreso com o custo para construir um estádio novo, que era mais barato do que renovar o Morumbi, o modelo não foi revisado pela CBF e que o estádio não estaria pronto dentro do prazo.[230][231] Procurador público, Marcelo Milani contestou a validade das isenções fiscais emitidas pela cidade e processou o então prefeito Gilberto Kassab em torno de 1,74 bilhão de reais, que foi indeferido e julgado extinto.[232]

Acidentes e irregularidades durante a construção[editar | editar código-fonte]

Início das obras do estádio em 2011

De acordo com o Corpo de Bombeiros da cidade, pelo menos 50 questões com as operações e projeto foram apontados, especialmente sobre os planos de emergência e rotas de fuga, o que poderia pôr em perigo os visitantes quando o estádio estaria em operação.[233] Também foi apontado que o projeto em execução agora não é o mesmo aprovado pelo conselho da cidade por volta em 2011. Alterações foram feitas para o projeto final e apresentado em 25 de julho, 2013[234] e aprovado em 13 de fevereiro de 2014.[235] Em 1 de abril de 2014, o corpo de bombeiros disse que a Arena continha 26 irregularidades.[236] Em 17 de abril de 2014[237] o projeto final de "segurança" da Arena Corinthians foi integralmente aprovado pelo Corpo de Bombeiros, estando o "Habite-se" prestes a ser expedido pela Prefeitura Municipal, liberando todo o complexo da Arena Corinthians para plena utilização.

Controvérsias também surgiram após o acidente em 27 de novembro em torno da segurança da construção, numa fase em que ainda não existe uma explicação técnica para o acidente,[238] alguns fatos vieram à tona após o acidente que vitimou dois trabalhadores. A União do Trabalho na Indústria da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP) revelou que havia um alerta sobre problemas em horários de base do guindaste antes do acidente,[239] e que, não obstante, a continuidade da operação.[240] Odebrecht e Corinthians refutaram a afirmação, dizendo que tal aviso foi passado para os trabalhadores,[241] e em resposta, emitiu outra declaração apontando para o fato de que essa categoria específica não representava os trabalhadores para a construção do estádio.[242] No rescaldo do evento, todas as operações de guindastes foram suspensas preventivamente até novo aviso pelo Ministério do Trabalho,[243] que inspecionou e aprovou somente 16 dias mais tarde as atividades no local.[244] De acordo com Frederico Barbosa, gerente operacional da construtora, a estrutura da obra não foi comprometida. Houve danos em uma parte do prédio, mas nada que comprometa a estrutura da obra, afirmou Barbosa, em entrevista coletiva.[245] Segundo o Ministério do Trabalho, o operador do guindaste estava há 18 dias sem folga. No entanto, o ministério disse que não poderia apontar esse fato como a causa do acidente.[246] Prevista para o início de fevereiro de 2014, a entrega do estádio foi adiada para abril do mesmo ano.[247]

Em 29 de março de 2014, um operário que trabalhava na instalação das arquibancadas provisórias do estádio despencou de uma altura de oito metros e acabou morrendo. As obras foram novamente interditadas.[248]

Problemas de estrutura[editar | editar código-fonte]

Uma série de problemas foram enfrentados pelo Estádio do Corinthians, como buracos em pisos, um grande vazamento de água e até mesmo possíveis abalos em arquibancadas. O cenário descrito era de risco de acidentes e suspeita de falhas de montagem e uso de materiais de baixa qualidade durante a obra. E-mails trocados por Anibal Coutinho, arquiteto responsável pelo projeto, com Roberto de Andrade, Andrés Sanchez e profissionais ligados ao estádio alvinegro, detalharam tais aspectos. Uma auditoria externa contratada pelo Corinthians apontou diversos problemas na construção e omissão de acabamentos e trechos de obras do estádio. Como resultado ocorrem infiltrações em partes de paredes e tetos.[249][250] Um pedaço do teto do saguão principal da Arena Corinthians desabou.[251]

Descobriu-se também um grande vazamento de água na área do estacionamento do estádio.[252] Mas conforme avaliação e afirmação do Ministério Público de São Paulo, por meio de nota, a Arena Corinthians e o estacionamento do estádio não oferecem riscos aos usuários.[253]

Vista panorâmica através do setor leste superior da Arena Corinthians
Vista panorâmica através do setor sul da Arena Corinthians

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Durante a Copa de 2014, a arena teve capacidade para 63 601 lugares devido a construção de arquibancadas provisórias
  2. Segundo um empresário de uma empresa contratada pela Odebrecht, restos de pedras e britas reciclados da Arena Allianz Parque foram utilizados na construção da Arena Corinthians.[72]
  3. O costume de chamar os estádios brasileiros pelo aumentativo é atribuído aos tempos da Ditadura Militar, tendo começado a partir da inauguração do Mineirão, em Belo Horizonte.[98][100]
  4. O dirigente corintiano Luis Paulo Rosenberg protestou contra a Folha de S.Paulo pelo uso do nome "Itaquerão": "Acho imperdoável chamar de Itaquerão. O clube já escreveu à Folha pedindo para parar com isso, e nada mudou."[98] Alguns torcedores do clube também mandaram mensagens com reclamações.[95]

Referências

  1. «Classificação de estádios de futebol (Sisbrace)». Ministério dos Esportes. 25 de fevereiro de 2017 
  2. a b c d e f «O Projeto». 20 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  3. http://cdn.cbf.com.br/content/201601/20160121152439_0.pdf
  4. «Laudo de Prevenção e Combate de Incêndio - Arena Corinthians» (PDF). Federeção Paulista de Futebol. Consultado em 11 de julho de 2015 
  5. a b «Arena de São Paulo - São Paulo». FIFA.com. Consultado em 19 de junho de 2014 
  6. Corinthians.com.br. «ARENA CORINTHIANS - DETALHAMENTO DO VALOR DA OBRA» (PDF). Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  7. «Match Report: Netherlands - Argentina» (em inglês). FIFA.com. 9 de julho de 2014. Consultado em 9 de julho de 2014 
  8. Suzana Singer (23 de outubro de 2011). «Ombudsman: Fúria corintiana». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  9. Vera Guimarães Martins (18 de maio de 2014). «Ombudsman: A revolta do batismo». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  10. a b Beatriz Souza (23 de maio de 2014). Revista Exame, ed. «Para maioria, estádio é Itaquerão e não Arena Corinthians» 
  11. «itaquerão» 
  12. «NÃO TEM MAIS JEITO, O POVO JÁ BATIZOU O ITAQUERÃO» 
  13. «Favela vizinha a estádio sela nome 'Itaquerão' e se vê incluída na Copa» 
  14. SporTV.com (28 de janeiro de 2016). «Entre 155 estádios, apenas 13 deles ganham avaliação máxima em sistema». SporTV. Consultado em 24 de março de 2016 
  15. Alexandre Massi (6 de julho de 2011). «Arena do Timão ganha prêmio de melhor projeto de arquitetura do país». GloboEsporte. Consultado em 24 de março de 2016 
  16. Eduardo Ohata; Martín Fernandez (5 de novembro de 2010). «Reunião decide hoje o Itaquerão». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  17. Andrea Licht (27 de novembro de 2012). «Ambev e Odebrecht ampliarão o Itaquerão para abertura da Copa». Valor Econômico. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  18. «Foram acionados os refletores dos setores leste e oeste, num total de 212 unidades, cada uma com 2 000 watts de potência». 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  19. a b «Arquibancadas provisórias da Arena Corinthians começam a ser retiradas». iG. 10 de julho de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  20. a b «Corinthians encerra retirada de arquibancadas provisórias na Arena». Globoesporte.com. 30 de outubro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  21. Veja (19 de julho de 2011). «Corinthians oficializa custo do Itaquerão: R$ 820 milhões». Veja. Consultado em 23 de abril de 2014 
  22. Marcelo Braga (21 de abril de 2014). «Arena Corinthians supera R$ 1 bilhão, e novo empréstimo deve ser tomado». G1. Consultado em 12 de julho de 2014 
  23. Por Meu Timão. «Arena Corinthians ultrapassa R$ 200 milhões de bilheteria em poucos mais de três anos». Consultado em 28 de julho de 2017 
  24. a b «Estádio e Libertadores: Timão pode 'acabar com piadas' em período próximo». Lance Net. 31 de maio de 2012. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  25. a b c d «Corinthians: cadê o nosso estádio?». Veja São Paulo. 30 de abril de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  26. «Mateus agora quer terreno da Cohab». Folha de S.Paulo. 5 de setembro de 1980. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  27. «Com Geisel, Coríntians mais perto do estádio». O Estado de S. Paulo. 11 de novembro de 1978. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  28. «LEI N.o 8851, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1978» (PDF). Câmara Municipal de São Paulo. 26 de dezembro de 1978. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  29. «LEI Nº 10622, DE 9 DE SETEMBRO DE 1988» (PDF). Câmara Municipal de São Paulo. 9 de setembro de 1988. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  30. «Corinthians deve anunciar local de estádio na 2ª». Diário do Grande ABC. 28 de maio de 2000. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  31. a b «HMTF rui; Itaquera é opção do Corinthians». Diário do Grande ABC. 15 de fevereiro de 2002. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  32. «Federação banca reconstrução do Parque São Jorge». UOL. 26 de julho de 2002. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  33. «Estádio: eleição do projeto oficial». Globoesporte. 20 de setembro de 2007. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  34. «Vereadores recomendam concessão do Pacaembu; Corinthians já tem projeto». UOL. 9 de setembro de 2009. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  35. «Empresas marcam reunião para apresentar projeto de estádio ao Conselho corintiano». UOL. 17 de maio de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  36. «Presidente do Corinthians anuncia construção do estádio». Estadão.com. 13 de agosto de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  37. «Presidente do Corinthians anuncia construção do estádio». Estadão.com. 1 de setembro de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  38. «Corinthians anuncia estádio para abertura da Copa». Portal Copa 2014. 27 de agosto de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  39. «Na véspera do centenário, Corinthians anuncia estádio oficialmente». UOL. 31 de agosto de 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  40. Alex Sabino (18 de maio de 2014). «Após 103 anos, Corinthians finalmente estreia em seu estádio próprio». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de maio de 2014 
  41. Alexandre Sinato e Ricardo Perrone (3 de junho de 2011). «Diretor corintiano diz que Lula ensinou clube a ter estádio para Copa e Odebrecht foi atraída por viadutos». UOL. Consultado em 19 de maio de 2014 
  42. «Andrés diz que obras do Itaquerão começam na 3ª, segundo colunista». UOL. 19 de maio de 2011. Consultado em 19 de maio de 2014 
  43. ESPN Brasil (25 de maio de 2014). «Corinthians desmente Andrés e diz que Lula não ajudou em novo estádio». ESPN. Consultado em 25 de maio de 2014 
  44. a b c «Estudo prevê ganho de R$ 31 bi com estádio até 2020». Janeiro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  45. a b «Estádio da abertura da Copa 2014 como dinamizador do desenvolvimento da Zona Leste e da Cidade de São Paulo» (PDF). Janeiro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  46. «São Paulo espera mais de R$ 1 bi com abertura da Copa na cidade». 20 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  47. «Copa do Mundo começa com jogo da seleção no Itaquerão; Rio abriga a final». 20 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  48. a b «Cortes no "Fielzão" barraram hidromassagem e placa de mármore». 19 de agosto de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  49. «Estádio do Corinthians fica 20% mais barato». 8 de junho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  50. «Corinthians oficializa custo do estádio: R$ 820 milhões». 19 de julho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  51. «LEI Nº 14.654, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2007» (PDF). 20 de dezembro de 2007. Consultado em 20 de junho de 2013 
  52. «LEI Nº 15.413, DE 20 DE JULHO DE 2011» (PDF). 20 de julho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  53. «Corinthians assina contrato para financiar a Arena Corinthians». 29 de novembro de 2013. Consultado em 29 de novembro de 2013 
  54. «2014 FIFA World Cup 2014 Brazil Media Information Kit» (PDF). p. 12. Consultado em 19 de julho de 2013 
  55. «Só uma coisa fez o Corinthians desistir da briga das estruturas da Fifa: R$ 420 milhões». 28 de março de 2014. Consultado em 31 de março de 2014 
  56. ESPN (4 de abril de 2014). «Juca: Fifa deve pagar estruturas provisórias da Arena Corinthians». ESPN.com.br. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  57. «Começam as obras no estádio do Corinthians em SP». G1. 30 de maio de 2011. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  58. «Estádio sai do papel e obras começam em Itaquera». Lance Net. 30 de maio de 2011. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  59. «Estádio sai do papel e obras começam em Itaquera». O Estado de S. Paulo. 6 de setembro de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  60. «Itaquerão recebe as primeiras vigas da arquibancada; veja fotos». Folha.com. 13 de dezembro de 2011. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  61. a b c d e Guilherme Costa (18 de maio de 2014). «Itaquerão tem 35 anos de problemas. E a inauguração não vai zerar a conta». UOL. Consultado em 19 de maio de 2014 
  62. «Começa o assentamento de degraus na arquibancada superior do prédio leste». Site oficial do Corinthians. 3 de abril de 2012. Consultado em 3 de abril de 2012 
  63. «Cobertura recebe primeiro módulo - Com 51,38% de avanço, obra inicia serviços de acabamento». odebrechtarenas.com.br. 3 de outubro de 2012. Consultado em 16 de outubro de 2012 
  64. «Arena Corinthians: telão gigante é aprovado em teste noturno». globoesporte.globo.com. 19 de abril de 2013. Consultado em 21 de abril de 2013 
  65. «G1.com.br». 5 de abril de 2013. Consultado em 5 de abril de 2013 
  66. «folha.uol.com.br». 26 de junho de 2013. Consultado em 26 de junho de 2013 
  67. «Gramado da Arena Corinthians começa a nascer». Site oficial do Corinthians. 3 de julho de 2013. Consultado em 3 de julho de 2013 
  68. «Arena Corinthians inicia montagem da cobertura metálica do setor sul». Site oficial do Corinthians. 16 de julho de 2013. Consultado em 19 de julho de 2013 
  69. «Primeiro vidro da fachada oeste da Arena Corinthians é instalado». Terra. 19 de julho de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  70. «Assentos da Arena Corinthians começam a ser instalados». UOL. 2 de setembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  71. «Com prédio leste pronto, Arena Corinthians está 90% concluída». Globoesporte. 4 de outubro de 2013. Consultado em 6 de outubro de 2013 
  72. «Arena Corinthians construída com restos do Palestra Itália». O Estado de S. Paulo. 28 de setembro de 2013. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  73. «Prefeitura de SP interdita 5% do Itaquerão». Band. 28 de novembro de 2013. Consultado em 26 de abril de 2014 
  74. Dérek Bittencourt (21 de janeiro de 2014). «Arena Corinthians atinge 97% de obras concluídas». Diário do Grande ABC. Consultado em 26 de abril de 2014 
  75. Portal da Copa 2014 (14 de abril de 2014). «Arena Corinthians será entregue nesta terça-feira». Portal da Copa 2014. Consultado em 26 de abril de 2014 
  76. Fifa.com (15 de maio de 2013). «Entrega da Arena Corinthians está confirmada para dezembro de 2013». Portal da Copa de 2014. Consultado em 23 de abril de 2014 
  77. Bruno Winckler (15 de abril de 2014). «Estádio do Corinthians é entregue com homens trabalhando e R$ 100 mi mais caro». iG. Consultado em 23 de abril de 2014 
  78. Fabricio Crepaldi (1 de maio de 2014). «Funcionários da construtora fazem "primeiro jogo" da Arena Corinthians». Globoesporte.com. Consultado em 2 de maio de 2014 
  79. Felipe Bolguese (1 de maio de 2014). «Jogo entre operários não será evento-teste para Arena Corinthians». Globoesporte.com. Consultado em 2 de junho de 2014 
  80. «Com show de Ivete, Corinthians estreia Arena em festa de aniversário». Jovem Pan. 29 de Setembro de 2013 
  81. Sportv (2 de maio de 2014). «Jornalista: Arena Corinthians é palco de abertura menos testado das Copas». Sportv. Consultado em 2 de junho de 2014 
  82. Dassler Marques (24 de fevereiro de 2014). «Andrés quer até 100 jogadores para inaugurar casa corintiana». Portal Terra. Consultado em 2 de maio de 2014 
  83. Renata Mendonça (10 de maio de 2014). «Arena inaugurada em obras emociona, mas deixa torcida apreensiva sobre Copa». BBC Brasil. Consultado em 12 de maio de 2014 
  84. a b Globoesporte (10 de maio de 2014). «Rivellino comemora primeiro gol da Arena Corinthians: "Isso é fantástico"». Globoesporte.com. Consultado em 2 de junho de 2014 
  85. a b Almir Leite e Vítor Marques (10 de maio de 2014). «Arena Corinthians deve ter só testes parciais». O Estado de S. Paulo. Consultado em 2 de junho de 2014 
  86. Lancepress! (19 de maio de 2014). «Figueirense supera Timão e estraga a festa do primeiro jogo oficial na Arena». Lance!. Consultado em 2 de junho de 2014 
  87. Diego Ribeiro (20 de maio de 2014). «Fifa quer arquibancadas provisórias abertas no jogo Corinthians x Cruzeiro». Globoesporte.com. Consultado em 2 de junho de 2014 
  88. Camila Mattoso e Igor Resende (19 de maio de 2014). «Padrão Fifa: o que deu certo e o que deu errado na Arena Corinthians». ESPN. Consultado em 2 de junho de 2014 
  89. Diego Ribeiro (18 de maio de 2014). «Corinthians 0 x 1 Figueirense». GloboEsporte.com. Consultado em 20 de novembro de 2014 
  90. EFE (23 de maio de 2014). «Valcke revela insatisfação com 1º teste na Arena Corinthians». Esporte Interativo. Consultado em 2 de junho de 2014 
  91. Camila Mattoso (29 de maio de 2014). «Bombeiros vetam parcialmente arquibancadas móveis, e último teste Fifa na Arena Corinthians será pela 'metade'». ESPN. Consultado em 2 de junho de 2014 
  92. Diego Ribeiro e Marcelo Prado (1 de junho de 2014). «Arena melhora operação, mas tem problemas "padrão Fifa"». Globoesporte.com. Consultado em 2 de junho de 2014 
  93. a b Camila Mattoso e Igor Resende (2 de junho de 2014). «O acesso complicado e a estreia das provisórias: o que deu certo e errado no novo teste da Arena». ESPN. Consultado em 2 de junho de 2014 
  94. Diego Iwata, Rafael Reis, Marina Galeano e Renan Marra (1 de junho de 2014). «Estádio do Itaquerão tem menos falhas, mas acesso e saída são ruins». Folha de S.Paulo. Consultado em 2 de junho de 2014 
  95. a b c d Suzana Singer (23 de outubro de 2011). «Ombudsman: Fúria corintiana». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  96. a b c «Corinthians só poderá usar Fielzão em 2015, diz arquiteto do estádio». 7 de julho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  97. a b «Terreno do Fielzão ganha traves e novas linhas do 'campo'». 6 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  98. a b c d e f Vera Guimarães Martins (18 de maio de 2014). «Ombudsman: A revolta do batismo». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  99. a b c Vinícius Segalla (30 de setembro de 2013). «Itaquerão, Arena Corinthians ou qual nome?». UOL. Consultado em 21 de maio de 2014 
  100. a b c Mauro Cezar Pereira (18 de maio de 2014). «Palmeiras vende "naming rights". Corinthians não consegue e acusa imprensa porque povo consagra "Itaquerão"». ESPN. Consultado em 21 de maio de 2014 
  101. «Placas começam a ser alteradas com o nome Arena Corinthians». Terra. 14 de maio de 2014. Consultado em 21 de maio de 2014 
  102. «Corinthians fracassa na venda de naming rights à Petrobras». Lance Net. 25 de outubro de 2011. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  103. «Monica Bergamo: Nas Asas do Timão». Folha.com. 24 de novembro de 2011. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  104. «Banco não se interessa por naming rights da Arena Corinthians». Lance Net. 20 de fevereiro de 2012. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  105. «Cervejaria se assusta com valor e desiste de dar nome ao Itaquerão». Folha.com. 21 de maio de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  106. «Em Dubai, Andrés Sanchez negocia com Emirates para Arena Corinthians». ESPN Brasil. 31 de outubro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  107. «Andres negocia com 4 empresas para dar nome ao Itaquerão até o fim deste ano». Folha.com. 6 de novembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  108. «Andres volta aos Emirados para negociar naming rights da Arena Corinthians». O Estado de S. Paulo. 20 de novembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  109. «Corinthians aposta alto na venda dos naming rights do estádio». O Estado de S. Paulo. 10 de maio de 2014. Consultado em 11 de maio de 2014 
  110. a b Diego Ribeiro (5 de dezembro de 2014). «Com R$ 100 milhões a vencer, Timão busca renda para pagar Arena». Globoesporte.com. Consultado em 25 de maio de 2014 
  111. a b Diego Garcia (6 de janeiro de 2015). «Sem naming rights, Corinthians precisa de 'rendas malucas' para quitar 1ª parcela de Arena». ESPN. Consultado em 25 de maio de 2014 
  112. Marcel Rizzo (30 de outubro de 2014). «Em 2015, Corinthians terá de pagar R$ 100 milhões por primeira parcela do Itaquerão». Folha.com. Consultado em 25 de maio de 2014 
  113. Almir Leite e Vitor Marques (18 de maio de 2015). «Após 1 ano, Itaquerão ainda não funciona como arena multiuso». Exame. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  114. Almir Leite e Vitor Marques (10 de setembro de 2015). «Arena Corinthians terá show antes do jogo contra o Joinville». Folha de S. Paulo. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  115. a b Globo Esporte.com, ed. (6 de dezembro de 2013). «Confira a lista de jogos de cada sede da Copa do Mundo de 2014». Consultado em 12 de julho de 2014 
  116. O Estado de S. Paulo, ed. (12 de junho de 2014). «Simples e rápida, festa de abertura da Copa exalta o Brasil». Consultado em 13 de junho de 2014 
  117. Portal da Copa, ed. (12 de junho de 2014). «Cerimônia de abertura homenageia natureza, povo brasileiro e o futebol». Consultado em 13 de junho de 2014 
  118. «Fifa confirma Arena Corinthians, e Olimpíada terá 7 estádios». Terra. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  119. «Match Report - CAN vs. AUS» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 3 de agosto de 2016  |arquivourl= é mal formado: save command (ajuda)
  120. «Match Report - ZIM vs. GER» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 3 de agosto de 2016  |arquivourl= é mal formado: save command (ajuda)
  121. «Match Report - CAN vs. ZIM» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 11 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 6 de agosto de 2016 
  122. «Arena Corinthians enche no empate entre Austrália e Alemanha». Esportes Terra. Consultado em 6 de agosto de 2016  |arquivourl= é mal formado: save command (ajuda)
  123. «Match Report - CAN vs. ZIM» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 14 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 12 de agosto de 2016 
  124. «Match Report - BRA vs. CAN» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 19 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 19 de agosto de 2016 
  125. «Match Report - COL vs. NGA» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 11 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 10 de agosto de 2016 
  126. «Match Report - ZAF vs. IRQ» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 11 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 10 de agosto de 2016 
  127. «Match Report - BRA vs. COL» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 14 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 13 de agosto de 2016 
  128. «Match Report - NGR vs. GER» (PDF). smsprio2016-a.akamaihd.net. Consultado em 17 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 17 de agosto de 2016 
  129. Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo. «Arena Corinthians recebe mais de 30 mil pessoas em evento de caminhões monstros». http://esportes.estadao.com.br. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  130. a b c «Itaquerão, o estádio da abertura da Copa». 25 de agosto de 2013. Consultado em 25 de agosto de 2013 
  131. a b «LEI N.o 8851, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1978» (PDF). 26 de dezembro de 1978. Consultado em 20 de junho de 2013 
  132. a b «Especial Copa 2014: Arena Corinthians». 6 de março de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  133. a b «Victory in the race against time». 25 de março de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  134. «Precast Concrete in Brazilian Arenas for the 2015 World Cup. General Concepts and example: Corinthians Itaquera. SP» (PDF). Consultado em 20 de junho de 2013 
  135. a b c d e «Corintiano ganha estádio que terá a sua própria cara». 1 de dezembro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  136. a b «Arena Corinthians se prepara para sediar abertura da Copa do Mundo 2014». Consultado em 20 de junho de 2013 
  137. «O Projeto». Site Oficial do Corinthians. 20 de abril de 2014. Consultado em 26 de julho de 2014 
  138. TecMundo. «Arena Corinthians terá maior telão do mundo, equivalente a 3.250 TVs de 52"». Consultado em 28 de junho de 2015 
  139. «Estádio Itaquera SCCP / Itaquera Corinthian Stadium, World Cup 2014» (PDF). Consultado em 10 de dezembro de 2013 
  140. a b c «OSRAM e Galtier revelam detalhes das fachadas da Arena Corinthians». 14 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  141. «Works in Progress». Consultado em 28 de junho de 2013 
  142. «Large scale double curved glass façades made feasible — The Arena Corinthians West Façade, Sao Paulo». Consultado em 10 de julho de 2013 
  143. «A Casa dos Loucos». 16 de maio de 2014 
  144. «Concluída a montagem dos vidros da fachada principal da Arena Corinthians». Consultado em 8 de janeiro de 2014 
  145. «Corinthians testa o 'maior telão do mundo' em seu estádio em Itaquera». O Estado de S. Paulo. 19 de abril de 2013. Consultado em 18 de junho de 2013 
  146. a b c d «Football arena in Sao Paulo: complete stadium lighting from a single source». Consultado em 20 de junho de 2013 
  147. «Works in Progress». Consultado em 28 de junho de 2013 
  148. «AGC Supplies All Glass for Arena Corinthians». 23 de abril de 2014. Consultado em 23 de abril de 2014 
  149. «Cerâmica». 9 de agosto de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  150. «Sobre a Obra». 16 de julho de 2013. Consultado em 16 de julho de 2013 
  151. a b «Entre as novidades da Arena, Itaquerão terá até discoteca para torcedores». 23 de dezembro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  152. «Mutante». 10 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  153. «Gensler». Consultado em 20 de junho de 2013 
  154. a b «Esbanjando luxo, Arena Corinthians chega à reta final das construções; veja em FOTOS e VÍDEO». 28 de agosto de 2013. Consultado em 28 de agosto de 2013 
  155. www.corinthians.com.br. «Arena Corinthians apresenta nova configuração de setores e preços para o início da temporada 2017». Consultado em 18 de novembro de 2017 
  156. Por GloboEsporte.com. «Arena do Timão vai retirar cadeiras para organizadas e visitantes». Consultado em 19 de novembro de 2017 
  157. www.arenacorinthians.com.br. «Arena Corinthians - Informações». Consultado em 18 de novembro de 2017 
  158. a b Beatriz Souza (10 de julho de 2014). «O que acontecerá com o Itaquerão e entorno sem a Copa». Exame.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  159. «Inspiração no Dallas e cadeiras brancas». 6 de fevereiro de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  160. Lancenet.com.br. «Timão arrecada apenas 55% do que previu Andrés nos jogos na Arena». Consultado em 1 de agosto de 2014 
  161. a b c Paulo Favero (2 de setembro de 2013). «Itaquerão, do Corinthians, terá cadeiras resistentes para combater vandalismo». O Estado de S. Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  162. «The first 500 Integra chairs has been installed at Corinthians Stadium in Brazil». 2 de setembro de 2013. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  163. «Itaquerão terá poltronas de Ferrari em setor 'very VIP'». 14 de novembro de 2013. Consultado em 14 de novembro de 2013 
  164. «Arena Corinthians chega a 75,7% de avanço, após quase dois anos de obras». 2 de maio de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  165. Corinthians.com.br. «Esclarecimento sobre venda dos camarotes da Arena Corinthians». Consultado em 26 de setembro de 2014 
  166. «Lado oeste da Arena é visto como mina de ouro pelo Corinthians». 18 de agosto de 2013. Consultado em 18 de agosto de 2013 
  167. a b «Com 'cara paulistana', Itaquerão é 'verde' e retangular». 4 de setembro de 2011. Consultado em 22 de julho de 2013 
  168. Corinthians Supremo. «Corinthians fatura os primeiros R$ 40 milhões com seu novo estádio». Consultado em 28 de junho de 2014 
  169. Camilla Mattoso e Marcus Alves - ESPN.com.br. «Corinthians inaugura novo espaço de fast-food na arena e 'delivery' na arquibancada». Consultado em 16 de maio de 2016 
  170. MaxPress. «Patroni leva profissionalização à Arena Corinthians em operação inédita viabilizada pela AR Fast Food». Consultado em 16 de maio de 2016 
  171. «Exclusivo: veja em 3D como será a cobertura da Arena Corinthians». 3 de outubro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  172. «Arena Corinthians instala último módulo metálico da cobertura Oeste». 29 de maio de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  173. a b «Cobertura vai dar charme final à Arena Corinthians». 16 de junho de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  174. «New Stadium on Track for 2014 World Cup Games». 20 de novembro de 2012. Consultado em 28 de junho de 2013 
  175. «VALLOUREC : VALLOUREC CONTRIBUE À LA RÉNOVATION DES PRINCIPAUX STADES DE FOOTBALL POUR LA COUPE DU MONDE DE LA FIFA, BRÉSIL 2014(TM)» (em francês). 10 de junho de 2013. Consultado em 28 de junho de 2013 
  176. a b «Protótipo da cobertura da Arena Corinthians está 'escondido' no CT». 22 de setembro de 2012. Consultado em 3 de julho de 2013 
  177. «ARENA CORINTHIANS - ITAQUERA - SÃO PAULO». Janeiro de 2012. Consultado em 11 de julho de 2013 
  178. «Na cara do gol». 29 de maio de 2013. Consultado em 11 de julho de 2013 
  179. «Arena Corinthians se prepara para sediar abertura da Copa do Mundo 2014». Consultado em 1 de agosto de 2013 
  180. «Acústica do Itaquerão duplicará som da torcida em relação a Pacaembu». 4 de setembro de 2013. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  181. a b «Arena Corinthians terá iluminação 50% superior à exigida pela Fifa». 2 de agosto de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  182. «Projetos». Consultado em 20 de junho de 2013 
  183. «Sueño hecho de hormigón, acero y polémica» (em espanhol). 19 de janeiro de 2012. Consultado em 28 de junho de 2013 
  184. a b «Veja novo vídeo do projeto em torno do Itaquerão». 1 de novembro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  185. «Arena Corinthians será inaugurada em dezembro sem telões de alta definição». 19 de março de 2014. Consultado em 25 de março de 2014 
  186. «Aperto financeiro atrasa aquisição de telões de estádio corintiano». 15 de março de 2014. Consultado em 25 de março de 2014 
  187. «Aperto financeiro atrasa aquisição de telões de estádio corintiano». 15 de março de 2014. Consultado em 25 de março de 2014 
  188. «Itaquerão será entregue inacabado à Fifa». 18 de março de 2014. Consultado em 25 de março de 2014 
  189. «Corinthians tem proposta 'espetacular' para 3.500 telas de TV no Itaquerão». 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  190. Osram. «Por que o estádio do Corinthians tem a melhor iluminação do mundo?». Consultado em 28 de junho de 2015 
  191. «Corinthians apresenta iluminação moderna para seu estádio». 3 de agosto de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  192. «Football Stadiums: Technical recommendations and requirements - 5th Edition» (PDF). 2011. p. 66. Consultado em 23 de junho de 2013 
  193. «Empresa firma parceria e será responsável pelo gramado da Arena Corinthians». 5 de fevereiro de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  194. «Corinthians customiza Itaquerão e integra história, rivalidade e superstição». 11 de novembro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  195. Braga, Marcelo (13 de junho de 2013). «Gramado da Arena Corinthians terá tecnologia como de campo de golfe». Consultado em 20 de junho de 2013 
  196. a b «Campo do Itaquerão terá instalação de grama sintética e resfriamento». 1 de novembro de 2013. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  197. «SEMENTES DE GRAMA». Consultado em 20 de junho de 2013 
  198. a b «Corinthians investe em gramado do Itaquerão por campo perfeito na Copa». 14 de julho de 2013. Consultado em 15 de julho de 2013 
  199. «Perennyal Ryegrass Blend Tech Sheet» (PDF). 30 de janeiro de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  200. a b c «Itaquerão vai inovar conceito de gramado para a Copa». 16 de fevereiro de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  201. «Máquinas de sistema inédito de resfriamento do gramado chegam à Arena Corinthians». 31 de outubro de 2013. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  202. «World Sports apresenta novidade no sistema de drenagem a vácuo». 9 de maio de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  203. «CHAPTER 4 - RAINFALL AND EVAPOTRANSPIRATION». Consultado em 20 de junho de 2013 
  204. «World Sports segue inovando na Arena do Corinthians». 10 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  205. «2014 WORLD CUP BRAZIL: COMBA TELECOM TO SUPPLY A FURTHER FOUR STADIUMS WITH 2G/3G/4G LTE TURNKEY WIRELESS SOLUTIONS». 19 de novembro de 2013. Consultado em 21 de novembro de 2013 
  206. a b «O Itaquerão é Nuestro, Diz a Chilena Sonda». 2 de maio de 2012. Consultado em 15 de agosto de 2013 
  207. Dassler Marques. «Arena Corinthians recebe a certificação internacional LEED de sustentabilidade». Agência Corinthians. Consultado em 16 de julho de 2017 
  208. arenacorinthians.com.br. «Eventos Arena Corinthians». Consultado em 19 de maio de 2016 
  209. Dassler Marques. «1º casamento da Arena Corinthians tem noiva no vestiário e piada com rival...». esporte.uol.com.br. Consultado em 21 de maio de 2017 
  210. Prefeitura de São Paulo, ed. (Setembro de 2012). «Polo Institucional de Itaquera» (PDF). Consultado em 1 de junho de 2014 
  211. a b UOL, ed. (22 de maio de 2014). «Vice de Haddad vê aposta no 'quanto pior melhor' em protesto contra a Copa». Consultado em 1 de junho de 2014 
  212. a b «Nova rodoviária em Itaquera terá ônibus para MG e praias de SP». Folha de S. Paulo. 20 de julho de 2011. Consultado em 23 de junho de 2012 
  213. Comitê Paulista da Copa do Mundo FIFA 2014, ed. (19 de maio de 2014). «Interligação Norte-Sul e viadutos do Complexo Viário Polo Itaquera são liberados para tráfego». Consultado em 1 de junho de 2014 
  214. «Metrô e trem vão dar conta de esvaziar Itaquerão em meia hora, diz Alckmin». 21 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  215. «'Expresso da Copa' leva 17 minutos do centro ao Itaquerão». 28 de novembro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  216. Portal Brasil. «Arena Corinthians mostra detalhes do acesso e da construção». Consultado em 2 de agosto de 2015 
  217. «Estacionamentos» (PDF). Consultado em 20 de junho de 2013 
  218. «Linhas de ônibus que passam perto da estação Corinthians - Itaquera». 20 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  219. Por Meu Timão. «Grafite em muro da Arena Corinthians homenageia Pacaembu». Consultado em 30 de setembro de 2015 
  220. Jack Bell (23 de outubro de 2013). «'The Simpsons': Springfield to Brazil». The New York Times (em inglês). NYTimes. Consultado em 24 de março de 2014 
  221. «Building the World Cup». Consultado em 16 de maio de 2014 
  222. «Episodios» (em espanhol). Consultado em 16 de maio de 2014 
  223. «PES 2016 terá Arena Corinthians, Morumbi e mais estádios brasileiros - Jogos - UOL Jogos». UOL Jogos. 4 de agosto de 2015. Consultado em 9 de março de 2017 
  224. Paulo, iG São (7 de setembro de 2016). «'PES 2017' terá seis estádios brasileiros; veja as fotos - Home - iG». iGames. Consultado em 9 de março de 2017 
  225. a b «Poder político ajuda Itaquerão contra o Morumbi na Copa de 2014». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  226. Esporte Fino - CartaCapital, ed. (17 de abril de 2013). «A peça que faltava na vergonha do Itaquerão». Consultado em 15 de julho de 2014 
  227. Juliana Cardilli (30 de agosto de 2010). «Estádio custará R$ 350 milhões, diz presidente do Corinthians». G1. Consultado em 19 de maio de 2014 
  228. O Estado de S. Paulo, ed. (1 de julho de 2011). «Câmara aprova isenção fiscal para estádio do Corinthians». Consultado em 19 de maio de 2014 
  229. Esporte Fino - CartaCapital, ed. (3 de agosto de 2011). «Uma vergonha monumental». Consultado em 15 de julho de 2014 
  230. «Overdue: Brazil chooses venue for World Cup opener». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  231. «'Financial Times' vê problema em estádio do Corinthians e na CBF». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  232. «Ação Arquivada». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  233. «Laudo do MP já havia apontado 50 irregularidades na obra do Itaquerão». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  234. «Projeto do Itaquerão está em situação irregular». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  235. «Extrato 50ª Reunião Ordinária». Consultado em 2 de fevereiro de 2014 
  236. «Arena Corinthians 'não está segura' para ser aprovada, dizem bombeiros». Consultado em 1 de abril de 2014 
  237. Projeto final de "segurança" da Arena Corinthians foi integralmente aprovado pelo Corpo de Bombeiros
  238. «Peritos alemães analisam caixa preta do acidente na Arena Corinthians». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  239. «Houve alerta sobre guindaste do Itaquerão, diz sindicato». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  240. «Sindicato revela alerta de problema no guindaste antes de acidente na Arena». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  241. «Corinthians e Odebrecht negam alerta sobre problema em guindaste». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  242. «Construtora nega ter recebido alerta de sindicato sobre problema na obra». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  243. «Ministério do Trabalho embarga atividade com guindastes na Arena». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  244. «Todos os guindastes voltam a operar na obra da Arena Corinthians, em São Paulo». Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  245. «Corinthians e Odebrecht não creem em danos na estrutura». globo.com. 27 de novembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  246. «Parte de estrutura metálica do Itaquerão desaba e mata funcionários». uol.com.br. 27 de novembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  247. «Blatter diz que Itaquerão só será entregue em abril de 2014». uol.com.br. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 5 de dezembro de 2013 
  248. «Operário da Arena Corinthians sofre queda de oito metros e morre». www.estadao.com.br. 29 de março de 2014. Consultado em 29 de março de 2014 
  249. «Problemas na Arena Corinthians atrapalham venda de naming rights». Estado de São Paulo. 10 de outubro de 2016 
  250. «E-mails detalham problemas de estrutura enfrentados pela Arena Corinthians». 14 de outubro de 2016 
  251. «Parte de teto da Arena Corinthians cai - incidente não afetará jogos no estádio». GloboEsporte.com. 23 de fevereiro de 2016 
  252. «Estádio do Corinthians tem vazamento de água - Notícias - UOL Notícias». UOL Notícias 
  253. «Após vistoria, MP afirma que Arena Corinthians não oferece riscos». GloboEsporte.com. 18 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons