Ferrovia Paulista S/A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está em processo de expansão ou reestruturação durante um curto período.
Isso significa que o conteúdo está instável e pode conter erros que estão a ser corrigidos. Por isso, não convém editar desnecessariamente ou nomear para eliminação durante esse processo, para evitar conflito de edições; ao invés, exponha questionamentos na página de discussão. Caso a última edição tenha ocorrido há vários dias, retire esta marcação.
Ferrovia Paulista S/A
FEPASA
Terceiro logotipo da Fepasa
Razão social Ferrovia Paulista S/A
Empresa estatal
Atividade Transporte ferroviário, Logística
Gênero Sociedade anônima
Fundação 28 de outubro de 1971 (47 anos)
Destino Incorporada pela RFFSA
Encerramento 29 de maio de 1998 (20 anos)
Sede São Paulo
Área(s) servida(s)  São Paulo e  Minas Gerais
Proprietário(s) Governo do Estado de São Paulo
Produtos Transporte de passageiros e movimentação de carga
Divisões FEPASA DRM
(Transporte de passageiros nas RMs)
Antecessora(s) CPEF
CMEF
EFS
EFA
EFSPM
Sucessora(s) CPTM (passageiros)
Ferroban (cargas)

Ferrovia Paulista S/A - FEPASA foi uma empresa estatal paulista de transporte ferroviário de cargas e de passageiros, sendo constituída mediante a unificação das empresas Companhia Paulista de Estradas de Ferro, Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, Estrada de Ferro Sorocabana, Estrada de Ferro Araraquara e Estrada de Ferro São Paulo e Minas.[1]

Permaneceu em atividade de outubro de 1971 até maio de 1998, quando foi extinta e incorporada à Rede Ferroviária Federal.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Apesar da grande contribuição das ferrovias paulistas ao desenvolvimento do estado de São Paulo até meados do século passado, a partir de 1945 elas entraram num processo de estagnação e obsoletismo pela falta de adequação técnica, operacional e física.

Como forma de reverter essa situação, o governador Carvalho Pinto optou pela criação de uma empresa única, ideia essa surgida a partir de 1962, com uma mensagem encaminhada à Assembleia Legislativa[2], propondo a unificação das ferrovias paulistas por medida de ordem econômica, pois havia cinco ferrovias diferentes e estatais no estado. Houve rejeição desta proposta, sendo reencaminhada em 1966 e novamente rejeitada pela Assembleia Legislativa.[3]

Em 1967, o governador Abreu Sodré deu o primeiro passo ao transferir para a Companhia Paulista de Estradas de Ferro a administração da Estrada de Ferro Araraquara, e para a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, a administração da Estrada de Ferro São Paulo e Minas.

Em seguida, o governador através de decretos datados de 19 de setembro de 1969, transformou todas as ferrovias de sua propriedade em sociedades anônimas, a exemplo do que já ocorria com a Paulista e com a Mogiana.

Fundação[editar | editar código-fonte]

A consolidação da unificação das ferrovias vai ocorrer no governo de Laudo Natel, quando este através do decreto nº 10.410, de 28.10.1971[1] sancionou a criação da nova empresa, oficializando a FEPASA - Ferrovia Paulista S/A.

Ao invés de ocorrer uma fusão entre todas as companhias, como preceituava a letra da lei, foi decidido em Assembleia Geral Extraordinária convocada para o dia 10 de novembro de 1971, alterar previamente a denominação social da "Companhia Paulista de Estradas de Ferro" para "FEPASA - Ferrovia Paulista S/A", seguido de incorporação à FEPASA do acervo total da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, da Estrada de Ferro Araraquara, da Estrada de Ferro Sorocabana e da Estrada de Ferro São Paulo e Minas, onde logo em seguida as quatro companhias foram declaradas extintas.

Início e expansão[editar | editar código-fonte]

Quando criada, o contingente de mão de obra ferroviária da empresa representava 36.642 pessoas. As décadas de 1970 e 1980 foram períodos de grandes investimentos na ferrovia.

Com o apoio de entidades como o Banco Mundial, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, entidades de fomento de exportações e bancos de crédito internacionais, desenvolveram-se programas como o Corredor de Exportação Araguari-Santos, com a retificação de traçado na antiga Linha Tronco da Mogiana, dando acesso ao terminal da Refinaria de Paulínia; e também do traçado da antiga Sorocabana, que vai de Campinas ao trecho da Serra do Mar e que dá acesso à margem esquerda do Porto de Santos; além da Extensão Juquiá-Cajati. Os investimentos resultaram em expressivo crescimento do transporte ferroviário, que evoluiu de 8 milhões de toneladas ano em 1976 para 23 milhões de toneladas em 1982.[3]

Extinção e concessão da Malha Paulista[editar | editar código-fonte]

Em 1996 a CPTM - Companhia Paulista de Trens Metropolitanos assumiu os sistemas de trens da Fepasa DRM, e passa a operar efetivamente as atuais Linha 8 Diamante e Linha 9 Esmeralda[4], que faziam parte da malha ferroviária utilizada para o transporte suburbano nas regiões Oeste e Sul da Grande São Paulo, e o Trem Intra Metropolitano (TIM)[5], que foi criado pela Fepasa no dia 12 de julho de 1990 para o transporte de passageiros da estação de Samaritá em São Vicente até a estação Ana Costa em Santos. Essa cisão ocorreu para que se iniciasse a privatização da malha da Fepasa e que os serviços de transporte metropolitano de passageiros permanecessem sob controle do estado.

Em 2 de janeiro de 1998, a Fepasa foi federalizada e incorporada integralmente à RFFSA - Rede Ferroviária Federal, como pagamento de dívidas do governo de São Paulo com a União, pelo então governador Mário Covas.

A transferência foi homologada após a autorização dada pela Assembleia Geral Extraordinária, ocorrida em 29 de maio de 1998. Com isso, o trecho correspondente a malha ferroviária da antiga Ferrovia Paulista S/A, passa a se chamar Malha Paulista da RFFSA.

No leilão de concessão da Malha Paulista pela RFFSA, ocorrido no dia 10 de novembro de 1998 na Bolsa de Valores de São Paulo, foi vencedor o consórcio Ferroban - Ferrovia Bandeirantes, por um período de 30 anos renováveis em igual prazo contados a partir de 1 de janeiro de 1999, quando assumiu o controle do trecho paulista[6].

No processo de concessão, a malha original de bitola métrica da Fepasa sofreu duas cisões: O trecho de Campinas a Uberlândia (MG), oriundo da CMEF, ficou sob o controle da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), e os trechos de Iperó a Apiaí e de Rubião Junior a Presidente Epitácio, oriundos da EFS, ficaram sob o controle da Ferrovia Sul Atlântico (FSA).

No ano de 2002 a Ferroban teve seu controle assumido pela holding Brasil Ferrovias, que em 2004 transferiu o trecho de bitola métrica entre Mairinque e Bauru para a Ferrovia Novoeste. Em 2006, a Brasil Ferrovias foi absorvida pela América Latina Logística (ALL), em vista da operação de incorporação de ações. Desde abril de 2015, a Malha Paulista é administrada pela Rumo Logística, que incorporou a ALL.

Locomotivas e material rodante[editar | editar código-fonte]

A Fepasa chegou a contar com 622 locomotivas, 1.109 carros de passageiros de longo percurso, 116 trens-unidade para transporte urbano de passageiros e 17.200 vagões de cargas de diversos tipos.[3]

Locomotivas[editar | editar código-fonte]

As locomotivas de bitola estreita foram herdadas da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro e da Estrada de Ferro Sorocabana e as locomotivas de bitola larga foram herdadas da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e da Estrada de Ferro Araraquara. Outras locomotivas de ambas as bitolas foram adquiridas posteriormente pela própria Fepasa.[7]

Modelo Fabricante Tração Origem Série Fepasa Numeração Fepasa Bitola Rodagem Ano de Fabricação Frota Potência Imagem
GE 1-C+C-1
Loba
GE Elétrica EFS 2000 2001-2025 Estreita 1-C+C-1 1943 a 1949 25 GE 1+C-C+1 (Loba) 2013 ALL.jpg
GE 1-C+C-1
Loba
Westinghouse Elétrica EFS 2050 2051-2071 Estreita 1-C+C-1 1943 a 1949 21 GE 1+C-C+1 (Loba) 2013 ALL.jpg
GE B-B
Mini-Saia
GE-Brasil Elétrica EFS 2100 2101-2130 Estreita B+B 1967 30
Alstom EC-362/386
Francesa
Alstom Elétrica Fepasa 2200 2201-2202 Estreita B+B 1987 2 3400 hp Alsthom EC-386 Fepasa 2201.jpg
GE 47T GE-Caterpillar Diesel-Elétrica EFS 3000 3001-3010 Estreita B+B 1947 10 600 hp
GE U6C GE Diesel-Elétrica CMEF e EFS 3100 3101-3144 Estreita C+C 1950 a 1953 44 600 hp ABPF 03 GE 70 ton switcher.jpg
GE U12B GE Diesel-Elétrica EFS 3200 3201-3222 Estreita B+B 1957 22 1200 hp
Whitcomb 94T Baldwin Diesel-Elétrica EFS 3300 3301-3315 Estreita A1A+A1A 1949 15
Baldwin AS616 Baldwin Diesel-Elétrica EFS 3400 3401-3415 Estreita C+C 1953 a 1954 15
GE U18C GE Diesel-Elétrica EFS 3500
(antiga)
3501-3505 Estreita C+C 1958 5
ALCO RSD-8 ALCO Diesel-Elétrica CMEF 3500
(nova)
3501-3510 Estreita C+C 1958 10 900 hp Trem Intra Metro02.JPG
EMD GL8 EMD Diesel-Elétrica CMEF e EFS 3600 3601-3638 Estreita B+B 1958 38 875 hp GM GL8 3632 ALL.JPG
EMD G12 EMD Diesel-Elétrica CMEF 3650 3651-3680 Estreita B+B 1957 30 1425 hp GM G12 4259 ALL.JPG
LEW DE II S LEW Diesel-Elétrica EFS 3700 3701-3730 Estreita B+B 1967 a 1968 30 1050 hp LEW DE II S 3717 FERROBAN.jpg
LEW DE III M LEW Diesel-Elétrica CMEF 3750 3751-3767 Estreita B+B 1967 a 1968 17 1400 hp LEW DE III M 3757 FERROBAN.jpg
Krupp Krupp Diesel-Elétrica EFS 3800
(antiga)
3801-3820 Estreita B+B 1952 20 900 hp
GE U20C GE-Brasil Diesel-Elétrica Fepasa 3800
(nova)
3801-3910 Estreita C+C 1974 a 1979 110 2000 hp GE U20C 3860 FEPASA.jpg
GE 2-C+C-2
Escandalosa
GE Elétrica EFCB 6100 6101-6105 Larga 2-C+C-2 1947 5
GE 2-C+C-2
Escandalosa
Westinghouse Elétrica EFCB 6150 6151-6153 Larga 2-C+C-2 1947 3
Alstom EC-362/386
Francesa
Alstom Elétrica Fepasa 6200 6201 Larga B+B 1987 1 3400 hp Alsthom EC-386 Fepasa 2201.jpg
GE 2-B+B-2 GE Elétrica CPEF 6300 6301-6304 Larga 2-B+B-2 1921 a 1922 4 1428 hp GE 2-B+B-2 CP 300.jpg
Baldwin-Westinghouse 1-B+B-1 Baldwin-Westinghouse Elétrica CPEF 6310 6311-6313 Larga 1-B+B-1 1921 e 1925 3 1627 hp Baldwin-Westinghouse CP 213.JPG
Winterthur-BBC 1-D-1 Winterthur-BBC Elétrica CPEF 6320 6321 Larga 1-D-1 1929 1 2520 hp WBB BOX 320 CP.JPG
MK 1-C+C-1 Metropolitan Vickers Elétrica CPEF 6330 6331 Larga 1-C+C-1 1925 1 1923 hp MV 1-C-C-1 CP nº330 Israel Vieira da Silva.jpg
GE C-C
Vanderléia
GE-Brasil Elétrica CPEF 6350 6351-6360 Larga C+C 1967 10 4385 hp
GE 2-C+C-2
V8
GE Elétrica CPEF 6370 6371-6392 Larga 2-C+C-2 1940 a 1948 22 3817 hp GE 2-C+C-2 ABPF-SP.JPG
GE B+B
Quadradinha
GE Elétrica CPEF 6400 6401-6408 Larga B+B 1921 8 1428 hp GE B+B ABPF-SP.JPG
Baldwin-Westinghouse C+C
Box
Baldwin-Westinghouse Elétrica CPEF 6410 6411-6418 Larga C+C 1927 a 1928 8 1521 hp Baldwin-Westinghouse C+C Fepasa 6413.JPG
GE 1-C+C-1 GE Elétrica CPEF 6420 6421-6429 Larga 1-C+C-1 1928 e 1930 9 2200 hp Railway and locomotive engineering - a practical journal of railway motive power and rolling stock (1928) (14574203460).jpg
GE 2-D+D-2
Russa
GE Elétrica CPEF 6450 6451-6455 Larga 2-D+D-2 1951 5 4655 hp GE RUSSA 6454 FEPASA.jpg
GE B-B
Baratinha
GE Elétrica CPEF 6500 6501-6509 Larga B+B 1924 a 1926 9 510 hp GE B-B (Baratinha) CP 502.jpg
GE B-B
Baratona
GE Elétrica CPEF 6510 6511-6518 Larga B+B 1947 8 510 hp
EMD GP9 EMD Diesel-Elétrica EFA 7000 7001-7005 Larga B+B 1957 5 1750 hp GM GP9 7004 FEPASA 2.jpg
EMD GP18 EMD Diesel-Elétrica EFA 7000 7006-7017 Larga B+B 1960 12 1750 hp GM GP18 7012 FEPASA.jpg
EMD G12 EMD Diesel-Elétrica CPEF 7050 7051-7068 Larga B+B 1958 18 1425 hp Locomotiva estacionada no pátio da Estação Ferroviária de Itu - Variante Boa Vista-Guaianã km 202 - panoramio.jpg
GE C30-7 GE Diesel-Elétrica Fepasa 7200 7201-7207 Larga C+C 1989 7 4400 hp Comboios em cruzamento no pátio da Estação Ferroviária de Salto - Variante Boa Vista-Guaianã km 210 - panoramio (3).jpg
ALCO PA-2 ALCO-GE Diesel-Elétrica CPEF 7600 7601-7603 Larga A1A+A1A 1953 3 2250 hp
ALCO RSC-3 ALCO-GE Diesel-Elétrica CPEF 7650 7651-7662 Larga A1A+A1A 1951 12 1600 hp ALCO RSC3 7653 IRON.jpg
GE U9B GE Diesel-Elétrica CPEF 7740 7741-7750 Larga B+B 1958 10 900 hp GE-U9B-NOB.jpg
LEW DE I PA LEW Diesel-Elétrica CPEF 7760 7761-7796 Larga B+B 1967 36 1050 hp LEW DE I PA 7792 FERROBAN.jpg
GE U20C GE-Brasil Diesel-Elétrica Fepasa 7800 7801-7826 Larga C+C 1974 a 1977 26 2000 hp GE U20C 7812 FERROBAN.jpg

Carros de passageiros[editar | editar código-fonte]

Composições ferroviárias[editar | editar código-fonte]

Malha ferroviária[editar | editar código-fonte]

Malha Ferroviária da FEPASA em 1987.

Ao todo, a Fepasa contava com 5.252 km de linhas ferroviárias.[3]

Linhas e ramais[editar | editar código-fonte]

Principais estações ferroviárias[editar | editar código-fonte]

Serviços ferroviários[editar | editar código-fonte]

Subúrbios e trens urbanos[editar | editar código-fonte]

Trens de passageiro de longo percurso[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Comprimento (km) Estações Observações
Linha Bandeirantes SorocabaApiaí 228 49 Linha suprimida em 2001
Linha Bandeirantes Embu-GuaçuSantos 86 18 Linha suprimida em 1999
Linha Bandeirantes PeruíbeCampinas 290,6 48 Linha suprimida em 1998
Linha Bandeirantes AraraquaraBarretos 154 20 Linha suprimida em 1997
Linha Bandeirantes CampinasPanorama 615 20 Linha suprimida em 1997
Linha Bandeirantes SantosJuquiá 243 40 Linha suprimida em 1998
Linha Expressa São José do Rio PretoTerminal Intermodal Palmeiras-Barra Funda 508 15 Linha Suprimida em 1997
Linha Expressa CampinasAraguari 659 52 Linha suprimida em 1997

Linhas expressas: são as linhas em que os trens não paravam em todas as estações, mas somente nas principais, onde a demanda de passageiros era maior.

Diretores-presidentes[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Raul Pires de Castro, de 1971 a 1975
  • 2º - Walter Pedro Bodini, de 1975 a 1979
  • 3º - Chafic Jacob, de 1979 a 1983
  • 4º - Cyro Antonio de Laurenza Filho, de 1983 a 1984
  • 5º - Sebastião Hermano Leite Cintra, de 1984 a 1987
  • 6º - Antônio Carlos Rios Corral, de 1987 a 1990
  • 7º - Sérgio Lorena de Mello, de 1990 a 1991
  • 8º - Walter Pedro Bodini, de 1991 a 1994
  • 9º - Oliver Hossepian Salles de Lima, de 1994 a 1995
  • 10º - Renato Casale Pavan, de 1995 a 1997
  • 11º - Silvio Augusto Minciotti, de 1997 a 1998

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «LEI N. 10.410, DE 28 DE OUTUBRO DE 1971 - Constituição da FEPASA - Ferrovia Paulista S. A. e dá providências relacionadas com essa constituição». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2019 
  2. «Elaboração da mensagem criando a FEPASA» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  3. a b c d «História da Fepasa». Página da Ferroban (arquivada) 
  4. «Nossa História - CPTM». Companhia Paulista de Transportes Metropolitano 
  5. http://www.pell.portland.or.us/~efbrazil/placa_tim.html
  6. Bernardino Furtado (10 de novembro de 1998). «Malha ferroviária paulista vai hoje a leilão». Folha de São Paulo. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  7. «Locomotivas da Fepasa». Centro-Oeste Brasil 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]